História Em meio à escuridão - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Criminal Minds
Personagens Aaron Hotchner, Chefe de Seção Mateo Cruz, David "Dave" Rossi, Derek Morgan, Dr. Spencer Reid, Emily Prentiss, Jennifer "JJ" Jareau, Penelope Garcia
Tags Drspencerreid, Hotchniss, Katherineisabelle, Willifer
Visualizações 55
Palavras 1.025
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom, está fanfic terá o foco maior no Spencer Reid, pórem também haverá um pequeno foco nos outros personagens.

O primeiro capítulo vai para @NatyReid320 devido ao nosso acordo.

Espero que venham gostar.

Capítulo 1 - Um


Fanfic / Fanfiction Em meio à escuridão - Capítulo 1 - Um

 

||Cemitério de Washington D.C||

Seu olhar sobre a lápide. 

"Eu sinto muito", estas eram as palavras que prometeu a si mesmo nunca mais dizê-las. Elas não se adianta de nada, pode conter sentimentos vindo junto a elas, mas não muda o fato de que sofreu uma perda e dizer "Eu sinto muito" não adiantará de nada. 

Sempre a mesma rotina, ir ao cemitério, encarar a lápide escrito o nome dela, o nome daquela que o fez se apaixonar, Maeve Donavan. Não dormia a exato 1 mês, é só fechar os olhos para ter o mínimo de descanso possível que tudo torna a acontecer novamente, a arma, o tiro, o corpo dela jogado ao chão em meio a todo aquele sangue. 

Spencer já não era mais o mesmo desde a morte de Maeve, tentava parecer o Spencer que sempre foi, mas não conseguia, algo sempre o fazia mostrar a nova parte de si, a causa da pela dor. 

||UAC -Quântico Virginia ||

-Ele não irá reagir bem a isto.-Dave comentou retirando o olhar da janela e encarando o chefe e amigo. 

-Não temos escolha, Reid não está bem o que ele fez nos casos do Alaska,Baltimore,Orlando, Boston, São Francisco e Seattle comprovam isto. A morte de Maeve o deixou fora de si.

Dave sabia que Aaron tinha razão, Reid não vinha sendo mais o Reid. Um comportamento que não correspondia a ele estava se fazendo mais presente a cada dia que se passava, onde a cada caso tudo piorava.

-Quando irá falar com ela?-Encarou Hotch cruzando os braços a espera da resposta que logo veio. 

-Daqui a pouco. 

-Irie com você. Como a descobriu? 

-Ela tem 27 anos. Dra.Madison Montgomery, ela entrou na faculdade com 15 anos e aos 22 já exercia o cargo de psiquiatra. Prestou consultoria durante 3 anos ao FBI, o pai era um psicopata e assim como a mãe ambos eram psiquiatras, ele usava do trabalho para conseguir as vítimas. Acho que se lembra do caso, ele foi conduzido por Jack. 

-Acho que me lembro, Dr. e Dra. Montgomery, ela não matava porém era conivente quanto aos atos do marido. Jack quase os pegou 2 vezes e quando finalmente confirmou quem ele  era, os dois fugiram, quando chegaram ela estava ao chão toda cheia de sangue, havia recebido 3 tiros.

-Sim.-Aaron levantou-se ajeitando a roupa :-Foram pegos 1 ano depois em Budapeste. O atentado à Jack e a família a 2 anos atrás, durante um certo tempo ele fez algumas consultas com ela, Madison é indicação dele. 

|| Consultório de Psiquiatria-Virgínia -Sala de espera|| 

A luz sob a porta da sala indicando que dentro havia paciente, Dave e Aaron sentara-se sobre as cadeiras ao lado de fora a espera do termino da seção. 

-E Emily?-Dave puxou assunto ao tempo que esperavam. 

Aaron e Emily haviam engatado em um relacionamento a 2 anos. O relacionamento se tornou a distância a 1 ano e meio quando Emily aceitou o cargo na Europa para trabalhar na Interpol. De início acharam que o relacionamento não duraria, mas estavam completamente enganado, o que Emily não fazia na UAC fazia na Interpol, tirava férias, aproveitava ao máximo as férias indo para Washington  passando o tempo ao lado daqueles que considera família e ao lado do namorado e enteado.

-Ontem falei com ela, está bem. Ela pegará férias logo e irá vir para cá. 

-Gostaria de entender o porque dela vir para cá e você não ir para lá. 

-Ela fala que é mais fácil, todos estão aqui, alega ser mais viável. Sem contar as chantagens de Garcia.-Deu um sorriso mínimo :-Você não sabe o poder de persuasão que Garcia tem sobre Emily. -Rossi não aguentou e começou a rir, pois sabia muito bem como Garcia é. 

Dentro da sala a mulher ouvia atentamente o que o homem a sua frente tinha a lhe dizer. Seus cabelos marrom ao reflexo do sol tornando-se um pouco ruivo, seus olhos verdes e totalmente penetrantes, a postura totalmente correta e rígida. 

A porta foi-se aberta chamando a atenção de ambos agentes ao lado de fora que levantaram-se imediatamente, a mulher os fitou analisando-os rapidamente mas foi o suficiente para si. 

-Mantenha o foco.-Disse ao paciente que balançou a cabeça positivamente. 

-Tchau Dra. -Foram as palavras do mesmo saindo deixando-a junto aos agentes. 

-Desculpe, não vimos secretária e tomamos a liberdade de esperar.-Dave se pronunciou recebendo a atenção da mulher. 

-Ana se demitiu, casou-se e foi morar na Carolina do Norte com o marido. Entrem. -Abriu espaço para a entrada tanto de Hotch quando de Rossi. Assim como Rossi, Aaron analisava minuciosamente cada detalhe da sala, apesar de ser nova, notaram o gosto da jovem psiquiatra pelo clássico :-Sentem-se -A mesma apontou para os dois lugares na frente de sua mesa, lugares que logo foi ocupado pelos agentes. 

-Sou Aaron Hotchner e este é David Rossi, somos agentes do FBI.-Aaron os apresentou:- Você foi recomendada por Jack Garrett. 

-Se são amigos de Jack, podemos prosseguir com a conversa. Em que posso ajudá-los? 

-Seremos direto. Um de nossos agentes sofreu uma perda a um mês, suas mudanças de comportamento vem sendo drásticas, agindo de modo a qual nunca chegou a agir principalmente nos casos. -Rossi tomou a frente e explicou sem dar muitos detalhes sobre o estado de Reid. 

-Teríamos a opção de qualquer um do FBI ajudá-lo quanto a isto, porém o fato de estarmos com ele não o faria abrir-se totalmente tornando as coisas ainda mais difíceis. O fato de conhecermo-nos dificulta, pois ele não se abre. Uma pessoa de fora seria a melhor opção, por isto estamos aqui Dra. Montgomery, queremos que você o ajude.-Após as palavras de Aaron um silêncio se instalou sobre a sala. 

-Sinto muito mas não posso ajudá-los. -Imediatamente Aaron e David encararam-se sem ao menos compreender, ato que não passou despercebido por Madison que logo continuou:- Tenho uma política de não fazer consultas sem o consentimento do próprio paciente, posso ajudá-los, mas ele terá que vir a mim e ele mesmo requerir a terapia. Funciona como uma ligação entre psiquiatra e paciente, não irei ter êxito se a presença do mesmo não for por vontade própria.


Notas Finais


Espero que tenham gostado do primeiro capítulo.
Até o próximo.
Kisses blue.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...