História Encontros do destino - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dragon Ball
Personagens Goku, Vegeta
Tags Kakavege, Momochii, Yaoi
Visualizações 86
Palavras 4.064
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olha eu aqui com mais uma história ↖(^o^)↗
Eu não ia postar ela agora, terminei de escrever o primeiro capítulo e não resisti (๑ ิټ ิ)
Bom, essa história é diferente do que eu tenho escrito até agora. É em primeira pessoa e quem narra é o Goku, mas talvez tenha capítulos narrados pelo Vegeta.
Não vou dizer que ela está fresquinha, pois eu comecei escrever ano passado. Mas o quê? (O_o) Sim já faz tempo rsrsrs
Eu não estava com muita vontade de escrever ela, mas comecei a escrever aos poucos e foi dando vontade, estou amando escrever ela (。♡‿♡。) Eu gosto muito de escrever em primeira pessoa.
Espero que você também gostem dela.
Bom, chega de papo e vamos ler! ( ^^)人(^^ )
Voltaremos a nos falar lá em baixo (/•ิ_•ิ)/ εïз。*

Capítulo 1 - Primeiro encontro


Fanfic / Fanfiction Encontros do destino - Capítulo 1 - Primeiro encontro

 

Consegui o trabalho dos meus sonhos. Foi uma vaga muito disputada, grandes treinadores estavam presentes, afinal a universidade Corporação cápsula é muito desejada, tanto para alunos quanto para professores, técnicos ou especialista. E eu consegui a minha vaga, como técnico especialista em artes marciais, minha paixão, eu amo artes marciais é a minha vida! Luto desde criança meu irmão me ensinou, ganhei muitos torneios e agora estou aqui nessa universidade onde só tem os melhores cursos e especialistas.

Meu irmão sempre foi rígido em relação aos estudos, mas eu sempre lhe obedecia, ele é minha única família. Eu tenho um segredo muito grande, ninguém sabe nem mesmo o Kuririn que é meu melhor amigo, bom... Eu não sou desse planeta, não sou um terráqueo, quando nasci meu planeta estava em guerra. Outra raça estava tentando tomar nosso planeta e fazer nossa raça seus escravos, meu irmão conta que eles eram muito fortes, essa raça se chamava Arcosiana e tinham um poder absurdo, nossa raça eram os Saiyajins, éramos uma raça guerreira, talvez a mais forte se não fosse os Arcosianos.

Um mês depois que nasci o planeta entrou em guerra, muitos morreram naquele dia e muitos foram levados como escravo, para nos salvar nosso pai colocou Raditz e eu em uma nave que nos trouxe até este planeta. Meu irmão teve que me criar sozinho e estamos aqui desde então escondidos, somos muito fortes muito mais que um terráqueo comum. As vezes penso em meus pais, será que ainda estão vivos? Minhas esperanças já se acabaram, não lembro de meu pai, era muito pequeno para lembrar, mas Raditz fala que sou exatamente igual a ele, deve ser muito difícil para ele.

Já faz quatro semanas que comecei meu trabalho, meus amigos me disseram que iriam fazer uma surpresa para mim, ainda bem que até agora não fizeram nada, eles são meio loucos, sempre me colocando em confusão, mas somos muito amigos desde os tempos da escola, o Kuririn então nem se fala! Sempre esteve disposto a me ajudar quando precisei.

A propósito, eu sou Kakaroto tenho vinte cinco anos ainda sou bem jovem, eu tinha uma namorada a Chichi, mas não deu certo, ela odiava meus treinos e minhas lutas, mas ainda somos amigos.

Não sei o motivo, mas meus amigos me apelidaram como Goku, eles dizem que combina comigo já que eu luto, mas eu acho que estão apenas me zoando, eles são muito engraçadinhos.

Já são quase onze horas e eu estou morrendo de fome, nós Saiyajins costumamos comer muito mais que um terráqueo comum, mas eu me seguro um pouco para não chamar atenção. O que Raditz menos quer é chamar atenção, ele acha que algum Arcosiano pode nos encontrar, mas eu acho que não, ele ficou meio paranoico com isso.

Tranquei minha sala e sai para o refeitório, no meio do caminho cruzei com uma bela de uma mulher, ela tinha cabelos na altura dos ombros e azuis, e que pernas eram aquelas, fiquei lhe olhando passar com aquele lindo rebolado.

— Nossa que mulher é essa! — falei sem perceber a seguindo com os olhos e quando me virei esbarrei em um cara fazendo vários papéis caírem das mãos dele.

— Desculpe! — abaixei ajudando a pegar os papéis, quando olhei bem para sua face, ele parecia zangado, ele tinha o cabelo preto e era bem engraçado, era todo arrepiado para cima, mas não chega nem perto do meu cabelo né que é todo bagunçado e arrepiado. Ele se levanta e deu vontade de rir, mas eu segurei o riso ele era bem baixinho, ou será que eu que sou alto demais?

— Meu almoço foi pro saco! — pegou um saco de papel que estava jogado no chão, depois me encarou.

— Me desculpe! Não foi minha intenção! — lhe entreguei os papéis que peguei.

— É claro que não! Você estava muito distraído olhando para as pernas da minha assistente! — ele ajeitou os papeis e jogou o saco no lixo.

— Ela é sua assistente? Que homem de sorte você, com uma bela mulher daquelas em sua sala! — sorri para ele.

— Homens! São todos iguais! — ué não entendi o que ele quis dizer, ele também não é homem?

— Vai me dizer que não a acha bonita e cá entre nós gostosa! — dei uma piscadinha, e ele apenas sorria — Desculpa pelo seu almoço cara! Venha! Vou lhe pagar o almoço, eu estava indo fazer isso mesmo.

— Não precisa sério! Estou com um pouco de pressa. — ele parecia sem graça e corado?

— Qual é cara vamos lá! — fiz sinal com a cabeça.

— Tudo bem! Eu aceito! Espere aqui eu já volto! — saiu caminhando pelo corredor e eu encostei na parede.

Alguns minutos depois ele voltou e fomos até o refeitório, escolhemos a comida e sentamos em uma mesa para dois, ele estava bem a minha frente e estava meio calado.

— O que você faz aqui? — o fitei nos olhos e dei uma mordida no meu sanduíche.

— Eu sou um cientista tecnológico. Eu invento coisas! — deu um leve sorriso, depois olhou para os lados, ele parecia meio vermelho ou é minha impressão?

— Que legal! E que tipo de coisas você inventa? — esse cara deve ser muito inteligente.

— Sabe esse celular aí que você tem no bolso? — apontou para minha calça com um sorriso, eu peguei meu celular o olhando — Foi eu que o inventei! — ele deu um sorriso de satisfação e eu fiquei impressionado.

— Cara sério? — peguei o celular olhando com atenção atrás dele tinha um V bem grande prateado e no centro da letra estava escrito Tech — Nossa cara que incrível! Esse é o melhor celular que eu já tive! Você é incrível! — o olhei sorrindo e ele deu um sorriso meio tímido.

— Toda a tecnologia VTech pertence a mim! — deu um gole no seu café — Mas algumas coisas eu tive ajuda daquela mulher que você viu, ela não é bem minha assistente, somos uma equipe!

— Aquela gostosa das pernas sexy?! — falei e ele deu uma leve risada balançando a cabeça que não.

— Se quiser eu te apresento a ela! Mas você sabe quem ela é? — apoiou o cotovelo na mesa e a mão no queixo me olhando de uma forma estranha — Ela é a Bulma Briefs a dona desse lugar! — quê? Aquela gostosa que é dona de tudo isso? Perdi a chance, ela é tão rica e eu um pobretão, ele ficou me encarando de uma forma que estava me deixando sem graça, esse cara é bem estranho.

— Eu esqueci de me apresentar me desculpe, eu me chamo Kakaroto, mas meus amigos me chamam de Goku! — estendi a mão sorrindo e ele parecia meio surpreso.

— Prazer me chamo Vegeta! — pegou em minha mão apertando, me olhava sério.

— Eu sou um lutador...

— De artes marciais! — ele me interrompeu terminando a fala — Eu já tinha lhe visto antes, a sua sala fica nos fundos da minha, aquelas janelas que você vê quando sai de dentro são da minha sala! — ele andou me observando? Será que se interessa por artes marciais?

— Obrigado pelo almoço, eu preciso voltar logo! Bulma está me esperando para uma reunião. — se levantou estendendo a mão direita para mim — Foi um prazer te conhecer Kakaroto! — segurei a mão dele percebendo agora que é bem macia.

— O prazer foi todo meu! Você é muito inteligente, eu adoro seu celular! — sorri e o vi sorrindo com as bochechas corando.

Ele fez um aceno e saiu, eu voltei para minha sala iniciando mais um treinamento com alguns alunos.

Já estava chegando a hora de ir embora, eu dispensei os alunos e arrumei a sala, depois sai a trancando, me virei olhando aquelas janelas que ficavam a frente, vi um movimento lá dentro, certamente aquele cara estava lá com aquela gostosa. Quando olhei direito fiquei de boca aberta.

— Safado! Apenas uma equipe, sei! — ele estava em pé de costas apoiado na mesa e a vi abaixada mexendo a cabeça, ele ergueu a cabeça para cima como se sentisse alguma dor. Me afastei depressa dali, não quero problemas para o meu lado, quando sai para fora da universidade, eu gelei. Hoje era o dia, meus amigos estavam ali me esperando, todos tinham um sorriso suspeito. Kuririn me fez uma aceno, me aproximei sorrindo.

— Caras! O que estão fazendo aqui? — olhei para todos que se aproximaram pegando no meu ombro.

— Ora Goku! Hoje é a grande noite não se lembra? Vamos comemorar a sua entrada na universidade. — disse Yamcha colocando o braço no meu ombro com um sorriso suspeito demais para o meu gosto.

Espero que não me coloquem em nenhuma situação difícil. Eles não medem as consequências.

— O que vocês estão tramando? Eu disse que não precisava disso. — Kuririn se aproximou abraçando meu ombro.

— Não se preocupe Goku. Vamos apenas beber como velhos amigos! — Yamcha deu um sorriso batendo a mão em meu braço — Depois tem uma surpresa é claro! — ai! Já gelei com isso. Esses caras são meio doidos.

— Vamos logo, vamos no meu carro. Você tem que comprar um carro Goku! — disse Tenchinhan com um sorriso e rodando as chaves no dedo. — Tem uma surpresa para você dentro do carro Goku. — se afastou e eu vi meu irmão na janela.

— Raditz! — dei um sorriso e ele saiu do carro se aproximando — Você veio até aqui?! — ele me abraçou forte e eu afundei minha face em seu ombro. Fazia tempo que nós não nos víamos.

— Se eu não venho, nunca verei meu irmãozinho! — esfregou a mão no meu cabelo.

— Desculpe! Eu não estou tendo muito tempo livre. — ele sorriu e deu um leve tapa no meu ombro.

— Eu sei irmão não se preocupe com isso! Vamos logo festejar! — ergueu a mão para cima, e os outros também deram um leve grito.

Todos fomos para o carro, quando estávamos saindo, eu olhei pela janela e vi aquele cara sair com uma moto, ele parecia apressado pelo jeito que saiu arrancando a moto. Ele parecia tão tímido, nunca pensei que ele pudesse dirigir dessa forma.

Fomos para um barzinho, onde sempre costumávamos ir, o Imperial, era sempre lotado de gente, o som era legal e o ambiente agradável. Olhei para Kuririn ao meu lado que já sorria feito bobo, ele sempre foi fraco com as bebidas.

— Me dá mais um gole, por favor! — estendeu o copo para mim, já estava falando mole.

— Kuririn! Você já está bêbado! — ele fitou-me sorrindo do nada.

— Deixa de ser chato Goku! — colocou a mão no queixo, eu coloquei mais um pouco da bebida e ele sorriu — Você não vai beber também?

— Você sabe que não bebo! — sorri para ele que se aproxima pegando no meu ombro.

— Você lembra aquela vez que você bebeu? Aquele dia foi “o dia” — nem me lembre disso, eu nunca havia bebido, foi na época que Chichi me deixou, resolvi beber e acabei ficando bêbado, eu não lembro o que aconteceu é claro! Mas me disseram que eu tirei a roupa no meio de todo mundo. Só de imaginar isso eu fico todo vermelho, quando acordei no dia seguinte eu estava deitado no meio da grama. — Você tirou a roupa e ficou lá rebolando com seu amiguinho aí de baixo balançando. Depois ficou gritando o nome da Chichi. — começou a rir colocando a mão na face — No outro dia quando a gente te encontrou, você estava jogado na grama e estava deitado em cima do coco do cachorro.

— Esquece isso Kuririn! — todos na mesa começaram a rir, mas meu irmão estava sério.

— Isso realmente aconteceu? — droga, ele não sabia dessa história.

— Já faz tempo irmão, como você pode ver eu não bebo, foi só aquela vez. — olhei para o lado, vendo as lindas mulheres na pista dançando.

— É foi só aquela vez! — disse Yamcha me dando um tapinha nas cotas — Mas foi pra ficar na história! — começou a gargalhar.

— Foi nesse dia que conheci a Dezoito. — lá vem o Kuririn com o drama — Ela é tão bonita, porque ela teve que me deixar? — começou a chorar encostando a cabeça na mesa.

— Se você fosse até ela pedir desculpas, já estaria com ela ao seu lado. — lhe dei um abraço.

— Mas o que foi que eu fiz pra pedir desculpas? — me olhou fungando.

— Nada Kuririn, mas mulheres são assim! Basta você assumir a culpa e pedir desculpas.

— Mulheres são muito complicadas! — responde Tenchinhan que já estava meio bêbado.

— Acho melhor a gente ir embora! Já chega por hoje, vocês estão bêbados e eu tenho que acordar cedo amanhã — me levantei esticando meus braços.

— Falou o chato! — bradou Kuririn virando o copo na boca.

— Espera mocinho, ainda não terminou, lembra a surpresa que eu te disse? Chegou a hora! — se levantou pegando no meu braço.

— É mesmo a surpresa para ele! — Tenchinhan pegou meu outro braço e foram me puxando para fora.

— Não precisa de surpresa nenhuma! — fiquei assustado, eles não medem as consequências, o que será essa surpresa? De repente vendaram meus olhos e eu não conseguia ver nada.

— Você não pode ver para onde vamos! — escutei Yamcha com um sorrisinho. Sei que estão aprontando alguma comigo.

Me colocaram no carro, senti quando ele andou, acho que andaram por uns quinze minutos. Depois senti que o carro parou, eles não paravam de rir, senti que me pegaram pelo braço me tirando de dentro do carro, não sei onde estávamos, mas ouvi algumas vozes estranhas. Me empurraram para algum lugar, ouvi os risinhos deles, depois escutei como se uma porta batesse e ouve-se silêncio.

— Vai ficar parado aí? — ouvi uma voz masculina calma e baixa.

Tirei a venda dando de cara com a suposta porta, estava meio escuro, me virei procurando pela voz, era uma espécie de motel? Tinha uma poltrona vermelha a direita, arregalei os olhos quando olhei para a esquerda e vi uma barra de pole dance, no que esses doidos me meteram agora? A frente tinha uma cama e olhando bem vi o dono da voz sobre ela. Estava meio escuro não dava para ver direito. Ele estava deitado, depois ficou de joelhos e engatinhou de uma forma sexy demais para o meu gosto. Mas que porra de lugar é esse?

— E então? Você não fala? — ele engatinhou até a beira da cama, depois se levantou e pude ver claramente.

Ele usava uma máscara que cobria a face deixando apenas a boca, a parte do nariz de fora, e os olhos que não dava para ver que cor eram. Usava uma gravata borboleta no pescoço, fui descendo meu olhar, já estava suando frio. Ele usava uma cueca de couro preta, que tinha um suspensório preto que passava por todo seu peito e costas. Caminhou devagar em minha direção, eu me afastei até a porta, quando ele se aproximou pude ver seus olhos com clareza, fiquei deslumbrado. Ele me olhou de uma forma estranha, seus olhos pareciam surpresos em me ver, depois ele sorriu.

— Está com medo de que? — tocou em minha camisa, droga onde eu vim parar!

Olhei bem em seus olhos, eram bem esverdeados, pareciam com a cor do mar e eram atraentes demais para o meu gosto. O cabelo dele, parece que já o vi em algum lugar. Mas onde? Era bem espetado para cima e bem loiro chegava a ser quase branco. Percorri meu olhar de cima abaixo, ele é bem musculoso e sensual demais para um homem, será que ele é mesmo homem?

— O que você vai querer que eu faça para você? — sussurrou em meu ouvido de uma forma que fez meu corpo todo estremecer.

— Não... D-Deve haver um engano! Eu não deveria estar aqui! — me virei tentando abrir a porta, mas estava trancada.

— Você está aqui! Não há engano! — começou a desabotoar minha camisa, ai meu kami!

— Meus amigos idiotas me jogaram aqui dentro! Eu sou Hétero! Não faço essas coisas. — peguei nos pulsos dele afastando suas mão.

Droga! O que está havendo comigo? Esses olhos são tão lindos e hipnotizantes, ele é tão sexy! E eu estou ficando excitado! Mais quê? Eu pensei mesmo isso?

— Sempre tem uma primeira vez senhor Hétero! — sorriu e se virou de costas e meu coração quase saiu pela boca.

Aquela cueca estava aberta atrás, mas que coisa inusitada, como ele consegue usar isso? E que bunda! Essa bunda é redonda demais pro meu gosto, ainda tenho dúvidas se ele realmente é homem, que bunda gostosa é essa! Deu vontade de apertar. Ainda tenho a impressão que já conheço esse cara.

— Sente-se! Eu não vou fazer nada que você não queira, a não ser que você queira! — piscou o olho direito, ai meu Kami! Sem graça me sentei na poltrona e ele se dirigiu para a barra de ferro.

Não me diga que ele vai subir ali? Ai meu kami ele está dançando em frente a barra, agora está deslizando sobre ela, enquanto ele deslizava sobre a barra não tirava aqueles olhos penetrantes de mim. Ele é sexy demais para um homem! Depois de dar várias voltas e fazer movimentos tão sexy que eu não pude deixar de olhar, fiquei até sem fôlego, ele parou e se aproximou devagar, se ajoelhando em minha frente. Fiquei paralisado, hipnotizado com aquele olhar, por uma estranha razão, quis saber o nome dele.

— Como você se chama? — ele me olhou curioso e sorriu.

— Pode me chamar de Prince. E você? — colocou as mãos sobre meus joelhos, fazendo uma pose sexy demais.

— Eu me chamo Ka... Goku! — não vou falar meu nome verdadeiro.

— Esse é mesmo seu nome? — começou a passar as mãos em minhas coxas.

— Sim! Esse é meu nome! — acho que fiquei vermelho.

— Então Goku, não quer experimentar algo novo? — Começou a desabotoar minha calça, ai meu Kami! Ele vai ver minha ereção! Droga, já viu.

— Está bem excitado para alguém que se diz hétero. Apenas com o toque de outro homem? Você tem um bem grande aqui! — sorriu malicioso e tocou em meu pênis.

Passou a ponta do indicador sobre a cabeça, esfregando em cima do pré-gozo que saia. Esse toque fez uma eletricidade subir por meu corpo, despertando todos os meus nervos. O movimento a seguir me fez entrar em chamas e minhas bochechas devem estar super vermelhas agora.

Ele encostou os lábios sobre a cabeça, e foi sugando levemente, vi seus lábios descerem e engolir todo o meu pênis. Isso foi demais para o meu coração.

— Nh... N-Não precisa fazer isso... — ele começou a subir com os lábios e descer, como se estivesse chupando um picolé.

Eu prendi minha respiração, perdi o fôlego. É uma sensação fora do comum, essa boca quente e macia, nossa que delicia isso! Não que eu nunca tenha sentido isso antes, mas ele faz muito melhor que um mulher. Nossa! Acho que vou enlouquecer. Agarrei o cabelo loiro dele, sentido os movimentos que ele fazia.

Quando olhei para ele, estava com seu pênis na mão se masturbando, ele não tirava os olhos de mim. A expressão que estava em sua face, era... Linda demais! O que está acontecendo comigo? Ele é homem, estou me sentindo atraído por outro homem? Senti a boca dele se afastar do meu pênis e lhe olhei, ele tinha uma expressão sofrida, caminhou até a cama, abaixando sobre ela empinou aquele bumbum gostoso.

— Por favor me penetre! Eu não aguento mais, você pode fazer isso senhor hétero? — me olhou com um olhar sedutor e se masturbava com a mão direita. O que há com esse olhar? Está querendo me seduzir? Acho que ele está conseguindo isso.

Levante e me aproximei, não sei o que deu em mim. Tirei o resto de minha roupa, segurei meu pênis fazendo um movimento leve e o esfreguei sobre o botão dele, que era bem rosado. Comecei a empurrá-lo para dentro, o botão dele era bem quente e começou a me sugar. Não estava aguentando aquela pressão sobre meu pênis, me apertando com toda força, é uma pressão gostosa que deixa meu corpo todo arrepiado. Segurei aqueles glúteos macios e comecei a me mover, sentindo essa sensação gostosa tomar conta do meu corpo.

— Aahh... Isso senhor hétero me fode gostoso! — ele empurrou seu quadril para trás pressionando contra meu corpo — Aaaahh! Mais rápido! — Esse cara! Até o gemido dele é sexy, ai meu Kami!

Aumentei ainda meus movimentos, ele estremecia e gemia sem parar, que escandaloso!

— Nh! Aproxima mais o corpo de mim. — me curvei encostando meu peito em suas costas, ele pegou minha mão direita e levou até se mamilo — A-Aperta aqui! — eu apertei de leve com as pontas dos dedos. Ele gemeu ainda mais.

Olhei quele pescoço e não resisti, aproximei e comecei a lhe chupar, continuei apertando aquele mamilo durinho e macio.

— Espere! Mude a posição. — eu parei e ele se afastou deitando de costas na cama e abriu as pernas. Me aproximei e voltei a penetrá-lo, não estou me reconhecendo, isso está muito bom!

Ele puxou meu corpo me fazendo deitar sobre ele, pude sentir as batidas de seu coração, estavam aceleradas, o meu também está, muito.

— Aqui, me toque aqui também. Aaahh... — ele pegou minha mão direita e levou até seu pênis me fazendo segurá-lo, depois fez movimentos de vai e vem, tirou a mão e eu continuei o masturbando, nunca imaginei que um dia iria masturbar outro cara, pegar em outro pênis que não fosse o meu.

Eu não conseguia tirar meus olhos daquela expressão de prazer que ele fazia, aproximei minha face e acabei o beijando, ele abriu os olhos surpresos, depois abriu a boca e eu enfiei minha língua passando por cada canto. Nossa que boca saborosa! Continuei beijando até perder o fôlego, depois voltei a beijar, essa boca macia é uma delícia, é viciante e tem gosto de cereja?

Quem é esse cara? Ele está me seduzindo cada vez mais, estou cada vez mais encantado com ele. Será que ele faz esse tipo de coisa todas as noites? Eu... Eu quero saber o nome dele. Eu quero ver a face dele.

— Me mostre a sua face. — sussurrei em seu ouvido e ele estremeceu, voltei a beijá-lo.

— Não posso! — ele é lindo demais, mesmo com essa máscara eu consigo ver — Eu pensei que você fosse hétero! senhor Goku!

— Eu também pensei! — respondi e ele deu um sorriso, olhei aqueles olhos ficando perdido naqueles brilhos e aquele sorriso.

— Está gostando do que vê? Não vá se apaixonar! — passei as mãos sobre aqueles cabelos amarelos.

— É claro que não vou! — sorri e voltei a beijá-lo.

Continuei me movendo rápido, já fazia horas que estavam assim, até que senti que iria gozar, diminui um pouco a velocidade segurando. Comecei a mover minha mão em seu pênis com mais força e aumentei a velocidade das estocadas, ele contorceu o corpo e gozou com um gemido alto, seu sêmen espirrou todo em minha mão, não consegui mais me segurar e gozei de uma vez dentro dele o sentindo apertar mais o pênis.

Sai de dentro dele e deitei ao lado ofegante, me faltava o fôlego, nunca havia transado assim, foi bem longa e uma sensação maravilhosa.

— Me desculpe por ter deixado sair dentro de você! — fiquei sem graça.

— Não tem problemas, foi uma delicia! — o vi morder os lábios.

Levantei colocando minhas roupas, ele me ajudou abotoando minha camisa.

— Bem, eu tenho que ir! Adeus Prince! — o olhei e ele sorriu, ele é bem gentil e atencioso.

— Foi um prazer e uma delicia Goku! — sentou sobre a poltrona e acenou a mão.

Me aproximei da porta, peguei a maçaneta, fiquei parado olhando minha mão, não sei o que acontece comigo, mas eu não queria abrir a porta e sair dali, fechei os olhos com força, meu coração estava disparado. Girei a maçaneta e abri a porta, atravessei e quando me virei para puxá-la e fechar ele estava me olhando, não consegui tirar meus olhos até a porta se fechar.

Fiquei perdido ali dentro não sabia onde eu estava, procurei a saída, achando minutos depois, chamei um táxi e voltei para meu apartamento. Tomei um banho longo e demorado, depois sai na sacada do quarto olhando as estrelas que brilhavam no céu, aquele cara ainda estava em minha mente.

Eu... Não consigo parar de pensar nele! Meu coração está batendo tão forte agora. O que está havendo comigo? Ele é apenas um cara estranho que nunca vi na vida, porque não consigo esquecê-lo? O que mais me intriga é o fato de querer muito ver a face dele. Aquela boca... Ah! Aquela boca era tão gostosa. Tenho que parar de pensar sobre isso.

Continua...

 


Notas Finais


E aí o que acharam desse primeiro capítulo ( ͡° ͜ʖ ͡°) Já começou quente rsrsrs
Então sobre o próximo capítulo, vou fazer vocês sofrerem um pouquinho ¯\_(ツ)_/¯
Só vou escrever o próximo, depois que eu terminar a fanfic "Depois da vitória". Se não eu não dou conta rsrsrs
Acredito que em duas semanas ela acaba, esperem até lá ( T_T)\(^-^ )
Obrigada por lerem e até o próximo
Beijinhos e abraços (❛ω❛)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...