História Encantando o inimigo - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Harry Potter
Personagens Draco Malfoy, Harry Potter, Lucius Malfoy
Tags Drarry, Harry Potter
Exibições 124
Palavras 1.703
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência, Yaoi
Avisos: Estupro, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi minha gente!! Eu preciso dizer que eu to muito emocionada, recebi reviews muito fofas e muita gente favoritou a fic, tudo no primeiro capítulo T.T
Vocês tem alguma ideia de como isso deixa um autor feliz da vida? kkkk
Bom espero não ter demorado muuuuito pra postar o segundo capítulo.
Sem mais delongas... Boa leitura!

Capítulo 2 - Capítulo 2


Draco sentiu um arrepio pelo corpo quando uma passagem de vento se infiltrou por de baixo de suas vestes. Se abraçando ele lançou mais um olhar para os pavões albinos caminhando pelo jardim tranquilamente.

Sempre que precisava pensar, ou apenas relaxar, ele passava horas e horas sentado em um dos bancos acolchoados que ficavam nos jardins. Sua mãe dissera que aquela parte do jardim havia sido construída um pouco depois do casamento dela com seu pai, ela apreciava passar a hora do chá observando o jardim.

Ali ele passará boa parte da sua infância, na maioria das vezes aos pés de sua mãe, uma pequena risada escapou dos seus lábios ao ser tomado pela memória. Ele ainda podia ouvir a voz de sua mãe dizendo várias vezes que correr atrás dos pavões daquela forma ou ficar rolando no chão definitivamente não era atitude de um Malfoy, para logo em seguida estar com ele no chão rindo enquanto dizia que para sorte deles ela era metade Black, claro que ela nunca disse isso na frente de seu pai.

Mais um suspiro, ali era o seu canto da paz, onde se refugiava para se esconder dos problemas da vida. Mas tudo o que estava conseguindo com aquela calmaria era fazer com que a lembrança da noite passada ficasse rondando sua mente repetidas vezes! Ainda conseguia sentir os dedos gélidos do Lorde em seu ombro enquanto o outro falava.

Ele tinha uma missão!

Ele tinha uma missão, e o melhor é que tinha haver com o Potter! Se bem que não sabia se isso era algum tipo de sorte ou não. Não soube exatamente sobre o que se tratava a missão. No momento em que o Lorde iria começar a lhe contar, ouviram um alto estalo de chicote no ar, alguém havia acabado de aparatar no meio do escritório.

“Desculpa Dobby, M’Lord, mas o M’Lord pediu que Dobby avisasse quando o senhor Snape chegasse.” - Disse o elfo completamente encolhido, Draco que olhou de relance para o mesmo, acreditou que se pudesse o elfo sumiria dentro de si mesmo.

Lorde retirou lentamente as mãos dos ombros do loiro. Lançando um olhar mortal para o elfo, que começou a tremer, com um suspiro prolongado Voldemort balançou a mão na direção do elfo.

“Vá, diga para Severus vir.” - No mesmo instante o elfo aparatou da sala, o Lorde contornou a mesa, se sentando novamente na poltrona dos patriarcas da casa. -  “Pode se retirar Draco, no momento certo voltarei a te chamar.” - Lançou um sorriso malicioso para o loiro, que sentiu a alma gelar.

“Sim M’Lord.” - forçando suas pernas reagirem Draco caminhou o mais rápido possível sem parecer estar fugindo para fora do escritório. De alguma forma ele conseguiu chegar em seu quarto. Quando acordou no outro dia encontrou a comida da noite passada intocada na mesa.

Draco soltou a respiração que havia prendido desde que voltara a lembrar daquele momento. Ele não era idiota, ele sabia que isso iria acontecer um dia, da mesma forma que já estava decidido que casaria com uma mulher de puro sangue, estaba decidido que ele assim como seu pai viria a ser um comensal da morte, todos sabiam disso. Mesmo assim… Não estava preparado para cair sob as ordens do Lorde tão cedo, imaginara que assim como os outros, esperariam ele sair de Hogwarts primeiro.

Ele olhou em volta sentindo os primeiro raios de sol aparecerem, ele deveria se sentir orgulhoso não é? Ele compartilhava dos mesmos ideais que o Lorde das Trevas, abominava sangues ruins, acreditava que eles deveriam ser expulsos do mundo mágico, deveriam manter a segurança dos sangues puros, que era onde estava a verdadeira mágica, e se alguns meios… ilícitos eram necessários, pois bem, os fins justificam os meios. Alguns precisavam cair para outros levantarem, sempre seria assim.

E agora ele fazia parte dos meios, não haveria forma de dar mais satisfação e orgulho ao seu pai. Ele iria ajudar diretamente o Lorde a alcançar a vitória, o fim que eles tanto almejavam. Não poderia haver privilégio maior para qualquer bruxo de respeito!

Ele sabia disso tudo, parte dele se sentia em total satisfação, mas essa parte era completamente sobreposta por um medo que estava crescendo no intimo. Os fins justificam os meios, mas os meios do Lorde, às vezes eram um tanto quanto exagerados! E ele se quer sabia tudo o que realmente acontecia por ordens do Lorde das Trevas.

Quem ele estava tentando enganar? Estava completamente apavorado com a ideia de receber a marca da morte, de se tornar um comensal. Draco ainda se lembrava com dor da vez que vira um dos pais dos seus amigos lançar um crucio no cachorro com que estava brincando apenas por diversão. Ficara sem dormir por semanas escutando os choros do cachorro. Ele não conseguiria ele mesmo fazer isso, por Merlin.

Ele estava com um pressentimento ruim sobre essa história, o Lorde estava interessado nele, e ele começava a achar que não somente de um jeito ‘profissional’, sentiu um arrepio na espinha ao lembrar de sua mão passando em sua coxa durante o jantar.

Um dos pavões abriu sua cauda. - “Pavão estúpido, como você se atreve a pensar em acasalar, enquanto eu estou aqui me lamuriando.”

“Draco querido você vai matar o pavão o olhando desse jeito.”

Ele levantou os olhos rapidamente, se deparando com sua mãe em pé ao lado do banco segurando uma xícara de chá em suas mãos. Narcisa Rosier Black Malfoy é uma mulher linda. Poucas as vezes ele vira a mulher perder aquele pose austera, mesmo quando estavam brincando pelo chão. Sua mãe tinha a sutileza e a frieza de um Malfoy, mas conservava em seus olhos a vivacidade afiada dos Black, ela era definitivamente uma mulher forte. Ele sempre achara incrível essa dualidade na personalidade de sua mãe, ele dizia que era refletido diretamente no cabelo da mesma, metade das madeixas era tão escuras quanto de qualquer outro Black, a outra metade era loira como de um Malfoy.

“Está um pouco cedo para estar fora da cama, não?” - Em passos suaves ela se encaminhou até o banco e se sentou ao seu lado.

“Bom dia Mãe” - disse dando mais espaço para ela.

“Há algum motivo para você estar aqui?” Ela olhou de relance para ele, voltando seus olhos para frente, torcendo um pouco os lábios. “E ainda com as roupas de ontem.”

Draco olhou para suas roupas, percebendo naquele momento que de fato não trocara de roupa antes de sair do quarto.

“Eu… estava muito cansado ontem, acabei me distraindo.” - Ele disse um tanto constrangido. Definitivamente estar usando as roupas do dia anterior, isso era completamente deploravel.

Sua mãe lhe lançou um olhar intrigado.

“Seu pai pediu que você fosse ao nosso quarto. Ele deseja falar com você.”

Draco já passara tudo o que ele podia ter feito nos últimos dias que pudesse ter aborrecido seu pai, tirando o fato de ter trocado de lugar na mesa, nada lhe vinha na cabeça.

Ele se levantou tentando desamassar a roupa, ele olhou de soslaio para mãe.

“Eu vou…”

“Draco!” - Narcissa olhou para ele. - “Se você…” - Respirou fundo. - “Caso você esteja tendo problemas com…” - Engoliu seco fechando os olhos, oras… Ela era Narcisa Malfoy, não uma ratinha. Ela puxou uma mão de Draco a segurando firme. - “Draco, se você estiver tendo problemas com o Lorde Voldemort, quero que me conte imediatamente.”

Draco não estremeceu como era comum as pessoas que ouviam o nome dele, ele convivia com o Lorde todas as noites, um nome não lhe traria medo. Mas a forma como sua mãe o olhou, ele soube que não poderia contar a ela, o que é que fosse, não se queria manter a vida dela em segurança.

Ele se aproximou mais dela e depositou um beijo em sua testa.

“Eu não tenho nenhum problema com o Lorde mãe, e mesmo se tivesse, eu seria capaz de resolver sozinho! Afinal eu não sou um Malfoy - Black atoa.” - Deixou um sorriso de escárnio sair.

Narcissa o encarou num misto de orgulho e angústia.

“Não faça seu pai esperar Draco!” - Soltou a mão de Draco com relutância.

“Sim, vou me trocar rapidamente e vou diretamente para lá.” - Disse desviando do olhar dela.

Draco nunca dera muita importância a coisas pequenas, como o quão longo eram os corredores da mansão, ou como havia quadros de todos seus antepassados em praticamente toda a mansão. Não que fosse o momento de prestar atenção nisso agora, ele deveria ir o quanto antes ver seu pai, e ainda tinha que passar no seu quarto antes.

Próximo ao corredor bifurcado que daria para sua ala na Mansão e para ala principal, onde seus pais ficavam antigamente ele deu de cara com sua tia Bellatrix vindo do corredor da ala principal, ela tinha um sorriso nada inocente nos lábios, suas estavam roupas amassadas e o cabelo mais desgrenhado do que normalmente.

“Se não é meu sobrinho preferido!” - Ela se encostou na parede impedindo sua passagem. - “O que você fez exatamente?”

Draco sabia que sua tia não batia muito bem das ideias, mas ela nunca tinha lhe lançando aquele olhar de desdém, e o que era aquilo junto? Raiva? Draco passou a mão pelos cabelos, será que ele não podia fazer uma caminhada pela sua própria mansão sem esbarrar em um louco qualquer. Não podia baixar a guarda em nenhum momento.

“Posso te responder se você me contar sobre o que estamos falando.” - Pressionou os dedos na ponta do nariz.

Bellatrix abriu a boca para dizer algo, mas seus olhos demonstraram uma surpresa diabólica. Com um sorriso louco ela se desencostou da parede, andando em passos largos parou ao lado dele se inclinando.

“Fique sabendo que ele sempre volta para mim garotinho.” - Sussurrou para logo em seguida sair rindo de algo que só ela entendia.

Draco olhou para o corredor onde ela desaparecia, sem entender o que acabara de acontecer ali. Se lembrou que ainda tinha que se trocar antes de ir ver seu pai. Ele correu para seu quarto deixando qualquer lembrança do que acabara de acontecer no fundo de sua memoria.


Notas Finais


Esse capítulo foi bem legal de fazer, entrar na mente do Draco e ver como ele realmente se sente sobre a coisa toda! Bom ele não foi betado ainda, então qualquer coisinha me avisa ok! o.-
Continuem acompanhando!!
Kisses

Ps: O ministério da magia adverte que deixar reviews faz uma autora feliz!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...