História Era apenas meu primo 2 - Capítulo 38


Escrita por: ~

Postado
Categorias Restart
Personagens Koba, Pe Lanza, Pe Lu, Personagens Originais, Thomas
Tags Era Apenas Meu Primo, Era Apenas Meu Primo 2, Fanfic Com Pe Lanza 2016, Fanfic Com Restart, Fanfic Restart 2016, Koba 2016, Pe Lanza 2016, Pe Lu 2016, Restart 2016, Thomas 2016
Exibições 79
Palavras 5.132
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção Científica, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá pessoas maravilhosas que leem essa fic, antes de vocês começarem a ler, eu gostaria de ressaltar algumas coisinhas aqui :3
- Os posts nao são diários, escrevo apenas quando me sinto pronta para que os capítulos fiquem uma coisa bem legal
- Ignorem qualquer erro ortográfico
- Estamos em 2020
- Aqui temos personagens originais e não-originais, mas a personalidade deles está de acordo com a minha imaginação e com o que eu consegui captar deles
- Tudo o que eu tomo base, eu deixei bem claro nas notas finais
- PLÁGIO É CRIME, E TOTALMENTE PROIBIDO NO SITE
- Se quiser se basear na minha fic, entre em contato comigo primeiro
- Temos um grupo no whatss, caso queira entrar, explico como nas notas finais
Boa leitura :*

Capítulo 38 - Fiasco


Fanfic / Fanfiction Era apenas meu primo 2 - Capítulo 38 - Fiasco

Será que essas pessoas não entendem que o Luba é meu? Apenas meu.

4 de setembro 2020.

Thamires P.O.V.

-Eu não quero ir. –Otávio dizia nervoso.

-Deixa de frescura, é a despedida de solteiro do casal magia. –Eu dizia calçando o tênis.

-Eu não quero ver mulheres se esfregando em mim... –Bufou.

-Uai, mas não era você que dizia que pegava os dois e não sei o que mais? –Brinquei.

-Eu gosto de mulheres também, mas eu tenho preferências com homens ué, não posso? Eu já me cansei de ir em boate stripper assim, quero homens. –Retirou a camisa. – Diga a eles que fiquei doente e não pude ir.

-Eu vou é enfiar a mão na sua cara, anda logo. –Coloquei o celular dentro da bolsa.

-Se eu vomitar em algumas delas, a culpa não é minha. –Ele dizia vestindo a camisa. – O Pedro vai surtar quando te ver de saia para um stripper. –Otávio riu.

-Não vai não, calça jeans ou short jeans  me incomodam um pouco, além de que eu não tenho nada de malha ou leggin limpo. Vou de saia mesmo.

-Não tinha nada mais longo não? –Zoou o Pedro. – Se reclamar muito eu saio é pelada. –Debochou de mim.

-Cala a boca. –Mandei meu chinelo nele.

-Aposto que vai ser desse jeito. –Gargalhou. – Vou pegar as chaves e o meu celular.

-Tá bom. –Sorri e o Otávio saiu do quarto.

Well, o tempo passou mais rápido novamente, e agora eu acho que para melhor.

Vamos começar falando do Pedro. Ele anda super presente em minha vida, ele meio que advinha tudo o que estou pensando e tenta fazer de tudo para realizar meus desejos, por mais que tenham diminuído bastante. Ele está mega carinhoso, e já está super babão com o Marco que nem nasceu ainda. Digamos que ele sempre traz alguma coisinha quando estamos no shopping, ou quando tem que viajar. Outro não faria metade do que ele faz por mim.

O Otávio, ah coitadinho do meu amigo, ele anda sofrendo tanto pela falta que o Luba faz na vida dele. Não que ele admita em voz alta, mas vez ou outra o vejo chorando pelos cantos olhando as fotos deles juntos. Otávio não está tão mal quanto antes, ele meio que já superou tudo o que as pessoas falavam dele, famoso “ligou o vai se fuder”, porém, eu ainda estou bem preocupada, porque ele chega bêbado em casa no mínimo uma vez na semana falando várias besteiras. Eu só queria meu amigo de volta, aquele Otávio que sempre me fazia rir falando besteiras e estava disposto a lutar por aquilo que ele ama e acredita.

Eu sei que ela não é importante, mas depois do chá de bebê, a Gabriela simplesmente sumiu. Pedro me disse que ela não responde as mensagens dele e simplesmente sumiu. Não que eu ache isso ruim, longe disso, mas é que eu achei era importante falar disso, afinal, Gabriela é aquele porre que você odeia.

-Eu não quero ir com eles. –Otávio reclamava pela vigésima vez no caminho.

-Para de reclamar. Deixa só a Michele ouvir isso, acho que ela te manda para China com um murro.

-Você não deixa, não vive sem mim. –Bagunçou meu cabelo.

-Eu vou é ajudar a Michele.

-Ah cachorra, isso mesmo, destrói seu amiguinho aqui, quero ver quando ficar sem. O dia que eu morrer você me dá valor.

-Para de ser dramático. –Belisquei o braço dele. – Tá ouvindo Marco? Seu padrinho é MUITO dramático, não puxa isso não. –Falei alisando a minha barriga.

-Puxa sim, puxa seu padrinho que você vai ser a diva da parada.

-Só não puxa esse lado orgulhoso do seu padrinho, porque o resto pode.

-Miga, tu é orgulhosa, Pedro é orgulhoso, Michele é orgulhosa, eu sou orgulhoso. Marco vai ser orgulhoso você goste ou não.

-Oh wow... –Ri suspirando.

-This is lovely... –Imitou a Cassie da série Skins.

-Ela é tão fofaaa... –Coloquei as mãos no peito.

-Eu sei, tive que desenterrar essa série. –Ele sorriu. – E nós chegamos, infelizmente.

-Deixa de ser dramático.

-Você que vai ficar com toda a diversão, eu vou ver as mesmas coisas de sempre.

-Eu estou começando a achar que você não é bi coisa nenhuma, tu é gay.

-Talvez eu seja. –Deu os ombros. – Eu só sei que não quero um bando de mulheres e esfregando em mim. –Bufou alto e eu comecei a rir.

-Fala que vai ficar então. -Abri a porta. – Garanto que irão te entender.

-Ah claro, até porque todo mundo sabe da minha sexualidade.

-É uma ótima hora para contar. –Sai do carro saltitando. – Trouxe a chave?

-Trouxe, está no meu bolso.  –Ele abriu o portão e depois a porta de entrada, lógico que eu cheguei desfilando.

-O BRILHO DO LUGAR CHEGOU! –Parei fazendo uma pose. – Aplausos por favor.

-Ah, cala a boca. –Indy disse rindo. – Cê é a mais feia daqui. –Debochou.

-Não fala assim da minha perfeitinha. –Pedro veio até mim e me abraçou. – Como você tá?

-Bem, e você? –Sorri para ele, que usava uma calça de lavagem escura, uma blusa cinza e um tênis preto. – Tá cheiroso... –Era verdade, ele estava mais cheiroso que o nervoso, chegava a embrulhar meu estômago de tão forte que estava. – Algum motivo especial?

-Não, passei o mesmo tanto.

-Não foi não. –Suspirei. – Vou cumprimentar os outros.

-Você tá com...

-Já volto. –Sai sem deixar que ele terminasse a frase.

Ah qual é? Ele está indo para uma boate de strippers todo cheiroso e vocês querem que eu fique de boa? Eu sei que não devia ter ciúmes porque não vai acontecer nada, mas porra, para que ir cheiroso assim? Ele não passa tanto perfume para sair comigo.

Consegui cumprimentar todas as pessoas ali. As meninas estavam tão empolgadas, enquanto eu só queria voltar para casa e ficar vendo séries. Realmente, essas coisas não são para mim.

-Então rapazes, vamos? –Pedro disse esfregando as mãos.

-Tá com pressa? –Não consegui controlar minha língua.

-Não... Eu só... –Ele me olhava com uma careta. – Você tá com ciúme?

-Ai meu Deus, não começa vocês dois... –Otávio disse revirando os olhos. – Meus problemas são maiores que os seus e eu não reclamo.

-E quais são seus problemas? –Pedro perguntou.

-Vários. –Otávio suspirou. – Você não faz ideia. –Ele foi para perto da Michele.

-Não faça esse tipo de pergunta para ele. –Fui o mais gentil que eu pude. – A situação está delicada.

-Por quê?

-É complicado. –Suspirei. – Agora vai apressar os meninos para vocês irem logo, já que né...

-Meu Deus, não seja tão ciumenta.

-Você tá todo arrumadinho e cheiroso, quer o que?

-Você tá com uma saia que aparece a sua bunda e eu não to reclamando.

-Não aparece nada, nem vem. –Cruzei os braços.

-Marco, não seja tão ciumento como a sua mão. –Pedro disse e beijou minha barriga, o que me fez sentir cócegas.

-Vamos falar de ciúmes então...

-Vocês não acham que as meninas não deveriam ficar sozinhas? –Otávio disse num tom que todo mundo iria ouvir. – Alguém deveria ficar aqui com elas, eu posso fazer esse sacrifício.

-Ah nem vem, eu conheço o pessoal lá, não tem perigo algum. –Malu disse bebericando do seu copo.

-Mas é que pode acontecer alguma coisa... –Otávio insistiu.

-Eu acho que é coisa da sua cabeça. – Michele me entregou um copo com suco. – Não vai acontecer nada.

-É, eu também acho que é coisa da sua cabeça. –Pedro Lucas completou. – O máximo que pode acontecer é o cara ser feio. –Deu os ombros.

-Ou dançar mal. –Thomas disse.

-Ah isso eu duvido, os homens de lá são maravilhosos além de seduzirem como ninguém. –Malu disse com um sorriso no rosto.

-Como sabe disso? –Koba perguntou com uma sobrancelha arqueada.

-Eu passei muito tempo solteira, sei de mais coisa do que parece. –Deu uma piscadela. – E eu sei que lá a gente não decepciona com os boys.

-Além do mais, eu acho que nenhum cara vai ser louco de tentar coisa errada aqui. –Indy disse. – Aqui só tem mulher doida.

-Fale por você. –Kari disse cruzando os braços. – Eu estou me sentindo culpada pelo Rafa.

-Assim que você ver o boy passa. –Malu disse rindo.

-Eu ainda acho que alguém devia ficar, veja bem... –A campainha tocou interrompendo o Otávio.

-Já volto. –Michele foi abrir a porta.

-Não precisa se preocupar, nossas meninas sabem se cuidar. –Luan disse pegando as chaves. – Vamos?

-NÃO, ESPERA! –Otávio gritou agarrando as chaves. – É que o mundo tá muito perigoso, elas podem... –Otávio parou olhando para a porta.

-Boa noite pessoal. –Um homem alto e moreno entrou com um sobretudo.

-Boa noite. –Um homem ruivo entrou atrás dele, era um pouco menor, porém seus músculos se destacavam no sobretudo.

-Boa no... –Um loiro mais alto entrou sorridente, mas sua cara foi de confusão quando viu tanta gente. – Eu não sabia que teríamos homens...

-Não, os meninos já estão saindo. –Michele disse atrás deles.

-É, vamos logo. –Thomas disse e selou a Larissa dele.

-NÃO, ESPERA! –Otávio gritou novamente.

-Qual foi Otávio? O que tá pegando? –Pedro Lanza disse.

-É que eu... –Olhei para a Michele e ela tinha um sorriso no rosto. – Eu sou... –Ele me olhou e eu sorri como incentivo. – Eu sou bissexual... –Ele suspirou.

-FINALMENTE! –Michele gritou e saiu correndo para abraça-lo. – Já passou da hora de se assumir para a galera.

-Eu tô tão orgulhosa de você. –Abracei os dois juntos.

-Pera, você gosta de homens? –Ingrid disse.

-Sim, tenho preferência  por eles e...

-AI MEU CU, SENTA AQUI PARA GENTE CONVERSAR. SEMPRE QUIS TER UM AMIGO NO VALE. –Ela gritou animada.

-Menos Ingrid, tá assustando as pessoas. –Kari disse rindo. – A propósito, eu sempre soube. Meu gaytometro nunca erra.

-Se você prefere homens, eu acho melhor você ficar com as meninas então. –Pedro Lucas disse beijando a bochecha da Barone. –Algum problema para vocês? –Referiu aos strippers.

-Não, claro que não. –O loiro disse. – Eu também sou bi e vai ser um prazer tê-lo aqui. –Olhava fixamente para o Otávio.

-Okay, já deu para entender tudo aqui. –Luan disse pegando as chaves novamente.

-É melhor. –Koba disse e se despediu da Malu.

Na verdade, os meninos foram se despedindo das respectivas namoradas e Pedro veio em mim por último, sempre com charminho.

-Vai ficar emburrada comigo?

-Só tenha juízo, tá bom? –Estiquei os braços para ele me abraçar.

-Eu sempre tenho perfeitinha. –Ele abraçou a minha cintura.

-Não faz nada que vai se arrepender... –Abracei-o com força. – Eu te amo muito.

-Eu também te amo, meu amor. –Beijou minha testa. – Amanhã a gente passa o dia juntinho na sua casa, tá bom?

-Tá bom. –Selei nossos lábios. – Até amanhã.

-Até...

-Vamos ai apaixonado. –Luan disse e puxou o Pedro, assim os meninos saíram.

-Então, Otávio conseguiu o que queria? –Eu disse me sentando do lado dele.

-Consegui e estou aliviado. –Ele me abraçou. – Foi melhor do que pensei, e espera ai, Kari como você já sabia?

-Eu tenho um gaytometro, sei quem é e quem não é só de olhar... –Ela se gabou.

-Qual é o nome de vocês? –Malu cortou o assunto quando falou mais alto para chamar a atenção dos strippers. – Só conheço o Nathan... –Apontou para o moreno que sorriu acenando com a cabeça.

-Eu sou o Ruan. –O ruivo disse.

-Eu me chamo Tone. –O loiro disse olhando para o Otávio. Eu não to gostando disse, sou Lavio shipper, e não Otone shipper. – Onde está o som com a música?

-É só ligar a televisão que tá com o pen drive com as músicas que pediram. –Michele disse pegando o controle.

-Alguém aqui está solteiro? –O Tone disse olhando para o Otávio. ALGUÉM PODE CHAMAR O LUBA PARA IMPOR DE QUEM O OTÁVIO É?!

-Eu estou. –Malu disse e todo mundo olhou para ela. – O que? Lucas não me pediu em namoro, tecnicamente estou solteira. –Deu os ombros.

-Mais alguém? –O Nathan, eu acho, falou.

-Eu estou. –Otávio disse sorrindo. – Se isso for alguma coisa.

-Claro que é. –O ruivo disse sorrindo. – Nós vamos começar aqui na sala?

-Eu pensei que sim, porque aqui tem mais espaço e tudo mais... –Michele disse e passou o controle para o moreno. – Vocês querem alguma coisa antes? Cerveja, tequila...

-Eu quero uma água. –O ruivo e o moreno disseram juntos.

-Eu quero uma dose de tequila... – O loiro disse.

-Aqui na cozinha, vem... –Michele e Giovanna foram para a cozinha e os meninos acompanharam.

-Esse Tone é um gato meu Deus. –Otávio disse olhando o garoto que estava na cozinha. E eu fiz uma careta.

-Tone?

-O loiro...

-Não vi muita coisa... –Falei sem ânimo.

-Eu vi, e como vi. –Ele mordeu os lábios e recebeu um beliscão de mim. – Que merda é essa?

-Você sossega esse cu nervoso ai que você sabe que não pode dar em cima dele.

-O que? Por que não?

-Luba...

-Eu sou solteiro, posso fazer o que eu quiser. –Ele deu os ombros. – Agora se me dá licença, preciso ir ali na cozinha. –Saiu mais rápido que deveria.

-Ai meu Deus, essa noite vai ser longa... –Escutei a Kari murmurando.

-Ah, para de reclamar. –Indy disse. – Daqui a pouquinho você esquece do Rafa aqui, anota o que eu tô dizendo... –O moreno entrou na sala e colocou duas cadeiras próximas uma da outra, uma distancia de um braço mais ou menos. – Eu estou tão ansiosa para isso.

-O Lukas aceitou numa boa? –Perguntei.

-Sim, ele meio que entendeu que era despedida de solteiro da Michele e só me pediu para não fazer nada que fosse me arrepender. –Deu os ombros. – Diferente de outros... –Olhou para a Kari.

-Como assim?

-O Rafa meio que não aceitou tão bem e a gente tá meio que brigado... –Suspirou.

-Brigaram? –O ruivo entrou e colocou outra cadeira do lado.

-Sim, ele disse que não queria a namorada dele em coisas assim e foi embora. –Suspirou novamente. – Amanhã eu vou ir falar com ele.

-Eu sei que ele vai entender. –Abracei-a de lado. – Fica aqui comigo apenas observando que você não se sente culpada.

-Vocês duas são bem chatas. –Indy disse fazendo uma careta. – Tem que ir para a ação. –A luz apagou e uma música que eu não conhecia começou a tocar. – AI MEU CU! –Ela gritou quando os três entraram na sala sem o sobretudo.

Eles eram bem fortes. O moreno usava uma calça jeans mais larga e uma blusa de manga preta justa. O ruivo estava com uma calça jeans não tão larga, uma blusa branca e uma xadrez. O loiro estava com uma calça preta justa e uma regata que marcava todos os seus músculos do abdômen. Estavam bem sexys até, confesso.

-Quem será a minha princesa esta noite? –O moreno passou por todas nós naquela sala e parou em frente a Michele, que estava parada do lado da porta da cozinha. – Demoiselle.(Donzela) – Ele disse em frances, curvando-se enquanto esticava uma de suas mãos para a Michele pegar. - Permettez-moi (Permita-me). – Michele sorriu e pegou na mão dele. O moreno a guiou para uma das cadeiras e voltou a ficar ao lado dos outros.

O ruivo deu um sorriso maroto e caminhou na direção da Barone, puxou-a pelo braço colando seus corpos.

-Balla con me, la mia bella. (Dance comigo, minha linda.) –Ele disse no ouvido dela, e antes mesmo que ela pudesse responder, o ruivo deslizou uma de suas mãos para a cintura dela, a puxou para ainda mais perto e a pegou no colo, levando em direção da cadeira, depois voltou para a sua posição inicial.

O loiro, Tone, foi direto no Otávio e deslizou suas mãos por todo corpo do meu amigo, que apenas sorriu com a atitude.

-Fuck with me. –Tone disse claro e em bom tom, logo depois puxou o Otávio para a cadeira e voltou para a sua posição inicial.

A Kari segurou a minha mão, ela estava tremendo mais do que eu.

-Ai socorro. –Ela murmurou me fazendo rir.

Quando voltei meu olhar para os strippers, eles estavam fazendo um striptease. Ambos retirando a camisa em sincronia enquanto rebolavam ao ritmo da música, as meninas gritavam feito loucas  e eu só sentia minhas bochechas arderem. Confesso que eles tinham um corpo que me fez ter vários pensamentos impuros momentâneos, fala sério, como conseguem manter tanquinhos tão maravilhosos assim? Mesmo com uma blusa branca por baixo, eu podia ver o tanquinho do ruivo, e puta que pariu, era maravilhoso.            

Quando consegui voltar ao meu estado de lucidez, eles já estavam parados em frente as respectivas cadeiras fazendo uma dança erótica com a blusa. Eles se sentaram no colo da Michele, da Malu e do Otávio e começaram a fazer um lap dance que fez o meu queixo cair. Eu não sabia que lap dance poderia ser tão sexy assim.

Pude perceber quando o Tone segurou o colarinho da blusa do Otávio, puxou-o para mais perto e roçou seus lábios no do Otávio.

-ARRASA TAVINHO! –Escutei a Gi gritando, mas acho que  ele nem percebeu por estar ocupado de mais com o Tone, que rebolava em seu colo com as mãos no cabelo do Otávio, e percebi que ele sussurrava alguma coisa para o meu amigo, que sorria cada vez mais com cada palavra.

Otávio colocou suas mãos na cintura do Tone e pude perceber que o  Tavinho apertou, intensificando o contato e acelerando os movimentos do Tone, que deslizou as mãos para a barra da blusa do Otávio e a retirou.

-ETAAA BAGACEIRAAA! –Escutei a Barone gritando.

Quando olhei para o lado do Otávio, vi o ruivo de frente para a Malu, ele abriu as pernas dela e pegou no colo, com o rosto bem colado. Ela sorria abertamente para ele, que meio que sarrava na Malu. Logo depois, ele a colocou no sofá e veio para o lado da Karina.

-Damisela (Donzela). –Chamou-a com o dedo.

-AI MEU PAIZINHO, NAO FAZ ISSO MOÇO, EU NAMORO. –Ela falou meio alto, fazendo o ruivo rir de lado.

-Eu não vou fazer nada de errado. -O ruivo retirou um pano preto do bolso.

-O que você vai fazer com isso? –Kari disse colocando as mãos na boca. – Moço do céu, nao...

- Maiden, llamarme Ruan. (Donzela, me chame de Ruan). –Ele levou o pano para perto do rosto da Karina, e ela retirou no impulso.

-Moço eu não sei falar espanhol, tenha dó dessa pobre moça aqui. –Ele riu novamente e colocou o pano no rosto da Karina. Só ai percebi que era uma venda.

-Confia em mim, Karina, eu não vou fazer nada de mais. –Ele apertou o nó da venda e pegou na mão na mão dela, onde beijou primeiramente. Ruan foi guiando a  Karina até a cadeira onde a Malu estava e a sentou ali.

-Apenas sinta. –Ele disse e pegou nas duas mãos da Kari novamente.

-Ai meu santo Rafinha, me perdoa. –Ela disse mordendo o lábio inferior, provavelmente pelo nervosismo.

Ruan levou as mãos dela até a barra da sua blusa e a mostrou que poderia tirar. Pude ver o “Porra” saindo da boca da Karina antes de ela retirar a blusa do Ruan, que a auxiliou. Logo depois te ter a blusa retirada, Luan pegou as mãos da Kari novamente e deslizou por todo seu peitoral.

-TIRA A CALÇA DELE. –Ingrid gritou e a Kari murmurou um “merda” seguido de um suspiro.

Ruan levou as mãos da Karina até a barra a calça e disse alguma coisa que eu não entendi, então ela puxou com tudo e eu pude ver aquele bumbum redondinho dentro de uma cueca box branca. As meninas berraram, e eu senti meu rosto todo ruborizar.

Ruan levou as mãos da Kari até seu tanquinho novamente e foi deslizando até o bumbum, onde a Kari apertou e soltou uma risadinha leve. Logo depois, Ruan removeu a venda e se inclinou até a cintura dela, onde ele as pernas dela até os ombros e a levantou. Ela não segurou o grito junto com as meninas, mas diferente delas, foi um grito de susto. Logo ela agarrou os cabelos do Ruan.

-NÃO FAZ ISSO. –Ela gritou com as bochechas coradas, toda envergonhada. Não me perguntem o que o Ruan fez, porque eu não faço ideia.

-KARINA SORTUDA! –Barone gritou rindo.

Ruan deslizou suas mãos para a cintura da Kari novamente e a pegou com força para desce-la de seu colo. A bichinha saiu até bamba.

-Não diz nada. –Ela disse depois de se sentar do meu lado novamente. – Isso foi insano. –Eu ri leve e ela me olhou. – Eu não sei como reagir.

-Foi bom? –Perguntei.

-ÓTIMO. –Ela fez uma careta e pegou o telefone no bolso. – É o Rafa, vou atender ali na cozinha.

-Eu vou lá com você, estou com sede. –Nós duas nos levantamos e ela foi em minha frente, foi até mais rápido.

Antes que eu pudesse raciocinar, senti alguém pegando no meu braço. Era o moreno, que eu não lembro o nome.

-Où allez-vous manquer? (Onde você vai senhorita?) – Ele disse me olhando nos olhos.

-Eu não sei falar francês... –Tentei soltar meu braço, mas ele meio que juntou nossos corpos.

-Você não pode sair daqui sem me conceder uma dança... –Ele disse me enfiando uma perna no meio das minhas, como se estivesse me encoxando.

-Eu estou grávida, não posso... –Ele me interrompeu colocando um dedo em minha boca e se aproximou do meu ouvido.

-Prometo ser cuidadoso. -Sussurrou deslizando uma de suas mãos até o meu cabelo. – Mais cuidadoso que qualquer um aqui. –Ele mordeu o lóbulo da minha orelha, e isso me proporcionou uma sensação boa.

Em um piscar de olhos, ele puxou meu cabelo e me virou de costas para ele. O moreno deslizou as suas mãos para a minha cintura e juntou nossos quadris para dançarmos de acordo com a música que acabava de começar, Anywhere de 112. Ele rebolava e me guiava para que nossos movimentos fossem sincronizados, estava até tranquilo até ele deslizar uma de suas mãos para o meu cabelo, puxar e me fazer ficar inclinada. O moreno tentou nos juntar ainda mais e a rebolar com seu corpo junto ao meu bumbum.

-THAMIRES TÁ ADORANDO ALA. –Escutei a voz do Otávio rindo, fazendo-me  levantar em um pulo, mas ele me virou de frente, e antes que eu pudesse pensar, o moreno  levou as duas mãos até a minha cintura e me pegou no colo para me deitar no sofá pequeno vago.

-APROVEITA SEU MOMENTO THAMIRES, NÃO É TODO DIA QUE TEM. –Escutei a voz da Larissa do Thomas, o que me fez ficar com o rosto todo corado.

O moreno se ajoelhou, eu estava no meio de suas pernas, e segurou minhas mãos em cima da minha cabeça.

-O-o que você vai fazer? –Perguntei com o coração acelerado.

-Confie no Nathan. –Ele sorriu e se inclinou para o meu pescoço, onde deu um beijo. Engoli seco com a atitude. –Relaxe. –Sussurrou e me virou de costas. – Confie em mim.

O Nathan segurou em minha cintura e juntou nossos quadris novamente, erguendo o meu. Confesso que dessa vez eu gostei. Ele começou roçar nossos quadris, era uma sensação até que legal, era como se estivéssemos transando sem tirar a roupa. Confesso que era muito bom. Em um movimento mais rápido do que eu pude pensar, ele se sentou e me colocou sentada em seu colo. Ele continuava seu movimentos de “sexo vestido” com um sorriso de lado nos lábios.

-Viu que não doeu. –Ele me colocou sentada no sofá e saiu para o lado da Barone.

Eu demorei alguns segundos para raciocinar e sai meio que correndo para a cozinha. A Kari ainda estava lá conversando com o Rafa.

Peguei uma garrafa com água na geladeira, enchi um copo e bebi. Acho que estava até tremendo. Que loucura foi essa?

-É uma coisa de louco isso, não é? –Kari disse se sentando a mesa.

-E-eu estou sem reação... –Suspirei e me juntei a ela.

-Eu sei, a cabeça fica fora do ar e a gente não consegue parar de tremer. É mais doido que o primeiro orgasmo. –Franzi o cenho e até tentei dizer alguma coisa, mas desisti e preferir só dar uma risada. – Imagina eu que fiquei nos ombros de um cara que eu acabei de conhecer.

-Pandinha, eu transei vestida. –Ela gargalhou. – Para de rir.

-Como assim Thamires? –Ela disse entre risadas.

-Eu não sei explicar, eu só sei que foi de mais para mim.

-O Pedro não faz essas coisas você é? –Provocou.

-Vai dizer que o Rafa sempre te coloca nos ombros para te fazer um oral?

-Vamos para com as brincadeiras idiotas. –Ela disse rindo. – Acho melhor a gente ir para a sala...

-Também acho. –Suspirei.

-Não espera. –Ela disse depois de se levantar. – Eu quero alguma coisa para beber...

-Em cima da bancada e na geladeira. –Apontei. – Eu vou ir para sala, tá bom?

-Tá, claro, vai lá. –Sorriu. Fui caminhando para a sala, mas parei na porta.

A Larissa do Thomas estava sentada na cadeira e o Nathan no meio das pernas dela, como se fosse simular um oral. A Gi estava nos ombros do Ruan parecendo que estava soltando fogos de artifício. E a Ingrid estava recebendo uma dança do Tone, enquanto passava as mãos por todo o corpo dele.

O loiro se ajoelhou, abriu as pernas da Indy, colocou as mãos no ombro dela e ergueu seu olhar com os olhos fixos vocês sabem onde. Logo depois ele se afastou e deitou no chão, movendo o quadril contra o mesmo, e numa cambalhota ele encaixou a Ingrid no meio das suas pernas e fez uma lap dance com as mãos apoiadas no chão. Ingrid sorriu e segurou a cintura do Tone, que começou a dançar mais rápido. Porém, antes que Ingrid se empolgasse mais, ele se levantou e pegou a mão para passar em todo seu peitoral, logo a Ingrid o puxou pela barrada calça ele meio que se sentou no colo dela com as costas deitadas nas pernas e fez um lap dance maravilhoso. Ele puxou a Ingrid para mais próximo do membro dele e dançou novamente.

Bom, a partir dai já dá para imaginar o que aconteceu no resto da noite. As meninas “curtiram” os strippers o máximo que elas puderam, o Otávio foi o que mais aproveitou principalmente do Tone, porque os dois sumiram pouco antes de irem embora e só apareceram uns 40 minutos depois. Mas enfim, fazer o que não é? O Otavio ainda não entendeu que ele é do Luba mesmo quando estão separados.

Fui embora no outro dia com o Otávio, preferimos dormir por lá mesmo. Devo ter chegado em casa quase 10 da manhã, já que Pedro e eu almoçaríamos juntos.

Agora eu estou aqui na cozinha procurando alguma coisa para fazer para o almoço.

-O que vai fazer? –Otávio perguntou se sentando na bancada.

-Não sei, não achei nada que eu quisesse comer. –Suspirei olhando a geladeira.

-Yakisoba… -Otávio sugeriu e a campainha tocou. – Eu vou abrir.

-Tá bom, e eu vou fazer o Yakisoba.

-Tá bom. –Otávio saiu e eu comecei a separar as coisas.

Peguei tudo na geladeira e comecei a picar os ingredientes. Logo o Pedro apareceu na cozinha de óculos escuros e todo arrumado.

-Oi perfeitinho. –Disse sorrindo para ele. – Tá arrumadinho...

-Só quis me arrumar para ficar com a minha perfeitinha. –Abraçou por trás e beijou minha bochecha. – Como foi ontem? –Suspirei.

-Foi um pouco insano, mas até que foi legal. E como foi lá?

-Divertido... –Ele se sentou na bancado do meu lado. – Recebeu muitas danças? –Retirou os óculos escurou e colocou os de grau.

-Para a minha sorte foi apenas uma. –Ri nasalado. – E você?

-Eu recebi mais do que uma...

-Duas?

-Mais um pouquinho...

-Quantas?

-Entre três e cinco... –Ele me olhou receoso.

-E gostou? –Deu os ombros. – Recebe mais de três danças e não sabe se gostou?

-Foram legais, tirando a parte que eu chamei duas delas de Thamires... –Eu gargalhei.

-Você fez o que?

-Elas estavam dançando para mim e eu chamei por você. –Ele deu os ombros e riu. – As meninas não gostaram muito, mas tudo bem.

-E o que os meninos disseram?

-Eles nem sabem, e nem vão ficar sabendo.

-Faz certo. –Ri nasalado.

-Precisa de ajuda?

-Só para picar todas essas coisas.

-Onde tá a faca mesmo? –Perguntou descendo da bancada.

-Na segunda gaveta do canto. –Apontei.

Pedro pegou uma faca e me ajudou a picar todos os ingredientes, que eram muitos. Yakisoba leva bastante coisa, ainda mais o meu. Sou muito generosa em relação a essas coisas.

Com a ajuda do meu amorzinho não demorou mais do que alguns minutinhos até tudo estar picado e alguns legumes cozinhando. Pedro me ajudou com mais algumas coisas e eu já comecei colocar tudo na mesma panela para fazer o yakisoba.

-Amor isso não abre. –Eu dizia tentando puxar a fitinha do molho shoyo.

-Puxa com força amor. –Pedro disse parando do meu lado.

-Não tá abrindo. –Apertei com mais força e abriu, mas como sou bem jeitosa consegui puxar a fitinha e fazer voar molho shoyo no Pedro e em mim.

-Porra amor. –Pedro disse rindo.

-Ao menos eu consegui abrir. –Dei os ombros. – OTÁVIO! –Berrei.

-Oh mulher escandalosa. –Pedro disse .

-Que foi? –Otávio apareceu na cozinha.

-Termina aqui porque tivemos um acidente... –Ele começou a rir.

-Vocês dois são bem burros. –Otávio ria feito doido. – Podem ir tomar banho que eu assumo.

-Vem amor. –Peguei na mão do Pedro e fui puxando até o meu quarto.

-Amor, enquanto você toma banho vou escolher algum filme para gente ver.

-Tá bom amor, meu computador tá na minha cama ou no meu guarda roupa, não sei.

-Tá bom. –Selou-me e eu fui para o banheiro.

Tomei um banho demorado, molho shoyo é bem fedorento quando vai no seu cabelo. Penteei meus cabelos no banheiro mesmo e fui até o meu quarto trocar de roupa. O Pedro estava com meu notebook no colo, ele tinha suas mãos na boca e seus olhos fixos no computador.

-Achou algum filme interessante? –Perguntei indo até o guarda roupa. – Pedro... –Peguei um short de malha e uma regata. – Pedro eu to falando com você. –Ele me olhou e olhou para o computador novamente. – O que você tá vendo ai? –Perguntei já impaciente enquanto vesti minha roupa. – Pedro, me responde. –Aproximei do computador e percebi que os olhos do Pedro estavam marejados. – Amor, o que você... –Arregalei os olhos quando olhei para o computador e o meu coração disparou em uma velocidade inacreditável.

Pedro havia encontrado o DVD, aquele DVD que era motivo da minha maior vergonha e luta em toda a minha vida.

-Não vê isso... –Eu abaixei a tela do computador. – Eu posso explicar...

[...]


Notas Finais


Antes de começar com tudo, quero agradecer primeiramente a minha marida maravilhosa que me ajudou em muitas cenas da despedida da Michele, ela me ajudou tipo muito com as ideias e tudo mais <3 Sério Marida, muito obrigada mesmo e STAY STRONG <3
Algumas partes tambem eu retirei de um filme MARAVILHOSO chamado "Magic Mike", se não viu, SÓ VEJA porque é ótimo :3 eu vou deixar a ultima dança, que foi onde tirei algumas ideias, aqui para vocês darem uma conferidinha https://www.youtube.com/watch?v=-hlIuHYhj1c vale muito a pena genteney, pode confiar ehueh
---
E essa foi a despedida da maravilhosa da Michele, nao ficou lá grandes coisas PORQUE EU NAO SIRVO PARA COISAS HOTS, mas até que ficou legalzinho, bem meia boca euehueh porque eu nao ia nem fazer, BUT recebi minha ajudinha e até que deu certinho heuhue
Sobre esse final, NAO ME MATEM heuhe mas eu avisei para nao esquecer e aposto que nem estava lembrando mais ehuheu Próximo capitulo vai tá oh heuheu shooow
----
Roupa da Mimizinha http://claudinhastoco.com/wp-content/uploads/2014/03/look-jaqueta-jeans-tenis-claudinha-stoco-3.jpg fala se não é a cara dela <3 :3
----
Para entrar no grupo do whats é muito fácil, basta me chamar no whatts (031 9436-9423), me mandem DM no twitter (Sou @ThomasMeuPacoca) ou comentem aqui mesmo. Eu vou adicionar todas que me pedirem <3
Bjos fofuras, espero que tenham gostado. <3
See u soon guys <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...