História Ele sempre pode ler ela. - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Harry Potter, Hermione Granger, Luna Lovegood, Personagens Originais, Ronald Weasley
Tags Amizade, Amor, Beijo, Drama, Harmione, Harmony, Harry Potter, Hermione Granger, Mistério, Namorada, Revelaçoes, Romance, Segredo, Tempo
Exibições 202
Palavras 4.172
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Comédia, Famí­lia, Festa, Ficção, Magia, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá olá olá pessoal,
Tudo bem com vocês?

Aca estou eu novamente com mais uma One! Sim, isso é uma One que foi dividida por ter ficado maior do que o esperado, hahahha

Esse foi um pedido especial feito a muito tempo pela minha mulher maravilhosa, Catnip Potter: amor, tá aqui, é só o começo Hahahahha

Espero que gostem! 💙💙💙

Capítulo 1 - Prazer, Tracy.


Ele sempre pode ler ela.

 

Ao longo dos anos, Harry desenvolveu uma maneira de decidir se sua atual namorada era coisa séria ou só um 'passa tempo'. Ele não havia percebido que fazia isso até - de todas as pessoas - Ron dizer para ele. Durante os 7 anos após a queda de Voldemort - durante seu suposto 7 ano em Hogwarts - Harry escolheu como seu grande objetivo viver a vida ao máximo. Ele era aquele menino desajeitado, gago, deslocado e nervoso que aflorou, tardiamente, para um homem de trejeitos suaves e graciosos (algo que ele tinha certeza ter herdado de seu pai). Se ele tivesse aflorado para isso antes, sua vida pessoal em Hogwarts poderia ter sido um pouco mais fácil. Sendo o Homem-Que-Conquistou, Harry era bem conhecido no mundo mágico e muitas vezes, muito procurado pelas mulheres - desde as com sua idade até as muito mais velhas. Ele tinha que ter cuidado com quem se encontrava e com quem saía. Sendo assim, muitas eram apenas interessadas no título de estar com ele e não propriamente estar com ele, e ele não estava nem um pouco interessando em ser usado para alcançar fama. O seu grande objetivo era achar alguém que realmente amasse ele por quem ele era e ter sua própria família. De finalmente ser capaz de sentir aquele tipo de amor que ficava encravado em seus ossos e nunca deixava a sensação se esvair. De ter um filho ou uma filha que olhasse para ele com orgulho e admiração porque eles simplesmente queriam ser igual ao pai. De ter uma esposa para voltar, uma mulher que conhecesse ele por completo, algo como o que os pais dele tiveram. Para nunca mais ser sozinho, ou perdido, ou vazio novamente. 

Aos vinte e quatro, ele tinha uma carreira forte como o chefe do Departamento de Aurores, e mesmo que seu trabalho nunca terminasse, ele se sentia bem em saber que os mais notórios Comensais da Morte haviam sido presos por ele e seus amigos mais íntimos - veteranos de guerra como seu melhor amigo Ron ou seus colegas de casa, Neville, Dean e Seamus. Olhando para sua rotina, sempre era possível achar alguém querendo causar estragos, destruir a felicidade alcançada e trazer a era da escuridão de volta à comunidade bruxa iguais aos 7 primeiros anos da vida de Harry desde que descobriu ser bruxo. Mas como esperado, Harry, do seu jeito, faria de tudo para esses dias sombrios nunca mais tornassem a se repetir. Equilibrando uma vida social e seu trabalho como auror, era duro achar uma mulher que estivesse interessada em ter um namorado que voltasse pra casa cansado e machucado e que quisesse dormi ao invés de escutar sobre o dia de compras dela; então Harry acabava as vezes por terminar o namoro antes mesmo de colocá-las no processo - agora patenteado - de "vai ou fica?"

Dada a sua vida social agitada e frágil, Harry não apresentava suas namoradas aos seus melhores amigos até a hora de descobrir se elas eram pra valer. Isso ocorreu durante 5 anos até Ron perceber o que Harry estava fazendo, algo que nem mesmo Harry tinha noção de fazer - pelo menos, não conscientemente. Harry sempre foi capaz de ler o rosto de Hermione. Era como ler um livro, as palavras estavam nitidamente escritas nos movimentos e manias dela. Ela não tinha que falar, ou olhar para ele, ele podia ver tudo nas pequenas coisas que Hermione fazia. Ele não sabe exatamente o que causou ele a tomar decisões de relacionamento baseado no que Hermione fazia quando ela conhecia suas namoradas, talvez fosse porque ao longo dos anos, ele tenha aprendido que aquela mente brilhante dela, fazendo o que fosse, significava que ela estava inquestionavelmente certa. Com isso, ela se tornou sua caixinha de "manter ou soltar."

Houve um total de cinco mulheres que chegaram a conhecer Ron e Hermione, e nenhuma das cinco alcançou os padrões de Hermione sobre o que era bom o bastante para Harry. Ela nunca disse nada, nunca o questionou sobre o porque havia terminado o namoro. Muitas vezes, ela apenas acenava com a cabeça, fazia um carinho em sua mão e dizia a ele, "Tem alguém perfeita para você por ai, Harry. Eu sei!" Ela não falava muito com ele sobre a vida pessoal que ele levava e ele aprendeu a só trazer o assunto à tona em caso de necessidade. Ela o dava conselhos sem questionar, sempre o ajudando a resolver qualquer problema que ele tivesse com a atual namorada. Mas sempre havia um brilho nos olhos dela que ele nunca soube classificar, mas aprendeu de algum jeito que ela não ligava em saber sobre as mulheres na vida de Harry. Ela sempre ficava animada quando falavam de mulheres como Ginny, que havia se casado com Neville um par de anos após a derrota de Voldemort, ou Luna, que atualmente estava em um relacionamento com Ron, e em seguida, naturalmente, havia mulheres mais velhas como McGonagall e a Sra. Weasley onde o brilho nunca aparecia aos olhos dela. Mas a maioria das outras, as mulheres que Harry estivesse namorando ou interessado causavam essa diferença nos olhos cor de avelã normalmente quentes e isso desconcertava Harry, sempre que esse brilho aparecia, ele desistia de trazer as mulheres para perto de Hermione.

Eles tinham vários outros assuntos para discutir de qualquer maneira. Hermione tinha uma vida ocupada mas sempre estava interessada em saber como Harry estava indo, no trabalho, com os amigos ou na sua vida em geral. Desde que Ron começou a ocupar-se com o planejamento do casamento com Luna, Harry encontrou-se passando ainda mais tempo só com Hermione, algo que era familiarmente confortável. Suas prévias namoradas não apreciavam o quanto de seu tempo ele passava com Hermione, mas isso fora algo que ele aprendeu a lidar  a muito tempo. Um problema recorrente com cada uma de suas namoradas era a relação extremamente íntima que ele tinha com Hermione. Era algo sabido entre as suas ex que mesmo ele se importando com elas, elas sempre estariam em segundo lugar. Não era algo que Harry tinha a intenção de fazer e ele nunca falava para as mulheres da sua vida sobre isso. Era apenas algo que fazia parte da vida de Harry que era regular.

Ele não vê qualquer problema em passar toda sexta-feira à noite no apartamento de Hermione, assistindo filmes e comendo pizza. Ou como aos domingos, ele passa o café da manhã com ela e os pais dela, Jane (chamada de Jannie pela família e amigos próximos) e Jacob Granger. Não era incomum para ele ir até Hermione quando ele estava dolorido e machucado de alguma missão de auror, para que ele de sentasse à frente dela enquanto ela passava bálsamo em suas feridas e massageava os locais machucados, ao invés de ir em busca de quem deveria fazer isso: sua atual namorada. Ele não vê nada de errado com isso. Ele nunca entendeu o porque trazendo os interesses ou pensamentos pessoais de Hermione o fazia soar como se ele fosse levemente obcecado por sua melhor amiga, como suas namoradas o acusavam. Era apenas uma reação natural mostrar a sua previa namorada da vez o que sua melhor amiga pensava sobre o assunto que eles estivessem discutindo. Ele normalmente não tinha uma opinião pessoal sobre o assunto, mas sabia que Hermione tinha, então ele compartilhava. E sim, ele começou a usar ela como um ponto de defesa, embora ele não soubesse disso na época. Algumas vezes, ele alegava que Hermione entenderia o que elas não poderiam entender, ou que Hermione não teria respondido a certas questões feitas pela imprensa sobre ele. Ele achava que era uma forma de explicação para elas. Elas eram as namoradas, Hermione a melhor amiga, então elas tinha uma função semelhante e ele apenas estava tentando lhes transmitir a melhor maneira de lidar com as coisas. Uma maneira que a muito tempo funcionava com Hermione, então porque não funcionaria com elas, também?

No fim, houve apenas cinco namoradas que conseguiram lidar e aceitar a proximidade que ele tinha com Hermione e fizeram ele chegar ao dia em que Hermione iria decidir se "sim ou não" sobre elas. Quando Harry voltou a rever suas ações passadas, ele descobriu que ele realmente prestava muita atenção ao que Hermione estivesse pensando ou como ela estava reagindo a sua última namorada. A primeira tinha sido Tracy, uma morena bonita com o cabelo encaracolado comprido e um corpo esguio. Ela tinha olhos verde escuros, lábios carnudos cor de rosa e um caso de amor com roupas. Ela era brilhante, adorável e podia chegar a ser engraçada quando relaxava. Sendo uma apaixonada por moda, Tracy comandava uma pequena loja de roupas e possuía assinaturas de revistas que falavam sobre tudo o que era atual no mundo fashion. O algo a mais que Harry se lembrava sobre ela, era o sua tendência a rir e encolher os ombros. Durante seu relacionamento de dois meses, ela conheceu alguns de seus amigos aurores e até mesmo conheceu Ron antes do dia que Harry planejava. Ron gostou o suficiente dela, dizendo que ela era uma "boa espectadora" e "boa o suficiente". No entendo, ele não pareceu surpreso quando Harry terminou com ela pouco tempo depois de ela conhecer Hermione.

Eles estavam tendo um jantar com todos os amigos próximos de Harry, alguns dos quais vieram de vários lugares de toda Europa. A maioria dos Weasleys estavam presentes, excluindo Percy e Charlie que respectivamente estavam em viagem para o ministério e em temporada de acasalamento dos dragões e não poderiam escapar; Kingsley, Moody, McGonagall, Remus, Tonks, Neville, Dean, Seamus, Luna, e alguns amigos que Harry tinha conhecido durante suas viagens como auror. Hermione estava fora da cidade em uma reunião, mas havia prometido que estaria lá para o jantar, por isso Harry precisou da ajuda de Tracy para organizar e preparar tudo. Eles passaram meia hora ou mais apenas passando entre as rodas de conversa, falando sobre o passado e sobre o que ocorreu de novo desde a última vez que haviam se visto. Tracy não conhecia ninguém além de Harry, apesar de ela já ter sido apresentada a Dean, Seamus e Neville anteriormente, aos quais ela havia conhecido quando estavam bêbados. Ron tentou colocar ela dentro de uma conversa, mas foi rapidamente distraído por um comentário estranho que Luna fez e logo Tracy estava novamente fora de seu elemento entre os amigos de Harry. Por sua parte, Harry estava esperando Hermione chegar como se ela fosse trazer consigo a solução para a fome no mundo. Ele encostou na lareira e meio escutava enquanto Tonks e Remus discutiam uma missão antiga, até finalmente o mundo girar e Hermione aparecer.

Harry sorriu feliz ao ouvir ela murmurando sobre fuligem em seu cabelo rebelde enquanto usava sua varinha para arrumar a confusão entre seus cabelos castanhos bem enrolados. Ele passou um braço ao redor da cintura dela e seu sorriso cresceu enquanto ela lhe dava um beijo na bochecha enquanto falava, "Eu desejo que essas normas sobre aparatação em locais fechados sumam", sendo esta sua saudação padrão. Ela dizia isso a anos, mas ele achava divertido vê-la viajar pela rede floo e sempre acabar tropeçando na hora de sair, sempre coberta de fuligem, e por isso não havia informado a ela que as normas já haviam sido derrubadas a um par de anos. Ele lançou um olhar para Seamus, que havia aberto a boca para corrigi-la mas acabou apenas por piscar para Hermione, enquanto Harry a trazia para si, "Onde estaria a diversão nisso, Mione?"

Ela revirou os olhos para ele, apesar de um sorriso brotar em seus lábios e, em seguida, acenar para a Sra. Weasley que estava carregando uma grande bandeja de queijos, carnes e legumes. "Oh! Você gostaria de ajuda, Molly?" Ela perguntou educadamente, tentando se livrar de seu casaco.

Harry o colocou para fora dos ombros dela e o depositou em seu braço, colocando a mão na parte inferior das costas dela. "Aposto um galeão que ela vai dizer para você relaxar, porque você trabalha demais", ele sussurrou contra o ouvido dela.

"Apostar é um hábito horrível", ela respondeu, franzindo o nariz.

"Oh não, Hermione, querida, você descanse! Você trabalha muito duro", a Sra. Weasley respondeu, acenando com a mão.

Harry bufou, sorrindo para ela.

Hermione revirou os olhos novamente, balançando a cabeça como se avisasse para ele não dizer nada sobre.

"Hey! Harry, pare de monopolizar a nossa melhor amiga", Ron gritou com a boca cheia de algum sanduíche. Ele veio atrapalhado entre a multidão, batendo-se contra as pessoas que apenas sorriam e balançavam suas cabeças para o comportamento tipicamente natural de Ron Weasley. Ele passou os longos braços em volta de Hermione e a levantou do chão em saudação. Rindo, Hermione abraçou-o de volta, balançando a cabeça contra o ombro dele. "Você sabe, Mione, que Dobby consegui convencer mais três elfos domésticos a pedirem seus direitos de salário e férias?" Ele disse a ela, incrédulo. "Quem diria que sua louca campanha do S.P.E.W acabaria por funcionar?" Ele disse, bufando.

Harry abafou uma risada, ao ver Hermione dar um tapa na parte de trás da cabeça de Ron e tomar seu lugar próximo a ele novamente enquanto o melhor amigo deles a colocava no chão para poder massagear a parte dolorida e reclamar como se estivesse ofendido. Franzindo o cenho em brincadeira, ele retirou a atenção de cima dele dizendo, "Ah, você já conheceu a nova garota do Harry?"

O sorriso de Hermione vacilou um momento enquanto ela olhava de volta para Harry. "Não, eu não sabia que ele estava saindo com alguém."

"Yeah, eu também não sabia até ela aparecer com um buquê de flores para ele", Ron disse, arqueando as sobrancelhas. "Algo sobre como ele não era um cara ligado a grandes demonstrações, então ela pensou que ela poderia mostrar a ele a graça nisto." Ele encolheu os ombros, seus olhos escaneando a multidão. 

"Que tipo de flores?" Ela perguntou, a boca franzida. Mau sinal, Harry observou.

"Eu não sei. Um monte de cores, sortidas, indicação da loja", Ron disse a ela, balançando a cabeça.

Hermione suspirou, soando um tanto perplexa.

"O que?" Harry perguntou, cutucando o ombro dela.

Ela olhou para ele com um pequeno sorriso, balançando levemente a cabeça. "Nada, eu só ..." ela olhou novamente para Ron e depois para Harry. "Um monte de lojas montam buquês com Asters", ela explicou franzindo a testa, "e você é alérgico a elas." Ela terminou, olhando novamente de um para o outro.

Harry inclinou a cabeça para o lado, olhando para ela, "Isso explica a dor de cabeça que eu tive pelos próximos dias depois disso", disse ele, balançando a cabeça em entendimento.

Hermione riu, dando de ombro. "Bem, eu suponho que se você não se lembra, ela não teria como saber, certo?" Ela lhe disse, antes de seus olhos varrerem a multidão. "Bem, onde ela está Harry? Será que vamos ficar a noite toda no meio da cova ou faremos algo produtivo?"

Harry sorriu, guiando-a através de Ron e andando até a moça que parecia mais perdida do que cego em tiroteio. Ela está um pouco super vestida para a ocasião e um tanto fora de lugar. Ela apenas parecia perdida. Todos os outros estavam em rodas conversando e rindo, enquanto ela estava encostada contra uma parede, braços cruzados levemente sobre o peito, olhando ao redor de forma desconfortável. Com Harry de um lado e Ron do outro, Hermione foi escoltada até Tracy Shorsatph. Ron estava dizendo a ela tudo sobre o que Luna havia comentado mais cedo, algo que Tracy não havia sido capaz de entender, enquanto Hermione apenas assentia com a cabeça dizendo, "Sim, eu tenho certeza de que se eles existissem, seriam fascinantes."

Finalmente, a hora da verdade. Hermione parou a um pé de distância de Tracy, que parecia estar tentando se arrumar perante Hermione, seus ombros retos e um sorriso brilhante, mas falso, em seu rosto. Harry sabia que, apesar de Tracy aceitar Hermione, ela não estava apreciando o quão perto Harry estava de sua melhor amiga. Harry olhou para Hermione para ver o que ela pensava sobre a mulher a sua frente, e mesmo sem saber que fazia isso, leu as expressões no rosto de Hermione sobre Tracy como se tivesse um manual de instruções a sua frente.  Os olhos de Hermione analisaram as roupas de Tracy, um vestido vermelho curto e apertado que parecia bastante sofisticado em comparação aos jeans confortáveis e camisa de botões que Hermione estava vestindo, roupa semelhante a maioria das mulheres no recinto. O nariz de Hermione se enrugou e Harry soube então que Hermione não havia gostado do senso de moda de Tracy, algo que Harry sabia em primeira mão que era a obsessão de sua namorada. Tracy estava sempre assim e nunca saia de casa a menos que estivesse produzida, vestindo sempre os últimos lançamentos da moda, em qualquer situação. Os olhos de Hermione, em seguida, encontraram o cabelo de Tracy, e seu rosto suavizou um pouco e Harry entendeu que significava que ela aprovava os cachos macios e grossos, que Harry achava a parte mais atraente em Tracy. Não lhe ocorreu no momento que eles o lembravam bastante do cabelo de Hermione.

"Você deve ser Hermione", disse Tracy, segurando sua mão, os dedos para baixo e pulso elevado ao jeito que Fleur dizia ser o mais "feminino" das formas de se cumprimentar alguém. 

Hermione olhou para a mão dela, sua boca franzindo novamente, enquanto ela pegava a mão estendida e cumprimentava de forma forte e rápida, como faria com qualquer outra pessoa, o que pareceu assustar Tracy um pouco. Harry tomou os lábios franzidos como um sinal muito ruim e mordeu o interior de sua bochecha em contemplação.

"Sim", Hermione respondeu, de forma curta. "Então, Tracy, como é que você é Harry se conheceram?"

"Oh!" Tracy disse, olhos brilhando e um riso estridente escapando de seus lábios. "Coisa engraçada, eu estava prestes a ir fazer compras, houve uma maravilhosa campanha de lançamento da Gallrags, quando eu percebi que havia deixado minha janela aberta. Imagine a minha supresa quando eu olhei para fora e vi meu gato, Jack, fugindo por ela e ficando preso em uma árvore." Ela revirou os olhos, que estavam bem carregados de maquiagem e piscou seus longos cílios em direção a Harry. "Harold estava passando, a caminho ... De onde mesmo, bae?" Harry não fazia mais ideia e apenas deu de ombros. Eles se conheceram a quase dois meses e ele não conseguia se lembrar de nada daquele dia, exceto que ela havia enrolado o corpo ao redor do dele em forma de agradecimento enquanto ele a devolvia o gato, que havia coberto a nova camisa que Hermione tinha dado a ele com pelo de gato. Tracy deu de ombros; "Bem, de qualquer maneira, ele estava andando e me ouviu gritando. O quão estupida eu fui, esqueci de que tinha uma varinha!" Ela riu, revirando os olhos com a própria estupidez. "Então Harold levitou Jack até mim e eu não podia deixar um momento como aquele passar, então me ofereci para pagar um almoço para ele, por sua ajuda." Ela deu de ombros, sorrindo feliz e acenado com a mão no ar, suas longas unhas recém feitas brilhando em um vermelho vivo.

Hermione visivelmente encolheu-se três vezes durante a curta lembrança de Tracy, duas vezes quando Tracy chamou Harry de "Harold" e, novamente, quando ela chamou ele de "bae". Harry sabia o quão pouco Hermione gostava de apelidos. Ela tolerava quando Harry e Ron a chamavam de Mione, ocasionalmente, mas apenas eles. Ela não se importava quando Harry a chamava de "docinho" quando ele tentava a convencer de algo que ele sabia que ela era contra. E, mais recentemente, o termo "amor" vindo da boca de Harry, tornou-se seu segundo nome, onde ela apenas sorria e dificilmente revirara os olhos mais.  Termos como bae, baby, ursinha, neném e outros absurdos estavam completamente riscados da lista de Hermione. Sendo essa uma frequente situação que fazia Hermione reconsiderar seus relacionamentos com os homens que ela conhecia.

"Harold", Hermione repetiu, seus olhos vibrando em irritação.

"Ah, sim", disse Tracy, chegando a passar a mão pelo braço de Harry. "Harry é tão ..." ela torceu o nariz e apertou a boca, "eu não sei. É um pouco monótono, você não acha?" Ela perguntou, rindo.

Os lábios de Hermione apertaram-se ainda mais e Harry, embora na época não tivesse ideia de que baseava sua decisão de manter o relacionamento de acordo com as expressões de Hermione, chegou à conclusão de que ele e Tracy realmente não estavam funcionando. Ela era tão feminina e bastante impotente enquanto ele não poderia se importa menos com compras ou o fato de seu nome soar "monótono". Ele gostava do seu nome. Harold não era nem mesmo seu nome completo, era simplesmente Harry, regular. Ele gostava, seus amigos não pareciam querer vomitar quando ouviam e ele sempre achou que quando Hermione dizia, era algo melodioso. "Na verdade, não", Hermione respondeu, seus olhos se tornando bastante obsoletos quando se encontraram com os de Tracy.

Tracy não tinha réplica para aquilo, sendo assim, ela limpou a garganta e se virou para Harry, olhando Hermione de cima a baixo e voltando a encarar Harry. "Bem, eu tenho certeza de que você está muito ocupada, não tenho visto algumas pessoas a algum tempo, certo?" Ela perguntou, forçando um sorriso. "Harry, porque você não me apresenta a alguns de seus outros amigos?" Ela lhe perguntou, lançando um olhar bastante desconfortável para Hermione.

Harry deu de ombros. "Você já conheceu todos eles. Além disso, Hermione era quem eu realmente queria que você encontrasse essa noite." Ele fez um sinal para sua melhor amiga, que estava mais à direita, encostada contra Ron, que procurava por alguém entre a multidão. Harry franziu a testa; " Porem ela está certa, Mione, você não vê algumas pessoas a algum tempo e provavelmente quer ir falar com os outros, não é?" Ele perguntou, um tanto desapontado.

"Eu tenho a noite toda", ela respondeu facilmente, dando de ombros. Ela olhou para Ron com um meio sorriso. "Luna está analisando o suco de abóbora Ron, porque você não vai ver o que aconteceu e se ela precisa de ajuda?"

Ron olhou para ela e timidamente concordou com a cabeça. "Sim, sim, eu deveria ir até lá e, er, ver se ela quer ajuda." Ele ergueu a mão, acariciando o ombro de Hermione. "Eu venho te ver daqui a pouco, Mione. E bom te ver. Já faz algum tempo." 

Ela bufou, revirando os olhos. "Eu vi você há duas semanas, no jantar da família Weasley de toda quarta", respondeu balançando a cabeça. Ron deu de ombros, meio sorrindo enquanto se afastava até a loira com ar de cabeça na lua próxima à mesa de lanches.

"Duas semanas é muito tempo", Harry ressaltou, sua mão levantando para se posicionar atras da nuca dela, dedos acariciando a pele do local.

Hermione olhou para ele com uma sobrancelha arqueada. "Harry James, eu te vi a menos de uma semana, eu devo lhe recordar. Alguém tem que ter certeza de que você tem roupas para usar", ela lembrou-lhe sobre o súbito dia de compras, após Harry admitir que não tinha mais roupas decentes para ir trabalhar em seu guarda roupa.

Harry sorriu, encolhendo o ombro e puxando-a para seu lado. "Como eu sobreviveria sem você?"

Hermione abriu a boca para responde até seus olhos caírem sobre Tracy, que estava assistindo a eles com uma mistura de desaprovação e suspeita. "Você irá sobreviver", ela disse calmamente. "Oh, veja, Seamus está ali! Eu esqueci de dizer a ele que a minha secretária, Tammy, não para de falar sobre ele. Eu estarei de volta em um minuto", disse ela rapidamente. Ela virou-se para Tracy, "Prazer em conhecê-la", disse, dando um pequeno sorriso que não chegou aos seus olhos.

"Sim, foi", Tracy respondeu, sua voz cheia de falsa alegria. "Nos deveríamos sair algum dia desses, um dia das meninas. Deve ser sufocante ter dois melhores amigos do sexo masculino." Disse ela rindo, encolhendo os ombros.

O pequeno sorriso de Hermione desapareceu e seus olhos se estreitaram ligeiramente. "Certo, talvez", disse ela brevemente. Virando-se para Harry, ela sorriu, "Tente ficar longe de problemas, Harry, eu realmente quero falar com você depois sobre a minha reunião de hoje cedo."

"Você tem a minha palavra", ele prometeu, acariciando o pescoço dela uma última vez antes de deixar sua mão cair ao seu lado. Ela sorriu para ele antes de se virar e sair, lançando um último olhar incerto na direção de Tracy. 

Nem três dias mais tarde, Harry terminou com Tracy, que prontamente o acusou de usar-lá para que Hermione percebesse que ele estava estava apaixonado por ela. Harry negou completamente e não conseguiu entender o porque Tracy achou que ele estivesse apaixonado por sua melhor amiga, mesmo que isso tenha se tornado uma espécie de acusação regular entre suas namoradas.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...