História Enigmático - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin
Tags Drama, Fic, Jimin, Mistério, Park Jimin
Exibições 157
Palavras 2.088
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Oláaaaaa. Irei me explicar sobre a demora: eu disse que postaria assim que pegasse meu notebook de volta, acontece que: 2 semanas passaram e meu note ainda não deu a graça de dar as caras T.T Então, eu decidi fazer um 'novo' capítulo 2, para que vocês não esperassem mais. (O bom, é que já tenho outros capítulos prontos).

*O título é só relacionado ao solo do Jimin;

Boa leitura!~

Capítulo 2 - Caught in a lie


Fanfic / Fanfiction Enigmático - Capítulo 2 - Caught in a lie


     

Saio da universidade ás 16h15; A aula de Somi termina ás 17h, então nesse tempo, procuro algo para fazer. Dou voltas pela cidade, até que seja 16h50; Ao chegar em frente ao colégio, estaciono. Inclino minha cabeça no banco, coloco fones e ligo em modo aleatório músicas no meu celular. Fecho os olhos. 

É estranho. Ás vezes, vejo outros olhos quando fecho os meus. Uma imagem que surge na minha mente, e apenas vejo esses olhos. Escuros e profundos. Não reconheço-os. Incomodante. 

Em pouco tempo sinto uma movimentação, abro meus olhos e vejo vários alunos saindo do colégio. Alguns sorridentes por finalmente sair, outros cansados, sem conseguir esboçar sequer alegria nisso. Tento procurar Somi entre essa multidão, mas não consigo.

Ligo à ela.
—Eu estou aqui em frente, onde você está? — pergunto.
—Desculpe, eu não sabia que viria me buscar. — ela responde. — Eu acho que estou vendo seu carro.
—Terei que buzinar? — pergunto impaciente.
—Não, não... — diz. — Já estou indo.
—Ok. — encerramos chamada.

Inclino minha cabeça e mãos no volante. Depois de alguns segundos, ouço batidas na janela. Abro a porta, ela entra. Joga a mochila nos bancos traseiros. Tiro o carro da vaga. 
—Podemos comer hotteok? — ela sugere sorridente. — Por favor, eu estou tão estressada pelo colégio! — pede manhosa.
—Aquele lugar vive cheio de gente. — digo virando uma rua. — Mas tudo bem.

Ela sorri.    

 

Mudo meu percurso para o mercado Namdaemun. Um enorme mercadão, onde há lojas e mais lojas espalhadas por longos e intermináveis corredores de ruas, nas quais não passam carros. Por isso, além de andar por entre inúmeras pessoas, eu terei que estacionar em alguma rua próxima dali. 

Já chegando, estaciono na rua vizinha, perto a estação de metrô Hoehyeon. Onde normalmente saí um pessoal pra justamente ir até Namdaemun. Ou seja, ainda mais pessoas; Descemos, seguro sua mão. Mesmo que alguém veja isso, é apenas um ato de cuidado, não? Então não há problemas; Caminhamos até o enorme mercadão, e embora seja final de tarde, ainda há certa movimentação.

 

Aqui há vários vendedores de hotteok, então não preciso me aventurar tanto pelas ruas, logo encontramos um. Pedimos apenas dois, e em pouco tempo, ele nos dá as pequenas panquecas doces, de calda de açúcar mascavo, canela e amendoim, dentro de um copo de papel. Como são fritas em óleo, não é surpresa que estejam realmente quentes. 
—São 2,000 wons. — diz o vendedor, um homem de baixa estatura e consideravelmente velho. 

Pago e então voltamos ao nosso caminho. 
—Podíamos vir aqui algum dia desses. — ela diz saboreando com cuidado para não queimar a boca. 
—Pra quê? Se for pra comprar algo, que seja no Insadong. É melhor. — digo. 
—Tem as mesmas coisas, e lá é mais caro. Fala isso só por que aqui é simples? — pergunta e me encara. 
—Sim. — digo sincero.

Continuamos nosso caminho até chegar no carro. Onde entramos e finalmente seguimos para casa. 

 

 

 

 

 

20h.
—Já estamos atrasados! — digo na sala, para Somi que agora desce as escadas. 
—Por que eu não posso ir junto?! — Jinwon continua teimando no meu pé. 
—Já disse que não é coisa de criança! — digo estressado. 
—Mamãe! — ele grita indo a cozinha. — O hyung não quer deixar eu ir! 
—Eles não vão assistir desenho, você não pode ir. — meu pai se intromete, também está na cozinha e eu apenas os ouço. 
—Finalmente pronta? — pergunto a Somi. 
—Sim. — ela sorri. Está vestindo uma calça clara justa, coturno preto e uma blusa de frio escura, um pouco maior que ela. 

Meus pais, junto a Jinwon, vem até a sala. 
—Vão demorar? — meu pai pergunta, ainda com a roupa formal do trabalho e com seu celular em mãos. Meio distraído.
—O filme acaba 22h. — digo — Depois vamos sair para comer, então sim, vamos demorar. Mas não se preocupem. 
—Estejam em casa ás 23h. — diz minha mãe, no mesmo estado que meu pai. 
—Tudo bem. — forço um sorriso. — Mas já disse, não se preocupem, nunca demos motivos.  
—Mm... — nos encaram. — Certo. Podem ir. 
—Boa noite! — desejamos reverenciando e caminhos até a porta para sair. 
—Tomem cuidado! — alertam. 
—Tchau, noona... — Jinwon diz quase em um sussurro. 

 

Vamos até a garagem, onde entramos e finalmente saímos daquela casa. 
—23h. — ela ri, faço o mesmo. 
—Eu não sei porque continuam. — digo. 

Silêncio. Chegamos ao semáforo.
—Sabe dos filmes da programação? — puxo assunto enquanto espero o sinal abrir. 
—Não, mas já estreou Busanhaeng. — ela diz. — Meus amigos disseram que é legal.
—Sim, eu já vi o trailer. — digo — E você vai ter coragem? — rio. 
—Ah... talvez. — ela sorri também. — Eu não sou tão medrosa assim, oppa. 
—Não? — pergunto, o sinal abre, volto a dirigir. — Ok, vamos assistir Busan-haeng. — decido.

Até chegarmos ao cinema, trocamos poucas palavras. 

 

 

Já na bilheteria, as filas não estão lotadas, então não demoro para conseguir comprar os ingressos. 
—Certeza? — peço confirmação a ela. 
—Sim. 
—Mm, certo. — digo, olho para a atendente, usando um uniforme branco e azul e com cabelo amarrado. — Dois ingressos para Busan-haeng. 

Ela então imprime os ingressos. 
—São 7,000 wons. — responde.

Pago e então me entrega. Dou o ingresso de Somi para ela, e então caminhamos até onde é vendido comida. Compramos pipoca, refri e algumas balas. Entramos na sala de exibição, o filme logo inicia. 

 

 

 

Eu até prestei atenção nos primeiros minutos, depois, cheguei a conclusão que aproveitar o escuro e a poltrona confortável enquanto tiro um cochilo, seria ainda mais agradável que um filme de zumbis. Nele, a Coreia é dominada por uma epidemia que transforma pessoas em zumbis e as pessoas em um trem bala direcionado a Busan lutam por suas vidas. Por isso o título ''Trem para Busan''.

Coloco meus fones, e fecho meus olhos. 


''   
—Eu nunca pensei que pudesse sentir tanta dor, e a culpa é toda minha. — digo em meio lágrimas, deitado em uma cama, no completo escuro. — A CULPA É MINHA! MERDA! — grito. 
Sinto todo meu corpo sendo consumido por uma sensação horrível, em seguida, ficando fraco. Me sentindo menor, e menor...'' 

 

De repente, meus fones são retirados e meu corpo cutucado.
—JIMIN-OPPA! Por favor, acorde! — ouço Somi. 

Arregalo meus olhos, assustado. Então me situo. 
—Somi, a corajosa. Não está mais aqui? — pergunto agora rindo.
—Idiota! — ela diz, então sorri. — Assista, está interessante. 

Olho para o telão. Um homem alto e com roupa formal tranca uma porta de vidro antes que uma multidão de zumbis cheguem até a lado dele. Outro cara, menor e talvez mais velho o encara. 
—Você quase nos matou, idiota! — ele diz e segura sua gola. 
—Esse cara maior parece seu pai. — comento, ela ri baixo. 
—Eu acho estranho quando você diz ''seu''. Ele também é seu. — ela diz. 
—Não consigo vê-ló assim, só quando é proveitoso. — digo e me espreguiço. — Posso voltar a dormir? — encaro. — Sabe que nunca gostei muito de filmes. 
—Então por que me trouxe a um cinema? — ela pergunta e ri. 
—Porque sei que você gosta. — bocejo, vejo o horário, só passou 40 minutos.  
—Ok... Durma. — diz, e é isso o que faço.

Antes de entrar no sono profundo, me pergunto porque venho tendo esses sonhos sem nexo há alguns meses. Até que eu acabe por adormecer novamente, dessa vez, sem nenhuma relação com o que tive minutos atrás. 

 

 

Sou acordado novamente, como se passassem poucos minutos. 
—Já acabou. — ela diz séria.

Me espreguiço, respiro fundo. Levanto. Saímos da sala de exibição, e meus olhos são afetados pela luz forte; Saímos do cinema, entramos no carro. 

 

 

Conversamos pouco enquanto dirijo até o Acube hotel. Costumamos nos hospedar em dias assim, que saímos para ficar longe de casa. Dirijo um pouco longe de onde estamos. O hotel fica no distrito Dongdaemun, ao norte do rio han. Assim como toda parte da cidade, é movimentada. Trata-se de um país pequeno, mas com uma grande população. 

Negocio na recepção, então subimos ao quarto andar. Entramos no quarto, sempre inteiramente branco e arrumado. Decoração moderna, e a cama macia. 

 

 

 

Minutos depois.
—Obrigado por existir. Sabe que você é a única pessoa que eu me importo e amo? — pergunto enquanto a beijo e tiro sua roupa, em cima do corpo dela. 
—Eu também amo você. — ela diz e sorri de olhos fechados. — Mesmo fazendo tudo que faz, eu não tenho dúvidas que o amo. 
—Ótimo. — digo autoritário - Porque você é única pra mim, e sempre a deixo claro. — a encaro — Sinceramente, você é a única pessoa que eu nunca planejei uma morte.

Ela agora me encara assustada, então apenas volto meus lábios nos dela, a fazendo esquecer o que eu disse, a tomando pelo desejo. Bem, eu não sou bom em ser romântico. 

Rapidamente retiro todo o tecido que cobre o meu corpo e o dela, logo começo a estimular o sexo dela, masturbando-a. Em pouco tempo, sinto meus dedos molhados. Ela solte leves gemidos, o que aumenta meu prazer. Enquanto brinco com o clítoris dela, minha boca chupa seu pescoço. Ela começa a cravar forte suas unhas nas minhas costas, o que me excita mais.

Sua intimidade começa a pulsar, palpitar tanto quanto o meu, que já está rígido. Faço uma trilha de beijos e chupões por seus peitos e clavícula. Isso com certeza deixará marcas. Foda-se, eu não consigo me controlar. 

Continuo por um longo tempo a provocando, até que eu não aguente mais. Mas ainda quero ouvi-lá dizer.
—Oppa, por favor... — ela sussurra com a respiração já ofegante, corpo suado e coração acelerado, assim como eu.  
—O que você quer, Somi? — a provoco sussurrando rouco em seu ouvido — É só pedir. 
—Oppa, eu quero você... — ela continua sussurrando — Dentro de mim. Oppa, por favor...

Sorrio sacana. Selo nossos lábios, encaro seus olhos. 
—Peça mais uma vez. — digo. 
—Oppa, eu quero você... — diz envergonhada — Por favor, não me faça implorar.

Me posicionou entre suas pernas, e ela se expõe ainda mais pra mim. Meus lábios vão ao seu pescoço, subindo até seu ouvido. Começo a roçar meu sexo sobre o dela, sentindo suas palpitações, e a necessidade de um pelo outro. 
—Por que você nunca diz o que eu quero ouvir? — pergunto suave, fazendo com que ela se arrepie. — Hein, Somi. Diz para mim — esfrego fortemente meu sexo na entrada dela, fazendo-a contorcer de desejo — Diz o que você quer. 
—Eu não vou dizer essa palavra... — diz teimosa.
—Escuta... — digo ainda em tom suave, mas trocando por firme — Eu vou te fuder. 

Imediatamente entro sem piedade dentro dela, o que a faz soltar um alto gemido. Dou rápidas estocadas, fazendo as pernas dela ficarem moles, deixando seu corpo fraco e totalmente submisso ao meu. Meu prazer vai a loucura, esses são um dos momentos que eu me sinto mais vivo.

Ela continua deixando vários arranhões na minha costa, enquanto entro e saio repetidas vezes. Então diminuo a velocidade, para respirarmos melhor, voltando ao rápido ritmo aos poucos. Os gemidos dela são melhores que qualquer música que eu possa ouvir. Ela chama meu nome várias vezes enquanto beijo seus peitos, chegando ao climax, o que me faz soltar alguns palavrões e gemidos de palavras sem nexo.

Resolvo trocar as posições, saio de dentro dela. 
—A minha mercê. — digo, esperando que ela entenda o recado.

Ela então fica de quatro, afastando as pernas para que eu a penetre melhor. A visão é maravilhosa. Logo entro novamente dentro dela, arrancando um incontrolável gemido. Dou um ardido tapa em sua bunda, logo depois apertando. Sinto sua quente intimidade cada vez mais apertando a minha, o que me faz sentir nas nuvens. Ficamos um tempo nessa posição, até voltamos a casual. 

Agora já no final, dou leves estocadas enquanto beijo calmamente seus lábios e acaricio seus peitos e cintura, apertando. Nos intervalos de beijos, encaro seus olhos e sorrio, começando outro selar. Decido acabar por aqui, deitando-me ao lado dela, e a puxando para perto do meu peitoral. Beijo sua cabeça.
—Quer tomar banho? — pergunto, já que sempre nos preparamos trazendo roupas extras na bolsa dela. 
—Só tomar banho? — pergunta e me encara meio preocupada.

Rio. 
—Já está cansada? — pergunto. 
—Na verdade sim. — se espreguiça. 
—Ok, pode ir primeiro. — digo, então ela levanta. 

Mantenho minha visão no belo corpo dela, uma paisagem que me leva ao paraíso. Suspiro; Ela leva a bolsa até o banheiro. Nesse tempo eu apenas uso meu celular, mas ela não demora a sair, já usando um pijama simples. Levanto-me, ela joga a bolsa em mim e então vou até meu banho quente; Estou louco para dormir, então também não demoro, logo voltando a cama aconchegante, e envolvendo o corpo dela em um abraço.

 

 

Luz apagada, silêncio. Em pouco tempo, volto aos meus estranhos sonhos.
 


Notas Finais


Hehe, eu espero que vocês tenham gostado! ^-^

Eu sei que foi meio 'cedo demais' publicar o hentai, mas, como disse eu reescrevi o capítulo e eu não lembrava de mais nada que havia nele, mas eu tinha salvo o hentai no tt, então para o capítulo não ficar pequeno, acrescentei aqui.

Enfim, o que acharam? Por favor, comentem!!! ^-^

Contatos:
tt kkmandi
tt que ensino coreano: xbrxkorea (aula todo sábado)
yt https://www.youtube.com/channel/UC17C2gsPQE0ddI9C3Eh9jTg

Thx por acompanhar ^-^
Fighting!~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...