História Entre provocações e conversas inusitadas - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias SHINee
Personagens Jonghyun Kim, KiBum "Key" Kim, Minho Choi, Taemin Lee
Tags 2min, Jongkey
Exibições 38
Palavras 3.205
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Escolar, Shonen-Ai, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


hellou
primeira vez que eu escrevo algo relacionado a kpop, e tinha que ser do otpzão Jongkey (tem 2min também, 2min é lindo gente)
a ~MadameFu fez a capa e revisou, por que ela é maravilhosa né nom? (ela mora no meu cocoro)

aqui todos tem a mesma faixa etária ok? estudando juntos e tal
dibidibidis boa leitura~

Capítulo 1 - Provocações?


Eu simplesmente odeio Kim Kibum.

Oh, por favor não pense que eu sou do tipo de pessoa que sai com ódio gratuito para todos. Não, não. Isso se estende única e inteiramente a ele.

Mas, veja bem, ele é insuportável! Com aqueles olhares e sorrisinhos… Não que eu não goste, longe disso. O problema é sua implicância absurda. Ele arranja qualquer motivo para atrair minha atenção. E neste momento… bem, está insinuando coisas indecentes com aquele maldito pirulito na boca.

“Mas por que o odeia?”

Ele paga de doido!

Uma vez eu tentei tirar satisfação sobre o que ele fazia, e ele olhou nos meus olhos e disse na maior cara de pau coisas como “não sei do que está falando” e “o que você acha que eu sou? Eu não faço esse tipo de coisa”

E no dia seguinte me apareceu com uma calça absurdamente colada e fez questão de se abaixar na minha frente, o desgraçado.

 

Estudávamos juntos, no terceiro ano do colegial. O conhecia de vista desde o 9° ano, mas na metade do ano passado essa palhaçada começou.

— Minho eu não aguento mais. Eu quero jogar ele numa caçamba de lixo — disse exasperado para meu amigo.

— Você quer é jogar ele na sua cama. Isso sim.

— Você me enoja.

— Aaaaaaaaaaah, Jonghyun. Você sabe que é verdade. E o Kibum é um gostosinho.

Bufei.

Conhecia Minho desde sempre, éramos tipo Batman e Robin; numa dimensão em que o Robin é uma girafa zoiuda e o Batman é um mini dinossauro. Ele sabia tudo sobre mim, assim como eu sabia sobre ele.

— Diz isso mas não tem coragem de ir falar com o Taemin.

—Ah, sim. Ontem eu chamei ele pra sair.

Retiro o que disse sobre saber tudo sobre ele.

Choi Minho você é um traidor.

— Não confio mais em você. Como pôde não me contar isso?

— Desculpa, eu esqueci. Na verdade eu fiquei tão extasiado que não fiz nada certo ontem. Eu até queimei a comida. Sra. Choi gritou muito comigo.

Ri mesmo. Minho é um idiota.

— Como foi? — Perguntei ainda rindo, esquecendo até da raiva de momentos atrás.

— Chamar ele foi a coisa mais terrível. Sério, eu gaguejei tanto que parecia aquele porquinho do desenho. Sabe o desenho né? — balancei a cabeça afirmando, enquanto ria —  Então. E ele tava com uma expressão que dizia “sai doido” mas aí eu me recompus, graças a deus. Aí tentei fazer uma expressão de galã, que eu acho que saiu como uma careta estranha. Já que ele começou a rir. Mas ele tomou as rédeas! Ele disse “tá querendo me chamar pra sair?” ao que eu respondi com um “SIM. Cinema, topa?” e, ele aceitou. Isso é deus agindo.

Eu não conseguia parar de rir.

— Minho você não serve nem pra chamar alguém pra sair.

— Me dê um desconto! Ele é meu crush supremo!! — ele parou por uns instantes. Parecia tentar raciocinar. — Jong… MEU CRUSH SUPREMO ACEITOU SAIR COMIGO — disse me chacoalhando.

— SAI. SOLTA, MINHO.

— MENINOS.

Ih, ferrou. É a professora.

— Tenho mesmo que separar os dois? Ou preferem que eu os mande para a diretoria?

— Não professora — respondemos juntos.

— Ótimo. Turma, livros na página 78.

E assim seguiram terríveis dois tempos de literatura e gramática.

Gente, nada contra as matérias, mas essa professora é a maior songa monga. Acho que não sabe o que é tirar o atraso. Deve estar na seca a anos.

Ah. Sobre a aula. Não entendi nada mas já acabou, aleluia.

Os tempos seguintes foram de biologia e história, e agora Ed. Física. E cara. Odeio essa aula. Não gosto de fazer exercícios na frente de outras pessoas. Mas sabe, tem um lado bom nessa aula. E se chama: Coxas de Kim Kibum.

E sim, eu olho mesmo. Admirar vitrine não arranca pedaço.

— Jonghyun, você tá quase babando.

Minho, você é mais inconveniente que meu gato que se posta na frente das legendas da tv.

— Sai daqui, to apreciando a paisagem. Olha o Taemin ali. Olha ele e me deixa em paz.

O pior é que ele realmente fez o que eu disse.

Meu deus. Nos tornamos admiradores dos pecados da carne.

Taemin era magrinho mas tinha uma bunda que olha, só jesus na causa. Ele tava junto do Kibum. Parece que o Kim adotou o Lee como filho. Algo assim. Não entendi direito. Mas pra onde um ia o outro ia junto.

Oh. O Taemin ta vindo aqui. Olhei pro Choi. O imbecil não tinha parado de olhar ainda.

— Minho?

— Sim, minha divindade?

Na moral, por que eu ando contigo? Sorte que o Tae acha graça.

— Sobre o cinema?

— Por favor, não diz que vai desistir.

Tu só me faz passar vergonha, Minho.

— O que? Não! Queria saber se o Kibum pode ir também. Ah! O Jonghyun pode ir também, sabe, pro Kibum não ficar só.

Sim, Minho. Se tem uma coisa que você pode é aceitar essa proposta.

Ele olhou pra mim. E eu balancei a cabeça concordando que nem lagartixa.

— Claro! Vai ser divertido!

Taemin sorriu e se afastou.

Minho olhou pra mim com uma expressão estranha.

— DOIS COELHOS COM UMA CAJADADA JONG! Agora você também pode sair com o Kim e de quebra, não vou ficar tão nervoso por estar só.

 

 

 

Olha, tem umas pessoas que se vestem com qualquer coisa que encontram pelo guarda roupa e ainda sim continuam estilosas e tal. Gente, ensina ai essa habilidade, por que eu tô faz meia hora tentando achar uma combinação de roupa pra ir pro “encontro” do Minho feat. Kibum.

Serião mesmo. Eu to cansado de tentar achar uma roupa. Vou me vestir que nem adão, com uma folhinha no-

— JONG VOCÊ JÁ TA... — Minho estancou na porta do meu quarto — ...pronto? Que porra é essa Kim Jonghyun?

Eu não posso ficar só de cueca admirando a zona que é meu guarda roupa?

— Eu to tentando achar uma roupa pra usar — gesticulei

— O que mais tem aqui é roupa. Sai da frente — me empurrou e começou a catar algumas peças. E depois jogou algumas em cima de mim.

— Veste. Vou procurar alguma coisa pra você calçar.

Uma calça jeans não muito apertada, uma camiseta preta, e uma camisa xadrez vermelha.

— Toma — Minho jogou um par de botas em mim. As quais logo calcei. — Hmmmm. Ta lindo.

Minho tava bem simplesinho. Bem light. Com uma calça preta e uma regata, e all star vermelho. Tava um arraso porque o Sapo zoiudo tem uns músculos divinos e regata branca dá destaque né.

— Tá uma delicinha. Se Tae não quiser eu quero. — falei dando uma piscadela.

— E quem disse que EU te quero, Kim Jonghyun?

Magoou. Mas ninguém precisa saber então eu apenas sorri e vida que segue.

— Vamos logo. Olha a hora.

 

 

Chegando no tal cinema, nem foi preciso procurar muito pra achar os nossos “pares”. Taemin usava uma calça rasgada nas coxas e joelhos, com uma camisa com uma estampa que não me dei ao trabalho de perceber, e com coturnos. Os cabelos de um jeito bagunçado.

Se não fosse pelo Minho, e por já ter o Kibum infernizando, eu cairia aos pés desse garoto.

Mas deus não tem piedade e o tiro é em dobro, pois eu me senti sem chão olhando o outro.

Kibum usava calças de apertadas que davam muito destaque às coxas, uma camiseta de botões um tanto grande, e tênis. Os cabelos bem penteados deixavam à mostra a falha em uma das sobrancelhas.

Como conseguia ser tão lindo?

Ainda bem que Taemin veio nos cumprimentar, porque eu acho que nem eu nem Minho conseguiríamos parar de olhá-los.

— E eu achando que tínhamos exagerado na produção. Vocês estão ótimos! — ele dizia sorrindo e observando cada detalhe em Minho.

— Realmente. — se olhos comessem, Kibum estaria me devorando. E prosseguiu com aquela voz melodiosa: — Que filme vamos assistir?

 

 

Foi quase uma guerra pra escolher um filme. Taemin queria comédia, Kibum (que me pediu para chamá-lo de Key) queria algo de ficção, enquanto Minho queria ação. Por mim qualquer coisa tava ótimo, e depois de uma -quase- troca de tiros, optamos por um de terror.

Clichê para um encontro, não é?

Aquele filme tinha gente tentando usar um tabuleiro pra falar com espíritos. Quem em sã consciência tenta falar com espíritos?

Definitivamente não aquelas pessoas.

Key dava gritinhos do meu lado , enquanto Minho tentava posar de machão pra Taemin, que parecia achar graça do filme.

Pobre Minho.

 

 

O lanche pós-filme, foi definitivamente a coisa mais divertida.

Todos começamos um debate sobre o filme, e concordamos que a pior ideia era a de usar um tabuleiro para contatar gente morta. E também que Key não deveria ser levado para assistir nada de terror – ele havia agarrado meu braço desde a saída do cinema, ainda tremendo, e não queria largar –, e apenas o fez quando realmente começamos a comer.

E começamos a contar sobre as situações embaraçosas (vulgo micos) de cada um.

Tae só faltava chorar, e Key batia palmas como uma foca, já vermelho e soltando altas gargalhadas.

— Minho! Para de queimar meu filme seu desgraçado!

Ele também ria.

— Desculpe, Jong — pausa para enxugar uma lágrima — mas você só se ferra.

— Olha, eu nunca pensei que uma barata pudesse perseguir alguém. — Taemin disse, antes de ver as horas — Ah, tenho que ir. Já está tarde.

— Seus pais estipularam horário? Por que não disse? — Key perguntou, preocupado. Ao que Taemin apenas sorriu.

— Não queria incomodar com horários.

— Eu posso te levar em casa! — Minho quase gritou — É-é claro, se quiser.

E com rápidas despedidas, logo foram em direção à casa do mais novo, deixando apenas eu e Key na lanchonete.

— Obrigado, Jonghyun.

Oi?

— Por..?

— Ter vindo. Não queria ficar de vela, e, bem. Queria muito que você viesse. Fora que gostei bastante da sua companhia, principalmente por quase ter infartado de medo com aquele filme.

 Não pude deixar de rir.

— Não há de quê. Vamos, vou te deixar em casa também.

— Ora, mas que cavalheiro.

— Cavalheiro é meu nome do meio.

 

Foi muito, mas muito legal conversar com Key. Não havia aquelas provocações, ou olhares. Éramos apenas como dois amigos conversando.

— Sério que pretende cursar moda? — Key me contara sobre seu interesse sobre a área, e eu estava bastante surpreso.

— Sim. Adoro tudo que envolve roupas, sabe. E amo costurar também. Acho incrível poder criar novas peças a partir de apenas tecidos e linhas. E quem sabe — seu olhar pareceu brilhar — um dia eu não tenha uma própria coleção?

Eu não pude deixar de sorrir. Ele era apaixonado por isso.

— E você, Jong? O que pretende?

— Música. — suas sobrancelhas se arquearam em surpresa. — Eu sempre amei cantar, e compor letras e melodias é um meio de demonstrar todas as minhas emoções, sabe. As vezes eu sinto como se tudo simplesmente fluísse para a folha. Me sinto muito bem fazendo isso.

— Canta pra mim, qualquer dia? Quero ouvir.

Sorri.

— Só se me mostrar suas peças.

— Fechado!

 

 

Depois de deixar Kibum em casa, eu comecei a pensar, e pensar bastante. Ele é estranho. Tipo, muito. Me provoca, se faz de doido, me come com os olhos, mas ainda sim é divertido, parece ser um doce, e é bastante aberto para novas opiniões. É completamente diferente do que achei que seria.

E quero saber mais sobre ele. Muito mais.

 

~///~

 

— E VOCÊ NÃO BEIJOU ELE?!

Minho, eu ia gostar muito mais de você se não ficasse gritando sobre minha vida aos quatro ventos.

— Não. Nem teve clima pra isso. E pelo amor de deus para de gritar, estão olhando pra cá!

— Ah, desculpa. — se sentou na sua carteira, se debruçando sobre a minha logo em seguida. — Mas nem um climinha? Nem unzinho?

— Não! — eu estava começando a ficar constrangido com aquilo. — Mas foi divertido saber que ele é daquele jeito.

Eu sorri involuntariamente.

Assim que encontrei com Minho, contei sobre como foi levar Key até em casa. E, bem. Ele desconhece o significado do termo "por favor não me faça passar mais vergonha que o normal."

Minho abriu um daqueles sorrisos ofuscantes.

— Tá afim dele.

Minho deve estar entrando no caminho dos sapos-arco-íris mais conhecido como drogas.

— Não!!

— Não precisa esconder de mim, somos amiguinhos desde sempre, vai. Diz.

Neste momento o sinal tocou.

Eita. Literalmente salvo pelo gongo.

— Mas que merda. Você vai me responder no intervalo. — e se virou antes que o professor pudesse dar alguma bronca.

— Bom dia, turma. — o professor de sociologia sorriu amigavelmente. É um professor legal, nos deixa debater até a quase-morte.

A turma respondeu de volta, e iniciou-se uma explicação sobre direitos iguais na sociedade.

 

 

— Quero férias, Jong. Não aguento mais. Cansei dessa vida de ficar estudando o dia todo.

— Tem que aguentar se quer fazer sua faculdade.

— Verdade. AH!

Lá vem.

— O Taemin é todo coisado. Tem hora que ele chega todo “olha como eu sou lindo”, e muda pra um “sai, demônio”.

— Que?

Maneira nas drogas, amigo.

— Ele ficava dando uns sorrisos que honestamente meu coração não aguenta, e passando a mão no cabelo... Mas quando eu tentei me aproximar ele surtou! Começou a esquivar e dar uns gritinhos. Depois saiu correndo e se trancou em casa.

 

— Não leve a mal. Foi um inseto. Ele tem pânico. — Kibum havia surgido sabe-se-lá de onde com uma cara de paisagem.

Minho empalideceu e seus olhos dobraram de tamanho de um jeito que achei que fossem estourar. Kibum era uma mãe coruja com o Tae, e o Choi provavelmente achou que ia apanhar.

— D-de-des-DESCULPA!!

Kibum parecia surpreso.

— Não vai me matar por eu estar falando do Tae?

— Se eu fizer alguma coisa contigo o Minnie para de falar comigo. E foi a pedido dele que vim. Ele quer pedir desculpas pelo “surto”. — Key suspirou — Ele realmente tem pavor de qualquer tipo de inseto. E está com vergonha de falar com você por causa disso.

E antes que Minho abrisse a boca, prosseguiu :

— Ele tá lá no terraço. Vai falar com ele.

— OBRIGADO.  TÉ MAIS, JONG.

E sumiu corredor afora.

Kibum parecia entediado.

Fala com ele Jong.

Pega o número dele.

Trocar idéias e tal.

— Key?

— Hm?

— Pode me dar seu número?

 Ele olhou pra mim novamente com aquela cara de paisagem. Estendendo a mão e pedindo meu celular. Alegando querer salvar o contato.

— Me manda mensagem depois. — disse quando terminou.

 

 

 

Eu me sentia escanteado. Minho cabulou o resto das aulas com Taemin, e eu fiquei lá sozinho. Estava na ultima aula, que por sinal era de história, e eu só queria desesperadamente ir pra casa.

O lado bom é que Minho se esqueceu de perguntar sobre o Kibum.

— Turma, eu quero que façam duplas. Quero um resumo de um filme para daqui a uma semana,

Filme? Quero.

— Qual filme, professora? — alguém perguntou.

— Qualquer um que envolva temas relacionado à guerras. Isso vai contar como uma nota a mais, não quero ninguém em recuperação, então se virem pra fazer. Se as palavras forem um garrancho eu nem vou ler e vai ser 0 pra dupla. Quero coerência no texto. — a professora olhou no relógio — Podem ficar conversando até a hora de sair.

E começou a movimentação de cadeiras e pessoas saindo dos lugares.

Com quem eu vou fazer? Minho não ta aqui...eu poderia chamar o Jinki...ah mas não veio hoje...e agora meu deus.

— Jonghyun? —era o Key! — Podemos fazer o trabalho juntos?

— Achei que fosse fazer com o Tae..

— Ele vai querer chamar o Minho. Vão se pegar durante o que deveria ser o desenvolvimento do trabalho.

Mas é direto esse cidadão.

— A-aah. Então tá. Na minha casa ou na sua?

— Pode ser na minha. Hm...no sábado?

— Certo, no sábado. A propósito, não se sente incomodado com a falta do Taemin?

— Um pouco sim, mas ele gosta do Minho, não vou impedir a aproximação dos dois. — e sorriu.

E que sorriso. Nossa, quer sorrir pra mim sempre?

Acabei sorrindo junto.

—Você quer...sei lá. Sair pra algum lugar?

— Ah...desculpa Jonghyun. Hoje não vai dar.. — fez uma carinha que deu vontade de morder.

— E amanhã?

Sorriu de novo.

— Amanhã pode.

E novamente o sinal

Mas já? A conversa tava tão legal.

— Jong, tenho que ir. Até amanhã, ok? — e saiu correndo.

— Até...

 

 

— Não quero mais saber de você, Minho.

— Ah, Joooooong. Foi mal. Perdoa os vacilos e não desiste de mim.

Minho apareceu aqui em casa na maior cara de pau perguntando sobre a mochila dele.

Que por sinal eu trouxe junto a do Taemin pra nenhum dos dois levarem reclamações.

— Não. — E fechei a porta.

Mas foi só pra pegar as mochilas, depois abri de novo. Minho me olhava com cara de cachorrinho que caiu da mudança.

— Joooooong — me abraçou, e começou a apertar — Me desculpa, vai. Por favor. Por favorzinho.

Soltei um suspiro dramático.

— Entra logo. Quero relatório do que teve com o Min.

E deu mais um daqueles sorrisos ofuscantes.

Ele pegou as mochilas da minha mão e jogou ambas no chão — com a do Tae ele foi mais cuidadoso e jogou por cima da dele— e se esparramou no sofa.

— Ta achando que tá onde? Folgado.

— Na minha segunda casa. Agora me dá um copo com água?

Mas é cara de pau esse desgraçado.

— Se é segunda casa vai você e pega. Não sou tuas nega pra ficar obedecendo marmanjo.

— Seu chato.

— Desembucha logo! O que teve com o Tae? — To curioso mesmo. Me processem,

—Eu beijei ele! AAAAAAAA JONG, EU BEIJEI ELE — ele me abraçou de novo e começou a me rodar pela sala.

A felicidade dele era contagiante, tanto que comecei a sorrir.

— E como foi? — ele me colocou no chão e me encarou, sério.

— Foi como beijar um anjo.

Comecei a rir de novo.

— Ah, Jong. Tenho que ir. Pra deixar a mochila do Tae, já que ele tava surtando com o sumiço dela. E obrigado. Eu te mando mensagem mais tarde.

E com isso saiu correndo.

Falando em mensagem...eu tinha que mandar uma pro Key!

Comecei a procurar o celular, e quando o achei, haviam algumas mensagens da minha irmã, Sodam.

Ela é mais velha que eu e, apesar de morar com nossos pais, é bastante independente.

Mana: Oi, Dino

Eu não vou dormir em casa hoje, vou estar na casa de uma amiga pra um trabalho, e eu já avisei aos nossos pais então não precisa se preocupar.

Ah

E faz alguma coisa pra comer, eu tava atrasada pra aula e não deu tempo de preparar nada

Bjs

Eu : Tudo bem, se cuida

Logo tratei de procurar o contato do Key pra mandar mensagem.

Eu: Oi! É o Jonghyun, lá da sala

Você pediu pra eu mandar msg e tal

Foi mal a demora

Demorou um pouco, mas ele respondeu animado

Key: OI

Sem problemas kkkk eu tava entediado aqui

Vou salvar seu nome como Jong salvação pq vc salvou minha tarde

Eu ri. Esse garoto é doido.

Eu: kkkkkkk

Mas o que cê ta fazendo pra estar nesse tédio?

Achei que tinha uma coisa importante pra fazer

Key: Eu tinha que buscar meus filhos no pet shop

Agora eu to em casa fazendo vários nadas msm

 Eu: filhos?

Key: sim, my puppies

São meus cachorrinhos

Tavam parecendo duas moitas, tinham que ser tosados

Eu: ahhhh kkkkk

Tendi

Então

Tudo ok pra amanhã?

Key: vamos fazer o trabalho e depois sair?

 

 

 

Como é a história?


Notas Finais


entoooooom
vou tentar continuar logo
até maiss

ah
(se quiserem né)
meu tt : @raccoon_4


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...