História Em busca de nós - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Hanabi Hyuuga, Hinata Hyuuga, Hyuuga Hiashi, Ino Yamanaka, Itachi Uchiha, Kakashi Hatake, Kiba Inuzuka, Naruto Uzumaki, Neji Hyuuga, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Shino Aburame, TenTen Mitsashi
Tags Hinata, Naruto, Sasuhina, Sasuke
Exibições 92
Palavras 2.506
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Violência
Avisos: Bissexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Obrigada a todos os comentários e favoritos! Sério, amei 💞💞

Capítulo 2 - Capítulo II – Verdade seja dita.


Fanfic / Fanfiction Em busca de nós - Capítulo 2 - Capítulo II – Verdade seja dita.

Capítulo II – Verdade seja dita.

Quando o moreno colocou seus pés na sala do Hokage sentiu o ar tão pesado que caiu sobre suas costas; o Conselho estava ali com o olhar reprimido de nojo e desgosto, estavam repudiados com sua presença.

Os olhos de Sasuke firmaram na imagem deles, e um mover de cabeça em respeito, que não esperasse nada além disso, sabia de sua atual posição, mas sua paciência tinha limites assim como seu respeito.

A porta se abriu revelando os olhos opacos e preocupados de Naruto, a luta tinha sido forte e longa; a promessa que havia feito a Sakura tinha sido cumprida, perdê-la neste ponto era um precipício.

— Com licença. — O loiro se pronunciou em silêncio, em alguns momentos, como este, Uzumaki Naruto mostrava como havia crescido e amadurecido.

Não houve uma resposta para o loiro apenas os gritos do silêncio constrangedor.

— Que fique claro, Uchiha Sasuke por nós você seria morto. — O velho do Conselho praticamente gritou, Sasuke viu naquelas palavras o desespero e o medo de sua existência, a garganta raspou queria devolver a frase.

— Que fique claro… — Kakashi se pronunciou, em tom de desafio. — Que, vocês do Conselho estão a um degrau de não ter mais “poder”. — Os olhos de Naruto se moveram rápido, analisando aquela situação, o sorriso de satisfação nasceu Kakashi era como um “pai” e lutaria pelos seus filhos, sempre foi deste mesmo modo. — Já discutimos, e decidimos.

— Você decidiu.

— Exatamente. — Sorriu por debaixo da máscara.

O Kage assinava uma guerra política dentro de Konoha, tomava uma decisão sozinho sem ouvir as ordens do Conselho, porém como ele deixaria aquele garoto de coração despedaçado sozinho? Ensinaria mais uma vez os próximos passos se necessário.

Houve o limpar da garganta de Sasuke, o maldito silêncio o incomodava desta vez, porque Deus o atormentava deste modo? De trás da mesa, sentado em sua cadeira ele moveu os papéis e assinou seu nome no fim da página.

— Você, Uchiha Sasuke, fugiu de Konoha, se aliou a uma dos maiores inimigos. — Kakashi anunciou em acusação. — Se aliou a Akatsuki, e cometeu diversos crimes contra sua Vila de origem, e contra outras Vilas, mas… — Kakashi olhou no fundo dos olhos do último Uchiha, lembrou-se da primeira vez que o viu, e sentiu o ódio dele, respirou fundo. — Você lutou contra Madara na Guerra, entregou sua vida ao dispor da nossa, e na frente do atual Hokage, e do futuro Hokage. — Olhou para Naruto que sorriu. — Você pediu sua redenção a ponto de aceitar tudo que lhe foi dito. — Sasuke apertou seus punhos, e fechou os olhos estava ali, diante de todos recebendo seu perdão. — Você ainda terá seu chakra racionado e não fará missões sozinhos, todos seus passos a partir de desse momento vão ser conquistados, não existe privilégios. Os ANBUS que residem sua casa serão retirados, e você poderá circular por Konoha. Entendido?

Os olhos de Sasuke foram abertos e pela primeira vez em anos ele sentiu aquela liberdade dentro do peito, sentiu-se em casa. Ele afirmou com a cabeça e piscou lentamente aproveitando toda sensação em seu peito, mesmo que em suas costas ele sentisse o ódio dos conselheiros, ele teria que aprender: Do que servirá ouvir a voz do ódio? Do que adiantará sempre lutar no lado errado.

Obrigado Kakashi. — A voz áspera encheu o lugar, tudo que Sasuke sentiu nos próximos segundos foi um abraço desengonçado de Naruto. — Para dobe. — Revirou os olhos, bufando.

— Vamos comer ramen, eu pago! Sensei tu também.

Se quer houve uma pausa entre a frase e um pensamento, Naruto saiu pela janela com Sasuke logo atrás, seria uma competição muda de quem chegaria primeiro. Assim como, sem esperas Kakashi fez um clone deixando em seu lugar.

— Assim que comandará Konoha? — Avisou o Conselho, e quando Kakashi ainda estava sob a janela.

— Um clone meu é mais inteligente e mais forte que todo vocês do Conselho.

— Vamos Sensei! — Naruto gritou alguns telhados a frente.

— Eles são meus alunos e eu cuidarei deles.

×××

Hinata afundou na banheira sem medos, deixou o corpo submerso e soltou o ar criando pequenas bolhas, e voltou para cima rápido. Ergue-se da banheira e andou pelo cômodo sem se importar em molhar o chão¹, caminhou até o espelho e se encarou novamente, o rosto estava vermelho pela água, os olhos não estavam mais inchados, os cabelos compridos caiam sobre suas costas e a franja parecia tampar mais que sua testa, a imagem pura que se projetava no espelho a incomodou quase que minimamente.

“Você é gentil demais!”

“Você é fraca!”

“Você. Você. Você”

Quantas vezes ouviu tais frases? Ouviu os julgamentos, não era como as outras ninjas de Konoha, e estava milhas de ser, não era médica, especialista em armas, ou em mentes. Era Hyuuga Hinata, primogênita do Clã mais poderoso da Folha, e concorria ao mais forte do país, era primogênita, mas não assumiria o trono, outra verdade sobre ela, até esse fatídico momento ela não sabia aonde ir.

O corpo se gelava com as gotas de água no corpo, abriu bem os olhos diante do espelho que ainda tentava se esconder dela com o vapor, ela passou mais uma vez a mão pelo vidro olhando-se.

— Quem sou? Diga-me. — Proferiu em voz alta diante do espelho. — Você é Hyuuga Hinata, do Clã Hyuuga que não vai assumir nada, que não sabe o que está fazendo da vida de merda… — Respondeu sua própria pergunta em um sussurro, porque encontrar forças era tão desgastante?

A pequena mulher puxou a toalha do gancho na parede e secou seu corpo com a toalha branca, enrolou-se e abriu a gaveta da pia pegando a escova e a tesoura, escovou os fios cuidadosamente sentindo o cheiro silvestre de morangos, dividiu ao meio os fios, caiam na lateral do seu rosto, encarou-se, era isso? Não sabia, mas no momento queria se sentir diferente, queria ser o que seu coração mandasse.

A morena tocou o topo da cabeça e escorreu os dedos até as pontas dos cabelos, eles estavam em sua cintura mais uma vez, a primeira tesourada foi rápida e ela pode ouvir o sussurrar da tesoura contra seus fios negros, cortou e cortou até os fios atingirem seus ombros, num corte delicado onde as pontas teimavam em voltar-se para dentro, adorável, cortou a franja tornado ela parte dos demais, tornou tudo uma união perfeita.

Com a toalha de rosto que ficava ao lado da pia ela limpou os fios de seu corpo e saiu até quarto, olhou tudo, analisou tudo.

Aquilo, aquelas cores, aqueles objetos eram ela? Abriu o guarda roupa, aquelas roupas eram ela? Ela adorava cores claras e calmas, mas porque tudo em sua vida tinha que ter essa essência? Viu num cantinho, quase escondido uma foto. Ah! Aquela foto, tinha escondido de si mesmo. Era ela e Neji pequenos, seus cinco e quatro anos, ele com aquele sorriso escondido e ela atrás dele.

“Sempre irei de proteger Hinata-sama”

Foi a primeira vez que aquela frase teve sentindo em sua vida, e hoje sentia saudades de ser “protegida”, sentia que precisava ouvi o que ele tinha a dizer. A foto saiu do esconderijo e foi posta ao lado da cama, junto com uma dela com Kiba, analisou aquelas duas fotos, lado a lado em ambas elas se escondia atrás deles, porque?

— Tem essa necessidade porque Hinata? — Engoliu o choro, num nó na garganta.

Andou até seu guarda roupa e passou os dedos por todas as roupas, tirou de lá o longo quimono escuro com o símbolo de seu clã nas costas, o vestiu-se cuidadosamente, parte de si não queria ser mais aquela adorável boneca, queria sentir e ser o leão que rugia em seu peito.

Queria ser a verdadeira Hyuuga Hinata.

×××

— Ganhei! — O garoto gritou ao chegar na frente da loja. — Saiba Sasuke que eu sou o FUTURO Hokage. — Gabou-se enquanto colocava as mãos na cintura.

— Quando esse dia chegar espero estar morto e não ver a merda toda. — Cruzou os braços em desdém. — Onde está o Kakashi? Quando ele se tornou tão lento?

— Ele sempre se atrasa. — Formou uma careta impaciente.

Ambos ficaram parados na frente esperando o Sensei e falando banalidades e tratando-se mal. Viram ao longe Kakashi andar lentamente com as mãos no bolso falando com algumas pessoas. O mesmo parou e abanou um singelo “Olá”, esperou chegar perto de si, tanto Sasuke e Naruto olhavam curiosos Kakashi, assim como viram a imagem pequena da Hyuuga se aproximar em passos rápidos, ela segurava o quimono para que pudesse dar uma rápida corrida até o Sensei.

Os olhos de Naruto encararam ela, seu estômago embrulhou-se e sentiu o ramen do café da manhã voltar, ambos andavam em direção a loja, ela comeria com eles?

— Sasuke o que é isso?

— Isso é você pagando por seus pecados, e esse sou eu rindo da sua cara. — O moreno sorriu sarcástico de braços cruzados, analisando a visão em sua frente, lembrava-se fracamente da Hyuuga na infância, sempre silenciosa e com uma pose fraca, mas sabia que a morena não era, e estava longe de ser. Lembrou-se de uma missão que estava com o Taka, atrás de informações, e chegou até ele que ninjas de Konoha estariam na mesma aldeia que ele, por suas ordens Karin foi verificar.

“— São três apenas, um trio de rastreadores, não estão atrás de você e sim atrás de um pergaminho de um Clã de Konoha. — A ruiva relatou sentando-se ao seu lado enquanto o mesmo comia.

— Qual clã? — Dependendo da resposta o pergaminho seria útil.

— Hyuuga, está na aldeia Hyuuga Hinata, Inuzuka Kiba e Aburame Shino.

— Eu conheço eles! — Suigetsu bateu a mão contra a mesa recebendo alguns olhares. — Konoha manda eles para missões especiais, eu lidei com eles quando me mandou naquele castelo, lembra-se?

— Hm. — Foi tudo que ele respondeu, então eles haviam evoluído tanto quantos eles.”

Desde que lembrava-se, ela não honrava a imagem de seu clã, nem como primogênita, era apenas uma garota delicada.

×××

No momento em que os olhos perolados de jovem Hyuuga se chocaram com os azuis porcelana de Naruto, ela suspirou e sugou o ar disfarçadamente.

— Boa tarde, Naruto-kun e Sasuke-kun. — Sorriu, curvando a cabeça quase minimamente.

— O-olá… — A voz do loiro falhou, lá estava ela, a garota que havia se declarado ontem a noite para ele, sorrindo e o cumprimentando como se nada tivesse acontecido. — Você vai como? — Atropelou as palavras, tirando um suspirar de impaciência de Sasuke enquanto Kakashi apenas visualizava a situação, Hinata sorriu amarelo, estava desconfortável com a atitude do loiro, sentia nele o nervosismo que tentava reprimir.

— Estou bem, obrigada. — Preferiu não questionar a ele, preferiu matar a conversa. — Parabéns Sasuke-kun, Kakashi-san me contou. — Ela sorriu de um jeito que chamou a atenção dos três, mesmo sem conviver com Sasuke, sem saber seus demônios e medos, sem saber o demônio que vivia em si, ela sorriu verdadeiramente. — Espero que construa seu lar, e que os medos não vençam a noite.

Aquilo calou o cérebro do moreno, o que podia ela entender? Enquanto Naruto questionou aquilo que Hinata havia dito, não compreendia, Kakashi havia entrado, bater conversa com adolescentes não era o ideal, estava cansado, e queria ler.

— O que quis dizer com isso? — O loiro soltou a frase, quase num sussurro.

— Obrigado Hyuuga. — Não descruzou os braços, era uma proteção invisível ao seu peito. — Tentarei não deixar. — O tom irônico escondia o receio.

— Bem… — Ela ponderou. — O clã Hyuuga sempre terá seu laço com os Uchihas, soube por meu pai que futuramente planejamos reconstruir nossa aliança. — Ouvir aquilo foi inusitado a Sasuke, ele não podia afirmar a quem era fiel o clã, e quem servia fielmente, e ter aliados como Hyuugas, ainda mais ele que era o Clã de um homem era algo importante.

— O que significa?

— Seria ótimo, futuramente conversaremos sobre isso. — A voz de Sasuke, diferente da de Naruto era estável, a morena apenas sorriu e andou em direção a loja de Ramens.

Ao entrarem eles se dividiram, Hinata foi ao balcão e os dois a mesa de Kakashi, prontamente depois de pegar a encomenda de Hanabi a mais velha saiu como um sorriso aos garotos.

Comeram numa conversa calma sobre Konoha, sua reconstrução, sobre o que seria feito; Naruto mova-se impaciente na cadeira, até mesmo seus hashis eram movidos rapidamente, Kakashi terminou rapidamente e saiu agradecendo a refeição, foi no segundo que o Hokage atravessou a porta que o loiro soltou a frase.

— O que ela quis dizer?

— Hm?

— Construir seu lar, Konoha é seu lar.

— Não, Konoha é onde habita meu lar.

— Não te entendo… Você voltou né?

— Voltei para um clã cheio de cadáveres, para uma casa vazia, e lá é meu lar, mas ter que construir não é fácil, isso nunca você entenderá.

— Porque nunca tive família?

— Yeah… não sabe como é conviver com isso e perder, existe mais demônios no passado que no presente. Lutar contra eles é fácil, vencer é difícil.

— E o que a Hinata pode saber disso?

— Eu e ela dividimos uma única coisa, somos de grandes clãs, temos grandes responsabilidades apenas por nossos nomes, sempre foi assim e sempre será assim.

Mesmo que Sasuke quisesse explicar como os passos na solidão de ver o quarto de sua mãe, de às vezes sentir o cheiro do irmão eram muitos mais complicados que sua pequena mente compreende-se, Sasuke apenas respirava fundo e dizia uma ironia, implicava, e respondia com outras perguntas.

Os passos na luz, eram mais complicados que na escuridão, e mesmo que lutasse e fosse um dos homens mais fortes do Mundo, ainda havia medo em seu coração.

×××

Hinata suspirou pesadamente, não esperava ver Naruto tão cedo e teve que reprimir algumas lágrimas, agradeceu ao Uchiha na mente por ele estar ali, o loiro estava eufórico antes da sua chegada, ela sabia que sua presença foi estranha e desconfortável, mas o que faria? Correria? Não. Longe disto.

Hinata não seria mais a jovem fraca mentalmente, não mostraria a todos seus sorrisos, seria alguém a se orgulhar, alguém que ela teria orgulho.

A morena andou em passos rápidos até o Clã, atravessou os portões altos e passou pelos guardas apenas com um acenar de mão, largou o ramen da irmã na mesa e correu pelos corredores de madeira, o pé descalço sobre a madeira polida e lisa criava um rangido sincronizado, ansioso.

– Otou-sama? — Ela bateu na porta, esperando a ordem para que entrasse. No momento que o pai afirmou ela entrou, respirando fundo e sentindo o garganta secar. — Precisamos conversar.

Notas.

¹ Se é comigo já tomo banho tentando não molhar só para não secar depois. 😑


Notas Finais


Peço desculpas pela demora, mas a vida é complicada e eu escrevo pelo celular!

Espero que tenham gostado, e logo postarei mais!

Não deixem de dizer o que acharam, mas aí é com vocês ;)

Beijos


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...