História Ela não é, o que pensa que é. - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 14
Palavras 1.705
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Mistério, Sobrenatural, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Estupro, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Aonde é que eu estou?


Fanfic / Fanfiction Ela não é, o que pensa que é. - Capítulo 2 - Aonde é que eu estou?

Eu acordei em minha cama com muita dor de cabeça, com o Sr Meia Noite roçando em mim.

- Mas o que é que aconteceu comigo, gatinho? Isso tudo foi um sonho?

Levanto da cama, mas sinto um enorme peso em minhas pernas como se tivessem toneladas de kilos encima delas. Logo não consigo levantar e sou obrigada a dormir novamente.
Eu acordo novamente mas dessa vez sem nenhuma dor de cabeça, eu olho em torno do quarto e não vejo o Sr Meia Noite, fico com um pouco de medo de te-lo perdido novamente, ou aquilo tudo da noite passada não tivesse passado de um sonho.
Quando levanto da cama o peso do meu corpo já não existe mais, e eu consigo andar tranquilamente.
Vou até a cozinha e sinto uma presença ruim e vejo Sr Meia Noite miando para o nada. Aquilo me assuta mas fico tranquila por estar com o Sr Meia Noite novamente.

- O que você está aprontando em, pretinho?

Logo depois das minhas palavras, sinto a pressão do meu corpo aumentar e um grande arrepio de medo o percorre.  Vejo que o lugar para qual o Sr Meia Noite está miando começa a formar novamente aquela sombra preta em forma humana da noite passada. Em ato de desespero eu pego o meu gato e tento sair correndo quando algo segura o meu outro braço vago com muita força e me impede de fazer quaisquer outros movimentos.
Olho para trás e vejo aquela fumaça escura tomando cada vez mais forma, e novamente sinto uma tontura e um enjoou terrivelmente forte.

- Ei! Não vá desmaiar novamente. São as manas do meu corpo que te deixam assim?

Quando aquela fumaça (que já não era mais uma fumaça) termina de falar, o mal estar do meu corpo passa e eu não sinto mais nada, e logo consigo ver o dono daquela voz diferente, ele estava completamente inteiro e formado. Era um menino alto que não aparentava ter mais que 19 anos, muito branco com o cabelo ate o ombro também muito branco, tinha umas bochechas rosadas e algumas sardas, os seus olhos eram vermelhos muito brilhantes e parecia que sua pupila estava sempre dilatada, ele aparentava ser humano com apenas uma diferença, ele tinha orelhinhas lindas de elfo que saia do seu cabelo. Ele era muito bonito e eu estava completamente encantada com tamanha beleza. Mas meu braço começa a dor e como eu ja estou o encarando fecho a cara.

- Opa! Parece que peguei um pouco pesado com você, né? Aquele ser que parecia humano mas ao mesmo tempo não, solta os meus braços e pede desculpas.

- Eu sinto muito. Não tive a intensão de machucar você. Ele dá uma risadinha meio tímido.

Depois que ele me pediu desculpas, o sr Meia Noite se debate contra mim querendo sair do meu braço, mas como resisto ele me dá um arranhão e logo depois eu o solto meio que automaticamente.

- SR MEIA NOITE! falo isso alto enquanto vejo o meu gatinho correr para os braços daquele rapaz.
- Olha só... Parece que a mocinha fala! E parece também que descobri o nome desse lurd adorável. Ele diz isso enquanto ri e olha pra mim.
-(Mas o que diabos é um lurd?) Continuo encarando o rapaz.
- Olha só menina... eu não sou seu inimigo, e só estou curiso em descobrir como você veio parar aqui. São uns dos mundos mais difíceis de se viajar. E um dos mais peculiares também.. Por que está aqui? _Ele diz isso enquanto olha para mim com um olhar curioso._
-(Viajens de mundos? Inimigo? Mas do que é que esse maluco está falando?) Eu penso enquanto o encaro.
-Tudo bem.. _ele suspira_ eu desisto! Você não tem o porquê de me falar alguma coisa mesmo. Você venceu... Eu vou embora. Assim que ele termina a sua frase a fumaça preta começa a se formar novamente.
Em ato de desespero eu falo quase que gritando
-E-Espera... eu falo quase que falhando enquanto vejo a fumaça preta voltar a tomar forma.
O fumaça novamente toma uma forma humana e o rapaz para em minha frente e me comprimenta:
- Que bom que podemos resolver isso! Eu sou Sebastian, e você? Ele diz isso com um grande sorriso no rosto.
- M-Mirai.. Eu respondo a ele complente sem reação, e fico mais vermelha que um tomate.
- Você fica fofinha vermelha Ele diz isso enquanto me olha com um doce olhar Mas você vai me dizer o que veio fazer aqui? Você não faz parte da seita Jugizilian não né? Eu não quero ser obrigado a matar uma moça tão bonita. Ele me olha de cima a baixo enquanto eu só falto morrer de tanta vergonha.. mas logo caio na real
- S-Seita? Falo quase que parando enquanto olho para aqueles olhos cinzas brilhantes.
- Isso Mirai, Seita Jugilian ele fica sério e me fita
- Não q-quero parecer ignorante mas... o-oque é essa seita Julian? Pergunto para Sebastian muito sem graça
- Você tá brincando né? De onde você é? Qual sua raça? Ele pergunta isso alterando um pouco a voz, parece irritado.
- Eu sou da terra... eu acho.. Raça humana, bom é assim que eles chamam lá... me desculpa eu sinceramente não faço ideia do que você esta falando.. sento no sofá e abaixo a cabeça entre as perna
Ele me olha surpreso e indignado como se não estivesse acreditando em mim e eu tivesse acabado de  falar a coisa mais sem sentido do universo.
- U-Uma humana...? Ele solta o Sr Meia Noite que vem em minha direção e começa a ronronar,  eu levento a minha cabeça e vejo que ele ainda está me encarando.
- É... O que foi? pergunto quase que instantaneamente
- Você esta brincando com minha cara não está? Ele fala isso enquanto me fita
- Eu não estou... eu juro... Falo com um tom triste
- Você está morta? Ele fala muito rápida e eu me assusto
- O que? Morta? É claro que não! Respondo completamente confusa
- O seu lurd é um protetor? Ele pergunta chamando o Sr Meia Noite
- Meu o que? Encaro-o enquanto sr Meia Noite vai em direção a ele
- Ah.. é mesmo... humanos chamam os lurds de gatos.. eu não entendo o porquê. Lurds são gatos, e lurds geralmente são protetores, lurds tem uma espécie de poder que protege quem ele muito gosta. Ele termina a frase enquanto pega meu gato no colo
- P-Perigo...? P-Protetores? Eu falo gaguejando com um mal pressentimento
- Puff.. ele suspira humanos são tão inferiores. Ele me olha com desprezo
- Porque agora está me tratando tão mal? Eu não te fiz nada... meus olhos enchem de lágrimas Eu estou presa aqui no "meu" mundo que não é mais o meu mundo... lágrimas começam a sair dos meus olhos Eu estou perdida, com medo e "sozinha"... olho para o sr Meia noite com carinho eu não faço ideia do que está... Sebastian me interrompe
- Para com essas lamentações, eu não tenho pena de você. Apesar de ser bonita não muda o fato de ser uma humana inútil. Humanos não servem para nada a não ser explorar as outras espécies, mesmo sendo inferiores, se acham superiores e mais fortes, mas na realidade são todos desgraçados egoístas. Eu ouço atentamente aquelas palavras frias que me fazem chorar
- E-Eu não pedi sua ajuda falo isso engolindo seco. Eu não gosto desse lugar, estou com muito medo e só quero voltar para minha casa com minha mãe. Ele ia dizer algo mas altero a voz e começo a falar mais grosso e alto mesmo chorando eu faço qualquer coisa por sua ajuda... Eu não vou conseguir sair daqui sozinha.. eu não sei o que minha raça fez para sua mas.. eu realmente sinto muito... eu não sou igual a eles, eu juro! Falo isso chorando enquanto vejo ele dar um suspiro
- Eu não faço ideia de como você veio parar aqui, humanos não tem essa capacidade. Ele me encara mas acho que esse lurd.. digo.. gato.. tem algo a ver com isso, ele te ajudou de alguma forma e te teletransportou para cá sem nenhuma ideia de pra onde iria. E acabou caindo na parte alternativa do planeta terra. Ninguém nunca vem para cá ele me olha chorando provavelmente pra ver se eu estava prestando atenção por isso eu estranhei você aqui, mas agora eu entendi o motivo, foi o seu lurd, ele te salvou de algo, seu lurd provavelmente é um protetor, então ele vive para te proteger enquanto ouço isso olho para meu braço arranhado lembrando do arranhão de mais cedo lurds gostam do mundo dos humanos, e geralmente eles depositam suas matérias em gatos, que são o que mais parecem com eles no forma original. E quando isso acontece geralmente ele se apaixona por outro humano, e quando um lurd se apaixona ele vai viver para proteger a amada, seria capaz até de dar sua própria vida senhor meia noite está ronronando e passando sua cabeça no braço de sebastian. Como eu disse, ele te trouxe para cá, provavelmente para te salvar de algo. Eu estava cansada de ouvir toda aquela história, gostei de saber que meu "lurd" me salvou mas só o que eu queria era voltar para casa então eu disse irritada.
- Tá, mas como eu volto para casa? Para meu pleneta/mundo sei lá. Olho para o Sr Meia Noite e depois para o Sebastian
- Menina... você tem muito o que aprender, humanos não tem capacidade de sair de seu mundo original, justamente por serem fracos. Então quando um humano sai de seu mundo não consegue mais retornar. A saída do mundo dos lifhits para os dos humanos é a que exige mais experiência e mana, lurds são os lifhits mais cheio de mana e experiência apesar de serem submissos e burrinhos.. mas isso não vem ao caso. Eles só conseguem fazer isso a cada 2x em 1000 anos. Você está na parte alternativa do mundo humano mas essa parte pertence ao mundo dos lifhits, logo não tem como retornar para seu mundo em menos de 1000 anos.


Notas Finais


Esse capítulo só teve diálogo... mas acho que não ficou cansativo, quero opiniões sobre esse ele e teorias para o próximo. ^^
boa leitura e até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...