História Elas Não Sabem Parar de Amar - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Rap Monster
Tags Bangtan Boys, Bts, Feliz Dia Das Crianças, Kid!au, Lullabyproject, Namjoon, Rap Monster, Siena
Visualizações 140
Palavras 1.734
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Famí­lia, Fluffy, Universo Alternativo

Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Hello, voltei <3

Presente da eomma para as crias :3 São todos Kim Namjoons agora, e sintam-se muito bem abraçadinhos *hug* Comam direitinho e cuidem bem da saúde sempre. Nunca se esqueçam que se precisarem conversar com alguém a eomma sempre irá ouví-los <3 Tomem bastante água e espero que gostem do textinho independente de fandons e afins <3

Beijinhos, nenês ~ Boa leitura!

Capítulo 1 - Mas elas sabem fazer tteok e dar beijinhos! (Capítulo Único)


ELAS NÃO SABEM PARAR DE AMAR
Mas elas sabem fazer tteok e dar beijinhos!

 

— Bom dia, eomma! — o pequeno veio correndo, passando pela porta da cozinha e se agarrando nas pernas da mais velha, mostrando suas lindas covinhas enquanto inclinava a cabeça para cima, sorrindo para ela.

— Bom dia, meu amor! — largou o utensílio de cozinha, enxugou as mãos no pano e abaixou-se, soltando o pequeno Namjoon de seu avental e pegando-o no colo — Feliz dia das crianças, Joonie. — deixou-lhe um beijo em cada uma das gostosas bochechas macias de criança. Aquele sorriso largo era recompensador.

Eomma, o que a senhora está fazendo? — disse apontando para a bancada onde ela preparava algo com cheirinho doce. Agora ele podia ver tudo que havia ali, sentindo-se um garoto grande e alto no colo da mãe.

— Estou preparando uma surpresa para você, meu doce. — beijou-lhe a testa e colocou o garoto de volta no chão.

— Surpresa! O que é? O que é? — agora ele saltava, eufórico, tentando ver novamente o que havia sobre a pia e o balcão — Eomma, eu não consigo ver! O que é?

— Eu disse que é surpresa, Namjoon. Não vou contar o que estou fazendo. Vai ter que esperar eu terminar para descobrir. — voltou as mãos para o trabalho braçal sobre as tigelas e colheres.

— Mas eomma! — cruzou os braços e fez um grande bico com os lábios grossos.

Ficou realmente bravo por não saber o que era a surpresa. Logo sua imaginação começou a trabalhar em ideias para descobrir qual a surpresa que sua mãe preparava.

Namjoon tentou de tudo. Puxou cadeiras para perto da pia, tentou vestir um dos sapatos de salto alto da mãe; ele até tentou usar um velho óculos de mergulho com snorkel de seu pai, fechando o olho esquerdo e colocando o outro no buraco do tubo, mas descobriu que não via nada além da parte de dentro do plástico.

Procurou seus binóculos de aventureiro dentro de seu armário e tentou usá-los, mas dali de baixo não adiantava, ele apenas podia ver o azulejo e o rejunte bem mais de perto, mas não via o que havia sobre a bancada da cozinha.

Cansado daquilo, sentou sobre a cadeira na cozinha, com os braços cruzados, calado. Sua mãe notou sua presença silenciosa, como se pudesse sentir os neurônios do pequenino trabalhando em mais alguma ideia.

— Joonie, uma vez sua avó me fez uma surpresa de dia das crianças. Eu fiquei tremendamente curiosa com aquilo, mas não consegui descobrir até ela terminar e me mostrar. — largou as coisas sobre o balcão e foi até o filho, passando os dedos pelos fios escuros e sedosos de seu cabelo — Porque não vai tomar um banho e colocar uma roupa que você goste muito? As surpresas adoram quando nos preparamos para elas e as recebemos limpinhos, cheirosos e nas nossas roupinhas favoritas. Elas sentem-se felizes com isso e nos deixam felizes também.

Ele nada disse, apenas acenou com a cabeça, concordando com a sugestão da mais velha e pulando da cadeira, apressando-se até o quarto para escolher que roupa iria usar para receber a visita tão importante de sua surpresa.

Enquanto tomava seu banho, o pequeno lia o rótulo de seu xampu que não ardia ao cair nos olhos. Prestou atenção nos peixinhos desenhados na embalagem, soltando bolhinhas como o sabão em seu cabelo.

Limpo, cheiroso e sequinho, ele colocou sua roupa. Uma camiseta amarela, uma bermuda preta e longas meias brancas que iam até próximo do joelho dentro do tênis branco. Correu novamente até a cozinha, sentindo um cheiro tentador tomar conta da casa.

A fila de tteoks¹ sobre a mesa parecia brilhar aos olhos do pequeno, que já salivava apenas de vê-la. Subiu na cadeira novamente e sentou-se com as mãos sobre a mesa, esperando que sua mãe dissesse que ele já podia comê-los.

— Joonie, posso lhe contar uma coisa muito importante? — ela disse entregando-lhe um prato com um tteok de cada sabor.

— Sim, eomma. O que é? — tentou dizer enquanto mastigava seu primeiro doce, mostrando as bochechas inchadas pela boca cheia.

— Quando eu era criança minha mãe me fez muitos e muitos tteoks no dia das crianças e me contou algo que eu nunca esqueci. Queria contar para você também. — disse tirando o avental branco e sentando-se ao lado do menor.

— É difícil entender isso quando somos pequenos, mas com o tempo essas palavras vão fazer mais sentido para você e talvez você as repita um dia quando tiver os seus filhos também. — colocou uma das mãos sobre a cabeça do filho — Sua avó me contou que certa vez ela leu em um lugar que no dia do nosso aniversário quem deveria ganhar presentes é a nossa mãe e não nós mesmos. — levantou o garoto da cadeira, sentando-se nela e colocando-o sobre seu colo — Pois quem se esforçou todo aquele tempo até aquele dia especial foi ela, e não fosse por ela não estaríamos aqui.

— Depois disso, sua vovó passou a dar presentes para a mãe dela em todos os aniversários que se passavam, mas nunca explicou, então a mamãe da vovó não entendia bem o porquê. — dizia olhando para o filho, que a observava atento enquanto devorava os doces.

— Ela me disse que não estava me contando aquilo para que eu lhe desse presentes em meu aniversário, mas para que eu soubesse que todo o esforço e dor que ela sentiu por minha causa, antes e depois de eu nascer, eram recompensados por cada dia que eu passava com ela.

— Talvez seja complicado na sua cabeça hoje como foi na minha naquela época, mas como mãe agora eu consigo entender completamente o que ela queria dizer. — sorriu, fazendo carinho nas bochechas do pequeno Joon, que sorriu — Só quero que nunca se esqueça que o que faz a sua eomma feliz não são presentes no aniversário, mas cada sorriso que você dá e cada refeição completa que faz de você um garoto mais forte e saudável.

— É cada volta da escola em que você conta tudo o que aprende e tudo que aconteceu no seu dia. Cada noite de pesadelo em que você corre para deitar entre eu e o seu pai, tremendo assustado. Fico feliz até mesmo com os seus tropeços quando anda de patins, pois sei que eles são importantes para você aprender a superar seus medos e quedas.

— Acima de tudo que eu disse, quero que lembre-se que sou feliz simplesmente por você existir e me tornar uma mãe melhor a cada dia. Nunca se esqueça que você é muito importante e especial, e não acredite em ninguém que lhe disser o contrário. — beijou-lhe a testa, tirando uma risadinha do menor — A eomma te ama muito, Joonie, nunca esqueça disso. Seus sorrisos já são os melhores presentes de aniversário, e os seus sonhos são os meus sonhos. Estarei sempre do seu lado para lhe ajudar a alcançá-los, não importa o que aconteça.

Com a última palavra, ela abraçou o garotinho em seu colo, que lhe devolveu, passando os braços em volta da mãe e sussurrando um “também te amo, omma”. Depois de mais alguns docinhos, Namjoon colocou uma das mãozinhas delicadamente sobre as bochechas da mãe.

— Feliz dia das crianças, eomma. — deu-lhe um beijo na bochecha — Minha professora disse uma vez que todos somos crianças, inclusive os papais e mamães, ele só cresceram antes de nós. — sorriu acenando. Pulou do colo e saiu correndo pela casa. Foi até sua mochila e pegou um pacote de balinhas que ganhou de seu pai alguns dias antes. Voltou à cozinha apressado.

— Aqui, eomma! Para a senhora! Feliz dia das crianças! — sorriu largo, erguendo o pacote o mais alto que podia.

— Obrigada, meu anjo. — pegou o saquinho de doces, fazendo um cafuné no menor.

— Ah, e obrigada, omma.... — corou as bochechas, olhando para baixo.

— Pelo quê, filho?

— Por continuar sendo minha omma mesmo depois de eu fazer algo errado e ficar de castigo. — ficou ainda mais envergonhado — E por me amar mesmo eu fazendo xixi na cama.

A mais velha riu. Abaixou-se até a altura do garoto, pegando uma de suas mãos.

— Namjoonie, eu amaria você mesmo que você fosse morar do outro lado do mundo e me fizesse chorar por anos. Existe uma coisa sobre mamães que é muito importante. Sabe o que é?

— Não, eomma

— Mamães vão amar você para sempre, mesmo que elas sofram por sua causa, mesmo que doa muito. Mamães vão chorar agora porque você foi viajar e deixou ela sozinha e com saudades de você, mas quando você voltar ela vai te receber sorrindo e de braços abertos. Porque além de saber perdoar, mamães vão sempre te amar incondicionalmente. — um silêncio tomou conta da cozinha, enquanto o pequeno tentava entender aquilo.

Eomma, eu posso comer outro tteok?

— Você já comeu muitos, Namjoon.

— Mas é dia das crianças! Como você pode dizer que me ama se não me alimenta?!

Balançou a cabeça, rindo incrédula da resposta do menor. Foi até a geladeira pegar mais um tteok. Voltou com o doce na mão e disse ainda rindo, vendo a expressão de susto do garoto ao ouvir suas últimas palavras.

— Você anda espertinho demais. Vou tirar você da escola, amanhã você vai estar lendo Edgar Allan Poe de trás para frente.

— O que a senhora quer dizer? — ficou confuso.

— Nada, Joonie. Coma seu tteok antes que eu pegue ele de volta. — fez um bico para o menor, pegando-o no colo.

Eomma, eu te amo mais que eu amo tteok. E eu amo muuuuuuito tteok! — disse abrindo os braços, tentando mostrar que era realmente algo muito grande. Foi surpreendido por um beijinho no nariz e então por cócegas, que fizeram o menor começar a gargalhar.

Devolveu o beijinho no nariz da mais velha.

— A professora também disse que as mamães tem um defeito muito grande!

— E qual é? — disse olhando torto, curiosa.

— Elas não dormem direito porque ficam preocupadas — disse, vendo a mãe acenar, concordando — E elas também não sabem parar de amar.


Notas Finais


tteok¹ : típico bolinho de arroz coreano.

Eomma ama vocês <3 Feliz dia das (cria)nças.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...