História Entre nós existe uma Lolita - Capítulo 65


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Amor, Homossexual, Incesto, Lolita
Exibições 151
Palavras 2.709
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Orange, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 65 - Eu sou a sua Valentine


Fanfic / Fanfiction Entre nós existe uma Lolita - Capítulo 65 - Eu sou a sua Valentine

Dylan p.o.v

"- eu tinha me esquecido como isso é bom. - disse ofegante, Gerard apertava meu quadril enquanto se despejava dentro de mim.

Gerard se afastou deitando na cama, estava completamente nu e sem fôlego, era insano aquele homem. Agora eu entendo o porque da Valentine gostar tanto dele, o sexo era incrível, mesmo não estando acostumado a ser o passivo foi realmente o melhor sexo da minha vida, só perdia pro sexo com a Valentine. Imagina um menage com os dois....

- você é igual ela em questão a insônia?- perguntei vendo que ele não ia dormir mesmo depois da bebedeira e de um bom sexo selvagem. Ele apenas assentiu, passou a mão no rosto tirando alguns fios de cabelo que grudavam em sua testa, puxou o lençol cobrindo sua virilha.

- quer conversar?- perguntei deitando ao ssu lado. - até você pegar no sono...

Ele deu de ombros e eu suspirei, acendi a luz e ele fechou os olhos até se acostumar com a claridade.

- então, há quanto tempo não dorme?

- uns quatro dias. - disse penteando o cabelo com os dedos.

- e por que não dorme?

- eu não sei, há muito tempo eu desenvolvi uma certa mania, eu só consigo dormir quando estou com ela, ou quando transo com ela, ou estando embaixo do mesmo teto que ela me da uma certa paz de espírito.

- e ela?

- também tem essa mania, mas ela toma remédio. Val nega ate a morte mas eu já achei.

- e você por que não toma?

Ele deu de ombros. - por que você começou a namorar com ela?

- você ja olhou pra Val?

Ele riu cobrindo o rosto com o braço, Gerard tinha duas tatuagens, uma no antebraço em hebraico e um dragão.

- por que você só tem duas tatuagens? -perguntei e o sorriso sumiu. - eu já vi os seus irmãos eles são cheios  

- não era pra mim ter mais de uma tatuagem, eu só queria essa.- disse ele mostrando a do antebraço.

-"my Valentine" - disse olhando a tatuagem.

- como você...

- eu sei hebraico meus avós paternos são judeus, acho que ninguém na sua família sabe, certo?

- durante anos menti dizendo que era o nome do Erich...

- e todo mundo acreditou?

- claro é meu "marido"- disse ele fazendo aspas com os dedos, seus olhos castanhos fixos em algum ponto na parede.

- você não o ama?

- não mais..

- por causa dela?- ele assentiu - caralho, boceta de ouro.

Ele riu -partes de princesa. - disse ele. - ela odeia que chamem a boceta dela de boceta.

- eu sei, mas que boceta hein? 

- eu não gosto de comer a boceta dela pra falar a verdade.

- sério?

- sério, porém eu tirei a virgindade dela pra você não tirar...- disse me olhando.

- que escroto 

- eu sei - disse dando de ombros.

- mas esperto...- sentei na cama e o olhei. - Valentine e você ainda...?

Ele sorriu - Valentine virou acompanhante de luxo. Começou a sair com velhos ricos, ela me esqueceu. Dylan não vou negar, ela gosta de você se souber disso ela vai se vingar, eu quero isso. Quero a fúria dela, preciso saber se ela ainda me ama.

- o que? Por quê?

- Erich sabe sobre mim e ela e me proibiu de vê-la. Mas não me proibiu de.. 

- de transar com outras pessoas. - disse. -como ele descobriu?

- na verdade eu descobri que ela tinha um caso com ele, o que fez com que tivéssemos um menage.

- Val transava com você, comigo e com e Erich?

- é, agora tenho um plano, ela querer se vingar vai achar um jeito de mudar isso, eu até dormi com a Barbie pensando...

- oh, mas ela vai se vingar, então boa sorte 

- ligue pra ela...

- o que?! Enlouqueceu?!

- ligue para ela e diga para vir aqui.

- Não. Não quero me envolver.

Ele pulou em cima de mim, beijou meu pescoço e o mordeu, sua mão agarrou minha nuca e me puxou, sua língua passou gentilmente pelos meus lábios.

- liga pra ela... - sussurrou me dando um selinho

- ok, eu vou ligar para ela..

- bom menino. - ele se afastou.

- com uma condição...

- qual?

- eu, você e ela. 

Gerard me olhou surpreso, pareceu ponderar a condição mas sorriu. - ok.

Eu liguei umas doze vezes e nada dela, esperamos horas, mandei mensagem, e nada, até que ele se cansou.

Gerard começou a se vestir, era estranho olhar para ele, agora tudo era diferente, depois de tudo que aconteceu nesse quarto.

- então você dormiu com a Barbie? - perguntei cruzando os braços 

- eu sei que você namora...

- eu não namoro a Barbie.

- ah então, não tenho que explicar o porquê..

- mas, por quê? Tudo pra Val se vingar?

Ele terminou de se vestir, pegou as chaves do carro, segurou meu queixo e me olhou 

- tchau Dylan.

Então era isso que Val sentia estando perto dele, era intoxicante e venenoso, Gerard tinha me infectado do mesmo jeito que ela tinha me intoxicado."





 

Uma semana tinha se passado, e o maldito do Gerard dominava meus pensamentos por completo, o que fizemos estava gravado no meu cérebro, eu tentava afastar esses pensamentos mas ele ficavam cada vez mais nítidos.

Valentine não respondeu as minhas mensagens e nem tive coragem de ir procurar por ela, já Barbie não me deixava em paz querendo saber porque fui embora com Gerard naquele dia.

Eu não conseguia me concentrar em nenhuma aula, sai da sala e corri até a GM, era o horário de almoço.

Eu entrei indo até a recepção, indo até os seguranças e perguntei por Gerard.

- você é o Dylan certo? - perguntou um segurança gordinho e baixinho, eu me lembrava dele, simpático, sempre sorridente.

- sim, Val está?

- não mas pode subir, Valentine já deve estar chegando.

 - obrigado

Apertei o botão do elevador e esperei a porta abrir, assim que o elevador chegou e abriu a porta, Gerard levantou o olhar e sorriu 

- Dylan?- perguntou surpreso, ele saiu do elevador e me encarou. - o que faz aqui?

- eu vim aqui porque...- meu coração parecia querer descer pelo estômago.

- por que? - perguntou cruzando os braços.

- Gerard eu não consigo parar de pensar em você.

Ele me olhou ainda mais surpreso. - isso é estranho, não éramos inimigos? - perguntou ele sorrindo, meu Deus que risada gostosa.

- temos o mesmo objetivo Gerard, mas enquanto isso, eu quero continuar te vendo.

- vem vamos almoçar...

Entramos em um restaurante chique, o que era horrível já que eu estava de calça moletom, tênis e uma camiseta de manga longa.

- vai querer o que?- perguntou ele pegando o menu.

- você...- disse sem pensar. Ele abaixou o menu e me olhou arqueando uma sobrancelha, Gerard estava lindo, usava uma calça social preta, camisa cinza, e estava sem blazer.

- sem brincadeira Dylan, vai querer o que?- perguntou me encarando sério. - e agora não estou me referindo a comida.

- eu não consigo parar de pensar em você, que bruxaria você fez homem?

- nenhuma...

- eu vou repetir um semestre graças a você!

- eu?! Eu não fiz nada! - ele riu, uma risada gostosa que preencheu meu coração de felicidade.

- sim! Você!

- por quê?

- eu tive três provas, e não consegui passar em nenhuma, não conseguia me concentrar só pensava "ele deve estar no escritório" ou " será que eles voltaram?"- disse vendo seu sorriso sumir. - Essas coisas e fiquei lembrando da noite...

- eu entendi. Dylan...

- eu não sou gay! - disse um pouco alto demais, Gerard me olhou assutado. - ou eu pensei que não fosse mas agora estou em dúvida da minha própria sexualidade.

- eu não sei o que você quer que eu faça. Dylan eu só transei com você pra irritar meu marido e fazer ela voltou.
- ele se irritou?- perguntei um pouco irritado. - Ela voltou?

Gerard negou. - ele não liga contando que não seja a Valentine...- disse cabisbaixo. - e faz uma semana que não à vejo, Valentine não foi trabalhar, não atende minhas ligações e não responde minhas mensagens.

- então, eu e você...

- não existe eu e você...

- você transou com a Barbie, eu acho que eu sou melhor do que ela. Eu provocaria bem mais ciúmes na Valentine do que a Barbie.

Gerard riu, a garçonete veio anotar nossos pedidos, assim que ela se afastou ele me olhou.

- Val vai te matar.- ele disse.

- eu me arrisco.

- por que?

- porque você a quer e eu quero você e ela. É você meio que se parece com ela, então enquanto eu não tenho o meu menage...

- mas eu não sou ela.

- não, você é mais intenso, venenoso e viciante, você é uma droga forte que eu quero provar mais e me viciar, arruinar minha vida pois nunca quero me reabilitar, quero sentir você dentro de mim, me corroendo, destruindo tudo que à em mim, você é demais Gerard...

Eu me sentia ela, me sentia Valentine, será que ela também se sentia assim perto dele?

Será que o coração dela batia tão forte e desesperado?

- eu quero ser a sua Valentine enquanto ela não vem....

- ok

- sério? - Perguntei descrente.

- sim...- disse ele sorrindo maldoso.- palavras bonitas Dylan, bem gay aliás.

- então eu posso ser a sua Val?

- se esse é o jeito que você quer chamar de amante, sim você pode ser a minha Val.

- ótimo porque eu estava louco pra fazer isso 

Eu me debrucei sobre a mesa e o beijei sendo correspondido, sua língua brincava com a minha me deixando excitado, sabia que isso atrairia a atenção dos outros ao redor mas foda-se eu o queria e não iria me repreender 

- aqui está o seu almoço senhores.

Eu me afastei vendo a garçonete segurando a bandeja com os pratos 

Gerard a olhou sorrisente e com a maior de cara de pau respondeu. - ainda bem, senão ia acabar comendo outra coisa.

 Puta merda! a garçonete o olhou envergonhada, Gerard sorriu largamente para ela.

- tem algum lugar onde podemos fazer isso...- eu sugeri, agora a cara dela era impagável

- olha tem sim...- respondeu ele roubando uma batata frita do meu prato.

Eu virei a Valentine.

Gerard p.o.v

Dylan pulava no meu colo, literalmente cavalgava o meu pau gemendo alto e escandaloso.

- isso é bom?- perguntou ele me olhando com malícia. - você gosta assim?

Estávamos no motel, no quarto de sempre, o mesmo quarto onde já foram vivenciadas inúmeras cenas de amor e pecados entre eu e minha pequena Valentine, aqui nesse mesmo quarto foi onde tirei sua virgindade, aqui nesse quarto, e agora estava transando com um dos meus inimigos.

- Dylan não precisa ficar me perguntando isso, se não estivesse bom meu pau não estava duro.

- desculpa, é que é meio difícil de saber você mantém a mesma expressão facial.

- eu estou gostando Dylan pode acreditar.

Ele sorriu e me beijou, voltou a cavalgar e eu me concentrava ao máximo para não perder a ereção, fechei os olhos e pensei nela, Val dominou instantaneamente meus pensamentos e como um véu negro eu fiquei cego e só a enxergava ali, abri os olhos vendo os olhos castanhos dela me encarando, a boca entreaberta, as bochechas com o tom rosado e seu cabelo parecia um véu.

- Ge-gerard...

Ela gemeu, inverti as posições ficando por cima, seu cabelo negro cobria todo seu rosto e costa.

- o que tanto olha? - perguntou sorridente.

- você..- respondi.

Comecei a me mover fazendo ela gemer dengosa, gemia apenas para eu ouvir, apertando os lençóis até os dedos ficarem sem cor, não demoraria muito até gozar mas eu não queria isso, não queria que acabasse, eu queria ficar ali com ela por um longo tem, senti ela me apertar, e logo em seguida gozei.

Fechei os olhos tentando controlar minha respiração.

- nossa Gerard, agora entendo porque ela não abre mão de você.

Abri os olhos vendo Dylan sorridente, minha mente traiçoeira me enganando novamente.

Levantei indo pra o banheiro, tomei uma ducha rápida e sai, me vesti vendo Dylan adormecido, deixei dinheiro em cima da mesa de cabeceira, um bilhete e sai.

Valentine não aparecia ao trabalho à uma semana, não atendia as ligações e muito mesmo respondia as mensagens. Hoje seria a primeira vez que ela iria dormir lá em casa e eu estava com medo dela não aparecer.

Entrei no carro e fui até a casa do meu pai, vi a moto de Luke e o carro dela estacionado, Valentine tinha que estar em casa.

Entrei indo direto para o quarto dela, Valentine não estava lá, nem no banheiro eu fiquei desesperado, fui até o quarto de Luke e o vi na janela, usava um roupão de seda.

- irmãozinho? - perguntou Luke surpreso 

- onde ela está?

- quem?- perguntou sorridente.

Foi quando notei a presença dela, uma mulher loira, muito bonita de olhos azuis e estava amarrada, usava um roupão semelhante ao de Luke.

- quem é essa Luke?

- essa é uma amiga minha, Dayse. Dayse esse é o meu irmão caçula Gerard.

- é um prazer conhecê-lo. - disse me encarando.

Dayse me parecia familiar mas não conseguia saber de onde a conhecia

- onde está Valentine, Luke?

- não está trabalhando? - perguntou surpreso.

- ela não aparece na GM a dias!

- eu não sei o que te dizer, ela sai todo dia para trabalhar, um carro vem buscá-la e...

- um carro?

- sim. Um sedã preto, Toyota eu acho...

Era o mesmo carro que eu a vi entrar todos os dias quando ia almoçar.

- hoje ela vai lá em casa, passar o fim de semana.

- Gerard, se você for até o quarto dela vai ver que há uma mochila em cima da cama, Val vai chegar por volta das 17h e ir para sua casa, não precisa ficar ansioso.

Olhei para a loira que sorriu gentilmente, tinha algo estranho no ar, Luke parecia saber o que Valentine aprontava e hoje tiraria essa história à limpo.

-venha, quer esperar no quarto dela?- perguntou Luke vindo na minha direção

- não, eu preciso trabalhar, avise a Val que eu vou estar esperando.

- tudo bem eu aviso

- tchau Luke, adeus Dayse.

- adeus Gerard.

 

 

 

 

Já se passavam das 18h, desligue o monitor do PC e sai, dirigi com um pouco de pressa para chegar logo em casa, precisava vê-la, precisava abraçar ela e sentir seu corpo contra o meu. Passei em uma loja comprei chocolates e doces para ela e dirigi apreçado.

Quando cheguei em casa, o carro dela estava estacionado na rua, manobei guardando o carro na garagem, entrei pela porta de acesso entre a cozinha e a garagem, vi Erich segurando o queixo de Valentine que parecia estar chorando.

- o que você está fazendo?- perguntei fazendo ele se assustar e se afastar dela.

- Gerard, eu...- ele ia começar mas ela o interrompeu.

- Erich estava me atualizando sobre tudo que você fez...

- e o que eu fiz?- perguntei me aproximando.

- você... - seu queixo tremia, Val segurava o choro tentando se concentrar.

- eu.

- Gerard. - disse Erich ameaçador. - eu pedi pizza, vá chamar a Barbie.

Eu o olhei e ele olhava para Valentine. Ela usava um vestido cinza, os cabelos pareciam bem maiores e as bochechas coradas, ela enxugou as lágrimas e desviou o olhar.

- eu vou para o meu quarto... - disse ela.

- sobre isso, seu quarto agora é da Bonnie. - disse Erich.

- e onde eu vou dormir?

- com a gente, afinal você já está habituada a se deitar conosco. - disse Erich e ela o olhou incrédula. - além disso, se algo tiver que acontecer eu vou estar perto pra impedir.

- vai ser um longo fim de semana.- suspirei.

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...