História Emily - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Os Heróis do Olimpo, Percy Jackson & os Olimpianos
Personagens Afrodite, Annabeth Chase, Apollo, Ares, Artemis, Atena, Calipso, Charles "Charlie" Beckendorf, Clarisse La Rue, Connor Stoll, Cronos, Percy Jackson, Personagens Originais
Tags Personagem Original, Romance
Visualizações 42
Palavras 846
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oi gente!

Primeiramente perdão por não ter feito a segunda dobradinha de capítulos. Eu fiquei sem internet no dia e além disso comecei a estudar para as provas ficando sem tempo.

Vou marcar outro dia para fazer a famosa dobradinha.

Bem agora vou deixar vocês lerem em paz.

Boa leitura! ;)

Capítulo 18 - Capítulo 17 - Cócegas entre amigos


Fanfic / Fanfiction Emily - Capítulo 18 - Capítulo 17 - Cócegas entre amigos

Pov’  Ares

 

Emily parecia   pequeno anjo adormecida em meus  braços.    Quase  não se mexia  e   eu teria dito que  ela estava morta, se  não fosse   o  subir e descer  suave  que sua  respiração  fazia.    Ela estava  pálida e  aos  poucos  a  cor de  bronze ia  voltando ao seu rosto.     E  então ela começou a se remexer em meus  braços e quando abriu os  olhos, não repeliu meu toque e nem tentou sair dos  meus  braços.

 

Nós dois passamos  da fase  que   tínhamos  nojo de tocar um no outro. Passamos da  fase de se  odiar.     Porém, no fundo eu sabia que  Emily  não gostava de  mim de verdade, ao julgar pela  maneira que ela me  olha, quando ela  pensa que  eu não estou olhando.  Ela me  olha   com os  olhos repletos  de indiferença.

 

Ela podia até estar falando normalmente comigo, mas  no fundo de seu olhar permanecia  a  indiferença.    E tudo que eu queria era que ela  não me  olha-se assim.     Talvez  o poderoso Deus da Guerra aqui, queria realmente  uma  amiga  ou quem sabe futuramente  uma  melhor amiga.

 

 

Quando ela me  olhou  naquele  momento, vi  gratidão em seu olhar e  melancolia.

 

 

-  O  que  foi aquilo,  Emily?  - Perguntei sem esconder  minha preocupação.

 

 

-  O Curso natural.  – Respondeu  vagamente e continuou olhando para  mim.

 

 

-  Precisa ser mais  específica  que isso. -   Digo revirando os  olhos.

 

 

- Ares, eu sou uma autômato.  Não nasci pela forma  convencional e  eu  pago  o preço por isso.   – Emily  explicou pacientemente.

 

-   E  o que  era a  poção?  -     Perguntei, ajeitando Emily em meus  braços.

 

- Era  uma  poção de  Hécate  que me ajuda a  sobreviver.     -    Emily lhe respondeu.  – È  importante que  você  não comente  sobre isso com ninguém!  -  A mesma disse séria.

 

 

- Por quê?  -  Indaguei.  -   Talvez outro olimpiano possa  ajudar.   -   Digo e  a mesma me  olha  mais séria ainda.

 

 

- Você  gostaria que alguém soubesse  de suas  fraquezas? Ainda  mais  você sendo Deus da Guerra?  -  Ela me questionou.

 

 

- Não gostaria de forma alguma.  -  Respondi rapidamente.  – Pode ficar tranquila  que   não vou contar nada.   

 

 

- Promete? – Emily ergueu  a sua sobrancelha.

 

- Eu prometo!  -  Respondi.

 

 

Emily sorriu e  se  soltou  de  meus  braços.    Ela sorriu para  mim e pude ver em seu olhar  um brilho divertido.   Ela se  aproximou perigosamente de  meu rosto.   Foi um ato repentino e  eu  congelei, esperando que ela  fizesse algo. Ela   deu um beijo delicado em minha  bochecha.

 

 

- Ai meu deus!  - Emily  exclamou  de repente.  -  O todo  poderoso  e  machão, Deus  da guerra está  corando.   – Apontou rindo.

 

 

- O que?!  -  Berrei.  – Eu não coro! Isso é coisa de maricas!  -   Reclamei com raiva

 

 

- Pode  ficar  tranquilo sujeito macho.     – Zombou Emily.    -    Seu  segredinho está a salvo comigo.    -  Ela  disse rindo.

 

 

- Para de rir da  minha cara. -    Digo com raiva e ela  continuou.    – É assim então?  - Indaguei e ela assentiu  rindo.

 

 

Pulei em cima dela, fazendo cócegas em sua  barriga sem parar.   Ela   estava  ficando vermelha e      estava chorando de tanto rir.      Já eu estava me divertindo rindo da cara  dela.   Sua  risada  era   melodiosa e contagiante, já a  minha era  grossa e   ás vezes até assustava as pessoas de tão alta.

 

 

- Para  Ares!  Para!  -  Pediu  Emily sem fôlego.

 

- Só se  você  disser  que eu sou  Lindo, gostoso e  maravilhoso e   que   você  baba por  mim.  -  Eu impus.

 

 

- Nem a  pau!  -   Emily disse rapidamente.

 

 

 

- Então vou continuar fazendo.    – Digo aumentando as cócegas.

 

- Tá bom!  - Berrou.   -  Você  é  lindo, gostoso e  maravilhoso,   eu babo por  você  - Ela diz sem animação.  –Feliz agora?  - Ela  perguntou debochada.

 

 

-   Muito.  -  Digo rindo da cara da mesma.

 

 

Levanto-me e  deixo  a mesma sentar em minha cama.  Eu havia  trazido a mesma para o  meu templo.  Não a deixaria largada no meio da forja. 

 

 

-     O que   acabou de acontecer?   - Perguntei me sentando do lado da mesma.

 

 

- Um momento comum entre amigo. – Respondeu  Emily alegre.  – Você   não é  tão ruim como eu pensava Ares.  -  Ela  diz e   eu fico feliz com suas  palavras.

 

-Você  também não é tão chata  quanto parece.   – Digo e a mesma me dá  língua.

 

Foi então que eu percebi que eu podia  ter  aquele negócio, que  os  mortais  chamavam de melhor amigo.   Uma pessoa   que eu pudesse contar sempre.  Uma espécie   de   parceira de crime.  Uma    pessoa  que  fosse  confidente.  Olhei  para Emily que estava de perfil e   reparei em algo  que  não via visto antes.

 

 

Quando ela   tirou os  cabelos da  frente da bochecha  pude ver a   marca  de  uma  mão em seu  rosto.    A  raiva se apoderou de  mim e tudo que eu queria era matar o desgraçado que fez isso.

 

- Quem  fez isso?   -  Perguntei.

 

 

- Isso o quê?  - Emily diz  confusa.

 

 

- Quem te bateu?   - Perguntei impaciente.

 

-Deixa isso pra lá!  - Emily diz ficando cabisbaixa.

 

-  Não! Eu quero saber quem fez isso com você!  -   Digo nervoso.

 

 

- Foi  Zeus.  – Ela disse  por  fim.

 

 

 

 

 


Notas Finais


O que acharam do capítulo?
Emily e Ares amiguinhos implicantes <3 O que virá desses dois hein?
O que será que Ares vai fazer?
Deixem suas respostas nos comentários <3
Espero que tenham gostado!
Muitos beijos de luz <3 ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...