História Ele não é o que parece - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Taekook, Top!taehyung, Vkook
Visualizações 146
Palavras 5.401
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Eu disse que não iria demorar para atualizar. Boa leitura ♡

Capítulo 2 - Tentativa falha, um novo adestramento


 Todos os alunos estavam centrados nas palavras do professor, menos Jeongguk. Este estava perdido em meio aos pensamentos, revivendo as cenas de mais cedo quando foi chantageado.

 "Bom, eu entendo. Estou pedindo muito a ele." Tentava se convencer de que não estava fazendo papel de idiota mas, tudo aquilo era absurdo. E se as verdadeiras intenções do Kim não fossem respeitosas? E se ele quisesse vender seus órgãos no mercado negro, ou pior, entregar seu corpo para estranhos em troca de dinheiro? O mais velho poderia algum tipo de traficante mafioso ou contrabasdista, por isso mantinha tão bem a falsa aparência de príncipe.

 - Jeongguk, você está bem? - Bogum o chamou enquanto ajeitava a alsa da mochila nos ombros, a aula havia acabado sem que o Jeon notasse. - Parece meio pálido.

 - Hm?

 - Puta merda. - Minjae disse sem ao menos olhar para os amigos, estava concentrado demais na entrada da sala, ou melhor, na pessoa que estava parada ali ganhando olhares de todos os lados. - Aquele não é o príncipe?

 - Gukie! - Acenou para o mais novo com o falso sorriso fechado e a típica expressão amável. - Vim te buscar para irmos juntos embora.

 A boca de Bogum se abriu involuntariamente, afinal, era Kim Taehyung ali, o príncipe do colégio chamando o colega por um apelido fofo. Minjae parecia atônito, as bochechas extremamente coradas entregavam o nervosismo.

 Jeongguk franziu o senho para ele, estranhando a atitude que se assemelhava a reação das garotas ao verem o Kim. Respirou fundo e tomou coragem para caminhar até o loiro, ainda que meio relutante, tentou manter a calma mais foi surpreendido pelo braço do outro envolvendo seu pescoço, não estava acostumado a esse tipo de contato.

 - O que está fazendo, idiota? Um bichinho vem quando seu dono chama. - Taehyung sussurrou no ouvido do mais novo e apertou forte uma das bochechas fartas, a deixando vermelha com a marca dos dedos, depois se virou para uma das garotas aleatórias que passavam pelo corredor e piscou galanteador, arrancando suspiros. - Vamos, melhor amigo!

 Os dois caminharam pelos corredores ganhando olhares nada discretos. Taehyung se manteve abraçado ao moreno até conseguirem uma distância boa do colégio, chegando a um parque por onde os dois sempre passavam para irem até suas casas.

 Assim que teve a oportunidade, Jeongguk se afastou do corpo magro e começou a andar mantendo uma certa distância.

 - Por que está tão longe? Acha que vou tentar alguma coisa? - Olhou para o mais novo por cima do ombro, este que estava começando a ficar para trás. - Eu não vou fazer nada.

 - Então por que estamos entrando em um parque fechado? - Perguntou realmente preocupado. Ainda não sabia do que o outro era capaz.

 O Kim interrompeu os passos para se virar, encarando o semblante assustado do Jeon. Levou os braços até o estômago e curvou o corpo para frente, gargalhando alto da ignorância alheia.

 - E-eu sou mais forte que você! Tenho mais músculos, não se atreva a tentar nada! - O moreno não sabia se a reação do outro era boa ou ruim, acabou ficando ainda mais desconfiado.

 A risada do mais velho aumentou mais ainda e ele teve que usar um certo esforço para a interromper, não acreditava que seu novo bichinho poderia ser tão ridículo aquele ponto.

 - Você é muito ridículo! - Dizendo isso, voltou a caminhar pelo parque, deixando um Jeongguk desacreditado para trás. - E ter músculos não adianta em nada se você não souber brigar.

 - Espera! - Gritou antes de apressar os passos e alcançar o outro.

 Taehyung caminhava com as mãos no bolso em uma postura descontraída, nem mesmo olhava para os lados, parecia que nada era digno de sua atenção. Isso até passarem por um senhor de idade avançada sentado no banco de concreto com uma gaiola média ao lado, um dos braços repousava sobre a grade e o outro ajeitando o óculos caído. Os olhos do Kim brilharam ao ver os pequenos coelhinhos para doação.

 - Eu amo coelhos. - Não desviou o olhar dos pequeninos, nem deu atenção a interrogação expressa no rosto do Jeon. - Eles são leais. Se você sair para ir a escola, eles vão estar lá quando voltar, te esperando como idiotas.

 A voz grave parecia nostalgica e até mesmo doce até aquele momento, porém, se transformou drasticamente adquirindo o tom sarcástico e cruel do monstro interior que o Kim escondia de todos.

 - Sabe, os dentinhos são o que mais me atraem. - Se voltou para o moreno, se aproximando perigosamente com o semblante maligno. - Acho bom você se acostumar logo com isso de ser meu melhor amigo.

 "Que maligno." Respondeu mentalmente.





 O celular tocava incessantemente sobre a cômoda. No primeiro toque, Jeongguk pensou em ignorar mas, se lembrou de uma certa ameaça que poderia arruinar sua vida. A contragosto, levantou a mão até o móvel e tateou a superfície plana até sentir o aparelho, o qual pegou e aproximou do rosto, conferindo que eram quatro horas da manhã.

 - O que você quer? - A voz estava rouca e embargada pelo sono.

 - É assim que você atende seu dono? Um bichinho deve ter respeito. - Suspirou do outro lado da linha. - Quero um sanduíche natural e suco de laranja para o lanche de hoje e para você não leve nada, eu mesmo levarei.

 - Cara, são quatro da manhã! - Respondeu irritado mas não foi ouvido, a ligação havia sido encerrada pelo Kim assim que terminou de falar. - Mas que droga!

 Jogou o celular sobre o colchão e deixou o corpo cansado cair, nesse ritmo não iria aguentar até o fim do ensino médio.





 - Todos são enganados pela aparência dele! - Dizia irritado, poderia esconder o que realmente estava acontecendo de todos menos de seu hyung. - Mas ele é maligno, só usa as pessoas.

 Seokjin ouvia atentamente todos os detalhes daquela história absurda, se perguntando até onde o mais novo iria com as mentiras. Estava acompanhando o Jeon até o colégio, a pedido dele. Deveria estar se preparando para um exame da faculdade.

 - Quantos anos esse garoto tem?

 - Dezessete, um ano mais velho que eu. - Levou a destra até a franja para a ajeitar, já era possível ver o prédio e os alunos adentrando pelos portões de ferro. - Ele é um sádico.

 - E você um masoquista.

 - O quê?! - Se irritou com a suposição do outro, se virando furioso para ele. - Por que está dizendo isso?!

 - Porque uma pessoa normal não aguentaria, Jeongguk. - Revirou os olhos.

 - Não sou, não! - Voltou a postura convencida de quando mentia, levantou o queixo quase arrancando risos do mais velho. - Detesto fazer o que ele manda mas, como sou uma pessoa madura, aguento com paciência. Na verdade, eu é quem estou o usando!

 "Ele está dizendo isso para convencer a si mesmo." Seokjin pensou enquanto seu dongsaeng ria, realmente deplorável.

 - Você deveria se concentrar em arrumar amigos de verdade, quem sabe uma namorada. - Interrompeu a atuação do Jeon com um pouco de realidade.

 - Não diga como se fosse fácil, eu nunca nem me apaixonei. - Abaixou a cabeça envergonhado. - Já tive minhas paixonites mas, não é como ter vontade de beijar a todo momento ou de ser carinhoso. E é difícil fazer amigos.

- É melhor você se esforçar, ou vai brincar de animal de estimação com o príncipe sádico até o final do ano. - Enterrompeu os passos ao chegar na esquina do Colégio, onde deixaria seu dongsaeng.

 - Não chame ele de príncipe, ele é um monstro. - Suspirou frustrado. Sabia que aquele era o momento para se despetir de seu hyung querido mas não queria encarar a falsidade com seus colegas de classe. - Sabe, ouvir o Bogum falando sobre sua namorada me dá vontade de me apaixonar por alguém.

 - É muito simples. - Sorriu ao reconhecer o verdadeiro Jeongguk, aquele que o encantava tanto quando moravam em Busan. - É só você começar a olhar para os outros pensando em romance.

 - Romance? - Tombou a cabeca para o lado, abrindo um pouco mais os olhos como uma criança curiosa.

 - O amor pode estar mais perto que você imagina. Você só não o notou ainda.





 Sentado na cadeira do amigo, o colegial alterava entre pegar um salgadinho do pacote do do outro e olhar para as garotas da sala, pensando no que Seokjin dissera. Quanto mais buscava um romance nas meninas, menos achava aquilo certo. Ninguém o interessava, nem mesmo as mais "gostosas" segundo os meninos da classe. Achava sim algumas garotas muito bonitas mas, nenhuma o despepertava desejo ou um sentimento a mais.

 - Quer um? - Minjae ofereceu para o amigo que acabara de chegar e parou em pé ao lado dos dois.

 - Eu não. - Bogum fitou Jeongguk com descrença, ainda não acreditava que o tal hyung popular realmente exista, e ainda por cima, que era um dos garotos mais populares do colégio. - Ainda não entendo o motivo de você ter escondido o príncipe da gente, cara.

 - Eu também não! Ele é o hyung que todos gostariam de ter, alto, magro, super popular. - O Jeon engolio em seco ao ouvir aquilo, ainda temia ser desmascarado.

 - Tanto faz. - Deu de ombros para a conversa furada de Minjae. - Vi ele pelo corredor e ele estava te procurando, Jeongguk.

 O Jeon quis revirar os olhos mas sabia que não podia, então, se levantou sem nenhuma vontade e se despediu dos dois colegas, deixando a classe e seguindo pelo corredor.

 Não sabia onde o Kim estava e sinceramente, nem queria saber. Resolveu ir para o refeitório e sentar em algum lugar isolado, ou talvez fosse para atrás da escola, qualquer lugar onde pudesse ficar sozinho sem ser visto.

 Os pensamentos do adolescente foram cortados por uma mão em seu ombro, que o puxou devolta a realidade. Já estava pronto para xingar a pessoa quando se virou mas foi surpreendido pela figura desconhecida, parado a sua frente com um sorriso estampado.

 - Você é o Jeongguk?

 - Sou. - Franziu o cenho e olhou para a mão apalpando seu ombro. - Por quê?

 - Bom - desfez o contato com o moreno, enfiando as duas mãos nos bolsos da calça. - Sou capitão do time de futebol. Como você é novo, achei que não tivesse conhecido os clubes estudantis ainda.

 Ao ouvir aquilo, Jeongguk sentiu uma enorme vontade de abraçar o garoto. Nem mesmo se perguntou o porque daquilo acontecer justo consigo quando haviam tantos outros alunos novos no colégio, estava tão feliz, finalmente teria uma chance de fazer amigos de verdade e de quebra conseguiria se livrar do Kim.

 - Realmente, ainda não conheci. - Respondeu empolgado, sentindo a ansiedade revirar seu estomago. Não queria demonstrar a euforia em que estava então, tentou ao máximo se conter.

 - Vai ser ótimo para você se enturmar, fazer novos amigos e… Ah, já ia me esquecendo. Meu nome é Lucca.

 - O meu você já sabe. - Sorriu fraco. - O intervalo acabou de começar, dá tempo de você me mostrar seu clube.

 - Eu até gostaria mas, preciso me encontrar com meus amigos. - Retirou o celular do bolso e destravou a tela, depois, estendeu o aparelho em direção ao moreno. - Pode me passar seu número? Vou passar o meu também, assim podemos marcar um dia para você conhecer o campo, onde jogamos.

 - Claro! - Tateou a parte de trás da calça até encontar com bolso, de onde puxou o celular. Digitou a senha e o preparou para entregar ao outro, já na tela de discagem. - Aqui, pode anotar.

 Os contatos foram salvos e os aparelhos devolvidos para os respectivos donos. Jeongguk pensou em iniciar uma conversa e realmente teria feito isso se não sentisse um peso escorar em suas costas, quase o derrubando no chão. Algo se apoiou em seu ombro direito, para onde virou a cabeça tentando entender o que, ou quem, estava lá. E para sua infelicidade, encontrou os fios loiros cobrindo a testa familiar, os olhos quase fechados pela expressão que adquiria pelo sorriso. Tão gentil e tão falso. Ele se sentiria constrangido pela proximidade se não estivesse tão enojado em saber que era tudo atuação.

 - Gukie! - Aproveitou a pouca distância para apertar a bochecha do moreno, um pouco mais forte do que o necessário, ganhando uma careta disfarçada. - Eu estava te procurando.

 - Que coisa, não. - Riu tentando esconder sua real vontade de jogar o corpo do outro para bem longe de si. - Eu também estava te procurando.

 Taehyung cessou a doce feição e adquiriu uma mais séria, encarando Lucca de cima, como se fosse altamente superior. - Atrapalhei a conversa de vocês?

 - Não, eu já estava de saída. - Lucca olhou mais uma vez para Jeongguk, depois voltou a fitar os olhos felinos do Kim sobre si. Entendeu o recado e, sem se despedir, saiu a passos largos.

 - Mas que merda foi essa? - Empurrou o corpo magro, ganhando mais espaço para respirar. Ficar tão próximo ao monstro estava o fazendo mal. - Estragou minha chance de fazer amigos!

 - Cale a boca. - Deu de ombros, voltando a abraçar o menor. Indicou com a cabeça para onde deveriam seguir e começou a andar. - Você não precisa de mais amigos, eu basto e pronto.

 - Você nem é meu amigo de verdade. - Revirou os olhos. Ainda não havia se acostumado com o excesso de intimidade que o Kim ostentava, se sentia constrangido com aquilo.

 - Preste muita atenção no que vou te falar agora. - Estreitou os olhos focando sua visão nas orbes escuras do moreno. - Você é meu bichinho, entendeu? Meu. De mais ninguém.

 "Além de sádico, é possessivo. Esse cara é louco!" Estava realmente inconformado com o tipo de pessoa com quem se envolvera.

 Os dois não demoraram muito até alcançarem uma mesa, tiveram a sorte de encontrar uma encostada na parede, não tão chamativa quanto as centrais. Sentaram um em frente ao outro, o mais novo não iria arriscar sentar ao lado de um louco sádico.

 - Me dê seu celular.

 - Como? - Levantou cabeça, que antes estava abaixada o dando melhor visão dos próprios pés, confuso com o pedido.

 - Me dê logo. - Ditou com aquela expressão de poucos amigos tão desconhecida pelos iludidos presos a imagem falsa de príncipe.

 Não podia questionar, se fizesse ouviria as ameaças as quais já tinha se cansado. Jeongguk apenas entregou o aparelho, mesmo que relutante, esperando pelo que viria.

 Ao ter o objeto em mãos, Taehyung retorceu o rosto em uma expressão macabra que assustou o mais novo, depois, o impulsionou com força na quina da mesa, trincando a tela inteira.

 - Você ficou louco?! - O Jeon gritou pegando o celular devolta, ou melhor, o que restou dele. - Você ferrou meu celular!

 - Isso é para você aprender que não precisa de outros amigos além de mim. - Ignorou o sofrimento evidente no rosto retorcido do adolescente a sua frente. - E fale mais baixo, idiota. Todos estão olhando.

 - Eu não acredito, como você pôde?! - A vontade de chorar crescia, como iria explicar aquilo para os pais? Não era como se tivesse simplesmente caído e quebrado, no centro do touch estava a marca causada pelo impacto contra a mesa.

 - Esse celular é velho, você precisava de outro mesmo.

 - E eu por acaso trabalho?! - Se irritou ainda mais com o loiro, elevando novamente a voz. - Você não podia ter feito isso!

 - Quer saber, cansei. - Se apoiou a mesa com as mãos para inclinar o corpo para frente, aproximando o rosto ao do Jeon. - Pare com essa frescura, quer que eu aproveite a atenção que seus gritos conseguiram e revele como você é um mané?

 O mais novo engoliu em seco e negou com a cabeça.

 - Ótimo. Agora… Onde está meu lanche?

 Só então Jeongguk se lembrou do sanduíche natural e do suco de laranja. Havia deixado na mochila quando saiu em busca do falso amigo.

 - Esqueci na sala. - Suspirou cansado. Dessa vez estava realmente irritado. - Vou buscar.

 - Não precisa. Na cantina vende.

 Sem muita escolha, atendeu ao pedido do mais velho. Se levantou e seguiu até a cantina, onde esperou sozinho na fila para conseguir comprar o tal sanduíche.

 Com o celular quebrado, seria quase impossível ter contato de novo com Lucca, não sabia quando o veria e muito menos como recuperar o contato salvo.

 Quando voltou para a mesa, reconheceu a cabeleira azul do Min, centado ao lado de Jimin e Hoseok acomodado onde estava anteriormente. Juntou as sobrancelhas ao ver como o Park se relacionava com Taehyung, parecia sincero e espontâneo. Como alguém tão cretino poderia ter uma amizade assim com alguém como Jimin? Inacreditável.

 Chegou em silêncio, sendo notado então por todos. Yoongi não fez questão de disfarçar a antipatia que sentia pelo mais novo entre eles. Estendeu o sanduíche para o loiro, que o pegou prontamente, e se acomodou ao lado do Jung, recebendo um sorriso aberto.

 - E ai, cara! - O ruivo deu um tapa nas costas do Jeon, que se assustou com aquilo. - Então você realmente é amigo do Tae, foi mal.

 - Eu ainda não acredito que você tem outro melhor amigo além de mim, isso não é justo. - Formou um bico nos lábios em uma careta emburrada.

 - ChimChim, você sabe que te amo, não é? - Taehyung afagou a bochecha do amigo com a ponta no nariz, olhando para o Jeon pelo cantos dos olhos.

 A áurea obscura rodeava o príncipe mas parecia que só Jeongguk tinha consciência, só ele podia ver. Sentia nojo, queria gritar para todos saberem que era tudo uma farsa, porém, se a máscara do outro caísse a sua iria junto. Os dois estavam no mesmo barco, unidos pela corrente da mentira.

 - Taehyung… - O moreno chamou, sentindo a barriga roncar. - Você trouxe meu lanche?

 - Claro que sim, eu nunca esqueço do meu melhor amigo. - Sorriu ladino, fazendo Jeongguk engolir em seco e Jimin revirar os olhos pela forma de tratamento que seu amigo usara. - Aqui está, como você me pediu.

 A interrogação expressa na face do mais novo era quase palpável, olhava para a cenoura entregue para si como se fosse a coisa mais incomum do mundo. Os outros não estavam diferente.

 - Você come cenoura crua de lanche?

 - E-eu. - Falhou a primeira sílaba, não sabia ao certo o que responder ao Jung. Buscou uma resposta em Taehyung mas tudo que encontrou foi sinismo. O imbecil estava se divertindo em suas custas. - Como sim. É nutritivo.

 Mordeu o vegetal, não iria dar ao loiro o gosto de o ver recuar em frente aos outros. O que ele não sabia é que comendo a cenoura, estava aumentando o ego sádico.

 - Então você é ligado nessas coisas de boa alimentação. - Hoseok apoiou os cotovelos para poder deitar a cabeça sobre as mãos. - Por isso você tem um corpo tão bonito.





 Irritado, estressado e sem paciência. Isso resumia o humor do adolescente, não queria nem pensar na existência de Kim Taehyung, o pior monstro do universo.

 No dia anterior, levou uma bronca da mãe por aparecer com o celular todo quebrado e como castigo, só iria ter um novo em uma semana. Como consequência, não conseguiu falar com Lucca para marcar sua visita ao clube de futebol. Por esses motivos se escondeu no banheiro durante o intervalo e no momento estava decidido a sair antes do Kim, não esperaria até que ele aparecesse na porta da sala de aula o chamando para irem embora.

 Terminou de guardar o material na bolsa rapidamente e se dirigiu até a saída do local, estava tão absorto em seus próprios pensamentos que não viu o corpo em sua frente e acabou esbarrando nele.

 - Desculpe. - Olhou para o rosto não tão desconhecido como imaginava ser, reconhecendo Lucca.

 - Que boa forma de me recepcionar. - Riu fraco, arrancando também um riso do moreno. - Então, essa é sua classe?

 - Sim. Será que podemos conversar andando, estou evitando uma certa pessoa…

 - Claro. - Abriu espaço para o mais novo passar e o seguiu, caminhando ao lado dele. - Eu te mandei algumas mensagens mas você não respondeu.

 - Meu celular quebrou. - Resolveu ser direto. Olhava para os cantos confirmando se o Kim não estava lá.

 - Olha, eu conversei com o treinador e ele disse que não tem problema te levar lá hoje.

 - Sério?! - Esqueceu totalmente do que estava fazendo, focando na oportunidade que teria. Sorriu de lado a lado ao ouvir aquelas palavras direcionadas a si. - Que horas?

 - Podemos ir agora, se você não estiver com tanta pressa. - Percebeu a empolgação do Jeon, estava sendo mais fácil do que imaginara.

 - Tudo bem. Só vamos logo, por favor.

 Enquanto isso, Taehyung procurava pelo falso amigo em meio aos estudantes da turma B do primeiro colegial. Atraia olhares de todos dentro daquela sala, menos de quem gostaria de encontrar.

 - Príncipe Kim.

 Olhou para o garoto sem nenhum , se não tivesse uma falsa imagem a zelar nem mesmo forçaria o sorriso fechado.

 - Quem é você?

 - Sou Park Bogum, amigo do Jeongguk.

 - Hm. - Focou no adolescente de bochechas coradas ao lado do Park. - Onde ele está?

 - Saiu com outro cara, não faz muito tempo.





 A grama verde contrastava com o céu azulado, o dia estava lindo. Jeongguk se via encantado com o campo onde os jogos eram realizados, a arquibancada grande lembrava os filmes que assistia.

 - Aquele ali é um amigo meu. - Lucca apontou para um garoto escorado ao alambrado, o qual o mais novo não havia notado até aquele momento.

- E ai. - Tentou ao máximo parecer gentil, afinal, era sua chance de fazer amizades.

- Pode me chamar de Greg, sou da mesma classe do Lucca.

 Os adolescentes passaram um tempo conversando sobre o esporte e as vitórias do time, até Lucca perguntar se o Jeon gostaria de conhecer o vestiário. Subiram alguns degraus na lateral da arquibancada, parando na metade do caminho para desviar o curso, passando a andar rumo as portas localizada na área reservada ao corpo docente quando tinham jogos importantes.

 O local estava escuro mas logo se iluminou quando Greg pressionou o interruptor, tornando nítidos os armários de ferro pintados de azul e os bancos compridos onde os jogares se sentavam para amarrar os sapatos, descansar e as vezes para subir dando impulso para pular e comemorar a vitória.

 - É bem maior que no meu antigo colégio. - Comentou analisando cada canto com os olhos atentos.

 O Jeon estranhou quando ouviu o barulho da porta sendo fechada, seguido pelo som da trinca girarando mas resolveu não questionar e confiar nos mais velhos, estavam sendo gentis consigo.

 - Eu imaginei mesmo.

 - Obrigada por me trazerem aqui, não fiz muitos amigos desde que cheguei.

 - Mas você tem um bem especial. - Lucca deu passos calmos em direção ao mais novo. - O Príncipe é o cara mais popular daqui e ainda está no segundo colegial. Na verdade, desde o ano passado ele ocupa esse cargo.

 - É, o príncipe… - Virou o rosto e mordeu o lábio inferior ao lembrar das expressões sombrias do Kim. Lucca estava começando a ficar perto demais.

 - Por que vocês não param de enrolar e vamos direto ao ponto?

 A voz veio detrás da segunda fileira de armários, revelando uma quarto pessoa. A testa de Jeongguk se enrugou ao adotar a expressão desentendida, ele não gostou nenhum pouco do olhar que o estranho dirigiu a si.

 - Quem é ele?

 - Cala a boca, pirralho. - Greg revirou os olhos, já estava cansado de ser legal.

 - O-o quê?

 - É isso mesmo que você ouviu, cala a sua boca!

 - Calma Jeonhyun. - Lucca pediu para o amigo. - Vai assutar nosso coleguinha.

 - Vamos logo com isso. - Greg tomou a frente e agarrou Jeongguk pelo colarinho da camisa do uniforme, empurrando o corpo para trás até que se chocasse contra o ferro gelado de um dos armários.

 O mais novo gemeu em protesto assim que sentiu a dor pelo impacto, não entendia o motivo para aquilo estar acontecendo. Estava com medo, não conseguiria impedir os três ao mesmo tempo de fazerem o que quisessem.

 - Me solta! - Tentou empurrar o corpo igualmente definido mas não conseguiu.

 - Taehyung é um filho da puta mesmo, esse amiguinho dele é bem gostosinho.

 - Não é hora pras suas viadagens, Jeonhyun. - Lucca empurrou o amigo que segurava o Jeon, dando espaço para ele mesmo fazer aquilo. - Eu odeio o príncipe.

 - E o que eu tenho a ver com isso, cara? Me solta! - Já estava começando a se desesperar.

 - Eu tinha uma namorada, ela estava no terceiro colegial. - Aumentou a força exercida no aperto, pressionando o corpo do Jeon com mais brutalidade ao armário. - Sabe o que seu amiguinho nojento de merda fez?

 - Como vou saber?! - Rangeu os dentes, um misto de raiva e medo o consumiam por dentro.

 - Ele roubou minha namorada! Eu o odeio!

 Lucca cerrou os punhos e puxou braço levantado para trás, com a intenção de dar mais impulso ao movimento planejado. Estava pronto para golpear o outro com um soco no rosto mas foi interrompido pela voz grave que tanto odiava. Se assustou com aquilo e soltou o moreno, se virando para o loiro.

 A reação de Jeongguk não foi diferente, não imaginava que o Kim apareceria ali. Se sentiu aliviado ao se livrar do aperto, ageitou as roupas e se afastou o máximo que pode de todos ali.

 - Faz sentido. - Taehyung se aproximou dos garotos com o sorriso cínico desconhecido pelos três malfeitores. - Se vingar por ciúme, que golpe baixo. Pior ainda, chamar dois manés para ajudarem no trabalho que você nunca conseguiria fazer sozinho, muita covardia.

 - C-cala a boca, você que roubou minha namorada! - Grunhiu.

 - Eu não roubei a namorada de ninguém, ela que se apaixonou por mim sozinha. 

 O orgulho de Lucca se recusava a aceitar aquilo, agora que estava frente a frente com a pessoa que tanto odiava não iria deixar barato. Não estando acompanhado por mais dois.

 - Ah, esqueci de dizer. - Pegou o celular no bolso mostrando a tela desbloqueada. - O diretor vai ficar muito feliz em saber que o filho acha meu melhor amigo gostosinho.

 Dito issoo, ativou o vídeo mostrando que tinha gravado o ato covarde. Aumentou o volume ao máximo para que todos ouvissem a parte onde o filho do diretor falava sobre o Jeon.

- Desgraçado. - Jeonhyun sussurrou. Morria de medo do pai descobrir sobre sua sexualidade.

 Greg também se sentiu intimidado com a gravação, seu histórco escolar era péssimo, não queria terminar de arruinar as poucas chances que tinha de entrar em uma boa universidade.

 - Enfim. - Voltou a guardar o aparelho móvel. Deu alguns passos e parou próximo ao Lucca, estava se divertindo com a situação. - Pare de enrolar e venha tratar diretamente comigo.

 - Então você quer brigar?

 - Até parece, odeio violência. - Deu o famoso sorriso fechado que encantava a todos, buscando Jeongguk com o olhar.

 O moreno estava visivelmente abatido. A cabeça baixa mostrava o quão estava envergonhado, havia sido enganado. Tudo que queria era arrumar amigos de verdade mas só consegiu mentiras e quase foi vítima de um ato extremamente covarde.

 - Ei, vamos embora Gukie. - Chamou o mais novo.

 Jeongguk forçou os dentes contra a pele fina do lábio inferior, tentando superar o constrangimento com a dor física. Caminhou até onde Taehyung estava mas acabou lançando um olhar para Lucca, triste e desiludido.

 - É sua culpa por ter se enganado. - Se aproveitou de estar sendo fitado pelo mais novo para o provocar e ter alguém para descontar suas próprias frustrações. - Quer dizer… O quão desesperado por amigos você está? Eu digo algumas coisas e você já se ilude.

 Os olhos do Jeon arderam e ele teve a certeza de que iria chorar se contibuasse a ouvir aquilo. Queria tampar os ouvidos ou sair correndo, não se importava se era uma atitude infantil. Um pouco mais a frente, o Kim ouvia tudo calado. Ninguém percebeu seus punhos se fechando, nem a áurea obscura que o rodeava.

 - Eu nunca seria amigo de alguém tão fácil como você, pior que uma vadia desesperada. - Riu em escárnio.

 Uma lágrima solitária escapou por um dos olhos de Jeongguk, no mesmo momento em que Taehyung se virou para ver se ele estava sendo realmente afetado pelas palavras.

 Tudo aconteceu muito rápido. Lucca abriu a boca para continuar desferindo seu ódio mas foi empedido pelo punho fechado que o atingiu no rosto, tamanha a força do golpe que o fez recuar alguns passos para trás, com as mãos sobre o local atingido. Não demorou muito até que sentisse um líquido descer até os lábios, dando a ele o gosto ferroso do próprio sangue, escorrido do nariz.

 - Seu! - Passou a destra sobre o ferimento e a afastou para conferir suas suspeitas. Estava sangrando. - Você disse que odeia violência!

 - Sim, eu disse. E dai? - Taehyung assumiu o semblante macabro que apenas Jeongguk conhecia. Todos ali arregalaram os olhos com aquilo, não reconheciam o príncipe encantado que agraciava os corredores do colégio com sua existência.

 Caminhou até o Jeon, o abraçando de lado como sempre fazia.

 - Nunca mais se aproxime dele. - A voz grave saia ameaçadora, completamente diferente do timbre doce e gentil. - Ele é meu, me irrita quando o machucam.

 "Idiota. Eu não sou um objeto." Jeongguk estava magoada demais pronunciar as palavras, se conteve apena com o pensamento.





 - Tsc. - O Kim estalou a língua no céu da boca. Caminhava tranquilamente ao lado do moreno no caminho para casa. - Você não aprende mesmo. Quantas vezes mais vai ser enganado? Deveria ter aprendido comigo.

 - Você sabia sobre o Lucca desde o começo?

 - Claro. Sobre você fugindo de mim também. - Olhou para o outro pelo canto dos olhos. - Mas não me envolva nas suas besteiras. Na próxima vez vou te largar sozinho.

 Jeongguk não respondeu.

 Naquele momento, muitas coisas se passavam por sua cabeça, coisas como ter sido enganado e o loiro o ajudando. Afinal, Taehyung sabia que ele estava fugindo e mesmo assim foi o ajudar.

 Desviou a atenção do caminho a frente e fitou o rosto de perfil ao lado. Nunca havia reparado no falso amigo nem se interessado em saber o porque dele fazer tanto sucesso mas, ao analisar com calma, percebeu o quão bonito ele era. Os traços fortes que vez ou outra se tornavam meigos, o maxilar bem desenhado, o nariz, a testa, o desenho dos olhos, a sobrancelha, os lábios cheinhos. Tudo se encaichava perfeitamente no padrão de beleza emposto pela sociedade, realmente parecia um principe saído de algum conto infantil.

 - Por que está me olhando?

 - Eu não estou te olhando. - Mentiu descaradamente virando o rosto, sentindo as bochechas esquentarem.

 - Ah, não? - Arqueou a sobrancelha enquanto um sorriso maldoso contornava seus lábios. Levou a mão grande até o queixo do Jeon e o puxou em sua direção, ficando cara a cara com ele. - Um bichinho não pode mentir para o dono. Acho que vou ter que te adestrar.

Um arrepio desceu pela espinha do moreno ao ouvir aquilo. Engoliu em seco esperando pelo pior, sabia que não poderia protestar se não quisesse ser chantageado.

- Vamos logo. - Soltou o outro e corrigiu a postura para voltar a andar. - Mas você não pode andar.

- Quê?

Taehyung olhou por cima dos ombros para Jeongguk e riu em deboche. - Venha pulando, bunny. Até chegar em casa. E você sabe, se me desobedecer eu conto a verdade. Aliás, conheci Bogum e Minjae, seria uma pena se soubesse da sua farsa.

 "Maldito sádico!"


Notas Finais


Agradeço aos favoritos até agora e ao comentário, isso é muito importante para que eu saiba se estão gostando.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...