História Especiais 2 - Luta no Mundo dos Humanos - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 3.962
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Mutilação, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Eaê, people! Gaby aqui trazendo para vocês mais um capítulo. O último dessa temporada! Sim, galera, aqui finalmente teve seu final, finalmente. Espero que gostem, pois deu um pouco de trabalho e uma imensa dor no coração por acabar. 😢
Mas não se esqueçam, terá a TRECEIRA TEMPORADA, então fiquem ligados. E então? O que querem saber nas curiosidades? Coloquem suas dúvidas nos comentários! Boa leitura!

Capítulo 17 - Capítulo XIV - Batalha final, finalmente em paz!


Escuridão. Só era isso que aparecia na minha frente. Por mais que tentasse, não conseguia mover um músculo. Uma dor incomoda e aguda estava presente no meu peito. Não me lembrava do que havia acontecido, nem onde estava.

Pequenos fleches apareceram na minha mente. O Eclipse... A luta contra Nakomo... Daquele Deus maldito me golpeando... Talvez isso explicava a dor no peito.

Então eu havia morrido? Não podia ser verdade... podia? NÃO! É claro que não era verdade! Não posso morrer, logo agora! Não podia nem pensar nisso!

- Mas aconteceu, "Princesinha". Ou melhor, irá morrer em alguns minutos, ou horas. O importante, e que não vai passar desse Eclipse - Falou uma voz, que parecia que eu conhecia bem.

- Quem está aí? - Gritei - Se mostre!

- Não converso com você alguns dias, e você já se esquece de mim? - Debochou a voz, que logo se revelou, numa sombra vermelha.

Olhei surpresa. Como ela estava livre? O que havia acontecido?

- O que você está fazendo aqui? - Perguntei, em fúria - Onde você me trouxe?

- Relaxe, Moore. Não vou te atacar nem nada do tipo - Meu Demônio Interno falou - Estou aqui para fazer um acordo com você.

- Um acordo? - A encarei.

- É basicamente uma trégua passageira - Ela fez um sinal com a mão, como se dispensasse minha pergunta, e me olhou desinteressada - É o seguinte. Eu não quero morrer agora, e tenho certeza que você também não quer fazê-lo. Você sabe que não é capaz de você ou aquele seu namorado idiota derrotar o Deus inútil que te aprisionou naquela escola ridícula, e, se depender dele, aquela sua previsão do futuro vai se concretizar. Meu acordo é simples. Vou te dar minha força para o derrotar. Você sabe que, como Especial Interno, não entro naquelas regras imprestáveis, de minha Energia abaixar num Eclipse. Mesmo ele sendo um Deus, que, de acordo com a escala de força dos Especiais, ele deveria ser mais forte que você, todos nós sabemos que não é bem assim que acontece - Ela tomou fôlego e continuou - Sou imune ao Eclipse, por assim dizer. Posso te emprestar meu poder para derrotá-lo - Ela estendeu a mão, sorrindo irônica - Temos um acordo?

Comecei a aproximar minha mão da dela, mas lembrei sobre os tais "acordos" com seus Especiais Internos. Já havia visto isso em um livro, anos atrás. Hesitei.

- O que você vai querer em troca? - Perguntei, desconfiada.

Ela abaixou a mão, ainda com o sorriso irônico.

- Minha liberdade.

- Como é? - Praticamente gritei.

- É muito irritante ficar apenas numa cela quando estou na sua inconsciência. Não se preocupe. Não me interesso em ter posse do seu corpo, afinal seu pai também irá ficar na minha vigília, mesmo com este acordo, e até eu não sou louca o suficiente e prezo pela minha vida para enfrentá-lo. Apenas não vou mais ter aquelas barras me segurando. Ah, e claro, aquele colar que sua mãe havia lhe dado para controlar sua Energia, terá que ser quebrado.

Continuei hesitante. Até que pensei em Alaric. Ele ainda lutava contra Nakomo, sozinho. Não queria deixá-lo lutar sozinho, e sei que seria melhor ter o poder do meu Demônio Interno ao meu favor. Fechei meus olhos e estendi a mão, respirando profundamente.

- Temos um acordo.

Senti rapidamente ela segurar minha mão, e a sensação de que nossas almas estavam se conectando.


P.O.V. ALARIC

Aquela cena não saía da minha cabeça. Pensar que eu vi Jade sendo atingida na minha frente, e não pude fazer nada... Aquilo me enfureceu. Não pensava em mais nada naquele momento, à não ser matar Nakomo de uma vez. Sentia as lágrimas caírem do meu rosto, mas não me importava.

A Energia da Jade estava cada vez mais fraca, e eu sabia que tinha que fazer algo logo, à tempo de usar minha Energia para a curar. Jade já havia me falado das únicas maneiras de se matar um Demônio, e, bom... o jeito que Nakomo usou era uma delas. A prova de que isso iria acontecer em breve, era Akihiko, que ainda empunhava, que tinha seu brilho se apagando rapidamente. Sei que nossas Armas Invocáveis, ao se conectar conosco, sentiam e agiam da mesma forma que nós. Se Akihiko estava se apagando, Jade logo iria...

Me distraí com esses pensamentos, o que se mostrou um erro. Senti Nakomo me lançar para trás, onde rolei alguns metros antes de parar. Me levantei rapidamente. Olhei para o céu. Estava com cada vez menos tempo para acabar com Nakomo de uma vez por todas e vingar Jade.

De repente, algo muito inesperado aconteceu. Akihiko aumentou radicalmente seu brilho, e pareceu ficar com mais... "vida", por assim dizer. Olhei para Jade, que se mantinha deitada um pouco longe da batalha, onde havia a colocado quando achei uma brecha. Vi que todo seu corpo queimava em chamas.

À princípio, me assustei, e corri em sua direção. Porém, parei no meio do caminho, quando a vi levantando lentamente. Vi que as chamas cobriam suas roupas logo se dissiparam, o que tinha a transformado completamente. Ela, agora, usava uma blusa em estilo marinheiro vermelho, com uma gravata solta rosa, uma saia um palmo acima do joelho, também vermelha e rosa. Também, pela primeira vez, um rabo de gato aparecer, saindo por debaixo de sua saia. Um tipo de luva vermelha cobria completamente seus antebraços. Sua franja cobria parte do seu rosto, onde não conseguia ver seus olhos, que com certeza estavam vermelhos. A maior parte de seu cabelo liso escorria pelas suas costas, mas duas mechas na frente haviam sido presas em marias chiquinhas vermelhas.

Senti um movimento perto de mim, e vi Nakomo prestes a me atacar, o que me fez desequilibrar e cair. Esperei sentir o impacto, mas ele não veio. Em vez disso, vi que Jade ficou na minha frente, e segurava a espada de Nakomo com uma das mãos, como se não fosse nada. Reparei em algo brilhando por debaixo de seu cabelo, em sua nuca. Me lembrei do dia em que ela me mostrou sua Marca, bem no dia em que "conheci" Nakomo. Jade me olhou por cima do ombro, e pude ver que seus olhos brilhavam na mesma intensidade da sua Marca.

- Você está bem? - Ouvi sua voz, que parecia um pouco mais profunda, mas não deixando o mesmo tom que sempre usava, manso e tranquilo.

Eu não respondi nada, ainda impressionado com aquilo. Ela se virou para Nakomo e, com um simples ataque, com sua mão livre, lançou Nakomo alguns metros para trás. Arregalei os olhos.

- O que foi que aconteceu? - Perguntei.

Ela se virou, me ajudando a levantar.

- Longa história - Ela sorriu de canto - Digamos que, neste Eclipse, não perderei minha força - Ela finalmente pareceu reparar em sua roupa e aparência - Que incrível! Tenho que agradecer meu Demônio Interno depois.

- O que disse? - Olhei para ela confuso, a fazendo rir.

- Como eu disse, e uma longa história - Ela falou - Depois eu explico. - Sua expressão ficou séria, e vi seu olho brilhar ainda mais - Agora, acho que temos um outro assunto para resolver.

Assenti. Jade se colocou ao meu lado, e entramos em posição de ataque. Nakomo se levantava do golpe de Jade, parecendo desnorteado. Olhei para sua espada que ainda segurava; conseguia ver a marca perfeita dos dedos de Jade onde ela havia segurado, danificando-a. Nakomo parecia incrédulo.

- Isso é impossível! Como é que...? - Deixou a frase morrer no ar - Não importa. Vocês vão morrer logo. É apenas uma questão de tempo!

Ele veio em nossa direção, e uma névoa nos envolveu. Percebi que era veneno. Cravei Kiiro-No-Ken no chão, formando uma barreira. Olhei para o lado, mas Jade não estava lá. Entrei em desespero naquele instante, até que a vi atrás de Nakomo, começando uma luta corpo a corpo com ele. Ela desviava dos seus ataques perfeitamente, conseguindo atingir vários golpes nele. Não parecia que o veneno dele fazia efeito nela. Lembrei que Izzie me explicou uma vez que, depois que algum tipo de veneno entrava no organismo dela ou de Jade, seu corpo rapidamente criava anticorpos com o antídoto, por causa de todo aquelas "torturas" que Akuma havia as dado. Depois que Jade me contou toda aquela história sobre o pai dela, acabei entendendo do porquê daquilo tudo.

Sabia que precisava fazer alguma coisa. Não podia sair da barreira de Kiiro-No-Ken, por causa que a névoa ainda se fazia presente. Foi quando lembrei do que Jade falou uma vez, enquanto treinavamos para eu aumentar meu nível de Energia.

~Flashback on~

Jade havia me atacado novamente com Akihiko. Não havia conseguido acompanhar sua velocidade para me proteger com Kiiro-No-Ken, então a espada me fez um corte profundo. Coloquei a mão em cima do corte, tentando conter o sangue, e soltei um gemido de dor. Ela parou no mesmo instante, suspirando.

- Alaric! Se continuar assim, não vai conseguir atingir sua Energia nem no nível A! - Advertiu.

- Eu sei! - Resmunguei - Não tenho culpa de você ser rápida e me atacar antes de me proteger!

Ela se aproximou de mim, pegando meu braço machucado, e usando um pouco de sua Energia para me curar. Não fazia um trabalho tão bom como o de Izzie, afinal sua habilidade de cura era mais eficaz em se auto curar, mas já dava para o gasto, deixando apenas uma pequena cicatriz. Vi os olhos de Jade brilharem vermelhos, e ela se afastou de mim, fechado os olhos fortemente e respirado profundamente.

- Honestamente, Alaric. Se continuar assim, qualquer dia não vou conseguir me segurar - Ela abriu os olhos novamente, que já tornava castanho novamente - E tem outra coisa, você não está se defendendo rapidamente porquê não quer!

- Como é? - Já olhava para ela um pouco nervoso.

- Não me olhe assim, é a verdade - Ela deu um longo suspiro, colocando uma mão na cintura - Alaric, você sabe que as Espadas Gêmeas são opostas, mas, ao mesmo tempo, trabalham em conjunto certo?

- Já sei - Falei - Mas por quê diz isso?

- A Akihiko significa as Trevas; Kiiro-No-Ken, a Luz. Ela significa o Mundo dos Humanos; Ele, o Mundo dos Especiais. Ela significa a Energia Obscura; Ele, a Energia Espiritual. Percebeu? - Ela se sentou, colocando sua espada na sua frente, me indicando para fazer o mesmo, e assim o fiz.

As duas espadas vibraram, como sempre faziam quando estavam juntas, formando, praticamente, o Yin Yang em vermelho e amarelo.

Ela continuou:

- Sabe que as Espadas Gêmeas, além de tudo isso, significam o equilíbrio dos Dois Mundos - Ela olhava para as Espadas Gêmeas - Então, não se esqueça, Alaric, pois isso pode ser fundamental na batalha contra Nakomo. Quando você está numa luta com as duas espadas, Kiiro-No-Ken poderá fazer barreiras quando você quiser, e não apenas quando fincada no chão. Enquanto isso, Akihiko poderá assumir uma espada maior e mais forte para atacar seus inimigos, como deve se lembrar que aconteceu com ela no ataque do meu pai na escola - Ela finalmente me encarou - Quando usadas juntas, Kiiro-No-Ken e Akihiko formam uma combinação de ataque e defesa indestrutível. Se isso acontecer, nossa vitória é certa.

~Flashback off~

Me levantei. Kiiro-No-Ken ainda formava aquela barreira em minha volta. O coloquei na bainha pendurada nad minhas costas, onde conseguia me movimentar livremente. Segurei fortemente Akihiko. Vi que as duas Espadas Gêmeas brilharam intensamente, parecendo passar todas as suas Energias uma para a outra. Percebi Akihiko pesar um pouco, e vi que ela aumentara de tamanho. Sorri de canto. Estava na hora de acabar com tudo aquilo de uma vez.

Me dirigi onde Nakomo e Jade ainda lutavam. Jade percebeu minha presença e sorriu de canto. Nakomo parecia tão concentrado na luta com ela que nem reparou na minha aproximação.

Nakomo tentou acertar mais um golpe com sua espada em Jade, que desviou perfeitamente. Ela segurou na lâmina, soltou uma risada baixa e direcionou-a para Nakomo. Com apenas um empurrão, Jade cravou a espada bem na barriga de Nakomo, que não conseguiu desviar.

- Alaric! Agora! - Ela gritou para mim.

Na hora que que Nakomo iria virar, consegui cravar Akihiko em suas costas, que vi cuspir sangue negro.

- Isso não pode ser verdade... - Ele falava, já com dificuldade - Vocês não podem me derrotar...

- Está acabado, Nakomo - Falei, enfiando Akihiko mais fundo em suas costas - Está derrotado. De uma vez por todas.

- Não - Vi ele soltar uma risada - Se eu irei cair, os dois vêm comigo.

Ele agiu rápido. Nakomo usou uma força que não sei de onde tirou, retirando a sua espada, atacando Jade longe com uma Bola de Energia Espiritual. Ouvi a gritar de agonia, e depois seu silêncio e ela não se mexeu mais. Tentei gritar seu nome, mas apenas vi Nakomo me dar um golpe certeiro com sua espada na região do meu abdômen. Agonizei, sentindo o veneno da espada começar a correr pela minha corrente sanguínea.

De repente, vi Akihiko pulsar, e o que pareceu chamas azuis bem escuras envolve-la. As chamas logo se alastraram pelo corpo de Nakomo, que começou a gritar de dor e agonia. Vi ele virar, finalmente, cinzas, que se dividiram pelos ventos. Percebi, finalmente, que Nakomo estava morto.

Respirava com dificuldade. Parecia que meu sistema respiratório estava derretendo. Olhei para onde Jade estava. Sua forma Nekora já não estava mais presente, e ela não se mexia. Me aproximei cambaleante para perto dela, ainda ao seu lado logo que cheguei perto. Grande parte de seu corpo estava queimado por causa do ataque de Nakomo. A virei de barriga para cima, aproximando minha orelha do seu peito. Suspirei aliviado quando vi que seu coração ainda batia, mesmo que fraco.

Senti meu corpo ceder, e caí ao lado de Jade. Senti minha visão escurecer, e a última coisa que vi foi o Eclipse Lunar começar.

***

Comecei a ouvir vozes. Elas pareciam distantes, mas estavam cada vez mais próximas. Logo reconheci ser da minha irmã e Izzie gritando com uma outra voz que não reconheci. Forcei-me a abrir os olhos, mas eles não queriam abrir. Afinal, o que aconteceu? A luta contra Nakomo, ele atacando a mim e Jade, o coração da minha namorada quase parando... Essa não... Jade!

Aquilo pareceu me dar a força que eu precisava. Como num pulo, abri meus olhos rapidamente. Me encontrei na enfermaria da escola. Usava um tipo de roupa de hospital, e vi que estava ligado à aparelhos que mediam meus batimentos, e o que parecia soro era me dado por uma agulha que furava meu braço.

Percebi que as vozes que se encontravam do lado de fora do quarto pararam, e logo vi a cabeça de Annie passar pela porta. Quando me viu, seus olhos se encheram de lágrimas, e ela correu em minha direção, me abraçando fortemente.

- Alaric! Nunca mais me assuste assim, me entendeu? - Senti meu ombro ficar molhado, e percebi que Annie chorava - Eu juro que, da próxima vez, eu mesma te mato!

Eu ri e a abracei também. Ouvi alguém piarrear, e Annie e eu nos separamos. Vi que Izzie estava encostada na parede, com os braços cruzados, e tinha um sorriso de canto quase imperceptível no rosto.

- É bom te ver acordado, Alaric - Ela disse, e se aproximou de mim - Annie, com licença? Tenho que tirar essas coisas dele logo.

Vi minha irmã se afastar, ainda sentada na cama e Izzie começou a tirar todos os fios do meu corpo. Por último, ela tentou tirar a agulha, que, quando movimentou, senti um pouco de dor. Ela retirou rapidamente, e reclamei.

- Desculpe - Ela soltou uma risada, que me fez duvidar se ela estava realmente arrependida.

- Sei - Falei - Quanto tempo fiquei dormindo?

- Contando que hoje já passam das três horas da tarde? Quase três semanas - Respondeu Izzie.

- Três semanas? - Me surpreendi, e logo lembrei - Onde está a Jade?

Vi o sorriso de Izzie sumir, e Annie me olhou com uma cara não muito boa, o que me deixou bem apreensivo.

- Está no quarto do lado - Minha irmã disse - Parece que a luta que vocês tiveram foi bem acirrada. Jade entrou em estado de coma, e as enfermeiras disseram que não sabem quando isso vai acontecer.

Não esperei ela falar mais nada. Me levantei rapidamente da cama, correndo até o quarto ao lado. Ouvi Annie gritar meu nome, mas Izzie falou para ela me deixar. Quando abri a porta, vi Jade com os olhos fechados. Ver aquela cena me trouxe uma nostalgia do dia em que acordei depois da nossa primeira luta, há um ano atrás. O sentimento foi o mesmo.

Me aproximei da cama, sentindo meu coração se apertar cada vez mais. O corpo dela estava coberto até seu pescoço. Parte do seu rosto mostrava a marca de uma queimadura. Sua expressão era tranquila que, se não fosse pela máscara que a ajudava a respirar, pensaria que ela estava dormindo. Aquilo poderia partir até o mais frio coração.

Segurei sua mão, sentando em uma cadeira ao lado da sua cama, fazendo um carinho ali com meus dedos. Vi que ela respondeu, ao ouvir o "bip" da máquina que mostrava seus batimentos aumentar a velocidade. Dei um leve sorriso com isso, mesmo que triste.

- Jade... - Minha voz acabou saindo da minha boca - Espero que esteja me escutando. Sei que é um pouco estranho estar falando com você quando está assim, mas dizem que as pessoas conseguem ouvir outras quando estão em coma. Não custa tentar, não é? - Acabei rindo um pouco - Fico feliz que não tenha morrido, mas preciso que você acorde logo - Dei um suspiro triste - Você já me deu vários sustos desde que nos conhecemos, e parece que está difícil de você entender que precisa parar com isso, não? Por favor. Só preciso que abra os olhos logo. Não suporto nem por um segundo te ver nesse estado.

Fiquei com ela por mais algum tempo, que foram os mais longos da minha vida.

Nem reparei quando peguei no sono, mas acordei com uma mão delicada e macia me fazendo carinho na cabeça. Quando percebi, Jade me encarava com um sorriso, e seus olhos brilhavam como nunca.

- Jade! - Me levantei rapidamente, a abraçando.

Senti escorrerem lágrimas dos meus olhos, mas não me importei com isso. Jade continuou a me fazer carinho, correspondendo ao abraço. Logo que me afastei, olhei para ela.

- Como está se sentindo? - Perguntei.

Ela corou um pouco quando me viu e cobriu seus olhos com as mãos. Ela ainda estava com a máscara de ar, o que abafou um pouco sua voz, mas consegui entender muito bem o que ela disse.

- Você está usando uma roupa de hospital. Agora entendo o porquê de muitas pessoas ficaram com a coberta sobre as pernas.

Percebi o que ela quis dizer com aquilo e também corei. Meu rosto daria para comparar com um tomate facilmente. Aquela roupa cobria apenas um pouco mais de um palmo do meu quadril.

Ela apontou para uma pilha de roupas, dizendo que o pessoal havia deixado roupas extras para nós dois quando fôssemos sair da enfermaria. Vi que a roupa que o pessoal trouxe eram as mesmas que normalmente usava no dia a dia. Me vesti rapidamente, enquanto Jade ainda tampava os olhos, ainda corada. Assim que terminei de me arrumar, me aproximei novamente de Jade.

- Pronto Jade. Já pode abrir os olhos - Eu falei, ainda um pouco corado.

Ela tirou as mãos dos olhos, me olhando de cima a baixo. Acabou sorrindo de canto.

- Essa roupa me faz lembrar do dia em que você entrou na escola, logo depois de que eu, Izzie e Irame te salvarmos daquele grupo de Espectrais.

- Nem me lembre disso - Falei com uma gota na cabeça.

- E por quê não? - Ela sorriu - Lembrar disso pode mostrar o quanto você evoluiu! Isso é bom!

- Se você diz - Eu ri, e me sentei ao seu lado na cama, e ela deitou a cabeça no meu ombro.

Com aquela aproximação, conseguia ouvir o barulho da máquina de ar, que Jade ainda não havia tirado. Aquilo era um pouco preocupante para mim, pois, se tratando de Jade, seria a primeira coisa que ela tiraria e já estaria por aí.

- Como está se sentindo?

- Ainda não estou 100% - Ela admitiu - Meu corpo inteiro está dolorido ainda, por causa daquele último ataque do Nakomo, e não consigo respirar sozinha ainda. Acho que mais alguns dias aqui, já estarei melhor para voltar a ativa.

- Por isso não tirou a máscara de ar? - Ela assentiu - Jade, agora que mencionou em ficar aqui por um tempo...

- O que tem?

- Vai voltar para a escola?

Ficamos em silêncio por um tempo, até que a vi soltar um suspiro.

- Não sei - Jade falou - Não é que eu não quero, mas não sei se ainda estou pronta para encarar todos na escola. Um pouco antes de você acordar, Senhora Akeme veio aqui e me fez a mesma pergunta. Não dei uma resposta para ela, e disse que eu iria pensar.

- Ela descobriu sobre o Demônio Vermelho? - Perguntei, já preocupado.

- Na verdade, Izzie acabou falando sobre, quando foi passar o relatório da missão. Ela falou que ver o que conseguia fazer para acobertar o assunto do Demônio Vermelho para os Espaciais Antigos - Ela me encarou, dando um sorriso fraco - Não consigo acreditar que não vai acontecer nada comigo.

- Bom, você e eu impedimos que o Mundo dos Especiais fosse destruído mais uma vez. Nada mais justo do que fazer isso - Coloquei meu braço no seu ombro, a puxando para mais perto e a abraçando.

- Sei disso - Falou - Mas ainda sim é um pouco... difícil de imaginar que não irá acontecer nada comigo.

- Se quer tanto que algo aconteça, tenho uma proposta - Brinquei.

- O quê? - Ela me olhou surpresa e confusa.

Eu ri. Me levantei da cama, assumindo uma postura séria e fazendo o sinal da Equipe 2.

- Como atual Mestre da Equipe, eu, Alaric Allan, eu assumo a responsabilidade sobre seu destino, que, ao cometer o crime de ser o Demônio Vermelho, onde matou vários Especiais Banidos, entrou numa lista de perigo nível S.

Jade acabou rindo, mas acabou entrando na brincadeira.

- Claro, Senhor Alaric Allan. Aceitarei o destino que me der.

- Mostrando sua força, destreza e inteligência em um campo de luta, logo após de ter se redimido de seus atos como o Demônio Vermelho, acho que o melhor seria te colocar novamente na Escola para Meio-Especiais. Eu, Alaric Allan, te coloco na Equipe 2, Primeiro Esquadrão - Sorri de canto - E te passo sua missão na Equipe. A partir de agora, assumirá como a Mestre da Equipe novamente. Claro, assim que sair deste quarto da Enfermaria.

Ela arregalou os olhos, surpresa, mas logo deu um imenso sorriso, e seus olhos brilhavam intensamente.

- Alaric! - Ela falou, simplesmente.

Me aproximei novamente dela, dando um beijo no topo de sua cabeça.

- Aceita a missão dada por seu Mestre, Senhorita Jade Moore?

- Claro! - Ela praticamente gritou, que foi abafado pela máscara de ar, e se jogou nos meus braços, me abraçando fortemente.

Pois é. Parecia que tudo iria voltar à ser como antes.


Notas Finais


Mais uma vez, se estão lendo aqui, já aviso que tomarão spoilers da próxima temporada!

A terceira temporada será voltada para os Grandes Jogos Inter-Escolares, tendo a temporada totalmente em volta deles. Lá, todas as escolas colocarão seus melhores alunos para competirem, mostrando novos personagens que, com toda certeza, causarão intrigas e confusão para nossos heróis, e ainda com direito à um novo vilão. O que posso adiantar? Ele terá, novamente, algum laço com as Gêmeas Moore!

Um beijão imenso, e vejo vocês no capítulo de curiosidades! Até logo!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...