História Entre sangue, dor e amor - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Diabolik Lovers
Personagens Ayato Sakamaki, Azusa Mukami, Kanato Sakamaki, Kou Mukami, Laito Sakamaki, Personagens Originais, Reiji Sakamaki, Ruki Mukami, Shu Sakamaki, Subaru Sakamaki, Yui Komori, Yuma Mukami
Exibições 45
Palavras 1.389
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oi gente, eu fiquei pensando, pensando, pensando em como colocar em palavras as cenas que ficaram martelando na minha cabeça por uma semana e finalmente encontrei. Espero que voces me perdoem pela demora. Está sendo um desafio para mim! hahaha
Comentem o que acharam e estão achando, ao final ok?

Beijo

Capítulo 14 - Espinho na Rosa


Fanfic / Fanfiction Entre sangue, dor e amor - Capítulo 14 - Espinho na Rosa

Kanato POV on

Sinto uma dor no peito, um peso muito grande, sinto um calor repentino e uma luz que me força a abrir os olhos por curiosidade. MNeu corpo está leve, mas meu peito pesado, a sensação que isso provoca confunde meus sentidos. Olho ao redor, e reparo que tudo ao redor está simplesmente claro. Alguns contornos povoam a paisagem. Não tenho certeza do que são, se são construções, prédios, edificios. 

-Kanato.... 

Uma voz sussurra meu nome na brisa calma e leve que embala meu corpo que está flutuando, já que o chão é claro igualmente ao ambiente ao meu redor. Essa voz calma e quente, me faz suspirar por algum motivo. Olho em volta, mas pareço estar sozinho. 

Kanato- Alguém? - tento em tom normal de voz 

Não recebo nenhuma resposta. Resolvo então tentar andar, mas é inútil e frustrante. Eu movimento meus pés, mas não saio do lugar, isso parece muito um.. 

Kanato- Sonho... Eu estou em um sonho?.. 

-Kanato... Lembre-se.. 

Lembrar? Lembrar do que? Eu coloco minha mente para funcionar e nada vêm à ela, é como se eu não lembrasse de nada do meu cotidiano, apesar de lembrar de tudo que é essencial. Meu nome, idade, aparência, nome dos meus irmãos, Karl.... De repente sinto algo estalar na minha cabeça ao lembrar da Cordélia.. Da mansão.. Fúrias... Bestas.. Sombras.. 

Kanato- Não... Não. Não. Não. NÃO, NÃO, NÃO, NÃÃÃOOO! - Começo a berrar 

Eu me encolho, enquanto choro e grito descontroladamente. Lembro-me de tudo que aconteceu na mansão. De como fui tolo de ser dominado facilmente por demonios de tão baixa esfera. De como eles entraram fácil na minha mente e mexeram com ela. Do que eu fiz, traindo os meus. 

Kanato- NÃO!! EU NÃO QUERIA!!! 

-Kanato, querido, não foi culpa sua... - sussurra a voz ao sabor da mesma brisa quente e agradável. 

Essa voz, não me é estranha. Ouvindo-a melhor, sinto uma familiaridade. Meu choro para e meu desespero acalma um pouco, focando em lembrar de onde reconheço esse tom de voz.

Após pensar, pensar e pensar, ouço novamente

-Kanato.. Acorda. Preciso de voce, por favor... 

Kanato- HELENA- levanto bruscamente, lembrando-me desse tom 

O claro,  ficou escuro e meu corpo voltou a sua sensação normal. Sentia tudo a minha volta, mas ainda algo estava estranho. 

Helena- Kanato? 

Abri meus olhos lentamente e vi o rosto da Helena, ela sorriu largamente ao me ver. Porém. o sorriso dela, me lembrou da sua expressão assustada e confusa da ultima vez que eu a vi, na mansão, perguntando-me o que eu tinha feito, e eu comecei a rir descontroladamente e ficar confuso, desesperado. Não lembro de mais nada depois. 

Helena- Kanato, consegue me ouvir? - perguntou ao meu lado, com um olhar preocupado

Kanato- Claro que ouço - digo ríspido

Helena- Que bom - sorriu 

Kanato- On..de eu estou? 

Helena- Estamos na minha casa.. 

Kanato-? Sua casa? 

Eu consegui me levantar, enquanto Helena enchia uma bacia de metal com água fresca. Caminhei até a janela, afastei os véus que esvoaçavam, e olhei para fora. 

Kanato- Helena.. Onde estamos... Exatamente? - perguntei sem conter meu tom impressionado 

Helena virou-se, apenas esboçou um sorriso e disse

Helena- Esse é o mundo de onde a minha mãe veio. É uma terra abandonada Kanato-kun. Uma terra abandonada, visitada somente pelas almas.. 

Kanato- Almas? 

-Helena-chan! Trouxe as rosas que voce---Ka..nato-kun? 

Kanato- Yui-san? - olho para a loirinha na minha frente, ela acaba de abrir a porta e traz consigo uma cestinha de palha com rosas brancas dentro 

Helena- Ah, muito obrigada Yui. Agora, poderia por favor, pegar mais água para mim? - estende o jarro e pega o cesto das mãos da Yui

Yui-Claro. 

Eu fico somente observando, ainda surpreso. Yui foi embora, deixando a porta entreaberta. A porta dava para um corredor aberto, estávamos no segundo andar da construção grande e repleta de cipós. Conseguia ver a luz do luar da porta entreaberta e consegui ver ainda, que a casa é maior do que eu pensei. 

Kanato- Helena, voce disse almas.. Então quer dizer que

Helena- Sim. Que nossos corpos ainda estão dormindo, e nossas almas aqui, neste lugar. 

Kanato- Estamos presos aqui? 

Helena- Não. Na verdade, estamos seguros aqui- disse com pesar

Kanato- Seguros? 

Helena- Pra ser bem direta.. O corpo da Yui está sendo possuído, mais e mais pela alma da sua mãe, adormecida até semanas atrás, dentro do coração transplantado na Yui. Voce tem uma sombra dentro de voce, que está tomando o controle das suas ações e da sua consciencia, deixando tudo confuso e desesperador pra voce. 

Kanato.-.... E..voce..? 

Helena- Eu... realizei um ritual antigo, sem me dar conta. E acabei com quase todo meu poder vital.

Kanato- Que??? sabe o quão perigoso é isso para pessoas como nós? 

Helena- Sim, eu sei- exaltou-se junto comigo- Mas eu não fiz por querer. Saiu do controle. E isso.. Não é comum. Eu entrei em desespero, só queria que tudo aquilo parasse. E.. só... - ela olhou para suas mãos- estendi minha mão. 

Kanato- Que tipo de ritual antigo foi esse que voce fez? - sentei-me na cama

Helena- Eu... não sei.. 

Kanato- Helena.. Não brinque comigo.. 

Helena- Não estou brincando- sentou-se ao meu lado e abaixou a cabeça- eu quase perdi toda a consciencia de quem eu sou, das coisas a minha volta, de voces.. Eu senti todas as minhas lembranças se esvaindo, como se fosse um líquido sendo puxado para fora da minha mente e alma. Eu só senti.. Eu recobrei a consciencia a tempo, me assustei e desmaiei. Foi nessa hora, que eu acredito ter teletransportado a força todos 

Kanato- Hmm.. Voce realizou um ritual que não conhece, que quase te tirou suas memórias. Fez um teletransporte forçado. De várias pessoas ao mesmo tempo. Isso? 

Helena assentiu com a cabeça. Eu fiquei observando-a surpreso e um pouco desconfiado. O Reiji deveria entender disso melhor que eu, mas o pouco que eu sabia, era que isso tudo ser realizado junto, quase ao mesmo tempo.. Era pra ter matado ela. Esgotado sua vida antes mesmo de ter realizado o teletransporte. 

Kanato- Precisamos muito falar com o Reiji sobre isso.. 

Helena- Sim. Mas no momento não dá. 

Kanato- Por que? 

Yui- Porque nossos corpos não estão em condições de receber nossas almas ainda

Kanato- Hmm.. Entendo. 

Helena- Vamos ter que esperar, alguém dar um jeito nas obsessões dos corpos de voces e na recuperação do meu, para podermos voltar.

Eu levantei-me. Já havia entendido a situação, mas aquilo me sufocava, Precisava esfriar minha cabeça, parar de pensar em tudo. 

Kanato- Vou tomar um ar

Eu deixei o quarto e procurei escadas para poder ir até o térreo. A casa era grande e a luz do luar era forte, tudo estava completamente iluminado por uma luz azul. Encontrei um jardim e parte de uma outra casa mais a frente. Resolvi subir nela e ficar sentado no parapeito de uma das janelas. 

A vista era do labirinto de construções da casa atrás de mim, onde eu estava conversando com a Helena e um campo sem fim. No céu, muitas estrelas e constelações brilhantes. Estávamos longe de cidades, estávamos em outra dimensão. E pelo jeito que a Helena disse, nessa dimensão somos só nós. 

Eu estava com os olhos cerrados, sentindo a brisa no meu rosto, quando sinto um empurrão. Me assustei e segurei-me a tempo. Olhei ao redor, nada, ninguém. 

Kanato- Mas que porcaria... é---

De novo senti um empurrão forte no peito. Notei aí, que não era ninguém que eu pudesse ver. Comecei a ouvir algumas vozes, palavras estranhas e uma queimação no meu corpo iniciou-se. 

Kanato- Droga! - ajoelhei no chão

-Kanato-kun!

Kanato- Yui... Eu não-- - olhei para a frente e vi a Yui molhada de suor, com os olhos vermelhos e encurvada, parecia estar com dor- O que voce tem? 

Yui- O chá de rosas... Da Helena.. Não tome. - ela caiu ajoelhada na minha frente, eu tentei segurá-la, mas a queimação no meu corpo ficou maior e eu caí no chão. 

Ficamos os dois estendidos. Nossos corpos estavam quentes, eu podia sentir. Para uma humana já não é bom, imaginem para um vampiro. 

Minha respiração estava ofegante. 

Ouvi passos na grama. 

Olhei para o lado. 

Helena- Kanato.... Eu... Não quero.. Esquecer.. de voces- ela dizia com lágrimas- mas não tenho.. mais.. controle.. 

Kanato- Helena!

 

 

Continua.. 


Notas Finais


Então? Será que a Helena vai virar uma criatura celeste por inteiro e acabar matando o Kanato e a Yui?
Comentem! ;)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...