História Entre o amor & a vingança - Capítulo 32


Escrita por: ~

Postado
Categorias Anahí, Cristiano Ronaldo
Personagens Cristiano Ronaldo
Tags Ação, Álcool, Anahi Portilla, Cr7, Cristiano Ronaldo, Drama, Suspense, Tiro
Visualizações 44
Palavras 1.257
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Famí­lia, Mistério, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa noite!!

Capítulo 32 - A própria sorte


Fanfic / Fanfiction Entre o amor & a vingança - Capítulo 32 - A própria sorte

Pov. Anahí Portilla

Uma semana havia se passado desde a minha última transa com o Cristiano, e ele simplesmente me ignora, finge que não existo. Quando está em casa se trança no seu escritório e só sai quando a Emily chora. A minha vida está de cabeça para abaixo, recebo constantemente ameaças anônimas no meu celular e ainda não mostrei a ninguém. Sei que é o Caveira tentando me deixar amedrontada, e eu  não vou parar de viver a minha vida por causa de suas ameaças.  Abro a porta para a karen e a sua mãe Heloísa passar, elas ultimamente vem visitar a minha filha com muita frequência.

_ Boa tarde! _ Heloísa fala simpática.

_ Boa! Sente-se, já vou buscar a Emily. _ respondo calma fechando a porta e indo buscar o meu bebezinho.

Ajeito o lacinho nos cabelos loiros da minha filha e o seu cansaço rosa, hoje o dia está bem frio em NY.  Volto a sala e entrego a Emily para a sua avó pegar, ela acaricia a neta com muito carinho.

_ Ela está ficando pesada, Anahí! _ D. Heloísa fala animada. _ Daqui a pouco estará uma mocinha.

_ Sim, mama em três em três horas. Já não consigo nem dormir direito, porque de madrugada ela me acorda. _ comento frustada.

_ Oh! Ela é tão pequenina. _ karen fala carinhosa.

_ Lembra muito o meu filho, Cristiano era muito agitado quando era pequeno. _ diz nostálgica.

_ Any! Preciso conversar contigo. _ karen fala sério.

_ Vamos ao meu quarto, enquanto isso a sua mãe cuida da Emily. _ digo calma.

_ Fique tranqüila, cuidarei da minha netinha linda. _ ela responde alegre e a minha filha dá um sorrisão reconhecendo a avô.

Entro no meu quarto, karen se senta na minha cama de frente a me e diz:

_  Você e o meu irmão não dorme no mesmo quarto?

_ Não, ele está me evitando. _ digo irritada. _  Fica saindo direto com a nova vizinha e me deixa sozinha em casa com a Emily.

_ Ele está magoado e acha que o melhor é ficar longe de ti. _ diz séria. _ Você renegou a sua filha e o amor que ele queria lhe dar, agora fica difícil reconquistar a confiança do meu irmão.

_ É complicado separar os meus sentimentos, eu tenho raiva do Cris ser filho do assassino do meu pai e ao mesmo tempo sinto que o amo tanto. _ digo desesperada. _ Com a Emily foi mais fácil parar de rejeitá-la. Eu amo a minha filha sem medidas, ficar perto dela me fez enxergar o quanto fui injusta.

_ Então, converse com o Cris, fale que está arrependida e por favor conte da morte do seu pai com ele. _ karen aconselha.

_ Você acha que o Cristiano vai entender a minha vingança igual você? _ falo séria. _ Ele vai me odiar se descobrir a verdade, que me aproximei dele por vingança.

_ Sei que não vai ser fácil, mas é melhor o Cristiano saber dessa história por você. _ ela fala frustada. _  Any! A situação é complicada, a Paloma está cada vez mais próxima do Cris e ele está querendo contratá-la como a nova assistente da empresa.

_ Não acredito que o seu irmão vai colocar aquela puta oferecida no meu lugar. _ digo furiosa.

_ Vai sim, amanhã ela começa a trabalhar na empresa ao lado dele. _ diz irada. _ Você tem que fazer alguma coisa e rápido.

_ Bom, eu vou pensar em alguma solução plausível, mas acabei de me lembrar que preciso comprar uma nova chupeta para Emily. _ digo impaciente. _ Ela perdeu no passeio que o Cris fez com ela e a Paloma.

_ Tá, eu fico com a minha sobrinha e a minha mãe _ diz firme.

_ Ótimo! Vou rapidinho e já volto. _ digo apressada pegando o dinheiro na minha bolsa. 

Saio do apartamento do Cris, caminho pela calçada e aceno com a mão para o táxi parar. Alguns minutos depois chego na lojinha de bebês e entro, procuro uma chupeta e quando encontro compro logo duas: uma rosa e a outra lilás. Acabo me empolgando e resolvo levar também um ursinho de pelúcia, pago as compras e saio da loja sorrindo, mas o meu contentamento vai embora quando vejo a vadia da Paloma dando sorvete na boca do Cristiano, os dois pareciam bem íntimos, já que ele acaricia a mão dela e depois a beija com desejo. Eu não queria chorar, mas não consegui ser forte, a primeira lágrima cai no chão e a segunda só aumentou o meu desespero, estou perdendo o amor da minha vida. Sair correndo com as compras na mão e o coração partido. Está doendo tanto vê-lo seguindo  adiante e me deixando para atrás. Minha vista fica meio embaçada pelas lágrimas e quase sou atropelada na rua. Mas, o pior está por vim, vejo dois rapazes no beco armados me fitando com um sorriso cínico nos lábios, um deles mostra a sua pistola preta e outro soletra:

_ Vou te matar.

Merda! São capangas do Caveira, olho para os lados e só vejo carros passando rapidamente, nenhum táxi passou aqui. Suspiro fundo e ando apressadamente, viro a direta olho de relance para trás e vejo os dois bandidos me seguindo-o. Eu vou morrer, eles começam a atirar, desvio dos tiros viro a esquerda e sem pensar direito entro dentro de uma oficina de carro e me escondo debaixo de um fusca velho.

_ Hei! Vocês viram uma loira passar por aqui? _ o bandido pergunta ao mecânico que acaba de voltar do banheiro.

_ Não! _ diz sério.

_ Tenha certeza? _ o outro bandido fala rude apontando a pistola e caminhando na direção do cara.

_ Tenho! _ fala amedrontado. _ Não me mate, eu juro que não fiz nada.

_ Justamente por não vê-la tu vai morrer. _ o cara fala friamente e atira no pobre rapaz que cai falecido no chão bem perto de mim, seu sangue escorre sujando a minha blusa branca.

_ Vamos levar um carro. _ o outro bandido fala eufórico. _ Assim acharemos a vagabunda da Anahí mais facilmente.

  _ Pegue esse fusca amarelo. _ o cara mais baixo surgere, rezo mentalmente para ele não levar esse carro.

_ Não! Essa lata velha não corre nada, vamos levar essa BMW preta. _ o outro responde animado. _ Quando matarmos Anahí, o chefe vai nos dá muita grana.

Espero esses criminosos ir embora, e saio debaixo do fusca com as compras da minha filha na mão. Suspiro fundo, e ando para fora da oficina assustada, pelo visto sair sozinha sem os seguranças está sendo perigoso. Estou jurada de morte, preciso descobrir urgentemente quem é o Caveira. Graças a Deus! Encontro um táxi vago e consigo voltar para o apartamento do Cristiano sã e salva. Assim que abro a porta , karen e a sua mãe me fitam assustada.

_ Você está bem? Está baleada, Anahí? _ a mãe do Cris indaga assustada ao perceber as minhas mãos trêmulas e a minha roupa manchada de sangue.

_ Eu estou bem, foi só um susto. _ digo aliviada.

_  Vou chamar o Cristiano. _ karen diz séria ligando para o irmão.

_ Duvido que ele venha, ele está ocupado demais beijando a Paloma. _ digo chateada e caminho em direção ao meu quarto.

Deixo as compras na cama e choro novamente não por ter sido quase morta, mas por lembrar do Cristiano beijando outra mulher. Eu o perdi para sempre.


Notas Finais


Any está sofrendo💔💔


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...