História Escolhas do coração - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Ação, Amor, Briga, Drama, Festa, Ódio, Original, Revelaçoes, Romance, Sexo, Violencia
Visualizações 1
Palavras 819
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Famí­lia, Festa, Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 2 - Please Don't Leave Me


Fanfic / Fanfiction Escolhas do coração - Capítulo 2 - Please Don't Leave Me

 - Peço desculpas, Mari, pelo meu irmão. Ele consegue ser um babaca quando quer. – começou Carlos enquanto comíamos nosso lanche em um fast food qualquer.

 - Como consegue viver com ele? Eu vi o que ele fez lá, e isso não é nadinha coisa de irmão.

 - É que ele estava meio confuso.

 - Confuso? Por que?

 - Você é uma das raras garotas que não quiseram ir pra cama com ele. Ele ficou confuso quando viu que você não caiu logo nos braços dele. Ficou confuso porque sabe que você é diferente, e agora não vai sair do seu pé.

 - Inacreditável. – eu disse rindo sozinha. – Como ele pode te chatear e chatear as pessoas ao redor só pra conseguir o que quer? Como você pode ser irmão de alguém como ele?

 - É difícil de explicar, ele já fez muito por mim e pela nossa família. Coisas que eu não teria como pagar nem com dinheiro.

 Fiquei um tempo tentando imaginar o que alguém como ele pode ter feito pra conseguir tanta gratidão assim. Mas logo eu e Carlos nos esquecemos do que aconteceu e ficamos um bom tempo conversando sobre coisas aleatórias. Descobri que ele é o irmão do meio e que ele ainda tem mais um irmão, o caçula. Carlos faz faculdade de Engenharia e ajuda uma ONG de animais abandonados. Contei que eu iria terminar o colegial no ano que vem, que queria fazer faculdade de Letras e disse que amava animais, ele até me convidou pra visitar a ONG que ele frequenta. Quando terminamos tudo, Carlos se ofereceu pra me dar carona então liguei pra Julia, e como ela não estava sóbria, fui busca-la na porta da frente do clube, que acabou dormindo no carro. Quando chegamos na porta do meu prédio Carlos se virou pra mim e me olhou por um tempo, me deixando sem graça. Agradeci pela carona e quando já ia saindo ele me puxou e encostou seus lábios nos meus.

 - Eu que te agradeço, a minha noite ficou melhor quando você apareceu. – fiquei por alguns segundos digerindo o que acabara de acontecer. Dei um sorriso de lado e sai do carro, abrindo a porta pra Julia, colocando seu braço ao redor de meu pescoço e carregando seu corpo mole até o elevador.

 - Nossa amiga, eu já não estava aguentando mais ficar em silêncio e fingir estar bêbada, não sei como você não me descobriu, geralmente, não consigo mentir pra você – ela me assustou quando “acordou” mantendo a postura e arrumando sua saia.

 - Você estava acordada o tempo inteiro? – disse meio revoltada – eu estava quase morrendo tentando te carregar, sabia? – tudo bem que Julia tinha quase o mesmo peso que eu, mas eram cinco centímetros de altura e quilos a mais.

 - Ai Mariana, chega de drama. Agora me conta tudo!

 Saímos do elevador e fomos entrando em minha casa.

 - Contar o que Julia? Você sabe o que viu.

 - Você sabe que eu não vi tudo. Onde vocês estavam? O que fizeram depois de fugir do Rodrigo? Pessoalmente ele é lindo como nas fotos? Espera! Por que fugiu do Rodrigo?????? Você é idiota? – metralhou perguntas pra cima de mim. Apenas pedi que falasse baixo pra não acordar minha mãe. Quando entramos no meu quarto resolvi dizer tudo de uma vez.

 - Primeiro: seu crush supremo é um idiota. Segundo: Fugi porque ele é um idiota. Terceiro: por que não me contou que o Carlos é um dos Ferraz?

 - Ele é? – ela disse arregalando os olhos.

 E só então eu percebi que ele escondia um pouco sobre si, não somente pra mim, mas sim pra todos. Talvez não quisesse ser conhecido como o irmão de Rodrigo Ferraz.

 - Enfim, o Rodrigo é um completo idiota, acha que pode ter tudo na palma das mãos quando quer, principalmente garotas.

 - E ele pode. – olhei pra Julia com cara feia e joguei um travesseiro em seu rosto.

 Fomos dormir uma da manhã conversando sobre Carlos, Rodrigo, festa, tudo e acabei acordando sem querer às quatro. Fui até a cozinha e fiz um chocolate quente. Ouvi um barulho estranho vindo dos corredores. Achei que Julia tivesse acordado então fui até nosso quarto, mas ela continuava do mesmo jeito, dormindo que nem pedra. Ouvi um barulho de vidro maior e percebi que era do quarto de minha mãe. Corri e quando parei na porta vi a cena mais dolorosa que já passara sobre meus olhos. Aquilo só podia ser um pesadelo, e eu queria acordar o mais rápido possível. Minha mãe estava engasgada. Com sangue. Havia sangue por toda a cama e todo o seu corpo. Uma facada no meio do peito. Janela quebrada e vidros espalhados pelo chão. Quando dei por mim, já estava deitada em cima do corpo ensanguentado de minha mãe. E eu chorava... Chorava... E gritava... até fechar meus olhos e acordar em um hospital.  



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...