História Error - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan, Bangtan Boys, Bts, Depressão, Drama, Jhope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga
Visualizações 3
Palavras 994
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 1 - One


Fanfic / Fanfiction Error - Capítulo 1 - One

Muitos de vocês provavelmente abriram essa história com o pensamento de que eu talvez seja alguma espécie de aberração ou deficiente.

E sim, é verdade. O espelho que encaro todas as manhãs me mostra insistentemente a pior aberração que eu poderia ver. Tenho a pior das deficiências que se pode encontrar por aí. A felicidade.. ou a falta dela, é minha deficiência.

Já olhou para seu reflexo e perguntou.. por que eu existo? Qual é o meu propósito? Por que estou aqui?

Como se já fosse de se esperar, não tenho nenhuma dessas respostas.

Talvez saibam sobre o assunto, mas vou falar um pouco sobre.. há algumas coisas que você deve cuidar na companhia de alguém que sofre de depressão, como lhe fazer companhia, tentar lhe presentear com ao menos poucos momentos nos quais se façam presentes sorrisos sinceros, não deixá-la sozinha, não apontar seus erros.. elas já estão cientes de todos eles.., não perguntar a ela se se sente bem.. a resposta sincera seria "não", e o mais importante, não a deixe sozinha na companhia de tesouras ou facas.

Mas também admito que não há nada a se fazer quando não se sabe da sua situação. E eles não sabem. Os pedidos de socorro tem de ser calados de alguma forma.

Não gosto de falar que "sofrem" de algo. Isso sempre é encarado como se fazer de vítima, exagerar, ou até mesmo "chamar atenção". Mas acredite, atenção é o que menos queremos.

Já sentiu como se o mínimo erro pudesse fazer seu mundo desabar? Bem, não é o erro.. é o julgamento. 

Acredito que toda história começa ao nascer, uma criança inocente, que acaba de dar início ao que pode ser uma vida feliz. Mas nenhuma criança nasce sabendo que terá de fazer escolhas.. e cai nos encantamentos maternais de que será muito feliz.

Comecei a pensar sobre isso um pouco cedo demais, resultando nos meus pais me dizendo desde cedo "Quando era mais novo era mais inteligente, agora me surpreende com tanta infantilidade, tire essas ideias da cabeça, garoto. Estude para ser alguém importante."

Era isso, a sociedade era rotulada por importância e dignidade. Segui pelo caminho errado, obviamente. Me convencendo e convencendo a todos de que não me importava com tais rótulos e seguiria sem me importar. Mas eu tinha medo, eu tenho medo de ser julgado, eu tenho medo de ser errado.

 "Você faz isso de propósito, não é? Faz isso para nos irritar, eu não aguento mais!" Meu pai dizia com um tom amargo e irritado comigo. Eu havia, mais uma vez, esquecido de fechar as janelas e os mosquitos faziam a festa na casa. Mas não era culpa minha. Era? 

Não fiz de propósito, eu errei, as pessoas erram, certo? Por que ele está tão irritado?

Talvez seja porque eu cometo erros demais.

"Eu não fiz de propósito." Disse baixo, apertando a toalha de banho contra meu corpo.

"Você o quê? Fala mais alto!" Ele disse elevando a voz.

"Eu.. não fiz de propósito.." Disse mais baixo ainda.

"Fala para fora, Taehyung! Para de enrolar!" Eu podia sentir seu olhar acusador sobre mim, mesmo estando de cabeça baixa, como sempre.

Sempre abaixando a cabeça para todos..

O deixei ali sem resposta e corri para o banheiro, entrando e trancando a porta. Meus olhos ardiam em sinal de choro, tentei me segurar, o que foi em vão, já que em poucos segundos eu deslizava da parede ao chão, em um choro silencioso. Subi o olhar até o pequeno armário que guardava as coisas de higiene e me lembrei de uma pequena caixinha, muito bem conhecida por mim, que continha lâminas novinhas do barbeador do papai.

Mais uma vez eu havia errado, eu estava errado denovo. É como se em menos de uma semana eu tivesse 30 erros e 0 acertos. Ao menos era o que parecia, não ouvia papai e mamãe dizendo coisas boas por algo que fiz. Eu só os irritava..

"..faz isso de propósito, não é? Faz isso para nos irritar.." Essa frase rodava em minha mente.

Não queria ser um fardo, um motivo de infelicidade para meus pais.. e se era só isso que eu era.. seria mais simples não ser nada.

Me levantei do chão frio e fui até o box, ligando o chuveiro para abafar qualquer som. Abri o pequeno armário que ficava na parede e peguei a caixinha, a abrindo. Eu não sabia o que sentia. Alivio.. por ter uma solução simples para meus problemas, ou medo. Foi isso que me fez encarar meu reflexo já um pouco abafado no espelho. Eu estava horrível, olheiras profundas e escuras, olhos inchados e pele avermelhada.. e isso não era de hoje..

Há tempo que passo as noites em claro olhando para as estrelas em um mundo só meu. Um mundo onde eu poderia me afogar nas minhas próprias lágrimas e culpar alguém por tudo o que sinto. Esse, muitas vezes era eu mesmo.

Claro, quem mais culparia por minha situação? Não podem fazer nada se não sei lidar com isso. Mas também não tentem me parar! 

Para quem estou dizendo isso? Eles não tentam, não se importam, eles não sabem.

Peguei uma das lâminas da querida caixinha e a encarei. Dizem que o que falta em nossas vidas para alcançarmos a felicidade é amor.. alguém que nos motive a viver.

Eu não tinha essa pessoa.

****

Encostei a cabeça nos azulejos frios e fechei os olhos, mordendo os lábios enquanto sentia o sangue que era meu, ir para o ralo, através dos vários cortes.

Eu não havia conseguido.. denovo. Antes de fazê-lo sempre pensava em como ficariam meus amigos e pais quando me vissem assim.. morto. Mas eles não se importam, por que eu me importaria??

Ainda terei a resposta para essa pergunta.

É incrível sentir que sua vida atrapalha a de outras pessoas. É algo surreal.. Assim como também é difícil acreditar que a falta dela, atrapalharia ainda mais.

Então o que eu posso fazer? Não existe um meio termo. Essa é uma das coisas que pensava sempre que arrastava as lâminas por minha pele e então fracassava. Como em tudo o que faço.



Notas Finais


Ooi
Se vc leu até aqui, obrigada.
Sério.
Tipo, mesmo.
Eu estava precisando fazer uma fic assim por certos motivos e acabou ajudando bastante..
Se preferir ler no wattpad, também tem. Mesmo nome que aqui.

Até o próximo xD


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...