História Escolhas - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Arrependimento, Caminhos, Escolhas
Visualizações 15
Palavras 963
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Universo Alternativo

Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Boa leitura!

Capítulo 1 - Negativo e Positivo


A história que você vai ler, conta a escolha e trajetória de duas mulheres.

Uma escolheu a Ponte cor do Sol. Era o caminho mais fácil, o caminho que a manteria longe dos problemas e dificuldades. Um caminho que só lhe traria felicidade – passageira e superficial; descobriria isso ao finalizá-la.

A outra escolheu a Estrada, que começava como uma trilha, um trecho difícil até para dar o primeiro passo. Essa estrada passava no meio de TUDO. Todas as dificuldades enfrentaria, andando por ali. Ela seguiu e venceu. Sua vida e caminhada valeram DE MAIS.

A mulher que decidiu pela Ponte nunca sofreu, mesmo assim, agora sua vida e caminhada valeram DE NADA.

--

Uma personagem, de repente, decide dar alguns passos, mesmo sem ver motivos para isso. Ela segue a vida de qualquer jeito, ignorando o que é importante. Olhando muito para os problemas e perigos que o mundo tem, acaba inconscientemente procurando fugir e evitá-los ao máximo. Em algum lugar ela tropeça e cai. Ao levantar, vê que está em um lugar deserto, um lugar do nada. Sem som, sem luz, sem brilho, sem alegria, o negativismo predomina e reina... Fora isso: Há somente o NADA ali, acompanhado por algumas doses de agonia.

Ela põe-se de pé, parada, sem sentido – como aquele lugar. Olha para si mesma e vê-se destruída. Ela olha para trás e vê uma ponte, mais como uma passarela, de tão perfeita que é, sem rachaduras, buracos, nem mesmo há resquícios de cor esbranquiçada, uma vez que é pintada de uma cor viva como o amarelo do sol. Observa um pouco mais e descobre que a ponte começa onde ela fez a decisão ilógica de dar alguns passos.

No mesmo lugar, logo abaixo da impecável e linda ponte, ela vê um trecho complicado, cheio de perigos, tem fogo, tem água, neve, sol escaldante, tem medo, percas, ilusões, tudo de ruim que pode existir no mundo! Mas não deixa de notar que em alguns pontos há pequenas e grandes caixas envoltas em papéis brilhantes: São presentes. E eles estão sempre próximos às montanhas, vulcões, vales e nuvens negras que impedem-na de ver o que há mais na frente.

 Ela continua olhando, e o trecho que dava início após uma placa que dizia “Seu ponto de partida”, transforma-se em uma estrada aos poucos tornando-se mais larga a fim de alcançar os pontos negativos que surgem.

 Curiosa, quer saber até onde aquela estrada leva e pergunta-se “Quem em sã consciência, tomaria um rumo desses quando se há uma outra opção tão mais fácil e convidativa?”, acreditando estar pensando como todos pensam avista algumas pegadas e, franzindo a testa, segue-as com os olhos arregalados e ansiosos. Ela tem rápidos vislumbres de uma mulher, andando por lá, ofegante e visivelmente exausta; em alguns intervalos a perde de vista e quando a vê novamente percebe que ela muda a cada obstáculo que ultrapassa, logo deduz que quanto mais se anda por aquela estrada, mais a pessoa se torna forte e capaz, apesar dos pontos infelizes que há.

Finalmente, seus olhos avistam outra placa avisando que é o “Fim da estrada” acompanhada por outra placa mais delicada “Sua recompensa”.

Ela vê as pegadas outra vez e segue-as, parando nos pés inchados e feridos da mulher que ela seguira com os seus olhos agora ardendo em fogo. Olha para frente e o que vê é um mundo completamente diferente do seu. A mulher antes cansada e fadigada agora está feliz e rodeada de pessoas também felizes. Os presentes que ela avistara um pouco antes estão todos ali, arrumados do lado daquela personagem risonha.

Faz uma outra rápida comparação desses dois universos, são o oposto um do outro. Esse que ela observa agora, é colorido, tem vida, tem sucesso, pode-se ver o verde das árvores, passarinhos que com certeza estão a entoar lindas canções...

Ela começa a sentir-se cheia de ira! Sente-se injustiçada! “Como pode alguém estar aqui como eu sozinha, abandonada, sofrendo a solidão, enquanto ela está logo ali com tanta felicidade e festa? O que ela tem que eu não tenho? Porque eu me encontro aqui nesse fim do universo, nesse fim do mundo, acabada, ferida, sem forças, com NADA?” Seus punhos estão cerrados e está a ponto de explodir, tamanha é a indignação. Fecha os olhos - como se tentando dar mais ênfase ao seu estado de desespero ou apenas tentando se conter, não se sabe - em um segundo é surpreendida por um brilho ofuscante, tenta abrir os olhos, porém não consegue. Ela começa a ver uma vida. Ela vê a vida dela mesma.

Quando termina, o que vê é a escuridão sem fim... Força novamente os olhos para abri-los. Não consegue.

Sente as pernas fraquejarem e tremendo, cai ao chão, os joelhos ferindo-se ao serem depositados com força sobre as pedras. Lágrimas caem, lágrimas quentes, lágrimas de arrependimento, e só aí seus olhos se abrem.

Olha novamente para trás de si agora, depois volta o olhar para o chão em que está. “Estou sobre a Ponte cor do Sol!”

Dá uma última olhada para o universo paralelo, como que para se certificar, e já sabendo o que verá de novo, - desta vez a visão está embaçada por conta das lágrimas que ainda não pararam de rolar e teme que nunca parem algum dia – a mulher que enfrentara toda aquela estrada aparentemente impossível, está radiante, o seu sorriso é a total definição da felicidade.

Deixa-se cair por completo no chão agora úmido e lamacento, e só o que consegue ouvir ali, são os seus próprios soluços, que aumentam cada vez mais.

No seu íntimo, diz para si mesma “Não mantive o foco. Eu sequer tinha um objetivo! Apenas escolhi ir e vir de qualquer jeito...”.

Será isso o Fim? Eu fico a perguntar.


Notas Finais


Espero que tenha gostado. Obrigada por ter chegado até aqui, no fim :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...