História Elementary - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction, Zayn Malik
Personagens Harry Styles, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Personagens Originais, Zayn Malik
Tags Colegial, Comedia, One Direction, Personagem Original, Romance, Zayn, Zayn Malik
Exibições 63
Palavras 4.264
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Escolar, Esporte, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


UM CAPÍTULO DE MAIS DE QUATRO MIL PALAVRAS!
Devo amar vocês muito :)
Comentem!

Capítulo 6 - Você pensa que me conhece, mas não


Fanfic / Fanfiction Elementary - Capítulo 6 - Você pensa que me conhece, mas não

CAPÍTULO CINCO – VOCÊ PENSA QUE ME CONHECE, MAS NÃO.


You think you know me (você acha que me conhece)
But you don't know me (mas você não conhece)
(...)and I can't convince you (e eu não consigo te convencer)
You don't know me (que você não me conhece)

You don't know me - Liz Gillies
 

Zayn odiava ser acordado. Ele sabia que boas (e estendidas) horas de sono era como um remédio natural para a mente e corpo. Afinal, não é à toa que desde os tempos antigos já diziam ‘mente sã, corpo são’ e Zayn frisava que a frase era realmente a maior verdade universal; mas naquela noite ele foi acordado três vezes.

A primeira vez ele não sabia o horário, mas soube que era Harry porque o único que dormia no quarto das gêmeas sem ser ele próprio era Styles. Zayn percebeu que a festa ainda rolava porque o som da playlist escolhida a dedo por Liam ainda tocava em alto e bom som. Ficou surpreso pela polícia não aparecer ali com qualquer denúncia do disque silêncio providenciado por um vizinho da rua. Então voltou a dormir.

A segunda vez foi quando suas suspeitas de que a festa iria acabar no mesmo momento. As sirenes não eram um barulho que qualquer um poderia ignorar; além de terem um chiado extremamente alto era absolutamente irritante aos ouvidos. Apenas pessoas com um sono muito pesado (era o caso do Harry, ao que se parece já que ele ao menos se mexeu) e infelizmente não era algo que Zayn possuía. Só conseguiu dormir depois que a música parou e as sirenes andaram para longe da casa dos Tomlinson. Então, voltou a dormir novamente.

A terceira vez foi com alguns raios de sol em seu rosto. Acordar na hora que quiser e quando quiser era uma das coisas simples da vida que Malik mais gostava. E pelo que se parecia, naquele dia ele não teria isso; O mundo era composto em dois tipos de pessoa em geral: aquelas que dormiam com lâmpada acesa, em qualquer lugar e com barulho ou aquelas que só dormiam com escuridão total, em uma cama confortável e sem barulho nenhum. Era óbvio de qual das duas Zayn se tratava.

Irritado por não conseguir dormir novamente, (e acredite, ele tentou) ele levantou mal-humorado, calçou seus tênis novamente, olhou para o seu celular (Eram quase 11 da manhã, 3 chamadas perdidas de sua mãe e uma mensagem de Safaa, mas nenhuma de Helena e com 25% de bateria) e depois saiu do quarto tentando ser o mais silencioso possível (era um bom amigo, mesmo sabendo que Harry não faria a mesma coisa por ele) e descendo as escadas bocejando de cansado e sono.

Havia algumas pessoas arrumando a casa e Zayn imaginou ser a equipe de limpeza que Louis sempre contratava para as suas pós festas (e ele ainda teve a audácia de dizer para Helena na noite anterior que dava trabalho de arrumar a casa depois de suas festas). Caminhou lentamente até a cozinha cumprimentando aqueles que passavam por ele, porque afinal, ele era educado também.

A cozinha estava parcialmente limpa, só tirando o fato que havia muitos sacos de lixos, resto de garrafas de livro de variados tipos possíveis e etc. Zayn abriu a porta da geladeira tirando várias coisas para fazer seu desjejum e depois sentou na bancada comendo um pouco de cereais e leite na tigela bege. O controle da tevê estava bem ao lado e sem qualquer esforço, Zayn ligou a tevê da cozinha (ele realmente adorava esse artefato na cozinha de Louis) e começou a ver o jornal matinal.

 ‘A grande cantora pop, Eleanor Dion, encerrou ontem sua turnê pela Grã-Bretanha em um último mega show na Arena O2, promovendo seu novo disco Nobody Knows Me que já arrecadou mais de um milhão de libras, a maior da grande carreira da cantora...’

A voz do jornalista do Wake Up London soava pelos ouvidos de Zayn, mas ele não prestava muita atenção nisso. Eleanor Dion era uma celebridade corrosiva da população, como Louis chamada as vezes. Tinha talento, tinha dinheiro, tinha fama, mas não produzia nada de intelectual para a sociedade ao não ser o consumo de suas marcas de roupas, seus discos, seus shows...

- Bom – Louis bocejou entrando na cozinha – dia.

Zayn riu e abaixou o volume da tevê – Bom dia, Tomlinson. Dormiu bem?

- Eu estou surpreso por estar acordado e bem-disposto – Louis pegou um copo da prateleira e colocou um pouco de leite – Fui dormir quase quatro da manhã.

- Muito cedo para o termino de uma Louis Party – Malik zombou.

- Os Webber’s denunciaram por volta das três da manhã o excesso de barulho – Louis riu – Pelo que se parece, meus vizinhos não gostam muito de Kanye West.

Zayn riu um pouco mais alto e fez um sinal de negação, balançando a cabeça.

- Eu ouvi as sirenes – Zayn admitiu – Fico impressionado de saber que sua mãe sabe das reclamações e deixa de qualquer jeito essas festas acontecerem.

- Minha mãe não é referência para isso já que ela é casada com um promotor de eventos – Louis disse comentando seu padastro, Daniel Deakin, um dos donos da Scorpius (uma das casas noturnas mais aclamadas de Londres) e o mais novo marido de sua mãe.

A verdade é que Louis tinha uma família louca e enorme. Para começar Louis não era filho de Mark Tomlinson. Ele não havia dado muita explicação, mas pelo que se parecia, seus pais haviam se separado antes dele nascer e quando ele tinha pouco mais de alguns meses, sua mãe se casou com o Mr.Tomlinson e por isso ficou com seu sobrenome. Depois dele, vinha Lottie, Felicite (que tinha acabado de completar 14 anos, mas morava com os avós em Doncaster) e as gêmeas Phoebe e Daisy. Só aí, cinco Tomlinson.

Logo depois do nascimento das gêmeas, a mãe se Louis se separou de novo (bem, estava explicado o porquê dele se mudar tanto) e se casou com Deakin. E agora ela estava grávida. De gêmeos.

- Eu gostaria que minha mãe também não ligasse, mas não é como se na minha casa tivesse espaço para uma festa de qualquer forma – Zayn deu os ombros e voltou a comer seu cereal.

- Porque o carro da Clarke está na frente da sua casa, Louis? – Um Niall com roupas esportivas entrou pela cozinha um tanto confuso.

- Zayn seu safadinho! Levou Helena para o quarto das gêmeas? Que nojo – Louis apontou para o amigo.

- É claro que não, seu idiota! – Zayn rolou os olhos – McDaniel levou ela para casa no carro dele e ela deixou o carro dela para eu levar depois.

- Você vai levar o carro da Clarke para casa dela? – Niall repetiu um tanto surpreso por tal ato – Você tá dizendo que vai conhecer a casa de Helena Rose Clarke?

- Obrigado, Nialer – Louis sorriu irônico – Seu poder de dedução está cada dia melhor.

- Não seja sarcástico comigo, Tommo – Niall apontou – Eu posso ser lerdo, mas não sou burro.

- Graças a Deus que existe uma diferença entre sarcasmo e ironia – Louis implicou – Mas não é como se você prestasse atenção nas aulas de Inglês.

E então os dois começaram uma discussão sobre quem realmente estava certo em difamar quem (algo em que Zayn realmente não tomaria partido, conhecia muito bem os amigos para saber que aquilo iria longe demais e não tinha hora para acabar) e Malik apenas saiu da bancada deixando sua tigela na pia, ignorando ambos os amigos e subindo de volta para o quarto das gêmeas.

Harry estava acordado e mexia no celular com um sorriso muito idiota no rosto, o que fez Zayn estranhar a atitude do companheiro de quarto provisório da noite.

- Bom dia, Styles – Zayn não entrou no quarto. Ele tombou para o lado, cruzando os braços e uma perna, no batente da porta e encarou o amigo com um sorriso malicioso nos lábios – A conversa está rendendo?

- Que susto da porra, Malik! – Harry gritou levantando rápido da cama, deixando o celular cair dentre seu nariz e sua boca – Ai! Cacete de telefone.

Malik gargalhou e entrou no quarto indo atrás de seus pertences que havia deixado no quarto.

- É a novata? – Zayn perguntou.

- Como você pode adivinhar? – Harry bufou – Você sempre consegue saber dessas coisas, é tipo um sexto sentido seu.

- Eu vi você tentando algo com ela e quando eu digo tentando é realmente o significado da palavra – Zayn sentou na cama e olhou para o amigo – E o que aconteceu?

- Ela disse não – Harry fez uma careta como se estivesse incomodado de falar sobre aquele assunto – Ela disse que não seria mais uma do meu cardápio. E veja que ela disse cardápio, não lista.

- E ela mentiu? – Zayn levantou uma das sobrancelhas – Você geralmente faz esse tipo, one kiss, one night.

- Tudo bem que eu, às vezes, possa ser um filho da mãe – Harry frisou o as vezes – mas você sabe! Ela é latina e eu nunca beijei uma latina!

- Teve aquela espanhola que se formou ano passado – Zayn o lembrou.

- Eu disse latina, não que falem espanhol – Harry retrucou na mesma hora.

- Não é só porque ela é da Espanha que ela não é latina, Harry – Zayn suspirou, incrédulo com o assunto que estava tendo com o amigo – Enfim, Louis e Niall estão lá em baixo. ‘Tô vazando.

- Sério? Você sempre vai embora só depois do almoço ou de umas partidas de Xbox – Harry se levantou, alongando-se. Ele só estava de cueca e meias.

- Que viadagem, Styles, coloca uma roupa – Zayn riu – Eu vou passar em casa, tomar um banho e almoçar com minha mãe. Depois vou na casa da Helena.

- Você vai na casa da Clarke? – Harry poderia ser mais baixo dentre eles, mas tinha um grito quase parecido com Mr.Jacobsen.

- Ela deixou o carro aqui, só vou devolver – Zayn acalmou o amigo.

- Você é burro ou o que? – Harry apontou para o amigo – Você pode ser mais velho, Malik, mas quem realmente conhece as garotas aqui sou eu.

- Eu adoraria ficar e ouvir como você é um gigolô britânico de primeira, Styles, mas eu tenho que ir.

- Não mesmo! Você não entendeu, Malik? Ela fez de propósito!

- Ela fez o que de propósito, Harry? – Zayn cruzou os braços já irritado em prolongar sua partida.

- Deixar o carro aqui, é claro – Harry agora colocava sua calça jeans – É só uma desculpa para ela te ver novamente seu idiota!

Zayn não queria se humilhar mais, mas ele esperava que a teoria de Harry estivesse certa, porque agora que ele tinha um contato muito maior do que apenas olhadas básicas de longe e stalkiadas no insta e no facebook (e agora no twitter), ele não deixaria nenhuma oportunidade passar.

- Você continua vendo novela com sua mãe? – Malik provocou – Ela estava bêbada e McDaniel levou ela para casa. Ela deixou o carro aqui e eu vou entregar para ela. Fim de papo e um bom final de semana para você.

Quando Malik estava descendo as escadas, ainda deu para ouvir o grito de Styles no segundo andar da casa de Louis.

- Não se esquece que o poker hoje é na casa do Liam, seu viado!

Zayn riu, nem se preocupando em responder o mais novo ou se despedir de Louis e Niall que não estavam a vista no primeiro momento. Tirou as chaves do carro de Helena da mochila, destrancou o carro e deu partida. Havia alguns dias que Zayn não dirigia (e ele também nem era muito fã de dirigir) saiu da vaga facilmente e rumou até Belvedere.

Louis morava a umas boas 7,5 milhas de Belvedere. O transito naquela hora da manhã ajudava muito a pressa de Zayn para chegar em casa o mais rápido possível. Enquanto estava parado no sinal, ele dava umas olhadas básicas para o interior do carro de Helena (ele não era um stalker! Não mesmo), ligando o som mp3, vendo os compartimentos possíveis tentando achar alguma coisa a mais sobre Helena Rose Clarke.

Quando estacionou na frente do conjunto de casas de tijolos já sem a mesma cor de antes, ele começou a passar mentalmente as possíveis respostas para as perguntas de Trisha (sua amada mãe) e Yaser (seu amado pai) como: ‘que carro é esse’, ‘você não está roubando carros, né filho?’ ou até mesmo ‘Zayn, você está mexendo com drogas?’.

Pegou sua mochila, saiu do carro e o trancou com um ‘click’ na própria chave do carro (Zayn adora a tecnologia). A porta preta com fechaduras já facilmente arrombáveis denunciava que a família Malik morava ali a muitos anos, mas não que Zayn pudesse reclamar de qualquer forma. Adorava sua casa, adorava o fato de ser o único irmão dentre três garotas e o segundo homem da casa.

Trisha e Safaa (a caçula) estavam fazendo uma maquete do sistema solar (trabalho que todos já haviam feito quando tinham a idade da menina, e Trisha já havia ficado profissional nesse tipo de trabalho) na mesinha do centro da sala. Os sorrisos calorosos vieram assim que Zayn pôs os olhos em sua mãe e sua irmã.

- Que bom que chegou, filho! – Trisha não era uma mãe que ‘pegava no pé’, mas a principal regra dentro daquela casa era: Trisha disse não, é realmente um não. Sem meio termo – Hoje vamos ter batata recheada e peixe. Vai ficar para o almoço?

- Sim, mãe – Respondeu ele – Só vou tomar um banho. Eu me sinto imundo.

Antes de subir as escadas ele beijou o topo da cabeça de Trisha e Safaa e foi para o seu quarto. Havia pontos positivos e negativos de morar a muito tempo em um mesmo lugar. O ponto positivo é que os prédios/casas de antigamente eram projetados muito maiores do que os de agora. O condomínio popular onde Zayn morava não era diferente. Uma casa com uma altura considerável e uma largura ridiculamente pequena. Mas o que importava era que pelo menos ele tinha um quarto só para si.

O ponto negativo é que as vezes Zayn achava que o teto iria cair em cima da sua cabeça. Estavam em setembro e o inverno começaria logo. Apesar de ser incomum as nevascas em Londres, chuvas fortes não eram tão raras e pouco mais constantes. E as consequências eram um efeito dominó: sem energia, sem wifi, sem wifi, sem acesso à internet, sem acesso à internet, família Malik volta a pré-história.

E ele não poderia esquecer do chuveiro quente. Ficar sem aquele pequeno milagre era quase como esquecer que dois mais dois era quatro. Zayn adorava a sensação da sua pele queimando quando a água caia em cima da sua cabeça. Era como se todas as sensações ruins sumissem pelo ralo.

Depois do banho, vestiu uma roupa que poderia se dizer ‘arrumada’. Uma camisa polo branca que marcava um pouco seus músculos (não que ele tivesse músculos, mas...), uma calça jeans e seu vans cinza. Passou perfume (Zayn não era realmente ninguém sem aquele perfume) e tentou arrumar seu cabelo o melhor que pode. Desceu as escadas se deparando com Waliyha (a mais nova Malik do St. Paul) na porta do seu quarto, de braços cruzados, dando uma olhada bem crítica para o irmão.

- Você sabe que eu não me importo de você ser um pouco irresponsável, mas você tinha que me esquecer na escola justo no final da primeira semana de aula? – Quando Waliyha terminou a frase, Zayn arregalou os olhos e bateu na própria testa.

Waliyha tinha começado o colegial naquela semana. Escola nova, pessoas estranhas e só conhecendo seu irmão mais velho e seus amigos, os formandos do ano. Desde que Liam tirou a carteira, Zayn pegava carona com ele (era caminho, já que Liam morava apenas poucas ruas depois de Malik) e agora que sua irmã havia começado o colegial, ela foi a semana toda com eles para St. Paul.

E ontem, Zayn Malik havia saído mais cedo com Helena Rose Clarke e esqueceu completamente de sua irmã.

- Meu Deus, Wali, me desculpe! – Zayn aproximou-se da irmã, quase desesperado – Como você veio para casa?

- Liam me trouxe, de qualquer forma – Ela olhou com as sobrancelhas juntas para o irmão – Mas a pergunta de um milhão de libras é: aonde, diabos, você estava?

- Eu fui no Queen’s House, depois da escola. Com Helena Rose Clarke.

Waliyha piscou três vezes, como tentasse ingerir o que o irmão mais velho havia lhe contado. Não era segredo para nenhuma das meninas Malik que Zayn nutria algo pela garota Clarke desde o primário. Elas não julgavam. Helena Rose Clarke tinha uma áurea difícil de ignorar.

- Você saiu com Helena Rose Clarke ontem? – A voz de sua irmã era num tom baixo, mas totalmente surpresa – Você quer dizer, Helena Rose Clarke, a de cabelo azul?

Zayn deu um meio sorriso – Se você não está acreditando, baixinha, imagina eu.

- Não me chame de baixinha, seu idiota – Waliyha revirou os olhos e seu um soco fraco no ombro do irmão – Eu não acredito que meu irmão está pegando Helena Rose Clarke. Você é tipo da realeza do St. Paul agora?

- Eu não estou pegando a Helena, Wali – Zayn puxou a irmã para um abraço – E eu já era da realeza da St. Paul antes disso – Ele completou, brincando.

- Ah, por favor! – Ela riu e eles desceram o resto das escadas juntos – Mas então, você vai sair?

A pergunta fez com que Trisha e Safaa, que estavam colocando os pratos na mesa da cozinha, olhassem para eles. Trisha franziu o cenho quando viu o filho arrumado e Safaa apenas deu os ombros, não dando muita importância.

- Eu vou na casa da Helena, devolver o carro dela – Ele respondeu, já sabendo o que vinha a seguir.

- Você vai na casa dela?

- Que carro e devolver para quem?

As perguntas de Waliyha e Trisha vieram ao mesmo tempo, fazendo Zayn rir baixo e a pequena Safaa o acompanhar. Zayn conhecia demais as mulheres da sua vida para saber que isso realmente iria acontecer.

- Na festa de Louis ontem, Helena bebeu um pouco a mais que deveria e o McDaniel a levou para casa. Ela estava de carro, então deixou as chaves comigo – Ele tirou a chave do bolso – e pediu para eu devolver o carro para ela hoje.

- Quem é Helena? – Trisha perguntou realmente interessada no assunto. Não era do feitio do filho fazer esses tipos de favores e muito mesmo para alguma garota.

- Helena Rose Clarke, é óbvio – Waliyha respondeu – Aquela menina que a senhora achou o cabelo muito bonito, ano passado. A que estuda com Zayn desde o primário.

- Oh, a menina dos cabelos roxos – Trisha riu, relembrando e colocando as batatas recheadas em cima da mesa. – Não sabia que eram amigos, Zayn.

- Nós estamos nos conhecendo – Zayn disse, um pouco baixo demais, pegando um pouco da batata e um pouco do peixe.

- Ai meu Deus! Você gosta dela! – A cara de Trisha era de pura surpresa, incredulidade e até mesmo alegria – Finalmente! Quando eu vou conhece-la?

As gargalhadas de Safaa e Waliyha contaminaram o local e Zayn no mesmo instante ficou vermelho de vergonha.

- Meu Deus, mãe! A gente só está saindo... Como é como se fossemos casar!

- Mas pode apostar que se ele pudesse, amanhã mesmo ele mudaria o sobrenome de Helena Clarke para Malik – Waliyha alfinetou e Zayn mandou um olhar de poucos amigos para a irmã mais nova.

- A única que pode constranger o irmão de vocês sou eu – Trisha diz e depois ri – Você sabe que é bom ver você se envolver com outras pessoas sem ser os meninos, Zayn. Eu fico feliz em saber que você está fazendo novas amizades.

Zayn assentiu, entendendo totalmente o que sua mãe queria dizer. Desde o começo de sua vida escolar, Zayn andava com Niall. Niall era irlandês e havia acabado de se mudar para Inglaterra e não conhecia ninguém. Depois, Liam se juntou ao grupo e depois Harry (mesmo sendo mais novo, porém eles sempre ficavam no mesmo time nas aulas de educação física) e por último, Louis.

E eles não abriam espaço para ninguém entrar, muito menos sair. Eram sempre eles cinco.

A vibração de um celular chamou a atenção da mesa. O celular de Zayn estava sendo carregado no balcão da cozinha. Ele vibrou quatro vezes e parou. Malik sabia que se tratava de uma mensagem. Se levantou (mesmo com o olhar mortal de sua mãe) e pegou o celular. Era Helena.

“Acabei de acordar. E com uma dor de cabeça que não é desse mundo.

Localização

É um condomínio na South Park. Quando você chegar na portaria é só apertar o controle que está no molho de chaves

Depois, é só procurar a casa 92G, tem placas sinalizando, fica tranquilo :)”

A animação de Zayn veio com força total. Ele iria na casa de Helena Rose Clarke. Abriu a localização traçando a rota de sua casa até a casa dela. Pouco mais de 12 milhas ao sul (meu Deus, porque tinha que ser tão longe?) bem no centro de South Park, o pontinho vermelho da localização compartilhada de Clarke estava um nome: Reign Palace.

Nem voltou para a mesa e terminou seu almoço. Já se sentia satisfeito. Desconectou seu celular do carregador, beijou a bochecha de Waliyha e a testa de Safaa e Trisha novamente antes de sair como um jato para fora de casa, mas não antes de gritar ‘amo vocês, volto mais tarde’.

Destravou o carro e poucos segundos já seguia em direção a South Park. Quando parou no primeiro sinal, tratou de colocar a localização no GPS do carro, já que não poderia ficar toda hora no celular dando uma conferida. Observou de novo o nome do condomínio de Helena. Reign Palace era um dos condomínios mais famosos e caros de Londres. Provavelmente, como qualquer GPS, deveria ter pego um ponto próximo de South Park.

Batendo um ritmo qualquer no volante, minutos depois Zayn se encontrava no seu destino final. E bem, era realmente Reign Palace. A guarita da entrada do condomínio era bem luxuosa.

Sem ter o que perder, Zayn apertou o controle que Helena havia mencionado e para sua surpresa (ou nem tanto assim) o portão dourado se abriu. Zayn não demorou muito para acelerar e passar pela guarita um tanto ansioso demais para o que veria a seguir. Então, os pais de Helena tinham uma situação financeiramente muito boa.

Facilmente Zayn achou as placas que Helena dissera sobre a sinalização do condomínio. Além de ter um lago enorme no centro (na verdade aquele lugar era enorme) tinha um pequeno mercado perto da ala F. Quando chegou a ala G, seu coração estava quase saindo pela boca de ansiedade.

A casa 92G era a última de uma rua sem saída. Se Zayn achava que a casa de Louis era linda, ele não tinha definição para a casa de Helena. Estacionou o carro na frente da garagem, desligou o carro e desceu. Pegou o molho de chaves, sua carteira, celular e rumou até a porta da casa. A campainha era eletrônica e a porta era de madeira rustica, mas com um talhado delicado.

Helena abriu a porta com um sorriso de orelha a orelha que fez Zayn não ter foco em outra coisa. Por tudo que era de mais sagrado na terra, Helena Rose Clarke era linda.

- Ei! Espero que não tenha tido dificuldades para achar minha casa – Ela o puxou para um abraço e por dois segundos o moreno não soube como proceder em seguida. A abraçou de volta e aproveitou os poucos milésimos de segundo antes dela se afastar e o chamar para a entrar.

Pediu licença e entrou um pouco acanhado.

A sala de estar de Helena Rose Clarke era a maior sala de estar que ele já havia visto na vida. Havia muitos quadros de pintura a óleo pendurados, uma tevê enorme (Zayn apostava que nunca tinha visto uma tevê tão grande como aquela) um sofá em forma de U e paredes em tons de branco, bege e laranja.

Mas o que mais chamou atenção de Zayn foi uma prateleira de prêmios. Haviam vários e moderados de tamanho, cor, forma e etc. Zayn franziu o cenho ao reconhecer alguns BMA, British Awards e até mesmo grammys.

- Porque você tem tantas réplicas de prêmios musicais? Eu não sabia que você gostava tanto de música assim – Zayn comentou olhando da prateleira para uma Helena um pouco receosa, com ambas as mãos para trás.

- Bem, sobre isso...

- Rose! Estou indo para a sessão de fotos, devo voltar... Ah!

A cara de incredulidade de Zayn poderia render um bom meme. Sua boca se abriu num perfeito ‘o’ e seus olhos se arregalaram um pouco a mais que o normal. Quando percebeu que estava fazendo uma careta idiota, Malik se endireitou (claramente envergonhado, claro) e olhou de Helena para a dona da voz.

Eleanor Dion, a cantora que Zayn havia visto na tevê hoje estava na sua frente. E era mãe de Helena Rose Clarke.

- Zayn, essa é minha mãe, Eleanor. Mãe, este é Zayn Malik, meu amigo da St. Paul - Helena os apresentou, um pouco constrangida.

- Então você é o famoso moreno das tatuagens - Eleanor Dion riu, olhando de Helena para Zayn - Realmente, querido, você é muito bonito. E gostoso.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...