História Entre o Vermelho e o Dourado - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Castiel, Nathaniel
Exibições 156
Palavras 1.335
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Hentai, Lemon, Luta, Romance e Novela, Violência, Visual Novel, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Bom gente a capa já dá até um spoiler né... E eu sei que tá horrorosa, mas eu não manjo das "edição", kkkj
Eu espero que gostem do capítulo e que perdoem a demora, eu estava com um bloqueio criativo! Gostaria de agradecer a ajuda maravilhosa da leitora Carolina Enomoto a KimCaah que me deu ideias para compor e melhorar a história! Muito obrigado pela ajuda meu amorzinho e eu espero que goste do capítulo que foi feito especialmente para você e com sua ajudinha é claro! Ai gente vão ler! Hahaha

Capítulo 18 - Duas pessoas muito diferentes


Fanfic / Fanfiction Entre o Vermelho e o Dourado - Capítulo 18 - Duas pessoas muito diferentes

Estávamos sentados esperando para sermos atendidos e logo uma moça veio nos chamar, ela nos levou até uma sala e quando entramos lá encontramos dois homens, um musculoso moreno de cabelos brancos na altura dos ombros de olhos amarelados e um loiro alto com uma mecha negra na franja e olhos verdes.

-Olá eu sou Leiftan e esse é Valkyon, somos os psicólogos de vocês.

Valkyon- Vocês querem escolher quem conversa com quem?

Nathaniel- Eh... Vocês podem escolher

Leiftan- Então tá, loiro com loiro e cabeludo com cabeludo, okay?

Castiel- Está ótimo

Valkyon- Então você vem comigo para minha sala.

Eu sai da sala deixando Nath com o doutor Leiftan que parecia ser muito gentil, não posso dizer o mesmo do tal Valkyon, ele tem uma expressão muito séria e não falava muito.

Valkyon- Entre e sente-se onde preferir

Sentei-me em uma poltrona grande e ele sentou-se no sofá a minha frente.

Valkyon- Bom eu devo dizer que já sei parte da história de vocês, o doutor Nevra me contou o que sabia.

-Vocês se conhecem?

-Sim, na verdade todos fizemos faculdade juntos, Nevra, Leiftan, Ezarel, Keroshane e eu.

-Eu conheço todos menos o Keroshane

-Logo o conhecerá, ele vai ser o nutricionista a cuidar de vocês, ou melhor, do seu amigo.

-Ah, mas ele é meu namorado.

-Que seja... Vamos ao que interessa, agora é a parte que você me conta mais sobre você e eu tento te ajudar.

-Tá... Por onde começo?

-Do começo de tudo isso, o que levou vocês a estarem aqui.

-Bem, é muito complicado, mas eu vou resumir tudo... Eu e Nath nunca nos demos muito bem por causa de uma ex-namorada minha que provocou uma briga entre nós, e desde então nos odiávamos, a pouco tempo atrás a irmã do Nathaniel armou para que ele fosse expulso de casa, ela fez um amigo dela agarrar ele e bateu foto para mostrar para os pais que são bem preconceituosos e rígidos, e deu certo, o pai dele o espancou e depois o expulsou de casa, ele se perdeu pela cidade e eu acabei o encontrando em um beco, e mesmo não gostando dele eu precisava fazer algo, quer dizer, é humanos não é? Ajudar alguém quando se precisa, eu o levei para minha casa e cuidei dele, e estava tudo ótimo, nós acabamos ficando uma vez e foi tudo perfeito, mas quando voltamos para a escola a irmã dele tinha armado novamente, espalhou as fotos dele pela escola e quando nos viu juntos ela bateu outra foto, e mostrou pro pai, ele ligou pro Nathaniel e falou coisas horríveis, e foi ai que essa confusão começou, Nathaniel tentou suicídio, mas eu cheguei antes do pior e o levei para o hospital, graças a Deus ele ficou bem, e desde então o doutor Nevra que é uma pessoa muito legal tem nos acompanhado.

-Me conte como era antes de ele ir morar com você

-Ah, para ser sincero era meio solitário, meu pai é piloto e minha mãe é comissária de bordo então eles vivem viajando, aparecem uma vez ou outra nos feriados e em alguns fins de semana, mas fora isso eu vivia apenas com meu cachorro, e um amigo que me visitava algumas vezes.

-Já parou para pensar que essa atração pelo garoto loiro pode ser apenas carência? Ou solidão?

-Não, por que não é isso, se fosse carência ou solidão eu tinha agarrado meu melhor amigo que vivia na minha casa.

-Parou para pensar então que ele pode estar com você por falta de opção ou por não ter para onde ir? Talvez esse “amor” seja apenas coisa da cabeça de vocês para aproveitar o tempo, ou mesmo “saciar” certas vontades?

-Pera ai, a sua intenção é me ajudar ou colocar mais paranoia na minha cabeça?

-A minha intenção é saber a verdade e mostrar a verdade.

-A verdade é que eu amo o Nathaniel, não é coisa da minha cabeça, ninguém inventa esse tipo de coisa, isso não é só carência ou vontade de ter alguém para transar.

-Eu só estou querendo dizer que...

-Que você é um idiota preconceituoso que acha que vai saber e entender tudo que passamos depois de uma consulta.

-O único idiota é você, achando que ele resolveu te amar assim do nada, talvez ele até pense te amar quando na verdade isso pode ser apenas gratidão por você tê-lo salvo.

-Eu não sou obrigado a ouvir esse tipo de coisa, você diz isso por que é preconceituoso, e por provavelmente nunca ter passado por esse tipo de coisa. Obrigado por nada e adeus.

Saí de lá e corri para a sala que Nath estava com o doutor Leiftan, queria ir embora e não voltar nunca mais acabei invadindo a sala e interrompendo a conversa deles.

................................................................

Nathaniel pov’s

Acabei ficando com o doutor Leiftan, que é bem gentil e tem um sorriso doce.

-Bom Nathaniel, eu quero saber mais de você, me conte como tudo isso aconteceu, o que te trás aqui!

 -Eu vou tentar resumir tudo, eu fui expulso de casa por causa de uma armação da minha irmã, ela sempre soube que meus pais eram preconceituosos e armou para que eles me botassem para fora de casa, acabei sendo encontrado pelo Castiel, e nós nem éramos amigos, mas mesmo assim ele me ajudou e cuidou de mim, e desde então estamos juntos.

-Você resumiu demais, quero saber como foi parar no hospital, por que tentou se matar, seus sentimentos naquele momento e seus sentimentos por seu namorado.

-Eu fui internado depois de tentar cortar os pulsos, bem minha irmã espalhou fotos minhas beijando o garoto que ela armou para me agarrar, e depois tirou uma foto minha com o Castiel e mostrou para meus pais de novo, meu pai acabou me ligando me falando coisas bem desagradáveis de se ouvir, ele também disse que Castiel não seria capaz de me amar, então eu senti como se o mundo desabasse sobre mim, me senti perdido nos escombros do meu coração.

-Achou que Castiel não o amava?

-Sim, depois de ouvir aquilo achei que só cuidou de mim por pena.

-Entendo, mas mesmo depois de ele cuidar de você te apoiar e te consolar, você ainda duvidou dos sentimentos dele?

-Sim, mas foi apenas por que colocaram isso em minha cabeça, não tentei me matar por causa das outras coisas horríveis que me foram ditas, tentei me matar por imaginar que Castiel estava me usando ou apenas tinha pena de mim.

-E como se sente sobre seus pais?

-Bom... Eu não guardo mágoas, acho que não faz bem, porém não vou correr atrás do perdão deles.

-Está certo.

Castiel- Nath vem vamos embora

Nathaniel- Tiel o que ouve.

Castiel- Tsc, aquele babaca é um idiota preconceituoso que não sabe o que diz e fica tentando colocar coisas na minha cabeça.

Leiftan- Acalme-se, por favor, me diga o que aconteceu!

Castiel- Aquele babaca disse que eu não amo meu namorado de verdade, disse que isso é apenas carência, disse que o Nath está comigo por falta de opção e que esse amor é coisa da nossa cabeça.

Nathaniel- Qual o problema dele, acha que tem o direito de falar essas coisas assim sem mais nem menos... Idiota.

Leiftan- Acalmem-se, por favor, peço desculpas pelo Valkyon ele é uma boa pessoa, mas esse preconceito não permite que ele mostre a “boa pessoa”. E sinto muito por isso, e prometo conversar com ele, e também desde já suas consultas serão apenas comigo, se vocês estiverem confortáveis com isso é claro.

Nathaniel- Tudo bem, compreendemos que algumas pessoas não aceitam isso bem.

Castiel- Está tudo bem, mas eu não quero me consultar com ele nunca mais.

Leiftan- Tudo bem, se consultará comigo a partir de agora, e se me permitirem eu gostaria de leva-los para jantar, para me desculpar pelo incômodo e talvez contar-lhes o que aconteceu com para que Valkyon ficasse assim.

Nathaniel- Nós aceitamos

Castiel- É pode ser legal

Leiftan- Então vamos.


Notas Finais


E então, o que acharam? Espero que tenham gostado e que comente me dizendo se gostaram o que acharam e até mesmo me dar idéias, eu adoro responder aos comentários, e adoro vocês me dando ideias, prometo tentar encaixar tudo na história se possível for! Logo tem outro capítulo, fiquem ligados na tia Oro, beijinhos escarlates!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...