História Entre dois mundos - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Asa Noturna, Batman, Homem de Ferro (Iron Man), Liga da Justiça, Mulher Gato, Os Vingadores (The Avengers), Superman
Personagens Anthony "Tony" Stark, Bruce Wayne (Batman), Dick Grayson, Helena Wayne, Pepper Potts, Personagens Originais, Selina Kyle (Mulher-Gato)
Tags Batman, Catwoman, Iron Man
Exibições 30
Palavras 2.030
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Bom dia! Eu prometi que não iria demorar e não demorei!
Sobre esse capítulo: o vilão aqui apresentado é o mesmo das HQs, porém com características um pouco diferentes. Liberdade poética, claro.
A Hel não aparecerá nesse capítulo, porque o próximo será dela.

Quero deixar corações cibernéticos para: ~ariM e ~gislainesantili que deixaram seus comentários!

~Twinkle_Mel - recebi uma notificação de comentário, mas não o achei... #sad

Boa leitura!

Capítulo 27 - Medo e caos


A campainha acabara de tocar pela sexta vez. Lauren apressou-se para abrir a porta. Do outro lado estava James Stark, em um nível de agitação altíssimo.

- O que aconteceu?- ela perguntou para a figura de cabelos desgrenhados e olheiras. James não respondeu, apenas adentrou o apartamento.

- Estou cansado disso tudo! Eu estava sendo rastreado! E por quem? Pelo meu pai! Cada passo que dei enquanto estava viajando, meu pai sabia de tudo... Eu nem deveria me surpreender com isso. Por anos eu tive que viver exatamente do jeito que ele queria. Todos os meus amigos, desde o jardim de infância tinham que ser aprovados. Eu não podia sair de casa sem um segurança nas minhas costas, sem uma câmera de vigilância em cima de mim. Cada passo que eu dou é registrado...

Lauren fechou a porta atrás de si, preocupada com a informação.

- Eu passei boa parte da minha vida até agora exercendo o papel do filhinho perfeito. Sendo aclamado por ser filho do grandioso Tony Stark! Mas, sabe o que é engraçado? Aqueles acionistas parasitas que me bajulam nem sequer sabem quem eu realmente sou. Aqueles vermes fazem de tudo para colocar as mãos no dinheiro da minha família. Que fiquem com cada centavo dos bilhões que tenho! Pra mim pouco importa. Estou de saco cheio dessa superproteção. De nada adiantou quando eu estava sendo cortado, queimado, eletrocutado por um psicopata! Agora, é a minha vida e eu vou tomar o controle dela!- com raiva, pegou um vaso que estava em cima da mesa de centro e acertou na parede, resultando em vários pedaços voando por toda a sala.

Alguns segundos após ter explodido em violência, James olhou para o rosto surpreso de Lauren.

- Me desculpe.  –ele falou, constrangido e atirou-se em uma poltrona.

- Tudo bem. – Lauren compreendeu que provavelmente James não voltaria mais para casa- O que você pretende fazer, agora?

Ele suspirou, cansado.

- Eu ainda estou muito confuso com o que aconteceu...

Ela o observou seriamente antes de falar.

- Quero lhe mostrar algo. – saiu por alguns segundos, trazendo um tablet e o colocou nas mãos de James , abrindo o arquivo de uma reportagem:

Chefe de máfia de tráfico de órgãos é desmascarado e morto. Oliver Shewneman atuava como cirurgião há 20 anos. Respeitado e aclamado na comunidade científica, era reconhecido por ser autor de programas sociais para crianças carentes. No entanto, o segredo obscuro por trás da carreira de sucesso foi revelado há três dias, quando o médico foi encontrado morto em sua casa. Embora o autor do crime ainda não tenha sido identificado, evidências apontam para um possível justiceiro. Computadores pessoais do médico foram hackeados e arquivos acusadores foram enviados para o jornal Aurora Post,  em Santa Fé no Novo México. Segundo as provas encontradas, Shewneman liderava um grupo de criminosos composto por médicos, paramédicos, enfermeiros, motoristas e advogados. O cirurgião oferecia a possibilidade de transplante de órgãos para membros de famílias ricas em toda a América do Norte. As famílias lhe procuravam como sendo a última esperança em casos graves de doenças crônicas de seus entes queridos. Após pagarem uma quantia que poderia atingir até dois milhões de dólares, a família acreditava que o nome do paciente fosse colocado nos primeiros lugares da lista de transplantes. No entanto, os mecanismos de Shewneman eram ainda mais desonestos e até mesmo desumanos.

Com a ajuda de dezenas de profissionais, que ainda não tiveram seus nomes identificados, Shewneman comandava a morte de pessoas inocentes para retirar-lhes os órgãos. Pelos cálculos, estima-se que pelo menos 320 pessoas já foram mortas pela máfia do tráfico. Entre elas, dezenas de crianças de 5 a 12 anos foram mortas por supostos acidentes de carro ou erros médicos em hospitais em bairros pobres.

Testemunhas relataram que há algumas semanas, uma criança em Santa Fé foi atropelada e morta na frente de sua casa por um carro não identificado que fugiu do local. Com a autorização da família, o FBI fez o processo de exumação do corpo. O representante de imprensa do departamento de homicídios e tráfico revelou:

“A causa da morte da vítima foi confirmada como atropelamento, sendo que o menino já foi levado ao hospital em óbito. Algumas horas depois sua morte foi confirmada por dano cerebral grave. Ao exumarmos o corpo, descobrimos que vários de seus órgãos foram retirados: coração, rins, fígado e córneas. O corpo fora completamente violado.”

Autoridades ainda investigam a vida do médico para descobrir se ele tinha alguma ligação com o desconhecido justiceiro. Segundo informações, os assassinatos foram cometidos por pelo menos 10 anos em total impunidade.

Lauren encarou James e viu acender-se em seus olhos uma faísca de satisfação.

- - -

Terra Paralela

As pessoas corriam desesperadamente pelas ruas, enquanto olhavam para os céus. Um androide de cerca de dois metros e de aparência humanoide encarava Mulher-Gavião, no alto de um prédio. Minutos antes, a base recebera o aviso de que um estranho robô exigia a presença da Liga da Justiça.

- O que você quer?- a heroína questionou, impaciente.

A estranha criatura encarou-a com certa curiosidade. A anatomia diferente da humana lhe chamava a atenção. A voz grave se impôs:

- Você é uma inimiga. Você e toda a Liga da Justiça.

- Quem lhe disse isso?- Aquela seria uma boa conversa, pensou.

- Meu amigo. Senhor Presidente Lex Luthor. Ele me disse que vocês estão tentando destruí-lo.

A mulher-Gavião afastou-se e chamou a equipe no comunicador.

- Vocês ouviram isso?

A heroína não conseguiu ouvir a resposta, porque foi atingida com força e desabou no chão, no parapeito do prédio. O androide aproximou-se mais uma vez prestes a desferir mais um golpe e a ruiva quase perdeu a reação ao vê-lo. Em alguns segundos a criatura adquirira todas suas características físicas, tendo em suas mãos uma clava idêntica a sua própria e as grandes asas imponentes.

Rapidamente a heroína Thanagariana levantou-se, alçou voo, alcançando as costas do androide e lhe desferiu um golpe com a clava. O choque foi tão grande ao ponto de destruir qualquer mero ser que já enfrentara, mas nada aconteceu.  

- Preciso de reforços, agora! - gritou no comunicador.

Sendo tão forte quanto ela, o androide voou com destreza e a acertou com uma força inimaginável na cabeça, fazendo Mulher-Gavião despencar do alto do edifício. Desacordada a ruiva caía em alta velocidade em direção ao chão quando um grande campo de força se formou, oriundo do anel do Lanterna Verde.

Enquanto mantinha-se alerta, chamou o líder do grupo de heróis através de seu comunicador auricular.

- Superman, estou com a Mulher Gavião, ela foi atingida. Precisamos de mais gente aqui!- disse Hal Jordan afastando-se do vilão, protegendo a colega heroína ainda desacordada.

Os transeuntes na rua corriam sem controle e desorientados. A criatura, agora alada, caminhava lentamente pelas ruas, insensível a qualquer tentativa da polícia para pará-lo. Todos os tiros eram completamente repelidos pela superfície meta-humana de seu corpo. Os gritos de medo eram ouvidos por todos os lados à medida que avançava.

Algumas pessoas se esconderam atrás de carros, ao longe, para observar a ação dos três outros heróis que haviam acabado de chegar. Selina, (que assumira o nome Mulher-Gato, mais uma vez) Flash e Arqueiro Verde estavam a postos para atacar o vilão, quando foram atingidos por uma espécie de onda, vindo da energia do anel do Lanterna Verde.  A luz esmeralda lançou os três heróis para longe.

- Mas o quê?! – Wally levantou-se rapidamente olhando em volta- Jordan, por que você fez isso?

- Não fui eu, Flash, eu estou cercado! – respondeu Hal Jordan através do comunicador, de dentro de seu próprio campo de força que estava sendo atacado ferozmente.

O velocista vermelho percebeu que realmente não fora o Lanterna que usara o anel. Com toda sua rapidez sobre-humana, levou Selina e o Arqueiro para longe da área-alvo.

- Vocês estão bem?

- Estou... - Respondeu Oliver, ainda desnorteado.

- Estou bem, também. O que diabos aconteceu aqui? – exclamou Selina, também confusa.

Flash respondeu ao se comunicar com a Torre.  

- Batman, Superman! Não se aproximem, esse cara cinzento esta copiando todos os nossos poderes! Ele tem os poderes do anel... Não sei como isso é possível.

- Amazo. – respondeu Batman, com sua calma habitual. Superman olhou-o, preocupado. O problema era maior do que esperavam.

- Pensei que ele fosse apenas um projeto do governo... Droga! – exclamou enquanto via ao longe Hal e Shayera serem atacados.

- Ele era um projeto do Lex, liderado pelo professor Arthur Ivo... Vocês precisam ter cuidado com ele. Quanto mais perto chegarem, mais poderes ele terá.   – interviu o Escoteiro – Vou avisar os outros membros.

Rapidamente, Superman entrou em contato com Mulher-Maravilha e Barry Allen que estavam em missão, mas que provavelmente já estariam indo para o local.

- Flash, Mulher-Maravilha, não atendam ao chamado que receberam do Lanterna. Afastem-se o mais rápido possível do que esta acontecendo lá. Precisamos pensar em uma estratégia. – A resposta veio quase imediata. Do outro lado, o velocista original da dimensão estava ultrapassando a barreira do som para salvar um grupo de marinheiros de uma ogiva nuclear.

- Superman, aqui é o Flash 1. Eu estou um pouco ocupado agora... A Diana não esta mais comigo.

- Ela não esta com o Flash, ela já esta enfrentando Amazo- falou Batman. – Arqueiro Verde, Mulher-Gato, não tentem atacá-lo, se afastem até que tenhamos um plano. 

- Nós não vamos sair daqui sem fazer nada!- Selina respondeu, pronta para usar perigosos explosivos. Já tivera face a face com criaturas poderosas em seu mundo. Não ia ser um robô que iria pará-la. Mas, o Cavaleiro de Gotham não estava se importando com sua determinação.

 - Repito. Isso é uma ordem. Ele tem a capacidade de assimilar poderes. Ele possui força e velocidade sobre-humana. Mantenham-se afastados!

Há alguns metros, a luta continuava sem trégua. Usando toda sua força, Diana atingiu Amazo com um golpe certeiro na cabeça, fazendo-o cambalear. Imediatamente, Lanterna Verde e a Mulher-Gavião conseguiram se libertar do campo de força.

Preocupada com o poder crescente do inimigo, a Thanagariana voou em direção a outra heroína.

- DIANA! NÃO SE APROXIME DELE! – gritou, mas não se fez ouvida, em vez disso, recebeu mais uma vez a resposta de Amazo.

- Vocês não têm o direito de agir como deuses. Vocês devem se submeter às leis do governo deste país, como os outros cidadãos e serem punidos pelos atos que cometeram!

- Se você espera que apoiemos Lex Luthor, você esta errado!- exclamou a princesa, furiosa, acertando-o com seus punhos. Imediatamente o androide desenvolveu todos os poderes da Mulher-Maravilha e golpeou-a com uma força ainda maior.

Gritos de pavor das pessoas que ainda estavam nas ruas foram ouvidos quando a amazona caiu ao chão, abrindo uma cratera por onde seu corpo fora arremessado. Após longos segundos de um silêncio apavorante, uma repórter que acompanhava de uma distância perigosa tudo que acontecia, mandou que o cinegrafista recomeçasse a filmagem em sua transmissão ao vivo.

- A batalha da Liga da Justiça foi perdida. A heroína amazona, Mulher-Maravilha acaba de ser morta. Repito, a Mulher-Maravilha esta morta.

O caos instalou-se na cidade.

- - -

Lauren acendeu as luzes da sala de estar, onde James adormecera pela irritação e pelo cansaço. Encolhido no sofá, agitava-se violentamente enquanto gritava.

- James! Precisamos sair daqui em uma hora.- ela o sacudiu, tentando tirá-lo do possível sonho.

Ele se tornou ainda mais agitado.

- ME SOLTE!  ME SOLTE, SEU DESGRAÇADO! – o desespero era saliente em sua voz.- Seus braços e pernas se mexiam sem coordenação. Ela tocou em seu rosto, estava quente e tomado por suor.

- Hey, você esta tendo um pesadelo, garoto! – Não houve qualquer resposta e a vigilante gritou ainda mais. - JAMES! JAMES!- ela o segurou com as mãos em seus ombros, sacudindo-o com força. Sua mente parecia estar presa em um transe.  Enfim, os tremores cessaram e o homem que estava antes sem o controle do seu próprio corpo, abriu os olhos calmamente.

- James... Era só um pesadelo, você esta me ouvindo? – seus olhos focaram-se nos de Lauren. Um olhar embotado, frio e confuso formou-se ao respondê-la. 

- Quem é James? 


Notas Finais


Eu não sou ruim, eu juro.Talvez só um pouquinho...
(Não, a Diana da Terra Paralela não morreu.)

O que aconteceu com o James?
Beijos e até a próxima (juro que não demorarei)

P.S.: O que acharam da nova capa? Alguma sugestão?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...