História Entrega-se - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Drama, Jungkook, Lemon, Romance, Taehyung, Taekook, Vampiro, Vkook, Yaoi
Exibições 232
Palavras 2.844
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Ficção, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oie gente. ;3

Aqui esta a outra fanfic minha espero que gostem. Ela foi uma das primeiras que fiz e estava jogada no fundo de uma pasta esquecida em meu notebook.
Tenham uma boa leitura ❤

Capítulo 1 - Capítulo Único!


Fanfic / Fanfiction Entrega-se - Capítulo 1 - Capítulo Único!

Capítulo Único .: 
Uma doce vingança?!

12 de Setembro de 1889 

 Me encontrava andando o mais rápido que podia, ajeitei meu casaco a fim de me proteger do frio que queimava minha pele, não tive sucesso e estremesse com a briza cortante que me atingiu me congelando por alguns segundos. Provavelmente aquela seria a madrugada mais fria desdo inicio do inverno a dois dias. O ar frio me fazia perder minhas forças e assim eu caminhava com certa dificuldade, por mais que corresse para chegar em casa e me aquecer, o caminho ficava cada vez mais distante pelo cansaço que sentia em minhas pernas. Mal havia saído e já me encontrava de dedos congelados e tremendo com o frio do lado de fora da pequena fabrica onde trabalhava, de lá até minha casa são trinta minutos de caminhada por esse motivo sempre chego em casa rápido. Mais justo naquela madruga a única passagem que costumava usar estava fechada por algum motivo e minha segunda opção era passar pelo parque que me deixava com duas horas de caminhada para chegar em casa.

Mais como a vida gostava de pregar peças, me mantive em estado de alerta, ultimamente havia tido muitas mortes por essas redondezas e isso me deixava um pouco assustado. Me abracei para me proteger do frio, ainda faltava bastante para que chegasse em casa e tomasse um banho com água quente para evitar que ficasse doente. De repente tudo a minha volta se cobre com uma camada de nebrina e mal consigo enxerga um metro a minha frente. Engulo em seco e um pavor repentino me atinge, me apreso a andar mais rápido, e quando estava próximo ao centro do parque escuto o som de um galho sendo quebrado e paro de andar.

Meu olhos procuram o lado em que ouvi o barulho mais não esculto mais nada e volto a seguir o caminho, mal havia dado dez passos e novamente escultei o barulho alto vindo atrás de mim, me virei e forcei minha visão para ver se conseguia enxerga algo, mais a única coisa que via era uma neblina sem fim. Me virei novamente e continuei a andar, e agradeci quando pelo menos dessa vez não escultei barulho nenhum. Olhei novamente para trás enquanto andava e sem querer esbarrei em algo ou alguém. Ao olha-lo me deparei com um homem de aparência sombria, mal dava para ver seu rosto por causa da neblina e na mesma forma repentina que ele havia aparecido. E de repente toda a nublina foi embora em questão de segundos. 

Me obriguei a olhar o ser que estava na minha frente, mais quando fui levantar o olhar em sua direção sinto algo bater em meu corpo com força e fui arremessado para longe. Meu corpo foi de encontro a uma arvore que estava ao lado da estrada por onde eu caminhava segundos antes, a pancada me vez sentir faltar de ar e teitei inutilmente me levantar mais senti uma dor insuportável me atingir em cheio e gemi de dor. Levei minha mão até meu abdômen que também doía e pressionei o local sentindo outra dor forte. Olhei para minha mão que agora estava coberta de sangue. Senti que de algum modo eu iria perder consciência rápido.

Olhei novamente para onde minutos antes eu estava e vi um vulto, e depois um par de olhos me encarando,  mais uma vez tentei me levantar e a dor foi ainda maior que a outra, será que eu iria perder minha vida nesse lugar? hoje foi meu último dia de vida? Não me despedi dos meus amigos, nem na minha noiva, muito menos da minha família, eu morreria em um noite fria em um lugar qualquer no parque quando estava indo para minha casa, seria idiotice fazer um último pedido antes de morrer?

- Se continuar sangrando assim você ira morrer. - Escultei uma voz rouca e serena próximo de mim e olhei em direção que o som vinha. 

Era a mesma pessoa que havia me jogado naquela arvore, era a mesma que provavelmente me mataria. Por estar com a visão meio embaçada por ter batido com cabeça no chão quando cai, mal dava para ver os traços de meu assassino. Ele possuía cabelos escuros, tinha uma pele clara e tinha um olhar que me fazia arrepiar. Ele me analisava a procura de algo, me encolhi um pouco.

- Se quiser, eu posso salvá-lo. - Sua voz se fez presente.

- Isso seria bastante irônico, afinal pra que me salvaria se foi você mesmo que quis me matar?

- Hum - Ele riu alto e percebi que até o seu riso me fazia temer e meu corpo tremia de medo, Ele puxou meu rosto de maneira bruta  e apertou meu queixo fortemente - Eu poderia te deixar aqui morrendo e ver seu corpo coberto de larvas, mais tenho outro trabalho para você - E um sorriso psicopata se formou em seus lábios.

- Apenas me livre desse sofrimento - Disse já imaginando que ele me mataria.

Fechei os olhos aguardando minha morte, mais a única coisa que senti era sua mão deslisar para meu pescoço e logo sente seus lábios em minha pele. Abri meus olhos e pude ver suas presas aparecerem antes dele me morder. A dor que senti foi ainda maior e gritei ao sentir suas pressas cortarem minha pele. Percebi que estava perdendo a consciência e ouvi sua voz novamente.

- Você ira viver para ser meu escravo, terá que me obedecer pela eternidade.

Apos ouvir sua voz, minha visão ficou escura e minha consciência foi se perdendo até que não sentisse mais nada a não ser um paz repentina que de alguma forma me acalmou e me deixei levar pela escuridão...     

                            

                                            23 de Junho de 2014, Seul - Tempos atuais.

 

- Acho melhor andar mais rápido com isso mordomo.

Jungkook estava vivendo dessa maneira a anos, ele mal acordava e já era obrigado a servir Kim Taehyung, um vampiro puro sangue. Ele odiava o Kim com todas suas forças, já havia passado em sua mente mil e uma maneira para matar aquele que causava seu sofrimento e apesar de se dedicar muito, todas as tentativas eram falhas. O odiava por ter arrancado de si tudo que amava, sua vida, sua família, seus amigos e principalmente sua noiva Yoora. Ha como sentia falta dela, de seu sorriso e de sua doçura. Havia se passado anos desde da última vez que a viu. Ele ainda se recusava a aceitar que para sua família ele estava morto, então em um ato impensado ele fugiu de onde costumava  morar desdo do dia em que foi trazido para lá.

Correu indo atrás de sua noiva, ela era a única que o entenderia e com certeza o apoiaria em voltar para sua família, mas quando ele chegou próximo onde sua amada morava se deparou com uma cena que partiu seu coração. Apesar de ter apenas 18 anos, Jungkook era um rapaz ingênio, ele acredita em um amor para a vida inteira, mas ver sua noiva ali nos braços de outro, quando não fazia nem um mês que ele havia 'morrido', era demais para aguentar. Foi até sua família e amigos e eles haviam seguidos suas vidas sem se importa com sua morte e isso de certa forma afetou seu coração inocente e o fez criar certo ódio pela pessoa que o fez perder tudo aquilo que tinha. 

Antes era um menino simples, que ajudava a todos sem ter maldade. Ele tinha um bom coração que foi arrancado de si da pior maneira possível e ele passou todos os anos juntando cada vez mais dor, ressentimento, angústia e o pior dos sentimentos, ódio. Hoje seria mais um dia em que si sentira o pior ser do mundo, mas não podia se entregar ao sofrimento já que após conversar com uma vidente que frequentemente visitava a mansão onde vivia, teve uma ideia que faria o ego de Taehyung sumir ao ter o desejo e a luxuria o dominando a cada toque. 

Já passava das onze da noite quando Jungkook resolveu por seu plano em ação, ele iria seduzir Taehyung e fazer com que o mesmo ficasse submisso a si. Iria faze-lo abandonar todo orgulho que sentia e iria fazer com que o mesmo implorasse. Iria tomar o seu corpo para si, não por desejo - claro que ele não podia dizer que o vampiro era feio, pois estaria contando uma mentira absurda - Ele só queria vingança e faria de tudo para tê-la.

Ao entrar no aposento de seu 'chefe', encontrou o mesmo deitado em sua cama, lendo um livro. Jungkook olhou para as roupas que Taehyung vestia, e percebeu que o mesmo estava apenas com uma causa de moletom cinza e seu peitoral estava desnudo. Ele achava que seria um tarefa bem complicada afinal odiava o outro e só de imaginar o que iria fazer em alguns minutos sentia seu estomago revirar. Respirou fundo antes de recuperar a coragem e foi até o outro que mal havia sentido sua presença naquele quarto até aquele momento.

Ao perceber uma presença em seu quarto Taehyung olhou e viu seu mordomo Jungkook o olhando de forma penetrante, tinha que admitir que seu mordomo era muito bonito e por essa razão o havia escolhido para a função. Taehyung por ser puro sengue sempre andou ao lado de pessoas que tinha uma beleza única e ao mesmo tempo que não apagasse a sua. Não negava que era muito orgulhoso e vaidoso, esses eram seus defeitos. Nunca havia tentado compreender suas vitimas, ele as via  apenas como uma embalagem que contia o líquido que o fazia viver, as via como alimento para sua cede infinita, e por esse motivo ia caçar suas vitimas sempre que podia.

Foi tirado de seus pensamentos quando sentiu a mão fria de seu mordomo em sua coxa, sentiu um arrepio subir pela espinha e olhou para Jungkook que tinha um olhar cheio de luxúria.

- O que faz aqui? - Taehyung perguntou após controlar sua respiração. 

- Sabe senhor Kim Taehyung, eu tenho uma revelação a fazer. - Jungkook tentava a todo custo falar de forma sedutora, mal ele sabia que estava dando muito certo.

- Pois fale - Taehyung engoliu em seco quando seu mordomo sentou-se ao seu lado na cama e arranhou com as unhas curtas o seu abdômen. 

- Eu tenho que admitir que te desejo em todas as formas possíveis, o senhor me permitiria realizar este desejo que me consome a muito tempo? - O Mordomo fez uma cara que ao olhos do mais velho ficou extremamente adorável.

- Hum... Porque não volta para seu quarto e me deixe descansar, talvez amanhã lhe darei uma resposta definitiva. - Taehyung disse naturalmente e voltou a abrir seu livro na intenção de lê-lo.

- Desculpe senhor, mais o que disse não foi necessariamente uma pergunta. E apesar do senhor me negar irei faze-lo mudar de ideia. - Sorriu de forma maliciosa.

Antes que Taehyung pudesse absorver as palavras que Jungkook havia pronunciado, sentiu seu corpo cair na cama e um peso de outro corpo sobre si, ele nunca esperava que seu mordomo iria fazer isso contigo. Jungkook pegou a gravata de seu uniforme e segurou os pulsos de Taehyung os levantando e amarrando na cabeceira da cama. Tirou a fronha de um travesseiro e cobriu a boca do mais velho para que não gritasse.

Começou a tirar a roupa do mesmo e quando finalmente teve a visão de Taehyung nu, ficou admirado com o que via em sua frente, ignorou qualquer linha de pensamento presente e foi para o próprio quarto,  pegou a mochila em que levava as coisas que o ajudaria com sua vingança e voltou, seguiu até a cama e espalhou as coisas que estava em sua mochila em cima da mesma, pelo canto do olho viu Taehyung arregalar os olhos em surpresa. 

- Por onde eu devo começar?

Se perguntou após alguns minutos pensando no que fazer, então resolveu que teria que deixar o outro excitado. Abriu as penas de Taehyung e se acomodou entre elas, levou sua mão ao membro descoberto e começou a acariciar-lo para que despertasse, não demorou muito e o membro já estava ereto e sua glande estava molhada de pré-gozo. Sem pensar muito segurou o membro pela base passou a língua pela glande antes de colocar todo o membro em sua boca, sugando o máximo que conseguia e o que sobrava massageava com as mãos. Sentia o membro de Taehyung pulsar em sua boca, podia sentir o mais velho se contorcer e arquear as costas, demostrando o quando estava gostando daquele contato. 

Jungkook parou o que fazia e pegou uma das coisa que estava espalhado pela cama, era o lubrificante. Ele sabia que teria que o preparar mais, do que apenas passar um lubrificante em sua entrada, assim que o preparou se posicionou entre as penas do mesmo. Mais além do nervosismo que o consumia, também tinha um pouco de receio no que deveria ou não fazer. Já que era uma forma de vingança, balançou a cabeça para esquecer desses pensamentos e penetrou Taehyung com força. Ouviu em seguida um grito abafado pela mordaça e olhou para Taehyung que tinha lagrimas pelo rosto. Jungkook achava que sentira pena de Taehyung, mais a única coisa que realmente sentiu foi puro prazer ao estar dentro do mais velho. Tirou a mordaça do outro e soltou suas mãos e passou seus dedos pelo rosto do mais velho da testa até a orelha e nuca, ali segurou e puxou o rosto do mesmo o beijando intensamente. 

De inicio era um simples selar que virou um beijo mais necessitado quando o Mordomo pediu passagem com a língua a fim de aprofundar o contato. E o que ele menos esperava era ouvir aquela frase que denunciava que seu plano de vingança já estava feito. Kim Taehyung estava entregue e sem perceber viu isso mais como um triunfo do que como apenas uma vingança. 

- Não me deixe esperar mais e se mexa. 

Sem que perceber se entregou  ao prazer que seu corpo sentia com o mais velho, cada movimento que fazia era uma corrente de prazer que o preenchia e tirava seu folego. De alguma forma conseguia sentir agora a pele macia que o mais velho tinha, também percebeu o quanto bonito o outro era quando estava  assim, completamente entregue ao prazer. Jungkook não sabia do porque sentia tudo isso agora, onde havia ido parar aquele sentimento de ódio que sentia pelo Taehyung? Onde foi parar sua vontade de destruir-lo? Como era possível em apenas um contato carnal o fazer mudar de uma forma que o deixava bastante assustado.

Já Taehyung não podia negar que desdo dia em que havia conhecido Jungkook sonhava com os toques do mais novo e isso de uma certa forma o deixava bastante confuso. E para sentir seus toques seria capaz de tudo, até de fingir que estava entregue.  A única coisa que ele não esperava era que o mais novo iria aceitar e se entregar ao prazer que ambos estavam sentindo enquanto seus corpos se moviam em sintonia. Jungkook  estocava forte e fundo e isso enlouquecia Taehyung de uma forma indescritível. O prazer que sentiam naquele momento eram tanto que até se esqueceram dos problemas que iriam surgir a seguir.  

Quando ambos chegaram em seu limite e se desfizeram ao mesmo tempo - Jungkook no interior de Taehyung e o mais velho sujando ambos os abdômens - Um sorriso sacana se formou nos lábios de Taehyung e o mesmo mordeu o pescoço de Jungkook o marcando. E foi como se algo os despertasse novamente e voltaram a fazer o que seus instintos e desejos mais insanos queriam. 

Para Jungkook, Taehyung não passava de um brinquedo sexual, em que descontaria toda a raiva que sentia em forma de sexo selvagem em todos os lugares que pudessem imaginar. Era viciado no corpo no mais velho desda primeira vez que se viram. A relação que tinham nunca seria algo mais que físico e carnal, não havia sentimento nenhum ali.

Já para Taehyung, Jungkook era seu escravo sexual que estava ali apenas para cumprir a simples ordem de lhe dar prazer. Ele sabia desdo principio que seria uma ótima ideia o salvar, e nunca ira se arrepender de ter o melhor escravo sexual de todos os tempos.

Pelo menos era isso que ambos pensavam. Eles mal perceberam que de um ato carnal, nasceu um amor forte, doentio. Mal imaginavam que já estavam ligados de corpo e alma. Eles apenas se entregavam ao prazer e alimentava o próprio orgulho e ego. Nunca deixariam o orgulho se lado para admitirem o que sentiam um para o outro.  Ambos negavam o amor que sentiam e assim viveram por muito tempo, desfrutando deste amor disfarçado de prazer carnal.

                                                                  FIM

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ou talvez seja apenas o início . . .


Notas Finais


Então é isso. Espero que tenham gostado.
Aqui estão os links das minhas outras fanfic's.

- Diário de Jungkook!! - https://spiritfanfics.com/historia/diario-de-jungkook-6461066
- Crossed Destinies! - https://spiritfanfics.com/historia/crossed-destinies-6479011


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...