História Elemental - A última guerra - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Agua, Aria, Avatar, Elemental, Elementos, Fogo, Guerra, Magia, Mundo, Suspense, Terra
Visualizações 1
Palavras 1.132
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Saga, Suspense, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Mark


Elevo a espada no ar, ela está brilhante, suas cores dançam em uma mistura de vermelho bronze e amarelo Ouro, visivelmente bela, mas a beleza não é o objetivo, espadas não são a nova moda verão, são feitas para matar. Quando se passa tanto tempo dentro de uma fábrica de espadas você aprende certos truques, como por exemplo saber se a espada está afiada o bastante sem nem mesmo tocar nela, só observando sua cor e as dobras que o metal tem em torno de si mesmo.
Abaixo a espada de volta a mesa de metal, aplico pressão de novo e o metal range, se contorcendo de dor, não só ele mas todas as suas irmãs ao redor, uma a uma as espadas vão sendo forjadas, sem fogo, somente com pressão que o próprio metal faz sobre si.
A sirene soa,  anunciando " seus idiotas, hora de irem para casa " e todos obedecem sua voz. O barulho de metal batendo em metal cessa aos poucos e tudo vai ficando silencioso, saio, como todos os outros.
- Hey Mark! Que dia heim - ouço Silas gritar enquanto se  aproxima de mim - até parece que a produção triplicou, ou pior quadruplicou! - Uma gota de suor escorre da sua testa. Paro para observar seu rosto , quando foi que ele envelheceu tanto? Talvez não tenha envelhecido, é só esse trabalho ingrato que está nos matando aos poucos...
- Na verdade, acho que a produção aumentou sim, só não sei porque... - minto, com um sorriso no rosto.
- Cara, que barra é isso aqui - Ele se junta a mim na caminhada rumo a saída da fábrica - os aéreos que devem ter trabalho melhor, com aquele ventinho deles - Ele revira os olhos em sinal de protesto.
- Fazer o que, cada um nasce com um dom, o governo só nos coloca no lugar certo... E não é como se não houvesse outra opção, Silas. - continuo - Você tem jeito para mecânico, ou engenheiro...
- Tá maluco? - Ele rebate com cara de espanto - Isso é trabalho pra gente inteligente! Quem não gosta de estudar igual a gente tem que ficar na força bruta mesmo... Mas tem uma coisa que eu sempre quis ser - Ele fecha os olhos por um instante parecendo aquelas crianças quando saboreiam um doce - Eu sempre quis ser conselheiro, imagina só. Dois anos no serviço militar e depois você está pronto para uma vida de aventuras!
- Você sonha demais...
- Anota aí cara - Ele bate de leve em meu ombro - Eu dia você vai me ver do lado do governador, igual aqueles caras que se vê nos jornais! - Ele vai se afastando, indo por outro corredor. - A gente se vê amanhã.
*
O sol está quase se pondo, do outro lado do céu a lua se ergue. Após alguns minutos a locomotiva para novamente, desço e faço novamente o mesmo caminho, " em frente, vire na quinta rua, vá em frente novamente, na casa amarela vire a direita e lá está sua casa, Mark ". Faço um movimento de mãos e a porta de metal vai se abrindo, cada engrenagem se encaixando e se movendo, para por fim revelar o que tem dentro da casa, não há ninguém para me receber...
*
A melhor coisa que fiz foi comprar quase todos os utensílios da casa feitos de metal " sei q não fica muito bonito de se ver, mas o que importa é a utilidade não a beleza ", novo o que eu quero só com alguns movimentos de mãos " isso é sedentarismo eu sei ", mas para quê ser dominador de metal e não usar isso para o próprio conforto? Na maior parte do tempo minha dominação é aplicada somente na fábrica, fazendo armas para o exército do reino, ajudando em uma guerra imaginária que eles pregam todos os dias, "a guerra pela paz" alguns dizem.
Os jornais trazem todos os dias notícias e mais notícias tendenciosas: "Ameaça de Guerra Civil no Reino do Ar " , " A Guerra acabou? NÃO "... mas nada de fatos, só achismos de pessoas velhas que falam dos "horrores da última guerra ". Alguns cidadãos acreditam e temem uma nova guerra, outros dizem q o mundo caminha para a paz, eu acredito que não existe e nem nunca haverá paz, mas também sei que nosso rei é um ex soldado obcecado por guerra, e é inevitável que ele não veja perigo em tudo...
*
Essa manhã o jornal chegou cedo, não há nenhuma novidade, o título é " Outro ataque ao Reino das Águas " ... É o terceiro só esse mês, e ninguém sabe quem são os responsáveis, eles simplesmente vem a noite e matam as pessoas, não deixam marcas, só o corpo imóvel e gelado no chão, sem vida e do lado dos corpos e um lenço branco com as letras DEUG escritas nele. O governo acha que são um grupo de criminosos insatisfeitos com o novo e de governo, os ou outros reinos dizem que são só assassinos como iguais aos outros de sua laia, seja o que forem eles estão ganhando espaço na mídia e a atenção dos 12 reinos.

*

A noite está fria, mais do que o normal. Devido a localização do Reino Forte ser nas montanhas do Oeste do continente é normal as temperaturas serem baixas, mas esse noite está pior do que as outras. Levanto da poltrona e deixo o livro na mesa, busco um cobertor no quarto e volto a ler “ As aventuras de Breno ”, sem perceber acabo dormindo.

Acordo assustado, pego meu relógio de prata e vejo que horas são, o relógio aponta 3:45 da Manhã, mas a movimentação na rua contradiz isso, vejo pela janela muitas pessoas nas rua conversando, falando apressadamente e apontando para o mesmo lugar, a minha casa, saio para ver o que é, talvez se trate de algum animal morto no teto e estão tentando ver, não seria a primeira vez que isso acontece.

Saio para a rua e Me viro para ver o que é… não era um gato morto, mas sim, alguém morreu… Escrito na minha parede com sangue estão quatro letras, DEUG, e embaixo uma pequena frase em letras minúsculas “ A Guerra Começou ”, me viro para para o lado e vejo mais pessoas ainda, muitas mais, também muitos militares e carros de combate, corro para ver o que aconteceu, sem entender nada, quando me aproximo consigo ver, não consegui contar quantos eram, só me lembro de cair no chão e tudo ficar escuro quando eu vi ele no chão, sem vida. Meu último pensamento antes de minha mente apagar foi “ Você sonha demais Silas ” ...

 


Notas Finais


Como vocês puderam ver os capítulos os capítulos são de ponto de vista, esse é meu estilo de escrita, espero que gostem.
Em breve postarei mais.
Obrigado por lerem!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...