História Escola de heróis- (INTERATIVA) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Exibições 52
Palavras 3.593
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Fantasia, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Violência
Avisos: Linguagem Imprópria, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


#ForçaChapecoense
(Eu ei que não tem nada a ver com a fic, mas sinto como a minha obrigação de demonstrar respeito por eles)
O cap esta grande porque eu tetei colocar todos os personagens que já estão aprovados.
Espero que gostem :3

Capítulo 3 - Capítulo 1-As portas se abrem


APRESENTAÇÃO

 

Olá leitores, eu sou Cherly Maximoff, e aqui eu contarei como é ser filha de um super herói... E também vou contar como é estudar em uma escola onde tem como única intensão te transformar em uma arma para lutar a favor do governo... Érrr vocês acham que isso soou meio rude demais? Ok eu falo de outro jeito *Cof,cof* Essa é uma escola onde tem como objetivo transformar os adolescentes com habilidades especiais em super heróis para salvarem o mundo e a sociedade! Assim tudo fica bem mais harmonioso né?

 Vocês devem estar se perguntando: “Ok, sobre a escola nós já sabemos, mas e você?”

Então, eu tenho 16 anos, amo irritar meus amigos que eu ainda não tenho. Meus poderes? Tenho dois, um é a minha velocidade, que eu herdei por parte de pai e outro é meio complicado, vamos deixar para outra hora. Mas o meu favorito é a capacidade de quebrar a quarta parede! Uol, como eu amo fazer isso por mais que alguns me achem maluca por falar com pessoas que eu nem se quer sei quem são ou onde estão.

 Enfim, vamos para o ponto principal, a reinauguração da escola de armas para o gover...AI MEU DEUS DESCULPA PELO ERRO! (ironia gente, não se esqueçam que eu sou irônica se não ninguém vai entender isso daqui~ Cherly)   é a escola de super heróis.

 Espero que gostem galera! Até mais *tchauzinho com a mão*.

                                                                           

 

E AS PORTAS SE ABREM... (agora é sério)

 

Oi de novo pessoal, quanto tempo! Então como vocês estão?

Eu tenho certeza que vocês querem muito saber como eu estou (Ela que disse isso, não pensem que fui eu, (Letis, Takuchimi ou autora-chan vocês que sabem) bem, agora no momento estou arrumando o meu novo quarto, onde eu irei dividir com 3 FUKIN PESSOAS e um deles é um garoto... Resumindo cabeças irão rolar.

Do nada escuto passos vindos em direção ao quarto, eram passos rápidos.  Quando olho para a porta vejo um garoto com cabelos curtos brancos, ele era bem alto tinha a minha altura, mas o que mais chamou a minha atenção foram as suas asas de demônio.

  – Você é uma das minhas parceiras de quarto?O menino pergunta entrando no quarto e indo em direção à cama dele.

 Termino de arrumar minhas coisas e me viro para ele.

 – Sei lá né mano, minhas coisas estão todas aqui, mas eu acho que sou uma intrusa – Digo tentando provocá-lo, para ver se ele realmente é tão amedrontador quanto dizem.

– Vá à merda.

Sim, pelo visto ele percebeu a ironia, mas isso não foi o necessário para deixá-lo bravo. Mas de qualquer forma, nós não poderíamos discutir agora, pois a diretora irá dar um discurso de boas vindas para a escola inteira, uma coisa que poucas escolas fazem.

 – Então companheiro de quarto, você já deve saber sobre o discurso de boas vindas certo?

Digo enquanto vou saindo lentamente do quarto.

O Destro... Espera o nome dele é mesmo Destro? Só de pirraça vou chamá-lo de canhoto à partir de agora (HAHAHA...sou uma figura~Cherly).

Enfim, o “canhoto” assentiu com a cabeça querendo dizer sim.

Coloco os meus fones no ouvido, estava tocando uma musica eletrônica muito agitada por sinal, e é claro que eu não consigo ficar parada diante uma música. Fui andando enquanto dançava apenas mexendo os braços até chegar ao auditório.

Aquele lugar era MUITO grande, devia ter umas oitocentas cadeiras. No meio tinha um corredor que as separava, deixando quatrocentas de um lado e as outras quatrocentas do outro. Vários alunos conversavam sentados em suas cadeiras, uns disputavam braço de ferro, voavam ou brincavam entre si, de algum jeito era algo bem organizado.

Eu me sentei na quinta fileira da direita, ao lado de uma garota que tinha um pequeno papel em sua mão... ERA O PAPEL DA ADVERTÊNCIA! Como assim cara, a menina levou advertência no primeiro dia de aula, que isso? A garota tem cabelo jogadinho para o lado castanho, grandes olhos marrons, seu corpo é bem magrelinho e sua pele é BEM branca. Eu como sempre curiosa quis saber o que tinha acontecido.

– Esse é o papel da advertência não é?

Claro que eu já sabia o que era, mas seria meio indelicado eu já chegar falando na lata: “o que aconteceu?”

 “– Nada demais, um garoto apenas chegou do nada dando em cima de mim. Eu falei não para ele e então o idiota começou a brigar comigo, aí eu dei um soco na cara dele para que ele calasse a boca, só que eu acabei levando a culpa por causa disso. Um dos inspetores me deu bronca, eu fui me justificar e ele nem me ouviu logo me deu uma advertência, mas eu não me incomodo com essas coisas bobas.” A menina responde sem olha na minha cara, o tempo todo ela ficou olhando para frente.

No papel de advertência estava escrito o nome dela, parecia ser “Narumi Kataima”

 –Você é a Cherly Maximoff certo?

Um GATO de pelagem rosa com dois laços rosa me pergunta enquanto inclina um pouco a cabeça para o lado.

“ – Mas que p***a é essa?” Falo um pouco alto e dou um pulo da cadeira, o gato percebeu que aquilo não era tão normal assim para mim, e então se transformou em uma humana de cabelos cor de rosa com dois laços um na ponta esquerda e outro na direita. Usava uma roupa parecida com a dos uniformes japoneses, só que no lugar de azul era roxo. Logo me acalmei e respondi:

– Eu mesma... Como você sabe o meu nome?

– Prazer sou Hiyori Itsuka – ela disse – O destro me contou o seu nome.

– Ah tá! Você é a minha outra parceira de quarto. Prazer em te conhecer!

Dou uma breve pausa e logo continuo:

– Agora só precisamos descobrir a nossa última parceira de quarto.

Fico com cara de pensadora enquanto coço o queixo.

 – Isso não será problema, eu vi a sua ficha de quarto, a do Destro e a da Marylin.

 – Como você conseguiu essas fichas? Você também quebra a quarta parede?

– Agora vocês devem estar se perguntando... “como você conseguiu a ficha dos outros?” Simples, eu usei minha habilidade de quebrar a quarta parede e pedi para a autora-chan de uma forma muito gentil e amigável (socorro alguém me salva, por favor, ela não pediu de uma maneira amigável *amarrada em uma cadeira* - Autora- chan), ela não me deu por completo de todos, mas me deu pelo menos os nomes, as idades... POR ENQUANTO HAHAHA.

Fiquei um tempo alí conversando com a Hyori, até eu achar a Marylin. Então me despedi da minha parceira e fui rapidamente usando a minha velocidade fora do normal até Marylin. Ela estava totalmente isolada, não tinha ninguém sentado perto dela e parecia que era isso que a Mary estava buscando, maaaaas mesmo assim tentei falar com ela.

 –Como vai Marylin? Sou Cherly, eu e mais duas pessoas somos seus parceiros de quarto.

 –Tá...

Ela diz isso e depois continua mexer em seu celular, ela como se eu falasse com as minhas BFF`s, as paredes. Já percebi que ela não era muito de papo.

– Está tudo bem? A sua cara não está normal, está meio pra baixo? –Agora nem foi para puxar assunto, é porque eu realmente estava preocupada.

 –Me deixa sozinha!  – Ela diz em um tom bravo comigo, com se eu tivesse feito alguma coisa, mas logo ela se toca – Por favor...

 –Não –Faço uma carinha fofinha

 –Como as----- – ela começa a falar mas eu a interrompo

 –Você é uma pessoa misteriosa, quero desvendar o seu mistério.

 Ela continuava confusa, então eu continuei.

 –Você não fica sozinha por nada, alguma coisa aconteceu. Você também é muito calada, pessoas caladas que não falam nada com ninguém ou quando não querem contato, geralmente são as que mais sofrem, às vezes não, mas pela sua expressão, sim.

 –Mas... – diz ela – Como você sabe de tudo isso?

Dou um pequeno sorriso.

– Experiência própria...

A expressão da Mary muda na hora, era como se ela tivesse levado um susto com o que eu havia te contado. Tenho certeza de que ela iria falar algo, mas antes que ela pudesse, nós ouvimos uma garota puxando o gatilho de uma arma... “Uooool isso será muito legal, os inspetores ficarão muito p***s com isso”.

 – Você tem certeza que quer fazer isso? Aqui eles dão advertência por tudo.

Narumi diz enquanto mostra o papel para a garota que esta com a arma apontada para o teto.

A garota olha para Naruima e diz super confiante e cheia de orgulho.

 – Eu sou Julie Napier Quinn! Não me importo com essas coisas bobas.

A mesma agora tem um grande sorriso psicótico no rosto, e atira sem parar para o teto, acho que foram no máximo 5. E como eu queria ver bem de perto aquela SUPER cena uso a minha super velocidade e me aproximo. No meu ponto de vista os tiros estavam lentos, eu até poderia pará-los, mas...isso acabaria com a brincadeira.

Faltavam praticamente dois centímetros para os tiros entrarem em contato com o teto assim causando um grande impacto... mas infelizmente uma menina de cabelos castanho escuro com roxo nas pontas e com uma blusa de coelho pegou as balas. Isso quer dizer que ela tem o mesmo poder que o meu, mais uma velocista para o time (time que não existe mas ok né, melhor eu ficar quieta-Autora).

  – Por que você fez isso? – perguntei – Acabou com a graça!

 –M-mas aquilo causaria u-um estrago no teto.

A garota de cabelos roxos diz com as bochechas um pouco coradas, parecia tímida.

– Aliás, qual o seu nome? Eu não conheço mais ninguém que tem super velocidade – Ela inclinou a cabeça de uma forma... Assim como posso dizer?... MUITO KAWAII-DESU.

Eu falo o meu nome e ela o ela, nos duas ficamos um tempo ali conversando, até tínhamos nos esquecido que estávamos usando a super velocidade, até que um inspetor chama a nossa e nos voltamos ao normal.

 –Onde estão os tiros? – Uma garota que pela ficha dela tem o nome de Emma Violet Adams (toda vez que vejo o ultimo nome dela me lembro da serie “House”, devo ter algum tipo de problema – Autora-chan), ela parecia assustada com o barulho que os tiros causaram – E por que você os disparou?

 – Vocês não acham que isso aqui está muito chato e parado? Só quero dar uma animada enquanto os professores não chegam – Julie responde como se fosse a garota mais inocente do mundo.

A Emaa ficou com uma cara confusa. Mas as rebeldes... Não perderam a oportunidade, já que todos estavam com os olhos fixados em Julie e em quem estava por perto.

–Aliás pessoal – Outra menina se levanta, ela estava sentada na frente de Julie, então todos a veriam – Vocês não acham isso injusto?! Todos nos precisamos chegar no horário certo se não levamos bronca ou nem assistimos a aula. E eles? – Ela aponta para o microfone que é onde o diretor falará – Já fizeram a gente esperar por mais de quarenta minutos aqui e até agora não chegaram, e por cima não avisaram de atraso nenhum pra gente.

Todos ficaram assustados com o discurso da menina, uns olhavam para os outros meio confusos sem saber o que fazer, era possível ouvir alguns cochichando coisas do tipo: “A Harley está certa, mas isso é muito arriscado...” Os mais medrosos: “O diretor tem o direito de se atrasar, nós não sabemos o que está acontecendo com ele”. Entre outras coisas, eu até que concordo com ela, mas... sinceramente estou morrendo de preguiça para ir lá e protestar.

 –Harley Raymond, pare com isso se não quiser levar uma suspensão!

O inspetor usa a sua telecinese  para segurar as mão dela e fazer a mesma se sentar.

 –Mas senhor... ela está certa, vocês dariam uma bronca na gente se fosse ao contrario não é? – Emma se levanta lentamente e pergunta envergonhada para o inspetor.

 –Duvido que o diretor será punido por causa desse atraso!

Destro grita para o homem que agora estava sem resposta, não sabia o que fazer... E seus olhos já conseguiam enxergar o olhar dos outros alunos, eles estavam concordando com tudo que eles diziam.

–Isso não é da conta de vocês seus adolescentes intrometidos de merda!

Vish, agora ferrou de vez, o cara perdeu a cabeça começou a xingar, isso mesmo que vocês leram X-I-N-G-A-R os alunos, e é claro que eles não deixariam isso passar despercebido, todos partiram pra porrada... Bom, praticamente todo mundo... Alguns ficaram sentados sem se intrometer. Tipo eu, a Mary, a Sugawara, a Hyori e uma garota que estava falando sozinha. Eu conseguia ouvir algumas coisas, parecia que era isso:

 – Hehe... parece que alguém será demitido não é mesmo? Sim realmente. Muitas emoções em um dia só, e ainda no primeiro dia de aula.

Eu corro rapidamente para o lado dela e começo a falar.

 –Ele vai levar uma bronca bonita do chefe – Ri um pouco – Sou Cherly, eu vi você falando sozinha e...Achei isso bem estranho e mio louco, gostei disso, e você como se chama?

No começo ela ficou meio seria, mas logo depois, acho que a nossa loucura acabou dando certo, descobri que ela é filha do DEADPOOL - O ANTI HEROI MAIS ZUERO DO MUNDO, eu adoro ele. Ela se chama Nathalie Witson Pool, era extrovertida igual o pai. Nos duas ficamos conversando por um bom tempo, com papos MUITO loucos e era disso que eu precisava no momento “papo louco” meio estranho né? Mesmo assim, eu adoro conversar sobre coisas aleatórias com alguém que também gosta.

A bagunça já havia passado, todos estavam sentados nos seus devidos lugares, o inspetor saiu sem NENHUM arranhão isso me deixou indignada. Mas enfim... o diretor agora está com o microfone na mão se preparando para dar o discurso, ele é um homem MUITO alto, musculoso até de mais. Hoje está usando um terno preto e uma gravata rocha, algo bem formal. Depois de uns cinco minutos ele começa:

– Primeiramente (Fora Temer huehueuehuehu...não resisti desculpa ;-; - Autora-chan) eu queria pedir desculpas pelo mal entendido que aconteceu aqui por causa do nosso inspetor descontrolado e pelo atraso, o atraso eu tenho uma justificativa – Ele pega um controle e liga um projetor, e de cara já mostra um monstro gigante em frente à escola que parecia estar morto, todos ficaram de queixos caídos.

– Eu tenho um bom motivo, diferente dos alunos que chegam atrasados porque ficaram até tarde acordados e então não conseguiram acordar.

Bom, estou aqui para desejar as boas vindas a vocês, e eu espero que vocês consigam se dar muito bem aqui, pois não será fácil, as aulas, os treinos, as provas escritas e as práticas serão muito puxadas, inclusive o comportamento de vocês. Eu e meus inspetores ficaremos com os olhos fixos em cada falha que acontecer. Querem um exemplo?

O diretor dá uma pausa e chama duas alunas para subirem no palco do auditório.

– Ca e Esmeralda, por favor, se posicionem no palco, uma de frente para a outra com uns três passos de distância e fiquem prontas para atuar.

As duas fazem o que ele manda. Então, ele explica baixinho para elas o que terão que fazer, as duas assentem com a cabeça e ficam em uma posição preparada para a luta...Uma coisa que eu sempre me esqueço de fazer em lutas.

– Essa é Ca, ela tem dois poderes dentro dela, mas apenas um se manifestou a sua magia negra, e a Esmeralda também tem dois poderes e até agora só conseguem usar um. Assim como vocês, e a nossa escola os ajudarão a despertar esse segundo poder ou habilidade, mas para isso vocês terão que colaborar conosco. Agora vamos para as explicações: Todos vocês começam o ano com cem pontos, e caso você faça algo de errado dez pontos serão tirados de você, e quando eles acabarem... bom, nós ainda estamos decidindo sobre isso.

  – Como o nosso tempo é curto não teremos a luta de demonstração, vamos direto para o treino, Ca e Esmeralda escolham quatro times e então iniciaremos a primeira aula de vocês! Sejam todos bem vindos a nova escola. Agora os deixarei com o professor Jean!

As luzes se apagam, o diretor some, as paredes que antes eram e gesso são cobertas por uma camada grossa de ferro, as cadeiras vão para baixo do chão que agora era liso sem nada e que por sinal agora também era de ferro. Uma luz rosa se acende, embaixo dela aparece silhueta de um homem bem afeminado, esse deve ser o nosso professor Jean.

 – Olá meus queridos! – A voz dele era tão afeminada quanto ele – Eu sou o professor Jean, eu sou o representante dessa turma, e eu do fundo do meu coraçãozinho espero virar amigo de todos vocês. Mas infelizmente começaremos com o pé esquerdo, já que a primeira aula será sobre estratégia e sobrevivência, todos irão odiar!

Ele diz tudo isso como se fosse uma coisa ótima ver a gente se ferrando, e também não teve um segundo que ele parou de sorrir.

Jean ordenou que os quatro grupos se organizassem nos cantos do teatro, cada um em um canto, e eu não conhecia absolutamente ninguém que estava no meu, tirando a Esmeralda que foi lá no palco servir como exemplo.

– Já estão todos organizados? – O professor pergunta – Como sou um amorzinho com meus alunos, darei dois minutos para vocês se conhecerem melhor, depois nos já daremos inicio a aula de verdade.

Todas se apresentaram a líder Tara (que é a Esmeralda), depois eu, a Laryssa Walker, a Yumi Scarlet e por ultimo a Vam Black. E antes que a gente pudesse começar a conversar o professor apertou uma corneta, ela indica que o tempo acabou... Resumindo, f***u tudo.

– Os grupos terão que fugir de algum jeito, mas pelas regras cada um só poderá usar o seu espaço... Mas como eu A-DO-RO uma briga entre alunos, vocês poderão lutar entre si, só para deixar o clima mais agitado hihihi – O professor ergue a sua mão – O ultimo grupo que sair sofrerá as consequências... Vaaaalendo!

Quando o professor abaixou a sua mão, uma água misteriosa começou a aparecer no auditório, ela estava surgindo do chão. E a água continuou, continuou cada vez mais, até quase chegar no teto, todos os alunos estavam se segurando um no outro ou nadando por conta própria. Para vocês terem noção, minha cabeça estava batendo no teto e a água batia na minha cintura, meus pés estavam a 10 metros do chão, na verdade geral estava na mesma altura longe do chão.

 – Precisamos pensar em um plano! E rápido!

Tara disse enquanto olhava para elas, já que eu estava olhando para o resto o auditório sem prestar atenção nelas.

– Na parte de cima não tem nada, seremos obrigadas a procurar algo de baixo d’agua – Digo bem baixinho, praticamente resmungando.

 – Ok, e como você pretende fazer isso? – A gótica das trevas Vam black pergunta revirando os olhos para mim ( desculpa gente, não resisti- Cherly)

– Então... você por ser filha do Venom, deve soltar teias ou aquelas melecas nojentas dele, e você Laryssa, consegue fazer explosões não é? Então eu pensei no seguinte: Vam cria melecas/teias e as amarra na cintura da Lary, e de jeito algum “desconecte” a teia do seu pulso. E você Lary, coloque as suas mãos para cima e solte várias explosões, isso te ajudara a ir para baixo mais rápido, assim você terá que se esforçar muito para enxergar debaixo d’agua e procurar alguma coisa que se pareça com uma saída. E quando o seu ar acabar, você puxa duas vezes a “corda” que aí a gente te levanta. O que acham?

 – Eu gostei da idéia – Tara

 – Estou disposta a ajudar no que for. Posso fazer isso facilmente – Laryssa diz com um grande sorriso no rosto.

 – Pode se, mas só para a sua informação. Elas são teias negras e não melecas, sua “engraçadinha”.

Vam Black não gostou muito da minha brincadeirinha...

Enquanto a Lary mergulhava, Tara tinha visto alguma coisa em cima de nossas cabeças, eu corri pelas paredes e segurei essa coisa, era um corvo branco.

– O que ele está fazendo aqui na escola? – Pergunto meio confusa para Tara.

 – Hoje enquanto a gente esperava o diretor, um menino sentado ao meu lado tinha um desses corvos –Ela para e pensa um pouco – Será que o menino esta usando isso para observar o nosso território?

 –Isso faz todo o sent------

 –Ei!

Uma voz masculina grita lá do outro lado da sala.

– Devolvam o meu corvo.

–Só depois que vocês pararem de invadir o nosso território! – retruquei

Eles não falaram nada, até que...uma garota de cabelos super rápida se aproxima de mim.

– Devolva o corvo! – Ela tenta usar a sua super velocidade para arrancar o corvo da minha mão, só que eu a surpreendo.

–Que foi? Não esperava por essa? (PELO AMOR DE JISUIS, VOCÊS PRECISAM ENTENDER ESSA REFERÊNCIA) – Corro pelas paredes e vou para o outro lado. Onde Vam estava ajudando Lary, assim faço a outra velocista pegar o ar e não o corvo.

–Isso vai dar ruim... – O garoto do outro time muito parecido com Lary balançava a cabeça de uma forma negativa.

 –BITCH PLEASE! O TERRIÓRIO É DE TODO MUNDO, O CORVO NÃO!

Após Ca berrar, o time dela começa a vir em direção ao nosso.

 

-FIM DO CAPITULO 1

-VOTAÇÃO: a)Cherly devolve o corvo, e nenhuma luta acontece

                     b)O time de Tara decide lutar contra o time de Ca, por causa da invasão.

 

Digam o que acharam e tchau:3

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


MUITOO OBRIGADA PELOS 41 FAVORITOS, VOCÊS SÃO DE MAIS.
BJS E TCHAU <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...