História Enevoado - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Taekook, Vkook
Exibições 429
Palavras 4.013
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Lemon, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Chegamos ao último capítulo, sos.

Capítulo 5 - Cinco.


Se alguém me dissesse há duas semanas que Kim Taehyung estaria na sala de estar da minha casa, jamais acreditaria.

Era apenas um desejo secreto que eu nunca tinha proferido em voz alta, e afirmaria com toda a certeza do mundo que seria algo impossível de acontecer, mas, a vida realmente é uma caixinha de surpresas. Nós nunca estamos preparados para o que pode acontecer, não temos ideia do que o futuro nos reserva, e basicamente, não existem maneiras para se preparar para algo desconhecido. E lá estava Taehyung sentado no meu sofá, olhando para mim como se eu fosse a criatura mais bonita do planeta.

Era engraçado, mas consegui deter o meu nervosismo quando me sentei ao seu lado e começamos a conversar. Nós tínhamos um gosto muito parecido, gostávamos do mesmo estilo musical, dos mesmos gêneros dos filmes, de frequentar os mesmos lugares nos finais de semana, e além de tudo, gostávamos um do outro. Eram conversas genuínas e acompanhadas de Coca-Cola e música de fundo. As risadas, algumas vezes, cortavam o ambiente de forma livre, e nós não estávamos preocupados com o que os vizinhos iriam achar da nossa pequena reunião barulhenta, considerando que a minha casa era sempre tão silenciosa.

Mas, às vezes, é bom quebrar a rotina, modificar a normalidade e trazer um pouco de novidade para nós. Às vezes é bom estar se sentindo confortável perto de uma pessoa extremamente especial e que você, de repente, passa a confiar e sente vontade de dizer tudo o que sente e pensa. E eu disse. Disse que tinha me acostumado a passar tanto tempo sozinho porque meus pais viajavam bastante, também contei sobre os remédios que precisei tomar por um tempo e que já não eram tão importantes assim na minha opinião, contei sobre a primeira vez que me senti sozinho de verdade aos quinze anos, e tive uma vontade esquisita de me jogar na frente de um carro na intenção de acabar com tudo de uma vez e ficar livre. No entanto, também contei sobre como eu já me sentia melhor, como gostava de ouvir músicas, como tinha vontade de trabalhar num planetário algum dia só para ficar bem próximo de todos os segredos das estrelas que tanto me atraia, e como gostava de desenhar.

— Posso ver seus desenhos? – Taehyung pediu, os lábios molhados de Coca-Cola e os olhos brilhando de expectativa.  

Não costumava mostrá-los para ninguém por puro receio de ser julgado, mas me levantei do sofá e direcionei-me para o meu quarto, peguei o caderno no interior de minha mochila e retornei, encontrando o garoto da mesma forma que tinha visto antes, os olhos cheinhos de expectativa.

— Olha, só para esclarecer, não sou o melhor desenhista do mundo, na verdade, estou bem longe disso e, eu desenho porque realmente gosto, me sinto melhor... – falei um pouco incerto. — Não espere desenhos maravilhosos já que...

— Jeongguk. – Ele falou, me fazendo olhá-lo diretamente. Posicionou os dedos na ponta do meu queixo e inclinou o rosto na direção do meu para depositar um selo de leve em meus lábios. Senti o mundo parar no mesmo instante. — Se você desenhou, está maravilhoso, ok? Não menospreze o seu talento.

Apenas assenti e lhe entreguei o caderno ainda anestesiado com aquela aproximação. Era inevitável, sempre me sentiria completamente balançado quando ele inventasse de chegar assim de mansinho, me deixando com o coração afoito. Seus dedos abriram a capa do caderno e, eu só fiquei observando suas expressões enquanto analisava meus desenhos com o máximo de atenção possível, e se eu fosse considerar os seus olhos se arregalando e os lábios se abrindo devagar, provavelmente ele estava gostando do que estava vendo. Comecei a desenhar desde muito novo e buscava alguns tutoriais na internet para tentar me aperfeiçoar, não era nada profissional, nem de longe, mas sabe quando você faz algo com todo o coração? Era o que acontecia todas as vezes que eu ousava segurar um lápis e deixava a imaginação fluir.

Taehyung virou várias e várias páginas e suas expressões continuavam da mesma forma, até que, de repente, olhou para um desenho e aproximou o caderno ainda mais de seu rosto. Prendi um sorriso quando notei que era o desenho que havia feito na escola no dia das olimpíadas dos alunos. Eu havia desenhado Taehyung. Ele subiu o olhar e fitou-me.

— É... É você. Eu gosto de te desenhar. – confessei.

— Você realmente não tem noção da dimensão do seu talento. – falou inteiramente surpreso. — Sério, você realmente não tem... Isso tudo é tão maravilhoso. 

— Eu tento, sabe. Pretendo me matricular futuramente num curso onde poderei me aprimorar ainda mais, por enquanto, é isso aí que você está vendo...

— Estou me sentindo bem. Muito bem, na verdade.

— E posso saber o motivo? – perguntei.

— Porque eu realmente achei que iria encontrar um monte de desenhos do Tony Stark. – riu. — Mas... Acho que estou na vantagem, não?

Ele me fez rir de verdade.

— Talvez esteja.

— Olha... – Ele posicionou o caderno na mesinha de centro e segurou uma das minhas mãos. — Tem o meu apoio com os desenhos. Não existe nada melhor desse mundo do que fazer algo que gostamos muito.

— Você tem razão.

— Eu acho que quero ser escritor.

— Queria ler algo seu.

— Já escrevi sobre você. – confessou.

— É sério? Tipo, sério mesmo? – Eu já era um pouco curioso por natureza, mas só de pensar que ele tinha reservado alguns minutos do seu dia para escrever sobre mim, só conseguiu me deixar curioso ao extremo.  

— Sério, sério mesmo. – apoiou o cotovelo no encosto do sofá, ajeitando a postura só para poder me olhar melhor.

— Então também estou na vantagem. Ou você, sei lá, também escreve sobre o Homem Aranha?

— A minha admiração pelo Homem Aranha não é nada se for comparada pela admiração que você sente pelo Homem de Ferro.

— A minha admiração pelo Homem de Ferro não é nada se for comparada pela minha admiração por você. – admiti com o rosto queimando e sem saber muito bem o que fazer com as mãos. Ele continuava me olhando, um sorriso discreto no cantinho dos lábios.

E enquanto comer doces no alto do shopping era a cara de Taehyung, me declarar citando o meu herói favorito era a minha cara. O Tony Stark era incrível sim, acho que ninguém poderia negar esse fato, mas... O Taehyung... Eu nem tinha como descrevê-lo. Ele era o garoto que realmente me deixava completamente descontrolado.

— Profundo. – Ele disse.

— Qual é, não tem como ser mais romântico que isso! – ri.

Taehyung riu. E eu ri de novo. E ao rirmos juntos, percebi que as nossas risadas se combinavam impecavelmente. Nunca tinha parado para pensar que risadas poderiam funcionar tão bem assim quando eram unidas, e pela primeira vez que isso aconteceu, fiquei meio pasmo. Acho que Taehyung percebeu também porque segurou a minha mão e acariciou os dedos devagar enquanto me fitava daquele jeito que só ele conseguia me fitar, me fazendo prender a respiração – porque eu sempre fazia isso quando ele estava por perto – e me deixando levemente acanhado.

Mas foi rápida a maneira como ele inclinou seu corpo na minha direção e me roubou um beijo, e também foi rápida a maneira como eu segurei sua nuca e impedi que ele desgrudasse seus lábios dos meus. Por outro lado, foi devagar a maneira como os nossos lábios permaneceram se tocando e o jeito como seu corpo foi se deitando sobre o meu naquele sofá espaçoso. A quentura de sua pele em contato com a minha, o cheiro agradável que escapava dos fios de seus cabelos castanhos me fizeram fechar os olhos com extrema força para sentir tudo o que eu deveria sentir. Aquele momento estava sendo tão especial que meu coração não parava de estremecer no meio do peito.  

Não estava achando estranho estar em um momento tão íntimo assim com ele, porque, veja bem, Taehyung era o primeiro garoto que eu gostava de verdade. Não me sentia confuso e nem receoso, embora meus dedos estivessem tremendo um pouco por conta do nervosismo. Seus lábios estavam me proporcionando vontades tão incontroláveis e intensas, que me entreguei de verdade porque senti que era a hora certa.

 Eu queria que fosse ele. Precisava que fosse.

Minhas pernas circundaram a sua cintura com suavidade. Nossas línguas se encontraram em poucos instantes depois, e aprofundar ainda mais o beijo pareceu a coisa certa a se fazer. Eu senti o gosto de Coca-Cola em sua boca e por algum motivo, isso me tirou ainda mais do sério. Suas mãos começaram a passear pela minha cintura, e logo seus dedos estavam embaixo do meu casaco, entrando diretamente em contato com a minha pele, onde todos os poros do meu corpo se arrepiaram. O beijo intenso era a resposta de que eu estava aprovando cada estímulo inesperado. Ele percebeu que seus toques me deixavam completamente sensível e se aproveitou disso quando, muito injustamente, cravou de leve as unhas em meu abdômen, arranhando-o apenas para me ver interromper o beijo e soltar um ofego.

— Você gosta quando eu faço isso? – perguntou para provocar, como se não tivesse visto a minha reação. Um sorrisinho satisfeito brotava no cantinho de sua boca quando repetiu a ação, os dedos subindo e descendo enquanto nossas testas estavam juntas.

— Você é cruel. – respondi, meio risonho, meio arrepiado, e muito excitado.

— Jeongguk, você é com certeza o garoto mais bonito desse mundo. – disse pertinho de mim.

Eu não me achava bonito, mas havia algo no tom de sua voz que me fez acreditar que eu era bonito de verdade aos seus olhos, e que ele gostava de olhar para mim como havia confessado quando estávamos mais próximos do céu naquela noite enevoada, assim como eu também gostava de olhá-lo todas as vezes que eu tinha a chance. Então, eu meio que sorri, sentindo aquela adrenalina familiar tomar um espaço ainda maior dentro de mim e voltei a beijá-lo.

 De repente, tudo se resumia a Kim Taehyung. E eu estava mais do que satisfeito com essa realidade.

Não sei exatamente quando foi o momento em que seus dedos desceram o zíper do meu casaco, livrando-me daquela grossa camada de roupa que sempre desempenhara o seu papel tão bem, mas que se tornara completamente desnecessária naquele momento em especial. Taehyung também se livrou de seu casaco, e assim, sem tantas camadas de roupa em nossos corpos, eu conseguia sentir o seu calor ainda mais. Meu pescoço foi sendo coberto de beijos demorados e deliciosos enquanto eu murmurava o seu nome baixinho, tentando manter a minha sanidade mental, mesmo que naquele momento parecesse ser algo impossível.

Foi em um piscar de olhos que quase todas as nossas roupas foram parar no chão da sala, ele em cima de mim com os lábios avermelhados por conta dos beijos, o rosto levemente corado, os olhos felinos fazendo mil declarações de amor. A verdade era que, quando Taehyung inventava de olhar para mim durante as ações, era como se o meu âmago fervesse de todas as formas possíveis. Nós estávamos conectados de um jeito único. E era tão bonito.

Nossas ereções despertas entraram em contato no exato momento em que Taehyung livrou-se da última peça de roupa em meu corpo, e tirou a sua boxer logo em seguida de um jeito tão sensual enquanto sustentava o olhar em mim. Eu nunca tinha ficado tão exposto na frente de alguém antes, mas naquele momento, aquilo não se tornou uma preocupação nem de longe, mesmo que eu fosse consideravelmente tímido. Sentir o seu corpo quente no meu era uma das sensações que eu jamais conseguiria me esquecer. Havia tanto carinho e cuidado que me senti, de certa forma, protegido. Eu acreditava que Taehyung conseguia escutar as batidas desenfreadas do meu coração.

 As pontas dos meus dedos cravaram em suas costas quando seus lábios foram descendo pelo meu abdômen. Ele não se preocupou em ir rápido, na verdade, a calmaria estava se fazendo presente naquele instante. Senti o toque quente de sua língua em minha virilha, me fazendo morder o lábio com força. Um sorrisinho travesso estava brincando em seus lábios quando eu tomei coragem para abrir os olhos e o flagrei olhando fixamente para a minha ereção desperta. Engoli em seco.

Então, seus olhos voltaram para o meu rosto quando seus dedos me envolverem e todo o ar escapou de meus pulmões em uma fração de segundos. Eu não conseguia pensar em absolutamente nada, apenas observava aquela cena incrível, o calor de seus dígitos em um lugar completamente sensível. Me senti pulsar quando ele iniciou uma masturbação lenta. Eu estava em êxtase. E achei que aquelas sensações intensas não havia como aumentar, mas no momento em que ele passeou a língua na minha glande úmida, eu gemi. Gemi de um jeito manhoso que o fez gemer em seguida. Acho que soltei um palavrão e ele riu baixinho próximo ao meu membro, as mãos ainda realizando movimentos de subir e descer.

— Está bom? – perguntou.

— Você não faz ideia... – respondi meio chorado.

Foi nesse instante que eu descobri algo muito importante e que deveria ser levado em consideração: Taehyung gostava de me torturar, de ver a expressão em meu rosto quando eu sentia prazer porque, de repente, ele abocanhou o meu membro, e eu soltei um gemido mais alto ainda. A sensação de sua boca quente e úmida me fez delirar, os sons molhados e quase obscenos eram escutados por nós, assim como a minha respiração completamente afoita. Meus dedos estavam cravados no estofado do sofá, os olhos meio lacrimejados por conta das múltiplas sensações extremamente prazerosas que eram demais para que eu conseguisse lidar. Sua língua estava brincando em minha glande de um lado para o outro quando seu olhar brilhou assim que se encontrou com o meu, e eu juro que nunca vi uma cena tão excitante assim em toda a minha vida.

— Eu... Ah, eu... – senti que iria me desfazer em sua boca, mas Taehyung se afastou, fazendo um carinho de leve em minha coxa.

— Agora não, Jeongguk.

Minhas pernas voltaram a circundar sua cintura quando ele deitou sobre o meu corpo outra vez, e tornamos a nos beijar ao mesmo tempo em que minhas mãos iam explorando cada parte de sua pele cheirosa. Eu estava bem alterado devido ao prazer, todas as minhas ações eram por conta do meu instinto, e ainda sentia claramente aquela sensação de formigamento quando vi que Taehyung levou os dois dedos para a minha boca. Suguei-os com vontade, olhando-o no fundo dos seus olhos. Avistei o reflexo do meu rosto neles quando escutei Taehyung deixar um gemido escapar de sua garganta assim que mordisquei a ponta de um de seus dedos.

Meus lábios foram tomados novamente, dessa vez, era um beijo intenso, célere, feroz. Meu corpo sendo afagado quando o primeiro dígito começou a acariciar a minha entrada e adentrar-se suavemente. Taehyung não interrompeu os beijos em momento algum, a outra mão permanecia segurando a minha cintura e fazendo pequenas carícias para distrair-me. A sensação era incômoda, não poderia negar, mas o prazer falava muito mais alto. Quando o segundo dedo estava em meu interior, mordisquei o lábio de Taehyung entre o beijo e senti uma gota de suor escorrer em meu peito.

Os dedos moveram-se conforme eu relaxava, o ritmo do beijo permanecia fervoroso. Deixei um gemido saltar de meus lábios quando seus dedos saíram de dentro de mim para, logo em seguida, sentir o membro de Taehyung próximo à minha entrada. Quando ele abandonou meus lábios para atacar meu pescoço, chupando cada parte dele e não se preocupando se deixaria marcas ou não, ele colocou-se para dentro de mim.

Era diferente dos dedos, eu sentia um pouco mais de dor, mas ainda assim, não era o suficiente para que eu implorasse para interromper aquele ato tão bonito e repleto de carinho. Taehyung permanecia aguardando para que eu me acostumasse com a sensação de ser invadido, era mais do que evidente que o seu membro estava muito apertado em mim, o que exigia certo esforço para que ele não começasse a se mover.

Quando minha ereção fora tocada outra vez, minha mente se enevoou. Sussurrei seu nome me sentindo completamente febril. Em todo o momento, Taehyung foi extremamente gentil e ia agindo com muita cautela, prestando atenção em todas as minhas reações. Na medida em que seus toques se tornavam mais intensos, ele forçou-se dentro de mim com a maior delicadeza possível. Senti minha coxa ser apertada enquanto ainda era beijado, até que, finalmente, ele moveu-se em meu interior.

Os primeiros movimentos foram pausados e eu me entregava, minhas unhas firmes em sua pele, o peito subindo e descendo conforme eu respirava. Soltei um choramingo num misto de dor e prazer e ouvi um grunhido de Taehyung quando mordi seu lábio inferior.

Vagarosamente, a dor ia diminuindo cada vez mais e o prazer prevalecia, e percebendo isso, Taehyung iniciou movimentos com um pouco mais de ritmo enquanto ainda se preocupava em continuar me masturbando com afinco. Boa parte do meu corpo formigava com muito mais força e tudo era intenso demais. Ele beijou minha bochecha, pescoço e clavículas e ao mesmo tempo se afundava em mim com mais força e cada vez mais fundo. Ouvi seu gemido de aprovação, os movimentos de seus quadris tornaram-se mais rápidos, meu corpo movia-se lentamente no estofado a cada estocada.

— Ah, Tae... – tentei proferir o quanto aquilo era gostoso, e o quanto estava me deixando louco, mas as palavras morreram em minha boca.

Entre os fios úmidos da franja caindo acima de um dos meus olhos, consegui enxergar com perfeição Taehyung fechando os olhos enquanto uma das mãos agarrava firmemente minha cintura, e seus ofegos e grunhidos que eram como melodia para os meus ouvidos. Minhas pernas em volta de sua cintura meio que incentivavam que ele continuasse com os movimentos incessantes, intensos e rápidos.

Permiti-me atacar seu pescoço distribuindo várias mordiscadas, enquanto sentia claramente espasmos se espalhando pelo meu corpo. Ele olhou para mim de um jeito bonito, mordendo o próprio lábio. Seu rosto, tão próximo do meu, seus lábios entreabertos, sua respiração afoita e rápida. Com certeza, o que eu estava sentindo deveria ser considerado uma das melhores sensações do mundo.

Foi quando senti tudo ao meu redor perder o foco, a mente adotando um branco e os espasmos cada vez mais intensos, seguido de um arrepio que percebi que sujei a mão de Taehyung com o meu esperma. Ele sorriu para mim, deixou um beijo em meu queixo e não precisou de muitas estocadas para que eu sentisse o garoto mais lindo da face da terra se desfazer em meu interior, soltando um gemido lento e arrastado que fez meu coração simplesmente interromper as batidas no peito. Em cima de mim, ele ficou quietinho enquanto tentava se recuperar, os músculos se retesando. Percebi que tremíamos um pouco quando o completo silêncio prevaleceu em minha casa, e então, permiti-me beijar o topo de sua cabeça.

— Isso foi... – Ele começou depois de um tempo.

— Eu nem sei, acho que não existem palavras que possam descrever o que acabou de acontecer aqui. – falei. Ele sorriu e assentiu ao mesmo tempo, mas visivelmente exausto. — Que tal uma soneca? – sugeri.

— É um convite e tanto.

Ajeitamo-nos no sofá enquanto ainda sentia meu coração bater de um jeito meio errado e meio certo. Ele enterrou o rosto na curva de meu pescoço, depositando um beijo na minha pele orvalhada de suor enquanto os dedos subiam e desciam em meu braço. Mas, antes de eu pegar completamente no sono, ele se mexeu de leve, aproximando os lábios de minha orelha.

— Eu quero te perguntar uma coisa... – Ele falou, mordiscando o lóbulo logo em seguida.

— Hmm?

— Se eu supostamente te pedisse em namoro, assim, será que você aceitaria? – perguntou um pouco sem jeito.

Eu me virei, olhando fixamente para o seu rosto. Os cabelos castanhos meio bagunçados, os olhinhos felinos fixos nos meus. E é realmente muito engraçado como uma pergunta pode mexer tanto com a gente. Meus sentimentos estavam aflorados, assim como a sensibilidade tomava conta de mim. Com o dedo indicador, acariciei sua bochecha um tanto rubra por conta do esforço e lancei-lhe um sorriso.

— Se você supostamente me pedisse em namoro, sim, eu aceitaria.  

— Então... Aceita? – arregalou os olhinhos e abriu um sorriso tão bonito que senti-me esquentar.

— Supostamente? Ou... Oficialmente?

— Oficialmente. – Segurou a minha mão, fazendo carinho nos meus dedos. Em momento algum ele deixou de olhar para mim, mesmo que se mostrasse um tantinho apreensivo. — Namora comigo?

— Óbvio que sim. – ri soprado.

Depois de nos beijarmos uma centena de vezes, o cansaço realmente não quis nos deixar em paz, o sono foi ficando cada vez mais forte. Mas, antes de eu fechar os olhos, admirei cada pequeno detalhe de seu rosto tão bonito porque, eu iria desenhá-lo daquela forma no dia seguinte, assim que a claridade despontasse em minha janela; os olhinhos fechados, os lábios entreabertos, os cabelos caindo na frente do rosto como uma delicada cascata.

E também tive a certeza de que nada poderia ser mais bonito do que isso.

 

-

 

— Então, quer dizer que Namjoon nos ajudou? – Taehyung perguntou interessado. O céu se mostraria alaranjado já que a tarde estava se despedindo, mas tudo o que víamos era uma grande massa cinzenta brincando no céu.

— Mas é claro, ou você acha que aquele papo de que ele iria ao cinema comigo, mas não pôde por conta de um compromisso foi mesmo verdade? – ri. — Ele percebeu que eu sentia alguma coisa por você e me fez confessar... Daí, antes mesmo que pudesse piscar, já tinha um encontro com você no cinema.

— Então é por isso que ele nos olha com um sorriso sempre que estamos juntos na escola.

— É, ele é um bom cupido, muito diferente de você que não consegue juntar o Hoseok e o Yoongi de uma vez. Conte ao Namjoon, ele provavelmente vai fazer com que os dois saiam também. – sugeri.

— Vou me aposentar desse lance de cupido e deixar pro Namjoon. – riu. — Mas, então, está aqui. – Ele me entregou o seu caderno repleto de escritos. E no décimo oitavo andar, meu olhar parou em uma página cuja caligrafia caprichada me chamou atenção. O título bem acima da página, pareceu coruscar. — Esse texto, bem, ainda não tínhamos nos aproximado tanto, mas acho que você vai gostar de ler, espero...

Respirei fundo e fixei o olhar em sua caligrafia. Meu coração, por algum motivo, se encontrava descompassado. Umedeci os lábios e levei ar para os pulmões.

 

“A distância que quero ultrapassar.”

“Acredito que foi o sorriso suave que me tomou, ou talvez os olhos curiosos que fitavam as pessoas com sutileza numa distância quase questionável. Quando alguém consegue te capturar sem ter a intenção, você se vê de mãos atadas. Percebi que, quando o garoto de cabelos preto sorri, eu me sinto satisfeito. Ele é a beleza. É a pessoa que, por alguma razão ainda desconhecida por mim, consegue fazer com que eu me sinta em paz. Ele é sereno. Eu sou elétrico. Ele é tímido. Eu sou desinibido. Ele olha para mim e ri das minhas piadas. Eu olho para ele e contemplo sua serenidade. E dessa forma, combinamos. Talvez ele ainda não saiba disso, mesmo que às vezes eu o pegue olhando furtivamente para mim. E aí, exatamente nesses momentos, imagino como seria bom encostar a minha boca na dele e olhar bem dentro daqueles olhos que mais se assemelham a pequenas estrelas, justamente aquelas que fazem o maior espetáculo no céu durante a noite. Há beleza. Ele é a beleza. Talvez ele não saiba, mas espero que um dia, possa me ouvir dizer.”

Taehyung.

A névoa pairava sobre toda a nossa cidade, e o frio já era constante quando terminei de ler.

— E é exatamente isso, você é a beleza. – puxou-me para um abraço e aproveitei para me encolher no calor de seus braços, e com um sorriso, tomei seus lábios.

Kim Taehyung havia conseguido ultrapassar a distância, e também havia conseguido me ganhar de uma vez por todas.

E nunca tinha me sentido tão completo em toda a minha vida.


Notas Finais


FIM <3
Quero agradecer por terem lido, pelos comentários e favoritos! ♥

Espero que tenham gostado, meus amores!
Até a próxima!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...