História Entre as Sombras e a Luz - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Saint Seiya
Personagens Afrodite de Peixes, Marim de Águia, Misty de Lagarto, Shun de Andrômeda
Tags Afrodite, Afrodite De Peixes, Afrodite X Shun, Drama, Magia, Mistério, Romance, Shun, Shun de andromeda, Sobrenatural, Traição, Vampiros
Exibições 135
Palavras 6.975
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fantasia, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá meus queridos leitores.

Me desculpem pela enorme demora para atualizar essa fanfic.
Estive muito ocupada com a faculdade e acabei pegando outra gripe bem forte que me impediu de fazer a revisão e alguns complementos nesse capítulo tão lindo e especial.

Aqui finalmente o Afrodite contará toda a verdade ao seu anjo e teremos uma enorme dose de romance. Também saberemos um pouquinho do passado do Shun.

Bem, espero que gostem e tenham uma boa leitura

Capítulo 3 - Um grande e verdadeiro amor


Fanfic / Fanfiction Entre as Sombras e a Luz - Capítulo 3 - Um grande e verdadeiro amor

Em seguida Afrodite entra no quarto e encontra o castanho ainda adormecido, parecia um anjo caído do céu enquanto dormia. Em seguida se senta na cadeira ao lado da cama e toca de leve no belo rosto de pele alva daquele ser tão puro e belo.
O loiro não pode deixar de sorrir ao ver Shun despertando lentamente devido ao seu toque. Shun foi abrindo os olhos devagar, inicialmente viu apenas borrões, mas quando conseguiu ver nitidamente, arregalou os olhos ao ver Afrodite ao seu lado o olhando docemente enquanto fazia um suave carinho em seu rosto.

- Fico feliz em ver que acordou, me desse um grande susto essa noite.
- Mestre, mas o que...
- Fique calmo, você está seguro agora.
- Mestre, serei eternamente grato por ter salvado novamente a minha vida. Mas por que se arriscasse por mim? Eu sou apenas um simples servo.
- Você está enganado meu pequeno, você não é apenas um servo.
- Mas...
- Shun, você não tem idéia do quanto me tornasse uma pessoa melhor e o quanto a dor da minha solidão diminuiu desde que chegasse aqui há quatro anos. Nunca mais diga que é apenas um servo, você deixou de ser isso há muito tempo.
- Mestre, nunca pensei que eu pudesse fazer tanta diferença a alguém, fico muito feliz que pude te ajudar de alguma forma.

Shun sentia seu coração acelerar com aquelas belas palavras de seu mestre, nunca imaginara que estivesse fazendo algo tão bom ao seu amado senhor. Estremeceu de leve quando o loiro se levantou e depois se sentou ao seu lado na cama e segurou gentilmente sua mão.

- Me arrisquei por ti por que você é muito importante pra mim, você trouxe a luz ao meu mundo de trevas e solidão. Aos poucos me mostrasse um sentimento que eu achei que nunca mais seria capaz de sentir por alguém. Não sabes a enorme diferença que você fez em minha vida.
- Está falando sério meu senhor? Eu realmente fiz tudo isso?
- Sim Shun, por isso nunca mais se despreze.

O castanho quase não conseguia acreditar no que estava ouvindo, sua família sempre o tratara com desprezo por ser diferente do seu irmão mais velho. E agora ao saber que era especial e importante para seu mestre, sentiu uma grande felicidade e alegria que não sentia há muito tempo. Naquele momento se sentia querido e desejado, coisa que seus pais nunca fizeram. Aquela emoção tinha sido tão intensa que não conseguira contar as lágrimas, mas não eram de tristeza ou dor, mas sim de felicidade.
Ao ver a reação de Shun, Afrodite fica surpreso e intrigado, não esperava que aquilo fosse causar dor em seu querido anjo.

- Por que está chorando meu pequeno, foi algo que eu disse?
- Não se preocupe mestre, essas lágrimas são de felicidade. Essa é uma das poucas vezes que ouço coisas tão belas ao meu respeito.
- Como assim Shun, você nunca recebeu um elogio ou carinho?
- Eu só tive isso da minha avó e do meu irmão mais velho. Os meus pais e o resto da minha família diziam que eu não fazia nenhuma diferença e que pra eles não importava se eu estava vivo ou morto. Até hoje eu achava que não fazia nenhuma diferença, mas você me mostrou que eu estava enganado e me fez sentir algo que eu achei que nunca mais fosse sentir em minha vida.

Afrodite arregalou os olhos ao ouvir aquelas palavras de seu anjo, pelo jeito não era só o castanho que o tinha ajudado. Jamais imaginara que poderia fazer um bem tão grande ao seu pequeno e doce anjo. Se sentia ainda mais feliz por ter feito aquilo ao mais novo, desde que ele entrara em sua vida, não sentia mais o enorme peso de sua maldição e sim uma forte esperança de ser alguém melhor.

- Fico muito feliz que também pude fazer algo de bom a você. Mesmo eu sendo um monstro e você um anjo tão puro.
- O que você está dizendo, você não é nenhum monstro.
- Shun, eu não sou como você e a Marin. Nunca percebesse que não te vejo durante o dia e que não estou presente durante as refeições?
- Mestre eu...
- Não precisa mentir Shun, sei que você já desconfia de mim e não o culpo.
- Meu senhor, vi o que fizesse com aquele homem, mas isso não mudará em nada o que sinto por ti.
- Shun, você guardaria o meu segredo se eu te dissesse quem realmente eu sou? Ficaria ao meu lado mesmo sabendo que eu não sou como você?

Shun sente seu coração acelerar ainda vai ao ver Afrodite chegando mais perto e quase colar seus corpos. Depois do que vira naquela noite, tinha certeza de que seu mestre não era humano, mas não conseguia vê-lo como um monstro que ele dizia ser.
Mesmo se sentindo um pouco intimidado com aquela possibilidade, não sentia medo do loiro e sim uma forte atração e um grande carinho por ele. Continuaria amando o loiro independente do que ele fosse.
Então tomou uma respiração profunda e fechou os olhos, o que iria dizer seria algo arriscado e poderia perder tudo, mas não agüentava mais esconder aquilo em seu interior. Sentia que precisava do loiro como se fossem almas gêmeas.

- Mestre, eu devo a minha vida a você. Eu te amo e faço qualquer coisa por ti meu senhor. Juro por minha vida que guardarei o seu segredo, só não me deixe, pois não suportaria ficar sozinho.
- Shun, eu não falo de sentimento de gratidão, o que eu sinto por ti vai muito mais além disso meu pequeno e puro anjo. Continuaria me amando mesmo sabendo que carrego uma terrível maldição em meu interior?
- Mestre, você está me assustando.
- Shun eu também te amo, mas essa é a verdade sobre mim. Eu sou uma criatura das trevas que se alimenta do sangue dos outros, um vampiro. Eu não agüento mais esse enorme desejo que sinto por você e pelo seu sangue. Mas tudo que eu não quero é te ferir.

Depois de finalmente contar a verdade ao seu amado anjo, Afrodite fecha os olhos esperando a resposta do mais novo. Temia que Shun o repudiasse por ser um vampiro e o abandonasse.
Mas é surpreendido ao sentir o menor tocar gentilmente em seu rosto e o olhar com uma expressão doce e serena.

- Afrodite, eu disse que nada ia mudar entre nós. Não me importo que seja um vampiro, isso não muda o que sinto por ti. E você está longe de ser um monstro.
- Você é realmente incrível meu anjo. Por favor, seja meu e continue me mostrando esse caminho fora da escuridão e que eu posso segui-lo ao seu lado.
- Me faça seu Afrodite, eu quero ser seu e juro por minha vida que guardarei o seu segredo e estarei sempre ao seu lado.

Ao ouvir aquelas palavras, Afrodite puxa o castanho para seus braços e o beija intensamente de forma carinhosa e doce. Shun fica surpreso com aquele ato, como não sabia com agir, deixou que Afrodite fizesse o que desejasse consigo. Agora se sentia completo e amado nos braços do loiro.
Depois que se separam para que Shun pudesse respirar, o vampiro segura o cabelo castanho do mais novo expondo seu pescoço de pele alva.

- Shun, eu...
- Faça o que quiser comigo, eu sou seu.

Então os olhos azuis de Afrodite se tornaram vermelhos e Shun pode ver a verdadeira natureza de seu amado. Com cuidado o loiro se aproximou do pescoço do mais novo e cravou as presas naquele lugar. Aquele beijo não fora doloroso para o castanho, mas sim algo extremamente prazeroso.
Como já tinha se alimentado e não queria deixar seu amado enfraquecido, Afrodite bebeu apenas alguns goles daquele desejado liquido rubro o apreciando como a mais perfeita e fina das iguarias.

Mesmo com todo o cuidado, sentiu o corpo de Shun amolecer em seus braços e o amparou com cuidado enquanto passava a ponta de sua língua no ferimento provocado pelas suas presas e este se fechou miticamente.

- Agora você é meu, somente meu e de mais ninguém.
- Valeu a pena ter esperado tanto tempo?
- Sim meu pequeno, valeu cada segundo.

Afrodite não pode deixar de sorri ao ver seu amado tão entregue, o desejava há muito tempo e não esperaria mais por aquilo. Então com o poder de sua mente e um simples movimento de mão, selou a porta do quarto e fechou as janelas. Aquilo fez o castanho se assustar um pouco, mas ao sentir o toque gentil do loiro, se acalmou um pouco.

- Não precisa ter medo meu anjo, eu só selei a porta e as janelas para que ninguém nos incomode.

Antes que Shun pudesse responder ou fazer algo, é novamente beijado pelo belo vampiro que se inclina ainda mais sobre seu pequeno corpo e sem cerimônia, puxou o lençol e depois o lançou em um canto qualquer. Afrodite não queria nada entre eles naquele momento, finalmente tinha o castanho só para si e aproveitaria muito bem aquela noite.

Em seguida passou a beijar o pescoço e a clavícula do oriental enquanto suas mãos ágeis acariciavam o pequeno corpo do castanho. Como não tinha nenhuma experiência e não sabia como agir, Shun deixou que Afrodite o conduzisse naquele momento enquanto suspirava de deleite com os beijos e carinhos do mais velho.
Já o vampiro estava amando ter todo aquele controle sobre o castanho, suas mãos passeavam pelo corpo do menor de forma possessiva, mas nada rude ou agressiva, não queria assustar seu anjo em sua primeira vez.

Shun sentiu seu corpo arrepiar quando o mais velho introduziu a mão dentro da camisa e começou a acariciar seu abdômen e peitoral enquanto se segurava nos ombros de seu amado.
Mas quando Afrodite começou a tocá-lo de forma mais ousada em suas pernas e coxas, sentiu seu corpo gelar por dentro. E quase entrou em pânico quando ele fez uma leve menção para tirar suas calças.
Seu corpo antes relaxado, agora tremia como se estivesse congelando de frio. Queria muito se entregar ao seu amado, mas aqueles toques o faziam se lembrar daquele terrível abuso que sofrera. Sabia que agora era o seu amado quem estava ali o acariciando, mas não estava conseguindo relaxar e seu corpo parecia ter travado.
Tentava ver Afrodite, o seu grande amor, mas sua mente fora tomada por aquelas lembranças horríveis que jamais iria conseguir esquecer. 

Afrodite estava amando ver as reações de deleite que causava em seu anjo, mas ficou apreensivo quando sentiu Shun começar a tremer e seu corpo travar, algo estava errado com seu pequeno. E ao olhar para o oriental, ficou ainda mais preocupado ao ver Shun com uma expressão de pavor e agonia enquanto grossas lagrimas fluíam de seus olhos verdes.

- Shun, Shun!

O loiro quase entra em pânico ao ver que Shun permanecia estático e não o respondia. Foi então que se lembrou de algo que Marin lhe contara anos atrás. Shun tinha sido abusado pelos piratas, mas a ruiva não sabia até que ponto foi o abuso.
Estava tão cego pelo desejo de fazê-lo seu que se esquecera daquele detalhe e agora seu anjo parecia ter congelado e mergulhado naquelas terríveis lembranças.

- Shun sou eu, por favor, reaja!

Quase em pânico, o vampiro começa a sacudir de leve o castanho em uma tentativa de trazê-lo de volta a realidade. Aos poucos Shun foi voltando a si e fechou os olhos enquanto tocava a testa com uma das mãos.

- Afrodite, me desculpe, eu...
- Não há nada que se desculpar, fui eu quem te assustei. Você está se sentindo bem?
- Sim, aquilo já está passando, eu estraguei tudo.
- Não diga isso meu anjo, eu me esqueci do seu trauma, devia ter ido mais devagar.
- Mas você esperou tanto por isso, não é justo.
- E posso esperar um pouco mais meu anjo, não quero que se force a isso só para me agradar.
- Mas...
- Nada de mas, quero que esse momento seja especial para nós dois, então só faremos isso quando você estiver pronto.

Antes que o menor pudesse dizer algo, Afrodite o beija suavemente e depois o abraçou contra seu corpo. Estava muito feliz que Shun o aceitara tão bem sua verdadeira natureza e que ficaria sempre ao seu lado. Se sentia muito feliz como não se sentia há muito tempo e faria de tudo para viver aquilo com seu puro e amado anjo.

- Por favor, fique aqui comigo.
- Ficarei o tempo que você quiser meu anjo. Vou buscar algo para você comer e recuperar suas forças. Mesmo desgastado me desse uma boa parte do seu sangue, agora precisa se alimentar para que não fique enfraquecido. Eu já volto.

Em seguida o loiro sai do quarto deixando o castanho descansando após aquela noite tão agitada e cheia de emoções. Shun sentia como se seu peito fosse arrebentar de tanta felicidade que estava sentindo por ter aquele grande amor correspondido pelo seu amado. Apesar de Afrodite ser diferente, o amava com todas as suas forças e estava se sentindo no paraíso ali ao lado daquele belo e sedutor vampiro.

Na manhã do dia seguinte, Shun é acordado pela luz do sol que entrava pela janela de seu quarto. Ao se sentar na cama, ficou surpreso ao ver uma grande e linda rosa vermelha sobre o criado mudo.
Abriu um enorme sorriso ao se lembrar da noite anterior e do seu primeiro beijo. Jamais imaginara que seria tão mágico  e ainda por cima com um igual. Estava se sentindo nas nuvens por ter seus sentimentos correspondidos pelo grande amor da sua vida. 

Depois de cheirar a rosa e a colocar em um vaso, foi em direção a área de banho ainda pensando na noite anterior. Depois de tomar um bom banho, foi até a cozinha onde encontrou sua amiga lavando algumas frutas e vegetais. Quando Marin viu Shun se aproximando, abriu um belo sorriso, mas quando o castanho foi pegar a toalha para enxugar a louça, é impedido pela amiga.

- Não Shun, hoje você está de folga. O nosso mestre quer que você descanse por hoje.
- Mas eu já me sinto ótimo.
- Não seja teimoso Shun, você sabe como o mestre fica irritado com desobediência.
- Sim, eu sei. Mas minha amiga, como é possível eu estar como se nada tivesse acontecido? O que você vem escondendo de mim?
- Shun eu...
- Não se preocupe, eu sinto que você também não é igual a mim.
- O mestre te contou sobre ele, não é mesmo?
- Sim, ontem ele me contou toda a verdade.
- Venha meu querido, vamos até a sala de jantar, não quero que os outros escutem a nossa conversa.

Em seguida eles vão até a grande sala de jantar e Marin fez o castanho se sentar antes de prosseguirem com aquela conversa.

- Shun, eu sou humana como você, mas tenho dons especiais.
- Que tipo de dons?
- Bem, eu sou o que muitos consideram como bruxa, se não fosse pelo mestre, eu não sei o que seria de mim. Afrodite costuma me apelidar de feiticeira devido aos meus dons mágicos.
- Agora eu entendo o motivo de você esconder o seu dom. É horrível o que aqueles ignorantes fazem com as mulheres que tem esses dons.
- Infelizmente essa é a realidade. Mas me fale de você, como foi a sua noite ontem? Afrodite estava muito feliz quando veio falar comigo.
- Afrodite me contou quem ele é na realidade e eu confessei que o amo. A princípio tive medo de que ele não retribuísse os meus sentimentos, mas ele também me ama Marin. Ele me disse que sou muito importante pra ele e depois nos beijamos. Eu me senti no paraíso e parecia que o meu coração ia sair pela boca.
- Ah Shun, não sabes o quanto eu estou feliz por vocês. Pode ficar tranqüilo, da minha boca não sairá nenhuma palavra sobre vocês estarem juntos. Quero que sejam muito felizes, vocês merecem.
- Obrigado minha querida amiga. Eu ainda estou nas nuvens e quase não consigo acreditar que isso está acontecendo. Foi tudo tão mágico e lindo, pena que acabei estragando uma parte.
- O que foi que aconteceu, você sentiu medo dele?
- Não, eu disse a ele que queria ser dele, mas quando ele foi me tomar, acabei me lembrando do que aqueles asquerosos fizeram comigo e o meu corpo travou por inteiro. Eu queri muito ser dele, mas acho que nunca irei conseguir me entregar totalmente ao meu grande amor. E tudo por culpa daqueles vermes.
- Não diga isso, aos poucos você irá superar esse trauma que está em seu interior. Nosso mestre jamais iria te machucar, você pode confiar nele meu anjinho. Você nunca me contou o que aqueles covardes fizeram contigo, mas sinto que foi algo horrível e tenho certeza de que o mestre também sentiu o mesmo.
- Acho que sim, pois ele não insistiu mais nisso e ficou comigo por um bom tempo. Marin, eu quero recompensá-lo por tudo que ele fez e tem feito por mim.
- Shun, não adianta forçar isso e o mestre jamais aceitaria algo assim.
- Eu estou falando de outra coisa Marin e não de entregar o meu corpo. Essa noite eu tocarei outro instrumento pra ele.
- Não me diga que pensa em...
- Sim, eu prometi isso a ele e essa noite irei cumprir a minha promessa.
- Ah Shun, pode ter certeza de que ele vai ficar muito feliz.
- É isso que eu mais quero. Agora que estou de folga, irei praticar um pouquinho perto do jardim, quero que essa noite seja perfeita como a de ontem.

Assim o dia se passou normalmente, depois de praticar um pouco, Shun decidiu dar uma volta pela propriedade antes de ir para a biblioteca estudar francês a as partituras de música.
Perto do final da tarde, foi para seu quarto tomar um bom banho e se arrumar para encontrar com seu amado. Caprichou muito naquele ritual, pois queria estar impecável para o loiro.
Quando saiu da área de banho e foi para o quarto, ficou surpreso ao ver uma caixa sobre a cama. Ao se aproximar viu um bilhete sobre a tampa.

“Fiz isso especialmente pra você para quando esse dia chegasse. Espero que goste do presente e faça bom proveito. Com amor. Marin.”

Shun não pode deixar de sorrir ao terminar de ler a pequena mensagem e quase caiu pra trás ao abrir a caixa. Dentro dela estava um belíssimo kimono de seda na cor verde claro. Não pensou duas vezes e o vestiu com cuidado sentindo uma grande nostalgia com o toque da seda em sua pele. Naquela noite estaria a altura de seu amado.
Depois que estava pronto, pegou seu precioso instrumento e foi em direção a sala de música para esperar pelo loiro.

Algum tempo depois no subterrâneo da mansão, Afrodite estava em seu luxuoso quarto terminando de se arrumar. Já tinha se alimentado com o sangue de um dos seus servos e agora terminava de escovar seus longos cabelos loiros. Decidiu que o deixaria solto naquela noite e que não vestiria nada de cor negra.
O vampiro sorria ao se lembrar da noite anterior, as coisas tinham saído muito melhor do que imaginara, Shun era realmente um garoto muito doce e especial. Ainda estava pasmo de como ele não sentira medo de si e ainda se entregara sem nenhum receito, pena que tinha ido muito rápido e acabara trazendo de volta o trauma do castanho. Mas agora sabia como agir para não assustar seu amado.

Quando finalmente terminou de se arrumar, foi direto para a sala de musica onde encontraria seu amado castanho esperando por si como fazia todas as noites.
Ao entrar na sala de música, ficou impressionada e maravilhado ao ver o oriental vestindo um kimono. Shun estava ainda mais belo vestindo os trajes de seu povo

Ao ouvir o som de passos, o castanho se vira e quase cai pra trás ao ver seu amado loiro. Afrodite usava uma camisa branca com apenas um colete azul escuro. A calça era da mesma cor do colete e constatavam perfeitamente com as longas botas marrom escuro. Estava ainda mais belo e sensual com os longos cabelos soltos que caiam em cascata.
Sentiu seu coração acelerar ainda mais quando o mais velho chegou bem perto e segurou carinhosamente uma de suas mãos.

- Você está lindo meu anjo, tomarei providências para que se vista sempre assim de agora em diante.
- Obrigado, você também está. Mas não posso me vestir assim, essas roupas não são de um servo. Elas iriam me atrapalhar durante o trabalho.
- Você não será mais um servo a partir de agora. Será um dos senhores dessa casa, meu amado companheiro.
- Mas Afrodite, eu não posso ficar sem fazer nada, isso não seria certo.
- Você irá usar seu tempo para estudar música e francês, ainda tens muito a aprender meu amor.
- Está bem, farei a sua vontade, obrigado por tudo.

Em seguida o loiro puxa gentilmente o mais novo e o beija apaixonadamente enquanto colava seus corpos. Shun estava se sentindo no paraíso ali nos braços de seu amado, realmente se sentia muito feliz e completo ao lado daquele lindo vampiro.
Depois que quebraram o beijo, Shun segura as mãos do loiro e o puxa para que se sentasse na poltrona.

- Hoje eu tenho uma surpresa pra você, mas primeiro irei tocar a música que me ensinasse.
- Uma surpresa pra mim?
- Sim meu amor, preparei algo especial pra você.

Então o castanho sorri e se senta no banco do cravo, em seguida começou a tocar uma belíssima melodia. Tocava perfeitamente a ultima música que o loiro lhe ensinara enquanto se entregava de corpo e alma a aquele momento.
Quando terminou de tocar, viu seu amado sorrindo satisfeito, faria tudo o que estivesse ao seu alcance para agradar o mais velho.

- Perfeito como sempre, jamais me cansarei te de ouvir tocar o cravo. Agora tenho certeza de que estás pronto para passar para as lições amais avançadas. Mas isso vai ficar para a próxima noite.
- Fico muito feliz em ouvir isso, espero que goste da sua surpresa.

Em seguida Shun se levanta e pega sua flauta que estava sobre o cravo ao lado do belo vaso de rosas. A escondera perto do vaso para que Afrodite não a visse. Sorriu de leva ao ver a expressão surpresa do vampiro.

- Uma vez eu te prometi que tocaria a flauta pra você algum dia. Bem, esse dia chegou.
- Shun, mas onde conseguisse esse belo instrumento.
- Essa flauta é minha, eu a trouxe comigo. A escondi em minhas roupas, por isso não a roubaram de mim. Você se lembra daquele dia e do seu pedido?
- Sim, eu me lembro como se fosse ontem, jamais esqueceria aquele dia.
- Bem, espero que você goste da música que eu escolhi pra você.

Então o castanho posiciona o instrumento próximo aos seus lábios e depois de ajeitar sua postura, começou a tocar uma linda e suave melodia.
Afrodite não pode deixar de sorrir ao ouvir seu amado tocando aquela melodia tão bela. Em seguida fechou os olhos e se deixou levar pelo belo som daquele instrumento. 
Ao ver a expressão de deleite do loiro, Shun sentiu se coração falhar uma batida por estar agradando o grande amor da sua vida. Assim que terminou de tocar, se aproximou do belo vampiro e lhe sorriu docemente.

- Que música maravilhosa meu amor, muito obrigado por essa linda surpresa. De agora em diante quero que também toque a flauta pra mim todas as noites.
- A tocarei pra você com grande prazer meu amor. Fico muito feliz que você gostou da sua surpresa. Eu disse que iria cumprir a minha promessa e...
- Nunca duvidei da sua palavra Shun. Depois quero que me dê às notas para que possamos tocar essa belíssima música juntos, você na flauta e eu no cravo.
- Eu vou tentar, só preciso de um pouco de tempo e...

Mas antes que o mais novo pudesse terminar a frase, é puxado pelo loiro que o fez se sentar sobre suas pernas. Shun se sentiu um pouco envergonhado com aquela grande proximidade, mas relaxou ao receber um suave beijo em seu rosto.

- Leve o tempo que você precisar.
- Gostaria de ouvir outra música?
- Agora não meu anjo.
Em seguida o loiro tomou a flauta do castanho e a colocou sobre a mesinha ao lado da poltrona. Depois começou a beijar o pescoço do mais novo enquanto suas mãos passeavam pelo corpo esguio de Shun o fazendo se arrepiar por inteiro e soltar um suspiro de deleite.

- Afrodite, o que nós vamos fazer em relação a isso?
- Do que está falando meu anjo, não consegui entender o seu ponto.
- É sobre esse amor que estamos vivendo, sei que você é diferente dos outros. Mas isso não é considerado um pecado e um crime gravíssimo para a sociedade em que vivemos agora? Como vamos ficar vivendo algo que é proibido?
- É melhor nós conversarmos em um lugar mais reservado e longe desses servos fofoqueiros.

Ao ouvir aquela resposta, o castanho se levanta e Afrodite faz o mesmo e pede para que o seguisse. Caminharam lado a lado em silencio até uma porta que foi destrancada pelo loiro. Naquele mesmo instante Shun percebeu que estavam indo para a área restrita da mansão da qual jamais tivera acesso. Sempre se perguntara o que tinha atrás daquela porta e agora veria o que havia naquele lugar.

Seguiram por um corredor e depois desceram uma longa escadaria que dava para o que deveria ser o subterrâneo do casarão. Momentos depois, Afrodite parou diante de uma enorme porta de madeira trabalhada com belíssimos entalhes.
Quando o loiro abriu a porta, Shun arregalou os olhos ao ver um quarto enorme e luxuoso que certamente pertencia ao loiro. A decoração do locar era de extremo requinte e bom gosto fazendo o castanho se sentir um pouco deslocado e inseguro.

- Bem vindo ao meu refúgio particular, aqui poderemos conversar sem que ninguém nos perturbe.

Em seguida Afrodite conduziu seu amado até a enorme cama e se sentaram lado a lado. O loiro sabia que o menor estava temeroso sobre aquele assunto, pois temia que algo ruim lhes acontecesse.

- Respondendo a sua pergunta, sim, isso que nós estamos vivendo é abominável para a sociedade que nos cerca.
- Então o nosso amor é errado? Nunca imaginei que fosse algo inaceitável e nojento.
- Para a sociedade sim, mas não é assim que eu penso. Eu não sou desse tempo e desse povo, já vivi e experimentei muitas coisas ao longo dessa minha longa existência. E afirmo com toda certeza de que isso é uma das bobagens mais ridículas da humanidade. Essa tolice não vai me privar de te amar e de viver isso com você, nós vamos ficar juntos meu amor.
- Então teremos que nos amar em segredo?
- Sim, mas não se preocupe meu anjo. Nós teremos que ser discretos e jamais revelar o que sentimos e vivemos juntos. Mas nós seremos felizes e vamos ficar bem. Eu te amo e nada irá tirar você de mim, você aceita encarar isso ao meu lado?
- É claro que sim meu amor, não será uma estupidez da sociedade que irá me privar de te amar e viver isso ao seu lado. Vamos nos amar e viver juntos da melhor forma possível.

Afrodite não pode deixar de sorrir ao ouvir a resposta de seu amado anjo, em seguida se aproximou ainda mais do castanho e o beijou intensamente enquanto o mais novo abraçava seu pescoço. Apesar de estar mais a vontade, Shun ainda era bastante tímido e isso sempre tornava os momentos entre eles ainda mais românticos e doces.
Momentos depois o loiro quebrou o beijo passando a dar vários beijos intensos no pescoço de seu amado fazendo o mais novo suspirar profundamente.
Apesar da grande timidez, Shun deixou que seu amado fizesse o que desejasse consigo enquanto suspirava de deleite. Apesar do nervosismo, estava amando receber aquele carinho do mais velho e desejava por mais.
Mas quase deu um pulo ao sentir Afrodite segurar o tecido de seu quimono e se preparar para abri-lo.

- Calma, eu não farei nada contra a sua vontade. Só irei mais adiante se esse for o seu desejo.
- Pode continuar, eu estou pronto.
- Você tem certeza disso meu anjo? Não quero que se force a fazer isso só para me agradar.
- Eu não estou me forçando a nada, eu quero e desejo isso. Me faça seu meu amor, como você tanto desejou.

Afrodite sorriu ainda mais ao ouvir aquele pedido de seu amado, em seguia abriu o quimono expondo a parte superior do corpo de seu lindo e puro anjo e começou a beijar o pescoço e a clavícula de Shun deixando várias marcas avermelhadas na pele alva enquanto suas mãos acariciavam as costas e os braços do mais novo.
Shun apenas fechou os olhos e deixou Afrodite o tocar como desejasse enquanto soltava alguns suspiros de deleite.

Não demorou muito e Afrodite abriu o resto das vestes do oriental retirando juntamente a peça íntima o deixando totalmente exposto. Shun corou intensamente ao se ver totalmente nu diante de seu amado, mas apesar do enorme embaraço iria até o fim, desejava muito aquilo tanto quanto seu amado e sedutor vampiro. Mas é tirado de seus pensamentos ao ouvir e bela voz do loiro.

- Agora é a sua vez meu anjo, faça o mesmo que eu fiz com você.

Shun apenas acenou com a cabeça e levou as mãos até o colete do mais velho, mesmo estando um pouco trêmulas devido a timidez, desabotoou lentamente o colete e a camisa branca expondo o belo corpo forte do mais velho. Afrodite não era o tipo bombado, mas tinha músculos bem definidos os quais pode sentir a firmeza ao acariciar timidamente o peitoral e os braços de seu amado. Pouco tempo depois o loiro também estava completamente nu e Shun observava timidamente o corpo de seu amado, Afrodite era realmente lindo e perfeito.

Em seguida Afrodite o puxa gentilmente pelos cabelos castanhos e o beija com desejo enquanto suas mãos passavam pelo corpo de Shun com ainda mais desejo fazendo o menor se arrepiar por inteiro.
Com cuidado foi deitando o castanho vagarosamente sobre a cama para não assustá-lo, queria que aquele momento fosse especial para seu amado e faria de tudo para que ele se sentisse seguro em seus braços.

Em seguida se deitou ao lado do mais novo e começou a beijar o pescoço enquanto uma de suas mãos acariciavam gentilmente o corpo do castanho. Não demorou muito e o vampiro passou a beijar o tórax e abdômen do mais novo e sorriu ao ouvir alguns gemidos baixos que Shun deixava escapar.
Depois fez o caminho inverso e cobriu o corpo de Shun com o seu e novamente trocaram um beijo intenso. Shun aproveitou a posição para acariciar as costas largas de Afrodite enquanto ele arranhava de leve sua coxa direita.

- Você é tão lindo quanto um anjo, o meu anjo.
- Sou todo seu meu amor, para todo sempre.

Ao ouvir aquelas palavras de seu amado, Afrodite sente como se o seu peito fosse arrebentar de tanto amor. Jamais havia amado daquela forma tão intensa sendo correspondido com a mesma intensidade. Faria aquela noite ser inesquecível para os dois, então sorriu docemente para seu amado e com cuidado ergueu levemente uma das pernas do mais novo e se encaixou entre elas. Ambos puderam sentir o roçar de suas partes mais intimas um no outro, e isso fez o vampiro quase enlouquecer de desejo e Shun sentiu um arrepio percorrer sua espinha.

Afrodite era muito bem dotado e temeu que não fosse capaz de acomodar o loiro dentro de seu corpo. Então espirou fundo para se acalmar, pois não iria voltar atrás, desejava muito seu amado e iria até o fim. Não iria estragar aquele momento tão incrível e mágico por causa de uma insegurança.
Acariciava as costas de seu amado enquanto ele o beijava em seu pescoço e ombros, apesar do nervosismo e da timidez, estava amando aquele momento tão especial entre eles.

Foi então que Afrodite se afastou um pouco de Shun e pegou sobre o criado mudo um potinho contendo um liquido cheiroso. Passou um pouco em seus dedos, mas ao tocar na entrada do castanho, ele quase dera um pulo de susto ao sentir ser tocado naquela região.
Então tocou carinhosamente o rosto de Shun e lhe sorriu docemente olhando no fundo daqueles lindos olhos verdes como esmeraldas.

- Calma Shun, eu não vou te machucar.
- Afrodite, eu nunca...
- Eu sei que essa é a sua primeira vez meu amor. Isso pode ser doloroso no começo, mas juro que serei cuidadoso e farei que isso seja inesquecível. Mas se em algum momento se sentir mal e quiser parar, é só me avisar.

Shun apenas acenou com a cabeça e sorriu docemente para seu amado, estava com medo mas também queria muito aquilo.
Com cuidado, Afrodite começou a preparar o castanho para o ato que estava por vir. Shun agarrou o lençol macio ao sentir o loiro introduzir um dedo em seu corpo, aquilo era bastante desconfortável, mas aos poucos o desconforto foi diminuindo. Com cuidado o loiro acrescentava os outros dedos para dilatar o mais novo, sempre observava as reações de seu amado.
Ao ouvir os gemidos de prazer e sentir que Shun estava totalmente relaxado e cômodo com a preparação, soube que seu amado estava pronto para recebê-lo, havia chegado o momento.

Em seguida se encaixou com delicadeza e Fo entrando lentamente dentro do mais novo sempre observando as reações do castanho. Shun tinha os olhos fortemente fechados enquanto agarrava com força o lençol branco deixando escapar alguns suspiros doloridos devido à invasão.
O loiro continuou lentamente até que se sentiu finalmente unido ao seu anjo e completamente dentro do corpo de seu amado Shun.
Viu várias lagrimas escorrendo pela bela face do mais novo e sentiu seu peito doer um pouco por ter causado dor ao castanho. Então tocou carinhosamente no rosto de seu amado e lhe sorriu docemente.

- Você está bem meu anjo? Eu te machuquei muito?
- Não se preocupe, isso está doendo bastante, mas eu estou bem meu amor.
- Eu sinto muito por isso, mas fique calmo e tente relaxar, essa dor já vai passar.

Então se beijaram novamente e Afrodite desceu sua mão pelo corpo do castanho fazendo um carinho gostoso em Shun em uma tentativa de fazê-lo esquecer da dor que sentia.
Momentos depois, sentiu os músculos de Shun relaxarem e o aperto em sua intimidade diminuir consideravelmente. Então começou a se mover devagar aumentando gradativamente a velocidade dos movimentos. Ambos foram envolvidos por um enorme prazer enquanto se entregavam de corpo e alma a aquele momento tão especial e preseroso.

Em certo momento Shun enlaçou suas pernas na ciontura de Afrodite fazendo com que ele fosse ainda mais fundo dentro de seu corpo. O oriental se agarravam em seu amado enquanto deixava escapar vários gemidos altos de prazer e o mesmo podia ser dito de Afrodite que quase urrava tamanho era o prazer que sentia naquele momento. Ficaram por mais alguns momentos naqueles movimentos fortes e prazerosos sentindo seus corpos arderem por dentro.

Sem parar os movimentos, Afrodite afastou os cabelos castanhos de Shun e afundou seu rosto na curva do pescoço do mais novo e o beijou ali de forma intensa e demorada. Depois falou em seu ouvido com sua voz rouca de desejo e ainda mais sensual.

- Shun, eu preciso disso.
- Tome meu amor, ele é seu. Agora meu corpo e meu sangue são seus, beba o quanto você precisar.
Afrodite sorriu ainda mais e sentiu seu corpo aquecer ainda mais ao ouvir aquelas palavras de seu amado. Não resistiu mais e cravou suas presas no pescoço de Shun o fazendo gemer alto com o enorme prazer que sentira naquele momento. O menor se sentiu chegar ao ápice não só com o grande prazer de sua primeira vez, mas também com o enorme prazer místico do beijo daquele belo vampiro.

Afrodite bebeu o liquido rubro de seu amado e também sentiu chegar ao ápice e se entregou por completo a aquele que tanto amava. Depois daquele enorme prazer, seu corpo caiu sobre o de Shun e sentiu ser abraçado por ele enquanto sentia a respiração ofegante e cansada do mesmo.
Ficaram por um bom tempo ali abraçados sentindo o contato de seus corpos e a presença um do outro. 
Até que em um momento, Afrodite se moveu com cuidado se desencaixando de seu amado, em seguida se deitou ao lado do castanho e começou a fazer um suave carinho no rosto de seu amado anjo. Shun lhe sorria de forma doce e feliz, seus olhos verdes brilhavam de forma ainda mais intensa.

- Isso foi incrível, nunca imaginei que fosse algo tão bom.
- Fico feliz que tenha gostado meu anjo, mas vejo que te deixei exausto.
- Que isso, não exagere, eu só preciso descansar um pouco. Isso foi algo realmente muito intenso.
- Você ainda não viu nada, isso foi só uma pequena amostra.

Então o loiro puxa o menor contra seu corpo e o abraça de forma carinhosa enquanto ele se aconchegava em seu peitoral forte. Shun já se sentia mais a vontade ali com seu amado e a vergonha dera lugar ao desejo de ficar a noite inteira ali com o belo vampiro.

- Sabe Shun, as vezes tenho medo de acordar em uma noite e ver que tudo isso foi apenas um sonho.
- Não precisa ter medo meu amor, nós estamos vivendo isso e você nunca mais estará sozinho. Não sei o que te aconteceu no passado, mas sinto que foi algo horrível. Juro por minha vida que jamais te deixarei sozinho e farei o que estiver ao meu alcance para que seja feliz ao meu lado.
- Sei que irá cumprir a sua palavra, obrigado por estar aqui comigo meu doce e amado anjo.
- Também tenho muito a te agradecer, ficarei ao seu lado até o meu ultimo dia.
- Não Shun, nós ficaremos juntos por toda a eternidade. Agora que te encontrei, não vou permitir que vá para longe de mim.
- Isso é impossível meu amor, eu não sou imortal como você.
- Nada é impossível pra mim meu anjo, farei você ficar para sempre ao meu lado, pois não vou suportar viver essa longa existência sem você.
- Afrodite, por acaso você pensa em me transformar em...
- Não, eu jamais te condenaria a essa terrível maldição. Há outra forma de você permanecer ao meu lado sem deixar de ser um humano. Mas vamos deixar isso para outro momento, agora eu vou te namorar a noite inteira.

Antes que Shun pudesse dizer algo, Afrodite lhe dá um intenso beijo enquanto suas mãos ágeis tocavam o castanho com desejo. Shun se arrepiou com aquela iniciativa de seu amado e no fundo também queria o mesmo.

- Mas que fogo. Você nem vai me deixar descansar?
- Não, pois você vai se animar rapidinho.

Então Afrodite o beija intensamente enquanto suas mãos percorriam o corpo esguio do Shun o tocando com ainda mais desejo. Já o castanho arranhava de leve suas costas de forma prazerosa atiçando ainda mais o desejo daquele lindo vampiro.

Com muito esforço o loiro conseguiu se separar do castanho e em seguida se levantou da cama e foi na direção do cômodo onde estava sua grande banheira. Shun acompanhou com seus olhos cada movimento de Afrodite até que ele entrou em um cômodo. Depois se sentou na cama para esperar pelo seu amado.
Alguns minutos depois, Afrodite volta para o quarto e vai em sua direção com seu típico sorriso doce e sedutor que tanto amava.

- Venha meu anjo, vamos tomar um banho juntos
- É uma ótima idéia para relaxarmos um pouco.
- E também para outra coisa muito mais interessante.
- Céus, já estou vendo que amanhã irei acordar todo quebrado.
- Exagerado, sabe muito bem que eu jamais faria algo que possa te machucar. Sei que és humano, então não se preocupe.

Em seguida o vampiro o puxa gentilmente e leva seu amado até a área onde estava a grande banheira. Quando já estavam dentro dela, começaram a cuidar um do outro em um banho cheio de carinho e dedicação.
Mas não demorou muito e o clima esquentou novamente, aproveitando que Shun estava mais solto e a vontade, o loiro explorava cada parte daquele belo corpo esguio tendo Shun fazendo o mesmo por si. Afrodite estava amando sentir o toque gentil de seu anjo por todo seu corpo.

Mas em certo momento percebeu que o castanho jamais o tocava em suas partes intimas, até pensou em guiá-lo naquele momento, mas se lembrou que aquilo podia estar ligado ao trauma do mais novo. Então decidiu deixar aquilo de lado, pois queria aproveitar cada segundo daquela noite ao lado de seu anjo. 
Foi então que Shun se sentiu ser agarrado e virado de costas para o loiro, sorriu feliz ao ver o quanto Afrodite lhe desejava e queria amá-lo. Aquela noite seria realmente bem longa e intensa pra eles.


Notas Finais


Música tocada na flauta por Shun: https://www.youtube.com/watch?v=9hU-dYhDzKE

Finalmente eles se entregaram ao amor que sentem um pelo outro.
Sério, esse lemon me deu um enorme trabalho, mas consegui fazer o que eu queria, um momento bem romântico e doce entre o nosso querido casal.

Eu criei uma playlist especialmente para essa fic: https://www.youtube.com/playlist?list=PLJUSBD80jvCUvkWQqD4XM-SgaKs7a91aU
Coloquei nas anotações dela o número da música correspondente e cada capítulo.

Muito obrigada a todos que estão lendo comentando e acompanhando a fanfic.
Um grande abraço e até breve.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...