História Era pra ser apenas uma amizade - Baixathentic - Capítulo 27


Escrita por: ~

Postado
Categorias Andrei Soares "Spok" Alves, Cauê "BaixaMemoria" Bueno, Malena "Malena0202" Nunes, Marco Tulio "AuthenticGames"
Personagens Andrei Soares "Spok" Alves, Cauê Bueno, Malena0202, Marco Tulio "AuthenticGames"
Tags Baixathentic
Visualizações 101
Palavras 1.273
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi, Yuri
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


OI MEUS LINDOS, GOSTOSOS, CHEIROSOS, TUDO BAUM?
Então, eu voltei, agora pra ficar... Ke?
Em fim, eu fiquei tanto tempo sem escrever um lemon, que fiquei com saudades... Spoiler.
ISSO MESMO, HOJE TEM LEMON, APROVEITEM!
Não se acostumem, não será sempre assim 🌝.
Eu espero que gostem ❤

Boa leitura.

Capítulo 27 - Capítulo 26


ATENÇÃO, ESTE CAPÍTULO CONTÉM CENAS INAPROPRIADAS PARA MENORES DE 16 ANOS ( que ).


POV MARCO

Observava aquela treta, comendo uma pipoca e um óculos 3D no rosto.

Mentira.

Arrumei os pratos na mesa, enquanto todos se aconchegavam nas cadeiras da cozinha. Em seguida, caminhei até o Cauê na sala, que estava com os braços cruzados. Mordi sua bochecha, e o mesmo me encarou, com um olhar bravo.

- Se eu soubesse que seu tio iria vir, teria me matado antes - ele bufa.

- Se você se matasse, eu iria no inferno te buscar - rio - Amor, tenta não ligar pra ele... - digo.

- Como se fosse possível né - ele suspira - Depois do que ele falou, ainda tem coragem de aparecer aqui.

- Meu bebê, amor da minha vida, razão do meu viver... Apenas finja que esse homem não está aqui. Ok? - seguro seu queixo, e ele faz biquinho.

Acabo rindo, e o beijando. O menor retribuiu, segurando minha nuca.

- Eu não vim aqui para ver isso - diz meu tio nos interrompendo - Que nojo.

- Nojo é você ter ousadia de pisar na minha casa - diz o Cauê.

- Claro claro... Agora me diga... Qual a sensação de namorar, sabendo que não vai reproduzir? - ele pergunta.

Olho pro Cauê que respirava fundo, tentando manter o controle.

- É melhor não reproduzir, e evitar mais um ser humano escroto no mundo, igual a você - ele diz, e sobe as escadas.

Encaro meu tio, e não consigo segurar a risada.

- Ele é bravo tio, melhor não mexer com ele - digo e dou dois tapas de leve em suas costas, e vou pra cozinha.

[ XX - 18hrs ]

- Espero que tenham gostado da comida... E tia, obrigada por tirar aquele velho daqui - digo, fazendo a mesma rir.

E então eles foram embora, e eu fechei a porta. Caminhei até o sofá, a onde o meu menor estava sentado, assistindo televisão. Sentei ao seu lado, e comecei a fazer cafuné.

- Hey, quer assistir um filme legal? - pergunto.

- Uhum - ele balança a cabeça.

- É bem quente... - susurro.

Ele me olha, e morde o lábio. Sorrio, e coloco o filme no DVD, voltando a me sentar no sofá.

[ XX - OLHA, SE NÃO GOSTA DE LEMON, ATÉ O PRÓXIMO CAPÍTULO ]

Por causa do filme, acabei ficando com certa... Vontade de fazer sexo. Comecei a passar a mão na coxa do Cauê, arranhando e apertando levemente.

- Tá tudo bem amor? - ele pergunta me olhando.

- Mais ou menos... - seguro sua cintura, e o posiciono sobre meu membro - Eu queria fazer uma coisa, sabe?

- Que coisa? - ele me pergunta, enquanto rebolava disfarçadamente sobre meu amiguinho, me fazendo arfar.

" Esse garoto quer me provocar... "

- É uma coisa que... Você gosta muito - sussurro em seu ouvido.

Ele sorri e me olha, em seguida levantando.

- Daqui a 5 minutos, você sobe pro quarto... Ok? - ele diz e eu balanço a cabeça.

Sorrio animado, e fico contando os segundos no relógio. Fazia muito tempo que não tinha momentos assim com o Cauê, principalmente depois do acidente.

Assim que os 5 minutos bateram, subi igual louco pro quarto, e abri a porta. Ele estava completamente pelado em cima da cama, jogando...?

- Vamos jogar um pouco amor? - ele sorri safado.

Tirei minha blusa e a minha bermuda, ficando apenas de cueca.

Me aproximei dele, e ele apontou para uma almofada. Peguei a mesma, e sentei atrás do Cauê, o abraçando.

- Eu não sei jogar amor, me ajuda? - ele me olha, fazendo biquinho.

- Claro amor, é só... - fui interrompido por ele me " deitando " na cama, e se sentando em cima de meu membro.

" Essa bunda... "

Segurei sua cintura, e o movimentei por alguns segundos.

- Hey - ele dá um leve tapa em minha mão - O foco é no jogo.

- Desculpa... - o abracei por trás novamente, e peguei o controle - É assim meu bebê - começo a apertar vários botões.

Ele então me empurra, e pega o controle.

- Deixa eu tentar amor - ele diz reiniciando o jogo.

Tentei prestar a atenção, mas me distraia, com ele quicando sobre meu membro, e rebolando, conforme os movimentos que ele fazia no jogo.

Aquilo estava me levando a loucura, e aumentava a minha vontade de fode-lo com força.

Coloquei minhas mãos em sua cintura, e apertei com certa força, o fazendo arfar.

Ele levantou, e encarei sua bunda. Ele andou até o aparelho do Xbox e abaixou, deixando sua entrada totalmente amostra.

Apertei meu membro, sentindo o mesmo endurecer um pouco.

Ele voltou para a cama, e se sentou novamente sobre meu membro, de costas para mim. Se ajeitou colocando suas mãos em minha coxa, em seguida rebolando com mais intensidade.

- Você sabe como me deixar louco, né? - digo, enquanto sentia meu amiguinho ficar cada vez mais duro.

- Eu sei muito bem... - ele sorri.

Então ele sai de cima de mim, e se vira, ficando frente a frente comigo.

O puxo e o beijo, e o menor retribuia. Nos separamos assim que o ar nos faltou.

O encaro, e o mesmo coloca sua mão dentro de minha cueca, colocando meu amiguinho para fora.

Mordi o canto do meu lábio, e o encarei, com certa expectativa.

Então ele abocanhou meu membro, com movimentos lentos, aumentando a cada segundo.

Seguro em seus cabelos, o controlando. Mas o mesmo negou, tirando minha mão.

- A-Amor... M-Mais rápido - digo entre alguns gemidos baixos.

O menor atendeu meu pedido, e começou a ir mais rápido, masturbando com a mão, as partes que não alcançava.

Por prazer, seguro sua cabeça, e começo a movimentar meu quadril para baixo e para cima, na mesma velocidade em que o Cauê me chupava. O mesmo se apoiou na cama, até que eu gozei em sua garganta.

Ele engole, e me encara, me fazendo rir fraco.

O viro na cama, e fico por cima. Começo a beijar e morder seu pescoço, enquanto puxava suas pernas para cima, posicionando meu membro em sua entrada.

O mesmo me abraça, se preparando para o que estava por vir.

O penetro lentamente, até que todo o meu membro estivesse em seu interior. Pude ouvir um gemido de dor do Cauê, então fiquei ali por alguns segundos.

Em seguida, comecei a me movimentar lentamente, aumentando conforme as estocadas.

Nossos gemidos foram ficando cada vez mais altos, preenchendo o vazio do quarto, e a cama batendo na parede.

- G-Geme pra mim baby... - digo entre gemidos, perto de seu ouvido.

- D-Daddy... M-Me f-foda - ele diz arranhando minhas costas, arrancando gemidos mais altos.

- I-Implore pro Daddy - digo, mordendo seu pescoço. 

- M-Me f-foda D-Daddy, p-por favor... M-Me f-foda m-muito... - ele diz mordendo meu ombro.

Me ajeito um pouco, e aumento a velocidade dos meus movimentos, indo cada vez mais forte e fundo. Acabo acertando seu ponto de prazer, o fazendo gritar.

- M-Mais A-Amor... M-Mais - ele pedia, mordendo meu ombro com mais força.

Vou mais rápido, acertando seu ponto de prazer várias e várias vezes, com mais força, até gozar em seu interior, e o pequeno em nossos abdômens.

Me jogo ao seu lado, completamente exausto, o menor me olha e sorri.

- Tirando... a dor... Eu senti... muita falta... disso... - ele diz, pausadamente.

- Eu também... meu amor... - beijo sua testa.

Levanto e caminho até o interruptor. Ligo o ventilador, e apago a luz. Em seguida, volto até a cama, e me deito ao seu lado.

- Tá com sono? - pergunto.

- Uhum... - ele responde, passando a mão em meu corpo, em seguida deitando a cabeça sobre meu peito.

Começo a fazer cafuné em seus cabelos, e cantar baixinho. Não demorou muito pro menor adormecer, e eu fazer o mesmo. 


CONTINUA


Notas Finais


Então foi isso. Sei que ficou pequeno, mas eu não tenho tanta criatividade para escrever lemon... \_(*-*)_/...
EM FIM
Eu espero que vocês tenham gostado :)
Comentem aí, por favor 💙💚
OBRIGADA PELOS 65 FAVORITOS AAAHUU

Em fim, boa noite
Até o próximo capítulo
Fuii :*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...