História Ele era Alfa. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Abo, Kookmin, Namjin
Visualizações 184
Palavras 2.777
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Bishounen, Colegial, Comédia, Escolar, Famí­lia, Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oi, meus chapas
Cheguei com mais um capítulo ^^
Bora ler?

Capítulo 5 - Pequenos problamas, grandes soluções(ou não).


Jimin acordou deitado na própria cama enrolado na toalha de banho, olhou em volta e arrepiou-se pelo vento frio que passava pela janela. Sentou-se ainda olhando o vidro aberto, havia deixado aberto? Ele nem lembrava de ter ido para cama.

Afastou a franja dos olhos e viu que ainda estava úmida, não fazia muito tempo que havia saído do banheiro. Teria sido seu pai? Levantou-se deixando a toalha para traz e pegou o celular na mochila. Estranho. Ainda eram 19hs, seu pai chegava bem mais tarde. Ligou o aparelho para carregar e se esticou indo até o guarda-roupas, afinal, já estava pelado a muito tempo e sua mãe o xingaria se soubesse que dormiu de cabelo molhado.

Assim que terminou de se vestir e secar o cabelo ele desceu até a cozinha sendo atraído pelo cheiro de sopa de agnoline. Aquela sopa que apenas Park MiCha era capaz de fazer e que Jimin como bom filho, comia até não aguentar mais de tanto que gostava.

Espiou dentro da cozinha vendo a panela fumegante ainda sobre o fogão e sua mãe arrumando a mesa.

- Mãe? Isso ai é sopa? - Perguntou ainda da porta, tinha que ter certeza de que seu olfato não o estava enganando. - De agnoline?

- Sim, filhote. Você parece muito cansado esses últimos dias, por isso dispensei a empregada essa noite para fazer a sua sopa preferida.

Jimin caminhou de vagar até perto da mãe e a abraçou por traz sorrindo.

- Eu amo a sua sopa.

A Alfa se virou e o acolheu em seus braços fazendo um cafune no filho.

- E foi por isso que eu fiz ela. - Deixou um beijo no topo da cabeça do ruivo e o apertou mais um pouco sem querer soltar o abraço. - Filho, me desculpe por como eu tenho agido. Sei que devia confiar mais em você, mas nem todas as mãe da família Park tiveram um filho Ômega. Tenha um pouquinho de paciência comigo até que eu me acostume e por favor me deixe ser a sua melhor amiga ainda. Sinto falta de quando você me contava tudo o que acontecia no colégio.

Aqueles braços eram como verdadeiras muralhas, o protegiam de tudo e todos. Mesmo sendo delgados ainda eram os braços de sua mãe e são poucos os filhos que não se sentiriam protegidos em um abraço tão confortável quanto aquele. O ruivo dava valor a sua mãe pois sabia que nem todos tinham uma tão querida e compreensível quanto ela, por isso não via razão alguma em se magoar por ela querer o proteger.

- Tudo bem, eu também ainda estou me acostumando com a ideia de ser Ômega. - Se soltou dela indo sentar já com água na boca. - Meu pai já chegou?

- Infelizmente ele vai chegar bem tarde essa semana.

- Você foi até o meu quarto depois que eu cheguei?

- Não, filhote. Depois que você chegou eu fui ao mercado comprar o que eu precisava para fazer a sopa.

A mais velha pegou um pano e estendeu ao filho para que colocasse a panela de sopa na mesa.

- Ninguém foi até o meu quarto?

- Que eu me lembre não. A sopa está muito quente, espere um pouco antes de se servir.

Ele balançou a cabeça afirmativamente pondo a panela no meio da mesa.

- Eu já volto.

Correu de volta ao quarto sentindo que o coração acelerava e abriu a porta de supetão. A janela ainda estava aberta, acabou esquecendo de a fechar quando saiu sentindo o cheiro da sopa. Olhou em volta, ligou a luz e verificou até o banheiro. Nada. Farejou o ar e o único cheiro que tinha no quarto era o seu. Fechou os vidros usando pela primeira vez a tranca da janela e ficou olhando para fora.

Teria alguém entrado em seu quarto? Ou ele saiu sozinho da banheira? Mesmo que houvesse saído sozinho, ele não lembrava de ter pegado a toalha e muito menos de ter abrido a janela.

Estranhamente não ficou com medo de que alguém o tivesse tirado do banheiro, porém queria acreditar que agora era sonambulo, pois estar à mercê de um estranho era uma ideia que negava com todas as forças em sua mente.

 

 

De manhã, Jimin se encolhia dentro dos casacos enquanto caminhava calmamente ao lado do amigo rumo ao colégio.

- Você parece bem melhor hoje.

- É, um dos meus problemas estão resolvidos. Percebi que não adianta eu negar os mimos da minha mãe e na verdade vou até abusar deles.

- Ontem aconteceu uma coisa estranha comigo. - Falou o Beta bocejando ainda com sono.

- Comigo também, mas pode falar você primeiro.

- Sabe aquele Alfa? O namorado do Suga que estava no cio?

- O que tem ele?

- Ele veio falar comigo ontem. Me pediu desculpas e depois ficou cheirando ao meu redor.

- Estranho. Você já tem seu cheiro? Deveria começar a aparecer não é.

Os dois pararam no meio fio esperando os carros passarem para atravessar a rua.

- Acho que tenho, mas é bem fraco. Eu sou um Beta lembra.

- Hum...

- E o que aconteceu com você ontem?

- Bom, depois que eu cheguei em casa eu fui tomar banho de banheira e acabei dormindo dentro dela. - Os dois voltaram a caminhar. - Depois eu acordei na minha cama, enrolado na toalha e a janela estava aberta.

- Sua mãe te tirou da banheira?

- Não, a única conclusão que eu pude ter é que sou sonambulo, por que nem a janela eu lembro de ter aberto.

- É, isso sim é estranho.

Chegando ao colégio os dois foram direto para a sala deixando suas mochilas e saíram para andar, afinal ainda faltavam mais de trinta minutos antes do início da aula. Passaram na sala de Jungkook constatando que o moreno também havia chegado, mas que como eles, abandonou a mochila para ir caminhar pelo colégio. Perguntaram aos colegas onde ele podia ter ido e logo os dois estavam caminhando para o pátio dos fundos atrás do baixinho.

Não havia ninguém ali, salvo Jungkook e mais dois garotos ainda mais velhos que Jimin. De longe parecia uma conversa normal, mas quanto mais se aproximava, melhor podia ver o rosto cheio de malicia dos garotos que o cercavam.

O vento frio mudou de direção trazendo consigo o cheiro do grupo mais à frente. Eram dois Alfas, mas foi o cheiro do moreno que o deixou intrigado. Aquele, era o seu cheiro. Como podia Jungkook estar com o seu cheiro? No mesmo instante entendeu o que os garotos estavam fazendo em volta dele e não conseguiu conter os ciúmes do garoto. Assim que chegou perto do grupinho os dois Alfas mais velhos o olharam descontentes, mas Jungkook evitou o olhar nos olhos.

- Jungkook, venha aqui. - Falou demonstrando uma falsa calma.

O baixinho tentou dar um passo na direção dele, mas um dos garotos o segurou pelo braço.

- Ei, nós estamos conversando com ele. Por que você não vai embora?

- Por que vocês não vão? - Devolveu a pergunta encarando mortalmente o garoto que segurava o baixinho.

- Sei quem é você. - Falou o Alfa mais alto. - Park Jimin o Alfa perfeito.

- E o que o Alfa perfeito está fazendo aqui, que não foi atrás de algum rabo de saia?

“Vim pegar o que me pertence. Então por gentileza, queira tirar a mão do que é meu.” - Foi o que ele quis falar, mas absteve-se de falas desnecessárias.

- Eu preciso falar com Jungkook, então por gentileza, poderia tirar essas patas que você chama de mão dele?

- Está falando desse Ômega baixinho? - O garoto que segurava Jungkook sorriu passando o braço pelo pescoço dele. - Ele já está acompanhado.

- Jimin, pode ir que eu resolvo isso sozinho.

Aquela frase machucou o ruivo e mesmo que ele quisesse ir embora, não conseguiu. Precisava falar com o moreno e deixa-lo sozinho com aqueles garotos era a última coisa que faria. Na boca ele sentia um gosto amargo e Hobi o puxou para traz de repente.

- Seu cheiro. - Cochichou. - Está ficando forte, eles vão sentir.

- Eu não vou sair daqui sem o Jungkook.

- Jimin. - O moreno arregalou os olhos. - Você tem que ir embora. Agora. - Jungkook já podia sentir o aroma doce mais forte, mas os outros dois garotos pareciam não notar pois acreditavam que ele vinha do mais novo.

- Se você não vier junto, eu não vou. - A voz dele ficava mais suave a cada vez que o moreno o mandava embora, como se o sentimento de rejeição refletisse em seu humor.

- Ele já falou para você ir cara, vai logo. - Falou ríspido o que ainda estava segurando o moreno.

- Eu não te dei permissão pra falar assim com ele. - Jungkook tirou o braço que estava em volta de seu pescoço e deu uma rasteira no garoto. - Não levante a voz para o meu Jimin. - Respondeu no mesmo tom.

O outro garoto puxou Jungkook pelo cabelo quase o derrubando para traz.

- Ei, por que você derrubou o meu amigo? Nós estávamos apenas conversando.

- Solta ele. - Jimin pegou no braço que segurava os fios do moreno e Hobi apenas olhava tudo pensando na confusão que iria acontecer se não desse um jeito de separar todos.

O ruivo e o outro Alfa se encararam fazendo a tensão passar de zero a cem em menos de um milésimo de segundo.

- O que vai fazer se eu não soltar?

- Professor! Aqui! - O Beta gritou um pouco mais longe do grupo.

Quando foi que ele havia se distanciado? Jimin nem percebeu a ausência do amigo. Os dois garotos se encarraram e depois olharam para os outros.

- Ainda vamos nos ver por ai. - Disse o garoto soltando Jungkook e ajudando o amigo a levantar dando as costas para os meninos.

- Fiquei com medo de que não desse certo. - Hobi correu junto aos dois de novo.

- Qual parte do “Você pode ir embora” você não entendeu?

O moreno passava a mão no cabelo, parecia que estava nervoso. Talvez fosse por medo que pudesse ter acontecido alguma coisa.

- Eu não iria deixar você sozinho com dois Alfas.

- E eu menos ainda queria que você ficasse aqui com aqueles dois.

- Por que você ficou bravo comigo? Eu só queria me desculpar com você por aquele dia na casa do Suga, mas você me evitou e agora quando eu quis te ajudar me mandou embora. - Fungou segurando um nó na garganta, jamais admitiria que estava a ponto de chorar.

- O seu cheiro caramba! Toda vez que você se irrita ou tem outra emoção forte eu sinto o seu cheiro. - Irritou-se. - Eu não quero que ninguém saiba que você é Ômega, por que enquanto ninguém souber você vai ser só meu, mas fica difícil quando você vem soltando feromônios para o meu lado. - Foi se acalmando ao ver os olhos cheios de lagrimas de Jimin. - Eu marquei você lembra? Mas ainda não tenho o meu próprio cheiro, por isso o único que aparece é o seu e fiquei muito feliz com isso, pois sinto como se você estivesse ao meu redor o tempo todo e todos pensam que eu sou o Ômega.

- Mas a mordida vai cicatrizar, você não me marcou ainda.

- Ela ainda está aí não é? - O baixinho assentiu. - Enquanto não me rejeitar ela vai continuar aí e é por isso que eu sei que você gosta de mim, só não quer admitir. - Sorriu de canto.

- Faz sentido. - O Beta soltou, vendo como era engraçada as trocas repentinas de comportamento dos dois.

Jimin estava pasmo. Piscou algumas vezes afastando as lagrimas e riu debochado, como poderia ter se quer pensado em soltar alguma lagrima por aquele garoto? Quando foi que se esqueceu que ele era um sem vergonha? Não podia admitir, mas já estava nas mão deles.

- Mais que merda. - Falou para si mesmo dando as costa para o moreno.

- O que foi? Percebeu que o que eu disse é verdade?

- Só se eu estiver fodido pra admitir que estou apaixonado por você.

- Então você aceita que não quer admitir? - Agarrou o ruivo por traz para falar em seu ouvido. - A parte do fodido eu posso resolver.

- Seu pervertido de dezesseis anos. - Se soltou dele. - Não encoste em mim, eu ai me desculpar, mas pode esquecer o meu pedido de desculpas.

O sinal para o início da aula os apressou de volta as salas e Jungkook mandou um beijo voador ao se despedir dos dois.

- Só não demore muito pra aceitar que gosta de mim, Jiminzinho.

- Vai sonhando, tampinha. - Gritou antes de entrar na sala.

Podia dizer que se sentia melhor agora, mas não era verdade. Parecia que ele estava em uma dança e mesmo que tentasse com todas as forças fazer os seus próprios paços ele não parava de seguir os paços de Jungkook. Ah, ele ficaria louco, mas não admitiria nem mesmo uma gota de sentimentos por aquele moreno, não sem antes fazer ele sofrer um pouco.

 

Diferente dos outros dias, o ruivo não foi evitado, na verdade recebeu atenção até demais. Aquele baixinho na frente dos outros se fazia de um fofo e apaixonado, mas era só ter uma chance que lhe arrancava uma casquinha, um beijo na orelha ou uma mão safada acompanhada de um sorriso malicioso e risadas de Hobi por causa das caretas que fazia ao moreno.

Já voltando para casa algo que não esperava aconteceu. Aquela sensação de estar sendo seguido estava presente mais uma vez. Contudo, Hobi e Jungkook estavam ao seu lado então não era nem um deles que o estava seguindo. Parou e olhou em volta, mas como sempre não tinha ninguém.

- O que foi? - Hobi perguntou parando para esperar Jimin.

- Não é nada. - Voltou a se juntar a eles.

- Eu posso dormir na sua casa? - Jungkook perguntou do nada.

- Os tios vão deixar?

- Na verdade eles pediram, por que talvez eles não voltem hoje pra casa e não queriam que eu ficasse a noite toda sozinho.

- Não sei se minha mãe confiaria em deixar você dormir lá em casa, muito menos eu pra dizer a verdade.

- Deixa eu ir também, daí fazemos tipo uma noite do pijama, amanhã não tem aula mesmo. - Sugeriu Hobi.

- Hum... Pode ser, mas você pede é mais fácil minha mãe deixar se você pedir.

- A sua mãe me adora, é claro que ela vai deixar. - O Beta encolheu os ombros convencido.

Jimin ignorou os arrepios que sentia, mas só se sentiu bem quando pisou dentro de casa. A senhora Park não pareceu muito contente com a ideia de Jungkook dormir na sua casa e contra vontade deixou pois não ficariam os dois sozinhos já que Hobi também estava ali.

Os garoto arrumaram os colchões estendidos no chão da sala e se ajeitaram para fazer uma longa sessão de filmes na companhia de muitos salgadinhos e Coca-Cola. A Alfa ficou apenas olhando eles se acomodarem, não falou nada e depois que confirmou que eles não aprontariam nada se despediu dizendo que iria visitar a casa de uma amiga. Provavelmente se atualizar nas fofocas do bairro, o filho pensou.

- Se vocês ouvirem um barulho estranho durante a noite não se assustem, essa semana meu pai está voltando tarde pra casa.

- Em que o seu pai trabalha?

- Ele é promotor, está lidando com um caso importante.

Hobi pegou um dos salgadinhos já abrindo.

- Que filme vamos assistir primeiro?

- Ainda são 15hs da tarde, minha bunda vai ficar quadrada se começarmos a assistir filme agora e eu preciso tomar um banho. - Disse Jimin se levantando.

- Eu também quero tomar banho, não me importo se tomarmos juntos. - Jungkook sorriu sem vergonha para o ruivo.

- Nem nos seus mais belos sonhos. - Respondeu fazendo cara de desgosto. - Hobi vai querer também? Daí eu já separo roupas para os dois.

- Pode separa pra mim também, mas eu quero ser o último da fila.

- Ok, Eu vou primeiro então. - Antes que pudesse começar a subir as escadas Jungkook o parou encarando o topo dos degraus e o pequeno corredor. - O que foi?

- Tem alguém lá em cima.


Notas Finais


Obrigado por ler
Bjjs de luz ;*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...