História Enigma - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7, HyunA, I.O.I, Monsta X, Seventeen
Personagens Baekhyun, HyunA, Jeon So-mi, J-hope, Jimin, Jungkook, Ki Hyun, Kim Mingyu, Suga, V, Wen Junhui "JUN", Yugyeom
Tags Bts, Enigma, Jeongguk, Taegguk, Taehyung, Taekook, Vkook
Visualizações 149
Palavras 2.925
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Festa, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiiiii
Espero que estejam gostando da história <3
Ótima leitura <3

Capítulo 17 - Septendecim


 

NARRADOR.

 

Taehyung olhava Jeongguk deitado na sua frente. Ele dormia calmamente e seu nariz se franzia às vezes, um movimento que o tatuado achava adorável. O mesmo havia acordado há algum tempo e não conseguia desgrudar os olhos do mais novo.

O Kim ainda não acreditava que todas aquelas provocações e joguinhos tinham dado em algo. Ainda achava um pouco surreal o fato de aquele menino lhe amar e lhe fazer sentir isso com os seus gestos e toques. Taehyung esperava estar fazendo o mesmo, pois ele amava da mesma maneira Jeon.

A luz do sol entrava pelas frestas da cortina do quarto o que mostrava que o dia fora estava ensolarado. Taehyung observava Jeon, estava coberto até a cintura e sua parte de cima do corpo se encontrava nua. O Kim pensou o quão bonito ele ficaria com alguns desenhos em si. Se aproximou colocando um braço por debaixo da cabeça do mesmo e o abraçou.

— Hm. — Jeongguk resmungou com o rosto contra o peito de Taehyung que sorriu fazendo carinho nos cabelos dele. Sentiu ele suspirar e a respiração quente atingir seu peito. — me deixa dormir. — falou baixo.

— Não. — o moreno disse quase num sussurro se abraçando mais a ele o virando ficando por cima do mesmo. Sentiu as mãos dele em sua costa e se contornarem pela sua cintura.

— Por que está tão carente Taeh? — Jeon perguntou se dando por vencido com o menino em cima de si com a cabeça no seu pescoço.

— Não é carência, é carinho Jeongguk. — disse e o mais novo sorriu, então Taehyung beijou o pescoço dele calmamente e subiu as mãos aos cabelos negros. Levantou—se um pouco ficando com o rosto em cima do menino. Deu um selinho dele e se levantou deixando um Jeon confuso. — não vou encostar minha língua na sua enquanto não escovar os dentes.

— Você é um idiota Kim. — o mais novo levantou ainda tonto e quando se levantou um incomodo se instalou em seu quadril, sorriu andando devagar até o banheiro do quarto. — você tem uma escova de dentes ai? — se encostou na porta vendo o tatuado lhe olhar com a escova na boca e o mesmo concordou o chamando para perto.

— Vem logo o que te impede? — riu da cara que Jeon fez ao andar até ele.

— Não me provoca não. — o empurrou de leve o ouvindo rir, o mesmo abriu um armário pegando a escova o entregando. — posso ficar com ela?

— Óbvio amor. — sorriu beijando o pescoço dele por trás. — te espero lá embaixo. — saiu deixando Jeon com um sorriso bobo nos lábios.

Depois de escovar os dentes o mais novo saiu do banheiro podendo notar o quarto em que estava pela primeira vez. Era de um teor simples, com alguns pôsteres de filmes e quadros de jogos pregados pelas paredes. Uma enorme televisão e um vídeo game, era bem a cara de Taehyung. Desceu as escadas percebendo o quanto a casa era decorada com coisas de jogos.

— Taeh. — falou adentrando a cozinha vendo o moreno balançar a cabeça de acordo com a música que ouvia. — Taeh? — o Kim se assustou o olhando.

— Sim. — botou a panqueca que fazia num prato.

— Como você conseguiu comprar um casa e decorar ela aos 20 anos? — perguntou realmente curioso com todo aquele local.

— Eu vendi muitas das minhas bases de jogos ferinha, eu vendia por preços altos, na verdade ainda vendo. — cortou um pedaço da panqueca colocando na boca de Jeon. — e ai?

— Está boa. — ele respondeu. — então você faz bases e vende? Você nunca terminou um jogo? — nunca haviam falado sobre os jogos de Taehyung, então Jeongguk se encontrava bem curioso a respeito.

— Sim, eu nunca tive tempo de terminar e acho que nem tenho capacidade para isso, sabe eu não sirvo para criar histórias para jogo, mas sei criar as bases e até fases para o mesmo, por isso nunca me dei o trabalho de pensar em uma história. — deu de ombros apagando o fogo.

— Desde quando você vende?

— Desde a minha primeira base, eu tinha uns 15 anos, fazia técnico em designer no ensino médio, percebi que gostava de desenhar e criar pequenos lugares e mundos, pra isso eu tenho criatividade de sobra, aprendi tudo o que eu sei hoje num computador lixo da escola onde eu estudei, meus pais não tinham condição de me comprar um então me virava para fazer as coisas. — sorriu.

— Nunca vendi base de jogo, mas eu nem faço de plataformas mesmo. — deu de ombros e Taehyung o olhou.

— Dá bastante dinheiro, você tem que ser ambicioso e não ceder na primeira oferta. — o puxou para a mesa com as coisas que havia preparado. — come. — disse de forma calma e Jeon o puxou para levar a cadeira e sentar ao seu lado. — carência?

— Carinho. — falou o olhando sorrindo. Levou uma mão até os cabelos castanhos e trouxe o mesmo devagar até si. Selaram os lábios lentamente. Taehyung aprofundou o beijou adentrando a sua língua a boca de Jeongguk que suspirou indo para trás sentindo ele ir para frente.

— Era para nós tomarmos café Jeon. — Taehyung disse baixo com a boca colada na dele.

— Quase nunca temos o que queremos. — Jeongguk riu beijando o pescoço dele rapidamente. — quando você vai me pedir em namoro Taehyung?

— Vai sonhando. — disse rindo e o menor lhe olhou com os olhos franzidos. — calma docinho eu estou brincando.

— Não brinca com isso não, idiota. — empurrou a cabeça dele que ia lhe beijar. Continuaram a comer e não falavam mais que duas silabas um com o outro até não sobrar mais nenhuma comida. — você quer me engordar. — disse encostado na cadeira totalmente cheio.

— Quero! — se levantou recolhendo as coisas e colocando na pia. Jeongguk observava cada movimento que o Kim fazia. Ele era tão lindo o menino não conseguia acreditar. Pegou o telefone e discretamente tirou algumas fotos dele. Se levantou devagar indo até o mesmo.

O abraçou por trás contornando os braços em sua cintura. Beijava a costa dele e o pescoço, o ouvir rir.

— Você é um doce né Jeon, por que não foi assim desde o primeiro dia que nos conhecemos? — colocou as coisas lavadas na bancada se virando vendo os olhos negros lhe encarar.

— Eu queria ver até onde chegava. — riu e o beijou.

Taehyung o segurou pela cintura descendo uma das mãos a bunda dele, apertou de leve ouvindo ele grunhir. Os dedos dele se enroscaram em seus fios castanhos os puxando enquanto o osculo apenas se intensificava. Eles foram rindo entre o beijo e quase caindo ao sofá da sala. O Kim o empurrou no sofá ficando em cima do mesmo.

— Eu sou muito viciado em você. — Taehyung beijava o pescoço de Jeon que desceu as mãos as colocando dentro da calça de moletom do moreno apertando a bunda dele do mesmo jeito que havia feito. Abriu as pernas sentindo o outro se mexer ali.

— Não quero fazer sexo. — sussurrou.

— Eu sei, eu também não. — Kim disse o beijando logo após.

Puxou a calça de Jeon tocando o membro dele lentamente. Ele gemeu grave capturando os lábios do tatuado novamente. Taehyung abaixou a própria calça tocando a si mesmo e se encaixando na entrada do menor.

Colocou devagar vendo a cabeça dele se pender para trás e o ouvir gemer sorrindo com os olhos fechados. Taehyung sorriu com a cena, começou a se movimentar lentamente e não aumentou tanto o ritmo, não era algo apressado e cheio de tensão como no dia anterior, era mais exalando o sentimento mutuo que era ali sentido.

— Eu te amo. — Taehyung disse enquanto arfava estocando no menino que nem falava nada apenas gemia arrastado. Seus olhos encararam a face do Kim, suas mãos puxaram o rosto dele e se beijavam enquanto aquele local ficava mais quente do que o normal. Jeongguk não respondeu, mas ele não precisava.

Jeon apertava a bunda de Taehyung o ajudando a si movimentar em si, as mordidas e beijos estalados no pescoço branco de Jeon o deixavam cada vez mais excitado. A sensação de frio em seu estomago subia e o prazer aumentava a medida que os dois sentiam o corpo suar e as respirações ficarem pesadas.

Era tão melódico e sensível, era bonito de se ver, eles sentiam o amor um pelo o outro e nada mais importava naquele momento. Taehyung já sentia o suor escorrer pelas costas nuas e arder pelos arranhões que Jeongguk deixava na mesma. Ele chegou ao ápice primeiro, Jeon arfou sentindo o liquido quente em si e se deixou entregar aquele momento gemendo alto apertando os dedos nos braços do Kim.

— Se eu disser que esse foi melhor que os dois de ontem você acredita em mim? — Jeon subia os dedos pela tatuagem na costa de Taehyung que tinha a cabeça em seu peito, o mesmo sorriu com os olhos fechados.

— Acredito. — beijou a clavícula de Jeongguk se deitando novamente sentindo o cheiro do perfume misturado com aquele de sexo que se impregnara no corpo dos dois.

Jeongguk seguia os desenhos na costa do mais velho, olhava cada mínimo detalhe, era uma arvore muito bonita e que parecia ter doído como a morte para fazer. Pensava em fazer várias, mas não tinha conseguido dinheiro o suficiente, mas estava juntando para faze—las.

— Doeu? — perguntou enquanto ainda contornava a tatuagem.

— Sim, a que mais doeu, por causa dos ossos que tem na costa. — falou. — vem meu bem. — o puxou subindo com ele até seu quarto. Tomaram um rápido banho e voltaram ao quarto. Taehyung disse para ele vestir uma roupa sua e saíram da casa. Era um conjunto de casas muito agradável e com um clima ótimo.

O sol brilhava, mas não era tão quente. Andavam de mãos dadas roubando alguns beijos de vez em quando. Chegaram perto do rio e sentaram em um banco um pouco mais longe da parte movimentada e cheia de pessoas do local.

— Então você não mora com seus pais? — Jeon perguntou comendo um doce que havia comprado de uma mulher.

— Não, mas eu passo mais tempo nas férias na casa deles do que aqui. — olhava o rio.

— E como eles são?

— Meus pais? — perguntou e o menor concordou vendo um brilho a mais tomar conta do rosto do moreno. — eles são incríveis, sério as melhores pessoas do mundo, eles tem uma sorveteria em Daegu e quando eu vou para lá eu me entupo de sorvete. — Jeon riu.

— Sério? Deve ser legal. — o observava. — e eles te aceitam?

— Sim. — disse feliz. — quando eu contei para eles eu tinha uns 16 anos, eu chorava como se o mundo fosse acabar, porque eu achava que era um erro e que todos inclusive eles iriam me odiar sabe? — Jeon concordou, sabia o que era o sentimento. — minha mãe sorriu pra mim dizendo que já sabia e meu pai disse que o que me deixasse feliz o deixaria também e não importava se era um menino ou uma menina, ele me amava de qualquer forma. — brincava com os dedos de Jeongguk.

— Isso é bom quando acontece. — Jeon disse. — comigo foi meio diferente, meu pai disse que tudo bem, mas as vezes eu sinto que ele me olha e trata estranho sabe? Talvez seja coisa da minha cabeça, mas me incomoda. — Taehyung passou o braço pelo ombro dele beijando a cabeça dele. — mas eu gosto de ser assim, não me vejo de outra forma e ainda bem que sou assim, pois eu estou aqui com você.

— Vou te beijar. — Taehyung segurou o rosto dele o trazendo para seus lábios. Não se importava se alguém olhasse, eles estavam felizes e nenhum olhar maldoso poderia estragar aquilo. Passaram o resto da manhã e parte da tarde ali se beijando e conversando sobre coisas que os dois gostavam.

— Acho que agora eu aceito a sua proposta da gente desistir da faculdade e só foder. — Jeongguk falava enquanto ajudava Taehyung arrumar o quarto.

— É, eu também quero, porque foder na faculdade é uma bosta. — Taehyung pegava uma roupa no armário.

— Mas eu tenho um quarto só pra mim. — Jeon disse rodando na cadeira de rodinhas.

— Meu amor, sabia que você geme muito alto? — Taehyung riu vendo Jeon concordando dando de ombros.

— Ninguém é perfeito. — suspirou passando as mãos no cabelo.

— Você é convencido isso sim. — Kim disse o puxando para se levantar e o segurou pela cintura.

— Tapa a minha boca. — Jeon falou e Taehyung franziu o olhos mas colocou a mão na frente da sua boca, Jeongguk forçou a sua mão na de Taehyung pedindo para ele apertar e o mesmo o fez. Jeon franziu os olhos como quando sorria e gemeu vendo que o som saia abafado. Taehyung riu ouvindo a risada de Jeon logo depois. — é só você tapar a minha boca.

— Você nem existe ferinha, nem existe. — deram alguns selinhos antes de sair do quarto. Foram descendo e saíram da casa entrando no carro de Taehyung.

Jeongguk botou em alguma rádio e via as casas bonitas do vilarejo ficarem para trás. Depois de alguns minutos já se encontravam na estrada novamente. Taehyung cantava a música animadamente e Jeon tirava fotos dele sorrindo com as mesmas. O mais velho não sabia, mas Jeon tinha vários desenhos do mesmo em seu caderno de desenhos.

— Você algum dia faria uma plataforma de jogo pra mim? — Jeongguk perguntou quando via que se aproximavam do campus.

— Sim, mas de que tipo? — Taehyung achou interessante a ideia.

— Para o 11:11. — disse. — não o que você jogou, o outro.

— Existe outro? — estacionou o carro na vaga e se virou para encarar que concordou.

— O que você jogou foi o que eu modifiquei e criei pra você, mas existe o original que foi um que eu nunca mostrei a ninguém.

— Nem pra mim, o amorzão da sua vida? — Taehyung fez um bico nos lábios arrancando uma risada de Jeon, e como ele amava aquela risada infantil e engraçada do mesmo.

— Eu vou te mostrar, um dia quem sabe. — deu de ombros vendo a cara do Kim se fechar.

— Achei que eu fosse importante pra você. — fingiu um falso drama.

— A pelo amor de deus criatura. — Jeon disse o encarrando percebendo o sorriso nos lábios alheio. — não fale algo assim Taehyung.

— Ué, por que? — saíram do carro e foram caminhando pelo gramado.

— Porque você é importante pra mim, e não é um jogo que muda isso. — disse e Taehyung virou o rosto para ver o de Jeon sério.

— Ei, calma ok? Eu sei disso, quer dizer na verdade é a primeira vez que chegamos no assunto importância. — Jeongguk concordou olhando o chão. — você não vai olhar pra mim não? — parou de andar se aproximando dele.

— Você não pode falar isso ok? — o encarou com os olhos brilhantes. — eu sempre ponho as pessoas no mesmo nível que eu tenho de importância comigo, e as elas não fazem isso comigo, elas sempre me põe mais embaixo, e...

— Shiu, você não tem que se sentir mal pelas outras pessoas, eu ponho você talvez acima que eu Jeon, e eu achei que soubesse disso, mas se não sabia, está sabendo agora, ok? — segurou o rosto dele que piscou liberando duas lágrimas. Limpou as mesmas com suas mãos.

Jeongguk não queria falar que o real motivo daquilo era ainda a ferida que Yugyeom deixará em si, que ficará imensamente mais vulnerável a pessoas desde aquele dia e os seguintes nos quais esbarrou com Yugyeom e o mesmo o destratou. Queria poder usar a sua máscara e ser rude com o menino, mas não conseguia e não sabia por quanto tempo aguentaria aquilo, tinha medo de explodir e estragar tudo de vez.

— Você quer comer? — Taehyung perguntou e Jeon negou segurando a mão dele em seu rosto e entrelaçando seus dedos, começaram a andar novamente e o mais velho não parava de o olhar. — eu estou me sentindo mal, eu vou comprar todos os doces do supermercado pra você, você gosta daquele de chocolate né? Caralho eu só faço merda mesmo.

— Ei. — Jeon puxou a mão dele o fazendo virar e vir de encontro consigo. — para, eu estou bem, foi só uma paranoia Taeh, nada demais. — sorriu, estava mentindo, mas não queria o mais velho triste por isso.

— Você pode me contar qualquer coisa, ok? — Jeongguk concordou recebendo um selinho demorado. Ouviram um "uhul" e quando olharam. Mingyu, Somi, Kihyun e Baekhyun acenavam gritando para eles. — a gente pode ir até lá e ouvir perguntas do tipo "como foi a noite?" e "foderam muito?" ou a gente pode correr pro seu quarto. — Taehyung sussurrou vendo os amigos.

— A segunda opção. — Jeongguk disse e sorriam acenando para eles logo saindo correndo puxando Taehyung que ria. Chegaram no dormitório e iam até o quarto de Jeon quando esbarraram em Yugyeom.

— Olha por onde anda. — falou ríspido olhando Jeongguk que recuo para perto de Taehyung com um olhar um pouco assustado.

— Olha você. — Taehyung respondeu no mesmo tom puxando Jeon consigo. Viu os olhos do menino do mesmo jeito que minutos atrás, entraram no quarto. — Jeon o que você está me escondendo? — o menino deu de ombros se sentando na cadeira.

— Doí. — sorriu com os olhos brilhando em lágrimas. — doí pra caralho e eu não posso fazer nada, você já sabe.

— Yugyeom não merece as suas lágrimas nem mesmo a sua amizade Jeongguk, você é muito melhor que ele e o ele só se mostrou uma péssima pessoa. — falou.

— Mas o que eu fiz porra? Ele mudou simplesmente.

— Me chama de idiota, mas não vê as coisas na sua cara. — Taehyung disse sentando na cama.

— O que eu não vejo?

— Que ele gosta de você Jeongguk. 

 


Notas Finais


Taehyung jogando as coisas na cara do Jeongguk assim que é bom
Vocês já sabiam do Yugyeom?
Estão gostando?
O próximo capítulo é muito bom!!!
Beijosss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...