História Encontro quente entre Poseidon e Deméter - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Mitologia Grega
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Incesto, Metamorfose, Romance, Sexo
Exibições 26
Palavras 1.777
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Misticismo
Avisos: Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir culturas, crenças, tradições ou costumes.

Capítulo 1 - Capítulo Único


Deméter andava sem rumo pelo mundo em busca de sua filha, da qual Hades tinha raptado, e se isso não bastasse ela tinha que viver se protegendo da
cobiça de seu irmão Poseidon. Ela o ignorava, só tinha pensamento em sua filha. Poseidon já estava quase desistindo quando um dia ao segui-la, ele a vê se despindo para se banhar num rio, ele ficou encantado com sua beleza, seus peitos duros e mamilos rosados, sua vagina lisa e sem pelos, sua bunda redonda e reluzente, ele sabia que se ele aparecesse ela o ignoraria então ele teve uma ideia.

Uma vez  Deméter tinha pedido para ele criar o mas belo animal já pisado na terra, Então Poseidon criou o cavalo mas belo da terra mas devido o rapto de Persefóne ela não teve tempo de ver, foi então que Poseidon assumiu a forma de um grande garanhão negro como a noite, forte e brilhante. Talvez não funcionasse mas valia tentar.

Então enquanto ela se banhava Poseidon na forma de um cavalo negro se aproximou do rio e ficou observando.


Até que Deméter notou, ela ficou olhando assustada e admirada com o magnifico animal, por uns minutos ela só observou o animal e notou que ele parecia dócil.

Então ela aos poucos foi saindo do rio, ela não fazia ideia de que era Poseidon e estava encantada com a beleza do animal. Era a primeira vez que ela via um animal tão belo. Aos poucos ele se aproximou dela. Deméter gentilmente acariciou seu rosto e nariz e perguntou da onde ele tinha vindo.


------- Oi garoto, de onde você saiu? Você se perdeu do seu bando de cavalos selvagens, falou Demtéter.


Ela ainda estava curiosa por saber de onde havia saido aquele belo cavalo negro e brilhante como o ébano, ela ficou acariciando seu
rosto por um tempo até que de repente o garanhão lançou a cabeça contra seus seios expostos e o cheirou, Deméter ficou assustada mas não impediu, o garanhão encostou o focinho em seus seios e continuou a cheirar, ela não estava entendendo nada até que o garanhão lambeu seus seios, ela se arrepiou e deu um passa para trás, não entendia o comportamento do animal e já ia se preparar para se vestir e sair quando o garanhão negro foi novamente em cima dela e novamente encostou o seu nariz em seus seios, ela novamente se arrepiou mas dessa vez não se mexeu, o garanhão continuou até que ele desceu até sua barriga e a lambeu, Deméter se assustou e se afastou mas o garanhão novamente foi para cima dela, lambendo sua barriga.


-------O que esta fazendo? falou Deméter confunsa.


De repente Deméter notou que o garanhão estava excitado, ela viu o enorme pênis que começava a sair de sua bainha, essa visão a deixou ainda mas assustada mas ao mesmo tempo excitada, o garanhão continuou a lamber sua barriga e Deméter já não se importava até que o garanhão desceu em sua delicada vagina lisa sem pelos e a lambeu com sua língua áspera a fazendo ter arrepio no corpo inteiro.

-----Ohh pelos deuses, o que se passa com você? O que esta pensando?


Deméter não acreditava no que estava acontecendo, um animal lambia sua vagina, um local que ela não permitia que nem os deuses a tocassem, noqual apenas Zeus conquistou.

Mas ela de alguma forma estava excitada e não entendia porque, a língua do garanhão em sua vagina a fazia morder os lábios de excitação e ter pensamentos perversos e pecaminosos para uma
deusa, ela até tentou desistir tampando sua vagina com a mão e ir embora mas um desejo louco a impediu, ela queria continuar mesmo não entendo o
porque.

A deusa tirou a mão da vagina e o garanhão continuou a lambe-la a deixando molhada, sua vagina se contraia com aquela língua aspera fazendo Deméter dar suspiros de prazer.


----Ohhh, isso, continue não pare, não sei o que acontece mas continue assim, dizia a deusa.


Deméter então se deitou no chão gemendo e começou a acariciar seus peitos, apertando seus mamilos já duros pela excitação, enquanto o garanhão a chupava, ela virou de bruços oferecendo sua bunda ao garanhão, ele não perdeu tempo em lambe-la, ele parecia entender.

Deméter acariciava seu clitóris enquanto o garanhão lambia cada parte de sua bunda, a língua do garanhão grande e grossa do cavalo separou as bochechas de sua bunda encontrando o ânus de Deméter, fazendo a deusa dar um grito de surpresa com a invasão em seu buraco proibido.


------Hummm que cavalo esperto, continue assim com essa lingua, gemia Deméter.


Já completamente entregue ao prazer ela se levantou e se ajoelhou diante das pernas do garanhão, ela olhou aquele enorme pênis negro já completamente fora da bainha e ficou assustada mas ao mesmo cheia de desejo para experimenta-lo, ela tentou desistir mas o desejo mas uma vez falou mas alto. A deusa ainda assustada tocou no pênis do animal com suavidade e o acariciou de cima para baixo repetidamente, o garanhão relinchou de prazer com as delicadas mãos da deusa da agricultura.


--------Tão grande, nunca vi nada assim, dizia Deméter ainda assustada.


Deméter então começou a masturba-lo, ela ficou impressionada que o membro cresceu ainda mais e um gota branca escorreu da cabeça, ela  aproximou os lábios no pênis do animal tocando com a língua, sentindo o líquido salgado envolver seus lábios, ela passou a língua devagar na cabeça e foi descendo até o fim, era um gosto amargo mas ela não se importava.

A deusa continuou a lambe-lo, até que ela se decidiu e mergulhou o membro em sua boca, ela foi chupando lentamente sentindo o membro quente pulsar em sua boca indo até o máximo que sua garganta alcançava, ela chupava avidamenteenquanto com um dedo estimulava seu clitóris.



Deméter continuou a chupar por uns 15 minutos até que o garanhão relinchou e de repente lançou sua semente em sua boca, uma grande quantia de sêmen quente inundou sua boca e garganta, Deméter se assustou mas
começou a engolir o caldo quente o máximo que podia enquanto o resto escorreu pelo pela sua boca e foi caindo em seus peitos. A deusa limpo a boca lambeu os dedos.

O plano de Poseidon estava funcionando melhor do que ele esperava. Deméter não acreditava no que tinha acontecido, enquanto o garanhão se acalmou ela foi ao rio se lavar, ela estava confusa, um misto de prazer e culpa a
atormentava, ela olha para o garanhão e percebeu que ainda tinha desejo com o animal, ela ainda queria algo. Ela queria sentir aquele enorme membro em seu vagina. A deusa saiu do rio nua e brilhante, seus cabelos louros brilharam com o sol, sua vagina ansiava pelo garanhão.  
Ela se aproximou do cavalo e acariciou seu rosto.


----Eu ainda não acabei, ainda preciso de você garoto, preciso desse pênis maravilhoso dento de mim agora, não sei que feitiço colocaram em mim mas preciso de você dentro de mim agora mesmo, implorou Deméter.


E logo depois ela se abaixou nas pernas do do animal acariciando o membro, ela começou alisando o membro com as duas mãos para o levantar novamente, o que não demorou para crescer novamente.
Deméter então entrou embaixo do animal e deu uma lambida na cabeça para para o despertar de vez, então ela começou esfregar sua bunda no pênis do garanhão, ela queria ser montada, mas do que nunca ela desejava aquele pênis estranho em sua vagina, não importando se era de um animal.

Poseidon finalmente teria seu desejo realizado, Deméter segurou firme nas duas pernas da frente do garanhão e posicionou na sua vagina perto do membro do cavalo negro, e com uma mão ela segura o pênis pulsante e o guia na entrada de sua vagina molhada de excitação.


----Humm vai  garoto, vai meu cavalo, eu estou pronta, enfie esse pênis grande em minha vagina, vai vai, agora, me fode, eu preciso disso implorava Demêter completamente excitada.


Era o momento que Poseidon esperava, ele dá o primeiro ataque na vagina da deusa, a fazendo dar um estrondoso grito dedor, dois ataque, três ataques fazendo a deusa gritar. Até que sua vagina foi se acostumando com o tamanho do membro do garanhão negro e a dor foi
sumindo, se transformando em prazer, Poseidon diminuiu seu tamanho para ficar mas fácil a penetração, Deméter não percebeu nada. Ela estava de quatro em baixo do garanhão que a penetrava brutalmente, e apesar de um
pouco desconfortável e da dor a deusa gemia e gritava palavras obscenas pedindo para o animal a penetrar mais fundo, ela queria sentir o mesmo prazer que a mãe do minotauro sentiu.


-----Mais forte, me fode mais e forte meu cavalo, continue assim, não pare, enfie esse pênis maravilhoso até o fundo da minha vagina, me fode mais forte, vai, mais forte, dizia a deusa fora de si.


O pênis do garanhão ultrapassou a metade de sua vagina fazendo a deusa dar um grito de dor. Mas Deméter não estava satisfeita, ela queria mais, ela agarrou as pernas do garanhão e forçou suas partes traseiras para trás,
era queria sentir o pênis do garanhão até o fundo de sua vagina, ela desejava sentir o sêmen quente do animal dentro dela.



-----Isso mesmo, continue, continue, me fode mais e rápido e forte, esta quase meu cavalo, lança seu esperma quente em minha vagina, não parea agora, quero sua semente dentro de mim, por favor vai, me fode inteira, inunde minha vagina.



Por mais 20 minutos Deméter recebeu os selvagens ataque do garanhão até que um caldo quente de esperma inundou sua vagina até chegar em seu útero, o restante começou a escorrer pela suas coxas,
naquele momento ela também chegou ao orgasmo, ela viu tudo em branco e perdeu os sentidos. Ao acordar exausta e dolorida ela olhou em volta e não viu o misterioso cavalo negro, ela pensou que ele deveria ter
ido para a floresta junto de outros cavalos selvagens. Com dificuldades ela se levantou e se banhou no rio, ela estava confusa e envergonhada, com que cara ela chegaria no olimpo depois do que tinha feito? Mas naquele
momento ela pensou em sua filha Perséfone e que seu dever era acha-la, depois veria o fazer. Naquele momento Poseidon voltou a sua forma
humana satisfeito.



Demêter depois descobriu que o garanhão na verdade era Poseidon e ficou furiosa, ela tinha sido enganada e humilhada tanto por Zeus e Hades e agora Poseidon, ela perdeu a vontade de viver mas sua filha a mantinha viva.

Ela ficou grávida de Poseidon e nove meses depois deu a luz a um cavalo imortal, Arion e a uma filha, despina.

FIM
 

 

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...