História Elephant - Capítulo 28


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Kai, Kris Wu, Lu Han, Sehun
Tags Abo, Baekyeol, Chanbaek, Exo, Hunhan, Kray, Xiubaek, Xiuchen
Exibições 439
Palavras 6.633
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Yaoi
Avisos: Álcool, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


BOA LEITURA❤️

Capítulo 28 - Novidades e reforma


Fanfic / Fanfiction Elephant - Capítulo 28 - Novidades e reforma

 

  Baekhyun P.O.V

 Byun Baekhyun, um garoto que adora o inverno, ficar deitar na neve e admirar o céu cinzento, mesmo que fosse ficar doente depois, pois valia a pena. Diria que é relaxante e melhor do que fumar. Além de que o frio na maioria das vezes servia como uma boa desculpa para poder ficar na cama aninhado nas cobertas pelo o resto do dia todo.

  Apesar de tudo, dos remédios, dos cigarros e de algumas bebidas alcoólicas - as quais eu não gostei-, eu parei e também nunca havia passado desse ponto. Jamais acasalei, como a maioria das pessoas pensam ao respeito quando viam algum adolescente assim. Eu me entupia de medicamentos quando meu cio estava prestes a chegar, por conta disso nunca soube como é o tal ato do acasalamento, como diz na língua dos lobos. Não sabia de nada mesmo.

  Eu só queria experimentar novas coisas, não me arrependo mas se eu pudesse, não teria experimentado nada daquilo, nem mesmo os tais cigarros.

  Por que? 

Bem, eu acabei transformando meu omma em alvo de ser chocata no trabalho por minha causa, seja eu ser pego grafitando nas ruas ou fumando nos becos, no final sempre acabavam ligando pra ele. O zoavam por não saber controlar, tomar conta de seu filhote em casa então achavam que também não saberia controlar outros casos. Ele ficava super irritado ou chateado quando acontecia. E eu me sentia mal por isso. 

   Além do omma, tinha meu appa, este que gastava a metade de seu tempo com consultas para poder me ajudar. Até que eu tentava lhe ajudar a me ajudar, tomava o antidepressivos que me davam e admitia que surgia o efeito. Porém piorei e tive que tomar outros medicamentos após ser humilhado na frente de toda a escola depois que descobriram sobre os meus problema pessoais, inclusive Tiffany, esta era uma das que mais implicavam comigo.

   Sobre a minha magreza?..  Perdi bastante peso, não conseguia me olhar no espelho sem sentir nojo de mim mesmo, repulsa, principalmente da minha barriga flácida. 
   
 E Park Chanyeol?

 Bem..Park Chanyeol.

Park Chanyeol.

  Park Chanyeol, um dos nomes que mais rodeiam meus pensamentos, me prendendo em uma cadeira e dando o maldito nó, não deixando que eu escapasse de si nem nos meus sonhos. 

   Admito que uma época eu tentei fingir que ele não tinha ido embora, ao contrario disto, ele estava no seu escritório ocupado com o trabalho. Só saía de lá na madrugada ou de amanhã antes de eu acordar por isso nunca o via. Viajava para suas reuniões da empresa, então sempre encontrava seu quarto vazio, a cama arrumada e o guarda-roupa vazio.

  Sabia que fazer isso era errado, como querer fugir da realidade em que eu vivia, mas eu odiava pensar que talvez Park Chanyeol nunca voltasse, eu nunca o veria novamente ou só talvez, ele já tivesse me esquecido. Contudo ele surgiu na minha frente, comprometido com uma ômega e tentando recuperar tudo, sem ao menos dar uma mínima explicação, como se nada tivesse acontecido.

  Eu estava tão perto.. tão perto de esquecê-lo.

  Já tinha parado com os tratamentos. Me recuperando aos poucos, voltei a comer normal como antes - depois de ganhar umas porradas de todos daqui de casa-, consegui sair de casa sem me sentir sufocado ao redor de todas aquelas pessoas aglomeradas nas ruas, poder dormir sem ter que ter chorado antes a noite toda, me observar no espelho e não sentir repulsa, poder até vestir uma roupa e falar "Oh, você tá bonito hoje Baekkie!".
   

 Mas Park Chanyeol voltou, veio e me atingiu como um tapa forte e estalado no meio da minha cara ao ponto de escorrer filetes de sangue pelo meu nariz e virar o rosto, eu queria poder segurar as lágrimas, é tão frustrante, ficar amarrado em um banco e ter um aspirador de pó com seu barulhinho irritante ecoando pelo o espaço vazio e as mãos amarradas me impedindo de tapar os ouvidos. Eu me sentia assim. Era frustrante assim, eu tinha que apenas aguentar até o final.

  Eu achava que eu estaria preparado, que ia aguentar a pressão que seria para mim caso ele algum dia retornasse.. Mas agora o vendo parado na minha frente, isso parece impossível, me sinto sufocado novamente, enjoado e cansado. O fôlego escapando de maneira rápida do meus pulmões, as mãos se fechando em volta do meu pescoço e os joelhos acertando no meio do estômago. 

  Uma das piores sensações que eu já senti.. Meu lobo choramingando e eu não podendo o consolar.
    
 -Meu bebê?.. - Park sussurrou interrompendo o silêncio que se instalou no corredor.

  Eu queria que de alguma forma fosse alguma ilusão, que minha cabeça estivesse vacilando comigo. Ou talvez algum sonho bizarro o qual eu devo estar, eu dormi em algum lugar e não percebi. Seria tão mais fácil de se lidar.

–Por que você voltou, Chanyeol? - perguntei calmo fitando as orbes grandes dele.

 -Eu voltei porque sentia a falta de vocês, eu nunca nem deveria ter ido embora. - disse se aproximando mais de mim porém parou ao perceber que me afastei.

 -Vai embora.. - pedi, minha voz saindo trêmula e a minha visão começando a ficar embaçada por conta das lágrimas.

 –Baekkieee - chamou manhoso e me puxando para um abraço caloroso.

  -Vai    embora! - aumentei o tom de voz quase controlando para não gritar enquanto falava pausadamente.
  
  Antes que o maior pudesse me responder, ouvirmos um barulho de portar se abrir ecoando pelo extenso corredor, desviei o olhar para trás do corpo do alfa para saber quem era e no mesmo instante não evitei de revirar os olhos ao ver quem era.

   -Chany? Vamos pra cama? - a voz feminina ecoou no corredor no exato instante em que começei  a retribuir o seu abraço, contudo eu consegui se soltar de seus braços e ficar afastado.

  Eles iam mesmo acasalar aqui? Por que não vão pra um hotel?

 -Dara, vai dormir. Eu vou ficar em outro quarto. - respondeu sério e observando-a por cima dos ombros.

 -Certo.  - sorriu amarelo e voltou para seu quarto.

 Bem feito, vaca!

 Não me julguem, não sei xingar por nunca ter ouvido palavrões antes, apenas o que eu ouvia na rua, porém só os do tipo : vaca, vagabunda e vadia. Nada demais, omma, appa, Soo e Nini não xingam em casa quando tem a minha presença.

 Narradora P.O.V

 -Baek? - voltou sua atenção para frente e viu que estava sozinho no corredor. - Aff. - suspirou fitando o chão de madeira. 

    

 

   Baekhyun P.O.V

   -Como você está Bekkie? - ouvi a voz de  Winwin enquanto eu retirava minha camisa e trocava minha calça por uma de moletom, mais confortável.
 
  -Estou..bem? - para ser sincero eu não sabia como me sentir, explicar o que estava sentindo naquele momento e nem ao menos decifrar.

 -Você o encontrou, não é? - perguntou baixinho, provavelmente receoso por tocar nesse assunto em relação ao meu tio. O observei e vi seu rosto com um sorriso triste desenhado nos lábios, sentado na minha cama com as cobertas todas envoltas de si, os fios bagunçados e o rosto amassado.

  Uma das coisas que eu admirava em Sicheng, ele sempre me apoiava e parecia me compreender, não tocava em assunto muitos frágeis, como os meus remédios, nunca forçava a falar sobre algo que eu não me sentia confortável. Contudo sempre que tinha a chance de me arrastar para fora de casa, ele vinha correndo, literalmente, em sua forma de lobo.


   -Sim.. Aigo. - suspirei, jogando meu corpo pra trás na cama enquanto puxava os fios negros. -Por que ele foi parecer logo agora? -indaguei frustado.

 -Bekkie, não se sinta mal. Você estava indo tão bem.. - penteou meus cabelos de forma delicada com seus dedos tentando me acalmar.

  -Obrigado. - sorri sincero para si vendo-o retribuir e se aproximar de mim.
   
   Assim que esteve perto o suficiente, me apoiei nos cotovelos levantando o meu tronco e lhe dei um selinho demorado. Não tinha malícia nenhuma, era apenas um meio de demonstrar o nosso carinho um pelo o outro. 

   Ele sorriu largo após separarmos nossos lábios e deitou sua cabeça em cima do meu peito, enlaçou seus braços em volta da minha cintura. Dormíamos assim desde sua volta para a Coréia, não me lembro exatamente onde ou como chegamos a esse ponto de trocar carícias como os nossos selinhos mas realmente me confortava, na verdade, sua presença em si me fazia bem.

   -Você deveria descansar.. - sussurrou baixinho mirando aqueles olhinhos em meu rosto, especificamente em minha boca.

  -E você deveria arrumar um alfa. - depositei um beijo no topo de sua cabeça e o apertei em meus braços. 

  -Nenhum alfa se interessa por mim.. Você sabe disso, e os o que se interessam são uns babacas. - me respondeu enquanto eu fechava os olhos me entregando ao sono.

  -Eu sei.. mas continue procurando.. - deixei um afago em seu cabelo enquanto eu ainda não dormia completamente.


   

 [...]


    Chanyeol.

  Eu precisava te esquecer e eu estava tão perto. 

  Por qual motivo você exatamente voltou? 


    ~*~*


       -Baekkie, acorda preguiçoso. - ouvi a voz de meu amigo se pronunciando e ecoando pelo cômodo conforme ele me abraçava forte, praticamente me esmagando com seu peso.

   -Bom dia Winwin.. - bocejei e deixei um selar em sua testa antes de levantar da cama e ir para em frente ao armário.

   -Vamos sair hoje? - perguntou curioso sentado na cama todo encolhido nas cobertas felpudas.

  -Não sei, o quê você quer fazer? - perguntei sem olhá-lo procurando peças de roupa nas gavetas para ir tomar um banho em seguida.

   -Podemos ver um filme? - perguntou manhoso, o olhei por cima do ombro e acabei por rir ao vê-lo fazendo aegyo.

   -Tudo que você quiser meu anjinho. - sorri de canto e fui para o banheiro fazer minha higiene matinal.

   Me despi e fui para frente do espelho, minha aparência estava horrível. Eu parecia um cadáver ambulante.. Então surgiu uma ideia na minha linda cabecinha.. Só talvez, eu precisava ir me dirvertir nessa noite, mas especificamente na casa de seu Zé.

    Liguei o chuveiro e deixei a água quentinha relaxar meus músculos, não queria ter que encarar Chanyeol logo pela manhã, nem mesmo sua esposa. Não acredito que ele agora era casado, quer dizer, ela não havia nenhuma marca quando a percebi, nem ao menos tinha seu cheiro. Então, sem marca? Ou aquele casamento era uma furada ou estavam esperando um momento certo..

  Mas por que eu estava pensando nisso agora? Seja lá o que for, eu realmente não me importo, só quero que Chan vá embora e tudo volte como era antes. Talvez assim meu lobo voltasse a ficar normal, mas o mesmo está tão frustado que me deixa agoniado.

   -Baek? - despertei dos pensamentos ao ouvir a voz abafada e preocupada de Winwin me chamando do quarto.

  -Já estou indo. - respondi alto para que ele pudesse me escutar.

  Terminei de me ensaboar e sai debaixo do chuveiro, me sequei todo e vesti minhas roupas, uma calça jeans rasgada na altura do joelho e uma camisa cinza de manga. Sai e o encontrei arrumado, provavelmente tinha ido tomar banho em outro banheiro da casa. 

  -Vamos? - estendi minha mão e ele a  pegou sorrindo largo, seus olhos quase sumindo. 

  -Uhum. - assentiu tímido.

  Rumei para fora do meu quarto, e estávamos prestes a descer as escadas quando senti repentinamente um peso caindo nas minhas costas, logo uma gargalhada perto do meu ouvido.

  -Winwin, a gente poderia ter caído. - reclamei o arrumando em cima das minhas costas, segurei em suas pernas e desci a escadaria devagar.

 -Desculpa Baekkie.. - murmurou baixo arrastando meu nome e em o senti depositar selos molhados na curvatura do meu pescoço. Me arrepiei todo, safado, ele sabia que era meu ponto fraco e com isso não ia ficar bravo com ele.   

O deixei sentado em cima do balcão e fui preparar o café da manhã, ele balançava seus pezinhos por não alcançarem o chão, ele me lembrava uma criança. Winwin era a minha criança enorme, com a inocência estampada nos olhinhos pequenos.

 

  Luhan P.O.V

-Eu que faço tudo nessa casa? Que droga! - reclamei alto enquanto guardava as peças de roupas limpas nas gavetas.

  Sehun já havia ido trabalhar, Kyungsoo deveria ainda estar dormindo igual ao Chanyeol e Dara, eu compreendia, era cansativa a viagem daqui para a China. Para minha salvação Baekhyun e Kai me ajudavam na casa de vez em quando.

  Suspirei cansado quando vi que tinha as meias e cuecas de Sehun para guardar. Coloquei a cesta de roupas limpas em cima do criado-mudo e abri as gavetas, fui as dobrando e guardando organizadas porém parei ainda com as mãos erguidas no ar quando vi um tecido rosa, o qual na verdade parecia um lenço. Acabei puxando a pontinha do tecido com as unhas e arregalei os olhos ao ver que era uma calcinha. E definitivamente aquilo não era meu.

  -Oh Sehun, quê diabos é isso? - pensei em voz alta e me lembrei de que da última vez tinha sido Kai que guardara as roupas. 

  Em um ato rápido me virei nos calcanhares e sai do quarto batendo a porta com força e desci as escadas em direção à cozinha. Passei pelo batente e encontrei os meninos na mesa tomando café.

  -Bom dia appa. - Baek falou comigo ao notar minha presença, me aproximei dos menores e depositei um selo na testa de cada um. 

  -Vocês viram o Kai? - perguntei enquanto afagava o cabelo de Winwin, este que ronronava.

 -Ainda não vimos o Nini.- negou com a cabeça levando a caneca à boca.

  -Ok, vou ver se ele está acordado. - dito isso me retirei da cozinha e subi de volta para o segundo andar em direção ao quarto de Soo.


    Baekhyun P.O.V 

  -Bom dia.. - escutei a voz sonolenta de Nini.

 -Bom dia Nini. - respondi junto com Sicheng em uníssono.

 -Luh estava procurando por você. - avisou meu amigo para o vampiro.

  -Ok. Então o quê vão fazer hoje? - indagou olhando para nós com aqueles olhinhos brilhantes após se sentar na mesa com uma xícara de café. 

  Tanto ele como os outros da casa sabiam que eu e Sicheng saíamos durante os fins de semana, e geralmente acabávamos levando quem se interessasse em ir junto, por exemplo Jongin, este que ia quase sempre conosco alegando que tinha que cuidar da gente dos outros alfas. 

  -Vamos ir na locadora pegar alguns filmes.. E eu também tava pensando em ir na casa de seu Zé mais tarde. - contei observando as reações dos dois.

  -Seu Zé? - indagou Jongin colocando a mão no peito. Sempre que ele podia fazia drama.

 -Sim, da última vez não fomos por estar muito cheio. - expliquei e o vi suspirar passando as mãos pelos fios, agora loiros.

 Havia pintado com a intenção de agradar Kyungsoo após ouvi-lo comentar que as vezes já imaginara como o vampiro ficaria com o cabelo em outro tom e que ficaria bom loiro. 

  -Eu vou com vocês. - disse firme mirando em meus olhos.

 -E o Kyung? - indagou Win se levantando da mesa e indo lavar sua caneca na pia.

 -Levo ele, ele está ultimamente muito estressado. - contou e continuo após bebericar um pouco de seu café. -Por falar nele, está dormindo ainda lá em cima. Quê tal vocês irem acordá-lo para mim? 

 -E por quê você não acorda ele?

 -Porquê se eu acordar ele eu apanho e também acabo sendo castrado, com vocês ele ainda resmunga e faz carinho. - disse como se fosse o óbvio. 

  -É..verdade. - concordei enquanto levantava da cadeira.

  Lavei minha caneca e fui para o quarto de Kyung sendo seguido pelo Sicheng. 

  Assim que estiquei minha mão para girar a maçaneta, a porta foi aberta pelo meu appa. 

 -Que foi? - perguntou encostando a porta.

-Viemos acordar o hyung. - explicou calmo o chinês ao meu lado.

  -Ah sim, tinha vindo procurar o Kai. 

  -Ele está na cozinha. - contei e ele assentiu descendo as escadas.

  E antes que eu pudesse abrir a porta o ouvi reclamar.

  -Sehun por que diabos você não coloca um elevador? Eu estou ficando magro só de subir e descer o dia todo.. você não me deixa nem descansar de noite.

  Admito que não entendi o sentindo daquela frase, sabia que tinha alguma coisa haver com sexo pois sempre que ele falava assim, omma o repreendia. Eu ficava me perguntando se sexo cansava tanto assim como Luhan reclamava e se era tão bom para que Sehun vivesse pedindo para eles fazerem. Na maioria das vezes eles discutiam isso na cozinha e comigo na sala, mas pareciam que esqueciam o fato da nossa audição ser sensível e aguçada. 

Talvez eu nunca soubesse o que é o acasalamento. A única pessoa que não era da família e que eu tinha algum contato íntimo, era os selos com Winwin, nunca passamos disso. Nunca havia me relacionado com algum alfa ou beta quando saía, eu só estava esperando aparecer alguém menos babaca.

    -Soo? - chamei baixinho pelo o ômega enquanto entrava em seu quarto na pontinha dos pés.

  O encontrei deitado na cama, encolhido e enrolado nos cobertores, apenas seu rosto sereno à mostra. Ele parecia ter um sonho tão tranquilo.

Seria uma pena a gente estragá-lo.

 Me aproximei dele e olhei para trás rápido e vi Sicheng encostar a porta devagar sem fazê-la ranger. 

   -1, 2.. 3! - pulamos em cima do ômega e no mesmo segundo ele resmungou abrindo os olhos devagar.

  -Baek? Win? - coçou os olhos com ambas mãos e se apoiou nos cotovelos levantando o tronco, tentando ficar sentado no colchão.

  -Bom dia Soo. - desejei animado.

  -Bom dia Kyung hyung. - Winwin disse todo feliz, não perdendo tempo e se enfiando debaixo das cobertas e abraçando a cintura do mais velho.

  -Quê que vocês querem? - perguntou abaixando o tom de voz conforme seus olhos iam se fechando.

 -Mandaram a gente vir acordar você. - explicou Win se aninhando no peito alheio.

  -Quem? - indagou desanimado, seu rosto começando a ficar vermelho pela raiva.

 Odiava ser acordado... Tadinho do Nini...

  -Nini. - entreguei o moreno. Eu adorava vê-los brigar, eram tão fofos e no final Do sempre o perdoava.

  -Filho da.. - deixou sua falar morrer ao lembrar da presença do ômega deitado do seu lado. 

Digamos que Kyung não se importava de xingar na minha presença apenas na de Winwin. Ele afastou o chinês de si, jogou as cobertas para o outro lado da cama e se sentou na beirada do colchão colocando os pés para fora.

 -Cadê ele? - perguntou em meio aos bocejos.

  -Na cozinha.. - o vi ficar de pé e ir até o banheiro. Minutos depois saiu  aparentando estar mais acordado e  saiu do quarto, provavelmente indo atrás do moreno.

    
    Luhan P.O.V

   Adentrei na cozinha e não o achei, onde diabos estava o Kai? Ouvi um barulho de porta se abrindo, me virei nos calcanhares em direção ao som e vi a silhueta alta de Sehun na sala.

    Agora sim eu tiro isso a limpo.

  -OH SEHUN! - gritei chamando sua atenção, ele deu um pulinho e mirou seus olhos em mim colocando a mão no peito.

 -Cara.. cadê os ômegas?

 -Estão no segundo andar, no quarto do Soo. - disse e fui aproximando de seu corpo até ficar frente à frente.

  -Ata.. - suspirou. Ninguém em casa xingava quando tinha a presença do menor na residência. - Caralho, você me assustou Lu. - murmurou baixo.

  -Que diabos é isso? - lhe mostrei a calcinha e ele tombou a cabeça pro lado com um semblante de confusão estampado na cara.

  -Uma calcinha? - disse como se fosse o óbvio.

  -Aigo! Eu sei que é uma calcinha. - revirei os olhos bufando e batendo o pé.

 -Então se já sabia, por que me perguntou? 
 
 Deus me dê paciência.. Porque se me der forças, eu mato um.

   -O que essa calcinha estava fazendo na sua gaveta? Por acaso saiu com algum outro ômega? - lhe indaguei observando e andando em volta de si. Parei quando estive atrás do alfa. Ahh meu papai, aquelas cortas largas.. Foco Luhan, foco.

 -Eu sei lá, não é sua? 

 -Se fosse minha eu saberia, aliás eu não uso calcinhas rosas desde dos meus 16. 

   -Cadê o Kai? - escutamos a voz irritada do Soo, este que descia os degraus pisando pesado.

  -Não faço ideia. - dito isto, um som de motor sendo ligado ecoou nos fundos da casa. -Acho que ele tá na garagem. 

  - Ok.. E por que você tá com a minha calcinha? - perguntou tirando a mesma das minhas mãos.

  -É sua? - perguntei incrédulo e o vi assentir guardando ela no bolso. - E você usa calcinha? - fiquei boquiaberto.

  -Qual o problema? - cruzou os braços e fez um bico fofo.

 -Sei lá, achava que usava cuecas com o pentagrama na bunda até. - comentei pensando alto.

  Com isso, acabei por recordar da tatto que ele tem na bunda. Prefiro não descrever como ela é, porém a reação das pessoas na praia quando a vê é engraçada, umas acaba arrastando o óculos escuros até a ponta do nariz para analisar melhor e ficam assustadas. 

Esse era um dos fatos que fazíamos nos  desconfiarmos que ele era satânico. Alguns deles era: 1º - A frase na tatto; 2º- Seu pai era coveiro e conhecemos Kyung quando estávamos passando no cemitério; 3º- Tem instrumentos de tortura no porão da casa de seu appa; 4º - Falava coisas estranhas, bem estranhas mesmo quando estava com alguém no telefone e o número era sempre desconhecido. 

  Ele saiu e deixou a gente sozinhos na sala, vi de relance pelo canto do olho o alfa cruzar os braços e sorrir ladino, deveria estar esperando um pedido de desculpas meu. Bufei e virei de frente para ele, mesmo contragosto lhe pedi desculpas, mas antes que ele pudesse falar algo me retirei, deixando-o sozinho na sala.

        ~*~*

  Narradora P.O.V
  

  Após o almoço, os tapas de Soo em Kai por ter pedido aos meninos para acordá-lo, o clima tenso entre Chanyeol e seu sobrinho, todos foram para a sala com a exceção de Dara, esta que foi para o quintal dos fundos atender uma ligação. 

   -Kai, preciso ir na farmácia. - comentou Do desviando sua atenção da TV para o moreno.

  -E..?

  -Me leva? - fez aegyo.

  -Certo.. - bufou e levantou do sofá, pegou as chaves do carro e foi até a garagem sendo seguido pelo lobo que ia logo atrás.

  Baekhyun e Chanyeol vendo o sofá livre, estes que estavam no chão, sorriram largo e pularam no sofá, porém acabou que o maior deu uma cabeçada em Baek. 

  -Au.. - reclamou e se encolheu no cantinho do estofado fazendo carinho aonde foi acertado.

  -Desculpa Baekkie.. - tentou se aproximar mas este se afastou rápido.

  -Não me toca.. - pediu sério sem olhá-lo diretamente.

 Park deixou suspirou pesado sair de seus lábios e se deitou no sofá mantendo os pés para fora, não querendo incomodar Baekhyun na ponta. Sehun sentindo sua garganta ficando seca, se pôs de pé com a intenção de ir na cozinha buscar um copo da água, porém parou no meio da sala ao ouvir um barulho alto, os gritos ecoando e ver um buraco surgindo na sua parede da sua sala ao lado da estante da TV conforme a poeira abaixava.

  -Da próxima vez eu dirijo.. - comentou Kyungsoo estático vendo Luhan a centímetros à sua frente também estático.

  -Vou fingir que não tem um carro estacionado na minha sala.. - disse Sehun se virando nos calcanhares e correndo até a cozinha.

  -Hã..da pra me soltar.. - pediu Baekhyun baixinho, não tinha  percebido que pelo o susto tinha pulado em cima do alfa e este abraçado firme sua cintura, protegendo-o.

  -Não, agora você fica aqui! - falou firme fitando o menor, Baekhyun bufou e tentou sair de seus braços em vão.

  -Fica. - ordenou sério puxando seu corpo de volta, deixando-o entre suas pernas. 

   -Quê cê' fez? - indagou Soo observando Kai ainda paralisado no banco do motorista depois de ouvir o barulho das portas sendo destrancadas.

  -Vamos de táxi.. - deixou sua falar morrer após ouvir a campainha tocar.

  Em um estrondo a porta da frente foi de encontro ao chão, deixando a pessoa que tocara a campainha antes assustada e levantar as mãos para o alto em sinal de rendição.

  -Juro que não fiz nada sr.Park. - engoliu em seco sem saber o que fazer diante da situação. -Vai descontar do meu salário?

  -Sr.Park? - murmurou Baekhyun e Luhan confusos em uníssono.

  -Relaxa, não foi sua culpa. - respondeu Chanyeol coçando a nuca e abraçando firme o menor ao vê-lo tentar se levantar de novo. - Fica.. Não quero me irritar com você, bebê.

 -Vai pastar. - revirou os olhos bufando.

 -Caralho, quanto buraco. É reforma? - ouviram a voz de Jongdae.

  -Filha da mãe, que tu tá fazendo ai? - perguntou assustado com a presença repentina do amigo.


  -É crime? - arqueou as sobrancelhas dando uma mordida em uma maçã que até então Chanyeol percebeu só agora.

 -Invadir a casa dos outros é. 

 -Mas eu não invadi, a porta tava aberta.. Quero dizer a janela do banheiro dos fundos. 

 -Você entrou pela a janela? - perguntou Luhan incrédulo.

 -Quem é você? MINHA PORTA! - choramingou Sehun vendo o estrago da sua sala. 
 
 -Miga, foi terremoto? - viram a silhueta de Tao surgindo atrás do tal garoto que ainda se mantinha na entrada da casa observando tudo.

  -É festa? 

  -Na verdade vim fazer hora até de noite, então ajudar os meus babys se arrumarem. - comentou sorrindo malicioso enquanto arrastava o óculos escuros até a ponta do nariz.
     
  -Obrigado Tao. - agradeceu Baekhyun sorrindo doce, se ajeitando melhor entre as pernas do maior ao sentir o olhar pesado dele em si.

  -Onde vocês vão? 

 -Na casa do Zé. 

 -QUE? VOCÊS VÃO NA CASA DO ZÉ E NEM ME CHAMARAM? - gritou Luhan descendo do sofá e correndo até Tao, pulando em seu pescoço.

 -ME SOLTA BICHA LOUCA! - gritou cambaleando para os lados conforme tentava se soltar.

 -ME LEVA! ME LEVAAAA! - gritou agarrando firme no irmão, enlaçando suas pernas em volta da cintura fina deste.

  -Baekkie não vai. - disse Chanyeol o abraçando por trás.

 -E desde quando você decide alguma coisa na minha vida? Você perdeu esse direito assim que não leu minhas cartas e nem veio me visitar como prometido.

 -VRÁ. - gritou Chen da cozinha.

-Então Minseok, você o buscou? - perguntou Chanyeol chamando a atenção do garoto que ainda se mantinha entrada da casa ainda fitando a porta caída no chão.

  -Sim, senhor Pak.

  -Obrigado Minnie..

 -Buscou quem? -indagou Sehun vendo o irmão fazer careta.

  -Meu filho.. - no mesmo instante Baekhyun levantou do seu colo e correu até o segundo andar.

  -Caraio.. Deve ser feio pra porra. - comentou Tao balançando a cabeça negativamente. -Quem foi a desnutrida que quis ter um filho contigo?

   


  [...]

 

Chegarem na casa do seu Zé, era uma balada que havia sido recentemente inaugurada e tinha uma fama de que era muito boa. Baekhyun foi em direção ao bar e pediu uma bebida não muito forte, olhou as pessoas em volta e se enfiou no meio da multidão dançando.

  Ficou horas dançando apenas parando quando seus pés começarem a doerem, suspirou frustado e estava prestes a sair daquela multidão quando sentiu seu pulso ser segurado firme e seu corpo arrastado para um canto da balada próximo ao banheiro.

  -B-Baekhyun? - a voz era familiar. Tentou analisar seu rosto tendo uma certa dificuldade por conta da falta de luz no local. E arregalou os olhos quando viu quem era.

 -B-Beom? - sua voz saiu falha. Sem pensar duas vezes, o abraçou forte. -É você mesmo? Senti sua falta. - enterrou o rosto na curvatura do seu pescoço inspirando o amora do alfa.

  -Eu também senti sua falta assim como o Minnie, Hee, omma.. - afastou um pouco os corpos apenas para fitá-lo nos olhos.

-Baekmin está aqui também? Como o omma está e a Hee? - perguntou tristonho agarrando firme em sua jaqueta de couro sentindo seus olhos marejarem.

  -Estão todos bem. Vem. - o arrastou pela a mão até o lado de fora da balada.

  -Para onde vamos? - perguntou curioso vendo-o destrancar as portas de um carro escuro.

  -Para casa.. - sorriu doce.


30 min depois.

 

     Estacionou o carro na garagem e seguiu até a entrada da casa tirando as chaves do bolso. Baekhyun olhava em volta percebendo que a mesma continuava como da última vez que esteve ali. Ao ouvir a porta ser destrancada e ver Beom deixando uma passagem para que pudesse entrar, seu coração começou a palpitar mais rápido. E tudo só piorou ao ouvir as vozes vindo de dentro.

  -Min e Hee, vocês estão todos sujos.. Aigo! Tomem um banho e vamos jantar. - a voz doce de seu omma invadindo seus ouvidos era como música. Mesmo estando irritado e bravo, sua voz ainda era melodiosa e doce.

 Adentrou a sala devagar e viu uma silhueta de costas, mesmo sem poder ver seu rosto reconheceu a pessoa. A reconheceria de olhos fechados.

  -Omma? - chamou baixinho.

  -B-Baek? - a pessoa virou na direção da voz e disse incrédulo colocando a mão na boca e sentindo as lágrimas descerem pelo seu rosto. -Meu bebê. - o puxou para um abraço apertado.

  -MIN! - gritou Beom no pé da escada olhando para o topo esperando seu irmão mais velho aparecer. 

 -Para de gri.. - sua fala morreu ao ver Baekhyun na sala.

 Baekmin desceu correndo as escadas quase tropeçando nos degraus e o abraçou firme. Ficaram alguns segundos agarrados e ele se afastou um pouco começando a analisar seu irmão.

  -Baek? Você foi marcado? Pintou o cabelo? - perguntou confuso vendo a aparência do irmão e não sentindo nenhum aroma de algum alfa exalando dele além do seu próprio cheiro de ômega.

  -Não, eu não fui marcado. Você..gostou? Ah Minnie, eu senti sua falta. - abraçou o irmão firme enterrando seu rosto na curvatura de seu pescoço e inalando o cheiro familiar.

  -Não, prefiro você de cabelo claro. - cruzou os braços após desfazerem o abraço. -Eu também senti sua falta. - sorriu doce e apertou suas bochechas.

  -Meu bebê tá tão magrinho. Você ainda está no... ?- seu omma ficou inseguro de continuar a falar.

  -Não omma, eu fui adotado. - sorriu doce para o mesmo. -Não se preocupe, eles me tratam bem, só eu mesmo que parei de comer.

  -Por quê? Aigo! - reclamou Beom puxando a orelha do menor.

 -Aigo aigo aigo. - choramingou tentando se soltar do aperto em sua orelha.

  -Baekhee está lá em cima tomando banho.. - comentou suspirando pesado.

 -O que foi omma? - indagou Beom preocupado com sua aparência cansada chamando a atenção dos outros irmãos.

-Hoje fomos ver as papeladas.. - suspirou frustado jogando seu corpo no sofá.

  -O appa ainda não desistiu disso?- perguntou Beom frustado.

  -O que houve? Que papeladas?- indagou Baekhyun perdido.

  -O appa quer casar a Baekhee.. - explicou Baekmin sentando no pé da escada.

  -Casar ela? Ela ainda não tem nem 16 anos. - disse incrédulo com a situação.

  Mesmo sendo gêmeos tinham as idades diferentes, os irmãos alfas Baekmin e Baekbeom eram alguns anos mais velhos enquanto BaekHee e Baekhyun são mais novos tendo algumas diferenças de idade entre si também mesmo sendo ambos ômegas.

  -Exatamente, não pode me casar pois o mesmo já fez isso antes. E o Beom já está "guardado" para um casamento com uma empresa ai. Então só sobrou a Hee. - explicou Baekmin apoiando o queixo na mão.

  -Eu caso então. - a voz de Baekhyun ecoou pela a sala após o silêncio se instalar na casa.

  -QUE? - gritou Beom levantando do sofá assustado com o que acabara de ouvir.

  -Eu caso no lugar dela, é com qual família? 

  -Baek, você não pode fazer isso.. sabe que não tem volta.. - explicou seu omma olhando-o firme.

  -Não vou deixar ele estragar a vida da Hee.. eu me caso no lugar dela, ele quer um ômega, não é? - disse firme colocando as mãos na cintura e jogando o cabelo pro lado.

  -Certo.. - abriu uma pasta em cima da mesa e jogou um papel em
cima da mesa.

  -Quê isso omma? - perguntou se aproximando.

  -O contrato do casamento, todos os detalhes e tal. Hee ainda não viu isso, não soube como contar a novidade para ela que ela iria se casar. - explicou seu omma se apoiando de costas na mesa ao lado do Byun.

  -Ela iria surtar. - murmurou. 

Baekhee sua irmã, a mais nova da casa tinha um temperamento parecido com o de Kyung e Luhan misturados. Ela daria um ataque caso descobrisse.

-Espera.. - chamou a atenção do ômega ao seu lado e dos alfas. - Esse é meu noivo? - perguntou incrédulo apontando para o nome no papel.

  -Uhum. Baekkie meu amor, você não tem que se casar com alguém que você não conhece. - disse baixinho, seus olhos transbordando um brilho triste.

   Seu omma era um doce, um dos ômegas mais frágeis e adorável que já conheceu. Sabia do que ele falava pois o mesmo lhe contara uma vez que não gostava de seu appa, só havia se casado por ter sido obrigado pela a família de seu noivo e a pressão que sofreu, pois caso não ocorresse a cerimônia sua família ganharia punições severas. 

Sua família era pobre, não tinha as melhores condições de vida e aceitar o contrato de se casar com Daehyun ganharia acesso a uma parte de seu dinheiro e certos benefícios que poderiam ser usados para ajudar seus pais e em troca teria que lhe dar filhotes.

  Parecia simples, casava e dava para o mesmo filhotes e ele lhe dava dinheiro. Porém a parte difícil e dolorosa era se casar com um desconhecido que lhe traia sempre que podia e ter como um de seus empregados sua enorme paixão. 

Sim, o omma de Baek era apaixonado por um dos seguranças da casa. 

  -Eu vou me casar e não se preocupe, eu conheço ele. - contou sorrindo ladino. Bem pelo menos não era um desconhecido.

  -Conhece? - arregalou os olhos.

 -Sim.. - sorriu pequeno.

  -Quem diria, Baek mal chegou e vai sair daqui casado. Que rápido.- comentou Baekmin zombando.

 


     ~*~*


  02:12

  -Onde você estava Byun Baekhyun? - ouviu a voz irritada do Park enquanto encostava a porta.

  -Concertaram o buraco? -perguntou para si mesmo.

 -Que cheiros são esses? Estava se esfregando com algum alfa? - farejou o pescoço do menor.

 -Sai Chanyeol. - lhe empurrou e seguir na direção das escadas porém teve seu pulso segurado com força ao passar por ele.

  -Me responda. - puxou seu corpo para trás e lhe imprensou na porta.

  -Channie.. - a voz de Dara soou pela a sala.

-VAI EMBORA! - gritou interrompendo-a e usando sua voz de alfa para a mesma.

 -Chan.. - choramingou Baek tampando os ouvidos com força.

  -Bebê.. - sussurrou triste e pegou seu corpo trêmulo no colo.

  Subiu as escadas rápido e adentrou o quarto do Byun. O deitou na cama tomando cuidado para não machucá-lo, pegou em suas mãozinhas tentando as afastar das suas orelhas.

 -Fica parado, to tentando ver. - pediu calmo vendo o menor abaixo de si se debatendo.

  -Ufa.. - suspirou aliviado depois de conferir que não havia sangrado.

 -Ainda está doendo Chan.. - choramingou fitando o maior nos olhos.

  Chanyeol sentiu seu peito comprimindo por ver aqueles olhinhos tristes lacrimejados e um choramingo canino escapar de seus lábios, com certeza era seu lobo. Apesar de toda aquele jeito marrento, e sua aparência ele ainda, na sua visão, o vendo daquele jeito, era o mesmo Baekhyun de antes. Seu pequeno sobrinho.

  -Me desculpa baby.. - distribuiu beijos pelo seu rosto. -Eu só fiquei irritado por ver que estar com cheiro de outros alfas. - confessou baixo.

  -Você deveria se acostumar.. 

 -Acostumar? Eu não vou deixar você sair mais por ai, nenhum outro alfa vai encostar no meu sobrinho.

 -Chan, vai se catar. - sorriu debochado.  -Eu vou me casar.

 -C-Casar? - arregalou os olhos. - Você tá bêbado, só pode.

 -Estou falando sério. - sorriu torto.

 -Você não pode se casar.

 -Você vai ver.. vou me casar, ganhar minha marca e ter vários filhotes com meu alfa. - contou feliz gargalhando sozinho. Talvez estivesse um pouco alterado.

 Chanyeol não disse mais nada, apenas envolveu o corpo menor em seus braços e enterrou seu nariz no pescoço branquinho inspirando o aroma único dele.

 -Vai mesmo se casar? - perguntou baixo, sua respiração batendo contra a pele macia deixando Baekhyun arrepiado. 

 -Vou.. - concordou desanimado.

 O mesmo estava se odiando por se entregar tão fácil ao seu tio. Queria também bater em seu lobo por ele está tão feliz e querendo ronronar pela aproximação do alfa.

  -Eu senti tanto a sua falta.. 

  -Eu não.. Você continua feio, sabia? - tentou mudar de assunto.

  -Continuo? - indagou olhando diretamente nos seus olhos.

  -Continua, você cortou o cabelo mas fica estranho em topete. - engoliu em seco deslizando os dedos pelo seu braço.

 -E eu prefira você gordinho. - comentou baixinho deixando o ômega paralisado.

 -Gordinho? - indagou confuso.

  -Sim.. - disse e mordeu sua bochecha esquerda. -Seu cheiro continua o mesmo..

  -Para de me cheirar, seu esquisito.

  -Não dá.. - sorriu feliz e deitou sua cabeça no ombro alheio. -Por que vai se casar? 

  -Pela minha irmã, ela não ia aguentar a pressão.. Ela não merece se casar com alguém que nem ao menos conhece.

  -E você? Merece?

 -Eu nunca vou conhecer um alfa que eu realmente amo, eu o conheço também.. Então não me importo. Eu só não quero deixar meu appa destruir mais uma vida dentro daquela casa como fez com meu omma e meus irmãos.

  -Pare de falar besteiras.. Você ainda vai conhecer um alfa que goste de si e vai querer te encher de filhotes.. - murmurou fechando os olhos.

  -Já está tarde.. vai dormir, vai, sua mulher deve estar te esperando, ou seu filho.. Sei lá..

  -Foda-se para a Dara, ela não é minha mulher. Nós só nos casamos porque fui obrigado. 

  -Por isso você não a marcou?

 -Exatamente.. Eu ainda quero encontrar meu ômega.

  Aquela informação não deveria, mas deixou Baekhyun contente e mais confortável com a aproximação do alfa consigo. Se ajeitou na cama e dedilhou seus dedos pelo cabelo do alfa enquanto ainda pensava em seu casamento. Não seria exatamente um casamento, não teria vestido e nem chuva de arroz, apenas papéis porém não deixava de ser casado.

 Suspirou cansado se rendendo ao cansaço. Seu dia em si tinha sido exausto. Park Chanyeol havia voltado, trazendo a notícia de uma esposa e um filho, reviu seus irmãos e sua querida omma, e agora iria se casar.


    ~*~*

No dia seguinte

  Baekhyun após acordar e terminar de fazer sua higiene matinal, desceu para a cozinha encontrando todos sentados na mesa.

  -Baek? Aonde esteve ontem? - indagou Nini preocupado depois de perceber sua presença.

  -Eu fui resolver umas coisas..

 -Eu não acredito que você vai se casar.. - comentou Luhan frustado fazendo bico.

 -Como vocês sabem? - arregalou os olhos, logo mirando no Park. Este parecia estar emburrado com alguma coisa porém deixou de lado.

 -Você ontem falou e praticamente tudo mundo ouviu.. - explicou Sehun colocando uma torrada na boca. - E seu marido também tá na sala. - dito isto, Chanyeol se levantou e saiu da cozinha indo para o quintal dos fundos.

  Baekhyun sentiu suas pernas quase falharem e correu para a sala, encontrando o alfa sentado no estofado brincando com a pequena Mei.

  -Kris?


Notas Finais


Nini e Chen <3 haushsu

Já cavei a minha cova..
O próximo capítulo promete! (moon face)

BJUS DA OMMA<3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...