História Eight - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Austin Collins, Catherine Jones, Ethan Banks, Lilly Miller, Luke Elliot, Peter Evans, Rosie Meyer, Samantha Campbell
Exibições 5
Palavras 5.013
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Olá, essa é uma das minhas primeiras histórias, mas então, se alguém por obséquio gostar e quiser q eu coloque as roupas das meninas nas notas finais pode falar, ok? Bjão!

Capítulo 1 - Festa


Fanfic / Fanfiction Eight - Capítulo 1 - Festa

Lilly

Hoje é sábado e eu, como uma adolescente qualquer, deveria estar me arrumando pra uma festa super hiper mega importante - ou não -, mas se não tem festa, não tem nada.

E finalmente por ajuda do Senhor, meu celular tocou em cima da cômoda. Essa é a parte em que eu tenho que sair da minha confortável cama e ir buscar o celular... Mereço.

- Oi - atendi, voltando pra cama.

- Hey, Lilly! Os meninos estão aqui em casa - Peter respondeu.

Fiquei pensando por alguns segundos o que aquela informação iria mudar na minha vida.

- E daí?

- Não temos nada pra fazer, então pensamos em ligar pra saber se você e as meninas têm algum plano pra hoje.

- Hm... - Olhei ao redor, pro quarto bagunçado e minha roupa de mendiga. - Meus planos pra hoje são ficar na cama, terminar de assistir a terceira temporada de Friends e tentar começar a quarta. As meninas eu não sei.

- Elas não estão aí com você?

- Não. Não somos apaixonadas uma pela outra como você e os garotos.

- Haha. Mas então... Rola uma festa?

- Ué, você não disse que não tinham nada pra fazer?

- Exatamente, agora temos uma festa pra organizar.

- O que?

- E, levando em conta que você é a única que não tem supervisão dos pais hoje, vai ser aí.

- Não! Peter...

- Já estamos indo, liga pras meninas.

- Mas...

- Tarde demais pra "mas", o Ethan já mandou mensagem pra galera.

Desliguei o celular, reprimi a vontade de jogá-lo do outro lado do quarto. Não tenho dinheiro pra comprar outro.

Nunca desejei tanto que meus pais não tivessem viajado...

E que eu fosse rica pra poder jogar esse celular na parede e depois comprar outro.

Ok, se eles querem fazer a festa tudo bem. Só que eu não vou ajudar em nada, nem pagar, arrumar ou arcar com as consequências do mal estar de ninguém amanhã. Só com o meu, afinal eu não estou morta, preciso curtir o hoje.

Comecei arrumando o meu quarto, sei que ninguém vem aqui, só os putos dos meus amigos, mas eu odeio de coração aberto ver meu quarto bagunçado, apesar dele só viver assim.

Abri a sacada, a casa ao lado da minha é a da Cat, foi assim que nos conhecemos há alguns anos atrás.

- CAT! - gritei.

A sacada dela estava aberta, mas a criatura tinha um fone no ouvido que provavelmente estava no volume máximo.

- CAT! - tentei de novo. Joguei um dos meus bichinhos de pelúcia no quarto dela e assim ela se levantou da cama e chegou mais perto, sem os fones no ouvido. - Os meninos vão dar uma festa.

Pelo sorriso que ela deu, percebi que eles também atrapalharam o grande nada que ela tinha pra fazer hoje.

- Oh God, graças a Deus! Onde?

- Aqui.

- Mas a festa não era dos meninos? - franziu a sobrancelha.

- Tecnicamente sim, mas segundo eles eu não tenho "supervisão dos pais".

- Ah, ok. Já estou indo - fechou a janela.

Considerando que são três da tarde agora, ainda temos - eles têm - tempo pra arrumar alguma coisa.

Desci pra procurar algo pra comer na geladeira, mas sabe quando tem tudo em um lugar, menos o que você quer? Esse é exatamente o meu caso. Acabei por pegar um iogurte, assim que a campainha tocou.

Cat entrou com o celular nas mãos e já foi logo se deitando no sofá, com os pés pra cima.

- E aí, gorda? - Perguntei.

- Você já se perguntou por que os garotos daqui são tão ingleses?

Talvez porque eles são ingleses.

- Como?

- Tipo, eles não podiam ter um bronzeado legal? Aquele negócio de filme com caras musculosos e morenos, saindo do mar em câmera lenta e balançando o cabelo molhado.

- Ué, o Ethan e o Austin meio que são... "bronzeados".

Cat me olhou com sua melhor cara de ‘novidade’.

- Sim, mas o Ethan e o Austin são meus amigos. Eu não saio por aí pegando meus amigos, como você e o Peter!

- Só foi uma vez - me defendi.

- Uma vez até hoje, não é?

- Nós só ficamos às vezes, mas não é em si um relacionamento.

- Será que o Peter sabe disso?

- Ele é um garoto! Além disso, temos uma "ficada" aberta, podemos ficar com outras pessoas, eu acho.

- Você acha?

Dei de ombros. Tirei suas pernas do sofá e me sentei ali, terminando meu iogurte.

Então a porta se abriu e os garotos entraram. É sempre assim, eu digo "batam antes de entrar", mas eles nunca me obedecem.

- Do que estão falando? - Austin perguntou.

- Do relacionamento da Lilly com o... - Fiquei por cima da mesma e tapei sua boca. Encarei-a com aquele olhar de "não se atreva".

- Hm... O que temos aqui? - Luke se encarregou de se abaixar ao nosso lado no sofá. - Briga de garotas, isso pode ser legal. É uma boa hora para cancelarmos a festa e continuarmos assistindo.

Revirei os olhos e saí de cima da Cat, retornando ao meu lugar. Continuei olhando pra ela, que me olhou de volta perguntando o que foi aquilo, respondi com um olhar repreensivo, e os garotos só observavam.

- Elas estão fazendo aquele negócio de novo, de conversar por telepatia - Ethan falou.

- Mas, então, de qual relacionamento vocês estavam falando? - Peter levou algumas sacolas para a cozinha.

Eles haviam trazido bebida e comida, ainda bem. Não estou afim de bancar a milionária, até porque a rica aqui é a Cat.

- A Cat só estava zuando... Na verdade, ela estava me perguntando por que os caras daqui não são bronzeados - respondi. Cat sorriu e então eu estava sendo arrastada para o banheiro. - Ok, Cat, eu sei que vamos dar uma festa, mas isso não significa que devemos vir para o banheiro juntas.

Ela me bateu.

- Deixa de ser idiota! Você não percebeu o jeito que o Peter perguntou? Aliás, você não percebeu o jeito que a senhorita escondeu nossa conversa?

- Primeiramente, não grita - falei, sussurrando. - Olha só, isso não tem nada a ver! E vamos parar com essa besteira toda! Somos todos amigos desde... Sei lá que época e estamos agindo feito amigos de um ano que ainda tem dúvidas sobre o outro, ok?

Cat continuou com suas hipóteses, mas revirou os olhos do mesmo jeito. Deixei pra lá e abri a porta. Luke virou seu olhar da televisão pra porta do banheiro.

- Onde estão as meninas? - Ethan perguntou.

- Não liguei pra elas. A festa não é de vocês?

- Qual é, Lilly...

- Não enche, Ethan, hoje eu estou na bad!

Fui preenchida de olhares de baixo a cima, só pra me lembrar de que estou fazendo cosplay de lixo.

- Não olha assim pra ela, gente, ela só está na TPM - Peter provocou.

Revirei os olhos pela segunda vez. Talvez eu esteja mesmo, qual é o problema? Ou talvez não, eu não me suporto quando estou na TPM e hoje eu estou um pouco suportável.

- Rosie e Sam estão vindo - Cat desligou a chamada no celular.

- Ownt, é por isso que você é minha amiga! - Austin a abraçou.

- Sai, peste! - falou, mas estava rindo.

Enquanto acontecia o apocalipse na sala, Peter estava sozinho na cozinha, colocando as bebidas na geladeira, ou só tirando tudo que tem lá dentro para então colocar as bebidas.

- Você sabe que existe um freezer, não sabe? - Perguntei.

- Só que o freezer existe no porão. Ninguém vai ao porão só pra pegar algumas cervejas.

- Se depender do povo lá da faculdade, sim, eles vão.

Ele não parece achar que estamos juntos, mas talvez eu deva voltar pra sala pra ele não achar que eu pareço achar que estamos juntos. Ou talvez não. Sei lá, é que... Depois do que aconteceu há três anos nós ficamos meio afastados por quase dois meses, e foi uma sensação de... “Caralho, que ridículo!”. Nós somos amigos e tentamos não deixar nada acontecer de novo, mas não deu muito certo.

Bem, eu sei que não gosto dele. Sim, eu o amo como amigo, porque em uma amizade com mais de cinco anos é difícil não amar, mas não nos vejo como... Namorados. Nunca.

 

Austin

Rosie e Sam chegaram há mais ou menos uma hora atrás. Agora elas, a Cat e a Lilly estão se arrumando "juntas".

Nunca entendi a capacidade que elas têm pra se arrumarem juntas, apesar de parecer muito bom ter quatro garotas de toalha no mesmo quarto com somente a calcinha e o sutiã por baixo.

Nós garotos estamos arrumando a casa pra festa. Eles estão falando de algo em particular, mas eu só penso no que vou fazer pra conseguir ficar com a Sophie hoje. Ela é mais velha, tem 23 anos e está no último ano da faculdade. Nós já namoramos, na verdade por um ano, mas ela terminou comigo dizendo que eu sou “muito criança”. Qual é, eu tenho 18!

Namoramos quando eu estava no último ano do colegial e eu a conheci por meio da minha irmã, que é da mesma faculdade da Sophie e me convidou pra uma festa de universitários. Então nos conhecemos, ficamos algumas vezes, namoramos e depois ela me deu um pé na bunda. Mas eu gosto da Sophie e agora estamos na mesma faculdade.

- Austin! - Um travesseiro bateu contra a minha cabeça e foi direto pro chão. Procurei por quem havia jogado, algo típico do Luke. - Faz dois minutos que você está parado aí, olhando pro nada.

- É o amor! - Peter se sentou ao lado do Luke no sofá. - Quem é? Ainda a Sophie?

- Cara, entenda, ela não vai cair na sua de novo - Luke disse.

- Ele está apaixonado, gente! Não façam isso com ele! - Ethan passou por mim, bagunçou meu cabelo e foi se sentar no outro sofá.

- Odeio atrapalhar a diversão de vocês, mas já está quase na hora e eu sou o único que está trabalhando.

Peter riu:

- Realmente, está lindo com essa vassoura na mão.

Ele fez um hi-5 com o Luke, que começou a rir junto ao Ethan. Revirei os olhos, mas me lembrei de algo que a Cat comentou comigo e que certamente vai me tirar do centro das atenções.

- E você, Peter? Como está com a Lilly? Se iludindo muito ou iludindo muito? - Mudei o assunto.

Peter parou de rir e ficou sério.

- Não cara... Não diz que vocês estão enrolados de novo. Não me leve a mal, eu não tenho nada contra você e a Lilly ficarem juntos, mas da última vez a coisa não terminou muito bem - Luke falou.

- O que aconteceu entre eles? - Ethan perguntou. Ele é o mais novo do grupo, chegou faz só um ano, então...

Deixei escapar um sorriso pelo canto da boca:

- O Peter ainda era o pequeno Peter, só tinha quinze aninhos e não fazia a menor ideia do que era cair de amor! - Ri.

- Ah, como eu odeio essa história! - Peter suspirou.

- Então ele disse pra Lilly, a pequena Lilly, que gostava dela - continuei.

- Ah Lilly, querida Lilly! Mi amor, mi gran amor, eu estou apaixonado por você! - Luke disse rendendo risadas e um tapa do Peter.

- Mas sempre tem um "mas", e a Lilly meio que não gostava do Peter. Ainda havia esperanças, eles tentaram! Só que acabou com a Lilly dizendo que não dava certo porque ela só o via como amigo, e o nosso caro Peter ficou na zona da amizade - terminei.

- Depois disso o clima ficou tenso entre nós dois por um tempão - Peter disse. - Nós não estamos... De novo, entendeu? Mas começamos a ficar. Lembra daquela noite que a gente saiu pra comer pizza e as meninas fizeram a aposta da garçonete e vocês aceitaram enquanto eu esperava na mesa pela Lilly que ainda não havia chegado? Pois bem, começou lá.

- Cara, isso já faz meses! - Ethan exclamou.

- É, e estamos nessa até agora. O problema é que eu não sei se ela sabe que só estamos ficando, mas sem compromisso nenhum.

- Você deveria conversar com ela - Luke disse.

Peter suspirou novamente e deitou a cabeça no sofá. No final, meu plano acabou dando certo.

 

Cat

Eu sempre sou a primeira a acabar de se arrumar, depois da Lilly, é claro. Aquela lá só demora pra escolher a roupa, que no caso ela escolhe bem antes pra não acontecer o troca-troca. O negócio é que eu não gosto muito de me enfeitar.

Ia descendo as escadas quando ouvi o assobio do Luke:

- Eita que essa eu pego!

- Então pode aproveitar, querido, porque hoje eu vou dar pra todos!

- Você sempre dá pra todos - Lilly estava sentada no sofá com um copo na mão. - Luke, você pega qualquer tribufu, vamos deixar de palhaçada aqui.

Austin, o único presente no lugar - além de mim, Luke e Lilly -, quase se engasgou com o salgado que estava comendo. Revirei os olhos.

- Essa festa não vai começar, não? Cadê o povo? - Sentei ao lado da Lilly.

- Vamos olhar pelo lado de que ninguém sabe onde a minha casa é. Eu sou santa, nunca nem dei uma festa - a mesma respondeu.

- Santa? Onde? - Luke riu. - A única que pode ser considerada santa do nosso grupo é a Sam, pelo menos 2%.

- Sim, sim, eu sei! - Sam pulou da escada para as costas do Luke.

Concentrei-me na Lilly ao meu lado, que olhava pro copo como se fosse a coisa mais interessante do mundo. Da última vez que vi alguém assim foi quando fumou umas ervas, mas eu duvido muito que a Lilly tenha feito isso, ainda mais antes de começar a festa.

- Terra pra Lilly!

- Eu estou aqui, para de me olhar com essa cara de merda!

- Só por curiosidade... Como é cara de merda?

- Tipo a sua - ela se levantou pra cozinha. Parece que alguém está irritada hoje...

(...)

Peguei mais uma bebida na geladeira. Daqui a pouco começa a fase em que eu vejo estrelas. A casa já estava cheia e eu quase que não consigo passar pro outro lado da sala pra ter uma visão melhor dos gatinhos da faculdade que estão aqui.

Eu ainda não dei pra ninguém, não tem uma pessoa interessante nesse fim de mundo que chamam de casa da Lilly ou festa. E agora que eu estou começando a ficar bêbada é que eu não vou dar pra ninguém mesmo!

- Procurando sua próxima vítima? - Austin chegou ao meu lado.

- A primeira - revirei os olhos e sentei-me encostada na parede. - Acho que vou ficar aqui até alguém sentir pena.

- Com certeza alguém vai...

Então ele se foi, rindo de mim. Por que eu tenho amigos tão idiotas? Mas, bem, eu sempre sei como animar uma festa, não é mesmo?

 

Lilly

Dois caras incrivelmente lindos e uma garota já vieram falar comigo, e eu dispensei os três. Claro, a garota eu dispensaria de qualquer jeito, já provei da fruta e eu não entendo como os homens gostam! O principal motivo da minha vida antissocial é que eu preciso mesmo esclarecer as coisas com o Peter, o outro é que eu fiquei revoltada por não conseguir terminar terceira temporada de Friends.

Mas voltando ao principal motivo: eu vou acabar com isso e vai ser agora!

Levantei da minha humilde escada para procurar pelo Peter, enquanto isso fiz minhas estatísticas: se ele estiver se agarrando com outra eu não preciso falar com ele, mas se ele estiver em um canto no fim do mundo chorando e se lamentando pela vida que tem eu preciso falar com ele.

Acabou que o encontrei na cozinha conversando com uma garota que notavelmente estava dando em cima dele, mas notavelmente ele estava a dispensando de todas as formas possíveis, só que a outra bixa lá é insistente!

O que acontece se for meio termo? Bem, eu vou lá e vai depender da reação dele.

- Ei, Peter! Eu precisava falar com você, mas agora você está ocupado, então... - Já fui saindo de lá pra ele não ter chance nenhuma de interromper sua conversa.

- Espera, Lilly! - Não deu muito certo. Virei novamente. - Eu também estava querendo falar com você.

Acho que isso é um sim. Ou só uma forma de se livrar da Órfã.

Eu o levei para o andar de cima, mais precisamente ao meu quarto, e encostei a porta. Coloquei meu copo em cima da cômoda.

- Eu não acho que esse seja o lugar e a hora certos, mas eu acho que se eu não falar logo, não vou conseguir aproveitar nem um pouco dessa festa! - Falei.

- Sabe Lilly, é que... Nós começamos a ficar e tem uma coisa me incomodando muito!

- Claro que tem! A Cat me chamou atenção de algo hoje e eu pensei: ela pode estar certa, mas tomara que não.

- Venho pensando nisso desde a nossa ligação pela manhã... Você sabe que eu não gosto de você, não é? Não desvalorizando nem nada, mas você sabe que só estamos ficando, não é?

- Eu? Eu estou bem ciente disso! Na verdade, acho que já nos entendemos. O negócio é o seguinte: nós continuamos ficando, mas podendo ficar com outras pessoas.

A resposta do Peter foi um sorriso de alívio. Tratei logo de dar o meu também.

- Você não sabe o quanto eu estou aliviada... - Dei-lhe um selinho. Depois continuei com um beijo mais longo. Tirei o copo da sua mão e coloquei junto ao meu pra que não atrapalhasse.

- Acho que estamos melhor assim - finalmente ele me entendeu e foi trancar a porta.

Foi mais fácil do que eu pensei.

 

Rosie

Não gosto de festas, na verdade não suporto. Só vim mesmo porque a minha segunda opção era cortar a grama do quintal da minha avó e jogar dominó com a mesma. Mas ainda assim tem uma coisa legal em festas: observar tudo ao seu redor, toda a diferença das pessoas e o que elas estão fazendo ou tentando fazer.

Por exemplo, o Ethan está jogando cantadas ridículas pra cima de uma garota que parece uma hiena do tanto que ri, o Luke está quase engolindo outra garota do lado da porta, o Peter e a Lilly sumiram, a Sam está conversando com um garoto no sofá, o Austin tentando atrapalhar a conversa da Sophie com outro garoto e a Cat está dançando em cima da mesa de centro e quase tirando a roupa... De novo.

Depois disso ainda têm mais algumas coisas, como uma garota vomitando no tapete da entrada e um casal me fazendo quase estar no lugar da garota do vômito.

- Ei, Rosie! - Sam me chamou.

Saí de onde estava para me sentar junto a ela e os seus dois acompanhantes (?).

- Esses são o Logan e o Blake. Eles são de Stamford - Sam os apresentou. - Garotos, essa é a Rosie.

- Stamford, a faculdade? - Perguntei.

- Sim - Blake respondeu. - Vai pra lá?

- Bem que eu queria, mas resolvi ficar por aqui mesmo, sabe? As aulas já começaram, então... O que você estuda?

Logan riu:

- O Blake é o melhor aluno na área de Robótica!

Sam arregalou os olhos.

- Então vocês são "Os Nerds"? - Perguntei.

- Na verdade, o Logan estuda Artes Cênicas. Ele não é o melhor aluno, mas está quase lá! - Sam sorriu, falando mais pro Logan do que pra mim.

Pintou um clima.

- É impressão minha ou esse não é o primeiro encontro de vocês? - Perguntei.

- Nos conhecemos há algumas semanas atrás, na Feira de Música - Logan respondeu.

Dei um sorrisinho e encarei o Blake, que percebeu o meu recado. Deixamos a Sam e o Logan sozinhos, em poucos minutos já estariam se pegando no sofá. Não é uma cena que eu desejo ver.

Fui com o Blake até o lado de fora de casa. Aquela música alta já estava me deixando maluca.

- Finalmente um pouco de paz - sentei na calçada.

- Você não gosta de festas, não é? - Blake adivinhou.

- É muita gente em um lugar só - observei mais atentamente seu rosto. - Você e o Logan se parecem.

Ele riu:

- É, sim, somos irmãos. E pra piorar, gêmeos.

- Gêmeos? - Arregalei os olhos. - Não esperava por isso. Vocês se parecem, mas não são idênticos.

- Já me falaram isso. Mas, então, você já sabe quase a minha vida toda e eu só sei que seu nome é Rosie. Que, aliás, é um nome muito bonito.

Ri, meio sem graça.

- Obrigada. Eu estudo Arquitetura e tenho 18 anos, além de ser amiga da Sam.

- E ter um sorriso lindo.

Ok cara, eu já sei que você está afim de mim, e eu estou caindo na sua, mas não me deixa como um pimentão vermelho!

- O que? - Ele riu.

- Nada, é besteira minha. Acho melhor voltarmos pra dentro, aqui está um pouco frio.

- Eu te daria meu casaco, mas não estou com ele - Blake se levantou e me ofereceu a mão.

Voltamos pra dentro, pra música alta, e pude ver a Sam e o Logan no sofá. Eu mandaria os dois pra um quarto, mas a Lilly já deve estar lá.

Afinal, essa festa nem está tão ruim quanto antes.

 

Lilly

Merda, isso tudo é mesmo lixo? Onde essas coisas se esconderam ontem? Será que as pessoas não poderiam ser um pouco mais educadas? Caralho, ainda bem que eu não vou arrumar nada disso.

Entre o lixo todo encontrei a Cat dormindo em cima da mesinha da sala, sem a parte de cima da roupa... De novo.

- Se fosse novidade, eu faria um grande "UOU", mas a coisa mais normal do mundo é ver os peitos da Cat depois de uma festa - Luke desceu as escadas somente com a calça que ele estava vestindo ontem.

O mesmo me olhou de cima a baixo, analisando a 'não minha camisa' que eu vestia e sorriu de lado.

- Parece que a noite foi boa pra você.

- Cala a boca...

Fui até a lavanderia para pegar sacos de lixo e coloquei-os em cima da bancada, na frente do Luke.

- Trabalho pra você e os garotos. Quero essa casa brilhando.

- Ok, mãe - mordeu uma banana. - Como a senhora quiser.

Voltei a subir as escadas para encontrar o resto do povo. A Sam, a Rosie e o Ethan estavam jogados em um canto do meu quarto, o Peter havia sumido e nenhum sinal do Austin.

Fiz o melhor para não acordar eles, mentira, tratei de abrir a janela para iluminar o quarto e rapidinho os três levantaram reclamando. Terminei de arrumar o quarto e desci novamente para fazer o café, mas a Sam já havia feito.

- Bom dia, flor do dia - Ethan sorriu.

- Nada de “bom dia”, levanta essa bunda do sofá e vai ajudar o Luke - sentei-me com as garotas na mesa.

- Ai, caralho! Não tem remédio nessa casa não? - Cat resolveu aparecer, dessa vez vestida adequadamente para uma casa de família. - Cadê o Austin?

- Sumiu - Rosie respondeu.

- Deve ter dormido na Sophie - Ethan deu seu palpite, finalmente começando a ajudar o Luke.

O mesmo riu:

- Você acha mesmo que ele conseguiu?

Me desliguei deles pra ouvir a conversa da Sam e da Rosie, que falavam sobre algum encontro das duas, e a Cat que se sentou ao meu lado, querendo saber de ontem.

- Você falou com ele? - Perguntou.

- Falou o que? Com quem? - Sam e Rosie pararam para prestar atenção em mim.

- Com o Peter. A Lilly não pensou na possibilidade dele não saber que eles estão só ficando - Cat contou.

Rosie franziu as sobrancelhas:

- E eles estão ficando? Por que eu sempre sou a última a saber?

- Porque você é lerda - Cat bateu na sua cabeça, depois voltou pra mim. - Então, você falou?

Suspirei:

- Falei e ele queria conversar o mesmo comigo. Sabe... Estamos cientes de que estamos só ficando.

De repente o barulho da porta se abrindo e batendo com força foi mais interessante do que a nossa conversa. Austin entrou com cara de poucos amigos e uma coisa eu sabia: algo ruim aconteceu.

Ele deitou de cabeça pra baixo no sofá e ficou lá, sem dar explicação alguma sobre seu sumiço ou sua chegada repentina.

Se essa porta estiver quebrada...

- Hm... Oi!? - Sam quebrou o gelo. - Tudo bem?

- A Sophie é uma vaca! - Austin sentou. - Mas eu gosto de vacas...

- Austin, desiste cara. Eu sei que ela foi e é uma pessoa muito especial pra você, mas vão vir outros amores e você vai se apaixonar de novo e de novo e de novo e de novo... - Luke disse.

- E se eu nunca mais encontrar um amor?

- Então você fica com a Cat, ela nunca vai encontrar um homem mesmo...

- Ei! - Cat reclamou.

- Foi mal, Cat, mas nenhum cara quer uma garota que "dá pra todos".

- Sendo assim, querido, digo o mesmo de você!

- Mas eu sou homem, é normal...

Rosie riu:

- Ah, não vem com esse negócio de que "se homem pega todas, ele é garanhão, mas se a mulher pega todos, ela é puta". Já estou cheia desse machismo!

- Não é machismo, só estamos sendo realistas! - Ethan defendeu.

- E machistas!

- Está vendo o que o seu drama fez, Austin? Agora vamos ficar nessa por dias! - Luke reclamou. Ele tapou os ouvidos pra não ter que escutar as garotas que continuavam discutindo com o Ethan.

Mereço...

Peter descia as escadas secando os cabelos com uma toalha e estava vestido com as roupas do meu pai.

- Bom dia, Cinderela - Sam falou. - Onde estava?

- Tomando banho.

- Por que você está com as roupas do meu pai? - Perguntei.

- Na verdade, é uma história bem legal - ele sorriu e se sentou no sofá, ao lado do Austin. - Eu precisava de uma roupa que não estivesse suja de vodca e tequila, vocês sabem que meus pais não são muitos a favor dessas coisas.

- Ainda não consigo imaginar o Peter indo pra igreja - Ethan disse, rindo.

Olhei a roupa que eu estava vestindo:

- Não faço a menor ideia de onde está a graça na história. Por acaso essa camisa é sua?

- Sim.

- Ok, devolve as roupas do meu pai. A minha mãe vai dar falta e quem se ferra sou eu.

- Calma, não é como se eu fosse ficar com essas roupas pro resto da minha vida.

- Qual é, Peter, eu te conheço. Você demora anos pra devolver algo. Eu já vou lavar sua camisa e quando secar você vai embora.

Levantei da cadeira.

- Bem, falando em ir embora, eu preciso ir mesmo... Tomar um banho e dormir - Cat se levantou também, indo para a porta.

Logo depois foram a Rosie e o Ethan, o Austin continuou na deprê dele.

 

Sam

Sentei no chão, na frente do sofá, para procurar algo interessante pra assistir. Parece que a TV deu um tempo pra programações legais. Já aconselhei à Lilly TV a cabo, mas a garota é complicada!

- Meninos, com quem vocês vão fazer o trabalho? - Perguntei para Peter e Luke.

Luke deu seu olhar de interrogação:

- Que trabalho?

- Aquele que o professor explicava enquanto você dormia - Peter deu duas batidas no seu ombro.

- Hm... - Luke pensou. - Faz sentido. Mas, respondendo a pergunta da Sam, não sei.

Revirei os olhos:

- E você, Peter?

- Também não sei. A Angel me chamou, mas é em grupo. Ei! Tive uma ideia! Por que não fazemos nós quatro? Cara, eu sou um gênio!

Olhei bem pra cara dele... Sério mesmo? Mas é claro que o Peter é um gênio! Nem passou pela minha cabeça a ideia dele!

- A Angel, é? - Luke deu seu típico sorriso de canto da boca. - A Angel é gata, mas de "anjo" mesmo, ela não tem nada.

Peter arregalou os olhos para Luke:

- Você já pegou a Angel?

- Mas é claro, meu amigo! Diga-me uma garota daquela turma que eu ainda não peguei!

- Samantha Clifford - Peter arqueou as sobrancelhas.

- Samantha... - Luke pensou. - Quem?

Mas o que?

- Luke! - Exclamei.

- Ah, é você! Não leve isso para o lado pessoal, mas eu estou acostumado a saber que seu nome é Sam. E eu nunca te pegaria, claro que pegaria se não fosse minha amiga, mas você é, então...

- É, vamos ser sinceros, não somos como o Peter - Austin se pronunciou.

- Ah, então você resolveu renascer das cinzas? - Peter perguntou, irritado.

A única coisa que eu queria era saber se eles já tinham um grupo para um trabalho, e minha simples pergunta gerou isso tudo... Mereço.

- Voltando ao assunto inicial, vocês topam? - Perguntei.

- Topamos... O que?

- Caralho, Luke! O grupo do trabalho e tals.

- Ah, claro!

- É claro que eu topo, a ideia foi minha! - Peter se gabou, por algo inexistente.

- Mas é claro que foi, Peter... - Ri e voltei pra TV, onde finalmente começou algo legal pra assistir.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...