História Enigma - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Shikamaru Nara, Temari
Tags Shikamaru, Shikatema, Temari
Visualizações 95
Palavras 4.279
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


VOCÊS ACHARAM QUE EU IA DEMORAR A POSTAR, NÉ! Pois aqui tá um capítulo fresquinho HAHAHAHA
Boa leitura ♥

Capítulo 4 - Capítulo quatro - Dessa água não bebereis?


Se alguém me dissesse, há três semanas, que eu estaria me arrumando para ir ao aniversário de Temari, eu não acreditaria. Primeiro porque nossa primeira interação foi um desastre e segundo porque, bom, eu não achava que ela fosse do tipo que gosta de aniversários. A verdade é que, ao fazer o convite, ela não me pareceu ser. “Vai ter um show cover do Aerosmith no dia do meu aniversário e eu vou estar lá com mais alguns amigos, apareça se quiser”, foi isso que ela disse. Desse jeitinho. E, aos meus ouvidos, soou como tudo coincidiu e eu resolvi unir as coisas, mas o cover do Aerosmith importa mais que o meu aniversário. Então, depois de falar com Ino, nós resolvemos que compareceríamos.

- E você vai vestido assim? - Ino me olhou com desgosto enquanto eu estava jogado em sua cama esperando que ela terminasse de se arrumar.

- Jeans e camiseta, qual o problema? É o básico de todo ser humano. Ah, e tem uma jaqueta de couro no carro. Perfeito pra um show de rock.

- Você está tão comum pra alguém que vai no aniversário da sua alma gêmea.

- Pelas barbas de Merlin, Ino, de onde você tirou isso?! - Eu suspiro e passo as mãos pelo rosto. - Nós mal nos conhecemos!

- Vocês não precisam se conhecer mais do que eu conheço vocês. - Ela diz enquanto passa um negócio esquisito nos cílios.

- Quantas palavras exatamente você já trocou com ela pra dizer isso?

- O suficiente. E eu apenas sinto, ok?! Não preciso conversar com Temari pra saber que ela é seu tipo.

- E o que te levou a essa conclusão?

Ela fecha o tubinho de maquiagem e se vira para mim, séria, com as mãos no quadril.

- Ela é forte, bonita, inteligente e autêntica. - E levanta um dedo para cada característica. - É tudo que eu preciso saber. Ah, e ela gosta de Aerosmith, isso é muito importante.

Eu apenas reviro os olhos para Ino e ela responde com uma careta infantil, mostrando-me a língua. Ino está usando um short de couro preto e um desses tops croppeds que estão na moda, de veludo vermelho. Os cabelos estão parcialmente puxados para trás em uma trança muito bonita que eu, pra ser sincero, não sei como ela conseguiu fazer sozinha. Ela passa um batom vermelho sangue e, depois de dar uma boa olhada no espelho, calça as botas pretas de cano médio. De certa forma, ela parece uma viking-rockeira.

- Você tá muito bonita. - Observo. - Ainda está de conversinha com o Sasuke?

- Mais ou menos. - Ela dá de ombros. - Ele parece estar se apegando e eu não estou gostando disso.

- Por que não?

- Porque eu e ele somos muito diferentes. - Ela respira fundo, exasperada. - E eu não estou sentindo nada demais, sabe?! Ele não é o que eu estou buscando em um cara pra namorar.

- E o que você está buscando? - Levanto-me assim que ela pega a bolsa.

- Conforto e segurança. - Ela diz com firmeza, abrindo a porta e indo em direção às escadas. - Sasuke não me transmite nenhum dos dois. Não porque ele não possa transmitir isso, mas porque minhas necessidades são incompatíveis com as formas dele de se doar.

Sua fala imediatamente me remete à conversa que tive com Temari no começo da semana e eu percebo que aquela garota estava certa. Eu jamais poderia ter afirmado com tanta convicção que um relacionamento entre Sasuke e Ino não aconteceria só de observar o cara, mas ela conseguiu fazê-lo sem pestanejar só de dar uma analisada básica em Ino.

- Tchau, pai! - Ino grita para Inoichi quando passamos pela sala de estar.

- Tchau, filha. - Ele joga um beijo para Ino e, em seguida, olha para mim: - Shikamaru, cuide dela.

- Pode deixar, senhor. Até mais!

Entramos no meu carro e Ino logo toma conta do aparelho de som, não permitindo que eu faça um mínimo movimento em relação a isso.

- Temos que ouvir algo completamente diferente pra não enjoar de Aerosmith. - E, dito isso, começa a tocar um reggaeton que eu desconheço. - Ando buscando, pensando, encontrando una forma de estar contigo un par de horas.

A voz de Ino é agradável aos meus ouvidos quando ela não está gritando como uma adolescente, e eu devo admitir que uma coisa que ela sabe fazer é cantar. Eu até brincava, até uns anos atrás, que ela devia ter investido, porque talento e carisma nunca faltaram a ela para conquistar o público.

- Não vai beber muito, hein?! - Eu chamo sua atenção. - Não me faça passar vergonha.

- Ora, ora… Pois eu fiquei sabendo que a Temari vomitou no happy hour e você cuidou dela, por que você não cuidaria de mim?

Olho para Ino com resignação e não respondo nada, apenas a deixo me encarando como se quisesse me matar. No entanto, sua expressão mortal logo se transforma e ela volta a cantar.

- Você sabe que eu cuidaria de você em qualquer situação. - Finjo resmungar, porque esse é meu jeito de dizer que me importo com alguém. - Além dos meus pais, você é tudo que eu tenho.

- Gracinha! - Ela aperta minha bochecha e eu fecho a cara. Ino tem mania de fazer isso desde que éramos crianças e eu nunca gostei muito. - Logo, logo você terá a Temari também.

- Que diabos, Ino! Eu nem estou interessado nela.

- Como não?! - Sua voz sobe uma oitava em indignação. - Shikamaru, até eu estou interessada nela. Ah, e ela é virginiana que nem você. Imagina só, vocês dois iriam entender as loucuras um do outro.

- O que isso tudo tem a ver, Ino?

- Tem a ver que eu não vou sossegar enquanto não vir vocês juntos.

Mais uma vez eu reviro os olhos e solto um suspiro longo e resignado. Minha melhor amiga-irmã é louca e não há nada que eu possa fazer a respeito disso.

Não demora muito até chegarmos ao pub em que ocorreria o show. Ino havia pesquisado o evento no Facebook e quem chegasse antes das dez da noite ganharia duas cervejas como cortesia. Além disso, até as onze e meia, a música alternaria entre um DJ e um karaokê aberto ao público. A proposta era interessante para encher o lugar e promover a banda que faria o cover.

Nós entramos sem pegar muita fila e havia uma mesa reservada no andar de cima para Temari e seus amigos. Assim que chegamos, percebo que há algumas pessoas que eu não conheço, inclusive uns caras esquisitos com piercings e tatuagens até demais.

- Temari! - Ino a chama e acena, abraçando em seguida. - Feliz aniversáriooo!

Ino diz mais algumas coisas e Temari agradece um pouco sem jeito. Em seguida, ela se vira para mim e parece aguardar o que eu vou fazer.

- Felicidades. - Digo, tocando seu ombro. Não me sinto íntimo o bastante para abraçá-la, mas alguma coisa em sua expressão me diz que fiz pouco demais. - Escolheu uma boa forma de comemorar.

- É, meu aniversário e meus amigos tocando Aerosmith. Nada melhor. - Ela dá um de seus grandes e belos sorrisos.

- Seus amigos? - Pergunto, erguendo uma sobrancelhas.

Então, ela aponta para os caras tatuados e cheios de piercings. Todos já estão muito à vontade com Ino e, além deles, Konan e Itachi também estão ali, além de um garoto ruivo.

- O de cabelo platinado, Hidan, é o vocalista, tecladista e toca a guitarra base. Yahiko, o cara cheio de piercings na cara, é o baixista. Aquele ridículo com a cara pintada de roxa é meu irmão do meio, Kankurou, ele toca bateria na banda. E aquele ruivo magricela esquisito é o Nagato, o guitarrista. O outro ruivo é meu irmão mais novo, Gaara.

- Como é mesmo o nome da banda?

- Eles se denominam A.K.A., gostam da expressão em inglês.

- Ei, cara! - Itachi me chama e, pelo sorriso em seu rosto, sei que ele se lembra de mim. - Traz a aniversariante de volta pra mesa.

Eu me aproximo dos demais junto com Temari e aos poucos outros rostos conhecidos vão chegando. Naruto e Sasuke chegam juntos, trazendo também Sakura, Karin e Rock Lee. Sasuke e Ino se cumprimentam, mas parece haver um acordo silencioso entre eles sobre não ficarem juntos essa noite, porque Ino permanece conversando animadamente com os integrantes da banda enquanto Sasuke está sentado entre Sakura e Karin, mas as duas parecem muito mais interessadas em conversar entre si do que com ele. Naruto e Rock Lee estão fazendo Temari rir e insistindo para que Kankurou conte histórias engraçadas sobre a irmã.

- O primeiro pt dela foi hilário. - Kankurou começou a contar enquanto bebia de sua cerveja. - Ela deve ter misturado todos os tipos de destilados e fermentados possíveis e, além de vomitar em si mesma, em mim e no namorado dela da época, ainda abraçou uma árvore e cantou love is pain, da Joan Jett, como se estivesse em um show. Eu realmente devia ter filmado aquilo.

- Idiota. - Temari dá um soco no ombro do irmão. - Você acha que eu não lembro daquela vez que você fumou maconha e teve uma larica tão fodida ao ponto de comer melancia com ketchup e molho madeira?! É melhor você tomar cuidado com o que revela sobre mim.

- Calma, garota! - Naruto pede, erguendo os braços e dando um sorriso amplo. - Hoje é seu dia e nós vamos celebrar o que há de melhor em você. E é por isso que você tem que descer ali naquele karaokê e mandar cherry bomb pra gente!

Temari abaixa a cabeça, enrubescida, e nega milhões de vezes, mas todos começam a entoar um coro para que ela atenda ao pedido de Naruto e, quando me dou conta da situação, estou fazendo o mesmo.

- Tudo bem, tudo bem! - Ela cede e se levanta. - Mas preciso de duas doses de tequila antes.

Temari desce em direção ao bar e todos nós seguimos com ela. Depois de virar as duas doses, ela fala com o responsável pelo karaokê e o DJ interrompe a música para que ela cante. É só quando Temari sobe ao palco e começa a balançar a cabeça e os quadris ao som da guitarra da música mais marcante de The Runaways que eu percebo o quanto ela está bonita. As calças pretas de couro delineiam perfeitamente seu corpo e o cós alto molda sua cintura fina e os quadris largos. A blusa preta transparente deixa à mostra o sutiã vinho de renda e uma jaqueta também vinho complementa tudo. Ela está calçando cortunos pretos e seus cabelos estão soltos e selvagens. Os olhos verdes estão contornados por lápis de olho e um batom vermelho sangue parece uma explosão de cereja em seus lábios.

- Hello, world, I’m your wild girl. I’m your ch-ch-ch-ch-cherry bomb!

Puta merda.

A voz de Temari é perfeita e eu sinto como se estivesse entorpecido - e isso não tem nada a ver com álcool, porque não ingeri uma gota sequer. Eu não consigo deixar de prestar atenção nos movimentos de seus lábios, quadris e mãos. Ela parece saber que canta bem e que tem presença de palco, porque olha para todos como se estivesse hipnotizando cada um com seu talento.

- Hey, street boy, what’s your style? Your dead end dreams don’t make you smile. I’ll give you something to live for. Have ya, grab ya, ’til you’re sore!

Eu me sinto baleado quando Temari canta essa estrofe e emenda com o refrão. Ela é uma Cherrie Currie ainda mais sexy do que a própria Cherrie Currie. Seu tom de voz é mais grave, rouco e arranhado do que a vocalista do The Runaways, o que para mim é perfeito. Então, de repente, percebo o formigamento em minha barriga. É como se Temari houvesse penetrado em minha corrente sanguínea e aos poucos me envenenado.

Continuo com a sensação de embriaguez mesmo quando a música acaba e ela desce do palco ovacionada por todas as pessoas dentro do pub. Seus amigos da banda a cercam e a abraçam, erguendo-a do chão e fazendo-a rir de um jeito tão aberto que sinto inveja por não ter esse sorriso direcionado para mim.

- Quer um babador? - Ino grita no meu ouvido e só então me dou conta de que estava secando Temari como se ela fosse um frango assado e eu, um cachorro morto de fome.

- Caralho, Ino… - Eu xingo em um tom resmungão, mas não sei ao certo porque estou xingando.

- Que mulher, meu amigo, que mulher. - Ela me dá tapinhas nas costas e também está observando Temari.

- Ino, eu…

- Você vai perder a aposta, eu sei.

Meus olhos arregalados encaram Ino e ela está sorrindo, mas não devolve meu olhar.

- O show dos caras vai começar, tente não agir como um idiota com a Temari, hein?! Enquanto isso, vou curtir o irmãozinho caçula dela.

Não faço perguntas, apenas vejo indo em direção a Gaara, que está mais perto do palco.

Passo as mãos pelos cabelos e rosto, sentindo-me suado e arrebatado.

- Tudo bem com você?

A voz de Konan me assusta e, assim que olho para trás, me deparo com sua expressão inquisitória. Ela está mordendo o lábio inferior e seus grandes olhos alaranjados estão cheios de expectativa, me encarando de cima a baixo.

- Estou sim, eu só…

- Você parece estar precisando de ajuda com alguma coisa. - Ela se aproxima de mim, tocando minha barriga e descendo as mãos até o cós da calça.

Puta. Merda.

- Konan, não. - Eu digo com firmeza, segurando sua mão. - Não é uma boa ideia, ok?

A princípio, ela se assusta com minha reação, mas não parece ofendida. Ela dá um sorriso um pouco constrangido, mas diz:

- Se algum dia você sentir vontade, me procure. Será um prazer servir você.

Com essas palavras, Konan me dá as costas e segue em direção ao seu grupo de amigos, que consiste em Itachi e Sasuke. Procuro por Naruto e Rock Lee e os dois estão grudados no palco. Perto deles, Karin e Sakura estão abraçadas. As duas trocam olhares e risadas cúmplices, cheios de afeto - parecem ser namoradas e isso me faz questionar se a sexualidade de Sakura é o problema pelo qual ela está passando que Rock Lee havia mencionado.

- Vocês estão prontos? - Hidan pergunta, assumindo o vocal e preparando sua guitarra. As pessoas gritam e ele repete a pergunta: - Eu não ouvi direito, VOCÊS ESTÃO PRONTOS?

Os gritos soam ainda mais alto e logo em seguida as primeiras batidas de love in an elevator fazem todos vibrarem. A energia de Aerosmith já começa a circular pelo pub e todas as pessoas se aglomeram o mais próximo possível do palco.

- Ei! - Um grito irreconhecível e uma mão em meu ombro me fazem olhar pra esquerda. É Temari. Ela está sorridente e alegre como eu nunca havia visto. - Você fica bem de cabelo solto!

Eu faço um esforço para ouvi-la em meio a toda a barulheira, mas sinto minhas bochechas esquentarem assim que compreendo o que ela quis dizer. Uma das minhas mãos percorre meu cabelo involuntariamente e Temari dá um sorriso ainda maior.

- Você canta muito bem! - Devolvo o elogio, também me esforçando para que ela possa me ouvir.

Temari não diz nada, apenas continua sorrindo e se vira em direção ao palco. Ela começa a cantar, assim como todos ao redor, e pula e se sacode no ritmo da música. Seus cabelos loiros se mexem de um lado para o outro e, mesmo com toda a iluminação e os cheiros fortes de bebida e perfume misturados, consigo vê-la com perfeição e sentir o cheiro que vem dela.

Depois que o choque inicial passa, começo a prestar atenção no show e a aproveitar. Conheço todas as músicas e sei cantá-las de cor, o que é perfeito, porque Temari também sabe. Nós curtimos o show juntos e no fim concluo que a banda é realmente muito boa - se continuarem investindo na carreira musical e derem a sorte de cair nas graças de um bom produtor, logo estarão deslanchando.

Em algum momento de todo esse movimento, vejo Ino se agarrando com o irmão de Temari como se quisesse transar com ele ali mesmo, na frente de todo mundo - Ino sempre teve uns fetiches estranhos, então eu não duvidaria se isso realmente acontecesse. Lá na frente, próximo ao palco, Sakura e Karin estão trocando beijos apaixonados e carinhosos enquanto A.K.A. toca I don’t wanna miss a thing. Abraçados e terrivelmente bêbados, Sasuke, Naruto e Rock Lee estão chacoalhando de um lado para o outro e cantando desafinados um pouco à minha frente. Não demoro a vislumbrar Konan nos braços de Itachi e, pela empolgação dos dois, sei que a noite será estendida.

Hidan anuncia que a última música será tocada e um dos organizadores traz um teclado até ele. Com exceção dele e de Nagato, o magricela esquisito, todos os outros membros da banda ficam mal iluminados. A introdução da música é inconfundível e logo estão todos vibrando com as notas iniciais de dream on.

- EU AMO ESSA MÚSICA! - Temari grita o mais alto que pode e eu tenho certeza de que ela está muito bêbada. - MEU DEUS, COMO EU AMO ESSA MÚSICA!

E ela deve amar mesmo, porque canta cada verso de todo o coração e está tão empolgada que parece que vai explodir. Tento alternar o olhar entre a performance da A.K.A. e a paixão que Temari emana ao cantar, mas fica impossível desviar a atenção dela com as mãos sobrepostas ao peito e o sorriso que parece rasgar suas bochechas conforme ela projeta a voz. Agora, ela está desafinada e quase gritando, mas me sinto tão encantado quanto quando ela cantou cherry bomb. Quando a música acaba, ela grita, aplaude e pula - está irradiando felicidade. A banda agradece a presença de todos e o DJ logo volta a tomar conta das músicas.

- Preciso ir ao banheiro, bebi demais. - Ela me avisa. - Se alguém perguntar por mim, diga que já volto.

Sigo para o andar de cima junto com as outras pessoas que aparecem, inclusive os integrantes da banda. Estão todos muito animados e a maioria está bêbada o bastante para não se importar com o calor, as gargantas machucadas de tanto gritar e os pés doloridos.

- Nós vamos pagar a última rodada pra todo mundo da mesa! - Kankurou anuncia. - É um agradecimento pela presença de vocês. Sabem, aproveitando que a Tema não está aqui, ela finge que odeia aniversários, mas deve estar soltando fogos de artifício de tanta alegria.

A fala de Kankurou quebra a minha teoria de que Temari não estava nem aí para seu aniversário, o que logo me deixa arrependido de tê-la parabenizado de um jeito tão frio pela data especial.

- Cadê ela? - Yahiko pergunta, olhando ao redor.

- Ela disse que ia ao banheiro. - Respondo, mas logo me dou conta de que já passou tempo demais desde que subimos.

Sem dizer nada, desço as escadas em direção aos banheiros. Não há filas e eu não a encontro do lado de fora. Quando uma garota sai do banheiro feminino, dou as descrições de Temari e ela diz não ter visto ninguém lá dentro. Então, passo a olhar ao redor. Dadas as inúmeras histórias tenebrosas sobre assédio e estupro em festas, minha preocupação com Temari - bêbada - é justificável. Depois de dar um bom giro no lugar, encontro-a um pouco distante da pista de dança, quase perto da saída, e um cara está parecendo bloquear a visão e o caminho dela. Aproximo-me devagar para tentar entender o que está acontecendo e ele diz:

- Qual é, gata?! Você vai me recusar mesmo depois de cantar uma música como aquela?

- Me deixe em paz. - Ela pede e, pelo seu tom de voz, percebo que já deve ter dito isso milhões de vezes.

- O que você esperava sendo sensual daquele jeito?

Ele ameaça se aproximar demais e é aí que eu resolvo tomar uma decisão. Corto a distância entre nós e driblo o cara, colocando-me entre ele e Temari, de frente para ela e de costas para ele.

- Oi, amor. Te procurei por toda parte. Está tudo bem? - E olho por cima do ombro apenas para vislumbrar o olhar irritadiço do cara. Ele é um pouco mais baixo e aparenta ser mais fraco do que eu.

- Está sim. - Ela responde, um pouco emburrada, e também olha para o cara.

- Você é o namorado dela? - Ele pergunta, puxando-me pelo ombro e ficando frente a frente comigo.

- Sou. - Respondo com firmeza, olhando-o de cima. - Algum problema?

- Você não mencionou nenhum namorado, princesa.

- E preciso mencionar?! Eu não te devo nada e não ficaria com você nem que você fosse o último homem vivo.

- Uh, acho melhor você deixar ela em paz. - Digo em um tom de voz superior. - Sabe, ela não precisa da minha proteção. Se quisesse, ela poderia ter acabado com você.

O cara abre e fecha a boca duas vezes, mas não contesta e vai embora. Assim que me viro para Temari, ela franze o cenho e resmunga:

- Eu tinha a situação sob controle.

- Percebi. - Dou um pequeno sorriso e envolvo seus ombros com o braço. - Vem, estão todos procurando por você.

Ela respira com força, mas não me afasta e também não se recusa a vir comigo. Em vez disso, ela passa o braço por minha cintura e mais uma vez sinto aquele formigamento na barriga. É uma sensação um pouco rara para mim, de forma que sempre fico sobressaltado quando acontece.

- Você está bem? - Pergunto, querendo desviar minha atenção.

- Estou sim, obrigada pela preocupação. - Mas a voz dela me causa um efeito inexplicável e, misturada ao perfume quente que ela emana, o calor entre minhas pernas só aumenta. - Só bebi demais, como sempre.

- Acho que hoje você bebeu um pouco menos. - Digo em tom de brincadeira, sentindo a necessidade de descontrair.

Ela ri e mais uma vez eu vejo minha tentativa de desviar o foco ser jogada na lama e pisoteada.

- Você ainda gosta da Temari sóbria? - Ela está me olhando com seus grandes olhos verdes e me surpreendo com a maquiagem intacta.

- Bastante. - Aperto seu ombro e sorrio. - Mas gosto da Temari bêbada também.

- Hummm… - Ela faz uma expressão indecifrável, seus olhos estão semicerrados. - Acho que você gosta da Temari.

A princípio, o duplo sentido da frase me assusta e eu não sei o que responder. No entanto, dadas as condições de Temari, duvido um pouco que a ambiguidade tenha sido proposital.

- Gosto sim. - Respondo com simplicidade. - Sua companhia é agradável.

- Argh! - Ela resmunga, resignada, e estaca de frente para mim. Temari espalma as mãos em meu peito e sobe para meus ombros. Ela pisca devagar e suas pupilas parecem grandes demais. - Faça um elogio decente.

Eu respiro fundo. Ela está perto demais, perigosamente perto. E eu não consigo desviar o olhar de seu batom vermelho nos lábios entreabertos em um sorriso sacana. Quando dou por mim, minhas mãos estão em sua cintura e ela está na ponta dos pés, mas ainda espera pela minha resposta. Inspiro o ar devagar, que parece rarefeito ao meu redor, seu cheiro entra em meus pulmões e faz uma bagunça sem tamanho dentro de mim.

- Você é… - Eu paro, sem saber o que dizer.

- Eu sou…? - Ela me encoraja, cheia de expectativa.

- Você está bêbada demais. - Eu digo em um instante de consciência e a afasto de mim.

- Você pode pelo menos terminar a frase. - É uma ordem disfarçada de pedido, e eu percebo isso pela forma como ela segura meus braços, me impedindo de me afastar.

- Você é perigosa pra mim.

Essas cinco palavras soam em meus ouvidos como a pior besteira que eu poderia ter falado. Fui verdadeiro? Sim. Perigosamente verdadeiro. E isso fica claro através da forma enigmática com que Temari me olha. Ela está satisfeita com o que ouviu, isso é claro, mas não sei ao certo o que ela pensa a respeito.

- Sabe, eu não estou tão bêbada assim. - Ela sussurra e vai se aproximando. - Eu quis te beijar desde o instante em que coloquei meus olhos em você, Shikamaru.

Meu nome saindo de sua boca tem a entonação perfeita para confundir meus sentidos e me fazer querer esmorecer. Entretanto, estou no pior lugar possível para permitir que algo a mais aconteça.

- Só um beijo. - Ela pede, sedutora, e eu não sei o que dizer.

Eu não me movo e Temari compreende isso como uma permissão, porque instantes depois nossos lábios estão se tocando e só consigo pensar no quanto isso será problemático depois. Sua língua é quente e macia e tem gosto de tequila e cerveja misturadas. Seus lábios envolvem os meus com um toque de veracidade e ela morde meu lábio inferior devagar para, logo em seguida, voltar a me beijar. Lenta, torturante e viciante.

Eu perdi a aposta.

 

    


Notas Finais


A.K.A.: do inglês "as known as", significa "conhecido como" e é uma leve referência à Akatsuki.

Nesse capítulo tem uma leve homenagem à Aghata, um mulherão que me pediu o casal colador de velcro mais sensacional de Naruto: SakuKarin ahshahsa E GaaIno também foi a pedidos de leitores! Mas lembrem-se que nada aqui é fixo hehehe

E ESSE FINAL, MEUS AMIGOS?! Comentem o que acharam :D

Os comentários pendentes do cap 3 estão pra ser respondidos, to ligada. To respondendo aos poucos!

Beijosss ♥


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...