História Enciclopédia Do Medo - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bob Esponja, Lendas Urbanas, Mickey Mouse, Minecraft, Pokémon, The Legend Of Zelda
Personagens Bob Esponja, Herobrine, Link, Lula Molusco, Mickey Mouse, Patrick, Personagens Originais, Red
Tags Ben Drowned, Carazi, Found On The Tape, Herobrine, Hypno, Jeff The Killer, Slender Man, Smile Dog, Suicide Mouse, Suicide Squidward, The Rake, User 666
Exibições 29
Palavras 2.693
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Self Inserction, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gostaria de me desculpar pela demora.

Para recompensá-lo, trago hoje a história mais esperada pelos fãs da série.
Já sabe o ritual de iniciação? não!? Tudo bem, vou ensinar:
1 - Leia a história a noite
2 - Apague todas as luzes da sua casa, ou quarto.
3 - Não olhe pra trás.

PS: quando ver o asterisco (*) deixe a música do link seguir tocando paralela a história, para incrementar a experiência de terror psicológico. claro que, se estiver com medo, eu entenderei.

Link: https://www.youtube.com/watch?v=__93D_cJTlY&list=PL0D7F6715D87225D0&index=10

Capítulo 3 - Jeff The Killer - Nova Geração


Fanfic / Fanfiction Enciclopédia Do Medo - Capítulo 3 - Jeff The Killer - Nova Geração

JEFF

 

Nevava naquela pacata cidade no interior dos EUA, luzes vermelhas e azuis entravam no quarto do jovem de pele branca, com o rosto deformado, ele dá um breve sorriso, enquanto retira o facão de dentro do cadáver do qual um dia foi seu irmão.

- Garoto, você está cercado, saia com as mãos para cima! – Fala a voz no megafone.

 O garoto não ouvia nada além dos próprios pensamentos, “Esconda os corpos, Jeff”, “Sorria, Jeff”, “Tudo é tão engraçado, Jeff”, não percebeu quando a equipe da SWAT invadiu a casa onde ele estava.

A equipe era composta por um grupo de 5 homens, cada um portando uma submetralhadora e uma lanterna acoplada na mira, eles avançavam de forma tática, estavam mirando suas armas para a escada a qual levava ao segundo andar do duplex, em linguagem de sinais, o capitão ordena o avanço de 2 homens para averiguar o perímetro, os mesmos acataram a ordem e prosseguiram.

O garoto continuava estático e suas vozes gritavam, “Estão subindo as escadas, Jeff”, “Você tem que matá-los, Jeff. ”

A porta é derrubada num chute e logo os agentes se posicionavam, as luzes das lanternas ofuscavam a visão fragilizada do garoto, o qual via-se obrigado a ignorar as vozes de sua cabeça e levantar as mãos, mas não conseguindo segurar sua risada, doentia e profunda.

 

PETER

 

Peter Oliver tem 21 anos, curtos cabelos loiros, olhos azuis, pele branca, acabara de se formar em medicina, mas tinha de cumprir 4 anos de residência para assumir o cargo de médico, optou pela ala psiquiátrica, era o braço direito de Dr. Simon, médico geral do manicômio St. Mary.

Peter segura seu lanche naquele pacote, enquanto envolve Mia Bastion, sua namorada, em um abraço terno, Mia é linda, tem longos cabelos vermelhos, olhos verdes, corpo esbelto, como os daquelas garotas de anime, confiante, Peter aproxima sua face à dela, deixando-a sem jeito, ela corresponde este ato com sua respiração, ofegante e tentadora, os dois estão com os hormônios a flor da pele, saciam todo seu prazer no beijo que dão em seguida, recuando as faces delicadamente. Ainda abraçados, ela quebra o silêncio prazeroso que o momento oferecia:

-Lasanha de carne.... Fiz com muito amor.

-Minha favorita.

-A Joyce do segundo andar não faz uma lasanha de carne como a minha, faz?

-Mia, a Joyce do segundo andar não faz nada como você.

-Volta para casa.... Tem sobremesa.

-Você é muito tentadora quando quer, sabia? Mas hoje não vai dar, tenho plantão.

-Amor... – Ela fala baixinho no ouvido dele – você não me toca a três semanas...

-E isso é um desperdício, mas acredite, não é por que eu quero. Chegou um paciente novo, não foi encontrado nenhum histórico, vou ter que virar a noite por aqui procurando.

-Sozinho?

-Sozinho.

-Não essa noite. Vou ficar com você.

-Não Mia.... Você tem que descansar.

-Peter, deixa de “viadagem”, sou sua namorada, você precisa de mim agora.

-Ufa, ainda bem que insistiu.

 

ROSS

Ross Stronghold tem 18 anos, cabelos castanhos encaracolados, olhos da mesma cor, estava na sala de espera do manicômio St. Mary, Carlos acabara de ter outro delírio, dessa vez com a sua mãe, ele disse ter a visto sorrindo para ele. “Ross, é a Lara! ” “É a mamãe! ” Os gritos desesperados ecoavam na mente de Ross que foi interrompida pela voz de Simon, o doutor do local:

- Ele já está sedado.

-Obrigado Doutor.

-Garoto, compreendo que Carlos é seu irmão, mas esse não é um ambiente para um garoto de sua idade.

-Certas situações nos obrigam a amadurecer mais rápido.

-Entendo. Quer vê-lo?

-Adoraria.

 

JOYCE

 

-Está com raiva de mim agora?

-Não.

-Está com raiva de alguém nesse manicômio?

-Não.

-Estava com raiva quando matou sua família?

-Não.

-E porque sente vontade de me machucar?

-Não sei.

-E por que quer machucar todos nesse manicômio?

-Não sei.

-E porque machucou sua família?

-Nossa sessão acabou Dra. Joyce.

-Bem... você tem razão Jeff.

 

PETER

 

Peter está no setor de armazenamento de fichas dos pacientes, com o rosto determinado, ele folheia o registro de Jeff Roland, mas não encontra nada além deste sobrenome, tipo sanguíneo, idade, alergias, registro médico, nada além de um mero sobrenome.

-Está tendo sorte? – Brinca Joyce, psicóloga do manicômio há 10 anos, seus 28 anos de idade estão muito bem escondidos em seu corpo e feições, cabelos longos pretos, olhos azuis, sua beleza e aparência jovial são realmente de tirar o fôlego de qualquer homem. (E mulher, quem sabe.)

-Não. Falou com ele?

-Falei.

-Algum progresso?

-Jeff sofre de inúmeros transtornos, dentre os quais posso destacar Transtorno de Personalidade Esquizoide e Antissocial, Transtorno de despersonalização, com tendências a síndrome de solipsismo.

-Poxa, já fez mais progresso que eu. Admirável.

-O que é admirável? – Grita Mia descendo as escadas com fumaça saindo pelas narinas, Joyce se assusta e logo responde:

-Mia, o que faz por aqui? O horário de visitas já acabou há meia hora.

-Então essa é a desculpa pra você ficar com o meu namorado só para você?

-Mia, acalme-se. Joyce, não conta nada para o Simon, ele me engole vivo se souber que ela está aqui.

-Relaxa Pete. Fica entre nós.

-Então ela te chama por um apelido também!? Sei não...

 

 

PRIDE

Pride cambaleia pelos corredores sombrios e inabitados do 4º andar do manicômio St. Mary, seu branco vestido de enfermeira está pintado de vermelho na região da barriga, o sangue escorre em uma velocidade absurda, a mesma pensa em gritar, mas prefere guardar os esforços para descer os degraus e procurar ajuda, mas cada passo parece ser seu último, seus pensamentos a levam para quando ainda era jovem, seu pai, um homem muito religioso, sempre a ensinou os mandamentos de Deus e a importância deles em nossas vidas, agora ela sente na barriga o que o mesmo Deus reservava com tanto carinho.

Seus pensamentos são interrompidos por algo que perfura seu fígado, a mesma solta o grito o qual pensara em guardar, seu sangue espirra e suja as paredes do local, o assassino igualmente sujo, sussurra lentamente em seu ouvido:

-Vá dormir, querida Pride. E que Deus a abençoe.

 

 

JEFF

“Então... Planejou tudo, Jeff? ”

-Sim...

“Cada passo, Jeff? ”

-Sim...

“Poderia recapitular para mim, Jeff? ”

-Mas você sou eu... realmente tenho que explicar algo para mim mesmo?

“Você vai, é uma ordem. E como somos o mesmo, vai me obedecer. ”

-Parece justo.... Então...Tudo começa com a enfermeira Pride, ela acha que está construindo um vínculo afetivo comigo, essas idiotices de seguir a luz de Deus que tanto confortam as pessoas normais, enfim, vou esperar ela baixar a guarda para pegar o sedativo na bandeja, depois que aplicá-lo nela, eu vou matá-la e ir ao 3º piso. É um plano perfeito.

“E o que tem no 3º piso, Jeff? ”

-Não seja tolo Jeff. Nós dois sabemos que é lá onde fica o controle da energia do manicômio

“Mas, achei que só íamos fugir, Jeff. ”

-Preciso fazer uma coisa antes. – A risada de Jeff ecoa por todo o ambiente de seu quarto acolchoado, sua loucura parece ser contagiosa, as veias saltam de seu pescoço mostrando o quão intensa era a sensação a ser experimentada pelo mesmo, seus olhos abrem de uma forma doentia, os quais fitam agora a entrada da enfermeira evangélica, com um sorriso encantador, Jeff corresponde, mas as intenções de seu sorriso são bem diferentes das dela.

 

PETER (*)

Tudo fica escuro, Peter sente-se impotente naquela escuridão, escuta muitos passos simultâneos acompanhados de muitos gritos.

-Peter!!! – Fala Mia, assustada e desnorteada pela escuridão que a cerca.

-Estou aqui meu amor! Acalme-se! Deve ser só uma falha no sistema, vamos para o meu escritório enquanto consertam tudo. Joyce, cadê você?

-Atrás de vocês, Vamos.

E o grupo se junta aos passos, em direção ao escritório.

 

ROSS

-Ross! Eles descobriram que a mamãe tá aqui! Eles apagaram tudo, vão matar a gente irmão!

-Acalme-se Carlos, é só um apagão.            Estão consertando tudo.

-Mentira! Você está mentindo! Eles te botaram contra mim! Você está me traindo! Seu traidor! Traidor!!!

-Ok Ross, vamos saindo, o clima não está muito agradável. Enfermeira! Bote Carlos para dormir! – Diz Dr. Simon levando Ross, o qual ouvia os gritos desesperados do irmão.

Ross e o Doutor dirigem-se a recepção do manicômio, com a visão meio turva, Simon pergunta a recepcionista:

-Algum técnico já foi para a o 3º piso ver o que houve?

-Ainda não. Estamos esperando ele chegar.

-Mas os pacientes não podem. Eu vou lá. Entendo de mecânica.

-Mas o  senhor não tem permissão...

-Tem noção do que é um apagão na mente de cada um desses pacientes? Das teorias altamente elaboradas e perversas que estão cogitando? A mente destas pessoas está danificada, e todo o nosso trabalho depende do progresso de cada uma delas. Como médico chefe deste manicômio, eu me autorizo a entrar lá. Ross, vou precisar da sua ajuda, venha comigo.

 

Os dois agora se veem na escadaria principal, subindo cada degrau com cuidado, o barulho de seus passos ecoa muito por se tratar de um ambiente fechado, em ritmo único, ambos chegam no 3º piso.

Ross distrai-se naquele piso e Simon se adianta rumo a sala de controle de energia, o garoto olha para o lado e vê nos quartos acolchoados, pessoas cujo a sanidade parecia ter sido arrancada, a loucura e o medo as consumia naquele apagão, todas gritando de pavor, Ross não pode deixar de ouvir coisas como:

 “Ele está lá!”,

“Não entre ai!”

“Olhos negros...”

“Pele branca!”

“Sangue em toda sua roupa!”

 

“..... e um sorriso estampado na cara!”

 

Os gritos de Simon são tenebrosos, com um bisturi, Jeff o assassina em uma velocidade impressionante, depois de morto, ele joga o corpo do médico na parede e segue para a sua próxima vítima, Ross pega impulso e corre como nunca correu em toda a sua vida, Jeff desaparece de forma misteriosa, mas isso não parou o garoto.

 

PETER

Peter fica pasmo quando escuta o alerta de emergência, o qual só piorava a situação dos pacientes, gritos, choro, escândalos, o clima só piorava naquele manicômio, ele então decide

- Vou dar uma averiguada, procurar informações.

-Nem pensar amor! Não vou deixar você ir!

- Joyce, a Verônica está na segunda gaveta. – Fala Peter, deixando escapar um breve sorriso.

-Verônica? – Pergunta Mia, confusa.

-O revólver. – Diz Joyce, esboçando um sorriso também.

Peter sai com um bisturi cirúrgico e uma lanterna, deixa o revólver Taurus 410 com as meninas em seu escritório. Ele segue para a recepção, guardando o bisturi no bolso do jaleco, ao encontrar a recepcionista, ele a questiona:

- Onde está o Dr. Simon?

-Foi ao 3º piso verificar o problema da energia.

-Sozinho?

-Levou um adolescente para ajudá-lo, já não sei mais o que se passa na cabeça deste homem. O manicômio certamente afetou seu psicológico.

-Basta. Vou atrás dele.

Dito isso, Peter segue rumo as escadarias, e passado um tempo, lá estava ele no 3º piso.

E o que vê a seguir é Ross com os pulsos ensanguentados, correndo de qualquer forma, seu corpo formigava e lágrimas de desespero saíam de suas retinas e se misturavam com o sangue que espirava absurdamente longe de seu corpo, Peter toma um susto imenso com a cena macabra que estava diante de seus olhos e deixa sua lanterna cair, uma sombra se fazia atrás de Ross, esse que havia escorregado em seu próprio sangue e estava no chão, sem forças. A sombra foi reconhecida por Peter na hora, pois mesmo no escuro daquela madrugada enfeitada por sangue e gritos de lunáticos em desespero, ele podia reconhecer aqueles olhos arregalados, sedentos por sangue, a procura da próxima vítima, aquele sorriso demoníaco, que mordia os lábios pelo excesso de dopamina no cérebro, aquele rosto desfigurado pelo ácido do acidente de sua infância, aquela camisa branca, com a tonalidade vermelha para não fugir da rotina, aquela calça jeans, aqueles longos cabelos pretos assanhados demonstrando sua falta de preocupação com a aparência, era “Jeff, The Killer”, seu paciente há 2 anos no manicômio, agora solto, com o bisturi cirúrgico da enfermeira que havia esfaqueado até a morte.

Peter se levanta num pulo e saca o seu bisturi, e corre na direção de Jeff para detê-lo, o psicopata por sua vez, atinge o nariz do residente com uma cabeçada certeira, fazendo-o sangrar pelas narinas derrubado no chão, Jeff vinha novamente, agora pronto para fazer de seu terapeuta a sua próxima vítima, Peter olha-o levantando os braços com a arma branca em sua mão, e o tempo parou.

De repente não se ouviam mais gritos, e Jeff se movia em câmera lenta, Peter fechou os olhos e esperou pela morte.

(BLAAAAM!)

O som de um revólver fez com que o residente abrisse novamente seus olhos, Joyce e Mia haviam aparecido no último segundo e dispararam contra Jeff, que começava a agonizar, rindo loucamente, seus olhos pareciam saltar do rosto de tão arregalados, e seu sorriso se comportava da mesma forma, a gargalhada do assassino fez todos paralisarem de medo, um frio intenso dominava suas barrigas, até que Jeff finalmente se cala e desaba no chão.

Peter levanta-se, e lembra:

- O garoto! Precisamos socorrê-lo!

 

ROSS

A visão do garoto estava embaçada, ele via vultos de duas pessoas lutando, mas não conseguia formular pensamentos, pois estava perdendo muito sangue, e os gritos dos pacientes do manicômio bloqueavam a calma de qualquer um.

(BLAAAM!)

O som de um revólver alertou novamente Ross, que estava para dormir pela perda de sangue, ele vê um dos vultos desabando no chão e escuta uma voz não tão distante:

- O garoto! Precisamos socorrê-lo!

E o garoto apaga.

 

PETER

- Joyce! Pressão arterial sistólica!

- inferior a 100!

- Droga! Estamos perdendo ele! Me passa o revólver!

-Toma Peter!

- Ok Mia, Joyce, tapem os ouvidos! – Peter dispara para o alto e pressiona o cano da arma no corte de Ross, para cauterizá-lo, O que acaba funcionando.

Peter pega uma gaze e um lápis e amarra tudo no pulso de Ross, e improvisa um torniquete, o garoto acorda 30 minutos depois.

 

RECEPÇÃO DO MANICÔMIO

A energia voltou a funcionar no manicômio, equipes de polícia e perícia forense ocuparam o local, levando o corpo de Jeff, Dr. Simon e Enfermeira Pride para o necrotério, e os envolvidos com as suas mortes Peter, Joyce, Mia e Ross para a delegacia.

 

DELEGACIA DE POLÍCIA

O chefe do departamento de perícia forense Abe Lewis corre às pressas para a sala do detetive Trevor, o qual ficou encarregado de prosseguir com o interrogatório dos envolvidos no caso Jeff The Killer, ele abre a porta de forma desesperada:

- Trevor! Onde estão as pessoas que você interrogou!?

- Ora Abe, acalme-se, tudo correu bem, fiz algumas perguntas para eles, me pareceram inocentes, mandei-os aguardarem na sala de espera enquanto emitia o laudo de liberação para eles irem embora. Estão com o policial Ritcher, não vão a lugar nenhum.

- Descobrimos algo perturbador sobre Jeff! Você tem que isolá-los em quarentena!

- Como assim? Está maluco?

- Jeff The Killer é o indivíduo com o maior grau de psicopatia na história da humanidade! Seu distúrbio é tão grande, mas tão grande, que o simples fato de olhar diretamente para o seu rosto faz com que outros indivíduos saudáveis assumam o mesmo nível de psicopatia, na psicologia, esse fenômeno é tido como espelhamento, e é feito de forma involuntária por indivíduos com alto poder persuasivo, os garotos demonstraram algum sinal desse comportamento nas perguntas que você fez?

-Droga... agora eu me lembro... eles me falaram que ficaram paralisados depois de efetuarem um disparo contra o assassino, disseram que ele deu uma gargalhada profunda antes de falecer.

- Temos que enquadrá-los!

-Vamos rápido!!!

 

Ao chegarem na sala de espera, o que viram foi tenebroso.

O corpo do policial Ritcher estava no chão, desfigurado, com sinais de mordidas, unhas, facadas, e seus olhos fora da cavidade ocular, bolando pelo chão feito de cerâmica, não havia sinal de Peter, Joyce, Mia ou Ross, a única certeza era a de que eles haviam dado continuidade ao legado de Jeff e os assassinatos dessa nova geração de assassinos só estava para começar.

 

 

 


Notas Finais


Essa história tem continuação, você quer que eu poste? deixe nos comentários.

BIBLIOGRAFIA MACABRA

Jeff The Killer (A creepypasta)
Minilua
https://minilua.com/lado-negro-jeff-the-killer/

Eutanásia Mental
http://www.eutanasiamental.com.br/2013/01/jeff-the-killer-historia-original.html

Jeff The Killer (Vídeo que deu origem a lenda – em Inglês- )
https://www.youtube.com/watch?v=l4ZL-57j7fo

Jeff The Killer (vídeo feito por Blog Assombrado)
https://www.youtube.com/watch?v=wezcCVP0ep4

Revólver Taurus 410 (Usado por Peter na história)
https://www.google.com.br/search?q=Taurus+410&biw=1366&bih=643&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjs_Lz_25nOAhVEgpAKHcGHDWMQ_AUICCgD


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...