História Escritores da ZL - Capítulo 1


Postado
Categorias Originais
Tags Marrieta, Originais, Undertale
Exibições 25
Palavras 1.532
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Crossover, Ecchi, Ficção, Ficção Científica, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


OIE.

O próximo eu não sei quem vai fazer.

Só sei que não estou em Alagoinhas.

Capítulo 1 - Que Comecem Os Jogos Zoeirísticos!


Giovanna Point Of View:

Foi a primeira vez que nós nos encontramos pessoalmente. Eu, Ryan, Paulo e Yasmin. Eu agora tenho 19 anos, Ryan 21, Yasmin 20, Paulo 27. Como eu tinha me mudado para Londres ano passado, eles tinham ido me visitar, e marcamos no café que é perto. Conversando sobre nossos livros, o Mochileiro das Galáxias (o que eu escrevi), Como Treinar o Seu Dragão (Ryan que fez), Sherlock Holmes (Yasmin) e Percy Jackson (Paulo).

-As pessoas dizem que não podem viver sem amor.-Falei, e todos pararam. Sabiam que era algo que era entrelaçado com o que eu penso. Posso parecer só uma piadista, mas... eu sempre penso em coisas importantes. Pensei em falar sobre mim. Sobre o que eu sofri. Mas mudei de ideia.-Mas eu acho que oxigênio é mais importante.

-Nossa. Sério isso?-Ryan falou, entre risos.-Eu aqui esperando algo profundo, e tu vem com uma piada.

-Bem a tua cara.-Yasmin falou, mas saiu meio estranho, porque ela também estava rindo.

-Verdade.-Paulo falou, e parou de rir. Todos paramos. Um som estranho. Agudo e contínuo. Quase insuportável.-O que é isso?

Eu paralisei. Esse som... tão conhecido, mas... não podia existir. Não, não, não. Eu tinha imaginado ele. Uma alucinação em conjunto, só podia ser! A única explicação viável e plausível era que tinha sido só uma alucinação conjunta. Mas... era tão real!

Eu só vi o pequeno buraco no chão. Um pequeno buraco preto como o crepúsculo, e eu só pude gritar. Como ele podia estar ali!?

-Temos que sair. Agora.-Falei, desesperada. Eu me levantei com pressa, pegando minha mochila e meu livro, deixando o pagamento do café na mesa.-Vamos, é urgente!

-Ei, ei, calma!-Ryan me segurou pelo cotovelo, me parando.-O que houve?

-Larga!-Eu me desprendi e comecei a puxar Paulo e Ryan, e Yasmin se levantou.-Temos que ir rápido, não dá tempo de explicar!-Eu olhei de novo. Estava enorme, como eu sempre imaginava que ficava.-Ah não...

Então caímos. E eu senti como se tudo se esvaísse em um segundo. E um clarão.

"Porquê eu me sinto tão estranha?" Eu pensei, enquanto sentia tudo se esvaindo. "Eu sei que essa é a sensação. Eu sempre descrevi isso nos meus livros. O portal sempre acaba dando coceira, e cócegas, mas aqui é diferente. Quase como se eu estivesse sendo desintegrada, reintegrada, pulverizada, espancada, torturada e em seguida alguém jogasse sal nas feridas e mergulhasse meu corpo em água do mar. É diferente."

Refleti, tentando lembrar de quê sensação era essa. Então me atingiu como um soco: "Desmemoriador Sônico 2000, a máquina criada por Nêmesis, mas misturado com o Copiador Memorial Sensorialmente Avançado de Marrieta...".

E então tudo ficou preto.

Marrieta/Giovanna Point Of View:

Eu acordei, como se tivesse sido só um sonho ruim. Eu fiquei meio confusa. Não era minha casa, não era o café, não era nenhum lugar que eu reconhecia. Olhei em volta. Tudo escuro, e eu não achava interruptor nenhum. Vi uma porta. Corri até ela, e percebi ser um banheiro. Liguei a luz e olhei para o espelho. Soltei um grito tão alto que deu para ouvir algo do andar de cima, algo caindo e resmungos.

Meus cabelos loiros escuros tinham sido substituídos por cabelos brancos com pontas lilases. Meus olhos verdes cinzentos eram os mesmos. A minha pele tinha clareado um pouco. Eu agora tinha sardas nas bochechas e no nariz. Tinha crescido mais ou menos uns 10 centímetros. Minhas roupas estavam um milhão de vezes mais coloridas, como se eu tivesse sido jogada de cabeça num arco-íris ou estivesse numa propaganda de lápis-de-cor ou giz-de-cera, todas meio picotadas.

Eu me olhei bem. Eu sabia que aquela aparência não era a minha. Era a de Marrieta. Marrieta, a minha personagem. Minha alter-ego. Minha amiga nas horas difíceis. Viajante interdimensional, filha de Hades e de Giovanna (sim, nas histórias ela é minha filha, mas não, ela não saiu de mim. Foi moldada a partir do sangue de Hades e do meu, e seu corpo modelado com o da avó morta, feito para ficar como embrião e crescer ao ar livre como um bebê dentro da barriga da mãe. Tornada imortal. Podia ser morta por armas, mas não morria de doenças nem de velhice. Criou uma legião de seguidores que formaram o "Esquadrão Interdimensional de Resgate ás Crises", á E.I.R.C., como me acostumei  chamar). Quem protagonizava todas as minhas histórias.

-Ei, tudo bem?-Eu me virei e dei de cara com um tipo de dragão deformado humanoide fêmea.-Marrie, você tá se sentindo bem?

E minha reação foi calma, organizada e racional: ...

-AHHHHHHHHHHHHHHHHHH SOCORRO DRAGÃO METAMORFO DEFORMADO MUTANTE HUMANOIDE SOCORRO PRECISO DE AJUDA CHAMA A SAMU!!!-... E tentei sair correndo. Quando não deu certo, tentei sair pela janela. Uma mão meio escamosa pegou meu braço, para eu não cair de cara no chão do lado de fora.

Eu tento me debater, balançar, me soltar, mas seja lá quem fosse, conseguiu me puxar. Quando eu olhei, era uma versão macho da fêmea escamosa humanoide reptiliana voadora. E, novamente, minha reação foi calma, fria, calculista e controlada:

-AHHHHHHHHHHHHHHHHHH SOCORRO IRMÃOS DRAGONITE ME ATACANDO SOCORRO QUERO AJUDA ME SOCORRAM QUERO FUGIR EMAAAAAAAAAAAAAAAA!!!!!!-E então o dragão se assustou.

-Gi!? O que aconteceu com a tua cara?-Eu reconheci a voz imediatamente.

-RYAN!? CARA, CORRE PRO MÉDICO, TU VIROU UM RÉPTIL VOADOR COM CORPO METADE HUMANO!!!-Eu gritei, e o empurrei para o espelho, e a réptil fêmea só ficou surpresa. Ele gritou e se surpreendeu ao ver que era uma versão humanoide do Banguela.

-Pera, na verdade...-Ele deu uma rodadinha.-Eu... eu sou o Nicholay!?!?!?

-Já pararam de surtar?-A fêmea perguntou, e começou a rir.-Óbvio que você é o Nicholay, Nick.

-Shhh, fique quieta, fêmea reptiliana humanoide!-Falei.-Se ele é o Nicholay, eu devo ser Marrieta.-Eu comecei a caminhar devagar.-E Yasmin deve ser Frisk. Paulo Five. Mas onde eles estão, eu me pergunto...

-Acho que vocês piraram de vez.-Ela já ia saindo, mas o Nick a puxou.

-Espera. Você é a July. Então...

-Completa a frase, retardado.-Eu falei, com uma cara de quem acordou e caiu de cara no chão.

-Eu... EUTENHOUMAIRMÃZINHAEUTENHOUMAIRMÃZINHA!!!!-Ele começou a entrar em choque.

-Cara. Grande coisa. A gente está em corpos diferentes, terreno hostil e desconhecido, e você se preocupando que agora você tem uma irmã.-Eu dei um belo de um tapa na nuca dele.-SE CONTROLA, GURI. ALA PUXA TCHÊ.

-AI. NÃO BATE EM MIM, RETARDO!

-AH, TU VAI VER, SENTIMENTAL DA PORRA!

(Só acho que a gente ficou meio mal-humorado com essas viagens interdimensionais, porque começamos a brigar do nada.)

A gente basicamente começou a se espancar (de verdade). Eu chutava, batia, mordia, e ele também, daí a July se pôs entre nós.

-O QUE DEU EM VOCÊS?

-SEI LÁ, SÓ SEI QUE ESTAMOS BRIGANDO E GRITANDO SEM MOTIVO NENHUM, E BATER É ENGRAÇADO!!-Respondi, aos berros.

Marrieta/Giovanna Point Of View Off:

Nicholay/Ryan Point Of View On:

  Por mais que tivéssemos ficada 30 minutos brigando e e ela me enchendo de bolacha, só doía mesmo os que ela me acertou no olho e no focinho, logo segurei os braços dela, e ela parou . Aproximei meu focinho de seu ouvido e sussurrei: 

-Vê se para , temos que agir como se fossemos os personagens e não duas crianças de 2 anos de idade . -Olhei para o lado e vi July com um sorriso malicioso.-Maninha , nem pense em .....

- Já shippo!

-Mana você entendeu errado, e você sabe muito bem que não me interesso por qualquer uma ...

-QUALQUER UMA ?!- ela falou com raiva e fogo de verdade nos olhos .- VOCÊ QUE MORRE NÉ FILHO DA PUTA !?!

-Fudeu de vez , corre moleque!-Falo saindo correndo caralhamente .

-Ninguém fala assim da nossa mãe!-grita July correndo atrás da Marrie , e a congelando com seu poder de cuspir chamas congelantes ( não me pergunte o porque) . Por causa que a Marrie Tava perto de mim , ela congelou minha calda junto

-Mana...... podia ter a congelando sem me congelar junto ?-Falo calmo e irritado .

-Desculpas.-Ela fala me abraçando.-Foi mal mano.-Por algum motivo eu queria ficar no abraço, era tão confortável.-Mano, pode me soltar agora.

-Desculpa!-Falo a soltando.-Pega o lança-chamas na cozinha.

Nicholay/Ryan Point Of View Off:

Narradora Point Of View On:

Ela saiu indo até lá, e voltou com o lança-chamas na mão.

-Tomara que não asse ela.-July falou, e mesmo congelada, deu para ver a Marrie arregalando os olhos.

(Depois de um tempo descongelando)

-ARGH.-Marrieta saiu do gelo furiosa.-Odeio quando me fazem de trouxa.

-Finalmente!-July dá um tapinha amigável no ombro dela.-Essa é a Marrie que eu conheço! Uma resmungona de coração mole!

-Valeu.-Marrieta pôs a mão atrás da cabeça, o símbolo universal da vergonha.-Desculpa pelo surto de antes. Acho que essa viagem interdimensional mexeu um pouco com os meus neurônios!

-Uma resmungona de coração mole e nerd interdimensional.-Acrescentou Nicholay.

-Só não quebro seu braço porque tem leitores menores de idade lendo.-Falou Marrieta, e olhou para os leitores.-Ou vocês não se importam?

-Com quem você tá falando?-July olha na mesma direção.

-Com ninguém não.-Disfarçou a de cabelos platinados.

-Tudo bem então, né...-July deu de ombros. Marrieta sempre falava sozinha. Era esquisita assim mesmo.

Bem, eu narrarei depois. Hora de descansar.

Narradora Point Of View Off:


Notas Finais


PASSO A VEZ MAGICAMENTE PARA NOCHOLAY. AGORA XÔ, VAI FAZER O CAP.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...