História Entre Amor e o Ódio: Meu colega de Quarto! - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Armin, Castiel, Kentin
Tags Amor Doce
Exibições 32
Palavras 1.610
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Comédia, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 7 - Vamos conversar?!


 Vamos conversar?!

Anne

Hoje eu simplesmente não matei o Stewart porque ele revelou-se mais forte que eu. Mas foi por muito pouco, muito mesmo. Ele só está vivo por causa do Kentin que está com um grande arranhão abaixo do olho direito.

NINGUÉM MANDOU SE METER!

Bem, eu acordei no quarto do Bruno, é claro. O Kentin estava me comendo (Não dessa forma que você está pensando) e me recriminando com o olhar apenas, imagina com as palavras. Ele é igual á mim, não enrola. Mas, às vezes, um pouco de educação não custa nada. Eu me sentei na cama lentamente fingindo que o Kentin não estava ali. Não deu nem tempo de coçar os olhos.

 - Anne Lynn Siebel o que você está fazendo aqui?Perguntou, como se fosse o meu pai. Na realidade nem meu pai falaria daquele jeito comigo. Abri a boca para responder, mas ele foi mais rápido. - Você anda transando com o Bruno?

O QUE? TRANSANDO? COM O BRUNO? EU VOU MATAR ESSE GURI AGORA MESMO!

- Então, Anne, me responda. Não que eu ache preciso, não é mesmo? Você está no quarto dele, na cama dele, de pijama.(Pelo menos eu não estou nua como as garotas que você trás para cá. Pensei em dizer isso, mas tenho amor á vida) Ele reparou nas minhas roupas. Meu pijama é um short curto rosa e uma camiseta laranja com uma estampa tão linda. - Anne, você não vai me responder?

Enfezei-me. VIXE.

Não acredito que eu estava sendo questionada pelo meu primo desgraçado que já tentou me agarrar e que já me mostrou a porra do “negócio” dele.

- Primeiro, para de falar como o meu pai, porque graças a Deus você não é ele. Segundo, não sou como você ou o Castiel que ficam se comendo no quarto dos outros. (Agora escrevendo isso, eu percebo que tenho sorte do Kentin ser lendo e não ter notado meu duplo sentindo – que foi realmente sem querer – nessa frase) E terceiro, minha vida não é da sua conta.Agora eles estavam querendo dar uma de amigos? Vou matar esses dois.

Pensei que já tinha visto toda a discussão de ciúmes quando o Kentin resolveu dizer

- Escute aqui mocinha (Mocinha? Nem meu pai me chama de mocinha) Se você estiver mentindo, eu vou descobrir, Anne. Nem que eu tenha que violentar o Bruno até ele me contar o que fez com você. - Kentin enlouqueceu. - Castiel e eu vamos ficar de olho em você dona Anne.

Castiel? Ele disse Castiel, acredita diário. Tudo que eu menos queria ouvir era CASTIEL. O Kentin estava de frente para mim. Apontando o dedo para minha cara e me repreendendo.

QUE PORRA LOUCA ACONTECEU AQUI! QUEM FAZIA ISSO ERA EU.

- Kentin, deixa de bancar o louco e para com esse sermão. Eu já disse que quero distância de você e daquele estorvo que é o Stewart. Tenho nojo dele e agora estou tendo raiva de você. Eu nem sei por que você está me repreendendo. Você deveria é repreender o seu maldito amigo Stewart que estava transando com uma menina no nosso dormitório. NA MINHA CAMA, KENTIN! E eu tive que ver aquela cena grotesca e invés de você ficar gritando com ele, fica gritando comigo. Porque eu estou dormindo na porra da cama do Bruno.Eu cuspi as palavras no Kentin e aquele tosco não fez nada. Ah não, ele fez sim. Ele piorou a própria situação comigo. - Anne, o Castiel é menino isso não tem problema!

NÃO TEM PROBLEMA? ENTÃO VOU MANDAR ELE TREPAR NA TUA CAMA! Eu quis dizer, mais ele me cortou.

- Mas você é muito nova para isso.

NOVA? EU TENHO A MESMA IDADE QUE VOCÊS! Eu quis gritar, mas ele não deixou.

- Olha, eu vou falar com o Castiel.. (Ah, finalmente ele resolveu fazer algo de bom. EU PENSEI, mas quando ele continuou) Para ele fazer sexo apenas na cama dele, está bem?

O que? Não não! EU QUERO QUE FALE PARA ELE SUMIR DO MEU QUARTO! NÃO PARA FAZER SEXO NA CAMA DELE, EU QUERO ELE FORA DO MESMO AMBIENTE QUE O MEU.

Ai quando eu pensei, “acabo” o Kentin teve o desplante de perguntar

- Pronto, ta vendo? Já resolvi, mas você não transou mesmo com o Bruno, né?

Não definitivamente eu não mereço isso.

- Fiz sexo oral com ele, Kentin!GRITEI e sai do quarto.

Eu não acredito que o Kentin falou isso, e também não acredito que sai de pijama pelo colégio. Pelo menos fui elogiada pelo corredor, eu assumo tava curtindo aqueles olhares e coisa e tal. Um menino até disse “Belas pernas”, mas daí outro concluiu com “quando elas abrem?”. Estava prestes a responder quando alguém me puxou para dentro do meu dormitório. Castiel. O DESGRAÇADO. Livrei meu braço da suas mãos. E o encarei

- Nunca mais toque em mim, eu tenho nojo de você.Grunhi. Ele revirou os olhos e disse

- Anne, deixa de ser fresca, eu já lavei a mão.

Ele achou que eu estava me importando com a mão dele. Ele não entendeu que eu estava com nojo dele. Do caráter dele, quer dizer da falta de caráter. Esse menino é tão burro, mais burro que o Kentin. E olha que o meu primo é muito idiota.

Mas, continuando..

- Não estou falando da sua mão, coisa idiota, estou falando do seu caráter. - Falei, sentando-me na minha cama. Ele deu um risinho baixo e foi ai que eu percebi onde estava sentada. - Droga, droga, merda filha da puta! Gritei, enquanto me levantava e cruzava os braços. O Stewart explodiu em uma gargalhada, mas quando percebeu que eu não estava rindo ele ficou sério e deu uma bufada

- Anne, você não precisava ter feito todo aquele escândalo.

Não. Ele não pode ter falado isso. Errado. Ele falou. O desgraçado teve coragem. Eu vou matar ele. Estrangular. Cortar o pinto dele. Jogar ele na fogueira. Fazê-lo comer o pinto assado do Kentin. Bater até a morte. Cortar a língua dele. Vou acabar com a raça desse moleque.

Bom, enquanto eu pensava nessas opções de morte do Castiel, ele continuou falando.

- Isso acontece Anne e eu nem estava deitado na sua cama.Como? Não estava deitado? Você estava comendo a menina na minha cama sim. Eu vou fazer você comer o seu próprio pinto. (Só pensei em dizer isso) Ele continuou - A gente precisa conversar sabe Anne? Esclarecer algumas coisas, estabelecer alguns limites para nós dois.

Limites? Quem precisa de limites é ele.

- Castiel, deixa de ser cara de pau, você estava sim na minha cama. E falando em cama, você vai arrumar outro colchão para mim, nesse eu não durmo mais. E quem precisa de limites é você, não eu.Eu disse, convicta. Ele me pegou pelo braço e me fez sentar na poltrona perto da cama dele. Ele sentou-se nela e eu senti meu coração disparar quando ele passou a língua pelo piercing. Ele suspirou pesado e pela cara que fez eu pensei “Aleluia ele vai tomar jeito e pedir desculpas”.

ERRADA DE NOVO!

Ele soltou um risinho, e me olhou por cima dos cílios

- Eu estava sobre a minha cama. Os cabelos, os braços e as pernas da Caliane é que estavam na sua cama. Será que só eu entendi que ele estava fazendo disso um “Anne, você está errada.” Acho que esqueci de comentar que ele tinha juntado as camas, né, diário. Pronto já comentei.

- Você é muito descarado, Castiel

- Você pode continuar na sua cama, eu ainda não tinha chegado ao ápice quando você entrou, então nada escorreu por ela.Sim, diário. Eu fui obrigada a escutar isso. - Como sempre a pequena me atrapalhando. - O que? Ele estava colocando a culpa em cima de mim? Não, claro que não. Ele não é tão corajoso. - A culpa também foi sua, né, de vir aqui e.. Pegar a gente naquela situação. O que você estava fazendo aqui? -  Disse ele, com um tom repreendedor, sim, ele estava colocando a culpa em mim.

NÃO ACREDITO QUE FILHO DUMA PUTA!

Bom, eu estava meio fora de controle sabe, diário?

Poxa, o Kentin já tinha dado uma de pai e o Castiel resolveu colocar a culpa em mim. Eu realmente agi por impulso.

O que eu fiz?

Pulei nele e comecei a socá-lo. Eu não sei por que sinceramente não sei. Mas eu não queria matá-lo pela minha cama, mas sim por ele estar com outra na minha cama.

Esquartejá-lo era o meu objetivo principal. Mas antes que eu pegasse a faca ou qualquer coisa assim, o Kentin apareceu. Ele se meteu no meio de nós dois e eu passei a unha nele e deixei um belo arranhão. Fiquei mal porque no Castiel não fico nenhum com tanta intensidade.

Resumindo: O Kentin está com um puta arranhão de baixo do olho e está puto comigo também, mas eu não me importo. O Castiel resolveu dividir os dias para estar no dormitório. Resumindo essa parte eu fiquei com as segundas, quartas e sextas. Já que na sexta ele sai pras festas com o Kentin e já vai direto para casa. Ao contrário de mim e do Kentin os pais dele o querem em casa. Ele ficou com as terças e quintas. Porque nesses dias ele não tem educação física e daí fica mais “descansado” Argh. Eu tenho nojo desse guri.

 

Acredite diário. Definitivamente um de nós precisa morrer e tem que ser o Castiel.

 

                                                          Lembre-se você será queimado.


Notas Finais


Tudo bem, eu confesso, a Anne realmente é explosiva, mas eu gosto de escreve-la assim. Kentin machucado, awn meu bebê :( hahaha!

Comentem, lindas!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...