História Empty Soul || myg+pjm || - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Bts, Jimin, Yaoi, Yoongi, Yoonmin
Visualizações 161
Palavras 1.927
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi galero
só vim dar oi mesmo fjdj

Boa leitura, ou não.

Flw, nois q voa ~

Capítulo 27 - ~ 27% ~


Depois de chegar em casa, exausto, Chanyeol foi para seu quarto e sorriu ao ver sua namorada dormindo serenamente em sua cama. Se aproximou de Seulgi sorrateiramente e deitou-se ao lado dela, acordando a mesma distribuindo diversos selinhos por seu rosto. Seulgi acordou sorrindo ao sentir os lábios do namorado em contato com sua pele.

Chanyeol e Seulgi se conheceram no primeiro ano da faculdade, são dois médicos. Começaram a namorar depois de um ano que se conheceram, tinham um forte laço de amizade, sempre faziam trabalhos juntos, ajudavam um ao outro mas dificuldades que possuíam e continuavam amigos mesmo fora da universidade.

Chanyeol amava Seulgi. Ele tinha uma namorada, uma esposa, uma amante e uma amiga em apenas uma só mulher.

— Oi meu amor — a morena sorriu e depositou um leve selar na testa de Chanyeol.

— Oi dorminhoca — o acastanhado riu baixinho e depositou um selo casto nos lábios de sua namorada.

— Como foi o dia hoje, uh? Cansativo? Chato? — Seulgi já estava sentada fazendo carinho no cabelo de Chanyeol, que estava com sua cabeça deitada nas pernas de Seulgi.

— Sabe, a dois dias entrou um garoto no hospital e eu estou sob cuidados dele. Eu me interessei por ele — Chanyeol diz com a imagem de Jimin em sua cabeça.

— Não acredito que meu namorado está me traindo com um paciente que conheceu a dois dias — Seulgi colocou a mão em seu peito, fingindo um drama.

Ela não tinha motivos para desconfiar, o seu relacionamento com Chanyeol era simplesmente perfeito graças aos sentimentos puros e fortes de ambos. Sem contar que também era uma doutora, conhecia diversos pacientes a cada dia, e cada um com uma história diferente. Entendia bem como era ser cativada por uma pessoa interessante no hospital.

— Amor, ele chegou lá porque ficou seis dias sem comer nada, sem tomar banho, sem sair de casa ou falar com alguém. Ele passou seis dias deitado, esperando, supostamente, a morte vir buscar ele. Eu fiquei sob cuidado dele, e eu não queria tratar apenas a saúde física dele. Ele parecia tão maltratado psicologicamente e mentalmente, eu podia ver isso em seus olhos. Os olhos deles são tão negros e preenchidos com um nada  assustador.

— Chanyeol formado em medicina e psicologia. Esse é meu namorado!

— Bobinha — Chanyeol fez um careta e riu — eu consegui conversar com ele, e me perdoe amor, mas eu tenho um paciente que sabe mais da minha vida do que você.

— Vou fingir que não me importo Park Chanyeol Morto da Silva.

— Não use esses sobrenomes de brasileiros comigo! Dizem que esse sobrenome no Brasil é sobrenome de pobre.

— Park Preconceituoso Chanyeol?

— Eu estou brincando, argh!

— Tudo bem, tudo bem. Continue me dizendo sobre esse garoto.

— Ele tem dezessete anos, o nome dele é Park Jimin.

— Tinha que ser Park.

— Enfim... eu comecei fazendo perguntas diretas, tipo o porquê dele querer a morte, porquê dele ter feito aquilo e tudo mais. Eu sei que as pessoas geralmente não falam, mas tem algumas que acabam falando. E esse não é o caso dele. Eu tive que mencionar muitas coisas. Primeiro eu comecei falando sozinho, perguntava por exemplo se ele gostava de FT.Island, ele não me respondeu e eu esperava um sim, isso me decepcionou. Eu fui citando sobre várias coisas, tão aleatórias quanto você pode imaginar. Em um certo momento perguntei sobre seus sonhos, ele continuou a não me responder. Eu disse para ele que meu sonho era reencontrar minha mãe e que ela aceitasse minhas escolhas. E foi aí que ele se interessou, e me perguntou qual foi a escolha que minha mãe não aceitou, eu disse que ela não me aceitou em casa porque queria que eu seguisse a carreira no exército assim como meu pai e me casasse com a filha do general, e ele bufou e revirou os olhos dizendo que nem ele era maior trouxa que minha mãe. Eu poderia ter me sentido ofendido por ele ter xingado minha mãe, mas apenas perguntei o porquê dele achar isso, e ele me fez a primeira revelação. Disse que também queria ser aceito por sua mãe, e que se tivesse de fazer escolhas como eu tive, ele teria ficado com sua mãe, mas ele disse que ele tinha nascido assim e sua mãe não o aceitava. Eu perguntei para ele se ele tinha alguma doença, é comum ver mães que não aceitam a doença do filho. Ele disse que aos olhos dos pais dele, ele era o pior câncer da vida e finalmente disse que era gay. Amor, aquele menino tem fucking dezessete anos e mora sozinho, trabalha, estuda e tem que se sustentar além de pagar as contas! Cara, ele tem dezessete anos — Chanyeol deu uma pausa para respirar frustrado e se sentou na cama olhando indignado e bravo para sua namorada — e isso não foi a única coisa que ele me disse, ele me contou sobre a morte de um irmão dele, e eu realmente chorei na frente dele, e teve algo que ele me contou também, e foi o que mais me doeu. Ele disse que seus pais ainda estavam separados, e ele estava na casa do seu pai já que sua guarda era compartilhada. Era um final de semana, o pai do Jimin tinha saído com a namorada dele para uma festa, e já que o irmão do Jimin morreu, ele ficou sozinho em casa. Naquela noite, quatro garotos estavam na rua, quase em frente a sua casa conversando, eles eram conhecidos já que moravam na mesma rua, Jimin disse que tinha amizade com dois deles. Os meninos começaram a chamar Jimin pelo portão, e Jimin foi até la ver o que eles queriam, eles apenas começaram a perguntar o que Jimin estava fazendo, e depois de conversarem sobre coisas aleatórias, um dos meninos, tal esse Jimin já tinha amizade, perguntou se ele não tinha medo de ficar sozinho. Para piorar tudo, além de Jimin, naquela época, ter apenas onze anos, era sexta-feira 13 e já se passavam das malditas onze horas da noite. Jimin apenas negou e entrou para sua casa, ele sentou no sofá da sala e começou a assistir um filme. Até que, o mesmo garoto que perguntou pra ele se ele não tinha medo de ficar sozinho, pulou o muro da sua casa junto com outro garoto. O outro garoto tinha uma ligação com o Jimin porque eles eram quase primos, a mãe desse garoto já casou com um tio de Jimin e teve uma filha com ele, mas esse garoto era filho de outro casamento, porém Jimin ainda considerava ele como um primo. Jimin tomou um pequeno susto quando os dois apareceram, mas não ficou com medo já que ambos eram conhecidos. Ele foi até a cozinha e pegou uma faca e apontou para os dois garotos ameaçando matar eles, porém era apenas brincadeira do Jimin já que estava levando a situação na brincadeira. Ele devolveu a faca para o escorredor de louças e voltou para a sala para perguntar o que os garotos queriam, porém assim que perguntou, o seu "primo" avançou em si e começou a beijar ele. Na hora que o Jimin estava me contando essa parte, ele estava tentando mostrar os próprios movimentos naquela noite, e ele parecia tão sufocado mesmo que tenha sido apenas uma encenação, parecia que era o momento real. Ele disse que tentava empurrar seu primo, não era normal aquele tipo de ação. Mas o primo apenas apertou mais a cintura dele e arrastou ele para o quarto próximo da sala, que era o quarto de Jimin. O outro garoto trancou a porta e fechou as janelas do quarto, deixou tudo completamente escuro. O primo dele parou de beijar ele e se afastou, Jimin agora tinha medo e começava a chorar pedindo para que eles parassem com tal brincadeira. E quando ele pediu isso, um dos garotos, qual ele não pôde ver quem era por conta de escuridão, jogou ele no chão e começou a tirar a roupa dele, Jimin começou a empurrar a mão que estava tirando sua roupa, mas o outro garoto veio e lhe deu um chute no estômago, o que causou uma falta de ar nele. Jimin já estava sem roupa e um dos garotos levantou o corpo dele e fez com que ele ficasse de quatro, Jimin começou a gritar pedindo ajuda, usava toda sua voz, mas logo ele foi penetrado. Droga Seulgi! Ele só tinha onze anos merda! — Chanyeol parou de contar e começou a chorar, recebendo carinho de sua namorada, que também chorava silenciosamente — E quando ele estava sendo penetrado, começou a gritar, mas logo outro garoto colocou o lixo que ele chama de pinto na boca do Jimin. Ele disse que mordeu o membro do outro, e ganhou um soco no rosto, fazendo ele ficar tonto. Jimin disse que enquanto chorava baixinho sendo estuprado, ouviu a voz de dois garotos do lado de fora da janela do próprio quarto dizendo que seu pai estava chegando. O garoto deu uma última estocada e a mais dolorida em Jimin, e deixou o quarto dizendo que não era pra contar pra ninguém e que ele não tinha terminado o serviço.

Chanyeol já não tinha condições de falar, chorava feito uma criança. Seulgi tentava consolar ele, mas precisava de consolo.

— Todos no bairro ficaram sabendo porque um dos garotos espalhou, e Jimin ficou com fama de rodado! Saíram boatos como "ele deu pra dois" e ele foi motivo de chacota no bairro todo. Jimin foi obrigado a mudar de escola para não sofrer com tantos comentários. Ninguém acreditava que ele tinha sido estuprado porque os garotos eram conhecidos. E quando eu digo ninguém acreditava, eu digo ninguém mesmo. Jimin levou uma surra do pai dele, dizendo para ele se tornar homem de verdade. Seulgi... — a voz de Chanyeol falhou — ele levou uma surra Seulgi... porque foi estuprado.

— Agora eu... c-compreendo o motivo dele ter f-feito aquilo — Seulgi diz entre soluços, se referindo a espera da morte.

— O pior disso tudo, é que Jimin tem o coração mais bom e puro que já conheci. Depois de dois anos os pais dele se casaram novamente, e ele perdoou os pais, mesmo que ambos não tenham pedido perdão, por terem maltratado tanto de Jimin sendo que ele foi a vítima da história. Você não viu o que eu vi, eu vi um Jimin chorando na cama, quase morto pedindo pelos pais! Isso me machucou tanto, ele pediu pela mãe dele, que além de não ter dado apoio pra ele em um estupro, expulsou ele de casa por ser gay! Ele me contou que sentia falta do pai dele, o cara que além de ter dado uma surra nele por ser estuprado, expulsou ele de casa! Porque o mundo é tão injusto com ele? Foi tão dolorido ver ele chorando pedindo pelos pais. Nunca vou compreender um coração tão bom quanto o dele.

E com essa última frase, tanto Chanyeol quanto Seulgi, deixaram sair todas as lágrimas de si frustrados com a vida do pequeno garoto. Ambos já estavam quase dormindo de tanto chorar, mas antes, Seulgi pronunciou próximo ao ouvido de Chanyeol ainda com sua voz embargada pelo choro.

Cuide dele, amor. Ele precisa.

E assim, os dois foram dormir, com olhos inchados e corações partidos pela vida ser tão injusto e maldoso com as pessoas boas e ingênuas do mundo.


Notas Finais


taquei troll em quem achou que o yeol tava interessado ele de outra forma rsrsrs
yeol te amo
seulgi te amo

ah, e se lembrem que o que acontece com o jimin nessa fic, acontece comigo rs

perguntinha, qual é o nome de vocês?

me: Carol disjdj (n gosto do meu nome)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...