História Equally - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Chen, Lu Han, Sehun, Xiumin
Tags Hanhun, Hunhan
Exibições 116
Palavras 3.572
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Slash, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, marmotinhas! Como vocês estão?
Passado o momento necessário para me recuperar do fim de Written in the Stars, cá estou eu com mais uma HunHan pro Spirit porque agora ninguém me para de plotar coisas com o OTP hsuahsu
Na verdade ela já estava escrita desde o começo do ano, se não me engano, mas eu deixei para depois porque queria dar uma analisada nela, uma vez que escrevi em dois lindos dias sem contato com o mundo exterior qq //espero que seja do gosto de vocês ><
Agora chega de falar e até lá embaixo! Boa leitura~
(Obs: as cenas em itálico são no passado e as frases em itálico são coisas escritas no papel/computador. Espero que não fique confuso;;)

Capítulo 1 - Tenho algo que você não tem


 

 

O garoto se levantou rapidamente, sentando-se na cama enquanto respirava ofegante. Os cabelos grudavam na testa, os lençóis que incomodavam a pele foram rapidamente afastados e ele precisou de um tempo para se acalmar antes de perceber que, novamente, era tudo apenas um sonho. O mesmo sonho que repassava em sua mente e o despertava de jeito semelhante com frequência.

 

A cena mostrava o seu eu quando criança ao lado de duas sombras maiores, tendo momentos felizes e rindo juntos. De repente, uma das sombras para tudo o que está fazendo e ele para de sorrir como reflexo. Em poucos segundos não há mais nada: nem sombras, nem risos; apenas um garotinho correndo em um mundo vazio enquanto procura desesperadamente por alguém. Se ele tivesse que falar a verdade, o pior daqueles sonhos não era a cena presenciada, e sim o sentimento palpável da perda e da solidão após a felicidade.

 

Assim que se acalmou ele revirou os olhos e se levantou. Achava-se patético por esta ainda ser a sua fraqueza, mesmo depois de muito tempo. Ele já era um homem-feito, afinal. Como podia ser atormentado pelos fantasmas do passado?

 

Percorreu o apartamento espaçoso e bem mobiliado a passos largos, dirigindo-se à cozinha e tomando um grande copo de água gelada. Assim que terminou, foi até a sala e afastou as persianas, suspirando em seguida.

 

O dia já raiava, as pessoas já se movimentavam para suas ocupações. Ele era o único que parecia parado no tempo por um momento.

 

 

xxxxx

 

 

O manager ajoelhou perto do ídolo, um sorrisinho despontando dos lábios para que as fãs, que passavam uma a uma para pegar autógrafos e conversar com o garoto, não pensassem que havia algo de errado.

 

“Luhan-ssi, nós precisamos ir agora. Você tem um compromisso na rádio, lembra?”

 

O castanho o olhou rapidamente, entregando seu CD autografado e sorrindo para uma das garotas no momento seguinte.

 

“Eu preciso terminar aqui primeiro, hyung. Pode ligar para eles e avisar sobre o meu atraso, por favor?”

 

O manager o encarou por um tempo, lendo no olhar intenso que lhe era retribuído que ele sabia muito bem que ele não poderia simplesmente deixar as últimas fãs irem embora de mãos abanando só porque tinha um compromisso.

 

O mais velho suspirou e se levantou.

 

“Tudo bem” levantou-se e foi embora dali, procurando algum lugar mais reservado para que conseguisse fazer a ligação.

 

Enquanto isso, Luhan se divertida com as reações das garotas que ouviram a conversa.

 

“Luhan oppa, você é o melhor! Deve estar tão cansado depois do show, mas ainda assim fica para atender a gente!” Uma das meninas disse, empolgada.

 

O garoto sorriu e deu as mãos a ela.

 

“Que nada, eu não poderia deixá-las na mão, hum? Boa noite, tome cuidado ao voltar para casa.”

 

Ela assentiu rapidamente e se levantou, dando espaço para outra menina que se ajoelhou a sua frente e entregou o CD.

 

De fato ele estava cansado; havia sido mais de duas horas de show e ele ainda teve mais de duzentas pessoas no fan sign, de modo que sua mão realmente pedia descanso e o corpo implorava por uma cama. Ainda assim, tinha que participar daquela transmissão na rádio, uma entrevista no meio da madrugada.

 

Ele sabia que para coisas ao vivo ele não podia se atrasar, mas também não poderia sair dali quando faltavam quinze fãs para serem atendidas. Primeiro que seria ruim para a sua imagem sempre amigável e segundo que ele realmente se divertia com a maioria delas.

 

Oppa, qual a sua bebida favorita?

 

Luhan pensou um pouco ao ler a pergunta no papelzinho, respondendo em seguida.

 

Coca-cola!

 

Ele sorriu e a menina se foi.

 

Oppa, qual o seu tipo ideal?

 

Todos!

 

Ele riu consigo mesmo, pensando em como tinha ótimas respostas. Poderia não ser verdade, mas as deixava contentes e era o suficiente.

 

A próxima menina, entretanto, lhe preocupou um pouco. Ela tinha o nariz vermelho e fungava enquanto as lágrimas desciam pelo rosto inchado. As mãos trêmulas seguraram as suas quentinhas e ela quase berrou ainda mais ao sentir aquele calor. Empurrou o CD, assoando o nariz numa toalhinha ao que o ídolo se encolheu, enojado.

 

“O que aconteceu com você, pequena?” Perguntou docemente, vendo a garota sorrir. Ele sempre tratava as fãs assim, mesmo que elas fossem duas vezes o seu tamanho.

 

“Eu ia sair com meu namorado hoje… mas como eu vim ao show, eu não pude sair com ele e ele terminou comigo. Ele tem ciúmes do oppa e agora ele me odeia por vir ver você e não ele. Só porque eu disse que eu amo você…” fungou mais uma vez, pegando o CD autografado com as pequenas mãos.

 

“Não chore por causa disso, ok? Explique para ele que é um amor diferente, e que você realmente gosta dele como namorado. Ele vai entender, hum?”

 

Ela assentiu e sorriu, dando as mãos mais uma vez, ao que Luhan teve de se controlar para não limpar rapidamente.

 

Assim seguiu pelo resto dos fãs e, assim que a última foi embora, ele se levantou rapidamente e se espreguiçou, cumprimentando todos os staffs antes de seguir seu manager para a van.

 

Jogou-se em seu banco e fechou os olhos, sentindo o automóvel dar a partida.

 

“O que eu tenho para esta semana, Minseok?” Perguntou arrastado, bocejando em seguida.

 

“Hum… um programa de TV, o fanmeeting ao ar livre e uma s-sessão de fotos.”

 

“Uma sessão de fotos? Eu não lembro disso na agenda.”

 

“É… a senhorita Kim m-me informou hoje.”

 

“A Kim?” Abriu os olhos rapidamente, sentindo que havia algo de errado. “Por que está gaguejando, hyung?”

 

O motorista suspirou, acelerando a van.

 

“É uma sessão de fotos com aquele cara…”

 

“Aquele cara?”

 

“Oh S-sehun” encolheu-se, já pressentindo o que se seguiria.

 

“O QUÊ?!” Berrou, sentando-se e batendo no banco da frente. “Eu não vou fazer uma sessão de fotos com ele! De quem foi essa ideia?!”

 

Minseok engoliu em seco.

 

“E-eu não sei! Apenas sigo ordens, Luhannie.”

 

O garoto respirou fundo. Seu coração estava acelerado no peito, mas ele se lembrou de algo que poderia acalmá-lo.

 

“Tudo bem. Eu tenho certeza que isso será cancelado assim que chegar nos ouvidos de Oh Sehun. Ele também me odeia.”

 

Minseok olhou pelo retrovisor, com medo de ditar as palavras que se seguiriam.

 

“N-na verdade, senhorita Kim disse que ele aprovou a ideia.”

 

“Ah, claro, eu sabia que… O QUÊ?!” O berro de Luhan quase fez com que o motorista parasse o carro abruptamente com o susto. O castanho suspirou, recostando-se na poltrona enquanto observava as coisas passarem rapidamente ao seu lado. O que tinha de errado com o Oh? Ele nunca aceitaria algo do gênero. “Eu vou falar com ele. Tenho certeza de que foi um engano.”

 

Mordeu o lábio inferior, hesitante. Não falava com o outro há alguns meses e preferia continuar sem nenhuma comunicação o maior tempo possível. Pelo visto, os planos do destino não batiam com os dele.

 

 

xxxxx

 

 

Luhan percorreu os corredores a passos largos, irritado com a situação enquanto um outro lado de si tentava lhe acalmar, avisando que logo o engano seria esclarecido e ele ainda ganharia aquele dia de folga, já que não precisaria fazer a sessão de fotos.

 

Espalmou a mão na porta branca, empurrando com força e adentrando a sala sem cerimônias. A música estava alta e ele logo reconheceu com quem queria falar dançando no centro da sala com alguns dançarinos atrás de si.

 

Alguns outros dançarinos, estes que estavam no canto, o encararam com espanto quando ele entrou na sala. Assim que fora reconhecido eles saíram rapidamente do recinto, sobrando apenas os dois ídolos no local.

 

O dançarino, entretanto, não parara os movimentos, e Luhan sabia que ele realmente não interromperia seu ensaio para dar ouvidos a alguém como ele. Cruzou os braços e se pôs a observar o maior com a sua melhor cara de quem chupou limão e não gostou.

 

Luhan odiava a forma como o corpo maior que o seu se movimentava com leveza no centro da sala, o olhar sendo direcionado a si pelo reflexo do espelho. Sehun poderia fazer aqueles movimentos de olhos fechados que ainda assim seriam executados com perfeição, que ainda assim seriam aplaudidos e admirados.

 

Observá-lo era como uma sessão de tortura, e o maior sabia disso. Sabia disso e gostava, e por isso mesmo continuava dançando como se não houvesse ninguém na sala.

 

 

xxxxx

 

 

A mulher apoiava a mão no ombro do pequeno enquanto percorriam o corredor branco, seus saltos fazendo eco pela extensão. Atrás dos dois, três homens de terno, que a ajudavam a cuidar da empresa, os seguiam com um sorriso no rosto. O pequeno trainee era realmente adorável e eles sabiam que ele seria algo grande no futuro. Precisava ser.

 

A mulher seguiu até uma das salas de ensaio da empresa e abriu a porta com cuidado, empurrando o menininho para dentro e entrando logo atrás.

 

O seu trainee mais promissor dançava no centro da sala, sendo guiado pelo coreógrafo que não fazia muito já que o garoto realmente aprendia com rapidez.

 

Os olhos brilhantes encararam o garotinho que era um pouco mais baixo que si com admiração. Ele era realmente bom e não havia como negar aquilo.

 

A mulher se ajoelhou ao seu lado e cochichou em seu ouvido, já que a música estava alta e ele não compreenderia de outra forma.

 

“Veja, Luhannie, este é o nosso melhor dançarino desta idade que temos. Oh Sehun te ajudará nos ensaios e vocês poderão ser amigos, e quem sabe um dia você seja tão bom quanto ele?”

 

“Tão bom quanto ele?” Questionou, admirado. Ele queria saber dançar daquele jeito.

 

A mulher sorriu, assentindo.

 

“Sim. Mas, para isso, você terá que trabalhar muito duro. Não é fácil chegar ao nível dele.”

 

“Eu vou me esforçar!” Exclamou, convicto, e a mulher demonstrou estar realmente contente.

 

Assim que a música acabou, o garotinho se virou para aqueles que via como intrusos de sua sala de ensaio, o rosto impassível fez o sorriso de Luhan murchar. Por que aquele garotinho parecia tão sério? Assim que ele se aproximou, no entanto, fez questão de voltar a sorrir.

 

“Oh Sehunnie, este é Kim Luhan. Luhannie, este é Oh Sehun” o castanho se curvou quase noventa graus, enquanto o outro abaixou um pouco a cabeça. “Ele é o mais novo trainee, Sehunnie, e é o seu hyung. Espero que possa cuidar bem dele e que se deem bem” o menor assentiu sem mudar as expressões. “Agora, tire um momento de descanso para se conhecerem um pouco. Contarei com você para ensiná-lo bem, ein?”

 

Sehun assentiu mais uma vez e a mulher se levantou, saindo da sala com os homens.

 

Os garotinhos se encararam sem saberem muito bem o que fazer.

 

“Você dança muito bem! Como consegue ser tão bom?” O maior perguntou, animado para receber todas as dicas.

 

“Treino” respondeu simplesmente. Sua voz era baixa e sem emoção, assim como seu rosto. “O que sabe fazer?”

 

“Ahn… é o meu primeiro dia aqui então eu não sei fazer muito…”

 

O menor sorriu de canto, descrente.

 

“Mostre-me o que fez na audição, novato.”

 

Luhan piscou, confuso.

 

“Audição?”

 

Sehun o encarou de lado. Aquilo não podia ser verdade.

 

“Você não entrou por audição?”

 

O maior negou rapidamente, não sabendo o que aquela palavra significava. O Oh o encarou com asco, dando as costas para o mais velho.

 

“A presidente não deveria me fazer perder tempo com isso” comentou, ríspido, enquanto voltava ao centro da sala.

 

Luhan o encarava, tentando entender o que acontecia. Olhou para o lado, vendo que os dançarinos lhe encaravam com pena.

 

Mas aquilo definitivamente não ficaria assim.

 

 

xxxxx

 

 

Assim que a música acabou, Sehun seguiu até o aparelho e pausou antes que fosse para a próxima. Virou a garrafa de água na boca, sentindo o suor escorrer por seu corpo. Sua regata grudava no corpo pálido e os fios de cabelo eram um estorvo em sua testa.

 

Assim que terminou, jogando o cabelo para trás com a mão livre, respirou fundo antes de se pronunciar.

 

“Faz tempo que não te vejo. O que você quer?”

 

Luhan deu alguns passos na sala, aproximando-se um pouco mas ainda mantendo grande distância.

 

“Disseram para mim que você concordou com aquela sessão de fotos. Isso não é verdade, certo? Você precisa dizer para a senhorita Kim cancelar.”

 

“Por quê?”

 

Luhan franziu as sobrancelhas.

 

“Por que o quê?”

 

Sehun se virou, olhando nos olhos acastanhados.

 

“Por que preciso que ela cancele?” Cruzou os braços. “Não foi um engano, eu realmente concordei.”

 

“O QUÊ?” Berrou, quase deixando o outro surdo. “Por que você faria isso?”

 

“É apenas trabalho, Kim Luhan. Será bom para mim e para você, vamos divulgar um ao outro.”

 

“Eu não quero os seus fãs, obrigado. Estou contente com os meus.”

 

“Tem certeza?” Levou a mão ao queixo. “Não acha que seria melhor aumentar o seu fandom? E quem sabe desta forma sua opinião tenha alguma relevância nesta empresa?”

 

Luhan escancarou a boca, puxando o ar com força.

 

“Minha opinião tem relevância, sim!”

 

“É?” Indagou, divertido. “Então por que não foi falar com a Kim em vez de me pedir para fazê-lo? Não seria porque sabe que ela me escutaria em vez de você?”

 

Luhan o encarou, enraivecido. Sua perna balançava no mesmo lugar, um tique nervoso que ele tinha e Sehun reconheceu logo de cara, divertindo-se com as reações que causava no outro.

 

“Eu odeio você” murmurou, dando as costas e avançando a passos largos dali.

 

“Igualmente!” Elevou a voz para ser ouvido, encolhendo-se quando a porta bateu e um sorriso escapou por seus lábios. Poucos segundos depois a mesma foi aberta com cautela e um dos dançarinos colocou a cabeça para dentro, temeroso. Seu sorriso morreu e ele o chamou com a mão. “O que estão fazendo aí? Vamos ensaiar.”

 

Os dançarinos adentraram rapidamente a sala e logo já embarcavam em mais longas horas de ensaio.

 

 

xxxxx

 

 

“Eu odeio tanto ele, Minseok, tanto!” Gritou, socando o saco vermelho a sua frente. Sequer se preocupara em colocar as luvas de boxe, castigando as mãos na superfície dura.

 

“Você devia se acalmar, Luhannie. Ele só fala essas coisas para te provocar, você sabe.”

 

O castanho socou mais umas vezes antes de suspirar, abaixando a cabeça.

 

“Mesmo que este seja o caso, não deixa de ser verdade.”

 

Minseok revirou os olhos. Estava sentado com as costas na parede, observando o outro extravasar a sua fúria no saco de pancadas no cômodo de seu apartamento que reservou para treinos. Somente Oh Sehun para dar energia para o outro socar aquilo com tanto ódio mesmo depois de um dia puxado de ensaio e filmagens.

 

“Você falou com ela?”

 

“Sim. Com o maior carinho do mundo porque sei que ela odeia quando sente que estão querendo mandar nela. E ela negou.” Socou rapidamente o saco, lembrando da conversa de mais cedo.

 

Minseok suspirou.

 

“Ela sabe o que é melhor para suas crianças. Se ela acha uma boa coisa então apenas faça isso. É apenas um dia juntos e vocês poderão se afastar novamente.”

 

Luhan parou de bater no saco, indo até o manager.

 

“Você acha que eu preciso de mais fãs? Acha que eu estou tão abaixo dele?”

 

Os olhos castanhos buscavam os seus com certo desespero. O Kim mais velho queria negar, mas o ídolo o conhecia bem e sabia se ele estivesse mentindo.

 

“Vocês são os dois grandes artistas da empresa, as pedras preciosas da senhorita Kim. Ele só tem mais fãs porque debutou antes, não se rebaixe por causa disso.”

 

Luhan riu, sem graça.

 

“Então você concorda com ele.”

 

“Hannie, eu-”

 

O castanho pôs um dedo no lábios alheios, calando o mais velho.

 

“Tudo bem, hyung” deslizou o dedo pelos lábios úmidos, os olhos presos na região. “Não quero que minta para mim.”

 

Tirou os dedos, ainda encarando os lábios finos que foram mordidos em apreensão. Olhou diretamente em seus olhos, então, e viu o outro desejar a mesma coisa que si por um milésimo de segundo. No outro, suas palavras não condiziam com o que seus olhos pediam.

 

“Eu acho melhor ir embora, já está tarde.”

 

Luhan inclinou a cabeça.

 

“Não quer ficar aqui comigo, hyung?” Deslizou um dedo pelas clavículas alheias e o mais velho agarrou sua mão no momento seguinte, impedindo-o de continuar.

 

“Eu tenho uma mulher grávida me esperando em casa agora, Hannie.”

 

Luhan riu amargo, puxando a mão.

 

“Ah, é claro. Tem razão, Minseok. Você precisa voltar para a sua família feliz, já é madrugada.”

 

O mais velho revirou os olhos.

 

“Não faça drama, pelo amor de Deus. Você sabe que não sente nada por mim.”

 

Luhan não disse ou expressou nada. Aproximou-se do outro e selou seus lábios rapidamente.

 

“Até amanhã.”

 

Levantou-se e voltou a socar o saco naquela raiva infindável.

 

Minseok ainda o observou por alguns segundos. Ele sentia pena de Luhan e de toda a solidão que emanava de seu ser, mas nunca dizia nada.

 

Levantou-se e seguiu para a porta.

 

“Não vá dormir tarde.”

 

Saiu e fechou a porta atrás de si sem esperar uma resposta.

 

Do lado de dentro da sala, Luhan continuou a socar o saco de pancadas por uma hora inteira. Sentia-se patético e sujo, inútil naquele mundo onde sabia que não tinha espaço para ele.

 

 

xxxxx

 

 

“Não é assim que se faz” repreendeu o mais novo, executando os passos com perfeição. “Está vendo? É desta forma. Eu já te disse milhares de vezes.”

 

O maior assentiu, determinado, e realizou os passos antes feitos pelo mais novo, que o observou seriamente antes de suspirar, cansado.

 

“Você não tem jeito.”

 

“Eu estou tentando, Oh Sehun!” Praticamente berrou, impaciente.

 

“Não é isso. Falta talento em você. Não adianta querer forçar uma coisa que não é pra você ser.”

 

Luhan piscou, os olhinhos surpresos. Não entendia por que o coreano precisava ser tão duro com ele se ele havia acabado de chegar e estava realmente dando tudo de si. Ele nunca dançara na vida e apostava que na primeira vez que o menor dançara também havia sido horrível.

 

“Eu vou te provar que eu tenho muito talento.”

 

O menor, que tinha os braços cruzados na altura do peito, riu de lado, malicioso.

 

“Eu estou ansioso para ver.”

 

 

xxxxx

 

 

“Uau, olha essa beleza…” Luhan colocou a mão na boca, afastando-se com certo espanto da tela do notebook, rindo em seguida com a bobeira que fazia.

 

Situava-se no chão de sua sala, o notebook na mesinha de centro enquanto ele vagava por seus fansites e fanbases, admirando as fotos tiradas e as fanaccs que espalhavam sua gentileza e amabilidade para quem quisesse ver.

 

Já era madrugada e ele tinha um compromisso logo pela manhã, mas não conseguira pregar os olhos. Seu remédio havia acabado e esquecera de pedir a Minseok para comprar, então resolveu tomar um segundo banho para que se sentisse mais limpo (mesmo que o último não tivesse sido nem há uma hora) e resolveu fazer algo para animar um pouco. Visitar as contas de suas fãs.

 

Luhan oppa estava tão bonito hoje! O cabelo castanho realmente cai bem nele!

 

“Ah, eu concordo.”

 

Luhan oppa me disse que eu deveria seguir o meu sonho de ser uma celebridade, mesmo que meus pais não aprovem a ideia. Ele disse que eu tinha que conversar com eles e mostrar o quanto me esforçarei para isso e lhes darei orgulho.

 

Tentou buscar em sua memória quando foi que aquelas palavras saíram de sua boca, mas não encontrou. Deu de ombros, então; não importava se ele não lembrava, já que era algo bom.

 

E então, algo chamou sua atenção enquanto rolava a página.

 

Nosso Luhannie fará um ensaio fotográfico com Oh Sehun, um artista solo da mesma empresa. O conceito e a data de lançamento ainda não foram confirmados, fiquem ligados para mais informações!

 

Ele clicou no post para ler os comentários.

 

luhannie01: eu já li em algum lugar que eles treinaram juntos desde novos e são muito amigos, acho que foi uma boa combinação

kimssioppa: onde você viu que eles são amigos? Eles nunca saíram juntos e eu acompanho o oppa desde o debut. Amigos devem sair juntos, certo?

luhannie01: eles podem sair juntos sem serem flagrados, não acha? Nem sempre as fãs conseguem seguir seus ídolos e eles podem se encontrar na empresa

kimssioppa: bom, eu realmente não me importo. Eu não gosto do oh sehun-ssi, eu tenho amigas que são fãs dele e ele sempre é arrogante no fansigns. O luhannie sempre é gentil, espero que o amigo dele não seja uma má influência

 

Luhan gargalhou, a cabeça sendo jogada para trás.

 

“Pode deixar, kimssioppa, eu nunca mudarei” sorriu de lado, orgulhoso de si mesmo. Seus fãs, de fato, eram os melhores.

 

Ele poderia ter menos fãs do que Oh Sehun, poderia vender menos discos e ingressos que o mesmo e, por isso, a presidente Kim levar a opinião de outrem mais em conta do que a sua. Entretanto, ele tinha algo que Sehun nunca se preocupou em manter: uma boa imagem, que atraía a atenção de todos e fazia com que pessoas de todas as idades mostrassem interesse em si e abrisse um espaço em seus corações para as músicas que lançava. Mesmo algumas fãs de Oh Sehun o admiravam por sua personalidade e arriscavam ouvir suas músicas, enquanto o outro não podia dizer o mesmo para Luhan.

 

Ele acabava de descobrir sua arma secreta contra Sehun. Só precisava saber usá-la. 

 

 


Notas Finais


Como será essa sessão de fotos, ein? tam tam tam...
Eu não sei se deu para perceber (ou até mesmo se alguém aqui assistiu Producer) mas a ideia surgiu desse dorama, que quando vi só fiquei "Meu Deus, preciso escrever sobre isso" e fui pari-la pelos meus dedos. Também tem uma imagem que influenciou nisso, mas colocarei aqui no momento certo.
Então, Equally terá só 4 capítulos e estarei postando aos domingos. Podem me dizer o que acharam nos comentários que eu não mordo, viu? E ainda distribuo balinha, VEM qq
Perdoem pela capa horrível e aquele negócio chamado sinopse que preciso aprender a fazer (há um motivo para que eu não seja capista ou... sinopsista?) e obrigada a você que leu até aqui. Beijos no coração e até o próximo domingo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...