História Escrava (Imagine Park Jimin) - Capítulo 33


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bts, Drama, Escrava, Imagine, Isabellyhx, Jimin, Kpop, Park Jimin, Romance
Visualizações 1.208
Palavras 1.352
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Boa leitura!!! ♥

Capítulo 33 - 제 33 장


Fanfic / Fanfiction Escrava (Imagine Park Jimin) - Capítulo 33 - 제 33 장


Senhor Park Povs


Hoseok veio me chamar, disse que tinham alguns homens lá fora e fui até eles.


- O que desejam? - Perguntei.


- Como eu informei ao rapaz - Olhou Hoseok - Houve um assassinato. Sua esposa está morta - Respondeu um dos homens.


- Como assim? - O olhei confuso - Ela está morta? Mas ela estava desaparecida


- O senhor pode nos acompanhar? A delegada gostaria de conversar um pouco com o senhor.


- Tudo bem. - Assenti.


Entrei em meu carro e os segui. Chegamos a delegacia, desci do carro e entramos.


- Espere aqui - Disse o mesmo homem e saiu. Alguns minutos depois, voltou. - A delegada vai receber o senhor. Pode entrar.


Assenti e entrei na sala.


Delegada Povs


Estava investigando a morte de Senhora Park. A mesma havia sido assassinada com um tiro, mas a arma ainda não foi encontrada. Depois que o assassino a matou, jogou seu corpo na estrada, fazendo com que, mesmo depois de morta, o corpo fosse atropelado. Procurei saber sobre a vida dela e tentar achar alguém que desejasse sua morte, até agora o resultado tinha sido surpreendente. A mulher tinha vários inimigos, mas apenas alguns estavam fora de casa na hora do crime.


- Delegada Mary? - JP, um dos melhores homens bateu na porta de minha sala e entrou - Senhor Park está aí fora.


- Pode mandar entrar. Ah, não esqueça de trazer os outros suspeitos aqui.


- Pode deixar - Saiu.


Alguns segundos depois, um homem entrou.


- Bom dia! - Disse um pouco sério.


- Bom dia! - Respondi - Pode sentar - Ele puxou a cadeira e sentou - Imagino que seja o Senhor Park, certo?


- Exatamente - Respondeu.


- Bem, meu nome é Mary.


- Não vou dizer que é um prazer em conhecê-la, pois como pode ver, a situação não é nada favorável.


- Claro, entendo perfeitamente - Dei uma pequeno sorriso - Enfim, vou logo ao ponto.


- Por favor - Assentiu.


- O que o senhor estava fazendo na noite passada? - Perguntei.


- Bem, eu estava fazendo o de sempre - Respondeu.


- Posso saber o que seria esse "de sempre"? - O olhei curiosa.


- Trabalhando. Fiquei até tarde na empresa, pois tinha que estudar um contrato muito importante que tenho que assinar. - Disse calmamente.


- Tem alguma testemunha? Alguém estava lá com você?


- Sim - Engoliu seco.


- Quem seria? - Perguntei.


- Uma mulher, minha secretária estava comigo.


- Não estava um pouco tarde pra ela está lá? - O olhei desconfiada.


- Digamos que eu e ela... 


- Entendi - O interrompi - Tem como provar isso?


- Tenho as câmeras de minha empresa. Com certeza deve ter gravado a hora que eu  e ela estávamos lá.


- Mandarei alguns homens pegar a fita.


- Como quiser.


- Agora me diga, como estava o seu relacionamento com sua esposa? Se o senhor já está se relacionando com a secretária, imagino não estava muito bom. 


- Eu já ia pedir o divórcio


- Divórcio? Por quê?


- Minha esposa fez coisas horríveis. - Respirou fundo.


- Mataria ela por essas coisas que ela fez?


- Não sou um assassino, se é isso que deseja saber.


- Muito bem, é apenas isso - Sorri fraco - Pode ir.


- Com licença - Ele saiu e JP entrou, acompanhado por um rapaz.


- Delegada, esse é Kim Seokjin - Olhou o rapaz, que sentou na cadeira de frente pra mim.


- Tudo bem, pode ir - Ele Assentiu e saiu - O que você estava fazendo na noite passada? - Perguntei.


- Eu estava indo na casa de uma amiga, mas encontrei uma pessoa no caminho. - Respondeu.


- Que pessoa?


- Resolvi comprar uma pizza, então desci do carro. O local estava um pouco cheio, mas me surpreendi ao ver quem era uma das garçonetes.


- Quem era?


- Uma garota que eu namorei - Respirou fundo - O fim do nosso relacionamento foi muito difícil, tive que terminar com ela pra ir embora. Foi muito estranho ver ela depois de tantos anos, conversamos um bom tempo e... - Parou de falar.


- E...?


- Confesso que fiquei perturbado ao vê-la novamente - Abaixou a cabeça - Ela foi muito importante pra mim.


- Tem o nome e endereço dessa garota? - Peguei meu bloco de anotações e uma caneta.


- Por que? - Perguntou.


- Ela será o seu álibi. - Respondi.


- Tenho, ela me passou.


- Preciso deles, por favor - Seokjin me passou tudo que precisava - Tudo certo, pode ir.


- Com licença - Saiu.


A próxima pessoa a entrar foi uma mulher. Seu nome era Sook.


- O que estava fazendo na noite passada? - Perguntei.


- Fui comprar alguns temperos que estavam faltando, mas resolvi passar na empresa do Senhor Park - Abaixou a cabeça - Ao chegar lá, vi que ele e a secretária estavam se beijando.


- E o que você fez? - A olhei curiosa.


- Eu apenas saí rapidamente de lá. Esqueci que tinha que comprar os temperos, voltei rapidamente pra casa.


- Tem como provar o que diz? 


- Eu sei que na empresa Park tem várias câmeras, alguma deve ter me filmado.


- Tudo bem, irei conferir. Obrigada, pode ir.


A mulher assentiu e saiu. 


- Parece que o senhor Park falou a verdade - Sussurrei.


- Delegada, o próximo a entrar é o filho da vítima. - Disse JP, da porta.


- Pode mandar ele entrar.


Logo um rapaz muito bonito entrou em minha sala. Sentou de frente pra mim e me olhou.


- Park Jimin, certo? - O olhei.


- Certo - Assentiu.


- Bem, o que estava fazendo na noite passada? - Perguntei ao loiro.


- Fui procurar minha namorada, que estava demorando muito, quando encontrei Taehyung, seu ex. - Respondeu.


- E o aconteceu? - Olhei ele atentamente.


- Nós dois discutimos por um tempo. Ele ficava falando que (S/n) ainda gosta dele é que vão ficar juntos - Revirou os olhos.


- Vou fazer contato com esse Taehyung e confirmar seu álibi, pode ir. - O rapaz era muito bonito. Com certeza não era o assassino.


- Com licença - Levantou e saiu.


A próxima pessoa a entrar foi uma moça.  Seu nome era (S/N).


- O que estava fazendo na noite passada? - A olhei.


- Depois que saí da casa de meu pai, resolvi andar um pouco e pensar sobre minha vida - Respirou fundo - Lembrei de tudo que meu suposto pai havia falado sobre minha mãe e resolvi saber se era verdade ou não.


- E o que você fez? - Perguntei.


- Fui a casa que ela trabalhou e conversei com o dono - Disse quase chorando - Ele me confirmou tudo. Minha mãe realmente havia sido uma prostituta. Saí de lá completamente sem chão. Não queria acreditar, mas era a verdade.


- Pode passar o nome da casa e do dono? Tenho que confirmar seu álibi. - Peguei a caneca e meu bloco de anotações novamente.


- Claro - Ela me passou os dados e logo se retirou.


Depois que todos haviam entrado, chamei JP.


- Pois não, delegada?


- Quero que confirme se cada um falou a verdade - O olhei - Temos que descobrir quem é o assassino.


- Pode deixar - Saiu da minha sala.



Anna Povs


Não estava acreditando no que Yoongi havia me dito.


- V-você está brincando comigo? - Perguntei.


- Claro que não, Anna! Eu realmente gosto de você - Se aproximou.


- Por que não falou antes? 


- Porque eu achei que você gostasse do Jin - Abaixou a cabeça - Não queria fazer papel de idiota e ser rejeitado por você.


- Você demorou todo esse tempo e...


- Porque eu queria tentar fazer você gostar de mim - Me interrompeu - Eu não sou muito bom com essas coisas de sentimentos, falar o que sinto - Riu fraco - Mas eu realmente gosto de você.


- Yoongi...


- Se você me der uma chance, eu prometo que serei cada dia melhor - Segurou minhas mãos - O que você me diz?


- E-Eu preciso pensar - Me afastei.


- Tudo bem - Abaixou a cabeça e saiu.


Uma semana depois...


Mary Povs


- Delegada? - JP bateu na porta.


- Entre - Ele entrou e veio até minha mesa.


- Todos foram confirmados. Meus homens e eu passamos esses dias investigando


- Não é possível - Levantei e fiquei andando de um lado para o outro. - Sendo assim, quem é o assassino?




"O assassino pode ser quem você menos espera"



Continua...



Notas Finais


Desculpem qualquer erro.

Devo continuar? Dependendo dos comentários, postarei o mais rápido possível 🙈🙊

Eitaaa, quem será o assassino? 🙈🙈🙈

⚠ Vou escolher alguma de vocês pra ser essa amada do Jin e participar da Fic 🙈🙊⚠

P.s: Vou escolher pelos comentários 🌸

Estou pensando se escrava vai ter uma segunda temporada 💭🙈🙊❤

• Minha nova fic com o Jimin ❤:

https://spiritfanfics.com/historia/impossivel-imagine-park-jimin-9920127

• Nova fic com o Taehyung ❤:

https://spiritfanfics.com/historia/entre-duas-vidas--imagine-kim-taehyung-9716197

• Fic que sou Co-autora ❤:

https://spiritfanfics.com/historia/revenge--imagine-min-yoongi-9919668

• Algo que escrevi pra vocês ❤:

https://spiritfanfics.com/historia/aos-meus-leitores-9928890


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...