História Encontro com meu Ídolo 2 - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias David Luiz, Edinson Cavani, Lucas Moura
Personagens David Luiz, Edinson Cavani, Lucas Moura, Personagens Originais
Tags David Luiz, Edinson Cavani, França, Futebol!, Lucas Moura, Musica, Paris, Romance
Exibições 20
Palavras 1.689
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Famí­lia, Musical (Songfic), Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


nos vemos nas notas finais... ;)

Capítulo 2 - CAPITULO EXTRA - David Luiz



Eu estaria mentindo se eu te dissesse
Que eu estou bem
Chega Julho, pensei que tinhamos tudo juntos
Até você dizer:
'Eu preciso de um tempo'
Verdade seja dita
É muito difícil esperar
Um olho no relógio
E um no telefone
São 5:19
Estou me sentindo sozinho
Se eu pudesse falar com você
Eu queria que você soubesse
Eu continuo livre
Mas não estou indo embora
Nós sabemos que eu podia achar que estou louco
Agora mesmo estou sem direção
Eu sei que você disse, "querido, não se preocupe"
Mas eu sinto sua falta agora
Eu disse que eu sinto sua falta agora
Um olho no relógio
E um no telefone
São 5:19
Estou me sentindo sozinho
Se eu pudesse falar com você
Eu queria que você soubesse
Eu continuo livre
Mas não estou indo embora
Baby, leve todo o tempo que você precisa
Eu só quero que você saiba
Eu estarei aqui, esperando
Um olho no relógio
E um no telefone
São 5:19
Estou me sentindo sozinho
Se eu pudesse falar com você
Eu queria que você soubesse
Eu continuo livre
Mas não estou indo embora


    Fiquei naquele aeroporto até ver o avião de Ariane levantar vôo, eu precisava ter certeza de que ela estava mesmo voltando para o Brasil, e quando vi aquele avião já no céu, senti como se minhas pernas perdessem o chão, ela fraquejou e cai de joelho, uma senhora que passava por ali perguntou se eu estava bem, dei um aceno de sim com a cabeça, mas meu coração estava destroçado, naquele momento eu percebi que a mulher da minha vida, a mulher que foi feita pra mim estava novamente escapando dos meus braços, e eu não poderia fazer nada, a senhora que tentou me ajudar por sua vez, percebendo a tristeza em meus olhos disse: “Você sabe muito bem o que fazer, basta seguir seu coração.”, não sei porque mas naquele momento soltei um muxoxo e sorri em agradecimento, levantei-me rapidamente e fui para meu apartamento, no qual dividia com Edinson.

    — E aí dude, como foi? — Perguntou. — Pela sua cara, não precisa nem responder. — Deu um soquinho de leve no meu braço e seguiu para outro cômodo.
    Segui para meu quarto, olhei para o relógio e desviei o olhar para meu celular, Ari e eu havíamos combinado que quando ela chegasse a sua casa mandaria uma mensagem dizendo que estava tudo bem. Sabia que iria demorar um pouco para isso acontecer, por fim fechei meus olhos por um instante, para assim lembrar-me de tudo o que havia vivido naqueles últimos dias, e então adormeci.
    Acordei na manhã seguinte com o barulho do meu celular, e quando visualizei o visor havia uma mensagem que dizia:
"Luiz, cheguei bem e já sinto saudades.
Até mais, exceção¹!"


    Abri um sorriso ao ver que ela havia me chamado de Luiz, ela era a única que me chamava assim, pra falar a verdade ela era a única em muitas coisas, como ser a única perfeita pra mim. Olhei novamente para o relógio, 5h19m fazia exatamente doze horas que ela havia ido embora, eu peguei no sono de verdade, ouvi o barulho do chuveiro da suíte de Edinson ser ligado, com certeza ele estava se preparando para ir ao treino. Levantei-me da cama rapidamente, eu tinha tido uma idéia, e tinha que colocar ela em pratica. Segui para o apartamento em frente, nele morava Lucas e Marquinhos, bati na porta várias vezes e quando ele abriu fui logo falando o que queria.
    — Edinson esta tomando banho nesse momento, e não poderia, você tem o endereço da casa de Clarisse? Sei que vocês ainda matem contanto.
    — Sim, eu tenho, mas porque você quer o endereço da casa da minha... da minha amiga?
    — Eu sei que você e o Edinson estão namorando a Clarisse e a Micaeli, e pode ficar sossegado, não quero ir atrás delas.
    — Tu quer ir atrás de alguém? — Pensou por um momento. — Ah, mas é claro, Edi comentou comigo, a amiga delas, a da banda estava aqui não é mesmo? Você quer ir atrás dela. — Finalizou o obvio.
    — Lucas é sério, eu preciso mesmo deste endereço.
    — Ah qual é cara, se você vai pro Brasil ver sua gata, eu também vou, estou com saudades da minha menina, e aposto que o Edi vai querer ir também, e....
    — Cara, tu não ta entendendo que eu quero ele logo?
    — E tu não ta entendendo que eu vou com você?
    — Pra onde vocês vão? — Edinson apareceu de toalha no corredor — Vi a porta aberta, e vim até aqui fechar quando ouço que os dois vão sair, falem aí, onde vocês vão.
    — O David vai pro Brasil, e eu falei que nós vamos com ele.
    — Sério cara? Então me espera que eu vou com você, estou com saudades da Pin, e...
    — Tudo bem que vocês queiram me acompanhar, mas eu quero ir o mais rápido possível. — Interrompi Edi. — Vocês tem que entender que vai fazer mais de 12 horas que não vejo a Ari.
    — Sinto em te dizer David, o único que esta em vantagem aqui é você, afinal, Edinson e eu não vemos nossas amadas há quase seis meses. — Lucas falou tocando a mão em meu ombro.


    Arrumamos nossas malas rapidamente, mas quando fomos comprar as passagens pela internet descobrimos que a mais próxima que teria seria para a parte da tarde, isso me deixou um pouco irritado, mas confesso que tive outra idéia. Saí de casa em disparada, sem dar satisfações aos meus amigos, uma hora e meia depois voltei para o apartamento, comemos qualquer besteira – como lasanha de microondas, chamamos um taxi, colocamos nossas malas dentro e seguimos para o aeroporto, o vôo não teve atraso, o que me deixou mais feliz, encostei minha cabeça na poltrona e tudo o que eu conseguia imaginar era a cena dela cantando pra mim, adormeci sonhando com a cena.
    Chegamos ao Brasil no dia seguinte, hospedamo-nos num hotel qualquer, mas, eu não queria descansar, queria logo ir encontrá-la, mas os meninos fizeram-me aguardar um pouco, tranquei-me em meu quarto e em vão tentei decorar um discurso; meu nível de estresse estava ficando alto, e foi por isso que bati na porta do quarto dos meninos pedindo o endereço novamente, eles foram comigo até o prédio que elas moravam. Aguardamos o elevador, e ao adentrá-lo aquela musiquinha ambiente estava me deixando mais nervoso. Quando a porta se abriu, nem parecia que eu era o mais ansioso por estar ali, Edinson e Lucas foram os primeiros a sair, e ficaram disputando um lugar na porta do apartamento das meninas, e quando a mesma se abriu vi Clarisse atender, ela apenas gritou por Micaeli, e pulou no pescoço de Lucas, assim que Mica surgiu e viu Edi pulou no pescoço dele selando os lábios, observei aquilo por segundos – que pareceram uma eternidade, logo quando Mica rompeu o beijo Edi gritou para dentro do apartamento com aquele português dele cheio de sotaque que tinha uma surpresa para Ariane. Adentramos o apartamento e logo ela apareceu com os olhos um pouco inchados e de pijama.


    — Luiz, o que você esta fazendo aqui? — Perguntou surpresa.
    — Vim atrás de você é claro — Ela estava imóvel. —, e eles me seguiram. — Apontei para os dois casais que novamente estavam se beijando.
    — Vocês são loucos? — Ela se aproximou de mim, e tocou meu rosto, acho que para ter certeza de que aquilo era real.
    — Sim, só pode ser isso que esteja acontecendo... — Fiz uma pausa, procurando ar em meus pulmões. — Quando você embarcou naquele avião eu senti que meu mundo caiu, e quando o avião começou a tomar o destino tudo o que me veio à mente é que a mulher da minha vida estava dentro dele e que poderia ocorrer de nunca mais eu vê-la, a única coisa que pensei foi vir atrás de você.
    — David eu...
    — Não diga nada, me deixe terminar. — Coloquei o dedo indicador nos lábios dela. — Eu vim aqui porque não poderia deixar você aqui sabendo que outra pessoa pode te encontrar e te roubar de mim, eu sei, isso é meio egoísta, mas você tem que pertencer a mim, por favor Ari, seja minha. — Me ajoelhei e estendi a caixinha, mostrando duas alianças douradas, nelas um coração se completava – metade em cada um, no dela algumas pedrinhas pequenas de diamante, na minha lisa, por dentro os dizeres “eu te amo”. — Case comigo Ariane?
    — Luiz, você não acha isso muito precipitado? Nós moramos tão distante, mal temos tempo de nos ver.
    — Ari, a única coisa que eu: Dadid Luiz Moreira Marinho tenho certeza é que estou te amando, te amo desde o dia em que te vi, se você achar melhor, a gente fica como noivos por um bom tempo, casamos apenas quando você quiser, mas eu tenho que ter certeza que você pertence a mim, unicamente a mim. — Ela se ajoelhou em minha frente, pegou uma das alianças de dentro da caixinha e colocou no meu dedo.
    — Eu te amo desde que te vi jogar no Benfica, e por mais que eu ache isso precipitado não vou deixar meu sonho morrer. — E assim selou-me os lábios. — Na nossa brincadeirinha lá na casa de seus pais, eu percebi que você havia escrito em minha pele “eu te amo”, eu queria tanto ter certeza de que era real. — Ela sorriu. — Acho que você acabou de demonstrar a realidade para mim. — E mais uma vez ela me beijou.
    O beijo foi interrompido pelos dois casais que estavam sentados no sofá batendo palmas para nossa “cena romântica”, as meninas tinham lagrimas nos olhos. Depois de Ariane ter aceitado meu pedido de casamento, pedimos algumas pizzas e passamos o resto da noite nos divertindo, fiquei três dias ali, teria que voltar para França e minha vida de jogos, mas tudo o que importava agora era que éramos noivos, e por mim, muito em breve nos tornaríamos marido e mulher.

 


DAVID LUIZ DESMENTE NAMORO!
“Não namoro Sara, sou noivo de uma linda brasileira, e muito em breve – eu espero, nos casaremos, ‘te amo Ariane’, ele manda mensagem para a noiva em português. - dizia a manchete da revista francesa.


Notas Finais


(1) - A palavra exceção escrita na mensagem, remete a um apelido, por conta da música do Paramore usada no capitulo anterior.


Chegamos ao fim de ECMI 2, faz um tempinho que tenho a parte 3 escrita, mas ela não está finalizada, se em breve eu conseguir finaliza-la postarei para vocês.
Espero que tenham gostado dessa estória, e em breve voltarei com mais uma fic...
Beijinhos. ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...