História Entrelaçados - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Akamaru, Boruto Uzumaki, Chiyo, Chouchou Akimichi, Chouji Akimichi, Deidara, Fugaku Uchiha, Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hanabi Hyuuga, Himawari Uzumaki, Hinata Hyuuga, Itachi Uchiha, Jiraiya, Kaguya Ootsutsuki, Karin, Kiba Inuzuka, Kisame Hoshigaki, Kushina Uzumaki, Mebuki Haruno, Naruto Uzumaki, Orochimaru, Rock Lee, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasori, Sasuke Uchiha, Shikamaru Nara, Shino Aburame, Shion, Temari, TenTen Mitsashi, Tsunade Senju
Tags Gravidez, Inosai, Naruhina, Romace, Sasosaku, Sasusaku, Shikatema
Exibições 207
Palavras 1.616
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Ecchi, Escolar, Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Dessa vez foi rápido.
Obrigada a todos pelo carinho.
Boa leitura!

Capítulo 4 - Aceitação


Aceitação

[Sakura pov,s]

 Hoje fará uma semana que recebi alta do hospital. Estava agoniada por ficar tanto tempo prostrada naquela cama; já que mamãe praticamente me forçou a  ficar de repouso . Bem que eu queria  dar uma voltinha  pelo hospital antes  de voltar para casa.

Desde que briguei com ela, não voltamos a nos falar. Ino até tentou me procurara, mas eu me recusei a falar com a loira.

Hoje irei para o colégio, sei que todos me fitaram como se fosse um extraterrestre; por que nunca ter faltado aula por tanto tempo.

                Encarei  meu próprio  reflexo no enorme espelho  redondo da minha penteadeira, levantei um pouco a blusa do uniforme deixando minha barriga sem nenhum volume a amostra . O doutor havia me dito que estou grávida de aproximadamente três meses.

__ Tenho que ir.__  sussurrei par mim mesma,  abaixando a blusa, pegando minha mochila de cima da cama e a colocando  sobre as costas.

__Bom dia filha.__ comprimento  mamãe, assim que desci as escadas.

__Bom dia mãe.  Estou indo, tchau.

__ Café da manhã querida.__ Só de falar me embrulhou  o estômago.

__ Ah não! Estou com muito enjoo.

__ Tem que comer.  Você está grávida  criatura.__ reprendeu

__Pronto.__ peguei uma maça  na fruteira  em cima da mesa de mármore.__ Satisfeita?__ Ela apensa assentiu.

__  Cuidado.__ alertou.

__ Ok.__ dei  a primeira mordida na fruta.

[...]

                A  sala da  aula esta  completamente vazia. Ótimo, assim terei tempo para estudar  a matéria desses  dias  que faltei; começando por matemática.  Abri o livro, com as canetas em mãos e o caderno de anotações.

                Estava tão entretida  que não senti nenhum tipo de aproximação, só agora, pois uma sombra  escurecia um pouco a visão a minha frente.

__Sakura.__disse Sasuke   com aquele mesmo  jeito de  sempre.   Soltei a caneta por causa  do susto.

Ele nunca foi de chagar aquele horário, o que me deixou um tanto surpresa.

 

__ O que quer?__ perguntei seca,  tentando  demostrar que não queria falar com ele.

__ Eu soube que ficou esse  tempo no hospital.

__ Por sua culpa.__ acusei. Ele se remexeu um tanto  incomodado pela acusação.

__ Como se sente?__ tentou mudar de assunto. Pela primeira vez olhei em seus olhos negros. Depois de tudo que aconteceu  ele ainda tem a coragem de me  fazer esse tipo  perguntar.

__ Como você acha?__ perguntei ríspida.

__ Calma ok! Eu apenas  estou tentando ser atencioso, mas vi que é impossível.

__ Atencioso? Você? Chega se engraçado. Ou na verdade  se sente culpado.

__Queria conversar numa boa. Mas quer saber, esquece.

__ Depois de tudo que aconteceu uma boa não existe entre nós.__  ele apenas assentiu, acho que entendeu tudo bem  direitinho.

                Saiu da minha frente, parando do meu lado, se abaixou na altura do meu rosto  e sussurrou no meu ouvido:__ Pode não  parecer, mas  eu me importo com você, e muito. Apenas não sou bom em demostrar.__ Por um momento meu coração disparou por ouvir sua voz tão perto, seu cheiro e um pouco de demonstração de  sentimento. Neguei  com a cabeça por estar um tanto agitada por algo tão ridículo

__ Conta outra.__ retruquei, recompondo as minhas defesas.

                O sinal indicando o começo da aula acabou com aquele momento um tanto... Incomodo.  

                De canto de  olho, o vir ir para o fundão da sala. Os  demais alunos chegaram em grande  grupos, cada um com a sua panelinha. Alguns paravam para perguntar sobre o meu estado de saúde,  pelo visto ninguém  ou quase ninguém sabia ainda  da minha gravidez. Creio que além de  Ino somente Shikamaru, já que  me olhou um tanto estranho.

                Pelo visto Ino não iria  vir hoje. Sei que estou chateada com  ela, mas  sem ela me sinto um tanto só. Essa sala de aula parece ser grande  demais, embora  esteja cheia.

[...]

                Andava  em passos lentos em direção a minha . O calor de hoje está abraçador; o suor no meu rosto chegar pingava.  

                Hoje praticamente não tive recreio, porque usei esse  tempo livre para estudar.

                O Uchiha passou toda aula me secando de um jeito esquisito. Lembrei-me  de quando ele  se aproximou de mim e começamos esse relacionamento, nem sei se posso chamar isso  de relacionamento. Ele me olhava do mesmo jeito.

                Em frente a porta de casa,  tirei a mochila das costas, revirei a mochila atrás da chave, quando avistei, coloquei na maçaneta e a girei.

__ Cheguei.__ Avisei como sempre fazia.

O cheiro de algo que jugo se empadão invadiu minhas narinas, fazendo meu estomago se revirar e o gosto amargo na boca. Vou  vomitar! Corri para o banheiro da no anda de baixo, onde coloquei os bofes para fora.

__ Filha tudo bem.__ perguntei mamãe do outro lado da  porta.

__ É só enjoo novamente.

                Abri aporta do  banheiro  com uma cara um tanto apática. Dona Mebuki encostada na parede do corredor do banheiro me fitava  um tanto seria, nunca a vi daquela forma.

__Consegui me decepcionar ainda mais.__ disse. A primeira lágrima rolou  dos seus olhos.

__ Do que a senhora está falando?__ perguntei confusa.

__ Vai tomar um banho que depois conversamos. O que tenho pra dizer  é muito sério.

__Não! Me fala agora.__ me  recusei prontamente.

__ Como você será capaz  de tamanha maldade.  Alguém que sonha em salvar vidas que tirar a vida de um ser inocente, ainda  por cima sangue do seu sangue.__ ela me olhava incrédula. Apenas abaixei a cabeça como sempre faço.__ Me responde!_ exigiu me pegando pelos braços e  me sacudindo.

__A senhora está me machucando.__ choraminguei. Ela  afrouxou um pouco o  aperto.

__ Estou esperando... Vi que nem tem resposta  para tamanha besteira que pretende fazer.__ me soltou. Começando a  passar as mãos freneticamente pelo cabelo.

__ É o melhor para mim.__ murmurei ainda de cabeça baixa.

__ Tudo  é você!_ Acusou__ Só o que importa e  o que você acha, pensa  ou sente. Essa  criança não tem culpa das sua burradas. Se foi mulher o suficiente para fazer, seja também  para assumir suas reponsabilidades.__ Cada palavra me atingia como um tapa na cara. Minha mãe  tinha razão ._ É igualzinha ao seu pai, um covarde que foge quando vem o problema.

Se tinha algo que eu detestava é ser  comparada  com o desgaçado do meu pai.

__ Não me compare  com ele.__ levantei a cabeça mostrando a minha raiva.

__Comigo que não  se parece. __bateu no peito enquanto dizia tais palavras.__ Ele nos deixou para viver  com outra mulher quando você tinha apensa dois anos, desde desse dia eu cuido de você sozinha. Posso ganhar pouco como lavadeira e passadeira, mas nunca te faltou nada.

Ela tinha razão, nunca me deixou faltar nada.

__Eu deixo de comprar coisas para mim e dou tudo que você quer. Enquanto  você usa roupas novas eu uso remendadas. Porque nunca quis que passasse vergonha na frente de outras  pessoas.  Eu não me envergonho da sua gravidez, tenho vergonha da sua imaturidade.

__ Me desculpe.

__ Eu não quero suas desculpas. A quem deve pedir perdão, está dentro ai dentro.__ apontou para o meu ventre.

__  O que faço?__ eu já  estava  ficando confusa, não sabia mais de nada.

__ Faça o que acha certo. Sei que no fundo, bem lá no fundo ama essa  criança.

__ Eu não sei.

__Veja as coisas positivas em ser mãe e esqueça um pouco  o negativo. Eu entendo seu  desespero, quando fiquei sozinha com  um filho pequeno passei por isso... Mas olhar nos olhinho verdes  e inocentes me deram forças para seguir em frente. Não veja seu filho como uma derrota, e sim como uma vitória.

Não tive defesa. Me joguei  em seu braços e chorei  igual uma criancinha  com medo do escuro.

__Eu estou aqui. Como te prometi naquele dia.__ sussurrou.  Abraçando-me fortemente.

__ Eu te amo. Estou com tanta vergonha, só lhe dei desgosto.

__ Nunca mais repita isso!__ separou do abraço, segundo meu rosto com as duas  mãos.__ Erra é humano, apenas assuma   as reponsabilidade pelo seu atos.  Essa coisinha pequena não merece desprezo e  sim todo o amor que possa oferecer.

__ Vou tentar._ acalmamos nosso choro e nossos ânimos.

__ Fico feliz por isso. E agradecida a  sua amiga, igual a ela não existe aos montes por ai.

__Sabia que foi aquela fofoqueira.

__ Ela tentou salvar sua vida, apenas isso. Filha muitas meninas morrem por causa desses  procedimentos.  

__Quando ficou sabendo?__ tentei mudar de assunto, por hoje já foi sermão demais.

 

__ Ino veio de manhã te visitar, mas falei que foi para e  escola. Te eixou a matéria da escola e com muito esforço me contou o que pretendia fazer. Sei que brigou com ela, e por isso deve  pedir desculpas.

__ Obrigado por tudo.__ agradeci por tudo que fez como mãe.

__ Não a de que.__ beijou meu rosto.__ Tomar banho e almoçar.__ só de  ouvi a palavra almoço meu estomago se  revirou novamente.

__ Não, por favor.

__ Vou fazer uma sopinha e mais leve que empadão.

__ Ok. Vou subir.__ sai do corredor e fui em direção às escalas, subindo para o meu quarto.

__ Os exercícios estão na mesa  do computador querida .__gritou  do andar de baixo.

__ Ok.

                Assim que entrei no quarto joguei a mochila em cima da cama, comecei a tirar minhas roupas sapatos; ficando apenas  de roupas íntimas. Parei em frente ao espelho redondo.

__ Será que vou te amar mais que a mim mesma?__ pela primeira vez acariciei minha barriga suavemente. Não sei por que um sorriso se alargou nos meus lábios, era algo meio que surreal.

Não significa que estou feliz da vida. Mas vou tentar aceitar o que está acontecendo como uma mulher forte. Vou tentara amar essa criança, como disse mamãe.

[...]


Notas Finais


Obrigada pela atenção.
Beijos!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...