História Em Busca de Uma História - Camren - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony, Ian Somerhalder, Originais
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Exibições 5
Palavras 1.136
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Chegou a hora


Fanfic / Fanfiction Em Busca de Uma História - Camren - Capítulo 10 - Chegou a hora

 

 

            Acordei com uma luz na minha cara. E muito barulho, uma sirene forte e buzinas. Abri os olhos e vi Lauren e um homem de branco. Ela olhou pra mim.

-Fica calma.

            Ficar calma? Fechei os olhos, quando acordei estava deitada em um quarto branco. Um hospital? Lauren estava conversando com um homem de branco.

-Oie.

-Oi. Como se sente?

            O médico (sim eu estava em um hospital) se aproximou de mim e jogou uma lanterninha em cada olho meu.

-Oque aconteceu?

-A senhora entrou em trabalho de parto, pelo que constatamos sua placenta se desconectou do bebê. Vamos fazer uma cesariana.

-Lauren. Eu to com medo.

            Comecei a chorar como um louca e o médico saiu da sala. Lauren sentou na cama e me abraçou.

-Vai ficar tudo bem. Eu estou tentando falar com a Dinah. Ela vem e vai pra cirurgia com você.

-Eu to com medo.

-Vai ficar tudo bem. Essa é a melhor maternidade da cidade.

-Jesus eu não tenho dinheiro pra isso Lauren.

-Cala a boca Camila.

-Bruta.

-Teimosa.

-Desculpa.- Voltei a chorar.

            Cerca de meia hora depois Ian e Dinah já estavam com a gente. A enfermeira veio ver como estavam as contrações e a dilatação para arriscar um parto normal. Assim que abri as pernas e ela tirou o lençol Dinah caiu no chão desmaiada. Sangue, nunca aguentou ver sangue. Meu Deus e essa é a pessoa que vai estar comigo na cirurgia?Vão ter que socorrer ela quando forem tirar o bebê. A enfermeira chamou ajuda e levaram Dinah para fora da sala. Eu estava com 3 dedos de dilatação e então a enfermeira saiu novamente e ficou apenas eu e Lauren.

-Lauren. Não deixa ela entrar comigo lá. Por favor.

            Lauren começou a rir.

-Não tem graça.

-Serio? Tem sim. Muita. Queria que te dessem aquele gás-hilariante. Quem é o padrinho?

-Ian.

-Então pronto. Ele entra.

-E vai ver minha vagina?

-Sortudo.

            Bang... Momento constrangedor.

...

 

            Tomei banho, troquei de roupa, ela também, me colocaram uns sapatos muito estranhos, de TNT, ela também vestiu. Fui levada para o centro cirúrgico, aplicaram a anestesia nas minhas costas e eu já não sentia nada.

-Mãezinha. –Uma enfermeira tocou meu braço. -Vou mandar a acompanhante entrar.

-Obrigado.

            Pouco tempo depois ela entrou e ficou do meu lado, segurando minha mão. Com a touca e a mascará eu só podia ver seus olhos, seus lindos olhos verdes claros.

-Sabe de uma coisa?

-Diga Lauren.

-Ele vai nascer no dia 27. Já passou da meia noite.

-Ok.

-Obrigado. –Ela beijou minha testa.

-Pelo que?

-Hoje é meu aniversário. E eu vou ver ele nascer.

            Vi uma lagrima escorrer daqueles lindos olhos verdes que estavam tão claros e se misturando com azul e eu chorei junto com ela. E então ela me beijou. E só separamos o beijo quando ouvimos o choro.

-1h e 47 da manhã. Menino. 5 dedos em cada mão, 5 dedos em cada pé.

-Eu quero ver.

-Quem vai cortar o cordão?

-Lauren. Corta e traz ele pra mim?

Ela se afastou um pouco de mim e eu sequei minhas lagrimas, esperei ainda ouvindo o choro dele.

-Eles estão limpando ele. Ele é lindo. Parece comigo.

            Era tão impossível parar de sorrir. Ela me deu um selinho e então vi uma enfermeira se aproximar, entregou meu pequeno para Lauren e ela colocou no meu colo. Ele é simplesmente lindo. Tão bochechudo, tão cabeludo, tinha os lábios finos, os cabelos vermelhos, mas provavelmente por causa do sangue. Ele já tinha parado de chorar e chupava o dedo e então quem chorou foi eu, enquanto o abraçava forte. Não quero soltar mais nunca, mas tive que soltar.

 

Tive que esperar no pós-parto até eu sentir meus pés novamente, e então eu pude subir para o quarto. Dinah e Ian estavam lá.

 -Olá nova mamãe.

-Hey. Cade meu pequeno?

-Esta sobre o olhar de Lauren. Ela não saiu do berçário ainda.

 

            Vi algumas fotos que Dinah tirou até que Lauren abriu a porta.

-Pegaram o bebê e... você já subiu. Oi.

-Oi. Cade ele?

-Acho que vão trazer.

            Esperamos um pouco e a enfermeira trouxe ele e voltei a segurar meu pequeno novamente.

            Passei três dias aqui, Tomás pegou o peito de primeira, estava faminto. Lauren não saiu do hospital nenhuma vez, Ian trouxe roupas pra ela e ela tomava banho, dormia e comia comigo. Acho que nos nossos ambos celulares não deveriam ter outras fotos sem ser dele. Era loiro, bochechudo apesar de ter nascido de 8 meses e 2.850 era grande, nasceu com 49 centímetros. Nunca pensei que ficaria feliz em saber que pelo menos uns 4 macacões já estavam perdidos.

            Saímos do hospital e entramos no carro de Lauren. Ela foi dirigindo e eu fui com Tomás no banco de trás. E mais uma vez ela comprou mais um presente, a cadeirinha.

            Chegamos rápido em casa. Entrei com Tomás e me deparei com uma faixa gigantesca na sala “É um menino” e Ian com uma bexiga na mão enchendo.

-Não deviam ter chegado agora.

 

            No fim eles estavam preparando um tipo de festa surpresa. Quando entrei no quarto do Tomás para colocar ele no berço vi um colchão no chão ainda encapado, logo atrás de mim vinha Lauren com as bolsas.

-De quem é esse colchão?

-É meu. Vou dormir aqui com Tomás.

-Por que?

-Hum... Sei lá. Eu quero. Não posso?

-Pode, mas eu tenho uma cama de casal.

-O caso é ficar perto dele pra quando ele acordar eu levar pra você. Até porque você vai ficar de cama.

-O médico disse que andar é bom.

-Mas você não vai andar enquanto eu estiver aqui.

            Ela fechou a porta e eu coloquei Tomás no berço. Ela se aproximou de mim e logo meu coração e minha respiração acelerou, eu sabia o que vinha a seguir, e foi exatamente o que aconteceu. Mais um beijo de Lauren capaz de tirar o meu fôlego. Ela dava tempo entre os intervalos pra eu puxar o ar e voltava a me beijar. Quem diria a 9 meses atrás que eu estaria no quarto lindo do meu filho com Lauren me beijando desta forma? Nem eu, nem ela diríamos. Ela me mandou tomar banho e eu obedeci. Ouvi o choro de Tomás e desliguei o chuveiro, ele parou de chorar e eu me sequei. Até que ouvir Lauren bater na porta.

-Amor.

-Oi.

-Ele ta chupando meu braço. Da peito pra ele?

            Me enrolei na toalha rindo da situação e sai do chuveiro. Sentei na cama.

-Acho bom dar um banho nele.

-Vou pegar a banheira.

            Demos o primeiro banho nele, ou melhor, Lauren deu o primeiro banho, fiquei com medo e eu dei peito e logo ele voltou a dormir.  Lauren ficou andando com ele até ele arrotar e fui me trocar.

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...