História Elos - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Kris Wu, Lu Han
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Abo, Angst, Krishan, Krislu, Kristao, Lukris, Taoris, Yaoi
Exibições 70
Palavras 3.271
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Fluffy, Lemon, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Slash, Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Espero que gostem e tenham uma boa leitura <3

Capítulo 6 - VI


     

Mesmo extremamente cansado e com seu corpo clamando por um minuto de descanço, Yifan não conseguia manter seus olhos fechados. Seu lobo parecia ainda mais inquieto, agora não apenas por sentir falta de Luhan, mas por outro motivo desconhecido para si. Sua marca, mesmo brilhando constantemente em um cinza escuro, não lhe causava mais dor alguma. Ela ainda tentava castiga-lo por não estar procurando por sua metade, mas algo a impedia de conseguir o que queria.

     Yifan suspirou e se levantou. Bagunçando seus cabelos, num ato claro de desespero, e seguiu para fora de seu quarto.

-Luhan, -chamou baixo, tentando se comunicar com sua metade. -onde você está? -esperou alguns segundos, mas não obteve resposta alguma.

     Não era normal aquela distância toda. Seu lobo estava desesperado. Se sentia incompleto. Seu peito doía. Precisava ver Luhan antes que acabasse enlouquecendo com as sensações diversas em seu interior.

     Assim que adentrou na sala de estar, cômodo este que era iluminado apenas pela luz que emergia da lua, um cheiro familiar e extremamente delicioso atingiu suas narinas, fazendo um rosnado contente sair do fundo de sua garganta. Se virou e fixou seu olhar na janela aberta da sala, onde encontrou Luhan, que estava de costas para si, encarando algum ponto qualquer no céu estrelado.

       Yifan se aproximou, relutante, sentindo seu lobo uivar pelo semelhante do outro. Assim que apenas um passo os separava, o maior abraçou o corpo pequeno de sua outra metade, percebendo o quão dependente era do menor. Vendo como amava estar próximo dele, mesmo que no início aquele sentimento não fosse seu. A confiança e amizade criadas ao longo dos anos que passaram juntos fizeram que, consequentemente, um sentimento mais forte nascesse. Ele amava Luhan e sabia que esse sentimento era recíproco.

-Vejo que sentiu minha falta. -Luhan se aconchegou nos braços do maior.

-Você não faz ideia. -Yifan passou de leve o nariz pela pele imaculada do pescoço do menor, inalando aquele cheiro que tanto fizera falta. -Onde esteve?

     Luhan se afastou após um suspiro, se virando e encarando os olhos do maior em seguida.

-Temos problemas, Yifan. -falou. -Eu fui atrás do assassino dos ômegas e betas. -suspirou. -Encontrei dois alfas que assumiram a culpa...

-Dois alfas? -o loiro o interrompeu. -Juntos? -o menor assentiu. -Mas...

-Eles parecem ter uma aliança. Não sei se são apenas os dois, se eles tem uma alcatéia ou se existem mais alfas no meio disso tudo. Mas sei que são poderosos. -outro suspiro saiu de seus lábios. -Eles sabem que somos elos. Não me disseram o que querem, mas posso dizer que nós estamos na lista de objetivos daqueles dois.

     O maior puxou o ar com força. Tudo o que menos queria no momento era ter que lidar com uma alcatéia que queria seu sangue. Muito menos com uma aliança entre alfas.

    Quando aquela hierarquia se aliava, a força de sua alcatéia aumetava, os tornando mais fortes e poderosos. Eram mais difíceis de matar, por seus corações serem os únicos pontos fracos de seus corpos.

-Bem, se estivermos mesmo na lista, faremos o mesmo de sempre fizemos: matar todos os betas e depois pegar para nós o poder do alfa. -Yifan sorriu. -Não temos que nós preocupar, certo? Nunca conseguirão nos matar.

       Luhan parecia realmente preocupado. Não era normal uma aliança entre alfas e aqueles dois eram poderosos demais para uma simples união entre alcatéias. Tinha mais ali e temia que fosse demais para si e Yifan, mesmo que algo assim fosse quase impossível.

-Estou preocupado, Yifan. -segredou o menor. -Eles são fortes, eu senti.

-Nós sempre lidamos bem com alcatéias fortes. -comentou o loiro.

-Sim, mas eu senti algo diferente neles. Não sei explicar. Meu lobo ficou alerta demais para apenas uma aliança entre alcatéias.

     Yifan se aproximou do menor, tocando a face de pele macia, tentando passar para o mesmo sua calma.

-Esqueça isso por hoje, okay? -o menor negou.  -Por que não?

-Precisamos tomar providências sobre isso. Eu não quero ir embora de outra cidade por causa de mais uma porcaria de alcatéia. Estou cansado disso. -revelou. -Amanhã, bem cedo, iremos até Chanyeol e faremos uma aliança com ele.

-Mas, Luhan...

-Mas nada, Yifan. Eu quero acabar com isso de uma vez. Não vai ser uma aliança entre alfas que vai nos impedir de tentar ter uma vida como lobos normais. Se for preciso marcamos todos os betas de Chanyeol, mas nós não vamos ir para outra cidade. -Luhan disse firme.

     Yifan suspirou.

-Está certo disso? Acha que Chanyeol vai querer fazer uma aliança conosco? -perguntou incerto.

-Sim. Ele deve saber que nunca conseguirá defender seu território com duas alcatéias unidas como seu inimigo. -respondeu. -Duvido que iria nos querer como inimigos também. -sorriu de lado. -Chanyeol não tem muita escolha.

      O maior sorriu e se aproximou de Luhan, o tomando para si e o beijando com necessidade. O menor estava certo, como sempre. Por isso ele era o alfa de sua ligação. Era o mais sensato e inteligente. Sempre sabia o que fazer, mesmo sendo impulsivo em alguns momentos.

-Podemos falar com Chanyeol depois de amanhã? Preciso de mais tempo com você. -sugeriu o maior.

-Yifan...

-Por favor, Lu ge. -pediu manhoso.

-Tudo bem. Mas não vai passar disso. Não quero esperar demais e acabar dando tempo para os alfas agirem.

     Yifan sorriu.

-Podemos ir pro quarto agora? -perguntou beijando o pescoço do menor.

-Você está parecendo um adolescente com os hormônios agitados assim. -Luhan apontou sorrindo.

     O maior encarou as íris já avermelhadas de sua metade.

-Bem, ao ver das outras pessoas, eu ainda sou um adolescente.

-Isso não é desculpa. -sorriu o menor, puxando os cabelos loiros do outro, afundando o rosto do mesmo em seu pescoço.

-Pra mim é uma ótima desculpa. -Yifan murmurou, seus caninos já a mostra.

      Sem hesitar, o loiro afundou seus dentes afiados na pele do menor, que gemeu extasiado pela sensação prazerosa que aquele ato havia lhe causado.

-Essa noite você vai ser meu, Luhan. -murmurou, já correndo com o mesmo em seus braços até o quarto.

     Durante todo aquele ato carnal, a marca brilhava em um vermelho intenso no pulso de ambos. Aquele desejo avassalador não partida de nenhum dos dois verdadeiramente. A marca sempre manipulava tudo para sempre estar forte e poderosa.


                          ¤¤¤¤¤

   O sol estava mais fraco naquele dia, o que trazia a Kyungsoo uma sensação de tranquilidade. Ele não era muito fã dos raios solares. Jongin sempre brincava, alegando que o mesmo pertencia as trevas. Mesmo sabendo que todas as palavras do moreno eram apenas brincadeira, ele sempre via aquilo como uma meia verdade. Monstros pertenciam as trevas, certo?

       Kyungsoo se sentou no quintal, na parte mais afastada de sua casa, encarando uma pequena árvore que Chanyeol havia plantado para si. Como tinha medo, o beta quase não cuidava dela, porque sabia que nunca poderia toca-la. Entretando, naquele dia, Kyungsoo queria tentar. Precisava aprender a controlar seus dons, para poder, algum dia, tocar o filhote que era gerado dentro de Baekhyun.

     O beta suspirou, retirando suas grossas e pesadas luvas negras. Fazia algum tempo que não encarava suas mãos. A pele sempre aquecida, os dedos gordinhos, as unhas bem cortadas. Se um estranho as olhasse poderia até pensar que elas eram delicadas, mas, na verdade, elas so serviam para machucar.

-Não! -Kyungsoo disse ríspido. -Elas servem pra curar também!

    

Lentamente, seus dedos tocaram a delicada planta. O verde foi tomando novamente as folhas, o caule voltando ao seu tom marrom claro, a raiz, abaixo da terra, ia voltando a vida. Seu corpo foi tomado por uma euforia tão grande que Kyungsoo se esqueceu de que precisava se concentrar.

      

   Ao abrir seus olhos, percebeu que não havia mais folhas naquela futura cerejeira, que os galhos estavam secos, assim como caule e raiz. A grama que a cercava tomou um tom escuro de amarelo. Ele não havia matado apenas a planta, mas também tirara a fertilidade do solo.

-Não... -sussurrou, já sentindo as lágrimas tomando seus olhos. -O que eu fiz? -acompanhou com os olhos toda a grama tomando aquele mesmo tom amarelado, logo sendo substituído pelo marrom escuro. -Você acabou com tudo, Kyungsoo... -sussurrou para si.

     Os olhos do beta foram tomados pelo cinza escuros, os caninos expostos, as garras rasgando a pele das mãos. Aquela maldita dor por saber que nunca poderia tocar em nada parecia nunca ter fim. Seu lobo, poderoso demais para aquele corpo, uivava, clamando por ajuda. Kyungsoo queria gritar, arrancar as próprias mãos para nunca mais matar nada e nem ninguém.

     Olhou para o céu e uivou como nunca antes. As lágrimas o impediam de ver qualquer coisa a sua frente. Aquela dor tomava seu corpo. Estava cansado de se sentir um monstro. Precisava acabar com aquilo.

      Encarou suas mãos, e antes de fazer o que pretendia, cantarolou uma melodia que Chanyeol cantava para si quando era mais novo, já que praticamente crescera com o alfa. Levou suas garras ao peito, por debaixo da blusa, e adentrou a pele com as unhas pontiagudas. Se chegasse ao coração e o tocasse, finalmente acabaria com tudo. Entretando, o que menos esperava era ser agarrado por braços fortes, afastando suas mãos de si.

    Abriu os olhos e viu Jongin, que parecia assustado, agarrando seus braços por saber que não poderia tocar nas mãos.

-Me solta, Jongin. -pediu num murmúrio.

-Não! Claro que não. -o beta abraçou o menor. -Soo, pequeno, o que você estava prestes a fazer?

     Kyungsoo soluçou. Precisava chorar e tirar aquela dor de dentro de si.

-Eu não aguento mais matar tudo que eu toco, Nini. -tocou o próprio peito. -Aqui dói demais.

    Jongin olhou nos olhos do menor, como se pudesse ver o lobo do menor clamando por ajuda. Como haviam sido os primeiros a entrarem para a alcatéia de Chanyeol, Jongin ainda muito pequeno por ter sido abandonado pelo pai e Kyungsoo por ter perdido toda a sua família, ambos tinham uma amizade forte. Chanyeol havia passado por sua primeira transformação quando decidiu formar uma alcatéia. Isso era comum. Alfas se sentiam incompletos sem uma alcatéia.

-Soo... -o moreno tocou as bochechas do pequeno.

-Eu queria tanto poder tocar o seu rosto, Nini. Saber se sua pele é tão macia quanto eu imagino. -fechou os olhos pra sentir o toque do maior. -Mas eu nunca poderei fazer isso.

-Kyungsoo não diga isso! -ordenou o Kim. -Voce vai sim, sabe por quê? -o menor negou. -Porque eu vou te ajudar. Vou ajudar você a controlar seus dons.

      Kyungsoo negou sorrindo fraco.

-Eu nunca vou conseguir...

-Para de dizer "eu nunca". -Jongin pediu. -Você vai conseguir. Eu já passei por isso, não com essa intensidade, mas já. Não conseguia controlar minha transformação e acabava matando as pessoas ao meu redor. Chanyeol me ajudou e agora eu quero ajudar você a controlar. A apenas curar. -o moreno sorriu doce.

-Você acha mesmo que eu consigo?

-Claro! Você é o mais forte dentre todos nós. -se levantou puxando Kyungsoo consigo. -Eu vou te ajudar, Soo. Prometo.

     Nisso Kyungso o colocou suas luvas novamente, por não estar preparado para ficar sem elas e nem sabia se um dia estaria, e abraçou Jongin. Aquele contato o acalmava. De sentia seguro e protegido. Chanyeol e Jongin eram seu porto seguro.

                         ¤¤¤¤

     Luhan e Yifan andavam lado a lado até a casa de Chanyeol. Depois de dois dias adiando a conversa com o alfa, finalmente os elos decidiram ir até o mesmo. Aquela aliança deveria ser feita, ou poderiam ser obrigados a ir para outra cidade, para evitar conflitos com Minho e o outro alfas.

     A casa de Chanyeol era um pouco afastada, para evitar os humanos o máximo possível, bem ampla, já que abrigava uma alcatéia inteira, e com uma bela fachada. Haviam dois carros na garagem, uma moto e três bicicletas. Era nítido que Chanyeol tinha muito dinheiro.

     Bateram na porta algumas vezes, sendo atendidos minutos depois por um rapaz alto e de pele acobreada.

-O que fazem aqui? -rosnou, obrigando Luhan a sorrir de lado.

-Não precisa rosnar, beta, queremos apenas conversar com Chanyeol. -Luhan respondeu.

     O rapaz, mesmo relutante, deu espaço para que ambos os chineses entrassem em seu lar. Yifan não se importou em reparar no recinto em que estavam ou em qualquer outra coisa, pois um cheiro familiar tomou totalmente sua atenção, causando uma agitação incomum em seu lobo. Puxou o ar com força. Precisava de mais daquele aroma levemente adocicado. Sabia a quem pertencia e estranhava o fato de um humano ter o cheiro tão bom quanto aquele. Normalmente humanos não possuíam odor algum.

      Yifan vasculhou o recinto com o olhar, encontrando o dono daquele aroma sentado no canto do recinto, conversando com Minseok, o ômega que havia ido a casa de Yixing no dia em que estavam fazendo trabalho escolar. Pela primeira vez em sua vida reparou na aparência de um humano. Os cabelos loiros puxados para cima, os olhos pequenos e com algumas olheiras, os lábios finos e rosados e a pele levemente dourada. Zitao era tão lindo aos seus olhos.

      O elo balançou a cabeça em negação. O que estava fazendo? Por que estava reparando naquele humano que fazia algo se aquecer em seu peito? Na verdade, por que ele trazia aquele calor ao seu peito? Não fazia sentido.

      Voltou seu olhar para Luhan, que o encarava preocupado.

-Está tudo bem? -perguntou antes de Chanyeol adentrar o recinto, recebendo apenas um aceno positivo como resposta.

        O alfa se aproximou dos dois.

-O que querem comigo?

       Luhan estalou a língua.

-É assim que você trata suas visitas, Chanyeol? -perguntou com seu típico sorriso de lado.

-Sim. Agora digam o que querem. -ordenou o alfa.

-Quer mesmo conversar na frente desse menino? -apontou discretamente para Zitao, que estava entretido na conversa com Minseok.

      Chanyeol negou, os guiando para fora de sua casa. O alfa encarou a grama ressecada e as plantas mortas com uma expressão triste, mas logo disfarçou. Não poderia demonstrar suas emoções para os elos. Tudo o que menos queria era parecer fraco.

-Digam. -ordenou.

       Luhan suspirou.

-Queremos fazer uma aliança com sua alcatéia. -jogou de uma vez. Sempre gostava de ir direto ao ponto quando o assunto era realmente sério.

     Chanyeol franziu o cenho.

-Não é assim que as coisas... -Yifan o interrompeu.

-Chanyeol, Luhan encontrou os assassinos dos betas e ômegas que você encontrou.

-Os assassinos? -o alfa indagou sem entender.

     Os elos assentiram.

-Encontrei dois alfas muito poderosos duas noites atrás e acredito que suas alcatéias tenham uma aliança. -revelou Luhan. -Você sabe que não pode lutar contra eles com a esperança de vencer. Por isso queremos fazer uma aliança com sua alcatéia. Vocês seriam mais poderosos, praticamente invencíveis, e nós continuariamos aqui e ajudariamos a proteger os humanos ao seu lado. 

      Chanyeol ponderou por um momento.

-Por que querem fazer uma aliança? Sei que vocês poderiam simplesmente ir embora. -disse o alfa.

-Não, não poderiamos. -disse o menor dos três. -Senti uma aura de poder muito grande vindo deles. Alfas poderosos assim sempre querem mais poder. Não podemos deixar que eles continuem vivos. Podem ser um problema para nós no futuro. -respirou fundo. -Queremos uma aliança com você. Depois que matarmos os alfas e a alcatéia, você decide se iremos desfazer ou não a aliança.

     Chanyeol em nenhum momento deixou de analisar a proposta. Seriam uma alcatéia muito forte, poderiam impedir a morte de mais betas e ômegas e protegeriam os humanos.

-Eles te dissseam que mataram os lobos? -Chanyeol indagou.

-Sim. Disseram que estavam se livrando corretamente do lixo. -falou Luhan, enquanto via Yifan se afastar e voltar para dentro da casa. -disseram que os betas e ômegas eram insignificantes em uma alcatéia.

-Espera... -Chanyeol franziu o cenho. -Se eles pensam assim, não seriam capazes de ter uma alcatéia comum.

-O que você quer dizer com isso? -Luhan perguntou confuso.

-Nada. -encerrou o assunto. -Irei conversar com minha alcatéia e depois faremos a aliança.

     Luhan concordou e, ao contrário do que Chanyeol imaginou, o mesmo permaneceu serio. Isso fez o alfa perceber que o elo sabia separar as coisas. Sabia o grau de seriedade que aquele assunto tinha.

      Na sala de estar da casa, Zitao se despedia de Minseok e partia para sua casa. Era um fato que Yifan queria muito se aproximar daquele humano, mesmo não sabendo o por quê. Assim que Tao fechou a porta de entrada da casa, o elo saiu as pressas para poder alcança-lo. Precisava conversar com ele, pelo menos um pouco.

-Zitao! -gritou, tomando a atenção do menor que olhou para trás meio assustando.

     Yifan correu até o mesmo e sorriu ao perceber que estava bem perto do rapaz. O cheiro agradável dele se encontrava mais fote e doce devido a proximidade.

-Posso te acompanhar até sua casa? -perguntou. 'O que está fazendo Yifan? Por que quer tanto se aproximar desse garoto?' Sua mente lhe perguntava, mas ele não a respondia, na verdade nem mesmo sabia as respostas. Tudo o que Yifan escutava era seu lobo, que gritava para que ele se aproximasse mais de Zitao.

       O menor o olhou sem entender.

-Hã... Claro, eu acho. -respondeu incerto. Não fazia ideia do por quê de Yifan estar pedindo para lhe acompanhar.

       Seguiram o caminho em silêncio. Nenhum dos dois queria falar. Se sentiam desconfortáveis com a presença um do outro. E, mesmo querendo estar ali, Yifan não entendia o motivo de querer estar com o menor. De estar perto dele. Apenas sentia seu lobo mais calmo, feliz. Tao, por sua vez, tinha várias coisas para dizer, mas não conseguia. Queria despejar diversas

perguntas sobre o maior, principalmente sobre os lobos. Aquela maldita curiosidade tomava sua mente de uma forma assustadora. Ele precisava saber.

     Chegaram na casa de Zitao quase uma hora depois. Assim que pararam na porta de entrada o menor sorriu para Yifan.

-Eu até te convidaria para entrar, mas meu pai não gosta que eu traga pessoas aqui quando ele não está, desculpe. -mentiu. Não convidaria um estranho para entrar em sua casa.

-Tudo bem. - Yifan sorriu. Por que estava sorrindo tanto?

-Obrigado por me acompanhar. -sorriu e se curvou em agradecimento.

-Por nada. -passou as mãos pelos cabelos. -Zitao...

     O menor estava prestes a entrar em sua casa, mas parou ao ouvir o maior chamando seu nome.

-Sim?

     Yifan encarou vários pontos aleatórios antes de seu olhar se encontrar com o do menor. Uma onda de calor passou por todo o seu corpo, o fazendo se arrepiar por inteiro. Seu lobo uivou alto, o fazendo reprimir um rosnado de sair de sua garganta.

-Eu... Você... Você quer tomar um café comigo amanhã? Quero dizer, para saber mais sobre os lobos? -pediu de forma envergonhada. Nunca havia se sentido assim. -Sei que tem muitas perguntas que quer fazer.

     Zitao sorriu sem jeito.

-Ah, claro. -humideceu os lábios. -Pode ser depois do Colégio?

      Yifan assentiu. Com isso Zitao se curvou mais uma vez e adentrou sua casa, fechando a porta em seguida. Foi ai que a mente de Yifan tomou controle de seu corpo. O que ele estava pensando? Nao, a real pergunta era: o que estava sentindo? Que sentimento estranho era aquele que fazia seu lobo se sentir feliz e seu peito aquecer? Por que Zitao tinha aquele efeito estranho sobre seu lobo? Precisava entender aquilo antes que algo acontecesse.


Notas Finais


Mais uma interação Taoris!!!! (gritos histéricos da autora que shippa muito esses chineses) Serio, eles são meus pais cara... Mentira, meus pais são sulay, mas Taoris pode ser meus tios. Olha que família maravilhosa?! Ai bota sebaek como os primos safados
( ͡° ͜ʖ ͡°).
E esse Jongin todo preocupado com o Kyungsoo? Confesso que achei bem fofo. Deu até ors shippar, não acham? Luhan folgado e fodao como sempre ( não vou negar que adoro)

Mas é isso ai. Até a próxima e obrigada por lerem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...