História Espelho - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Agatha, Alexy, Ambre, Armin, Bia, Boris, Castiel, Charlotte, Dajan, Dakota, Debrah, Dimitry, Iris, Jade, Kentin, Kim, Leigh, Letícia, Li, Lysandre, Melody, Nathaniel, Nina, Peggy, Personagens Originais, Priya, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Senhora Shermansky, Thomas, Viktor Chavalier, Violette
Tags Amor, Amor Doce, Armin, Artes, Beleza, Bullying, Castiel, Desenhos, Drama, Família, Filosofia, Kentin, Lágrimas, Lysandre, Moda, Mudança, Namoro A Distancia, Nerd, Pinturas, Poesias, Romance, Sofrimento, Tristeza, Viktor Chavalier
Visualizações 53
Palavras 2.714
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Luta, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olaáaa!! ;u;
Espero que o app não bugue dnv !!
Aqui está mais um capítulo. Perdão pela falta de criatividade, mas tudo isso tem um motivo. Ksksks
Vamos ao capítulo!
(Desculpe pelos erros de português, eu realmente pareço uma cega que não consegue acha-los, e só acho quando já postei ;-;)
Vamos láaa!!

Capítulo 10 - Chuva


Fanfic / Fanfiction Espelho - Capítulo 10 - Chuva

Bela e Castiel — Sweet Amoris, França.

Afogando-se nas próprias lágrimas derramadas na blusa do ruivo, Bela soluçava em meio daquele Abraço, que cada suspiro que dava para recuperar o ar, era mais um motivo para continuar ali. Castiel ainda estava sem reação, parado, apenas escutando aquela voz maravilhosa de Bela enquanto chorava. Sentia as mãos da garota apertarem suas costas e esfregar o rosto em sua jaqueta de couro. O mesmo passa sua mão do topo da cabeça de Bela, até sua cintura, tentando amenizar seu Choro.

— Eu… desculpe.. Não queria te fazer chorar. Não sabia disso.. -Ele engole a seco.- Se quiser… quer falar sobre isso? -iniciou algo na tentativa de faze-la explicar melhor a situação.

Bela, sem nem espera-lo terminar de dizer, já começou a botar tudo para fora, juntamente com seus soluços e lágrimas.

— snif.. Eu estava em casa, snif, me preparando para receber meus pais e minha tia... Depois de algum tempo, eles queriam mesmo vir me visitar.. snif.. Só que.. a-ah.. Eu recebi uma l-ligação.. que avisava que meus p-pais sofrerão um acidente de carro a caminho d-do aeroporto!! Eu n-nem tive a oportunidade de ve-los por uma última vez, nem ouvir as s-suas vozes. E-eu não p-pude fazer nada! -Ela agarra ainda mais o corpo de Castiel com força, o que fez ele se arrepiar, um pouco desconfortável.- eu… eu estou s-sozinha agora… não sei mais o que faço.. Eu não sei o que fazer.. Eu não s-sei mais nada.. -Bela diz naturalmente, com aquela voz angelical, em meio de seus soluços e choro.

Cada palavra fez Castiel sentir uma grande pontada de culpa. E pensava, se não fosse por ele, Bela não estaria nesse estado todo.

— Ah… eu.. Meus pêsames.. -Ele diz ainda acariciando o cabelo da menina.

— … o-obrigado.. -Bela diz soando o nariz para dentro, contendo-se para não escorrer e sujar ainda mais a camisa do ruivo.

Pouco a pouco, ambos foram cedendo aquele abraço de um jeito lento e delicado. Bela não estava acreditando no que acabara de acontecer, "Ele fez isso mesmo?", pensou pela milésima vez ao enxugar o molhado de seu rosto na manga de sua longa blusa azul. De qualquer forma, Bela realmente precisava daquilo, mesmo ele não podendo fazer nada em relação sua perda. Ela nunca, absolutamente nunca esperaria algo deste tipo vindo diretamente de Castiel. Por tudo que ele já disse a ela. Limpou mais uma vez suas lágrimas e abaixou a cabeça envergonhada pelo que acabou de acontecer. Castiel, recompondo-se do seu ato, percebeu que seu corpo já não estava se misturando com o calor do da menina, e que ela já não estava mais entre seus braços, molhando toda sua roupa.

— Sério. Desculpe por isso, não era à minha intenção. E relaxa… uma hora tudo vai passar e vai ficar bem. -Castiel fala recuperando a postura de "Homem, masculino, macho" e aquele seu estilo cliché de Bad Boy, mesmo estando um pouco surpreso com si próprio. Ao final da frase, Coça sua nuca, tentando disfarçar seu constrangimento, e com a outra mão, dá dois tapinhas no ombro da garota, que permanecia de cabeça baixa, ainda envergonhada e vermelha.

Bela, tímida, apenas consente.

— Se cuide.. E repetindo, preste atenção em quem se esbarra, especialmente se esse alguém for como a Ambre ou suas amigas. -Castiel fala dando as costas e pondo as mãos nos bolsos. Em seguida, sai caminhando, sem deixar Bela dizer mais nada e a fazendo ficar parada ali, sozinha, deixando suas lágrimas secarem.

O coração de Bela estava voltando a bater normalmente, não só pelo choro desesperado, mas por aquele abraço que o menino lhe deu. Olhou para os dois lados do corredor, e ainda atordoada, resolveu caminhar um pouco para revisar tudo em sua mente. Primeiramente, acordou super desanimada; segundo, estava saindo da sala de música, indo em direção ao banheiro quando se esbarra em Ambre e suas amigas, e no final das contas, foi jogada no chão gelado e duro; e por último e até o presente momento, chorou na frente do garoto mais idiota que conheceu, e para melhorar a situação, quando tentou fugir, foi agarrada e puxada para um abraço — sem saber o porquê daquilo, já que Castiel não parece nenhum pouco acolhedor —. Para não perder o costume, balançou sua cabeça, afastando-se de todos os últimos acontecimentos para evitar encher sua cabeça de baboseiras e perguntas que nunca seriam respondidas por aquele Ruivo. Entrou no banheiro feminino, o qual estava vazio. Foi em direção ao lavatório e banhou suas mãos, direcionando-as ao seu rosto quente e agora rosado, e o molhando com a água gelada da torneira. Levantou seu rosto lambuzado da água, e imediatamente, seus olhos rolaram em direção ao espelho. Indignou-se ao ver seu reflexo, como ela pode ter ido para a faculdade nesse estado? Com essas enormes olheiras, com o cabelo bagunçado, os seus olhos vermelhos e o rosto seco, por causa da fome. "Por que Bela ?", Indagou a menina mentalmente ao descer o dedo indicador por seu reflexo. Poderia notar uma pequena lágrima se formar em seu olho direito, onde carregava toda a amargura e tristeza da garota. Pobre Bela, ela acredita que nunca herdará o verdadeiro significado de seu nome, já que se acha tão feia e horrenda. Aquelas suas íris bicolores, desprezaveis. Seus longos cabelos castanhos da tonalidade clara quase loiros e lisos pff, ultrapassados e lhe davam a aparência de uma mulher sem graça. Seu corpo escultural, com curvas que pareciam ser desenhadas por deuses, que nada!, ela se acha uma tábua. A mesma, analisou as grandes e escuras olheiras que pintavam o redor de seu olhar, e sobre elas, uma linha do líquido transparente desce por seu rosto até chagar na gola do casaco de lã azul que usava.

Por que o destino foi tão cruel com essa garota?

Ela apenas queria entender o porquê disso, mas toda vez que se olha no espelho, o inimigo joga verdades e insultos de pesar a alma e despedaçar o coração. Pronto, eis mais uma coisa para se odiar. Além de ser uma fraca, que não pode fazer nada em relação a sua família, uma doente, que vive apenas de remédios e mais remédios, era feia. Segundo Bela, olhando-a deste jeito já não é bonita, imagine quando chorou na frente de Castiel, ou melhor, quando chorou no próprio Castiel, deveria parecer um monstro. "O que ele deve estar pensando de mim?" , pensou Bela preocupada. Seu coração palpitou quando lembrou do olhar sem graça o ruivo quando soube da notícia, diferente de Bela, que belos olhos ele tem. Jogou mais uma vez água em sua face, querendo acorda-la para vida e esquecer novamente disso tudo, para deixar tudo apenas no passado — um passado de sete minutos atrás —. Enxugou seu rosto na própria blusa e respirou fundo, recuperando sua postura Séria e comportada, assim como sua falecida mãe lhe ensinara quando menor. Deu as costas e sai daquele ambiente. A caminho do refeitório, Bela sofria uma batalha mental dentro de sua cabeça. Não sabia o que pensava: mãe, pai, tia, Castiel, eu. Ainda estava muito surpresa com aquilo que ele fez, e ainda mais com ela mesma, que aceitou o Abraço numa boa e ainda chorou feito louca. Mas, para variar, por algum motivo ela está se sentindo melhor. Melhor nem se perguntar o porquê disto.

[. . .]

Após os quinze minutos que sobraram de seu intervalo, partiu para as aulas de quarta feira, desta vez, menos depressiva e tristonha, apenas séria. Enquanto o professor Faraize riscava a lousa com seu giz branco, escrevendo alguns fatos históricos relacionados com arte, Bela batia a ponta do lápis compulsivamente contra o vidro da janela , distraída. Levou um arrepio quando viu que algumas gotas de chuva baterem no vidro e em menos de dois minutos, virou uma verdadeira queda d'água. Ainda bem que ela sempre vem preparada para uma situação dessa. As árvores iam de um lado para o outro conforme a intensidade do vento, e pequenos trovões, não tão escandalosos, eram dados. A única coisa que iluminava o céu, não era o sol, e sim os relâmpagos, majestosos na visão de Bela. Passou a prestar atenção na aula quando o professor chamou a atenção de algum aluno, e não queira que isso também acontecesse a ela.

[. . .]

Finalmente o sinal do final da aula bateu, e todos animados com isso, guardaram seus matérias rapidamente, assim como Bela, mas ao contrário dela, todos saíram apressados para irem embora, deixando-a praticamente sozinha naquela sala de aula. Menos mal. Vagarosamente, sai da sala e andou tranquilamente pelos corredores quase vazios, com a exceção de alguns professores. Virou o corredor e deu de cara com a saída. Ajeitou sua bolsa em seu colo para pegar o guarda-chuva para por fim, ir embora logo e talvez matar essa fome que surgiu do nada.

— Ué… -Ela disse revirando alguns materiais em busca do tal objeto.

Procurou, muito, mas não achou. Já desesperada, sentou no banco mais próximo e tirou tudo de sua bolsa, mas sem sucesso. Bufou de raiva quando se deu conta que não trouxe. "Parabéns", repetiu ironicamente em sua cabeça enquanto guardava tudo de volta. Olhou para fora, examinando a chuva. Impossível sair sem se molhar, sua única opção é usar algo como guarda-chuva, e tudo isso sobrou para sua bolsa. Levantou contrariada e pos a mesma sobre sua cabeça. Respirou fundo e saiu correndo para fora, recebendo água e mais água. Pobre Bela, além de molhar seu material, isso não adiantou nada. Em um certo ponto, na esquina da escola, parou de correr, pois é inútil, de qualquer forma irá ficar inundada pela chuva. Que sorte hein..

Chutando poças d'água e se xingando mentalmente por ter saído da faculdade antes da hora, continuou seu percurso cuidadosamente para não escorregar e cair. Andou mais um pouco até chegar em um ponto de ônibus parado, porém coberto, Bela Vitoriosa por achar um lugar seco, corre até lá e se senta no primeiro banco que vê. O certo seria esperar até a chuva diminuir, o que iria demorar. Suspirou profundamente zangada pelo fato de estar toda molhada. Chacoalhou os pés para tirar um pouco da água parada em seu tênis e soltou seu cabelo, torcendo-o. Estava tão distraída com suas vestes que nem percebeu que algo parou em sua frente.

— Psiu.

Escutando aquilo, Bela levanta o olhar para su frente, e leva um susto quando vê alguém parado com uma moto de capacete. "PUTA QUE PARIU! CARALHO, É UM ASSALTO, FODEU MUITO.", — Bela não é de falar muito palavrão, mas foi necessário — pensou instantaneamente, e antes que pudesse reagir ou dar um grito, a pessoa em sua frente retira o capacete. Respirou fundo, aliviada, pois era apenas Castiel. O que ele quer agora ?

— Ei, O que você está fazendo aí desse jeito ? -Ele diz jogando seus cabelos vermelhos para trás, o qual estavam todos molhados, Chegava a ser… digamos.. Um tanto quanto sexy aos olhos de Bela.

Ao perceber no que estava pensando, balançou a cabeça negativamente na tentativa de mudar aquilo.

— Eu.. Estou esperando a chuva passar para ir embora.. -Ela diz evitando cruzar olhares.

— Isso é sério ? -Castiel diz arqueando a sobrancelha e apoiando seu pé no chão para que sua moto não caísse para o lado de onde estava inclinada.

Bela consente em silêncio.

— Vem, sobe aqui. -Ele falou jogando o capacete no colo da menina que o olha com os olhos arregalados.

Primeiro ele a Abraçou, e agora ele está oferecendo uma carona ?. "Quem é você e o que fez com o Castiel", Indagou com a cabeça nas nuvens. "Será que ele está com outras intenções", pergunto a si mesma. Não, não mesmo, quem iria se interessar por uma garota como Bela. Mas bem, seria correto aceitar a carona ?.

— Eu…

— Você vem ou vai ficar aí parada ? -O ruivo diz sério e virando a cabeça para a rua.- você pode pegar um resfriado ou sei lá.

— Ah.. Sendo assim.. Eu... Eu vou. -Bela diz envergonhada.

Okay, isso pode ser estranho, mas Bela precisa mesmo chegar em casa. Se aproximou da moto e muito desconfortável, se senta atrás de Castiel. Se recusou a agarrar sua cintura, não quer repetir o ato de hoje mais cedo.

— Você tem sorte que estou com bom humor hoje. -Ele diz ligando novamente seu veículo.- Eai, onde você mora.

— No.. No apartamento Chaleur na rua Ange. -Responde envergonhada.

— Não é muito longe daqui. Mas mesmo assim, se segura pois estou acostumado a correr. -Castiel fala já começando a andar.

— S-segurar ? O que ? N-não. Eu me s-seguro nas laterais.. -A morena fala colocando o capacete.

— Certeza Haha ? -Castiel diz acelerando um pouco mais e na hora, Bela segura em sua cintura desesperada pela velocidade alta.

Para Castiel, aquilo foi um sinal para que ele acelerasse mais. Ele não estava fazendo aquilo para se exibir, ele faz isso diariamente. E lá estavam os dois em meio da avenida a caminho de Chaleur. A vontade de Bela era gritar sem parar e pedir para descer dali já! Mas estava rouca. Castiel ria mentalmente imaginando a reação da garota na garupa de sua moto. No mínimo, em três ou quatro minutos, ainda na chuva, os dois chegaram ao destino. Quando a moto foi estacionada em frente ao apartamento, Bela retira o capacete e levanta rapidamente. Estava tão tonta que queria vomitar, porém não havia nada em seu estômago. Passou a mão por sua testa molhada, respirando desesperadamente. Mal percebeu, mas só faltava um binóculo para Castiel olhar melhor o corpo de Bela. Não que ela seja um pervertido mal caráter, mas porque Bela tem realmente um corpo maravilhoso, especialmente agora que sua blusa está colada em cada curva e pedaço do busto e cintura. Castiel, vira a cabeça para o lado da rua mordendo seu lábio inferior. Mal perdeu a Ex e já está secando outra garota… Ainda estava se perguntando o que deu nele que resolveu ajudar essa desastrada, talvez seja mesmo o bom humor…

Balançou sua cabeça, afastando-se pensamentos impuros e volta a atenção a Bela, que ainda estava atordoada.

— P-por que você fez isso ? -Ela pergunta tentando conseguir equilíbrio.

— Eu te disse. Eu gosto de alta velocidade, a adrenalina está em meu sangue. -Castiel sorri ao ver que ela estava assustada com aquilo tudo.

— .. m-mas de qualquer forma, muito obrigado. -A morena diz entregando o capacete e ajustando sua bolsa nas costas.

— É, é o mínimo possível que poderia fazer para uma pessoa como você. -Fala o ruivo ligando de volta a moto.

"O que ele quis dizer com isto", pensou Bela, confusa.

— Até mais, e não se esqueça de trazer um guarda chuva da próxima vez. -Afirmou Castiel jogando seus cabelos molhados para trás novamente, e Bela analisou cada detalhe o possível dessa ação. Não vamos mentir, Ela estava com um brilho no olhar, chegava ficar um pouco boquiaberta.- Até mais, garota.

Após o seu até mais, da meia volta sem deixar a oportunidade de Bela também se despedir de forma educada. Ficou mais um minuto do lado de fora apenas para raciocinar o que aconteceu. Ela já sabe o que pensar e repete, "O que deu nele ?". Nem parece que é o mesmo. Tudo bem, Ela não irá ficar criando expectativa que ele irá mudar, nunca se sabe o que passa na cabeça de um ser humano como esse Castiel.

— ..a-ah.. aatchin!! -Espirrou feito uma gato e sacudiu seu corpo de frio.

Correu toda molhada para dentro do apartamento e adentrando no elevador sem se importar com o seu estado físico.

"Que dia mais estranho"… pensou Bela saindo do elevador assim que ele para em seu andar. Sim, foi estranho da visão dela, mas a de Castiel, foi pior ainda. O ruivo não sabia o que estava dando em sua cabeça para poder "ajudar" alguém que ele mal conhece e ainda por cima, deixa-la montar em sua moto. Para ter uma idéia, nem deixar a Debrah tocar em seu veículo de duas rodas ele deixou. Talvez o clima tenha mudado seu humor.. afinal.. Ele adora a chuva , adora a sensação de frio e das roupas molhadas, principalmente quando estão coladas em um corpo como o de Bela.. 

Ele adora ver garotas molhadas.

Pela água da chuva.. É claro.


Notas Finais


Castiel safadin ( ͡° ͜ʖ ͡°) 

MeoDeos, Bela é tão esquecida.. Se bem que não pode negar, ela deve ter gostado de ver aquele ruivo na chuva ksksks
Bem pessoas, mil desculpas pela falta de criatividade e pelos erros de português.. Estou tentando dar o meu melhor!
Tudo para retribuir o apoio que vcs me dão. Muito obrigado ♡♡♡!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...