História Escolhas do Coração - Capítulo 21


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adultério, Drama, Lesbianismo, Romance
Exibições 32
Palavras 3.289
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), FemmeSlash, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Ola.
Quero agradecer primeiramente a todos que comentam, favoritaram e que acompanham EC.
Este capitulo mais uma vez será dedicado as minhas leitoras EmillyFilds e 1994camy. Obrigada por comentarem e pelo carinho. Vocês são demais !!!!
Aproveitando o surto de criatividade, com vocês mais um capítulo. Espero que gostem . . .

Capítulo 21 - Seeking Culprits


Fanfic / Fanfiction Escolhas do Coração - Capítulo 21 - Seeking Culprits

Fabian está sentado em um dos bancos duro da sala do Mount Sinai Hospital com um copo de café em suas mãos trêmulas e ao seu lado está Ali que parece continuar com aquele olhar perdido para o pequeno aparelho celular.

 

Fabian: Como Taylor reagiu a notícia?  Sabe que elas eram muito próximas. . .

 

Ali olha de repente na direção do namorado, como se apenas naquele momento se lembrasse da presença dele aqui. A notícia havia abatido a todos e recebido com extremo choque.

 

Ali: Acho que ficou bastante chocada, a sorte que Daniela está com ela.

 

Fabian dá um suspiro, balançando a cabeça e se nada destas coisas ruins tivesse acontecendo até poderia estar feliz por finalmente aquelas duas estarem se acertando, mas ainda existe um obstáculo perigoso no caminho daquelas duas antes de serem verdadeiramente felizes: Jason Fox.

 

Fabian: Eu não sei se é seguro Taylor e Dani juntas. . .

 

Naquele momento, eles percebem que estão sendo observados e ao virar depara – se com Taylor amparada por Dani que tem os braços envolta da sua cintura em um gesto protetor.

Ao ver a amiga se aproximar, Fabian se levanta, caminhando na direção de Taylor abraçando –a com carinho e  Dani fica em silêncio vendo o amigo conversar com a jovem que apenas concorda com um gesto na cabeça com os olhos cheio de lágrimas.

 

Taylor: Onde está Júlia?

 

Fabian: Ela foi falar com o médico. Faz horas que estamos esperando respostas, mas não houve nenhuma ainda e não sei realmente se é um mau sinal.

 

No momento que Taylor abre a boca para dizer alguma coisa, Júlia aproxima. Ela tem o rosto pálido, olheiras profundas envolvem seus olhos e uma expressão cansada domina a totalmente. Estava mesmo difícil para todos e sem conseguir conter a ansiedade.

 

Taylor: Como elas estão?

 

Todos se aproximam para ouvir as palavras de Júlia e a expressão que carrega no seu rosto é enigmática.

 

Julia: O tiro que acertou Sofia atravessou o ombro dela, mas perdeu muito sangue e por isto precisou fazer uma transfusão de sangue antes de tentar extrair a bala. Se eu soubesse que isto ia acontecer eu nunca teria a deixado sair àquela hora. . .- A voz de Júlia sai embargada, mas então percebe a expressão aflita no rosto de Taylor – Quanto a Skyler o tiro acertou no abdome e devido a gravidade do local não poder haver a extração da bala. Infelizmente ela já chegou aqui em estado crítico e a equipe médica que acompanha o caso tem feito de tudo para ajuda –la, mas as perspectivas são baixas. Uma das balas atingiu o rosto e outra atravessou o peito dela e saiu pelas costas.

 

Taylor sente as pernas fraquejarem e é apoiada por Dani, fazendo com que seus olhos se

encontrassem por alguns minutos, mas então a jovem desvia os olhos em direção de Julia.

 

Taylor: Eu posso ve –las?

 

Julia hesita. Diante da gravidade do estado de saúde de Skyler, não seria um gesto de piedade permitir que Taylor se despedisse da melhor amiga? Havia visto muitos casos como a da promotora e dificilmente haveria uma reversão do coma em que se encontra.

 

Julia: Elas acabaram de sair da cirurgia. Sofia está sedada e Skyler infelizmente se encontra em um coma profundo.

 

Taylor: Por favor. . .Skyler e Sófia são minhas amigas. . .

 

Julia concorda dizendo que ela poderia ficar apenas alguns minutos já que tanto Sófia quanto o Skyler permanece em na UTI sendo monitoradas. A médica a conduz por um longo corredor até uma porta dupla e depois de vestir algumas roupas especiais, ela fez sinal para que Taylor a acompanhasse para dentro do aposento. Nos momentos que seus olhos voltam se para a cama onde Skyler está deitada com fios conectados e apenas os barulhos dos aparelhos cortam o silêncio do local em uma estranha sinfonia, causando uma mistura de sensações em seu peito. Vê-la daquela forma, conectados a máquinas através de fios como se vivesse em uma Matrix, lutando bravamente pela vida a faz perceber o quanto a vida é breve, fazendo com que se lembrasse dos momentos que passara em companhia. Realmente Skyler Hopkins é uma grande pessoa e sempre estivera ao seu lado nos momentos mais complicados apoiando – a.

Lentamente, Taylor aproxima de Skyler enquanto Julia vai ver Sófia que está dormindo.

 

Taylor: Sky. . Eu devia ter protegido você da mesma forma que tem feito, mas não consegui. Agi de forma egoísta porque deveria ter estado ao seu lado, mas eu nunca consegui falar o quanto importante você é para mim. . . – Taylor leva a mão no rosto sentindo as lágrimas escorrer pelo seu rosto – Uma vez vi em um documentário que as pessoas que estão assim pode escutar então se for verdade peço que lute porque eu preciso de você. Como Nova York vai ficar sem a melhor promotora da cidade?

 

Com carinho, Taylor toca no rosto de Skyler com a ponta dos dedos no momento que Julia se aproxima tocando no ombro da jovem que se vira e então ela concorda. A jovem se aproxima novamente do leito da ruiva curvando-se sob a amiga, beijando em sua testa.

 

Taylor: Preciso que volte e te prometo que farei de tudo para descobrir quem fez isto com você e fazer a pessoa pagar por tudo.

 

Júlia fica em silêncio vendo Taylor passar a mão com carinho nos cabelos ruivos da jovem promotora e então caminha na direção de Sófia dando um beijo na testa da amiga.

 

Taylor: Fique bem logo Sofi, porque a vida com certeza não terá graça sem o seu ego super-gigantesco. Prometo de pagar uma grande rodada de bebidas logo que você recuperar – se.

 

A médica sorri ao ver a maneira brincalhona e ao mesmo tempo brincalhona pelo qual Taylor trata Sofia. Júlia sempre admirou a amizade da namorada pela jovem, a mesma amizade que carrega com Dani.

 

Julia: Sabe que é uma péssima ideia prometer alguma coisa para Sofia neh? Ela vai te fazer pagar a rodada da noite inteira. – A médica pega a mão de Sofia entre as suas e entrelaça seus dedos.

 

Taylor: Quando Sky e Sofi saírem desta cama farei questão de pagar todas as rodadas da noite.

– Julia fica em silencio por alguns minutos. Sabe o quanto a saúde de Skyler é precária naquele momento, mas a ruiva luta bravamente pela vida e aquilo faz com que sentisse ainda mais admiração por ela, afinal nada é impossível, por mais que a situação fosse crítica.

 

Julia beija a testa da namorada e depois dá um selinho longo na namorada antes de sair da sala. Aquela noite fora difícil para todos, mas Taylor não queria sair dali enquanto não tivesse uma resposta positiva da amiga.

 

Julia: Tenho certeza que a polícia vai descobrir quem fez isto com elas e Taylor a Skyler é uma guerreira. . .

 

Taylor concorda com um gesto na cabeça voltando a recepção junto com Júlia, que sente o cansaço atingi-la, afinal acompanhara toda a cirurgia de Sofia e parte da de Skyler que fora bem complicada devido ao local afetado. Existia uma grande possibilidade da ruiva jamais acordar ou se acordar apresentar algum tipo de efeito colateral provocado pelo trauma do projétil principalmente na região da cabeça. Quando vê Taylor entrar na sala, Dani se aproxima tocando no ombro da jovem em um gesto de consolo e ao mesmo tempo conforto.

Taylor cerra o maxilar e naquele momento Jason entra pela porta principal, vestido com o usual terno caro italiano, cabelos penteados sempre com perfeccionismo acompanhado com um homem mais baixo calvo que mexe as mãos nervosamente. Quando vê aquele homem aproximar, o rosto da jovem perde a cor e quando Dani se vira vê Jason olhar na sua direção com a testa erguida causando um mau estar na médica.

 

Taylor: O que este bastardo está fazendo aqui?

 

Taylor fala entre os dentes, com o pulso cerrado trêmulo e os lábios tão apertados que sente o sangue pulsar dentro de si.  Calmamente, Jason se aproxima do grupo de pessoas parando ao lado de Dani que faz menção de se afastar, mas o homem agarra – o pelo pulso, mas ao perceber que está sendo observado por Julia, ele solta e a médica se coloca ao lado de Taylor.

 

Julia: O que está fazendo aqui Jason?

 

Jason enfia a mão no bolso, olhando na direção da irmã com uma expressão comovida. Fazia muito tempo que não a via tão frágil como a via naquele momento e tentou demonstrar simpatia.

 

Jason: Soube o que aconteceu e quero ajudar. Este é o Comissário Harold e pedi que ele tratasse o caso pessoalmente em prioridade alta. – Comandante Harold esta é minha irmã Júlia Fox e uma das vitimas do atentado de hoje é a companheira dela.

 

O homem se aproxima de Júlia estendendo a mão enquanto Taylor observa tudo o que está acontecendo ali com uma expressão de descrença no rosto.             Como aquele homem havia tido a coragem de ir ao Hospital depois de tudo o que ele fizera? Jason Fox é realmente um psicopata muito dissimulado e manipulador, mas não deixaria se enredar pelas mentiras contadas por ele. Ia descobrir toda a verdade por detrás daquela fantasia de homem respeitado e bom moço, haja o que houver ia faze isto, afinal prometera a Skyler.

 

Dani: Você acredita em uma coisa destas?

 

Taylor não consegue desviar os olhos de Jason que permanece com os braços cruzados sob o

peito prestando a atenção na conversa que se desenrola entre o comissário e a sua irmã.

 

Taylor: Sinceramente não. . .

 

De repente Jason vira o rosto e olha na direção de Taylor dando um sorriso maldoso, mas ele faz isto tão rapidamente antes de voltar a atenção para o comissário que alguém poderia se perguntar se realmente aconteceu.

 

Comissário: Como estava explicando para o Senhor Fox, chamarei todos para testemunhar e quando sua namorada estiver melhor ela terá que prestar depoimento. Será uma boa maneira de entendermos a motivação embora creio que com o brilhante trabalho que ela tem prestado a cidade combatendo perigosos e poderosos criminosos a Doutora Hopkins deve ter uma lista muito grande de inimigos. Pedirei que o assistente dela me relate sobre os casos em que Skyler estava envolvida mais ativamente.

 

Julia: São muitos casos que a promotoria atende diariamente por isto acho que desta forma a lista de suspeitos serão gigantescos.

 

Antes que pudesse evitar, Taylor se aproxima do grupo acompanhado por Fabian e Dani que se coloca um a cada lado da jovem.

 

Taylor: Na verdade Senhor Comissário, Skyler estava investigando o meu sequestro e a tortura que sofri no cativeiro. . .

 

O comissário olha na direção de Taylor com as sobrancelhas erguidas e Jason permaneceu em silencio, frio como um pedaço de iceberg.

 

Comissário: A sim, você deve ser a Senhorita Taylor Scott. – Taylor concorda com um gesto na cabeça e os olhos voltam se para Jason que a encara de forma intimidadora, mas diferente de todos não tinha medo dele – Falei com Skyler pelo telefone e ela me falou por alto sobre o assunto. Tínhamos marcado uma reunião para amanhã para falarmos sobre o assunto, mas toda esta tragédia aconteceu. . .

 

Naquele momento, um homem de branco se aproxima e Júlia vai falar com ele. Durante alguns minutos trocam algumas palavras e então ela volta para o grupo de novo.

 

Julia: Dani será que você pode ir até a enfermaria dar uma olhada nos pacientes em recuperação? Sei que deve estar um tanto nervosa com tudo o que está acontecendo, mas os pacientes precisam do tratamento.

 

Dani concorda com um gesto na cabeça olhando para Taylor que olha de forma intimidadora para Jason que parece ignorar a hostilidade da jovem. Graças ao trabalho de recuperação administrativa de Camilla em pouco tempo o Central Hospital havia conseguido se tornar uma referencia em traumatologia e emergência médica podendo trabalhar com excelência nos atendimentos aos pacientes.

 

Taylor: Acho realmente que não tem o que porque estar aqui Jason. . .

 

Jason abre a boca para dizer algo, mas Julia impede, agradecendo ao comissário e ao irmão pelo apoio naquele momento tão complicado. Taylor continua a encarar Jason com a testa franzida e quando Dani toca no ombro dela sentiu os músculos tensos debaixo da sua mão.

O homem junta as sobrancelhas deixando bem claro que não só entendia muito bem o que estava acontecendo, mas achou melhor não deixar transparecer seus pensamentos porque todos olham na sua direção menos o tolo do Comissário que encara Taylor.

Julia e Dani caminham em silêncio pelo longo corredor. Dani conhecia a amiga a tempo suficiente para saber que não é apenas para que ela atendesse os pacientes que fora chamada ali, mas no fundo sabe que as questões que não saberia exatamente como responder, afinal mau ou bem Jason é irmão da sua melhor amiga.

 

Dani: Sei que tem muitas perguntas que quer fazer, mas não sei se é a melhor hora para isto e se saberei responder as dúvidas que estão estampadas dentro dos seus olhos.

 

Júlia suspira passando as mãos pelos cabelos sentindo um ligeiro incomodam no seu pescoço devido a tensão que a domina por inteiro. Na verdade depois de tudo o que acontecera com Camilla, Júlia achara que finalmente havia conseguido encontrar uma calmaria, mas então toda aquela sensação de segurança desmoronou com uma ligação no meio da madrugada.

 

Julia: Você ainda ama a Taylor não é? – Dani hesita, mas a verdade está tão clara que seria uma hipocrisia nega –la e então apenas balança a cabeça em sinal de afirmação – Eu não entendo você, se ama – a como diz porque continua com meu irmão?

 

Dani sabe que é um risco muito grande contar a verdade a Julia, pois apesar de serem amigas a anos, Jason é irmão dela e certamente não ia acreditar nas coisas horríveis que ele é capaz de fazer quando contrariado. Jason é o que as pessoas denominam de “lobo na pele de cordeiro”, charmoso, com aquela aura de poder capaz de fascinar e seduzir, mas no seu “eu” interno um psicopata doentio e muito perigoso. Como pudera deixar se envolver por ele, porque o simples toque daquela mão masculina no seu corpo causa asco.

 

Dani: As coisas não são tão simples Julia. Eu amo Taylor, mas existe muitas coisas que não sabe.

 

Julia: Está falando de Jason, não é? Sabe Dani somos amigas a tanto tempo, mas sinto que esconde as coisas de mim e fico muito chateada, porque você sempre ficou do meu lado nos piores momentos da minha vida, mas sinto que não faço o mesmo por você.

 

Dani coloca a mão no braço de Júlia sem consegui encara –la. Depois de tudo o que a amiga estava sofrendo nos últimos tempos não queria dizer as coisas que pudessem aborrecê-la ainda mais visto que seria uma grande decepção para ela saber que o irmão que criou com tanto amor depois da morte dos seus pais havia se tornado um monstro egoísta. Não podia fazer isto com ela, não naquele momento tão crítico.

 

Dani: Você faz muito por mim, mas tem coisas que só eu posso resolver.

 

Julia abraça Dani com carinho lembrando-se da cena que presenciara no hospital alguns dias atrás. Sabia que o irmão não estava tratando a amiga como ela deveria ser tratada e aquilo a aborrece. Pergunta-se se aquela havia sido a primeira vez ou se apenas fora apenas um de muitos.

 

= = = =

 

Jason anda de um lado para outro vestido apenas com um short olhando para a mulher nua adormecida na sua cama com uma expressão irritada no rosto. Estava à beira de um ataque de fúria depois de se lembrar de Dani com a mão no ombro de Taylor, fazendo pegar o copo sob a

mesa jogando com força na parede quebrando muitos pedaços e com o barulho a mulher acorda olhando assustada na sua direção. Jason pega as roupas da mulher no chão e joga na cama.

 

Jason: Vista – se e caia fora. . .

 

A mulher abre a boca para dizer algo, mas o olhar feroz que Jason a envia, faz com que mudasse de ideia, então se levanta começando a se vestir em silencio mesmo sabendo que está sendo observada de forma intensa.

 

XXX: Está muito tarde Jason. . .

 

Jason enfia a mão no bolso tirando de dentro algumas centenas de cédulas colocando na mão dela. Não queria aquela mulher ali, já havia tido dela o que desejou um momento de prazer sem compromisso e ela não receberia mais nada do que aquilo.

 

Jason: Peça um taxi. . .Não quero ninguém me incomodando porque amanha tenho muita coisa para fazer e preciso de uma boa noite de sono.

 

A mulher balança a cabeça, vendo o homem entregar um telefone e então ela pega discando um número, falando por alguns minutos com a pessoa do outro lado da linha antes de desligar. Sempre soubera que Jason Fox tratava as mulheres como vadias descartável porque acharia que seria que com ela seria diferente, afinal para ele, é apenas uma foda bem gostosa.

Durante o período de espera eles ficam em silêncio. A mulher olha um dos quadros pendurados na parede do quarto enquanto Jason observa a fina chuva que cai lá fora sentindo aquela sensação de ansiedade, afinal o que mais queria naquele momento é ficar sozinho.

Logo houve um toque no celular e a mulher caminha na direção da porta quando é chamado, fazendo com que ela se virasse.

 

Jason: Seu dinheiro. . .

 

A mulher olha na direção de Jason com uma expressão de desprezo e então dá um suspiro.

 

XXX: Eu não sou uma vadia Senhor Fox, então guarde o seu dinheiro sujo antes que eu mude de ideia e fale o local melhor para você enfia-lo.

 

Sem deixar Jason responder, ela sai batendo a porta atrás de si. Queria sair dali antes que se arrependesse e quando sai do prédio sente uma chuva torrente cair sobre ela. O taxi está parado próximo ao meio fio e ao ver a mulher parada ali na chuva toda molhada, ele abre a porta, olhando na sua direção com uma expressão que mistura reprovação e pena.

 

= = = = = =

 

Amanhecia quando Julia chega a casa. Havia pedido que Caty que ficasse com Julie até que ela voltasse após explicar para os pais da garota o que havia acontecido. Havia sido uma noite muito bastante cansativa e quando chega ao quarto de Julie a vê dormindo na cama junto com a garota, fazendo com que Julia caminhasse até o local beijando a testa da filha antes de ir para o seu quarto. Está tão cansada que se joga na cama adormecendo minutos depois.

Horas mais tarde, Júlia acorda com a campainha tocando, fazendo com que ela se levante resmungando algo, prendendo o cabelo em um coque frouxo antes de caminhar na direção da porta, olhando para o relógio que marca nove e meia da manhã.

Quem a perturbaria aquela hora depois dela passar a madrugada toda no Hospital e pode ter

certeza que seria muito bom a pessoa ter uma boa desculpa para incomoda –la. Quando abre a porta, uma expressão de surpresa toma o rosto de Julia ao ver quem é a pessoa parada em pé a sua frente.

 

Julia: Camilla? O que está fazendo aqui?

 

A expressão no rosto da loura é séria. Havia cansaço e ao mesmo tempo algo que não soube decifrar nela.  Mesmo depois de tanto tempo, Camilla ainda têm o dom de fazer seu coração bater acelerado com apenas um olhar.

 

Camilla: Precisamos conversar e não sairei daqui até que me escute. . .

 

                                                       (Continua)

 


Notas Finais


Comentem, opinem, faça uma escritora feliz !!!
Possíveis erros serão consertados no próximo Att.
Próximos capítulos cheio de emoção !!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...