História Enfim.. - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Ambre, Castiel, Iris, Lysandre, Personagens Originais, Priya
Tags Amor Doce
Visualizações 41
Palavras 770
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yuri
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Dificil? Sim.. mas espero que gostem
Agradecendo a ~LaisaGomes pelo favoritos S2
Boa leitura

Capítulo 38 - Um adeus...


Fanfic / Fanfiction Enfim.. - Capítulo 38 - Um adeus...


 Adhara 

 


 
Pela noite dormi pesadamente devido aos sedativos que me deram. Assim que a máquina fez o típico som que todos temem, entrei em desespero, chamando por seu nome, mas tendo certeza de que ele não responderia. 
- O que o mantém ele vivo são os aparelhos, pois entrou em um coma profundo. Se não acordar dentro de uma semana, o consideramos incapaz e um caso que caiu no estado vegetativo - diz o doutor, poucos depois da maquina voltar a funcionar, mas ele permanecer incosciente.
- O que siginifica então? - diz Rosalya, que estava ao meu lado.
- Siginifica que, sinto muito, mas se ele não responder... - e então soube que sua vida tinha prazo, a não ser que por milagre ele resolva acordar. Mas sabia que não aconteceria, estava descrente de toda esperança enquanto olhava seu rosto pálido e pele fria na maca daquele hospital. Não consegui deixar ele sozinho, com muito insistência de Alexy, eu saí de lá. 
- Você tem que descansar - ele alegava. 
Então vim pra casa. Ang ficou comigo por alguns minutos até ir pra sua casa, Armin se encarregou da burocracia do julgamento e toda a papelada e Alexy ficou comigo. Juntei forças pra pedir a Armin para falar com Rosalya sobre o corpo de Lysandre ser cremado, e eu escolhesse o local pra jogar suas cinzas. Seria importante pra mim, e pra ele também. Isso se ele morresse. 
Tomei um banho quente, mas as águas se misturaram com meu choro compulsivo. A dor de uma possível perda... Acho que foi a maior dor que já senti, mais de que meus pulsos e meus olhos que choraram tantas vezes. Coloquei a roupa e busquei uma foto dele que eu tinha imprimido. Era seu sorriso, que muito dizia em tão pouco. E saber que nunca mais iria ver.. Sei que meus pensamentos são negativos, mas estou sem esperanças e seca. Deitei na cama com Alexy ao meu lado. Chorei até dormir, e chorei em meus sonhos. Sabia que de nada adiantava, mas era o que sentia naquele instante. 
Passou-se cinco dias, e fui notificada de que os médicos queriam conversar conosco a respeito de Lysandre. Seria decidir desligar os aparelhos agora, ou esperar que não mais acorde. No dia seguinte, Armin bateu na porta. Estavam a decidir no fim da tarde o que seria de Lysandre, mas eu interrompi: 
- Nada de ficar enrolando sobre o que será dele. Não vamos matar ele. 
Ele foi relutante a isso, mas era minha decisão. Os parentes se discutiram contra isso, já que vivi tempo suficiente com ele pra saber o que seria melhor, mas devido a Rosalya, decidiram desligar os aparelhos. Antes do Sol se pôr, coloquei meu vestido branco. Achei que ele não gostaria que eu trajasse preto de um posssível luto. Durante a conversa naquela sala de hospital, enquanto as médicas limpavam seu corpo, segurei-me para não cair no chão, implorando pro cara lá em cima trazê-lo de volta. Com seu corpo já limpo, me despedi de todos e pedi pra que me deixassem a sós por minutos com ele. Assim que me aproximo de seu corpo, as lágrimas caem. Aperto com força o lençol que lhe cobre e sinto vontade de gritar.
- Por quê? - digo junto a minha dor.  
Não posso suportar. Dói demais. 
'' Vai passar! Seja forte ". 
Escuto alguém dizer, mas os outros ainda estão lá fora. Fecho os olhos brevemente e sinto tua presença. O delírio é grande, e o vejo em minha frente. 
Ele está, sorrindo. O sorriso que temi nunca mais ver. 
- Eu preciso de você... por favor - encaro sua face, e sua boca não mexe, seus olhos não abrem, nem um sopro.
- Senhorita, iremos remover os aparelho agora. Por favor, se retire.
Olho novamente pro seu rosto, afastando os cabelos de seu rosto. Beijo sua boca, aproveitando seus lábios frios, mas sem cor e quase sem vida. Sinto um pequeno choque nos lábios, mas me afasto, e sorrindo:
- Até a outra vida..
Assim que saio da sala, passam para a sala ao lado que é de observação. Retiram o cateter do nariz, mas não observo o restante. Rosalya abraça Armin, chorando, e eu também choro. Se preparam pra tirar a sonda do coração, então saio pro corredor. Me ajoelho novamente e fico olhando a parede branca, meu coração aperta um pouco. Então faço uma cruz em cima e digo a mim mesma que nunca mais o esquecerei.
Me levanto, já virando o corredor até que escuto Alexy me gritar.
- A-Adhara....
E então tudo em câmera lenta.
 


Notas Finais


Até amanhã
Desculpem o suspense rs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...