História Ela não está tão afim de você. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Naruto, Sakura, Sasuke, Sasusaku
Exibições 388
Palavras 2.999
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Ecchi, Hentai, Josei, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oie gente *-*
Último capítulo, preparem os forninhos (tá mt velha essa expressão? Se estiver sorry ;-;)
Boa leitura ^-^

Capítulo 3 - Quando se tem seu "Felizes para sempre".


Fanfic / Fanfiction Ela não está tão afim de você. - Capítulo 3 - Quando se tem seu "Felizes para sempre".

Nada na vida de casal que moram juntos, era monótona para os dois.

Sim, eles estavam morando juntos.

Depois da reconciliação não houve trocas de juras de amor, apenas uma conversa rápida.

“Seria mais prático se morássemos juntos”

Soltou a rosada de forma descontraída.

“Acho uma ótima ideia”

Para sua surpresa, Sasuke respondeu.

E então, não era mais de finais de semana e feriados que se viam e sim, todos os dias.

A rotina de ambos logo se ajustou ao parceiro, e cada um sentiu-se completo com a nova bagunça que o outro trazia consigo.

O moreno não só se tornou mais responsável, como também começou a levar a sério seu trabalho.

Cursava administração de empresas e já estava no seu terceiro ano letivo.

Sakura mexeu seus pauzinhos sem que ele soubesse, e um estágio surgiu para o jovem homem.

Ela ria internamente ao ver o seu moleque, quase se desdobrar em dois para conciliar melhor sua vida de estudos, trabalho e ainda mais dar atenção a seu “relacionamento”.

Se eles haviam se rotulado como namorados ou peguetes?

Não.

Pois é, enrolam mais que a fila de atendimento no sus.

Os amigos acabaram cansados de dar conselhos, e simplesmente acataram a decisão.

Se para eles dava certo como estava, quem são eles para discordar?

Era reconfortante chegar de um dia cansativo de trabalho, tirar os saltos alto, pegar uma taça de um bom vinho e se dirigir ao quarto, que agora era deles.

E o ver lá, de cueca boxer, descalço, cabelos desgrenhados e com o rosto bonito concentrado nos grossos livros.

Colírio para seus olhos?

Não, ele era algo maior nessa escala.

Ele a recebia com um costumeiro sorriso de canto, enquanto estalava suas grandes costas largas e bem malhadas.

Se levantava preguiçosamente da cadeira de rodinhas e torcia seu pescoço chacoalhando toda  região de seus largos ombros, apenas para ressaltar o quão seu abdômen era a perdição de qualquer louca por tanquinhos.

Era como ver uma grande obra de arte saindo da posição petrificada, ganhando vida.

Sakura não cansava de ver a mesma cena todo dia, e todos os dias se pegava enfeitiçada na grande imagem imponente que vinha em sua direção.

Enquanto o moreno mostrava todo seu porte de montanha musculosa.

A rosada observava tudo atentamente, encostada no batente da porta enquanto bebericava seu vinho.

Ele puxava seu queixo para cima e passava seu dedão por sobre seus lábios, depois chupava o dedo e soprava um “delícia” para só ela ouvir.

Ela apenas permanecia imóvel, esperando com luxúria o próximo passo.

O moreno que parecia inerte a situação, pegava a taça de vinho das delicadas mãos e beijava demoradamente cada vão entre as pequenas mãos.

Desfazia calmamente cada botão do blazer usual da mulher.

Passando carinhosamente suas mãos grandes e fortes, pelos finos braços.

Os olhos da rosada iam se fechando calmamente com o carinho.

E quando menos esperava o moreno estava de costas para si, fazendo uma mensagem leve de pressão firme em seus ombros.

O carinho dele era maravilhoso.

- Eu quero arregaçar você de tanto foder.

Mas se tivesse que escolher entre um Sasuke carinhoso e o outro selvagem, não pensaria duas vezes em querer ser “arregaçada” por ele.

Involuntariamente acaba soltando um sorriso com as palavras de baixo calão sopradas em seu ouvido.

Não porque duvidava da capacidade do moreno mas sim, pois aquilo era o que ela mais queria.

Contava desde de que acordará até quando chegava do trabalho, que isso acontecesse.

- Você quer?

Indagou o moreno que já ostentava uma ereção recém formada.

- Óbvio que sim, moleque pretensioso.

Respondeu a rosada em um tom firme.

Girou sobre seus calcanhares ficando de frente ao moreno, um meio sorriso de maldade se estampou no rosto delicado.

Fincou todos suas pontiagudas unhas na pele branca e dura do peitoral do moreno, arrastando suas “garras” de cima para baixo, parando na trilha de pêlos acima da ereção, o famoso “caminho pra felicidade”.

O empurrou sem nenhuma delicadeza, na poltrona de descanso que havia no quarto. Era mais uma poltrona em que Sakura jogava suas pilhas de roupas antes do moreno.

Sasuke meio aturdido, se acomodou melhor na poltrona e lançou seu olhar para a mulher à sua frente, que desabotoava sua camisa social branca, revelando o sutiã azul escuro rendado.

Ele prestava atenção nos mínimos detalhes, desde seu decote bem proporcional ao seu tipo, até as curvas de seu corpo pequeno e gostoso.

Agora ela estava ali, de saia, sutiã e sua meia calça. Torcia internamente para que ela estivesse usando a cinta liga.

Foi tirado dos pensamentos e tentou abafar um gemido sôfrego que saiu de si, quando a rosada acariciou seu membro pulsante com seu salto alto, tomando cuidado para não o machucar.

Ela apenas fazia uma pressão absurdamente gostosa, num movimento ritmado, pra baixo e pra cima.

- Porra…

Soltou o pobre rapaz de forma engasgada.

Ela apenas soltou um risinho fraco ao ver a reação do moreno.

Deslizou o zíper lateral da saia com facilidade.

Sabia que o seu moleque estava bem atento a qualquer movimento seu e sabia também, da obsessão dele por sua bunda.

Se sentia um tambor ambulante, pois o moreno nunca perdia a oportunidade de dar tapas ou apertar com vontade a carne macia de sua traseira.

O tecido da saia deslizou por suas pernas e Sasuke agradeceu mentalmente, as benditas cinta liga estavam lá.

- To adorando o showzinho mas que tal irmos para a parte que interessa?

Questionou o moreno enquanto tirou para fora o seu membro, o acariciando enquanto admirava a grande bunda da sua mulher.

- Apressado como sempre.

A rosada respondeu em tom de lamentação, revirando os olhos.
Mas ambos sabiam que era apenas parte do teatrinho.

Ele ameaçou levantar da poltrona mas Sakura o empurrou levemente com seu pé.

Já estava começando a perder o pouco de paciência que tinha até que a viu se ajoelhar graciosamente em sua frente.

Ao que tudo indicava, iria se dar bem.

- Fique quietinho, ok?

A mulher brincou enquanto beijava a extensão de sua coxa.

Ofegou surpreso, e ficou sem palavras.

Ela tinha esse maldito poder de ainda o surpreender e o deixar abobalhado.

Mordia sua coxa tonificada enquanto contornava com os dedos as veias grossas de seu membro.

O moreno apenas conseguia gemer e esperar o gran finale.

Tirou sua cueca calmamente enquanto ia arranhando ambas as coxas do rapaz.

Para então, lamber toda a extensão do membro que pulsava.

Segurando com suas mãos o comprimento, a rosada focou em chupar a cabeça, que já expelia um líquido pegajoso, enquanto fazia uma massagem devagar com uma pressão média no resto do membro.

Para Sasuke esse era aquele típico momento da vida em que você pensa que se morresse hoje, iria morrer feliz.

Sakura passou a chupar todo o seu membro, o engolia até quanto conseguia.

O moreno por sua vez apenas acariciava o topo da cabeça rosada, enquanto rebolava o seu quadril.

Sasuke estava quase lá e a rosada sabia muito bem, aumentou a velocidade no vai e vem, e olhava diretamente nos olhos.

Porém foram interrompidos pelo celular estridente de Sasuke tocando.

O moreno acabou se assustando e se erguendo minimamente do assento, o que gerou em uma garganta profunda para Sakura.

Gemeu desenfreado e apertou o couro cabeludo da rosada até escutar um rosnado vindo da mesma, não pode evitar, estava sentindo pulsar dentro da garganta quente e aconchegante da dita cuja.

Como castigo ela diminui o ritmo e Sasuke quase se humilhou para pedir mais.

O celular ainda tocava e então em um momento de fúria o moreno o atendeu rudemente.

Quem quer que fosse ia ter que escutar um Sasuke muito puto por ter seu orgasmo interrompido.

- Que foi?

Atendeu rudemente sem nem ao menos ver quem era.

A rosada por sua vez ainda o castigava, tanto que voltou a lambe-lo e o olhar como se fosse uma garotinha inocente.

- É assim que se fala com sua mãe, Uchiha Sasuke? Que tipo de educação é essa?

O celular era alto o suficiente para que mesmo com o viva-voz não estando ativado, Sakura pudesse ouvir.

A mesma caiu na gargalhada e recebeu de Sasuke um olhar repreendedor seguido de um dedo em seus lábios, que indicava para ela ficar quieta.

Abriu a boca para xingar ele mas o moreno foi mais rápido e enfiou o membro em sua boca com um olhar de “contínua e fica quieta”.

Se pudesse a calar a todo o momento dessa forma…

- É...oi, mãe. Foi mal pensei que era meu amigo idiota.

O rapaz disse incerto sobre o tom de voz carregado de tesão.

Teve que ouvir um puxão de orelha de sua mãe e uma vingança deliciosa de Sakura.

Quando finalmente gozou, ficou mudo e do outro lado da linha sua mãe perguntava se algo tinha acontecido com ele e etc.

Vendo a cabeça tombada para trás e o ofegante rapaz sentado, a rosada compadeceu e pegou seu celular, assumindo a conversa.

- Boa noite senhora Uchiha, é a Sakura. Sasuke teve que ir em uma emergência ao banheiro e me passou o telefone. Como vai?

A rosada dizia de forma cálida e humorada, ao mesmo tempo em que tirava seu sutiã e calcinha.

- Sakura, querida. Estou ótima e você? E bom homens… o que se esperar não é?

A inocente matriarca uchiha respondeu docemente.

Adorava a rosada, sabia que ela estava pondo seu caçula na linha. Não poderia estar mais feliz com a escolha de seu filho para “nora”.

Sakura por sua vez pegou a camisinha já aberta e deslizou por sobre o membro do moreno que já estava ereto de novo.

Bendita seja a juventude.

E então Sasuke parece ter voltado da órbita, bem a tempo de ver a rosada sentando de uma vez em seu membro.

Instintivamente levou suas mãos a sua parte favorita do corpo dela, a bunda.

Enquanto Sakura mantinha o controle da situação e continuava a conversa com sua mãe, ele ditava o ritmo das “cavalgadas” e se deliciava com seus peitos firmes a centímetros de seu rosto, saltitando lindamente.

Resolveu se vingar também e acertou com o membro, seu ponto de delírio.

Com todo o autocontrole possível, Sakura soltou um “ui” e “ai” e logo deu uma desculpa esfarrapada para a senhora do outro lado da linha.

O moreno aumentou o ritmo de propósito e mordia quando dava, os mamilos rosados.

Quando ambos estavam no seu limite, a rosada resolveu encerrar a ligação.

- Queira me desculpar, senhora Uchiha, mas, seu filho precisa de mim. Até logo.

A rosada disse pausadamente tomando fôlego sabe-se lá de onde.

Gozaram juntos e o grito vindo da rosada, fora inevitável e para Sasuke, foi uma vitória.

                       -/-

Quando se passa dos 25, já não queremos mais saber de comemorar a maldita data.

E praguejam qualquer tipo de imbecilidade que nos faça lembrar de tal fato.

Para alguns, isso acontece até mais cedo.

Para Sakura então…

Cada vez mais perto da casa dos 40.

Os temidos 40 anos.

Sasuke por sua vez, tinha certeza que ela chegaria aos 40 anos, sendo a coroa mais gostosa do universo e claro, só dele.

Teve quase que a arrastar para fora de sua casa no dia de seu aniversário.

A mulher parecia ter criado raízes no chão e estava emburrada.

Se perguntava o do porque comemorar a realidade cruel e dolorosa.

Preferia passar o dia longe de calendários e qualquer coisa que fazia ideologia a festas em geral.

Mas infelizmente esse não era o plano de Sasuke, que havia até mesmo deixado para estudar depois.

Só pra comemorar o dia mais bosta de sua vida.

Como Sakura gostava de chamar.

- Prometo que vai ser divertido, marrentinha.

O moreno disse ao ver o semblante emburrado de uma pessoa que claramente havia saído de casa, contrário ao seu querer.

- Hm.

Monossílaba e direta, esta é a Sakura de 37 anos.

O moreno nada disse apenas deu risada e aumentou o som do carro.

Não demorou muito e chegaram no restaurante favorito da aniversariante.

- Ótimo, agora eu vou passar a odiar esse lugar.

Disse a rosada enquanto saia do carro bufando.

Sasuke não era de se abalar facilmente, então apenas ignorou e enlaçou suas mãos a da pequena braveza que saiu pisando duro, pelo estacionamento.

O jantar foi bem monossílabo e silencioso.

Na verdade, eles se concentravam mais na conversa alheia do que um ao outro.

O moreno já começava a se arrepender por ter tido a ideia. Deveria ter respeitado o complexo que ela tinha com sua idade.

Mas é que para ele, era tão difícil entender como uma mulher maravilhosa como Sakura, se deixava abater por pouca coisa.

Ela o passava tanta motivação nos estudos e no emprego, era o seu grande pilar de apoio.

Ele queria mesmo que fosse por pouco tempo, que ela se apoiasse nele também.

E foda-se idade, números nunca fizeram muito estardalhaço em sua vida.

Era só algo taxado, o que importava não era isso.

Será que ela não percebia?

Pra ajudar, ele era fechado demais.

Era raro momentos em que Sasuke se abria para alguém, geralmente levava anos.

Foi tirado dos devaneios ao ver sua mulher bufar, mas desta vez de irritação.

Indagou com um olhar, o que estava acontecendo.

Ela apenas suspirou revirando os olhos e apontando para uma mesa atrás deles, com a cabeça.

Ligeiramente Sasuke mirou seus olhos na reta em que viu a rosada apontar, viu um homem ruivo acompanhado por uma loira alta e bem mais jovem que o homem.

Voltou seu olhar para a rosada, com certa confusão.

Sakura comprimiu os lábios e soltou uma lufada de ar.

- Meu ex-marido.

Definitivamente a noite acabou de acabar.

O moreno já sabia da história de traição e tentava achar algo para falar, que não a fizesse pensar que ele sentia pena dela.

Tinha pena do paspalho ruivo que trocou a mulher estupenda, à sua frente.

Sakura apenas o encarava esperando algo mas nada veio.

E então acenou negativamente.

- Logo será você. Eu vou ter que engolir os malditos momentos que passamos juntos quando tiver realizado ao lado de uma garota da sua idade.

Ela soltou friamente enquanto juntava sua bolsa e sai apressada do estabelecimento.

Na cabeça de Sasuke, tudo o que passou por ela foi “É agora ou nunca”.

Deixou uma quantia a mais do que teria dado a conta e saiu afoito atrás da grande mulher de sua vida.

A viu pronta para entrar em um táxi, correu como nunca antes para alcançá-la.

- Você está completamente errada.

O moreno dizia entre lufadas de ar.

Impediu que ela entrasse no veículo e o dispensou com um “desculpe”.

Ela apenas o olhava abismada.

- Sobre o que?

Estavam no meio da avenida e estranhamente, ela estava deserta.

- Eu já encontrei a garota que está do meu lado e me faz feliz. Ela tá bem na minha frente.

- Você diz isso agora, moleque. Mas-

- Sem mais, Sakura. Me leve a sério. Eu sou apenas mais novo que você, isso não quer dizer que eu não possa me comprometer a você.

Ela havia perdido a fala e apenas esperava de coração, para que se fosse um sonho nada a acordasse.

- Eu não sou ele, eu sou o Sasuke. O cara que vai te fazer feliz daqui pra frente.

Estava chovendo? Não, era apenas as lágrimas que banhavam o rosto emocionado da rosada.

Ela poderia então ser feliz?

Os braços fortes e aconchegantes, circunda a cintura fina de uma rosada trêmula pelo choque das palavras ditas.

A ficha tinha caído para ambos.

E o óbvio para nós, foi visto por eles também.

                      -/-

- Mamãe!

A pequena garotinha de cabelos escuros como a noite vinha correndo com os bracinhos cruzados e um bico fofo nos lábios.

- Sim, querida?

- Papai me chamou de marrentinha mirim de novo!

A rosada caiu na gargalha e não pode evitar de abrir um sorriso gentil ao ver a cara de indignação da garotinha.

- Seu pai é um bocó, Sarada. Coisa de moleque isso.

Disse enquanto dava um peteleco em sua testa e voltava sua atenção ao ensopado no fogo.

- Falando mal de mim, senhora uchiha?

Um certo moreno questionou enquanto mordia sua maçã suculenta e dava uma boa conferida na bunda de sua adorável esposa.

- Sempre, meu esposo.

Trocaram olhares cúmplices e um singelo selinho.

De longe escutaram o “eeeca” da pequena garotinha que não entendia a necessidade dos dois trocarem tanta saliva.

Sorriram em resposta e Sasuke logo olhou para sua linda filha com zelo e amor nos olhos.

Sakura nunca decepcionava na matéria de o fazer feliz.

E quando disse que estava grávida não fora diferente.

Claro, pais de primeira viagem acabam sendo ansiosos e aflitos mas no final deu tudo certo.

- Vamos logo papai, se não irei me atrasar e o Boruto vai ficar me zuando, aquele mané.

O casal riu da escolha de “xingamento” da filha e acompanharam com os olhos a garotinha sair correndo para a porta principal da casa.

Aproveitando do momento a sós, Sasuke enlaçou, por trás,  a cintura de sua esposa e sussurrou.

- Mais tarde te quero bem aberta e quente para mim entrar, hm?

A rosada se esfregou levemente no seu esposo como resposta.

E teria talvez, acontecido algo mais se Sarada não fosse tão impaciente.

- Vamos pai!

A garotinha gritou.

- Ela puxou isso de você, só pra constar.

Sakura disse enquanto se virava para ficar de frente ao seu homem.

Um beijo caloroso fora trocado e a resposta logo veio.

- Você adora o impaciente aqui, vai.

Sasuke disse e então deu um estalado tapa em sua bunda.

Acabou mostrando o costumeiro sorriso de lado, ao ver a cara de safada se formar no rosto de Sakura, e saiu andando rumo à Sarada, enquanto mordia de forma sexy a suculenta maçã.

- Até mais tarde, marrentinha.

Fim.


Notas Finais


Acabou *-* Vocês gostaram? Espero que sim ^-^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...