História Ela sabe de tudo - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren, Medo, Norminah, Suícidio
Exibições 4
Palavras 1.009
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Suspense
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


E nesse capítulo veremos Camila leoa
E o seu depoimento

Capítulo 5 - Defensiva


Fanfic / Fanfiction Ela sabe de tudo - Capítulo 5 - Defensiva

– eu?! O que! Como assim você está maluca?! - Camila grita assustada, ela estava sendo acusada de ter matado sua melhor amiga?!

– os depoimentos confirmam que… - calma até demais a detetive Jasper começaria a narrar o que estava escrito no depoimento se não tivesse levado um tapa na cara, mas ela não surtou! apenas suspirou pesado um pouco cansada de discussões, diferente da detetive, Camila começou a chorar com as mãos no rosto jogada no chão, surpresa com o ato de Camila, a detetive se agacha ao seu lado, alisando seus cabelos presos em um laço - okay… Camila quer dar o seu depoimento agora?

– Sim - a voz da baixinha sai esganiçada porem determinada, ela queria dar aquele depoimento talvez assim ela não seria mais uma suspeita

~°~

Com gravador tudo o que você disser vai ser usado contra você, literalmente o tudo tem um sentido tremendo, não tudo o que você disser, mas o que fizer e o que não fizer também - pronta Camila?

– sim - a morena aperta o botão começando a gravar toda a conversa que elas teriam daqui pra frente

– No dia do incidente, qual foi a hora em que você viu a srta Jauregui por.. – pela manhã.. Ela chegou as oito, o que eu achei estranho pois ela sempre vem antes do nascer do Sol - Camila começou a tagalerar, a detetive esfrega as têmporas um pouco irritada por ser cortada

– Srta Cabelo? Você interpretou a pergunta errado, irei faze-la novamente - Camila concorda um pouco confusa - quando foi que você viu por ÚLTIMO a srta jauregui naquele dia?

– Pela manhã, eu já lhe disse

– A última vez? - a detetive pergunta mais uma vez, para ter certeza de que a morena a sua frente havia entendido a pergunta

– Sim, ela chegou chorando e deitou na minha cama me agarrando em um abraço - Camz começa a narrar o que aconteceu naquele dia ou começou a narrar o que ela queria que Eleonor soubesse - ela estava de TPM, talvez por isso chorava e no meio desse chororo todo ela disse “se algum dia você acordar e eu não estiver aqui, não fique triste eu estarei feliz… Por ter partido” e depois foi comprar pão.

– E você não desconfiou que ela estava te dando um adeus? - A detetive pergunta tentando não xingar Camila por ser distraída

– Não, ela sempre fica dramática quando está naqueles dias e sempre fala frases depressivas - mentirosa, assim que Camila deveria se chamar, talvez deveria ate ser presa, mentindo para autoridades Camila está se surpreendendo a cada dia, ela não era assim, Por que estava mentindo?

– Tem algo aí? Tem algo no seu cabelo? - a morena alta prrgunta ao ver que a moça não retirava as mãos do cabelo, Camila abaica as mãos constrangida acenando com a cabeça, ela não podia entregar os pontos, “pare de mexer no Cabelo Camila” pensou com uma cara de paisagem - e então… suas amigas disseram que você havia saído logo em seguida

– Ela estava demorando, então eu fui no seu José perguntar s a Lauren havia passado por lá - havia partes em que Camz não mentia, ela foi na padaria perguntar ao seu José sobre Lauren - ele disse que ela não havia passado por lá

– Sim, foi isso… Nada de mais? Discurso depressivo e falsa ida à padaria? - Camila assenti certa daquilo, se perguntarem ela falaria isso, a detetive então desliga o gravador recolhendo seus materiais de trabalho e indo até o quarto para guarda-los, voltando a sala ela vê uma pequena nervosa e molhada, será que ela se queimou quando o chá caiu nela? - eu tenho muitas blusas secas e que eu gosto, não quer vestir uma delas?

~°~

Após alguns copos e garrafas de vodka que Eleonor havia pegado na geladeira, as duas garotas estavam soltas e Camila ouvia atentamente o falatório da mais alta - nossa! E onde está a sua filha?

– ela está morando com o pai hoje em dia… Acho que ela nem sabe que eu existo - a detetive disse tomando mais um copo – Isso é… Triste? - a pequena faz mais uma pergunta do que uma afirmação – Sim, um pouco - de imprevisto a campainha toca fazendo Eleonor bufar irritada, a conversa estava boa, ela não teria um momento? - Camila atenda pra mim por favor? - Camila se levanta da cadeira irritada ao ver que a mais alta estava ainda sentada no sofá, indo abrir a porta Camila quase baba ao ver o resultado daquela caridade.

Ver um rapaz BONITO, loiro com olhos claros e barba rala, não era uma coisa muito normal de se ver hoje em dia, ainda mais se ele está de palito e gravata lhe estendendo um buque de flores, não só Camila, como a detetive ficou surpresa ao ver o rapaz ali – Tito? O que faz aqui?

– vim convidar a madame para sair, mas vejo está com uma amiga - ele olha de Eleonor, para as garrafas vazias espalhadas pela sala, para Camila que ainda o encarava com cara de Boco segurando a porta, demorando alguns segundos para perceber que ele entrou e fechar a porta.

– Eu posso ir embora Sr. direto - an baixinha diz se referindo a talvez indireta que a convidasse a ir embora da casa da detetive - e não somos amigas

– Poxa… não somos amigas? Estávamos conversando tão animadas aqui - a moça diz mostrando os efeitos da bebida, Camila pega sua bolsa sorrindo

– Eu realmente preciso ir - Camila abre a porta dando tchauzinho, antes de fechar a porta Camila vê os dois pombinhos se juntarem em um beijo selvagem fazendo o copo de vodka se chocar contra o chão quando os braços de Eleonor agarraram a gola do palito de Tito, a pequena fecha a porta rapidamente saindo pelos corredores - eu não sou uma fuxiqueira, é feio espiar…


Notas Finais


Até o próximo capítulo amorecos
Alias sonhem com o Tito, o nosso galãzinho que o representa é o klebber toledo


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...