História Escrito Nas Linhas Do Universo - Saga Red Ribbon - Capítulo 20


Escrita por: ~

Postado
Categorias Dragon Ball
Tags Akuma, Chichi, Escrito, Goku, Guardião, Linhas, Red Ribbon, Universo
Visualizações 52
Palavras 3.500
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Famí­lia, Hentai, Luta, Misticismo, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Super Power, Suspense, Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá Peoples!!!
Quero me desculpar por ñ ter postado segunda passada, eu ñ tive como, pois como falei no cap passado, o q aconteceu foi horrivel tanto para mim quanto para a minha familia, então nessa semana, eu estive atrás de certas coisas em relação a tragédia que aconteceu... eu decidi deixar vcs a par do q aconteceu, como eu falei, ñ é comigo, mas sim com alguém próximo... minha cunhada estava grávida e eu iria ser madrinha, estava toda alegre com isso, porém ela entrou em trabalho de parto com 7 meses de gravidez, o meu sobrinho nasceu com várias sequelas e não durou três dias, foi um enorme choque, minha cunhada ainda se culpa e agora entrou em depressão pós-parto, ela é madrinha da minha nenem e agora tem até medo de chegar perto da minha filha.... eu, como sou grande amiga dela, cunhada e ela foi minha madrinha de casamento, fiz questão de acompanha-la toda a semana no psicologo, além disso, eu iria ser madrinha do nenem dela, então mais do q uma obrigação, eu fiz isso pensando q o meu sobrinho iria gostar de saber q eu estava do lado da mãe dele nesse momento fatídico, além de claro, querer ver a minha grande amiga melhor.
Foi nesses momentos q eu comecei a pensar no cap passado e nesse cap, eu os escrevi enquanto nós estavamos esperando a consulta, pedi (é claro) para minha cunhada sobre o q ela achava dos caps q eu escrevi (ela tbm é uma leitora, mas é uma fantasminha) e ela gostou, até sorriu (coisa q tava dificil de acontecer) e me pediu para postar esse aqui do jeito q estava mesmo, eu iria dar uns toques a mais nesse cap, mas ela gostou tanto q eu ñ pude negar, além disso, se esse cap conseguiu alegrar o coração ferido dela, eu espero q alegre o de vcs tbm.... juro q o escrevi em meio as lágrimas e eu simplesmente pensei q seria muito perfeito se o q acontecesse nesse cap foi real para ela!
Entâo, esse cap vai a minha cunhada... mesmo fantasminha, nós vamos estar sempre juntas mor, é uma promessa nossa lembra? Ñ importa o q aconteceu, vc ainda faz parte da minha familia e do meu kokoro!!!!
Leiam!

Capítulo 20 - Meu Troféu! - Chichi Reencontra Sua Felicidade


Saiyan tocou no ombro de Chichi, a instigando para despertar do sono que ele mesmo havia colocado sobre ela, a morena – que até então estava em um mundo de lembranças dolorosas – abre os olhos com certa relutância e foi possível ver pequenas lágrimas rolarem quando enquanto ela os abria. A morena tinha a visão embaçada, tanto por causa do sono quanto por causa das lágrimas, ela sente algo em seu peito e percebe que seu filhinho está ali com ela, a fazendo apertar mais o abraço em forma de proteção, cuidado e carinho.

Chikyuu sorri ao ver o gesto maternal de Chichi, ela – que estava ao lado de seu marido desde que ele voltara com Chichi nos braços – sentiu o quanto a morena estava relutante em acordar, a deusa suprema percebia que a mulher à sua frente estava tendo uma batalha interna e que não sabia se ganhava ou perdia, sendo assim, Chikyuu decidiu ajudar, colocando a mão no ombro de Chichi, fazendo a morena a sua frente arregalar os olhos, se levantar e abraçar o neném que segurava com muito mais afinco.

Chichi segurava Goten de forma protetora enquanto encarava o local aonde estava, a sala parecia ser um escritório muito bem equipado, porém o que causava estranheza era o fato de que as coisas que esse “escritório” possuía eram bem mais misteriosas, dando um efeito místico ao local. Chichi abraça mais forte o neném que carrega, fazendo ele se acordar ao se sentir muito preso, tanto que reclama da pressão dos braços da mãe, Chichi então o levanta e o apoia em seu ombro, acariciando sua cabeça enquanto ela tenta decifrar o que estava acontecendo. Goten sorri diante do afago da mãe, porém percebe que há mais pessoas na sala e olhando para elas, ele sorri e se agita no colo da mãe, fazendo Chichi estranhar seu comportamento e olhar para trás.

A morena quase teve um ataque cardíaco ao ver um casal atrás dela, ela se assusta a tal ponto que salta e se coloca em posição de combate, mesmo segurando seu filho no braço esquerdo. Chikyuu sorri com aquilo, era típico das mães serem protetoras dos filhos ao ponto de lutarem até a morte por eles, porém Chichi conseguia ir mais além, ela conseguia equiparar a proteção com a confiança em seus filhos, afinal, qualquer mãe comum correria ou nos casos mais extremos, ela colocaria o filho no chão e pegaria em qualquer coisa para se defender, porém a princesa de Flypan era diferente, sabendo que seus filhos eram mestiços, ela simplesmente sabe que pode lutar com eles em seu colo, pois nenhum ataque os machucaria seriamente, porém o que deixava a deusa suprema mais intrigada era o fato de que, com Goten no colo, Chichi teria uma debilidade extrema para se locomover e tentar atacar, quanto mais se defender e defende o filho, porém parecia que a morena a sua frente não se importava com isso, ou era muita confiança em seu modo de lutar, ou era muita confiança em seu modo de defender.

Saiyan sorri ao ver o quão preocupada Chichi estava com Goten, pois pelo o que percebeu, Chichi tentava esconde-lo dos olhos dos dois enquanto seu braço direito estava levantado e seu pinho estava aberto e de lado, uma posição bem conhecida nas artes márcias. O deus supremo então olha para sua esposa e ela – mesmo não olhando para ele no momento – lhe acena positivamente, o deus dos universos então se aproxima de Chichi, vendo a mesma recuar dois passos.

-Não se aproxime! Diz Chichi tensa.

-Calma... não vamos machuca-la.... Diz Saiyan sorrindo naturalmente.

-Como posso ter certeza? Pediu a morena desconfiada.

-Se quiséssemos já teríamos te atacado a tempo. Falou Chikyuu aparecendo do nada atrás de Chichi e lhe sorrindo de forma brincalhona.

Chichi leva um susto ao ouvir a voz da deusa atrás de si, ela então se vira e fica olhando de um para o outro de forma curiosa, medrosa e surpresa. Goten olha para Saiyan e mesmo nunca tendo visto o deus supremo, o menino lhe sorri e lhe estende as mãos, era como se o conhecia a tempo, Saiyan sorri para ele e lhe abana, fazendo Goten bater palminhas felizes. Chichi estranha o comportamento do filho e olha para Saiyan, este lhe sorri de forma terna, fazendo a morena se acalmar um pouco. Chikyuu chama a atenção de Goten e este, ao olhar para a deusa, já levanta os bracinhos e se inclina para ela, como se pedisse colo, Chichi fica assombrada com o filho, pois o mesmo estava querendo sair de seu colo – coisa que era rara – para ir no colo de uma estranha. Chikyuu sorri docemente para Chichi e lhe pede:

-Posso pega-lo?

-É.... eu... eu não... nunca... vi vocês.... Pediu Chichi relutante. –Não vai... não vai machuca-lo, certo?

-Não se preocupe... não vou fazer nada de mal a ele. Falou Chikyuu convicta e feliz.

-Tudo bem então....

Chichi entregou o filho para a deusa e a mesma o pegou ternamente no colo, lhe dando um abraço carinhoso, Goten sorri e faz festa no colo da deusa, fazendo Chichi estranhar ainda mais o comportamento do filho. Saiyan sorri ternamente enquanto vê sua esposa brincando com o pequeno mestiço, o deus supremo então coloca uma mão no ombro da princesa de Flypan e ela se assusta um pouco, porém depois olha para ele com olhos interrogativos, mas tristes ao mesmo tempo.

-Bom... é.... desculpe por.... Chichi falava quando é interrompida.

-Não se preocupe Chichi, nós sabemos... sabemos que estava protegendo Goten quando se colocou em posição de combate, além disso, nós sabemos de tudo o que você passou, de tudo o que a sua família passou, então fique tranquila, estamos do seu lado! Falou Saiyan sorrindo animadamente.

-Obrigado... e.... bem... quem são vocês? Pediu a morena um pouco encabulada.

-Nós somos deuses. Falou o deus supremo naturalmente.

-... como? Eu ouvi direito? ... deuses? Pediu a princesa confusa.

-Sim... somos deuses, eu me chamo Saiyan e essa é Chikyuu, nós somos os deuses supremos de todos os universos e somos também os criadores das raças saiyajin e terraquia. Explicou o deus dos universos calmamente.

-KAMI-SAMA!!!! ... ohhh... desculpe, mas é que.... A humana tentava falar envergonhada.

-Tudo bem.... Disse o homem imortal tranquilamente. –Imagino que isso seja surreal demais para você, mas é a verdade, nós somos os criadores dos universos, galáxias, planetas e sistemas, além disso, somos os comandantes dos doze universos existentes, já ouviu falar de nós?

-Sim... meu padrinho me contou várias coisas... mas chegar a conhece-los... jamais passou pela minha cabeça isso.... Falou a mulher com certo temor. –Bem... como devo me portar diante de vocês e.... porque se apresentaram para mim?

-Não precisa se preocupar, seja natural conosco, afinal queremos ser seus amigos.... Falou o criador colocando as mãos no ombro de Chichi. –O motivo pelo qual está aqui é para rever duas pessoas importantíssimas a você e Goten.

-Pessoas importantes? Não me diga que....

-Sim, venha ver!

Saiyan agarrou a mão de Chichi e a puxou para seguir com ele, Chikyuu corria logo atrás com Goten em seus braços e o neném estava muito alegre ao ver toda aquela correria, pois para ele era uma brincadeira, Saiyan abriu a porta da ala das linhas e guiou Chichi até o grande salão de seu palácio, então quando eles chegaram, Chichi colocou a mão esquerda na boca – já que a direita estava sendo segurada por Saiyan – em total espanto, alegria e assombração, no centro da sala estava o homem de seus sonhos, seu marido, seu amante, seu cumplice, pais de seus filhos e seu grande amor. Goku – que estava de costas para Chichi – se virou e ao olhar para sua esposa, seu peito sentiu um baque de alegria, seu coração pulsou como nunca antes, seus músculos tremeram, suas pernas vacilaram, seus olhos se encheram de lágrimas e sua boca ficou sedenta, sedenta pelo gosto da boca de sua esposa, pelo gosto de seus lábios.

Chichi sentiu quando Saiyan soltou sua outra mão e esta foi automaticamente para cima da outra que estava em seus lábios. O coração de Chichi parecia que não iria aguentar, ele pulsava a mil, era como se fosse estourar, seus olhos já derramavam lágrimas de alegria, de ansiedade, de regozijo, de felicidade, de amor. A morena começa a sorrir e então corre, corre ao encontro daquele que tanto queria ver, de quem sentiu tanta falta, tanta saudade, tanto amor. Goku também não aguenta e corre ao seu encontro, eles não precisavam gritar um pelo outro, pois só seu olhar já dizia o quanto eles estavam esperando por esse momento, foi então que ambos se encontraram, sendo que Chichi pulou no colo do marido, colocando as mãos em sua face e lhe dando um acalorado beijo, Goku só passou os braços em torno dela e a deixou suspensa no ar para que ela lhe desse o melhor de seus beijos.

Todos os deuses – que foram chamados por Saiyan para receber a visita de Chichi – choraram com esse encontro e então começaram a bater palmas, honrando o ato que se via ali. Chichi deixou a boca do marido e ele a pousou com cuidado no chão, Chichi lhe acariciava o rosto enquanto lágrimas corriam por suas bochechas, Goku não estava diferente, ele sorria em lágrimas enquanto sentia as mãos de Chichi lhe fazendo carinho, ele não resistiu e beijou sua esposa mais uma vez, nunca se esqueceria do gosto de seus lábios e não queria esquecer jamais. Quando findaram o beijo, Goku girou em alegria com a esposa nos braços e ambos começaram a rir, os deuses se abraçaram, vendo o quanto era maravilhoso estar ao lado de quem amam. Son foi o que mais chorou, ele se sentia grato por fazer parte disso, afinal, ele estava cuidando dos dois amantes, só que em suas versões pré-adolescentes, porém ele sabia o quanto aqueles dois moleques se amavam e vendo agora o amor das versões adultas de Goku e Chichi, ele compreendeu que tudo o que estava sendo feito iria valer a pena, não só para a manutenção dos universos, não só para a derrota do Algoz, não só para cumprir o desejo de Gohan, mas para dar a felicidade plena ao casal que mesmo vivendo em mundos alternativos, ainda sentiam o mesmo amor e mereciam a mesma felicidade.

Goku parou de girar sua esposa e a abraçou fortemente enquanto colocava as narinas em seu cabelo, inalando o cheiro suave de maças verdes que Chichi sempre teve. A morena retribuiu o abraço de forma alegre e chorosa, se aconchegando ao peito másculo do marido e ouvindo seus batimentos acelerados e um pouco descompassados, porém ela logo se afastou, fazendo Goku estranhar e sentir o coração sangrar, pensando que ela só estava lhe dando um último abraço, Chichi – apesar de não estar mais vinculada a Goku – sente as preocupações dele e sorrindo, lhe toca a ponta do nariz, um gesto único deles, da família deles, que dizia que estava tudo bem, Chichi então vai até Chikyuu e estende as mãos para o neném que ela carregava, Goten sorri e vai no colo da mãe e então a morena se volta para o marido, sorrindo para ele.

Goku arregala os olhos ao notar Goten, ele sente as pernas fraquejarem e não consegue reter as lágrimas que formam em seus olhos, sentimentos mistos, de amor e culpa, ódio de si mesmo e prazer em ver o neném se formam em seu peito e ele não consegue sustentar o olhar. Chichi imaginava o que ele sentia e não podia culpa-lo, ela sabia o quanto Goku sempre desejou ter uma família e ela sabia que ele só se manteve morto por pensar mais neles do que em si mesmo, porém ela também sabia que o marido se achava o causador de problemas e que – naquela hora – parecia melhor ficar morto do que vivo, ela sabia que Goku não havia pensado na possibilidade de batalhar ao lado de Gohan, de que os dois, juntos, poderiam fazer qualquer inimigo sucumbir aos seus pés, ela sabia que Goku não queria ser enfadonho para Gohan, uma vez que Gohan preferia os estudos do que os treinos e ela sabia, acima de tudo, que Goku sempre viu a Gohan como seu filho, como alguém que ele deveria proteger acima de tudo e não ser protegido por ele, talvez foi essa mentalidade que fez Goku apelar e talvez seja essa mentalidade que o faz se culpar agora, pois ela via na expressão do marido que ele se culpava imensamente por não estar ao lado de Goten para cuidar dele e protege-lo.

Chichi se aproxima de Goku, logo ela coloca a mão em sua face, sentindo a umidade das lágrimas de Goku passarem pela sua mão, Goku chora mais ao ver os dois e ele olha para Saiyan e Chikyuu, os dois deuses se olham emocionados e de forma cumplice, então Saiyan acena positivamente para Goku, dizendo-lhe por telepatia que estava tudo bem, que ele podia segurar seu filho mais novo, que ele não estava o culpando pelo o que aconteceu. Goku ainda se lembrava bem da conversa que teve com Saiyan enquanto estava atado as faixas de extração, lembrava-se bem de como Saiyan jogou na cara dele seus erros e lhe mostrou como ele estava sendo imaturo, orgulhoso, ambicioso e arrogante. Goku não culpava Saiyan pelo o que ele disse, ao contrário, ele até lhe agradecia, alguém precisava mostrar a verdade ao saiyajin e faze-lo entender que seus atos podiam se voltar contra aqueles que ele amava, o receio de Goku agora era errar mais uma vez com seu filho mais novo, ele tinha medo de machuca-lo, tinha medo de assusta-lo, tinha medo de fazê-lo chorar, tinha medo de fazê-lo se sentir excluído quando ele soubesse a verdade... tinha medo que ver Goten o odiando daqui a alguns anos.

Chichi olhou para Goku e via seus medos em relação a Goten, ela então fica tensa, estava sendo difícil para o saiyajin aceitar seus próprios erros, ela sabia que ele ainda se martirizava por isso, porém ela não sabia como ajudar, ela queria, mas como faria para ajudar o marido a superar seus erros e continuar seguindo em frente? Goten olha para Chichi com olhos intrigados, ele não estava entendendo muito e ficou confuso ao sentir sua mãe mais tensa, além do cheiro de nervosismo que ela exalava, cheiro esse que nenhum ser humano comum sentiria, mas que os saiyajins e mestiços sentiam com grande facilidade. Goten então olha para Goku, não o reconhecendo, porém, o KI do saiyajin era algo agradável e reconfortante, para não dizer familiar e protetor, Goten então fica a encarar Goku, fazendo o mesmo se sentir mais triste ainda e mais tenso, pois pensava que Goten estava bravo com ele. O neném continua a observa-lo até que o reconhece, passando a sorrir e a bater palminhas, para a surpresa de Goku, então para a surpresa de todos, mas principalmente do saiyajin, Goten diz:

-Papa!

Goku sente o coração dar um salto gigantesco no peito, seu estomago fica leve, seus braços dormentes, sua boca fica seca e um nó se forma em sua garganta, ele não consegue aguentar mais o peso do corpo e cai de joelhos, assustando sua mulher e os demais deuses, ele não conseguia falar e seus olhos estavam vidrados em Goten, enquanto as lágrimas transbordavam pelos orbes de íris verdes. Chichi lhe sorri e se volta para o filho, este estende os bracinhos para o pai e Goku – todo tremulo – o pega no colo. Goten sorri e chama pelo seu pai incontáveis vezes enquanto sente o saiyajin lhe pegar no colo, Goku então o abraça apertado e chora copiosamente, para depois gritar de alegria em alto e bom som.

Gohan – que ainda estava no banheiro – ouve o grito do pai e se assusta, ele então sente mais uma vez o KI de sua mãe e percebe que os dois estão próximos, lágrimas se formam em seus olhos e um sorriso abobalhado transforma seus lábios. Videl sorri com isso e então passa a secar o corpo de Gohan, fazendo o garoto se assustar, ela então só lhe toca a ponta do nariz e colocando a mão em sua cauda, ela lhe diz que é para ele se apressar, Gohan deixa as lágrimas fluírem por seu rosto ao notar que sua fêmea estava lhe impulsionando, ele então a beija apaixonadamente, para depois se vestir com a ajuda dela. Gohan então sai do banheiro e corre como se sua vida dependesse daquilo. Quando o mestiço chega, os deuses Yujin e Namek o recepcionam e o levam para mais perto, então Gohan vê sua mãe de costas abraçada a seu pai, ele não aguenta e começa a chorar em total alegria, enquanto balbucia:

-Mãe....

Chichi ouve a voz do filho mais velho, mesmo que fosse um murmúrio dele, ela não sabia se foi seu instinto materno, ou se foi porque o salão estava silencioso, ela só sabia que o ouviu e então ela se vira, vendo seu menino ali, olhando para ela. O coração de Chichi salta e um nó se forma na garganta, suas pernas ganham uma força incomparável e ela então se levanta e corre ao seu encontro enquanto as lágrimas voam de seus olhos. Gohan também corre enquanto chora e ele se joga nos braços da mãe, enquanto essa – depois de pega-lo no ar – se ajoelha no chão e se esfrega nele. Os deuses mais uma vez choram e então aplaudem, sentindo o KI de Gohan extravasar de tanta alegria.

Son e Leben se movem para perto de Videl que acabara de chegar, os dois deuses então a abraçam e Videl chora de felicidade ao ver a felicidade no rosto e nas lágrimas de mãe e filho. Chichi começa a encher o filho de beijos, fazendo-o rir, ela então começa a perguntar como ele está, se tem fome, sede, calor, frio, dor e demais coisas que toda a mãe pergunta, Gohan sorri e só com um abraço a responde, fazendo Chichi se acalmar e retribuir o abraço de forma carinhosa e necessitada. Goku – que ainda estava com Goten em seus braços – chora de felicidade ao ver aquilo, foi então que Goten percebe quem é que sua mãe está abraçando e ele desce do colo do pai, ficando apoiado a ele ainda.

-Mano! Grita Goten eufórico.

Gohan e Chichi findam o abraço enquanto Gohan sente seus ouvidos chamuscarem diante da vozinha que lhe chamou, ele então vai  meio engatinhando ao encontro de seu pai e seu irmão, lembranças de quando Chichi lhe contou sobre a gravidez lhe deixaram apreensivo, além das lembranças sobre o seu comportamento frio para com Goten, o neném chama por Gohan, porém este – mesmo estando mais perto – não consegue avançar mais, foi então que Goten faz algo além, ele se solta do pai e vai caminhando, passo por passo, até Gohan, se agarrando a ele e lhe sorrindo, chamando por seu irmão novamente. Gohan sente seu coração explodir, seu irmãozinho veio até ele com seus primeiros passos.

O mestiço mais velho não aguenta e chorando, agarra o irmãozinho em um abraço de urso, o apertando contra si com saudade, com anseio, com certa gana, com tremor mais sobretudo, com amor. Goku também não aguenta e abraça seus filhos assim como Chichi. Todos os deuses choram copiosamente com a visão que tinham e além de aplaudir, eles gritam palavras de encorajamento, de força, de alegria e de fé. Videl é abraçada por Leben e Son e o trio chora muito enquanto vê a reconstituição familiar, enquanto vê os corações dos integrantes daquela família sendo concertados, ligados, sarados, curados. O abraço dos quatro finda, mas Gohan não larga Goten, nem Goten larga Gohan, o mestiço então pega seu irmão e o coloca na garupa, correndo com ele pelo salão, Goku corre atrás dos filhos enquanto leva Chichi em seus braços, os risos dos quatro enchem o local. Quando a família para de correr, Gohan olha para Videl e a chama com um gesto, a morena fica sem entender de primeira, porém quando entende, ela fica encabulada e vai até a família em total vergonha, Chichi – na hora que a viu – se lembra da menina que a levou para ver Gohan as escondidas, Chichi então se aproxima, se ajoelha e pega nas mãos da menina, agradecendo pela vida de Gohan, Videl sorri e agradece também, Goku sorri com aquilo e então passa a pensar:

–Meu maior desejo um dia foi ser o mais forte, mas... depois que eu conheci a Chi... eu só desejei ter uma família... e agora... eu tenho minha família... eles são o meu troféu!

Goku chora e então se aproxima de Gohan, o pegando desprevenido em um abraço de urso, fazendo-o se assustar, porém quando ele sente o abraço do pai, ele não se contém e chora, retribuindo o abraço na mesma intensidade.

Sim... para Goku, Gohan sempre seria seu maior troféu.


Notas Finais


Olá di novo!
Gente, eu to chorando aqui... esse cap vai significar muito pra mim, muito mesmo! Espero q tenham gostado, desculpem qualquer erro de ortografia, eu nem revisei, só postei mesmo.... mas espero q esteja bom!
Prox cap: Voltaremos nossa atenção a Goku pré-adolescente e sua turma!
Kissus de felicidades (todo mundo precisa disso, ainda mais nos momentos dificeis!) e até! o/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...